“Cruz” ou “Estaca” ?


Cruz ou Estaca ? Por que a TNM evita a palavra “Cruz” ?   Antes de considerar este assunto observe o que afirmou um erudito evangélico muito respeitado após pesquisa exaustiva a respeito da cruz, ao ler o artigo deste erudito, pergunte-se se é correta a afirmação de muitos de que na Roma antiga, usava-se a cruz tal qual a conhecemos atualmente. “Jesus não morreu numa “Cruz” diz Teólogo e Erudito Sueco” Desenho do ano 1629 Justus lipsius O que podemos dizer da escolha feita pela comissão de Tradução da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas ao verter as palavras gregas usadas no chamado Novo Testamento ? O instrumento de execução em que Cristo foi pendurado é chamado pelos escritores inspirados “STAURÓS” e “XYLON” (literalmente segundo os melhores dicionários: ESTACA e  MADEIRO respectivamente)   Na melhor das hipóteses, existem apenas dois relatos de arqueologia com alguma evidência, a partir do primeiro século D.C, que pode sugerir algo sobre a forma da STAURÓS em que as pessoas eram penduradas e ambos são interpretados de diferentes maneiras. Os dados publicados pela primeira vez sobre o homem “crucificado” de ha Giv’at-Mivtar não foram esclarecedores e a forma de sua Stauros não pode ser conhecida. (Veja Fitzmyer J.A, “A crucificação em Qumran na antiga Palestina, Literatura e o Novo Testamento “, The Catholic Biblical Quarterly,1978:493-513)

Crucificação na Antiguidade

A Evidência Antropológica

Joe Zias e Skeles, que  em 1985 participaram  em uma pesquisa acadêmica onde reavaliaram o achado arqueológico de 1968 do homem de Ha Giv´At- Mivtar, afirmam claramente em sua página na internet que no caso da crucificação em massa de 6000 Judeus na via Apia “seria mais plausível que a maneira mais eficiente e mais rápida seria prender a vítima a uma arvore ou cruz com suas mãos acima da cabeça. A vítima morreria em minutos ou no mínimo em algumas horas se esta não estivesse presa ou amarrada embaixo”. FONTE: http://www.joezias.com/CrucifixionAntiquity.html “As fontes literárias do período Romano contém numerosas descrições de crucificação, mas poucos detalhes exatos de como os condenados eram afixados”. Diz Joe Zias. Givat Ha-Mivtar A Sinagoga “A Casa de São Pedro” foi construída em Cafarnaum no primeiro século D.C, mas a cruz Grafitti nas paredes, evidentemente, é mais recente (a parede foi rebocada por diversas vezes) (Veja Snyder GF, “Ante Pacem Archaeological Evidence of Church Life Before Constantine “) No Talmud e na literatura rabínica encontramos o verbo tsalab  (ou o substantivo correspondente), que se refere ao instrumento no qual as pessoas eram penduradas. É interessante notar que os rabinos não usam tsalab com o significado moderno de  “crucificar”. De acordo com Marcus Jastrow (de 1989, ” A Dictionary of the Targumim, The Talmud Babli and Yerushalmi”, and the Midrashic Literature, p 1282) o verbo tanto em hebraico como em  aramaico significa «travar » “empalar”.  Alguns dos exemplos que ele dá, e sua tradução é a seguinte: Tosefta Gittin 4:11: “pregado na estaca“; Midrash Rabba para Esther onde Deuteronômio 28:66 é referido: “que é levado para ser empalado “; Midrash Rabba a Levítico…” vai ser pendurado “. Assim, a literatura judaica  após o tempo de Jesus continua a usar os termos “pendurar” (numa estaca) e não aponta para um formato particular do instrumento no qual  as pessoas eram penduradas. Até o final do século 14, o substantivo hebraico TSALAB não significa uma estaca com uma forma particular. Em 1380 Shem Tob ben Shaprut copiou o Evangelho de Mateus em hebraico. Em Mateus 27:32 ele utilizou o substantivo TSELIBA onde o texto grego emprega stauros. Shem Tob conta que esta palavra não deveria ser entendida como “cruz” e, portanto, ele acrescentou Ereb Sheti WA “, que significa” cruz “. tradução de Howard (George Howard, 1987, O Evangelho de Mateus De acordo com um texto hebraico primitivo) diz o seguinte: “Eles o obrigaram a carregar o instrumento de execução (TSELIBA), isto é,” a Cruz “. A ambigüidade similar como a encontrada em TSELAB / TSELIBA, parece ter existido em relação à palavra latina “crux”, cujo significado básico também foi “poste” ou “Estaca”. Seneca (c.4 aC-65 dC) escreveu:

“Eu vejo cruzes (plural de crux) não há, apenas de um tipo, mas feitas de muitas maneiras diferentes, algumas têm as suas vítimas com a cabeça no chão, algumas empalam suas partes íntimas, outros estendem os braços na cruz. “

Tão tarde quanto no século 16,  a palavra “Cruz” pode significar diferentes formas. Na cópia de “De cruce Liber Primus “por Justus Lipsius que ele escreveu no século 16 há muitas ilustrações de diferentes “cruzes”, incluindo três ilustrações de “Crux simplex” que é um poste vertical para que as vítimas pudessem ser pregadas ou presas de maneiras diferentes. Quanto a stauros, o seu sentido original e genérico chegou até a Noruega. O primeiro significado atribuído a Stauros no “Dictionnaire de la Etymologique Greque Langue de 1980, por Chantraine P, é “poste” (pieu). Diz também:

“A palavra corresponde exatamente ao Norse “Staurr” (poste). “No norueguês moderno” staur significa “poste” ou “estaca” “.

Observe como a Tradução Bíblica Judaica verteu algumas passagens onde ocorre a palavra grega “staurós”.

Nós também encontramos a palavra em sânscrito como “sthavara”, e em estilo gótico como “stiurjan”com o significado “alguma coisa erguida”. Assim, o significado original da palavra STAUROS, evidentemente, era forte e persisitia por um longo tempo, mesmo se espalhando para outros idiomas. Concluimos, portanto, que em alguns lugares, como Mateus 20:19, as evidências sugerem que  “cruz” ou “crucificar” seria uma tradução errada, e em outras ocorrências no NT não há absolutamente nenhuma evidência  que pode comprovar a tradução que emprega o termo “cruz”. Portanto a Tradução do Novo Mundo é exata ao evitar introduzir na Bíblia Sagrada algo que os autógrafos não continham. Há duas palavras gregas usadas para o instrumento executor em que Cristo morreu — staurós e xy’lon. A autorizada Strong’s Exhaustive Concordance of the Bible (Concordância Exaustiva da Bíblia, de Strong) fornece como significado primário de staurós “uma estaca ou poste”, e, para xy’lon,lenho”, “árvore” ou “madeira”. The New Bible Dictionary (Novo Dicionário Bíblico) afirma:

“A palavra gr. para ‘cruz’ (staurós, verbo stauróo) significa primariamente uma estaca ereta ou viga, e, secundariamente, uma estaca, conforme usada qual instrumento de punição e de execução.”

A palavra latina empregada para o instrumento em que Cristo morreu era crux, a qual, de acordo com Livy, famoso historiador romano do primeiro século EC, significa uma simples estaca. A Cyclopœdia of Biblical, Theological, and Ecclesiastical Literature afirma que a crux simplex era “simples estaca ‘de uma única peça, sem a travessa horizontal [barra transversal]’”. Em confirmação disto, o apêndice N.° 162 de The Companion Bible (A Bíblia Companheira) declara a respeito de staurós que “indica um poste ereto ou estaca, em que se pregavam criminosos para serem executados. . . . Nunca significa dois pedaços de pau cruzados em qualquer ângulo, mas sempre apenas um pau.(O grifo é meu.) Conclui o apêndice: “A evidência está assim completa de que o Senhor foi morto numa estaca ereta e não em dois pedaços de pau cruzados em qualquer ângulo.” Tendo a cruz as suas raízes no antigo paganismo, e com a evidência de que Cristo não foi pregado na tradicional cruz, nem os primitivos cristãos empregaram tal símbolo, é-se levado à seguinte conclusão: A cruz realmente não é cristã. É preciso coragem para romper com uma arraigada tradição religiosa que se origina das brumas da antigüidade pagã. Bom exemplo de tal rompimento acha-se na Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas (ed. 1983), que traduz staurós como “estaca de tortura” e o verbo staurós como “pregar na estaca”, e não “crucificar”. Isto liberta de toda mancha de paganismo o precioso sacrifício de nosso Senhor e Salvador. Como é que tal conhecimento influenciará com respeito à veneração e à apresentação ou ao uso pessoal duma cruz, ou quanto a fazer o sinal da cruz? O apóstolo Paulo instou com os cristãos a ‘fugir da idolatria’. (1 Coríntios 10:14) Acrescentou o apóstolo João: “Guardai-vos dos ídolos.” (1 João 5:21) Assim, quem procura adorar a Deus desejaria mostrar-se muito cauteloso de evitar depositar sua confiança — à guisa de adoração ou de superstição — em ídolos de “prata e ouro, trabalho das mãos do homem terreno”. — Salmo 115:4, 8, 11.

