“Debate”: TESTEMUNHAS DE JEOVÁ versus BATISTAS

Este vídeo apresenta uma conversa respeitosa entre Testemunhas de Jeová e Batistas, que terminou de forma pacífica. Os argumentos e contra-argumentos apresentados de ambos os lados ajudam os sinceros a ver de que lado está a verdade.

O uso e significado da palavra “Deus” (Elohim) nas Escrituras Sagradas

Há um assunto que achei necessário postar em vista da desinformação causada por muitos chamados apologistas e teólogos que tem mais confundido do que ajudado na pesquisa da palavra de Deus.

O uso e significado da palavra “Deus” conforme usada nas Escrituras Sagradas. Gostaria de repetir o que postei na página sobre o MONOTEÍSMO JUDAICO a fim de exclarecer alguns pontos importantes.

Esta matéria explica de modo claro e sem rodeios que ELOHIM não é como dizem muitos , um dos “nomes de Deus”. Nada disso! Na verdade como verá abaixo ELOHIM (em Hebraico) é equivalente a palavra Deus ou deus, em português. E não se refere apenas ao Ser Supremo. Ou seja, não é especifica mas assume um caráter de um substantivo comum na Bíblia.

(Obs.: Elohim em hebraico é o equivalente de THEÓS em grego. Tenha em mente que o V.T foi escrito em hebraico e o N.T foi escrito em grego.)

Os Judeus acreditavam que existiam vários deuses legítimos

Os Judeus ou Israelitas  foram o povo pactuado de Jeová (IHVH) e como tal reconheciam que o termo “Deus/ deus” não era uma palavra específica para designar o Deus Todo Poderoso. Por exemplo, Moises foi chamado de “Deus/deus” em Exodo 7:1. (Clique para ler em outra janela)

moisés_arão

Quem chamou Moisés de “Elohim” (Deus) ???

Como podemos ver no texto, foi o próprio Jeová Deus que considerou Moisés um deus. Não foi do ponto de vista de  Faraó ou outros, mas o próprio Deus todo Poderoso o tornou “poderoso” em ações e palavras, o que fez dele “um deus”.

Devido a posição e poderes a ele delegados pelo Deus Todo Poderoso, Moisés foi considerado um “Deus/deus”. É bom relembrar que este detalhe de mencionarmos a palavra “Deus” com letras maiúsculas ou minúsculas é irrelevante para a nossa avaliação do ponto de vista filológico visto que em hebraico antigo e grego koine não se fazia diferenciação entre letras maiúsculas ou minúsculas. Portanto, se Moisés foi chamado de “Deus” em hebraico em Êxodo 7:1 isso implicava que ele possuía poderes ao seu dispor que o colocava em posição elevada em relação a seus contemporâneos.

Deus disse a Moisés neste verso: “Vê, eu te fiz Deus (Elohim: אֱלֹהִים) para Faraó, ao passo que Arão teu irmão te servirá de profeta

A Tradução New American Standard Bible verteu essa passagem da seguinte maneira:

Vede, eu te faço Deus para Faraó, e teu irmão Arão será teu profeta

Por receber poder Divino e autoridade de Jeová (IHVH), Moisés foi chamado de “Deus” (hebraico: Elohim).”

Muitos teólogos e apologistas modernos negam a existência de outros chamados “deuses”. Observe outro erro grave dos pastores e teólogos neste artigo!

deuses

Ou dizem que tais “deuses” só podem ser “deuses falsos” uma vez que a Bíblia diz que existe apenas um “único Deus Verdadeiro”. Contudo, os primitivos judeus usavam a palavra “Deus” (Hebraico: Elohim ; Grego : THEÓS) para se referirem a  tudo o que possui poder ou exerce poder sobre outros ou alguma criatura com poderes concedidos por Jeová, o Ser Supremo, identificado nas Escrituras pelo tetragrama (IHVH). Os Judeus não viam nisso uma contradição. As passagens que cito aqui neste artigo possuem declarações explícitas, onde certos deuses são considerados deuses legítimos devido ao poder concedido pelo Deus Todo Poderoso.

Jesus ao chamar seu pai de “o Único Deus verdadeiro” não estava  excluindo totalmente outros de serem considerados “deuses” legítimos. Temos que tomar cuidado e evitar formar teologia a partir de uma declaração que não seja globalmente bíblica. Ou seja que não seja baseada em “Toda a Escritura”. Por exemplo, os Fariseus disseram, numa discussão com Cristo, que “temos um só pai, Deus” (João 8:41). Pouco antes haviam falado que  “Nosso pai é Abraão.”( João 8:39). Significa que declarações exclusivas nem sempre são literalmente assim. Se considerarmos as palavras ao pé da letra chegaremos a conclusão de que Abraão era Deus e que Deus era Abraão, visto que os Fariseus chamaram a ambos de “pai”. E pior ainda, disseram que não tinham nenhum outro pai a não ser Deus. De modo similar, Jesus ao dizer que seu pai é o ” Único Deus Verdadeiro” não estava dizendo que todos os outros eram deuses falsos e sim enfatizando que seu pai é o Deus Supremo em relação a outros que podem ser assim chamados. De fato observe que 1 Coríntions 8:5,6 afirma que “há muitos deuses”, daí o texto diz: “quer no ceús quer na terra”… Em harmonia com isso o Salmo 8:5 chama os anjos poderosos de “Deuses” ao usar a palavra hebraica ELOHIM. (Obs.: muitas versões usam a palavra “Deus” ou “deuses”, no hebraico ocorre a palavra ELOHIM , se alguma versão optou por verter “anjos” ela está parafraseando igual fez a LXX citada por Paulo)

