Se o Hebraico não tem letra J por que vários nomes tem?


J em hebraico igual ao Y

Alguns questionam o uso do Nome de Deus na forma Jeová devido ao uso da letra jota. Temos que ter em mente que os que assim pensam deveriam também questionar o uso da letra jota em nomes tais como Jerusalém, Judá, Jesus, Jericó e muitos outros nomes.

Não me lembro de ver alguém advogar a mudança de tais nomes! A bem da coerência, não deveriam? O fato é que não há nada de coerente em criticar a letra jota em tais nomes. Seria o mesmo que dizer que em hebraico não se usa Abraão e que deveríamos falar Avraão ( que é a maneira em que ocorre no texto massorético hebraico). Se a questão fosse de perfeita equivalência deveríamos ter a mudança em centenas ou milhares de nomes de pessoas e lugares na Bíblia.

Ao se traduzir a Bíblia translitera-se para  que haja uma razoável correspondência fonética em português com a língua hebraica original. A letra hhete não possui uma equivalente em português. O mesmo acontece com a letra Ayin.  Os que defendem a correspondência exata de letras ficariam sem alternativas neste caso. O que mostra a incoerência desta suposição. Ou acham que são mais preparados que os eruditos e enciclopedistas que produziram léxicos e Dicionários exaustivos? Por que, então, não advogam uma revisão completa em todos os léxicos?

Saibam que ainda que fizessem isso não estariam seguindo o exemplo nem dos escritores judeus inspirados, os profetas e muito menos o exemplo dos Apóstolos.

Quando a Tradução João Ferreira de Almeida em algumas de suas edições apresentou o Nome de Deus vocalizado e vertido para se ler  “Jeová”, alguém poderia apontar uma crítica aos Tradutores  feita por algum erudito em vista desta opção do emprego da letra jota?  Que se sabe o debate envolvia a vocalização do tetragrama.

Como já abordei diversas vezes aqui nesta página, jamais vi alguém defendendo que Maria, a mãe de Jesus, deveria ser chamada de Miriam, somente porque “no hebraico seu nome não é Maria”. Existe algum artigo erudito fazendo isso? Existe algum artigo acadêmico falando nisso?

Alguns vão mais longe e alegam que a consoante S do nome Jesus faz uma ligação com o nome do falso deus Zeus. Isto seria o mesmo que dizer que todo substantivo masculino Grego que termina com o SIGMA se refere a Zeus. Teríamos então um longa lista de supostos nomes pagãos no texto da Bíblia. Só falta aparecer alguém dizendo que não devemos colocar o nome em nossos filhos de Natan ou Jonatan, visto que seria o mesmo que relaciona-los com Satan. Este é o tipo de raciocínio que apresentam alguns que defendem tais ideias.

Quando os Apóstolos de Jesus escreveram o chamado Novo Testamento, preservaram eles os nomes hebraicos de modo a serem pronunciados da mesma forma pelos que liam e falavam grego? Não!  Por exemplo, Mateus ao escrever seu evangelho, que como sabemos foi primeiro escrito em hebraico para os judeus, nao preservou o nome Jesus em sua forma original “Yehoshua’ ” mas o substituiu pelo seu equivalente em grego, a saber Iesous.

Uma simples lida em Mateus no 1º capítulo em grego, revela que os apóstolos não preservaram a pronúncia de diversos nomes ao verterem nomes judaicos para o grego. Empregaram o equivalente grego de tais nomes. Até mesmo ao se referirem a Maria não usaram a forma hebraica “Miriam”.

Se levarmos a sério este tipo de raciocínio, então estaremos dizendo que os apóstolos inspirados erraram ao grafar o nome dos servos de Deus da antiguidade. O uso da letra jota em inglês ou português é uma variação comum aos idiomas. Algo presente até mesmo dentro das antigas tribos israelitas. Nem mesmo entre eles havia uma pronúncia exata para a mesma palavra. Foi a própria cristandade que passou a usar o nome Jeová e até mesmo escrevê-lo em suas antigas igrejas na Europa. Mas a discussão envolvendo  a letra J e a vocalização do Nome de Deus só passou a se tornar um assunto preocupante para eles quando os Estudantes da Bíblia, as Testemunhas de Jeová, começaram a demonstrar a diferença entre Jeová Deus e Jesus Cristo, como sendo de fato duas pessoas distintas, com vontades distintas e não parte de uma trindade pagã.

Devemos tomar cuidado com a falácia enganosa da pressuposição. Alguns presumem falsamente que visto que no idioma hebraico não existe a letra J, então não devemos usá-la. O próprio nome Jesus possui uma letra que não existe uma equivalente nem em inglês nem em português. Devemos então inventar uma letra? Me refiro a letra Ain ( ע ) que possui sim um som típico dos semitas. Não é empregado no ocidente.

O que dizem  Dicionários?