É significativo o seguinte comentário no livro The Cross in Ritual, Architecture, and Art 
(A Cruz no Ritual, na Arquitetura e na Arte): 
“É estranho, porém, inquestionavelmente um fato, que em eras muito anteriores ao nascimento de Cristo, e desde então em terras não tocadas pelo ensino da Igreja, a Cruz tenha sido usada como símbolo sagrado. . . . O grego Baco, o tírio Tamuz, o caldeu Bel e o nórdico Odin, para seus devotos eram simbolizados por uma figura cruciforme.” – De G. S. Tyack, Londres, 1900, p. 1.
A The International Standard Bible Encyclopedia (1979) diz sob o tópico “Cruz”: 
“Originalmente o gr[ego] staurós significava uma estaca de madeira pontuda, vertical, firmemente 
fixa no chão. . . . Elas eram colocadas lado a lado   em fileiras para formar cercas ou paliçadas em volta de povoados, ou, avulsas, eram usadas como instrumentos de tortura nos quais transgressores sérios da lei eram publicamente suspensos para morrer (ou, se já mortos, terem seus cadáveres plenamente desonrados).”
Sim, os romanos realmente usavam um instrumento de execução chamado em latim de crux. E, ao traduzir a Bíblia para o latim, esta palavra crux era usada como tradução de stau·rós. Visto que a palavra latina crux e a palavra portuguesa cruz são similares, muitos erroneamente presumem que a crux era necessariamente uma estaca com uma viga cruzada. Contudo, The Imperial Bible-Dictionary diz: “Até mesmo entre os romanos a crux (da qual se deriva nossa cruz) parece ter sido originalmente um poste reto, e isto sempre permaneceu a parte mais proeminente.”Numerosos tradutores das Escrituras Gregas Cristãs (Novo Testamento), portanto, traduzem do seguinte modo as palavras de Pedro em Atos 5:30: “O Deus de nossos antepassados levantou Jesus, a quem matastes por pendurá-lo num madeiro [ou “árvore“, segundo a King James Version, a New International version, A Bíblia de Jerusalém (na edição em inglês) e a Revised Standard Version].  Talvez queira também verificar como a sua Bíblia traduz xý·lon em: Atos 10:39; 13:29; Gálatas 3:13; e 1 Pedro 2:24.
A Nova Enciclopédia Britânica: “Nas vésperas de sua vitória sobre Maxêncio, em 312, Constantino teve 
uma visão do `sinal celestial’ da cruz, que ele achava ser uma garantia celestial de seu triunfo.” 
Diz também que depois disso Constantino promoveu a veneração da cruz.”
O livro Strange Survivals (Estranhas Relíquias) diz a respeito de Constantino e sua cruz
Que havia habilidade política na sua conduta dificilmente podemos duvidar; por um lado, o símbolo 
que ele criou agradou aos cristãos no seu exército, e, por outro, aos gauleses [pagãos]. . . . Para estes últimos, foi o símbolo do favor de sua deidade solar”, o deus sol que eles adoravam. Não, o “sinal celestial” de Constantino nada tinha a ver com Deus ou com Cristo, estando, na verdade, impregnado de paganismo. 
Similarmente, a Chambers’s Encyclopædia (edição de 1969), diz que a cruz “era um emblema ao qual se atribuiu significados religiosos e místicos muito antes da era Cristã”.  O romano deus-natureza Baco era às vezes representado usando uma faixa em volta da cabeça contendo várias cruzes.
A Encyclopædia of Religion and Ethics diz: “Com a chegada do 4.° séc[ulo], a crença em poderes mágicos passou a se firmar mais solidamente no seio da Igreja.” Como no caso de um amuleto, simplesmente fazer o sinal da cruz era considerado “a mais segura defesa contra os demônios, e o remédio para todas as doenças”. O uso supersticioso da cruz continua até hoje.
The Companion Bible (A Bíblia Companheira) comenta no Apêndice 162 sobre “A Cruz e a Crucificação”:
“Usavam-se cruzes como símbolos do deus-sol babilônico [Artwork – Símbolo], e são vistas pela primeira vez numa moeda de Júlio César, 100-44 A. C., e daí numa moeda cunhada pelo herdeiro de César (Augusto), em 20 A. C. Nas moedas de Constantino, o símbolo mais freqüente é [Artwork – Caractere grego]; mas, o mesmo símbolo é  usado sem o círculo ao redor, e com os quatro braços iguais, verticais e horizontais, e este era o símbolo especialmente venerado como a `Roda Solar’. Deve-se declarar que Constantino era um adorador do deus-sol, e não entrou para a `Igreja’ senão cerca de um quarto de século depois de ter visto tal cruz nos céus. . . . O Senhor foi  morto numa estaca ereta, e não em dois pedaços de madeira colocados em qualquer ângulo.” Grifo é meu
Observe o comentário que a Bíblia Nova Versão Internacional coloca na nota de roda pé: Atos 5:30