Elohim (deus, deuses) é definido como sendo :

I. Deus, deus, deuses
II. governantes, juizes, anjos
III. Pl. intensivodeus, deusa

http://www.biblicalheritage.org/Linguistic/HL/1-A/-elohiym.htm

Palavra: ELOHIM Segundo a definição do respeitado Brown Driver Briggs Léxico Hebraico -Inglês :

  • a. governantes, juizes, quer como representantes divinos em lugares sagrados ou como refletindo majestade divina e poder.
  • b. divinos, seres humanos  poderosos, incluindo Deus e anjos.
  • c. anjos;

O Salmo 82:1 se refere a Juízes humanos e os chama de “deuses”. Lemos que o Deus Todo Poderoso

“preside na grande assembléia e julga entre os deuses…”

Salmo 82:6 prossegue na mesma linha…

“Vós sois deuses e todos vós sois filhos do Altíssimo”

Estes e outros inúmeros textos evidenciam que a palavra hebraica “Elohim” “Deus” ou “deuses” é aplicada pelos Judeus primitivos tanto em escritos da Bíblia Sagrada como também em escritos extra bíblicos como se referindo a deidades secundárias sem que isso comprometesse o monoteísmo judaico.

A Concordância Analítica de Young da Bíblia, Eerdmans , 1978 Reprint , ” Dicas e ajuda a Interpretação da Bíblia”  explica sobre a palavra Deus:

“65 Deus – . É  usado referente a  qualquer um ( professadamente ) PODEROSO , sendo verdadeiro ou não , e é aplicada não somente ao verdadeiro Deus , mas aos falsos deuses , magistrados , juízes , anjos , profetas, etc , por exemplo – Ex. . 7:1 , 15:11 , 21:6 , 22:08 , 9; … Sal 8:5 ; . 45:6 , 82:1 , 6; 97:7 , 9 … João 1:1 , 10:33 , 34, 35 ; 20:28 …. “

A Bíblia trinitária de Estudo NIV Study Bible , Zondervan , 1985 diz-nos :

” Na linguagem do AT … governantes e juízes, como agentes do Rei celestial ,podem receber o título honorífico de” Deus ” … ou ser chamado de ‘ filho de Deus ‘ . “ – Nota de Sal. 82:1 E , na nota de Salmo. 45:6 , o mesmo estudo da Bíblia nos diz : “Neste salmo, que elogia o Rei[ israelita ] … , não é impensável que ele seja chamado de ” deus ” como um título de honra (cf. Is 9. : 6) “.

O Novo Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento , Zondervan , 1986 , diz-nos :

” A razão pela qual os juízes são chamados de ” deuses “no  Salmo 82 . É que eles têm o cargo de administração do juízo de Deus como ” filhos do Altíssimo . ” No contexto do Salmo. Os homens em questão não conseguiram fazer isso .. .. por outro lado , Jesus cumpriu o papel de um verdadeiro juiz como um “deus” e ” filho do Altíssimo . “ - Vol . 3 , p . 187.

O uso da palavra Theós em grego sendo o equivalente de Elohim por parte dos escritores do chamado Novo Testamento reflete o mesmo conceito judaico.

Em João 1:1; 20:28 e hebreus 1:8

Ao lermos o Salmo 8:5 na LXX (Septuaginta, uma versão do V.T traduzida para o Grego) veremos que esta verteu a palavra hebraica ELOHIM (Deus,deuses) por ANGELOS ou anjos.

ἠλάττωσας αὐτὸν βραχύ τι παρ’ ἀγγέλους δόξῃ καὶ τιμῇ ἐστεφάνωσας αὐτόν (siga o link se desejar!)

Poderá consultar a Concordânica Exaustiva de Strong e ver por sí mesmo que a palavra ELOHIM que aparece neste versículo é aplicada a magistrados, anjos, e outros além do Deus Todo Poderoso Jeová. De fato, o nome Jeová identifica o ser Supremo e Aquele que é chamado de “O Único Deus Verdadeiro” em João 17:3.

É evidente que visto que Jesus usou a expressão “Único Deus Verdadeiro” não exclue outros de serem chamados de Elohim ou deus. Temos que tomar cuidado com isolar textos bíblicos a fim de formar opinião teológica. Ademais há na bíblia declarações que indicam que exclusões nem sempre devem ser tomadas ao pé da letra.

Como vimos acima na discussão com os  Fariseus registrada em João 8: 39 Jesus ouviu os líderes religiosos dizerem:

Nosso pai é Abraão.”

Poucos versículos depois ( v.41)  os mesmos Fariseus disseram:

“Não nascemos de fornicação; temos um só Pai, Deus.”

Portanto eles disseram que tinham somente um pai. Isso excluía Abraão de ser chamado de “Pai” por estes ? Não! De modo similar, Jesus chama seu Pai de “O Único Deus Verdadeiro”, contudo isso não exclui outros de serem chamados de “deuses” sem que estes sejam deuses falsos.

Elohim contrastado com o plural numérico em hebraico

Em Gênesis 35:2,4 ; Êxodo 12:12 vemos a ocorrência do plural numérico de Elohim, a saber, Elohê , que significa deuses. Esta é a palavra hebraica específica para indicar uma pluralidade numérica a ser distinguida de Elohim. Gramática Hebraica de Gesenius pag. 399.