Por que, então, os falantes de língua inglesa ( e também de língua portuguesa) pronunciam tanto Josué e Jesus com um “j” ao invés de um “y” ou um “i”? De onde isto se originou? Representa isso alguma sorte de conspiração sinistra, como alguns afirmam, ou há uma explicação bem mais inocente?

Observe o que afirma o Dicionário de Inglês de Oxford (Oxford English Dictionary ou OED) a respeito da história da letra “j”:

Esta décima letra do alfabeto em inglês e outras línguas modernas, é em sua origem, uma modificação comparativamente tardia da letra I. No alfabeto da Roma antiga, o “I”  a despeito de seu valor como vogal….tinha um valor consonantal aparentado com o moderno Y do inglês…algum tempo antes de 6º século, este som de Y, por compressão na articulação e consequente desenvolvimento de uma “pausa” inicial, tornou-se um ditongo consonantal…No Velho Inglês, a consoante Y tanto quanto era usada, tinha (como ainda tem em todas as línguas Germânicas Continentais) seu valor em Latim (y) mas na ortográfica francesa introduzida pelos da conquista Normandina trouxeram no Velho Francês o valor da consoante i= g macio (dji) um som que o Inglês tem retido desde então em palavras derivadas de outra fonte…do século 11 até o século 17, então, a letra i representou de uma vez  o som da vogal i, e a consoante com som (dji) bem diferente da vogal.”

Por todo o período medieval, as formas do moderno “i” e “j” foram usadas intercambiavelmente, e ambas as formas representaram a mesma letra. Como, então, o “i” e o “j” vieram a ser consideradas duas letras distintas do alfabeto?

A diferenciação foi feita primeiro em Espanhol, onde, desde a introdução inicial da impressão, vemos o j usado para a consoante  e i somente para a vogal…Louis Elzevir, que imprimia em Leyden em 1595-1616, é geralmente considerado o responsável pela criação da distinção moderna do u e v,  e i e  j , que foi pouco tempo depois seguida pela introdução do U e J entre as letras maiúsculas por Lazarus Zetmer e Strasburg em 1619″ (OED, “J”).

As letras  “i” e “j” continuaram por muitos anos a ser consideradas como meramente formas diferentes da mesma letra, até que no início do século 19, dicionários interligaram palavras com o I  e o J em uma série.

A Bíblia Sagrada em parte algum coloca o hebraico como sendo uma língua insubstituível e a unica que deve ser usada para se pronunciar o Nome de Deus ou de seu filho Jesus Cristo, enviado por Ele. (João 3:17;12:49)

DECLINAÇÕES EM GREGO DESMANTELAM a mania de conspiração relativo ao uso do J

A maior prova de que toda está ideia de como se deve pronunciar o nome de Jesus é equivocada pode ser vista nas formas gregas empregadas pelos Apóstolos inspirados. O nome Jesus era escrito Iesus, mas quando o caso gramatical era outro se escrevia Iesoun ou ainda Iesou.

Ἰησοῦ — 332 Ocorrências
Ἰησοῦν — 129 Ocorrências
Ἰησοῦς — 462 Ocorrências

Os nomes gregos possuem declinações de acordo com o caso gramatical, algo que não existe de forma semelhante em nossa língua. Como então explicam isso?

 

Links para pesquisa:

A vocalização “YeHováh” nos Manuscritos da Bíblia Hebraica Antiga

https://traducaodonovomundodefendida.wordpress.com/2014/05/15/a-vocalizacao-yehovah-nos-manuscritos-da-biblia-hebraica-antiga/

O Nome de Deus “Jeová” em textos gregos e semíticos primitivos

É o Nome Jeová uma “tradução errônea do tetragrama” ?

O Tetragrama do Nome de Deus,em Manuscritos da LXX

Jeová ou Javé ? – Qual a forma realmente equivocada de se pronunciar o Nome de Deus.

Nova Biblia King James Restaura o Nome Divino

https://traducaodonovomundodefendida.wordpress.com/2012/05/31/nova-biblia-king-james-restaura-o-nome-divino/

Evidências de que o Nome de Deus (IHVH) aparecia nos originais do Novo Testamento

 

 

 

 

 

 

 

 

    Lecionamos Inglês também!

Anúncios
Trackbacks are closed, but you can post a comment.

Comentários

  • Anônimo  On 4 de maio de 2015 at 16:08

    Achei perfeita essa parte do artigo “…..a discussão envolvendo a letra J e a vocalização do Nome de Deus só passou a se tornar um assunto preocupante para eles quando os Estudantes da Bíblia, as Testemunhas de Jeová, começaram a demonstrar a diferença entre Jeová Deus e Jesus Cristo…”. Isso só fortalece a minha fé de que tudo o que cremos e tudo que pregamos esta de acordo com o que o Mestre Jesus Cristo pregou e ensinou ele disse que nós seriamos odiados por todas as nações por causa do nome dele (Mateus24:9) “Isto significa que ele mesmo seria odiado e que tudo aquilo a que se ligasse seu nome também seria odiado ou desacreditado”-citado do livro Está Próxima a Salvação do Homem da Aflição Mundial!

