São as Testemunhas de Jeová POLITEÍSTAS ?


Uma análise a respeito do Monoteísmo Cristão e Judaico

Por Queruvim

Antes de responder esta pergunta é importantíssimo que se saiba que o significado de “politeísmo” na mente da maioria das pessoas e até mesmo como o define vários dicionários, é ” a crença em vários deuses”. Tal definição é equivocada.

Na verdade, “politeísmo” se refere a “crença e subsequente adoração ou aceitação de muitos deuses.” 

 

Veja a  definição onde lemos que se refere a “crença e adoração de muitos deuses”. (Ou ainda o artigo: O USO E SIGNIFICADO DA PALAVRA “DEUS” nas Escrituras)

Um politeísta “tolera a adoração de vários deuses”, como define certa fonte. E não raro, o politeísta adora a mais de uma deidade. ( Outra fonte definindo politeísmo) Ao dizermos MONOteísmo se referimos a quem adora apenas um só Deus. De maneira similar, ao dizermos POLIteísmo se referimos a pessoas que não somente acreditam mas adoram ou veneram “muitos”(POLI) deuses.

 

Ou seja, a maioria das páginas na internet de língua portuguesa não estão lhe dizendo o significado correto de “politeísmo”. Estão antes, desinformando. As Testemunhas de Jeová tem um sistema de adoração que pode ser definida como monoteísmo semelhante ao do antigo judaísmo. Adoram apenas a Jeová (IHVH) e aceitam a existência de outros deuses. A adoração das Testemunhas de Jeová é uma MONOLATRIA. Não é um henoteísmo, que admite a adoração de outros deuses como sendo válida, muito embora adorem destacadamente uma divindade considerada suprema.

Pesquisadores modernos e teólogos evangélicos em sua grande maioria,  não estão cientes de que a palavra THEÓS ou “D/deus tem uma gama de aplicação semântica muito mais ampla. É necessário recomeçar no entendimento de definições básicas a fim de entender corretamente a implicação que a palavra “D/deus tem nos escritos sagrados. É evidente que o Antigo Israel acreditava numa multiplicidade de seres divinos, conforme nos revelam numerosos textos bíblicos. Após a libertação do Egito os próprios Israelitas cantavam conforme lemos em Exodo 15:11: “Quem é semelhante a ti entre os deuses ó Jeová ?”

Êxodo 20:3 reconhece  adicionalmente, que existem “outros deuses” que poderiam ser colocados em oposição a Jeová (IHVH) o Deus de Israel. Contudo, isso não sugere que o Israel antigo adorava a tais “deuses”. Até porque lemos em Deut. 6:14:

“Não deveis andar seguindo outros deuses, quaisquer deuses dos povos que há ao redor de vós, (pois Jeová, teu Deus, no teu meio, é um Deus que exige devoção exclusiva,) para que não se acenda contra ti a ira de Jeová, teu Deus, e ele te tenha de aniquilar da superfície do solo.”

Isto está em harmonia com o texto escrito por Paulo sob inspiração …texto este que peço que prestem atenção na parte em destaque , o texto de 1 Cor. 8:5,6:

“Pois, embora haja os que se chamem “deuses”, quer no céu, quer na terra, assim como há muitos “deuses” e muitos “senhores”…”

Quem seriam estes “deuses” que vivem no céus ? O Salmo 8:5 claramente responde como sendo os anjos, devido sua posição elevada e o poder que possuem.

Os Judeus acreditavam que existiam vários deuses legítimos

Os Judeus ou Israelitas  foram o povo pactuado de Jeová (IHVH) e como tal reconheciam que o termo “Deus/ deus” não era uma palavra específica para designar o Deus Todo Poderoso. Por exemplo, Moisés foi chamado de “Deus/deus em Êxodo 7:1. Devido a posição e poderes a ele delegado pelo Deus Todo Poderoso, Moisés foi considerado um “Deus/deus”. É bom relembrar que este detalhe de mencionarmos a palavra “Deus” com letras maiúsculas ou minúsculas é irrelevante para a nossa avaliação do ponto de vista filológico visto que em hebraico antigo e grego koine não se fazia diferenciação entre letras maiúsculas ou minúsculas. Portanto, se Moisés foi chamado de “Deus” em hebraico em Êxodo 7:1 isso implicava que ele possuía poderes ao seu dispor que o colocava em posição elevada em relação a seus contemporâneos.