Conceito equivocado perpetuado por “doutores” e “pastores” modernos

Hoje em dia homens como Robert Bowman que só sabe publicar livros contra as Testemunhas de Jeová e dedica sua vida a persegui-las em suas palestras, afirma que “só existe um Deus” e que todos os outros são “deuses falsos”. Isso não é de forma alguma o que as Escrituras Sagradas revelam e nem mesmo léxicos respeitados como os que citei acima aqui neste artigo. Ocorre que estes religiosos modernos sutilmente e de maneira enganosa enxertam suas idéias e tradições religiosas em seus cultos religiosos. Muitos destes quando eram garotos ouviram pais católicos repetirem a frase “Deus é um só”. Embora saibamos que tal frase quer dizer que o Verdadeiro Deus é apenas um e que o Ser Supremo é apenas um, na verdade acaba passando outra idéia. A de que não existem outros deuses legítimos e que são assim chamados sem que estes sejam “falsos deuses”.

Observe o que afirmou Lord Saga um versátil apologista das Testemunhas de Jeová:

 “Seria Jesus um “Deus” falso? Visto que na Bíblia só há um Verdadeiro (Isaías 43:10)?

Que pensamento bobo.
Isaías 43:11 diz que apenas Deus é salvador.
Então o os Juízes bíblicos que salvaram o povo de Israel das mãos dos filisteus eram “FALSOS salvadores” ? (Juízes 2:16 ; 3:9,15; 1 Samuel 10:19)

A Bíblia diz que Jesus é o Filho Único de Deus. (Jo 3:16)
Os anjos são “FALSOS filhos” de Deus? (Jó 1:6 ; 38:7)

A Bíblia diz que apenas Deus é Pai. (Mateus 23:9)
Então o pai do Luiz é um “FALSO pai”?

Mateus 23:9 – > Além disso, não chameis a ninguém na terra de vosso pai, pois UM SÓ É VOSSO PAI, o Celestial

— Questão dos Superlativos Divinos do Senhor Jeová Deus Pai—

Quando a Bíblia diz que o Pai é o único Deus. (Jo 17:3, 1 Cor 8:5,6)
Não impede que outros sejam chamados de “Deus”, mas significa que ele é Deus em certo sentido ou num patamar superlativo em que Só Ele É.

Também é assim com termos como Pai, Salvador, Bom, Santo, Sábio. Outros também são pais, salvadores, bons, santos ou sábios, mas em sentido diferente do que (somente) Deus é.

Como vimos a pergunta cima revela um equivoco teológico enraizado na mente dos que se deixaram moldar pela tradição religiosa e não por exatidão na adoração de Deus. De fato, a palavra Deus/deus é usada nas escrituras como um substantivo comum.

Observe o que diz a Obra Estudo Perspicaz das Escrituras citando Dicionários respeitados:

O título “Deus” não é nem pessoal, nem distintivo (alguém pode até mesmo fazer de seu ventre um deus; Fil 3:19). Nas Escrituras Hebraicas, a mesma palavra (’Elo·hím) é aplicada a Jeová, o verdadeiro Deus, e também a deuses falsos, tais como Dagom, o deus filisteu (Jz 16:23, 24; 1Sa 5:7) e Nisroque, deus assírio. (2Rs 19:37) Caso um hebreu dissesse a um filisteu ou a um assírio que ele adorava a “Deus [’Elo·hím]” isso obviamente não bastaria para identificar a Pessoa à qual se dirigia sua adoração.”

Até mesmo o inimigo da vida eterna é chamado de “Deus” (grego THEÓS) em 2 Coríntios 4:4 (clique aqui para ler)

Nos artigos sobre Jeová, The Imperial Bible-Dictionary (O Dicionário Bíblico Imperial) ilustra belamente a diferença entre ’Elo·hím (Deus) e Jeová. A respeito do nome Jeová, diz:

É, em toda a parte, um nome próprio, indicando o Deus pessoal, e somente ele; ao passo que Elohim assume mais o caráter de um substantivo comum, indicando, em geral, deveras, o Supremo, mas não necessária ou uniformemente. . . . O hebreu talvez diga o Elohim, o verdadeiro Deus, contrapondo-o a todos os deuses falsos; mas ele jamais diz o Jeová, pois Jeová é unicamente o nome do verdadeiro Deus. Ele diz, vez após vez, meu Deus . . .; mas jamais meu Jeová, pois quando ele diz meu Deus, quer dizer Jeová. Ele fala do Deus de Israel, mas jamais do Jeová de Israel, pois não existe nenhum outro Jeová. Ele fala do Deus vivo, mais jamais do Jeová vivo, pois só pode conceber Jeová como estando vivo.” Editado por P. Fairbairn, Londres, 1874, Vol. I, p. 856.” (O GRIFO É MEU)


Fica claro então após tal analise cuidadosa, que a palavra “Deus” em hebraico ELOHIM e em Grego THEÓS não é o que dizem muitos dos chamados Cristãos ou teólogos em sua maioria. Eles estão distanciando as pessoas do “conhecimento exato” (epignosis) que Paulo tanto alertou que é necessário para todos nós alcançarmos a salvação de Deus por intermédio de Jesus Cristo. 1 Timóteo 2:4 Col. 1:9 Fil 1:9. As muitas desculpas para se evitar usar o Nome de Deus por removê-lo de suas traduções da palavra de Deus não convence. (clique aqui para ver um dos motivos apresentados por Teólogos e eruditos de renome para não usar o Nome de Deus, muito embora este apareça milhares de vezes nos mais antigos manuscritos da Bíblia.) Espero que ao ler este artigo tenha entendido que o Ser Supremo tem um Nome que o identifica dentre todos os outros deuses. Daví e outros servos de Deus usavam o Nome dele todo tempo não somente na conversa diária, como também ao escreverem a Bíblia sob inspiração divina.