    Curtir

  • Daniel Oliveira  On 4 de maio de 2015 at 16:38

    É uma palhaçada mesmo. Falam tanto do “J”, mas pra defender a ideia de que Jesus é Deus nem ligam pra isso. Pra eles não importa se é Iesous, Yeshua ou mesmo Jesus com J, só importa em provar que essa pessoa, que é Jesus é Deus.

    Estou conversando com um rapaz batista que defende a ideia que o nome Jeová não se refere somente ao Pai, mas sim à trindade. Já conversando com um adventista, ele fez a distinção e aceita Jeová somente como o Pai. É uma confusão mesmo entre eles e nem unanimidade tem no ensino.

    Alguns dizem que o nome Jesus é pagão e nos condenam por usá-lo e que somos pagãos. Mas ao mesmo tempo cometem idolatria por adorarem ao Filho assim como se adora o Pai. É uma hipocrisia danada. Fala sério!

    Curtir

  • Manoel C Santos Filho  On 4 de maio de 2015 at 18:13

    Já faz algum tempo que procuro uma abordagem simples e objetiva para essa falácia. Principalmente depois que foi publicada no Brasil a “Bíblia Judaica Completa”, de David Stern, onde é usada uma forma mais próxima do hebraico para uma infinidade de nomes. Obrigado pela clareza da matéria.

    Curtir

  • Felipels  On 4 de maio de 2015 at 21:15

    Artigo perfeito! Muito esclarecedor!

    Mesmo não sabendo com certeza a pronúncia original do nome divino, que vem do Tetragrama hebraico, não podemos excluir a pronuncia do nome Jeová.

    A pronúncia do nome Jesus no original é bem diferente da que conhecemos hoje: Entre os cristãos judeus, o nome de Jesus provavelmente era pronunciado Yeshúa‛, e o título “Cristo” era pronunciado Mashíahh, isto é, “Messias”. Os Cristãos que falavam grego o chamavam de Iesoús Khristós; e os cristãos que falavam latim, Iésus Chrístus.

    Ninguém questiona o uso do Nome “Jesus”, embora seja diferente do Original.
    Então o importante não é o nome que era usado no início, mas como qual tradução que se assemelha ao original é a melhor de ser usada em nosso idioma.

    Temos um ótimo motivo para crer que Jeová quer que usemos o nome dele dessa forma. “Esse é o meu nome para sempre, e é assim que serei lembrado de geração em geração.” Êxodo 3:15

    O próprio Jeová cuidaria que seu nome não fosse esquecido.. Esse nome é eterno.. O povo de Deus seria identificado por adorar a Jeová e pelo uso do seu nome! Como diz (Miqueias 4:5):
    “Pois todos os povos andarão cada um no nome do seu deus, Mas nós andaremos no NOME DE JEOVÁ, nosso Deus, para todo o sempre.”

    E Também Malaquias 3:16 -> “Então os que temiam a Jeová falavam uns com os outros, cada um com o seu próximo, e Jeová prestava atenção e escutava. E diante dele foi escrito um livro de recordação para os que temiam a Jeová e para os que MEDITAVAM NO SEU NOME.”

    Curtir

  • Saga  On 4 de maio de 2015 at 21:17

    “…..a discussão envolvendo a letra J e a vocalização do Nome de Deus só passou a se tornar um assunto preocupante para eles quando […] as Testemunhas de Jeová, começaram a demonstrar a diferença entre Jeová [..] e Jesus…”.

    A igreja católica, que por um tempo insistiu na forma Javé (Iahweh) e agora diz que não é para usar forma nenhuma e sim “Senhor”, antigamente usava Jeová sem problema, como se pode ver em obras de referência mais atrás do século XX. De acordo com que as Testemunhas de Jeová foram se popularizando e se identificando com o nome de Jeová, começou uma reação hostil das igrejas contra esta grafia e pronuncia.

    Já notaram como a palavra Jeová foi sumindo das versões de Almeida? A tradução original que levava este nome tinha Jeová em todos os casos, e as “correções” foram permitindo Jeová em certos lugares e retirando da maioria das passagens, enquanto que revisões seguintes mantiveram-na em pouquíssimos lugares, até que por fim as atualizações substituíram de vez todas aparições restantes por SENHOR e DEUS.

    Primeiro o nome de Jeová foi permitido apenas no Salmo 83:18, em Êxodo 6:3 e nas ocorrências da expressão Adonay YHWH, que ficava como “Senhor Jeová”, além de nomes compostos e na abreviação Jah.
    Depois houve o lance de mante-lo apenas em nomes compostos de lugares e altares como Jeová Jireh, Jeová Nissi e Jeová Shalom.
    E finalmente a supressão de todos os lugares, os nomes compostos em questão
    passaram para frases como O SENHOR Proverá, O SENHOR é Minha Bandeira e O SENHOR é Paz.