“*Madeiro.Usado em referência à cruz…Assim como seu equivalente hebraico , a palavra  grega aqui traduzida pode referir-se a uma árvore , a um poste , a uma viga de madeira ou objeto semelhante”.

Gálatas 3:13 Madeiro. Usado no grego clássico no sentido de estacas e varas em que os corpos eram  empalados… .(comentário de roda pé Bíblia NVI ) 
Definição de Empalar:- “suplício antigo que consistia em espetar um condenado , pelo ânus , numa estaca  aguda que lhe atravessava as entranhas , deixando-o até morrer”.  Dicionário Michaélis

 

Observe o que o Historiador cristão
Tertuliano ( 160- 220 E.C)  falou sobre a cruz:

“Cruzes, porém, nós, cristãos, nem as veneramos nem as desejamos. Vós realmente  consagrais deuses de madeira venerais cruzes de madeira, talvez como parte de vossos deuses. Pelos vossos próprios padrões, bem como vossos estandartes e bandeiras de vossos campos, o que são além de nada mais que ornamentos dourados? Vossos troféus vitoriosos não só imitam a aparência de uma cruz simples, mas também a de um homem afixado a ela”.

O livro The Non-Christian Cross (A Cruz Não-Cristã), de J. D. Parsons, explica: “Não existe uma única sentença em nenhum dos inúmeros escritos que formam o Novo Testamento que, no grego original, forneça sequer evidência indireta no sentido de que o stauros usado no caso de Jesus fosse diferente do stauros comum; muito menos no sentido de que consistisse, não em um só pedaço de madeira, mas em dois pedaços pregados juntos em forma de uma cruz. . . . É um tanto desencaminhante, da parte de nossos mestres, traduzirem a palavra stauros por ‘cruz’ ao verterem os documentos gregos da Igreja para a nossa língua nativa, e apoiarem tal medida por incluírem ‘cruz’ em nossos léxicos como sendo o significado de stauros, sem explicarem cuidadosamente que esse, de qualquer modo, não era o significado primário dessa palavra nos dias dos Apóstolos, que não se tornou seu significado primário senão muito depois disso, e só se tornou tal, se é que se tornou, porque, apesar da falta de evidência corroborativa, presumiu-se, por uma razão ou outra, que o stauros específico em que Jesus foi executado tinha esse determinado formato.” — Londres, 1896, pp. 23, 24. Foi cerca de 300 anos depois da morte de Cristo que alguns professos cristãos promoveram a ideia de que ele morreu numa cruz de duas vigas. Mas essa ideia se baseava na tradição e no uso errado da palavra grega stau·ros´. É digno de nota que alguns desenhos antigos, que retratam execuções romanas, mostrem um único poste de madeira ou uma árvore. “A forma da [cruz de duas vigas] teve sua origem na antiga Caldéia e foi usada como símbolo do deus Tamuz(tendo a forma do Tau místico, a letra inicial de seu nome) naquele país e em terras adjacentes, inclusive no Egito. Por volta dos meados do 3º século A.D., as igrejas ou se haviam apartado ou tinham arremedado certas doutrinas da fé cristã. A fim de aumentar o prestígio do sistema eclesiástico apóstata, aceitavam- se pagãos nas igrejas, à parte de uma regeneração pela fé, e permitia-se-lhes em grande parte reter seus sinais e símbolos pagãos. Assim se adotou o Tau ou T, na sua forma mais freqüente, com a peça tranversal abaixada mais um pouco, para representar a cruz de Cristo.” An Expository Dictionnary of New Testament Words ( Londres, 1962),W.E. Vine, p. 256.

Cruz ansata com olho de hórus (egípcio).

 
“A cruz na forma de ‘Cruz Ansada’ . . . era carregada nas mãos dos sacerdotes e reis-pontífices egípcios como símbolo de sua autoridade como sacerdotes do deus-Sol e era chamada ‘o Sinal da Vida’.” — The Worship of the Dead (Londres, 1904), Coronel J. Garnier, p. 226.
“Diversas gravuras de cruzes se acham em toda a parte nos monumentos e túmulos egípcios, e são consideradas por muitas autoridades símbolo ou do falo [uma representação do órgão sexual masculino] ou do coito. . . . Nos túmulos egípcios, a cruz ansada [cruz com um círculo ou uma asa em cima] se acha lado a lado com o falo.” — A Short History of Sex-Worship (Londres, 1940), H.Cutner, pp. 16, 17; veja também The Non-Christian Cross, p. 183. CLIQUE AQUI para ver uma imagem que confirma isto.