Leiam o artigo :

“Elohim” por ser plural, indica que Deus é uma trindade de pessoas?

Duas regras – uma falsa e uma verdadeira

NOVA KING JAMES RESTAURA O NOME DIVINO NOVO!

Visite a página principal TRADUÇÃO DO NOVO MUNDO DEFENDIDA!

Possui Deus vários nomes ou apenas um só nome? (Observará que alguns repetem o conceito errado de que “Deus tem vários nomes” e chegam a dizer que ELOHIM é um dos nomes, sendo que como vimos claramente acima a partir de léxicos respeitados, ELOHIM é como se diz “Deus/deus” em hebraico e não é nome coisa nenhuma, mas um substantivo de uso comum)

Negam as TJ a divindade de Jesus?

QUEM VAI PAR O CÉU E PORQUE?

Acesse a BIBLIOTECA DAS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ ON LINE

QUERO RECEBER UMA VISITA GRATUITA EM MINHA RESIDENCIA A FIM DE ESTUDAR A BÍBLIA UMA VEZ POR SEMANA

DESCUBRA ONDE FICA O LOCAL DE REUNIÃO DAS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ PERTO DE SUA RESIDÊNCIA!

RETORNE A PÁGINA PRINCIPAL DO AUTOR DESTE WEBBLOG


contador de visitas
contador de visitas


Lecionamos Inglês também!

A Batalha contra o Nome de Deus continua – CUIDADO COM OS EMBUSTEIROS

críticos da TNM Recebi certo e-mail onde o leitor achou material enganoso publicado por pessoas que fazem pesquisas tentando enganar. Movidas por ódio fazem pesquisas enganosas que contém deturpações com aparência de conhecimento de supostos  “originais” da Bíblia . CUIDADO com este tipo de material.  Observe até que ponto vão os opositores. Visto que este site, se compromete em fazer defesa linguística da Tradução do Novo Mundo , decidi  expor a enganação dos que batalham contra o Nome de Deus.  Analise o argumento deles abaixo, começaram citando um texto na Tradução do Novo Mundo que reza:

“Que observa o dia, observa-o para Jeová. Também o que come, come-o para Jeová, pois dá graças a Deus; e o que não o come, não come-o para Jeová, porém dá graças a Deus. Nenhum de nós, de fato, vive somente para si mesmo, e ninguém morre somente para si mesmo, pois se vivemos, vivemos para Jeová, assim como se morremos, morremos para Jeová. Conseqüentemente, quer vivamos quer morramos, pertencemos a Jeová. Pois com este fim morreu Cristo e voltou a viver para ser senhor tanto sobre os mortos como sobre os vivos”. Rom. 14:6-9

Em seguida o autor do texto tentando desacreditar a TNM faz o seguinte comentário:

“Neste texto, a chave se encontra no versículo 9, onde se diz que a morte e ressurreição constituiu Cristo como “senhor dos vivos e dos mortos”. A última palavra (o verbo “kyrieuse”) deriva do substantivo “Kyrios”, que significa “Senhor”. São Paulo emprega constantemente esta palavra para se referir a Cristo: “Cristo é o Senhor”. Neste versículo, que é o mais importante, estão de acordo o texto grego, a versão interlinear, a versão da direita e a versão espanhola. Porém, devemos prestar atenção aos versículos anteriores… Aparece seis vezes a palavra “Kyrios”, que na versão interlinear se traduz corretamente por “lord”, isto é, “senhor”. À direita, porém, encontramos tal palavra traduzida por “Jeová”. No texto original encontramos uma sucessão lógica de idéias: “Comemos para o Senhor, vivemos para o Senhor, morremos para o Senhor, pertencemos totalmente ao Senhor porque Cristo morreu e ressuscitou para ser Senhor”. Essa lógica é interrompida se traduzimos que “Comemos para Jeová, vivemos para Jeová, morremos para Jeová, pertencemos totalmente a Jeová porque Cristo morreu e ressuscitou para ser Senhor”. A mesma deturpação encontramos em Lucas 1,43-46, quando lemos na Tradução do Novo Mundo: “‘Pois a quem se deve que eu tenha este [privilégio] de que me venha a Mãe de meu Senhor?… haverá uma completa realização das coisas que lhe foram faladas da parte de Jeová‘… Maria disse: ‘Minha alma engrandece Jeová‘”. As três palavras grifadas correspondem, em grego, à palavra “Kyrios”, ou seja, “Señor”.

Certo leitor ao ver tais argumentos em um site crítico da Tradução do Novo Mundo, me enviou um e-mail procurando saber o que penso a respeito. Minha resposta foi: “Simples, não existe nenhum manuscrito “original” da Bíblia.  Só isso desmonta toda a articulação desta tese anti Testemunha de Jeová. Eles deviam estar mais preocupados com a remoção do Nome no chamado VT em suas versões da Bíblia. São hipócritas ao criticarem a TNM e apoiarem a remoção do Nome (quase 7000 vezes),  não somente no V.T como no N.T em passagens que citam o V.T”. O leitor me enviou então a seguinte frase:

” [ Os críticos da TNM…] fazem muito barulho ao falarem que a TNM adiciona o nome no NT, mas quando a bíblia deles remove o nome do AT, eles não fazem esse estardalhaço.”