    Eu tinha um pequeno Novo Testamento/Salmos e Provérbios distribuídos pelos Gideões Internacionais de capa cinza onde aparecia Jeová, Jah e Hades, mas que mais tarde foi atualizado para uma capa azul onde sumiram com Jeová e Jah para colocarem Senhor e com Hades para colocarem inferno. Imagino que a obra e o crescimento das TJ tenham influenciado nessas mudanças.

    Curtir

  • MyTestemunha  On 9 de maio de 2015 at 1:17

    Muito bom o site. Quando alguns tentam difamar as TJ, eu o direciono para o seu site, e aí eles ficam sem palavras. Eles sentem muita raiva de você por causa dos artigos que você publica, mas continue assim.

    Curtir

  • pedro filho  On 12 de maio de 2015 at 2:02

    Gostei desse site! Quanto ao uso do I ou do J… você já falou tudo, cansei de dar as mesmas explicações para as pessoas cabeças duras que simplesmente não querem saber da verdade, o que eles querem é contrariar…mas no fundo eu acho que é frustração com a sua própria liderança religiosa, que os abandona sem respaldo bíblico para responder a absolutamente nada, aí eles são obrigados a ficarem correndo atrás de curiosidades da internet e depois tomam isso como verdade, transformam-se em “Eruditos Ctrl C + Ctrl V” ( copia e cola ). Recentemente conversei com um que disse que o nome de Jesus não deveria ser traduzido, porque nomes não são traduzidos, pois bem, mostrei-lhe uma Bíblia em inglês e pedi para me mostrar o livro de ‘Tiago’, quando viu o nome ‘James’ ele ficou sem graça, e eu lhe perguntei : “Qual o certo? James, Tiago ou no grego original?” Porque na verdade eles não tem essa preocupação se não for o nome de Jeová ou de Jesus.
    Ótima ideia esse site…um bom ponto de encontro!

    Curtir

  • Saga  On 13 de maio de 2015 at 18:00

    Queruvim veja esse exemplo de como a omissão do nome divino causa confusão: http://sportv.globo.com/site/combate/noticia/2015/05/bethe-correia-para-ronda-nao-volte-usar-drogas-apos-perder-para-mim.html

    As pessoas realmente acham que Jesus é o nome de Deus.
    Ronda: – Vou para o Brasil para um promover um “encontro com Jesus” para essa garota.
    Bethe: – Ela deveria respeitar o nome de Deus. “Encontro com Jesus”… Isso é muita falta de respeito com Deus, nosso criador. Guarde isso para você. Temos que respeitar Deus. Ele está acima de tudo.

    De quem é a culpa disso? Senão das igrejas, católicas e protestantes? De suas Bíblias que mutilam a palavra de Jeová? De seus lideres que excluem e ocultam o nome de Deus por tradição?

    Bethe Correia não apenas acha que Jesus é Deus, como também pensa que Jesus é o nome do nosso Criador. Foi isso que ela aprendeu na vida, graças a cultura religiosa do nosso país, que é baseada no anonimato de Deus e na cristolatria.

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 14 de maio de 2015 at 13:33

    Por incrivel que pareça já existe sim movimentos que dizem que não se deve pronunciar ” Jacó,Jerusalem,Jeremias,etc tais grupos são a favor do uso na sua forma original segundo eles…

    Curtir

  • Saga  On 14 de maio de 2015 at 14:57

    Nilson Rocha, não necessariamente na sua forma original hebraica e sim na forma que eles inventaram que tem de ser pronunciados. esse “E” em Jerusalém teria de sumir junto com o “J”.

    Em hebraico se diz Yerushaláyim, eles poriam Yahushaláyim.Em hebraico Joel se diz Yo’el, mas eles pediriam Yahuel.

    E por aí vai, iriam reescrevendo todos os nomes bíblicos conforme acham que deveriam ser.

    Curtir

  • Givanilson Rocha ( Nilson Rocha)  On 18 de maio de 2015 at 13:49

    Olá !pessoal gostei desse artigo,e aproveitando que estou com grandes pesquisadores gostaria de trazer atenção a um assunto,não sei se o Queruvim ja tratou disso,é sobre a os ” nephilim”.Alguns argumentam que esses gigantes não poderia ser filhos da união entre os anjos e as mulheres,por exemplo a bíblia de Ryiam na nota sobre Gen 6:4 diz: “Evidentemente esses esses indivíduos já estavam presentes na terra antes dos casamentos mencionados em Gen 6:2 ,não sendo portanto o fruto de tais uniões ,das quais surgiram valentes (soldados) e varões de remome (ricos ou poderosos.)Alguns recorrem ao texto de Numeros 13:33 para da apoio sua argumentação.A nossa organização como sabemos sustenta que “os filhos do verdadeiro Deus”eram anjos e seus filhos tais gigantes.A propria Ryiam comenta que esses filhos poderia ser a descendencia de sete…ou reis e lideres da época,ou ainda Anjos caidos…mas existe uma linha de pensamento que afirma que tais não poderiam ser anjos.E ai o que podemos dizer desse tema?