Excelente exemplo nos foi dado por aqueles, na antiga Éfeso, que, acatando a pregação do apóstolo Paulo, e verificando que os objetos por eles usados não se harmonizavam com o verdadeiro cristianismo, ajuntaram-nos “e os queimaram diante de todos”. (Atos 19:18, 19) Afinal de contas, por que prezar e adorar o instrumento que foi supostamente usado para assassinar o Senhor Jesus Cristo? A Biblia é Sagrada e deve ser levada a sério.Sem conjecturas e com raciocínio objetivo podemos adorar a Deus com espirito e VERDADE. Se um artista contemporâneo se tivesse posto diante do moribundo Jesus em Gólgata, poderia ternos deixado autêntico quadro desse evento altamente significativo. Mas, nenhuma obra de arte desse tipo se acha em existência, e por certo a tradição posterior não é conclusiva. Todavia, deveras dispomos de palavras registradas de uma testemunha ocular. Quem era ele? Ao olhar Jesus do alto daquele implemento de tortura e morte, viu “o discípulo a quem amava”, o apóstolo João. Jesus confiou-lhe os cuidados de sua mãe, Maria. (João 19:25-30) Assim, João estava lá. Sabia se Jesus morrera ou não numa cruz. Para designar o instrumento da morte de Cristo, João usou a palavra grega staurós, traduzida “estaca de tortura” na Tradução do Novo Mundo. (João 19:17, 19, 25) No grego clássico, staurós denota a mesma coisa que no grego comum das Escrituras Cristãs — primariamente uma estaca ou poste reto sem barra transversal. O Interpreter’s Dictionary of the Bible declara, com referência a staurós: “Literalmente uma estaca reta, barra, ou poste . . . Como instrumento de execução, a cruz era uma estaca enfiada verticalmente no chão. Não raro, mas de forma alguma sempre, um pedaço horizontal era ligado à porção vertical.” Outra obra de referência afirma: “A palavra grega para cruz, staurós, devidamente significava uma estaca, um poste ereto, ou pedaço de ripa, em que algo podia ser pendurado, ou que poderia ser usado em cercar um pedaço de terreno. . . . Até mesmo entre os romanos a crux (da qual se deriva nossa cruz) parece ter sido originalmente um poste reto, e este sempre permaneceu sendo a parte mais destacada.” — The Imperial Bible-Dictionary. Observe a figura ao lado…Ancient egypt symbol Ankh Key of Life, Eternal Life,Egyptian Cross carved on the stone in the Karnak Temple, Luxor Stock Photo - 16570814 uma cruz usada pelos egipcios encontrada no templo de Karnak no Egito No livro The Cross and Crucifixion (A Cruz e Crucificação), de Hermann Fulda, diz-se: “Jesus morreu numa simples estaca de morte: Em apoio disto falam (a) o uso então costumeiro deste meio de execução no Oriente, (b) indiretamente a própria história dos sofrimentos de Jesus e (c) muitas expressões dos primitivos padres da igreja.” Fulda também aponta que algumas das ilustrações mais antigas de Jesus pendurado o representam sobre um único poste. O apóstolo cristão Paulo afirma: “Cristo nos livrou da maldição da Lei por meio