Vale mencionar ainda outras considerações a respeito do texto acima escrito pelo crítico da TNM. Como deve observar ele contém muitos erros por ser aparentemente um tradução do Google colada às pressas sem revisão. Fala do texto grego que temos hoje na Interlinear como se fossem os “originais” da Bíblia, quando são na verdade cópias. De fato, os manuscritos originais da Bíblia, escritos pelos Apóstolos eram feitos de materiais perecíveis, tais como o couro e o papiro. Com o tempo, estes se decomporam e foram substituídos por cópias. Os autógrafos ou originais em grego  não existem mais. Portanto, a afirmação de que “nos originais ocorre a palavra KYRIOS ou “Senhor” é falsa. Ademais, como sabemos todos os escritores da Bíblia Sagrada eram judeus. Estes usavam o Nome de Deus sem restrição. Foi somente com o tempo que pararam de usar o Nome de Deus, JEOVÁ e o substituíram oralmente por palavras ou frases tais como HA SHEM (O Nome) ETERNO e ADONAY. Ainda assim, os judeus não fizeram o desfavor de remover o Nome de Deus de suas cópias da Bíblia. Algo que os tradutores tanto católicos como evangélicos fazem sempre. Não há dúvida de que o Nome de Deus era amplamente usado pelos primitivos escritores inspirados. Os apóstolos empregavam o Nome de Deus em seus escritos. Existem textos antigos ainda preservados que são parte do chamado V.T traduzidos para o grego (a chamada Septuaginta Grega) que contém o Nome de Deus. Paulo e outros apóstolos usavam a Septuaginta (LXX) quando escreviam o N.T, de forma que quando citavam o V.T obviamente empregavam o Nome de Deus. O Nome aparece milhares de vezes nos manuscritos em hebraico do chamado “Velho Testamento”.   A medida que o tempo passou, os tradutores da Bíblia fossem eles católicos ou evangélicos, na maioria dos casos, decidiram por remover o Nome de Deus de suas Bíblias. Isto causou uma confusão entre o Senhor Jeová e o Senhor Jesus, pavimentando o caminho para a também posterior doutrina da trindade, que não aparece na Bíblia. Não existe nenhum verso das Escrituras que falam de 3 pessoas em um só Deus. E se ler algo assim, pode ter certeza que é uma adulteração de verdade! Portanto, antes de atacar a Tradução do Novo Mundo acusando-a de “deturpar” a Bíblia, estes críticos deveriam notar que há textos em suas próprias versões prediletas, (ex.: 1 João 5:7)  que não são nem controversos, ou seja, todos sabem que não são parte da Bíblia e que foram adulterações posteriores. Certo leitor desta página propôs as seguintes perguntas ao crítico da TNM em Romanos 14:6-9:   Em segundo momento, gostaria de expor que tenho visto situações em que, se formos seguir a linha de raciocínio do questionador, então como poderíamos considerar o trecho abaixo, retirado do relato de 1 Samuel 1:25-28?

 
“…e trouxeram o menino a Eli.
E disse ela: Ah, meu senhor, viva a tua alma, meu senhor; eu sou aquela mulher que aqui esteve contigo, para orar ao SENHOR.
Por este menino orava eu; e o Senhor atendeu à minha petição, que eu lhe tinha feito.
Por isso também ao Senhor eu o entreguei, por todos os dias que viver, pois ao Senhor foi pedido. E adorou ali ao Senhor.”


Perguntas:
 
Como definir quem é o senhor citado várias vezes no referido texto?
 
Qual saber a quem se dirige o termo “senhor” em cada uma das ocorrências, além do uso de maiúsculas (colocadas pelo tradutor)?
 
A qual senhor Ana orou? O SENHOR com letras maiúsculas ou o Senhor do final do texto????
Qual senhor atendeu?
A qual deles Ana entregou seu filho?
A qual foi o menino pedido?
 
E a qual deles Ana adorou?”
O comentário acima, feita pelo leitor desta página, chamado Alex foi muito apropriado. Ele ainda me indagou se há uma diferença entre KYRIOS  e a palavra que ocorre no texto no verso 9. Respondendo a indagação dele e ao mesmo tempo a afirmação enganosa feita no início deste artigo pelo crítico da TNM,  a palavra grega kyrieuse  citada significa literalmente “ser Amo ou Senhor” , “Ter autoridade ou domínio sobre algo ou alguém” STRONG 2961. É empregada referente a outros que não o Deus Todo Poderoso, como dá a entender de modo distorcido e tendencioso o crítico. Isso pode ser confirmado ao lermos textos como Lucas 22:25 onde lemos que “os reis das nações dominam (κυριεύουσιν) sobre elas“. É o mesmo verbo grego empregado em Romanos 14:9. Em Romanos 6:9 também ao se referir à morte, que não mais “domina” sobre Jesus. Romanos 6:14 diz que “o pecado não deve dominar” ou “exercer autoridade” sobre nós e emprega o mesmo verbo κυριεύσει. A lei  “domina” ( κυριεύει ) sobre as pessoas (Rom 7:1). E por fim Paulo em 2 Cor 1:24 emprega o mesmo verbo grego ao falar que “não somos amos” ou “donos” da vossa fé”. Portanto, tal termo grego é aplicado amplamente e não representa nenhuma terminologia especificamente cristológica.