    Curtir

  • Queruvim  On 19 de maio de 2015 at 21:15

    Realmente tenho que escrever algo sobre isso. Me lembro de todos os textos relacionados. Obrigado pela dica.

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 21 de maio de 2015 at 20:28

    Estou lendo um livro intitulado: Como Jesus se tornou Deus”
    Achei especialmente interessante o capitulo 2 com o tema: ‘Humanos divinos no judaismo antigo” o autor declara que a maoria dos judeus eram “henoteistas” que difere de monoteistas,e com base no salmo 82:6 diz que os seres angelicos sao deuses…no entanto o livro traz muita abobrinha tambem.
    Autor: Bart D.ehrman editora Leya.Mas vale a pena da uma conferida!

    Curtir

  • Queruvim  On 24 de maio de 2015 at 20:18

    O Henoteísmo não somente aceita outros como sendo deuses legítimos como também, em alguns casos a adoração dirigida a tais.Tem sua origem conhecida como argumento teológico no antigo Egito, muito embora a prática do henoteísmo já existia desde a antiga Babilônia. Nada tem que ver com os judeus. Eles eram estritamente monoteístas. Por isso não aconselho a leitura ou estudo desta obra. Ela reflete a já decadente fé do Sr Eherman que abandonou a crença na Bíblia a muito tempo. O termo henoteísta não é aplicado somente àquele que crê em muitos deuses, mas também aos que adoram vários deuses. Isto coloca tal termo filosófico posterior, como algo estranho à palavra de Deus.

    Curtir

  • Givanilson rocha ( Nilson Rocha)  On 25 de maio de 2015 at 20:21

    De fato o livro não é aquilo que eu chamaria de edificante para um crente seja ele de qual dominação for.Quando eu comprei o livro pensei que ele descorria sobre a trindade mas agora que já praticamente terminei a leitura inteira vejo que se trata de uma critica a bíblia,onde ele coloca duvida sobre pontos principalmente relacionados a ressureição do mestre,alguns questionamentos são sim muito bobos,quando por exemplo ele pergunta porque Paulo em coríntios 15 não menciona José de Arimateia,ou tumulo vazio etc.Ora Paulo queria se concentrar nos pontos principais a saber que ele havia sido levantado,sem precisar mencionar detalhes.Mas quanto o Henoteísmo ele admite que no caso dos Judeus apenas admitia a existência mas que não necessariamente adoração a eles.Mas concordo com você não é um livro que seja edificante agora reconheço isso,mas a declaração dele sobre os anjos e Moises estão corretas.

    Curtir

  • PrincípeDeJah  On 31 de maio de 2015 at 9:19

    Não sei se este é o post correto para isso, mas é uma coisa interessante que encontrei pesquisando sobre o Nome Divino. Muitos fragmentos da tradução grega do Antigo Testamento, conhecida com Septuaginta (LXX), se encontram em diversos museus, tanto em Israel, quanto no Cairo, Egito entre outros. A maioria foi achada no Deserto da Judéia e nas imediações da antiga Alexandria, no Egito, onde floresceu uma importante comunidade judaica antes da Era Cristã. Especialista dataram esses fragmentos como sendo em sua maioria do Primeiro Século A.C., sendo isso reconhecido por diversas autoridades judaicas da área de paleografia e arqueologia. Mas alguns judeus mal informados, outros maliciosamente, negam que a Septuaginta (LXX) seja uma tradução feita por judeus e dizem que foi uma tradução cristã do Tanach (Antigo Testamento) feita no 3º ou 4º século D.C.. Mas o Eterno, para calar a boca desse ignorantes, permitiu que fossem achados diversos fragmentos da LXX datados antes do Primeiro Século D.C. O interessante é que em diversos fragmentos, onde se esperava a palavra grega “Kyrios” como um substituto do Tetragrama, encontramos o próprio Tetragrama escrito em letras paleo-hebraicas. Isso é se de suma importância, pois os escribas judeus, ao converterem todo o Tanach (A.T.) da escrita paleo-hebraica para a escrita ashurit (assíria), após o cativeiro babilônico, conservaram somente o Tetragrama na escrita original (posteriormente outros escribas, a partir do 1º século, converteram também o Tetragrama para a forma da escrita assíria (hoje conhecida como hebraica), ou seja, ” יהוה “. Da mesma forma, os tradutores judeus de Alexandria, no Egito, ao traduzirem o Antigo Testamento para o grego, por volta do 3º século A.C., também conservaram somente o Tetragrama em sua forma paleo-hebraica como uma forma de respeito ao nome sagrado e a quem ele pertencia. Copistas judeus posteriores também converteram o Nome Sagrado da escrita paleo-hebraica para a escrita assíria ( יהוה ), mas quando um texto grego era lido, ao se depararem com o Tetragrama ” יהוה “, o liam como “Kyrios”, palavra grega para SENHOR (da mesma forma que os judeus da atualidade O leem como “Adonay” (O SENHOR) para não o pronunciarem). Quando a Septuaginta passou a ser usada pelas comunidades cristãs, os judeus abandonaram a leitura da LXX, pois alguns de seus textos favoreciam as doutrinas cristãs e passaram a usar a tradução grega de Áquila, um judeu apóstata do cristianismo. Assim sendo, os copistas cristãos a recopiarem a LXX, mas não continuaram o costume judaico de copiarem o Tetragrama em paleo-hebraico ou hebraico-assírio como ” יהוה ” (pois a maioria das cópias judaicas estava nessa última forma), pois muitos gentios liam o nome ” יהוה ” como se fosse a forma grega ” πιπι = PIPI “). Assim, para que fosse evitado esse mal entendido, os copistas cristãos converteram o Tetragrama para a palavra grega ΚΥΡΙΟC (Kyrios), como era pronunciado pelos judeus de fala grega.