duma compra, por se tornar maldição em nosso lugar, porque está escrito: ‘Maldito é todo aquele pendurado num madeiro.’” (Gál. 3:13) Sua citação era de Deuteronômio, que menciona a colocação dum cadáver duma pessoa executada sobre um “madeiro”, e adiciona: “Seu cadáver não deve ficar toda a noite no madeiro; mas deves terminantemente enterrá-lo naquele dia, pois o pendurado é algo amaldiçoado por Deus; e não deves aviltar teu solo.” — Deu. 21:22, 23. Era tal “madeiro” uma cruz? Não era. Com efeito, os hebreus não possuíam nenhuma palavra para a cruz tradicional. Para designar tal implemento, usavam “urdidura e trama”, aludindo aos fios que corriam ao comprido num tecido e os outros que o cruzavam num tear. Em Deuteronômio 21:22, 23, a palavra hebraica traduzida “madeiro” é ‘ets, significando primariamente uma árvore ou madeira, especificamente um; poste de madeira. Os hebreus não usavam cruzes de execução. A palavra aramaica ‘a, correspondente ao termo hebraico ‘ets, aparece em Esdras 6:11, onde se diz, relativo aos violadores do decreto do rei persa: “Se arranque da sua casa um madeiro (estaca, Centro Bíblico Católico) e ele seja pendurado nele.” Obviamente, um único madeiro não teria barra transversal. Ao traduzir Deuteronômio 21:22, 23 (“madeiro”) e Esdras 6:11 (“madeiro”) os tradutores da Versão dos Setenta empregaram a palavra grega xy’lon, o mesmo termo empregado por Paulo em Gálatas 3:13. Foi também empregado por Pedro quando disse que Jesus “levou os nossos pecados no seu próprio corpo, no madeiro”. (1 Ped. 2:24) Com efeito, xy’lon é usada várias outras vezes para se referir ao “madeiro” em que Jesus foi pendurado. (Atos 5:30; 10:39; 13:29) Esta palavra grega tem o significado básico de “madeira”. Nada subentende que, no caso do penduramento de Jesus, ela significasse uma estaca com uma barra transversal. Assim, a evidência pontifica que Jesus não morreu na cruz tradicional. Por isso, as testemunhas de Jeová, que certa vez possuíam uma representação da cruz na capa da frente de sua revista A Sentinela, não usam mais tal símbolo. Nem veneram a estaca. Por certo, o instrumento que causou o sofrimento e a morte de Jesus não merece tal reverência, assim como não merece a forca em que um ente querido talvez tenha sido injustamente morto. Ademais, a Palavra de Deus proíbe tal veneração, pois afirma: “fugi da idolatria” e “guardai-vos dos ídolos”. — 1 Cor. 10:14; 1 João 5:21. Significa isto que as testemunhas de Jeová pouco se importam com a morte de Jesus Cristo? Não. Sabem que, por meio dela, Deus proveu o resgate que liberta a humanidade crente da escravidão ao pecado e à morte. (1 Tim. 2:5, 6) Estes assuntos são considerados com freqüência em suas reuniões. E, como os cristãos primitivos, comemoram anualmente a morte de Jesus durante a celebração da refeição noturna do Senhor. (1 Cor. 11:23-26) Em todas essas reuniões no Salão do Reino local o leitor será calorosamente recebido.