O Nome de Deus no Novo Testamento

Debate sobre se o Nome de Deus deve ser empregado no N.T

Material sobre o assunto na página OFICIAL DAS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ

Ainda sobre o tema acima, o leitor Saga fez o seguinte comentário:

“Que observa o dia, observa-o para Jeová. Também o que come, come-o para Jeová, pois dá graças A DEUS; e o que não o come, não come-o para Jeová, porém dá graças A DEUS. Nenhum de nós, de fato, vive somente para si mesmo, e ninguém morre somente para si mesmo, pois se vivemos, vivemos para Jeová, assim como se morremos, morremos para Jeová. Conseqüentemente, quer vivamos quer morramos, pertencemos a Jeová. Pois com este fim morreu Cristo e voltou a viver para ser senhor tanto sobre os mortos como sobre os vivos”. Rom. 14:6-9

(ROMANOS 14)

 1 Acolhei o [ homem ] que tem fraquezas na [ sua ] fé, mas não para fazer decisões sobre questões subjetivas. 2 Um [ homem ] tem fé para comer de tudo, mas o [ homem ] que é fraco come hortaliças. 3 Quem come não menospreze ao que não come, e quem não come não julgue aquele que come, pois DEUS tem acolhido a esse.
4 Quem és tu para julgares o servo doméstico de outro? Para o seu próprio amo está em pé ou cai. Deveras, far-se-á que ele fique em pé, pois Jeová pode fazê-lo ficar em pé.
5 Um [ homem ] julga um dia como superior a outro; outro [ homem ] julga um dia como todos os outros; esteja cada [ homem ] plenamente convencido na sua própria mente. 6 Quem observa o dia, observa-o para com Jeová. Também, quem come, come para com Jeová, pois dá graças A DEUS; e aquele que não come, não come para com Jeová, contudo, dá graças A DEUS. 7 Nenhum de nós, de fato, vive somente para si mesmo, e ninguém morre somente para si mesmo; 8 pois, quer vivamos, vivemos para Jeová, quer morramos, morremos para Jeová. Portanto, quer vivamos quer morramos, pertencemos a Jeová.
9 Pois, para este fim MORREU Cristo e passou a viver novamente, para que fosse SENHOR tanto SOBRE MORTOS como [ sobre ] viventes.
10 Mas, por que julgas tu o teu irmão? Ou, por que menosprezas também o teu irmão? Porque nós todos ficaremos postados diante da cadeira de juiz DE DEUS; 11 pois está escrito: “‘Por minha vida’, diz Jeová, ‘todo joelho se dobrará diante de mim e toda língua reconhecerá abertamente A DEUS’. ” 12 Assim, pois, cada um de nós prestará contas de si mesmo A DEUS.
 13 Portanto, não nos julguemos mais uns aos outros, mas, antes, tomai esta decisão, de não pordes diante dum irmão uma pedra de tropeço ou uma causa para cair. 14 Sei e estou persuadido no Senhor Jesus que nada é aviltado em si mesmo; somente quando um homem considera algo como aviltado, para ele é aviltado.
 15 Porque, se teu irmão, por causa do alimento, está sendo contristado, não estás mais andando de acordo com o amor. Não arruínes pela tua comida aquele pelo qual Cristo morreu. 16 Portanto, não deixeis que se fale com dano para vós do bem que fazeis. 17 Pois o reino DE DEUS não significa comer e beber, mas [ significa ] justiça, e paz, e alegria com espírito santo. 18 Pois, quem neste sentido TRABALHAR COMO ESCRAVO PARA CRISTO, É ACEITÁVEL A DEUS e tem aprovação da parte dos homens.
19 Assim, pois, empenhemo-nos pelas coisas que produzem paz e pelas coisas que são para a edificação mútua. 20 Parai de demolir a obra DE DEUS só por causa do alimento. Verdadeiramente, todas as coisas são limpas, mas é prejudicial para o homem que come com motivo para tropeço. 21 É bom não comer carne, nem beber vinho, nem fazer algo que faça teu irmão tropeçar.
22 A fé que tens, tem-na de acordo contigo mesmo à vista DE DEUS. Feliz é o homem que não se põe a si mesmo em julgamento por aquilo que ele aprova.
23 Mas, se tiver dúvidas, já está condenado, se comer, porque não [ come ] em fé. Deveras, tudo o que não vem da fé é pecado.

1- O apóstolo Paulo faz distinções óbvias entre quem é Deus e quem é Cristo, ele cita ambos, mas não como se fossem o mesmo personagem, Deus (Theos) é mencionado no 14:3, 6, 6, 10, 11, 12, 17, 18, 20 e 22; Jesus Cristo é mencionado diretamente no 14:9, 14, 15 e 18.  Estaria Paulo aqui usando menções intercambiadas referentes ao mesmo Senhor (Kyrios) como Cristo e Deus?  Não, leiam o 14:18 que diz que “TRABALHAR COMO ESCRAVO PARA CRISTO, É ACEITÁVEL A DEUS e tem aprovação da parte dos homens”. Isso mostra que Paulo não tem nenhuma intenção que misturemos a identidade de Deus com a de Cristo.

2- A TNM usa Jeová em 14:6, pois o verso mostra estar falando de Deus: “Quem observa o dia, observa-o para com Jeová. Também, quem come, come para com Jeová, pois dá graças A DEUS; e aquele que não come, não come para com Jeová, contudo, dá graças A DEUS”

3- Já em 14:9 a TNM não usa Jeová e nem poderia, a referência é o título de um senhor que domina sobre os vivos e os mortos, com o termo usado se referindo a dominação de um amo sobre seus servos e não ao nome divino. Ou alguém está propondo que Jesus morreu e ressuscitou `Para ser Jeová sobre os mortos e sobre os vivos`? Absurdo que alguém morra para “ser Jeová”, ou ´Jeová ou não é, ninguém pode vir a ser Jeová, Jeová já é e sempre será, agora e desde toda a eternidade, amém. Jeová também não pode morrer e sendo assim não necessita de ser levantado. É absurdo que alguém peça ou exija que a TNM usasse Jeová aqui! Isso é sinal de uma ignorância bíblica profunda, o desespero fanático e fundamentalista de ver impor a Trindade fazendo mal a sanidade das pessoas.

