Arquivos da Categoria: Doutrina da Trindade

Por que a “Trindade” não é bíblica

“Não tendo princípio nem fim de dias” Hebreus 7:3, o que significa?

Melquisedeque numa pintura de Dirk Bouts

Falando de Melquisedeque, a Bíblia diz que este foi “sem princípio de dias nem fim de vida”. Alguns trinitários em sua busca seletiva de textos que parecem apoiar o ensino de que Jesus não teve princípio, apontam este versículo, uma vez que o versículo diz que Melquisedeque foi feito igual a Jesus ou semelhante ao filho de Deus. Sugere o texto que Jesus não teve princípio nem fim de dias, e que portanto ele é eterno?

Paulo em sua carta aos cristãos hebreus em Hebreus 7:3 falando de Melquisedeque diz:

“Sem pai, sem mãe, sem genealogia, sem princípio de dias nem fim de vida, mas feito semelhante ao Filho de Deus, ele permanece sacerdote para sempre”.

A Obra Estudo Perspicaz das Escrituras faz o seguinte cometário sobre Melquisedeque:

“Evidentemente, foi Jeová quem designou Melquisedeque para ser sacerdote. Ao considerar a condição de Jesus como o grande Sumo Sacerdote, Paulo mostrou que nenhum homem assume esta honra “por si mesmo, mas apenas quando é chamado por Deus, assim como também Arão foi”. Ele explicou também que “o Cristo não se glorificou a si mesmo por se tornar sumo sacerdote, mas foi glorificado por aquele que falou com referência a ele: ‘Tu és meu filho; hoje eu me tornei teu pai’”, e o apóstolo, a seguir, aplica as palavras proféticas do Salmo 110:4 a Jesus Cristo. — He 5:1, 4-6.” Estudo Perspicaz das Escrituras, Vol. 2 Mequisedeque  it-2 pp. 798-79

A Obra também traz a resposta em um subtópico à pergunta:

Em que sentido é que Melquisedeque não tinha “nem princípio de dias nem fim de vida”? 

Tenha o hábito de ler esta obra que traz respostas bíblicas a diversos assuntos, inclusive sobre este assunto!

Em primeiro lugar Melquisedeque nasceu e morreu. Portanto, a comparação entre Jesus e ele não é com referência à existência no tempo, mas à função de Sacerdote, que teve um início não especificado no tempo. Melquisedeque prefigurou Jesus Cristo, que tem um sacerdócio infindável. Jesus, assim como Melquisedeque, não tem predecessor ou sucessor registrados no seu sacerdócio. A semelhança a qual o texto se refere é referente ao sacerdócio. Quando você lê que Melquisedeque era “sem genealogia” isso se refere a linhagem sacerdotal inexistente. Não é uma afirmação literal de que Melquisedeque nunca teve pai ou mãe. Afinal ele não nasceu de uma chocadeira! Os trinitários tomam as palavras de Paulo de modo literal e as aplicam a Jesus!

Como foi visto acima, Melquisedeque foi designado por Deus como Sacerdote. De forma semelhante Cristo não designou a si próprio como Sacerdote. Isto simplesmente é ignorado pelos trinitários. Não querem saber se Melquisedeque que era “semelhante” ao Cristo, foi designado por alguém. Procuram apenas frases que parecem apoiar suas ideias.

Os trinitários diluem o significado da palavra sacerdote. Como sabemos, o sacerdote representava oficialmente a Deus perante o povo, ensinando-os sobre Deus e suas leis. Os sacerdotes também representavam o povo perante Deus, oferecendo sacrifícios, intercedendo e suplicando por eles. Se Jesus era o próprio Deus em forma humana, então sua função de Sacerdote é a de um que intercede por ele mesmo! Vê se isso tem cabimento! O conceito de que Jesus é Deus e ao mesmo tempo Sacerdote, cai por terra ao lermos Gálatas 3:20:

“Ora, não há mediador quando apenas uma pessoa está envolvida, mas Deus é apenas um.”

Em outras palavras, Jesus é um, Deus é outro. Jesus é aquele que intercede por nós perante Deus. Em Hebreus 7:25 , o contexto da passagem considerada por nós neste artigo, diz:

“Assim, ele é capaz também de salvar completamente os que se aproximam de Deus por meio dele, porque está sempre vivo para interceder por eles.”

 

A doutrina da trindade dilui o significado da palavra “intercessor” no texto acima.

A doutrina da trindade dilui o significado de “filho de Deus”, ele passa a ser chamado “Deus-Filho”, um título e inexistente nas Escrituras.

A doutrina da trindade dilui o significado de “princípio” (Apoc. 3:14) Muito embora João, o Apóstolo tenha empregado 23 vezes esta palavra com o sentido de “começo”,”início”, “princípio” e não “principiador” ou outros adjetivos fantasiosos inventados pela hermenêutica dos trinitários.

A doutrina da trindade dilui o significado da palavra “pessoa”. Dizem que há “três pessoas” em uma só. Algo oriundo da filosofia platônica, que afirmava que haviam díades de “uma só essência”.

A doutrina da trindade dilui o significado de “primogênito” em Colossenses 1:15 e rejeitam o significado usual e óbvio da palavra, como se referindo ao filho mais velho ou o primeiro de todos os nascidos em uma família.



Pontos adicionais

A genealogia era muito importante para o povo hebreu, é evidente através das extensas genealogias registradas e preservadas. Nós podemos ver o nascimento, a quantidade de anos vividos, os pais,e até a morte desde a linhagem de Set até Noé em Gênesis 5. Vemos o seu “pai, descendência, começo dos dias e seu fim de vida” registrados para todos lerem. Então podemos ir a Gênesis 11:27 e ver o nascimento de Abrão (Abraão), e seu pai sendo Tera. Então, no capítulo 25, podemos ler sobre sua morte e quantos anos ele viveu. Podemos fazer o mesmo por Isaque, Jacó, Esaú, Moisés, Arão, Samuel, Davi e todos os reis de Judá e Israel. Podemos ir a cada um desses homens e encontrar seu nascimento registrado, quantos anos eles viveram, sua morte, quem eram seus pais e a maioria deles podemos ler sobre quem eram suas mães. Está tudo lá para lermos.

MAS quando vamos a Gênesis 14, Melquisedeque aparece do nada. E ele tem um status tão alto que até mesmo Abraão lhe pagou um dízimo e foi abençoado por ele. Mas nada é registrado sobre seu nascimento, morte ou pais, o que é muito incomum nas escrituras para um homem de tão alto status, mesmo acima de Abraão. Mas o que o autor de Hebreus está tentando nos mostrar é que a genealogia foi propositalmente deixada de fora, por inspiração do espírito santo, para simbolicamente representar e profetizar o sacerdócio eterno que viria depois da ordem deste homem, que estaria acima da ordem de Arão, visto que os levitas pagavam dízimos por meio de Abraão, seu pai, a Melquisedeque (Heb. 7: 9). É por isso que seu nascimento ou morte não é registrado. Então, o restante de Hebreus 7 continua a usar a Gênesis 14 e o salmo 110 para mostrar todas as semelhanças entre o sacerdócio de Melquisedeque e o de Jesus.