    “Eles imaginam que os sonhos que contam uns aos outros farão o povo esquecer o meu nome, assim como os seus antepassados esqueceram o meu nome por causa de Baal.”- Jeremias- 23: 27.

    Curtir

  • PrincípeDeJah  On 31 de maio de 2015 at 9:25

    A propósito, muito interessante o Raciocínio deste artigo Queruvim, eu mesmo nunca tinha parado para pensar sobre outros nome com a letra “J”. Issu é para opositores ou apóstatas pensarem mesmo, ao invés de ficarem atacando tudo o que é TJ, primeiro resolvam os seus próprios problemas, se é errado chamar Deus ou YHWH de Jeová por causa do “J” então que parem de chamar o messias também de “J”esus! rsrsrs ,bom trabalho que vem fazendo a favor da Verdade e de Jeová! Abraços irmão!

    Curtir

  • bruno  On 5 de junho de 2015 at 19:41

    Ola queruvim, queria perguntar sobre um assunto que esta atrelado ao que esta em palta , nesses topicos…
    Certa vez um homem na empresa indagou sobre o nome de Deus, tbm dizendo que as escrituras foram alteradas, que o Proprio nome de cristo Jesus, não teria ‘J” e ele usou o texto de Atos 26:14 e 15 alegando que quando Jesus “aparece” a ‘Saulo “(Paulo) , o texto diz que ele ouviu uma voz dizer em Hebraico, mas se os nomes segundo ele em Hebraico e segundo consta em grego não tem J, porque o testo na tradução NM, não soó poem com j” o nome de que vem a voz que é Jesus-( isso até ja foi expliicado assima, ) mas o detelhe é …ele é escrito em Grego, visto que o nome” Jesus ” é assim porque é transliterado do grego, porque então o texto fala la de Hebraico, de ser falado no hebraico,então como esta nos escritos mais fidignos, ? ou como deveria entender esse texto? n deveria ser Josué ou Jeosué, que é o nome do hebraico que corresponde ao no de Jesus, ou pelo menos tem o o msm Significado do nome de Jesus em Grego!? Segundo ele “Isso seria pelo menos uma evidencia de uma deturpação das escrituras, em não revelar com extidão o verdadeiro nome de cristo”

    A língua dos sábios é uma cura.” (Provérbios 12:18)
    Obrigado pela ajuda m irmão, um grande abraço 😉

    Curtir

  • Queruvim  On 6 de junho de 2015 at 1:09

    Paulo ouviu em hebraico visto que os judeus falavam hebraico e ainda hoje falam hebraico. A Bíblia posteriormente foi escrita também em Grego Koiné para alcançar o mundo da época. A questão sobre a pronúncia está mais do que explicada no artigo. O fato de Jesus ter falado audivelmente no idioma hebraico não significa que devemos falar com o mesmo som e a mesma pronúncia hebraica. Ora, quando Jeová Deus falavam com Moisés e este ouvia, ouvia em hebraico e escrevia em hebraico antigo. Isso não significa que devemos falar em hebraico. Cada país com sua língua e seu idioma. A colocação feita no artigo é mais do que clara. Os apóstolos não preservaram a pronuncia hebraica ao escreverem o chamado Novo Testamento em grego. Portanto, nós podemos seguir o exemplo deles e escrever os nomes de acordo com a transliteração equivalente para cada idioma. Os escritos mais fidedignos que temos não usa a forma em hebraico mas o equivalente em grego, que é diferente. Por exemplo, em grego os melhores e mais respeitados textos verteram Jesus (do hebraico antigo Iehoshua`) por Iesus. É assim que lerá. A maior prova de que toda está ideia de como se deve pronunciar o nome de Jesus é equivocada pode ser vista nas formas gregas empregadas pelos Apóstolos inspirados. O nome Jesus era escrito Iesus, mas quando o caso gramatical era outro se escrevia Iesoun ou ainda Iesou.