Repetindo:
1- O autor deste capitulo não crê que Deus seja Cristo
2- Romanos 14:6 fala de Deus, portanto de Jeová.
3- Romanos 14:9 não fala de Deus, que sendo imortal e eterno não morre e nem ressuscita, a referência não é ao nome divino de Jeová e sim ao cargo de ser senhor dominando sobre alguém.

Por fim, a pessoa que é trinitarista ainda tentará mais um argumento perguntando: “Mas então como pode dizer que pertencemos a Jeová se o nosso senhor é Cristo?”

Para quem conhece a Bíblia Sagrada a resposta é fácil, está em:

(2 Pedro 2:1) “O dono que os comprou” (Apocalipse 5:9) Porque foste morto e com o teu sangue COMPRASTE pessoas PARA DEUS.

Com sua morte Jesus se tornou o Amo, Dono ou Senhor que comprou pessoas com seu sangue, pessoas estas que ele comprou PARA JEOVÁ. Não existindo assim nenhum mistério, contradição ou dificuldade neste assunto.  Inclusive se ele mesmo fosse Deus as palavras estariam sem sentido, teríamos a risível situação de Deus comprando pessoas para outro Deus que não é ele mesmo, o que não cabe nesta passagem.

A mesma deturpação encontramos em Lucas 1,43-46, quando lemos na Tradução do Novo Mundo: “‘Pois a quem se deve que eu tenha este [privilégio] de que me venha a Mãe de meu Senhor?… haverá uma completa realização das coisas que lhe foram faladas da parte de Jeová‘… Maria disse: ‘Minha alma engrandece Jeová‘”.

Deturpação?
O nosso caluniador quer insinuar que Isabel (Elisabete) disse que Maria era `a mãe de Jeová` [sic], vejam bem, enquanto que na passagem bíblica anterior nosso caluniador trinitário veio com a blasfêmia herética de que Jeová `morreu` [sic], aqui ele vem com uma tão absurda quanto que é a de dizer que Jeová tem `mãe`!!!  Não preciso dizer que os dois casos iriam contra a famosa “doutrina das duas naturezas”, que foi criada justamente para prevenir situações desse tipo onde se atribuem características de limitações humanas a Deus, neste caso nascimento e morte.

Vejamos o texto:

(LUCAS 1)
41 Pois bem, quando Elisabete ouviu o cumprimento de Maria, pulou a criança na sua madre; e Elisabete ficou cheia de espírito santo, 42 e exclamou com um alto grito e disse: “Abençoada és tu entre as mulheres e abençoado é o fruto de tua madre! 43 Como é então que tenho este [ privilégio ], de vir a mim a mãe de meu Senhor? 44 Pois, eis que assim que o som de teu cumprimento chegou aos meus ouvidos, a criança na minha madre pulou de regozijo. 45 Feliz também é aquela que acreditou, porque haverá uma completa realização das coisas que lhe foram faladas da parte de Jeová. ”
46 E Maria disse: “Minha alma magnifica a Jeová 47 e meu espírito não pode deixar de estar cheio de alegria por Deus, meu Salvador; 48 pois ele tem olhado para a situação humilde de sua escrava. Porque, eis que doravante todas as gerações me proclamarão feliz; 49 visto que o Poderoso tem feito grandes ações para comigo, e santo é o seu nome; 50 e sua misericórdia é de geração em geração sobre os que o temem. 51 Ele tem agido valorosamente com o seu braço, tem espalhado os que são soberbos na intenção dos seus corações. 52 Tem derrubado de tronos homens de poder e tem enaltecido humildes; 53 tem plenamente saciado os famintos com coisas boas e tem mandado embora, de mãos vazias, os que tinham riqueza. 54 Ele tem vindo em socorro de Israel, seu servo, para fazer lembrar a misericórdia, 55 assim como disse aos nossos antepassados, a Abraão e a seu descendente, para sempre. ”

No 1:43, a “santa Isabel” está falando sobre a criança que Maria carregava no ventre e que seria o rei de todo Israel, portando o seu “Senhor”, seria até engraçado que ela do nada tivesse deduzido que a criança era o próprio Deus,  ou seja, mesmo que Jesus de fato fosse Deus, não existe motivo algum para imaginar que Isabel pensasse isso, lembrando que o dogma da Trindade ainda não tinha sido formulado e todos aqui eram judeus estritamente monoteístas fundados no unidade de Deus expressa na Shemá, ate hoje se vê como é difícil fazer um judeu aceitar a ideia de uma encarnação, maternidade divina e pior ainda, de uma Trindade, não era menos difícil na Palestina do século I d.C !!! Interessante que Isabel não expressou gratidão pelo privilégio de vir a ela “NOSSA SENHORA” e sim a “mãe de meu Senhor”.

No 1:45 ela está falando de Deus e não da criança de Maria, ela está se referindo as coisas que foram faladas através dos profetas nas Escrituras por JEOVÁ, por isso a TNM apropriadamente repõe o nome divino num lugar apropriado.