Deus disse a Moisés neste verso: “Vê, eu te fiz Deus (Elohim: אֱלֹהִים) para Faraó, ao passo que Arão teu irmão te servirá de profeta”

A Tradução New American Standard Bible verteu essa passagem da seguinte maneira:

Vede, eu te faço Deus para Faraó, e teu irmão Arão será teu profeta

Por receber poder Divino e autoridade de Jeová (IHVH), Moisés foi chamado de “Deus” (hebraico: Elohim).

Algumas páginas americanas debaixo do tema MONOTEÍSMO tem citado este texto de Exôdo 7:1 conforme vertido em algumas versões como dizendo “Vede eu te fiz semelhante a Deus” ….”eu te fiz igual a Deus” …ou ainda “Como se fosse Deus”. Traduções tem levado teólogos a dizer que a palavra “Deus” é usada de modo metafórico. De fato se fosse assim que os Mss da Bíblia hebraica tivesse usado a palavra “Deus” (Elohim) poderíamos até concordar. Contudo, observamos que no Texto Massorético Hebraico o texto não reza …”Vê eu te fiz igual a Deus” ou algo parecido a isso. O Texto diz que Moisés foi feito “Deus”.

 וַיֹּאמֶר יְהוָה אֶל-מֹשֶׁה, רְאֵה נְתַתִּיךָ אֱלֹהִים לְפַרְעֹה

Vaiomér Iehovah el Mosheh,  Rê Netathikha Elohim Le Pharaó

“E Jeová disse a Moisés: Vê, eu te fiz Deus para Faraó…”

Era Moisés um falso Deus?

Não, como vemos esta palavra tinha um significado diferente do uso atual em nosso século 21.

Temos que reavaliar isso e comparar com as modernas escolas teológicas e veremos que houve um claro desvio do significado original deste termo.

Observe o que escreveu um Judeu estritamente monoteísta, ou seja que adorava o Deus Único.

Filo viveu no tempo de Cristo, e seus escritos foram citados pelo Historiador Flavio Josefo. Sendo um Judeu monoteísta, seus escritos revelam o conceito judaico sobre o sentido de monoteísmo. Não o monoteísmo atualmente desacertado das escolas teológicas modernas, mas o primitivo entendimento do que significava monoteísmo para os judeus dos tempos pré-cristãos.

Em seus escritos Filo escreveu a respeito de Moisés:

O que mais direi? Ele não desfrutou uma comunhão ainda maior com o Pai e Criador do Universo, sendo considerado indigno de ser chamado pela mesma identificação. Porque ele também foi chamado o Deus e rei de toda a nação, e dele fala-se como tendo entrado na escuridão onde Deus esteve, ou seja ,no invisível, e sem forma, mundo incorpóreo, a essência, que é o modelo de todas as coisas existentes, onde ele observa desde coisas invisíveis até a natureza mortal.Pois tendo trazido a si mesmo e sua própria vida ao meio como uma figura embelezada.Ele se estabeleceu como o trabalho mais belo e semelhante a Deus.” Sobre Moisés 1:158  Veja o mesmo conceito apresentado por alguém que viveu perto do tempo dos apóstolos a saber,  Orígenes.

Os escritos do Rolo do Mar Morto escrito por Judeus reza sobre Moisés:

Serás Deus e serás chamado de um anjo de DeusVisões de Amran Tradução do Rolo do Mar Morto. Os Textos de Qunran em Inglês. Editado por Florentino Garcia Martinez.

O Salmo 82:1 se refere a Juízes humanos e os chama de deuses. Lemos que o Deus Todo Poderoso “preside na grande assembléia e julga entre os deuses…”

Salmo 82:6 prossegue na mesma linha…

“Vós sois deuses e todos vós sois filhos do Altíssimo”

Também os anjos são chamados de “deuses” no Salmo 8:5:

Observe como a New American Standard Bible verte este texto:

“Contudo, Tu o fizeste um pouco menor do que Deus e o coroaste com glória e majestade.”

Neste texto é usada a palavra Deus que no texto massorético hebraico é Elohim (Deus ou deuses)

Claro que um homem não seria um “pouco menor que Deus”!

É evidente que este texto usa a palavra Elohim ou “deuses” para se referir a anjos, visto que Versão Septuaginta traduziu assim:

“Tu fizestes deles menos que anjos e o coroastes com glória e honra”.LXX

Estes tradutores judeus primitivos que verteram do hebraico para a versão grega conhecida como SEPTUAGINTA entenderam que os anjos são Elohim ou deuses.

Claramente assim como Moisés foi chamado de “Elohim” que significa “Deus” ou “deuses”.

