DENÚNCIA: Testemunhas de Jeová e Membros de grupos religiosos proibidos ‘transformados’ em campos de Xinjiang

Na China as Testemunhas de Jeová são mantidas em campos até que renunciem à sua fé e traiam outros crentes. Se mortas, podem ter seus órgãos coletados!

A transformation through education camp in Xinjiang’s Yining county.

Reformatório onde as Testemunhas de Jeová são forçadas a mudar de pensamento por meio do campo de educação no condado de Yining em Xinjiang.

Acabo de receber informações a respeito da situação do povo de Jeová na China e que aproveito a oportunidade para partilhar com todos aqui. Peço que compartilhe esta notícia. De acordo com o site bitterwinter.org algo terrível está acontecendo agora com as Testemunhas de Jeová na China, exatamente como predito nas profecias a respeito dos cristãos no tempo do fim.

De acordo com um documento emitido em 2018 pelo governo de uma localidade em Xinjiang, membros de três grupos religiosos proibidos – A Igreja do Deus Todo-Poderoso (CAG), Falun Gong e as Testemunhas de Jeová – devem ser enviados para transformação (uma espécie de reformatório) por meio de campos de educação e mantidos indefinidamente até que sejam “transformados”, ou seja, se tornem ateus. Sua liberação depende se eles implementaram cinco obrigações. Trata-se de uma promessa por escrito de parar de frequentar atividades religiosas; renúncia de todos os materiais religiosos em sua posse; crítica pública à própria fé, prometendo romper com ela; divulgação de informações sobre outros crentes e assuntos de grupo / igreja; e ajudando o governo a transformar outros crentes.

Assim como membros de outros grupos, as Testemunhas de Jeová podem ser vítimas de coleta de órgãos depois de mortas! #

Irei publicar informações a respeito do que acontece na China onde estes grupos são brutalmente reprimidos por seu rápido crescimento e recusa em serem controlados pelo Estado, sendo detidos para transformação por meio de campos de educação. Eles são doutrinados e torturados, junto com uigures e outras minorias muçulmanas.

De acordo com documentos do Governo Chinês, esses crentes religiosos podem ser enviados para a transformação por meio de campos de educação meramente por comparecerem a atividades religiosas, possuir materiais religiosos ou se recusarem a renunciar à sua fé após serem presos.

Foto: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Jehovah%27s_Witnesses_outside_the_British_Museum_02.jpg

Testemunho de um detento

Relata-se que existe um campo no norte de Xinjiang onde um informante da CAG denuncia que esteve preso com quase 100 outros membros da Igreja a qual pertence, entre quase 4.000 outros detidos, a maioria dos quais eram uigures. Também havia Huis e Cazaques étnicos, bem como ex-funcionários do governo que foram considerados “duas caras” por simpatizar com os detidos em campos de transformação ou por tentar ajudá-los.

Há situações em que cerca de uma dúzia de pessoas tem que compartilhar uma cela de 30 metros quadrados, equipada com câmeras de vigilância. As pessoas se revezavam para dormir no chão porque não havia beliches suficientes.

Os detidos são designados para a mesma “sala de aula”, onde passam por sete sessões de doutrinação por dia, supervisionados de perto por guardas. Alguns foram escoltados de suas celas com capuzes na cabeça e levados embora após as sessões. A administração do campo os chamou de “obstinados”. Os detidos em campos são atribuídos a “classes” de acordo com a avaliação de seu nível de fé, para evitar “infecções cruzadas”. Para o PCCh (Partido comunista chinês), as crenças religiosas são o mesmo que doenças infecciosas ou tumores que precisam ser erradicados. “O campo era administrado como uma prisão”.  “Qualquer pessoa que se recusasse a cantar músicas vermelhas não tinha permissão para comer, ou todos os companheiros de cela podiam ser punidos e enviados para a solitária”.

O canto obrigatório de canções revolucionárias é particularmente difícil para as Testemunhas de Jeová, que praticam a chamada neutralidade política e se recusam a cantar hinos nacionais, saudar bandeiras ou servir no exército.

Relata-se que os instrutores do campo muitas vezes ameaçam manter os crentes detidos até que assinem as “quatro declarações” – promessas escritas de arrependimento, separação, garantia e crítica – renunciando à sua fé. Antes de sua libertação, todos os crentes foram solicitados a assinar um acordo de confidencialidade e foram ameaçados de serem responsabilizados criminalmente se revelassem qualquer informação sobre o campo. A China considera os movimentos religiosos que não estão sob seu controle direto como “um perigo para a segurança do Estado” que precisa ser “transformado por meio da educação” apenas para manter sua crença. Como observou Nicholas Bequelin, Diretor do Leste Asiático da Amnistia Internacional, “Os campos de detenção em massa são locais de lavagem cerebral, tortura e punição. Um simples ato de enviar uma mensagem para sua família no exterior pode fazer com que você seja detido destaca o quão ridículas, injustificadas e completamente arbitrárias as ações das autoridades chinesas são.”

Falun Gong organ claim supported

MAPA DA PERSEGUIÇÃO NA CHINA

La Audiencia pide interrogar al ex presidente chino Jiang por genocidio

As informações contidas neste artigo não são declarações oficiais das Testemunhas de Jeová nem são do site JW.ORG. São de responsabilidades do autor deste site/blog e são fiáveis visto que chequei a verificabilidade das informações.