    Ἰησοῦ — 332 Ocorrências
    Ἰησοῦν — 129 Ocorrências
    Ἰησοῦς — 462 Ocorrências

    Os nomes gregos possuem declinações de acordo com o caso gramatical, algo que não existe de forma semelhante em nossa língua. Como então explicam isso? Desculpe mas não tenho mais intenção alguma de ficar chovendo no molhado e explicando uma coisa que já está mais do que explicada. Estou convicto de que os que defendem estas ideias são os que não estudam e não entendem o básico de gramática e morfologia. São debatedores sobre palavras. São afetados por ideias conspiratórias relacionadas a nomes! Se já não bastasse toda doutrina errada que promovem agora promovem debates sobre palavras, coisas que não são de valor algum. Procuremos todos nós a se empenhar pelo amor e pela paz e pela bondade, hospitalidade, fé e autodomínio, coisas que realmente são de grande valor.

    Curtir

  • Marcos  On 19 de junho de 2015 at 20:39

    Creio que todos nós temos nomes próprios e não gostaríamos de ser chamados diferentemente do que é. Me chamo Marcos e sempre me chamarei Marcos! Uma pessoa que sabe hebráico, pronuncia perfeitamente o Nome DaquÊle que tudo sabe e tudo vê. Deveria ser levado na forma original e todos nós aprenderíamos ou mais cedo ou mais tarde a forma de se pronunciá-lo. É o que acho e disso tenho certeza que estou de acordo com minha consciência.

    Curtir

  • Queruvim  On 19 de junho de 2015 at 21:17

    A vasta maioria dos textos na Bíblia hebraica está vocalizado para se ler o Nome de Deus como Iehváh. Não existe a vocalização Iahvéh. Visto que em muitos lugares coloca-se o HOLEM (vogal com som de ô) então é obvio que a família Ben Asher lia Iehováh. Esta se assemelha bastante como o Nome JEOVÁ pronunciado atualmente. Mas em resposta a sua pergunta tenha em mente não o que tu achas mas o que os escritores inspirados fizeram. Por exemplo, o artigo demonstrou que os escritores inspirados ao escreverem os evangelhos não preservaram a pronúncia hebraica dos nomes de servos de Deus, mas empregaram seus equivalentes em grego.

    Obs.: A família Ben Asher era uma das principais na criação dos sinais vocálicos e faziam isto a séculos desde a muito tempo entre os 7º. 8º e 9º E.C e eram chamados “Massoretas” ou “Senhores da Tradição”. Viviam em Tiberias na margem ocidental do Mar de Quinerete ou mar da Galileia.

    Curtir

  • Sandro  On 7 de julho de 2015 at 19:33

    Sobre a origem da nossa letra “J”, diz o conhecido dicionário Houaiss da Língua Portuguesa: “letra consoante do alfabeto lat. tardiamente representada por j ou J, chamada jota, de uso sistematizado como / i / denominada iode, nos voc. em que ocorria como desenvolvimento fonológico do i consonântico (às vezes tb. representada por y ou Y)”.

    Curtir

  • Jomar  On 7 de julho de 2015 at 21:24

    Querido irmão Queruvim, sabe o que o Sr. Eli Soriano (um pastor Filipino) tem explicado sobre o nome de Deus e outros temas da Bíblia? Sobre o nome de Deus, veja esse link:https:…………….
    Gde abraço.

    Curtir

  • Gibe  On 8 de julho de 2015 at 10:39

    Por que não convidá-los para falar através desta página? será que eles aceitariam?

    Curtir

  • Gibe  On 8 de julho de 2015 at 10:40

    coisas do tipo: Nome Divino, Transfusão de Sangue, etc.

    Curtir

  • Queruvim  On 8 de julho de 2015 at 14:00

    Este vídeo do Jomar, que removi o link, não passa de opinião teológica motivada por birra religiosa. Não há nenhuma validade no que ele diz. Não passa de críticas desonestas e infundadas contra a Tradução do Novo Mundo. Por que deveríamos ler ou ouvir este tipo de material? Se você prosseguir alimentando sua mente com este tipo de lixo espiritual, certamente ficará em estado deplorável em pouco tempo. É isso que tu queres para ti mesmo? Caso me diga que não aprova o que ouviu, mas vem partilhar isso, por que? Lembra-te de Romanos 16:17!

    Curtir

  • Jomar  On 8 de julho de 2015 at 15:50

    Prezado Queruvim, peço desculpas por ter enviado um link inapropriado. Quero deixar claro aqui minha firme convicção como TJ e confiança absoluta na Tradução do Novo Mundo. Não postei o link para contrariar nossa Organização ou nossa Bíblia Sagrada, mas para que talvez pudesse escrever algo para refutar as falsidades e as “críticas desonestas e infundadas” apresentadas no vídeo, fazendo assim jus ao objetivo deste site – ‘defender a Bíblia e a melhor Tradução da Bíblia’. Novamente peço desculpas e espero não ter sido mal interpretado. Também agradeço o lembrete de Rom 16:17, que embora não seja o meu caso, mas se aplica aos que agem assim. Abraço.