Será que os anjos são deuses falsos ?

É obvio que a palavra Elohim (Deus ou deuses em hebraico) equivalente da palavra Grega THEÓS tem uma aplicação mais ampla do que os modernos teólogos pintam em suas mentes.

O Apóstolo Paulo cita este Salmo em Hebreus 2:7 da seguinte maneira como podemos ver na Tradução New American Standard Bible:

“Tu o fizeste um pouco menor do que os anjos, Tu o coroaste com glória e honra e o designastes sobre os trabalhos de suas mãos.”

Outra passagem escrita por Judeus monoteístas refletindo um entendimento judaico do significado e uso da palavra “Deus” (Elohim) pode ser encontrada no Manuscrito do Mar Morto, onde lemos:

E enalteça sua exaltação as alturas deuses das divindades majestosas. Pois ele é o Deus dos deuses. Cante com alegria aqueles dentre vós que desfrutais de seu conhecimento, com alegria entre os deuses maravilhosos. Louvai-o espíritos divinos, louvai para todo o sempre a principal cobertura das alturas.Os espíritos do Santo dos santos, os deuses viventes, os espíritos da santidade eterna.”

Os Rolos do Mar Morto. Os Textos de Qunran em Inglês. Editado por Florentino Garcia Martinez.

Estes e outros inúmeros textos evidenciam que a palavra hebraica “Elohim” “Deus” ou “deuses” é aplicada pelos Judeus primitivos tanto em escritos da Bíblia Sagrada como escritos extra bíblicos como se referindo a deidades secundárias sem que isso comprometesse o monoteísmo judaico.

A Obra Estudo Perspicaz das Escrituras publicada pela Sociedade Torre de Vigia diz debaixo do tema “Egito” a respeito do monoteísmo:

“Embora se faça a afirmação de que existia uma forma de monoteísmo durante os reinados dos faraós Amenotep III e Amenotep IV (Aquenatão), quando a adoração do deus-sol, Áton, se tornou quase que exclusiva, não se tratava dum verdadeiro monoteísmo. O próprio faraó continuou a ser adorado como deus. E, mesmo neste período, não existia qualidade ética nos textos religiosos egípcios, sendo que os hinos ao deus-sol, Áton, apenas o louvavam pelo seu calor vitalizador, mas continuavam isentos de quaisquer expressões de louvor ou de apreço por qualidades espirituais ou morais. Assim sendo, carece inteiramente de fundamento qualquer sugestão de que o monoteísmo dos escritos de Moisés resultou da influência egípcia.”

Observamos aqui que o monoteísmo judaico era a crença adoração de apenas um só Deus. Mas isso não impedia os Judeus de crerem que outros seres são também “poderosos” ou ELOHIM que é a idéia contida nesta palavra hebraica.

O uso da palavra Theós em grego sendo o equivalente de Elohim por parte dos escritores do chamado Novo Testamento reflete o mesmo conceito judaico.

Em João 1:1; 20:28 e hebreus 1:8

Muitos teólogos e apologistas modernos negam a existência de outros chamados “deuses”. Contudo, os primitivos judeus não viam nisso uma contradição. Tais passagens possuem contextos explícitos, onde certos deuses são considerados, não negando, porém que outros podem ser “deuses” devido ao poder concedido pelo Deus Todo Poderoso.

Elohim (deus, deuses) é definido como sendo :

I. Deus, deus, deuses
II. governantes, juizes, anjos
III. Pl. intensivodeus, deusa

http://www.biblicalheritage.org/Linguistic/HL/1-A/-elohiym.htm

Palavra: ELOHIM Segundo a definição do respeitado Brown Driver Briggs Léxico HebraicoInglês :

 n.m.pl. (f.) pl. em  numeros. a. governantes, juizes, quer como representantes divinos em lugares sagrados ou como ref@���<stade divina e poder. b. divinos, super humanos seres incluindo Deus e anjos. c. anjos;

As Testemunhas de Jeová possuem o mesmo conceito destes primitivos escritores judeus inspirados que COINCIDE COM O RESPEITADO LÉXICO ACIMA.

Adoram apenas UM SÓ DEUS. Todavia reconhecem que existem vários deuses.

Seriam politeístas se adorassem vários deuses, o que não é o caso.

As Testemunhas de Jeová não são henoteístas visto que henoteístas reconhecem apenas um só Deus, mas não excluem a possibilidade de adorarem outros deuses. VEJA A PÁGINA OFICIAL DAS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ sobre este assunto.