No 1:46-55 Maria está dedicando um poema a Deus e não a sua criança. Afinal ela diz: ““Minha alma magnifica a Jeová e meu espírito não pode deixar de estar cheio de alegria por Deus, meu Salvador” (Lucas 1:46,47), sobre este Deus ela chega a dizer “santo é o seu nome” (Lucas 1:49), seu poema é totalmente bíblico e várias frases podem ser postas em paralelos com louvores a Jeová no Velho Testamento.

Mas será que esta parte do evangelho não quer nos ensinar que Jeová seria a criança por nascer?

(Lucas 1:5-9)
5 Nos dias de Herodes, rei da Judéia, havia certo sacerdote, de nome Zacarias, da turma de Abias, e ele tinha por esposa [ uma ] das filhas de Arão, e o nome dela era Elisabete. 6 Ambos eram justos diante de Deus por andarem inculpes de acordo com todos os mandamentos e exigências legais de Jeová. 7 Mas não tinham filho, porque Elisabete era estéril e ambos já estavam bem avançados em anos. 8 Ora, atuando ele perante Deus como sacerdote na designação de sua divisão, 9 segundo a prática solene do cargo sacerdotal, chegou a sua vez para oferecer incenso ao entrar no santuário de Jeová

Justos diante de Deus, Zacarias (que significa “Lembrado por Jeová”) atuava como sacerdote perante Deus e foi oferecer incenso no santuário de Jeová.

(Lucas 1:11-25) Fala que veio a Zacarias o Anjo de Jeová, que lhe disse que Isabel seria mãe de João Batista e que este seria grande diante de Jeová e cheio de espírito santo retornando muitos israelitas ao seu Deus, Jeová; João irá adiante com o espírito de Elias para aprontar um povo para Jeová. O anjo de Jeová diz que é Gabriel que está a postos diante de Deus e por fim Isabel diz que Jeová lhe deu atenção para tirar seu vitupério.

Jeová é descrito como sendo Deus, mas não como sendo Jesus Cristo e nem como o espírito santo que é descrito em separado. E continua…

(Lucas 1:26-38) Deus enviou Gabriel, o anjo de Jeová a uma virgem de Nazaré chamada Maria. Chegando lá ele a cumprimenta dizendo que “Jeová é contigo” e que ela “achou favor diante de Deus” e terá um filho que chamará de Jesus (que significa Jeová É Salvação), sobre Jesus Gabriel diz que: “Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; e Jeová Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai” (Lucas 1:32). Percebam que ele não diz que Jesus é o Altíssimo, Jeová Deus, mas que Jesus seria filho do Deus Altíssimo,  Jeová. Afinal diz o Salmo 83:18: “Somente tu cujo nome é Jeová, és o Altíssimo”. O anjo faz outra menção do “espírito santo”, mas não como sendo Jeová e sim fazendo um paralelismo dele com “o poder do Altíssimo” que virá sobre Maria a encobrindo, por fim finaliza dizendo que o menino será o Filho de Deus, que Isabel também está grávida e que para Deus nada é impossível, no que Maria consente dizendo que é uma serva de Jeová.

(Lucas 1:57-80) Isabel, a quem Jeová magnificou sua misericórdia, deu a luz a João Batista, Zacarias bendisse a Deus, a mão de Jeová estava sobre o menino. Cheio de espírito santo Zacarias profetiza que o Deus de Israel, cujo nome é Jeová voltou atenção ao seu povo, ele disse: “Bendito seja Jeová, o Deus de Israel, porque voltou a sua atenção e realizou livramento para com seu povo. E ele nos suscitou um chifre de salvação na casa de Davi, seu servo, assim como ele, pela boca de seus santos profetas da antiguidade, tem falado duma salvação” (Lucas 1:68-71). Vejam que Jeová suscitou um chifre de salvação na casa de Davi, e este chifre é o filho de Maria, Jesus, mais uma vez ficando claro que o filho da virgem não é o Deus de Israel mas foi suscitado por ele como “chifre de salvação”. Depois Zacarias fala que João Batista será “profeta do Altíssimo” que irá aprontar os caminhos de Jeová. para dar ao povo de Deus conhecimento da salvação por causa da terna compaixão de nosso Deus

Ou seja, dizer que em Lucas 1:43 Isabel estava falando que Maria seria “a mãe de meu Jeová” [sic] é estuprar o relato de Lucas, que não diz nada agradável ao trinitarismo que possa ser usado para dizer que o bebê na barriga de Maria é o próprio Jeová. Eles sim DETURPAM os relatos bíblicos, inclusive `meu Jeová` [sic] não existe, o que existe é “meu Senhor”, todos estes termos “nosso Jeová”, “meu Jeová” e “seu Jeová”, “teu Jeová” são todos antibíblicos!!! Quando estes pronomes aparecem devemos entender como se referindo ao titulo “Senhor” e não ao nome divino (YHWH), expressões como “meu Jeová” ou “nosso Jeová” suporia que existiriam outros Jeová [sic], o que é impossível pois Jeová é apenas um (Dt 6:4 – Marcos 12:29), já “nosso Senhor” e “meu Deus” são termo possíveis de serem empregados pois há muitos deuses e muitos senhores
(LEIAM 1 Coríntios 8:4-6).

O fato é que os trinitários querem usar de Romanos 14:6-9, Lucas 1:43-46 para ludibriar outras pessoas com com a ideia de que Jesus Cristo é o SENHOR Deus, o mesmo SENHOR que é citado 6.828 vezes no chamado Velho Testamento e veem seus planos arruinados com as leituras da TNM que distinguem o título de honra que exprime senhorio do nome divino pessoal de Jeová.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 316 outros seguidores