    Curtir

  • jairo angelo Sousa  On 24 de julho de 2015 at 22:08

    muito bom olha esse video tbm

    Curtido por 1 pessoa

  • M. Portela  On 9 de setembro de 2015 at 9:46

    Gostaria de uma explicação sobre o uso do nome JEOVÁ nas Escrituras Gregas Cristãs.

    Muitos criticam a TNM por inserir o nome Jeová onde, supostamente, não teria existido no original. Particularmente acho muito estranho a ideia de que Deus tenha inspirado os escritores das Escrituras Hebraicas a usarem amplamente o seu nome e tenha preferido ocultá-lo nas Escrituras Gregas. Parece não fazer sentido.

    Recentemente li um estudo de um araimicista falando sobre a PESHITA que me fez pensar que a TNM está correta ao usar o nome Jeová amplamente nas Escrituras Gregas. Porém, como não conheço o aramaico e nem o grego gostaria que me ajudasse a saber se meu raciocínio tem alguma validade.

    Segundo o que li, os tradutores da Peshita usaram a palavra Maryah para substituir o tetragrama, inclusive nas Escrituras Gregas, em partes que citam textos das Escrituras Hebraicas, bem como também em outras partes quando ocorre a palavra Kyrios (SENHOR). Ainda segundo essa explicação, Maryah em aramaico seria a junção das palavras MAR (SENHOR) com parte do tetragrama (YAH) e significaria SENHOR JEOVÁ. Se essa explicação estiver correta, isso significaria que os tradutores da Peshita teriam feito amplo uso do nome de Deus também nas Escrituras Gregas, embasando a TNM nessa questão.

    Essas explicações sobre a Palavra MARYAH estão corretas? É correto dizer que MARYAH é a junção de SENHOR com YAH ou mariá seria apenas o equivalente a palavra “senhor”?

    Curtir

  • Jairo de sousa miranda  On 22 de agosto de 2016 at 19:13

    Amado sei que seu conhecimento é vasto e respeito isso. Mas oque sei é que não ha motivo algum para mudar o nome de personagens hebraicos ou gregos para outra lingua. Pois hoje o conhecido jesus mesmo pronunciado em ingles ou qualquer outra lingua é jesus. Oque sei é que se veio do hebraico aramaico que seja nao deveria sofrer alteração alguma seja o nome do Eterno do seu filho ou de pessoas que la nas escrituras estão. Sabemos e sei que do hebraico foi pro grego do grego pro latim do latim pro portugues e sim os nomes foram alterados em sua maioria oque ao meu ver perverte em muito oque é original.

    Curtir

  • Queruvim  On 22 de agosto de 2016 at 23:01

    Jairo, agradecemos por ter exposto sua opinião e nós a respeitamos. Mas deve prestar atenção em um detalhe que já foi mencionado em alguns artigos ou respostas relacionadas com este assunto. Os Apóstolos e os primitivos cristãos não preservaram a pronúncia hebraica dos nomes dos servos de Deus da antiguidade. Antes, usaram seus equivalentes em grego. Além disso tenhamos em mente que os Apóstolos receberam poder vindo de cima para escrever os originais da Bíblia. Se eles não empregaram os nomes com suas grafias e transliterações originais, isso nos mostra que tal costume não é importante. Lembre-se que alguns nomes hebraicos possuem letras inexistentes em outros idiomas bem como uma pronúncia que não encontra equivalente em outro idioma. A letra AIN por exemplo tem um som característico de idiomas semíticos e não é corretamente pronunciados por pessoas de língua grega. Não percebeu que o artigo escrito acima fala também das formas e terminações diferentes exigidas nos nomes no grego do NT?

    Curtir

  • Claudio Dos Santos Santos  On 18 de outubro de 2016 at 19:47

    Excelente artigo. Muito grato. Podem indicar uma matéria do escravo q fala sobre isso?

    Curtir

  • eicardo braga  On 30 de outubro de 2016 at 20:41

    a letra je representa ele
    a letra sus representa animal ou seja em latim porco ou cavalo ?
    por que todos adoram esse nome je sus jesus ?

    Curtir

Comments in english allowed! Não serão permitidos comentários de opositores ou pessoas que querem debates sem fim. EVITE FUGIR DO TEMA DA PÁGINA OU FAZER flooding de informações. Isso é coisa de gente desonesta e que quer confundir. Discordar não é problema, mas fazer oposição com zombaria desrespeito e trollagem não são aceitos nesta página. Ao postar nesta página você estará concordando com isso! Não é permitido a participação de APÓSTATAS nos comentários desta página. Em outras palavras, críticas e discordâncias são aceitas e até mesmo postadas, mas não “espírito de oposição”. Isto se dá em vista do claro mandamento bíblico para que “os eviteis” Romanos 16:17. Outra coisa...tenho recebido comentários feitos com erros graves em quase toda linha e frase. NÃO POSTAREI. Tenha respeito por assuntos bíblicos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s