As Testemunhas de Jeová adoram exclusivamente a Jeová Deus e ninguém mais. Não aceitam o conceito de que a Bíblia ensina um politeísmo, antes acreditam que reconhecem que outros podem ser chamados deuses devido ao poder ou autoridade que possuem dado por Deus. Estes porém NÃO DEVEM SER ADORADOS.

Infelizmente muitas obras de referencia não definem corretamente o significado de “politeísmo” e não são poucas, causando ainda mais confusão na mente das pessoas. Ajudando a promover o conceito teológico atual que é um desvio do entendimento do que é o monoteísmo bíblico ou judaico-cristão. O conceito moderno é que existe apenas um Deus e que os outros deuses são deuses falsos. Isso é repetido todo tempo até mesmo em cantigas e ditados populares. Parece uma frase certa e é até agradável de se ouvir mas não reflete o que as Escrituras Sagradas ensinam.

Aproveito para dizer que alguns citam palavras tiradas das publicações das Testemunhas de Jeová de mais de meio século onde se usa a palavra adorar (em Inglês worship) no sentido antigo e aplicam-na como se fosse usada da mesma forma hoje!

Se a palavra adorar era usada antigamente em Inglês com referencia a Jesus em artigos de A Sentinela isso se dava devido ao reconhecimento que se tem hoje de que tal termo não tinha o mesmo significado ou conotação do Inglês  moderno.

Adorar em Inglês podia ser usado com referencia a prefeitos e autoridades, o que não ocorre mais. (Para uma consideração deste assunto)

Alguns antagonistas ou opositores das Testemunhas usam textos antigos com tal significado anterior a fim de fornecerem “evidencias” de que as TJ mudaram seu ensino com referência a adoração do Deus Único Jeová.

Voltando nossa consideração sobre o significado de politeísmo…

“Politeísmo é a crença e adoração de muitos deuses”, o que certamente não se aplica as Testemunhas de Jeová.

Referências

O que é Politeísmo ?

http://www.polytheism.net/

Politeistas “Toleravam todas as crenças” diz este site :

http://www.solidstatelight.com/polyorg/

Politeísmo é “A crença e consequente adoração de muitos deuses” diz este site:

http://www.newadvent.org/cathen/12223b.htm

http://www.answers.com/topic/polytheism

“Por definição  monoteísmo é a crença e adoração a  um único Deus. Politeísmo é, por definição, a crença e a adoração de  muitos deuses e / ou deusas. Ambas as religiões politeístas e monoteístas têm existido durante milhares de anos.” FONTE: SIGNIFICADO DE POLITEÍSMO da Escritora e Estudiosa de História antiga Shelly Barclay

Outra consideração num site em Inglês  publicado por Testemunhas de Jeová

Peguntas de leitores:  

Pergunta da leitora Cláudia…

“Olá tudo bem? O que devo responder? quanto indagarem se somos politeístas.”

Estou respondendo sua pergunta…

 RESPOSTA DO SITE TRADUÇÃO DO NOVO MUNDO DEFENDIDA!


Este artigo está de acordo com o que lemos por exemplo na Despertai de 08 de Janeiro de 1976 (e outras fontes que cito a seguir) onde lemos:

“…Afirmam que o monoteísmo judaico-cristão, isso é, a crença em um só Deus, tem de ser substituído pelo politeísmo ou animismo, a crença de que muitos deuses habitam as colinas, correntes, árvores, pássaros e animais, e que estes muitos deuses têm de ser adorados…Atualmente, os budistas, os hindus e os xintoístas adoram miríades de deuses, reverenciando os animais, as plantas, o sol, o trovão, o vento, as rochas, etc” (O grifo é meu)

Despertai de 22/03/1973 :


“Suplementando tais leis fornecidas primariamente para manter Israel como povo separado, havia os mandamentos de Jeová no tocante a não terem outros deuses diante dele e não fazerem quaisquer imagens e nem adorá-las. Elas cumpriam o mesmo fim. Os elevados e nobres princípios da adoração de Jeová foram assim contrastados com o politeísmo popular da terra de Canaã, e, em especial, com seu falicismo, que era tão comum. A medida que os israelitas obedeciam a tais leis, serviam também como muro separatório entre eles e as nações os redor. — Êxodo. 20:1-6.”

O Homem em busca de Deus no capitulo que fala sobre “Em busca do conhecimento através da magia e do espiritismo” lemos:

Ora, acerca de comer alimentos oferecidos a ídolos, sabemos que o ídolo nada é no mundo, e que não há Deus senão um só. Pois, embora haja os que se chamem ‘deuses’, quer no céu, quer na terra, assim como há muitos ‘deuses’ e muitos ‘senhores’, para nós há realmente um só Deus, o Pai, de quem procedem todas as coisas, e nós para ele.” (1 Coríntios 8:4-6) Para Paulo e os cristãos do primeiro século, a verdadeira religião não significava a adoração de muitos deuses, não o politeísmo, mas sim a devoção a apenas “um só Deus, o Pai”, cujo nome a Bíblia revela, dizendo: “Para que as pessoas saibam que tu, cujo nome é Jeová, somente tu és o Altíssimo sobre toda a terra.” — Salmo 83:18.” (O grifo é meu)
 
 
Também na obra  Estudo Perspicaz das Escrituras (Publicado pelas Testemunhas de Jeová) debaixo do tema “Egito” lemos:
 
Religião
“O Egito era uma terra ultra-religiosa, prenhe de politeísmo. Cada cidade, grande ou pequena, tinha sua própria deidade local, que levava o título de “Senhor da Cidade”. Uma lista encontrada no túmulo de Tutmés III contém os nomes de cerca de 740 deuses. (Êx. 12:12) Freqüentemente, o deus era representado como casado com uma deusa que lhe dera um filho, “formando assim uma divina tríade ou trindade, em que o pai, ademais, nem sempre era o chefe, contentando-se, vez por outra, com o papel de príncipe consorte, ao passo que a deidade principal da localidade permanecia sendo a deusa”. (New Larousse Encyclopedia of Mythology [Nova Enciclopédia Larousse de Mitologia], 1968, p. 10) Cada um dos deuses principais morava num templo não franqueado ao público. O deus era adorado pelos sacerdotes que o despertavam toda manhã com um hino, banhavam-no, vestiam-no e “alimentavam-no”, e prestavam-lhe outros serviços. (Contraste isso com o Sal 121:3, 4; Is 40:28.) Nisso, os sacerdotes eram, pelo que parece, considerados como atuando quais representantes do Faraó, que se cria ser ele mesmo um deus vivo, o filho do deus Rá. Esta situação certamente enfatiza a coragem demonstrada por Moisés e Arão ao comparecerem perante Faraó, a fim de lhe apresentar o decreto do verdadeiro Deus, e aumenta o significado da resposta desdenhosa de Faraó: “Quem é Jeová, que eu deva obedecer à sua voz?” — Êx 5:2.”
No Vol. 3 do Estudo Perspicaz das Escrituras debaixo do tema Moabitas lemos:
Neste período geral, quando houve fome em Judá, Elimeleque, com sua esposa Noemi e seus dois filhos, Malom e Quiliom, emigrou para a terra mais fértil de Moabe. Ali, os filhos se casaram com mulheres moabitas, Rute e Orpa. Após a morte dos três homens em Moabe e a melhora das condições em Israel, Noemi, acompanhada por Rute, retornou a Belém. Ali, Boaz, parente de Elimeleque, casou-se com Rute, a qual havia abandonado o politeísmo dos moabitas e se havia tornado adoradora de Jeová. Assim, Rute, uma moabita, tornou-se antepassada de Davi, e, portanto, também de Jesus Cristo. — Rute 1:1-6, 15-17, 22; 4:13, 17.  Igualmente, no tempo dos juízes, Israel começou a venerar as deidades dos moabitas, sem dúvida inclusive Quemós, o deus deles. (Jz 10:6; Núm 21:29; Je 48:46) Por adotarem essa adoração falsa de povos vizinhos, os israelitas perderam o favor de Jeová e sofreram às mãos dos seus inimigos. (Jz 10:7-10) Ainda no tempo de Samuel, o infiel Israel sofreu hostilização dos moabitas. — 1Sa 12:9, 10.”
Portanto a simplesmente a crença em outros deuses não é politeísmo. Se afirmarmos isso então estaremos dizendo que os Judeus eram politeístas também, visto que eles consideravam Moisés como sendo um “deus”. Êxodo 7:1. Anjos eram “deuses”.
Como destaquei naquele artigo, “politeísmo é a crença e consequente adoração de muitos deuses”. Fonte:
MONO TEÍSMO:   Adoração de apenas um só Deus. (Não significa “crença” em um só Deus, pois como sabemos os Judeus acreditavam que anjos eram deuses legítimos como lemos no Salmo 8:5)
POLI TEÍSMO :     Adoração de vários deuses.

 Matéria de História onde se dá a definição correta de POLITEÍSMO

Anúncios