Como entender a declaração bíblica a respeito do SINAL DOS PREGOS nas mãos de Jesus? 

ERA A CRUZ que conhecemos hoje o instrumento indiscutivelmente usado na antiga Roma?  Jesus morreu mesmo numa cruz?  POR QUE OS VERDADEIROS CRISTÃOS NÃO USAM A CRUZ A Cruz não Cristã

Trackbacks are closed, but you can post a comment.

Comentários

  • felipe amorim  On 22 de março de 2011 at 2:29

    a bíblia judaica completa do dr. david h stern também traz estaca de execução.

    Curtir

  • iara garcia paquete  On 30 de abril de 2011 at 22:13

    eu conheci a verdade,atraves dessa tradução,livrei-me das calúnias lançadas sobre a p de Deus,percorrendo essas paginas fiel ao espírito de Jeova,decifrando o que jesus queria dizer aos seus discípulos em ilustrações.Que Deus os abençoe por defender essas verdades!

    Curtir

  • Roberto  On 12 de maio de 2011 at 22:45

    Olá boa noite. Primeiramente quero dizer que eu aprecio muito as TJ, mas eu tenho uma duvida quanto a isso. Se Jesus foi pregado numa estaca então porque que em João 20:24-25 Tomé diz: ¨o sinal dos pregos nas mãos¨ e não o sinal do prego nas mãos?

    Um abraço.

    Curtir

  • queruvim  On 13 de maio de 2011 at 1:54

    É correto concluir de João 20:25 que Jesus foi pregado com um prego em cada mão?
    É interessante notar o seguinte:
    1º – Tomé queria ver nas suas (de Jesus) mãos O SINAL dos pregos. Não fala de ‘sinais’ dos pregos. . . Poderíamos raciocinar então que O SINAL se refere a marcas em ambas as mãos, sendo que cada uma poderia mesmo deter mais de uma marca.

    2º – Tomé também queria por seu dedo NO SINAL dos pregos. Desta vêz não fala ‘nos sinais’
    dos pregos. . . Ao passo que Tomé podia “ver” o sinal (não os sinais) dos pregos nas mãos, ele tocaria “no sinal” DOS PREGOS em ambas as mãos. Poderíamos subentender aqui que se trata de UM sinal provocado por vários pregos em cada mão ou apenas UM sinal em cada mão, que, somados, são DOIS sinais, ou seja, um sinal
    composto que equivaleria ao sinal de pregos?

    O que podemos raciocinar sobre esses detalhes não podem passar de meras conjecturas que, mesmo gramaticalmente há uma série de entroncamentos de difícil análise conclusivo.

    Portanto, qualquer interpretação que se faça baseado apenas na letra pode levar a desvios da verdade. E nesse caso, é preciso procurar o contexto histórico do momento e harmonizá-lo ao conjunto das Escrituras.
    Foi cerca de 300 anos depois da morte de Cristo que alguns professos cristãos promoveram a idéia de que ele morreu numa cruz de duas vigas. Mas essa idéia se baseava na tradição e no uso errado da palavra grega stau·ros´. É digno de nota que alguns desenhos antigos, que retratam execuções romanas, mostrem um único poste de madeira ou uma árvore.
    A Enciclopédia de Literatura Bíblica, Teológica, e Eclesiástica (em inglês), de M’Clintock e Strong, comenta:

    ‘Muito tempo e esforço já foram desperdiçados em discutir se foram usados três ou quatro pregos para pregar o Senhor. Nono afirma que foram usados apenas três, no que é acompanhado por Gregório Nazianzeno. A crença mais comum advoga quatro pregos, opinião que é apoiada em grande medida e com argumentos curiosos por Curtius. Outros elevaram o número de pregos a tantos quantos catorze.’ — Volume II, página 580.

    Mateus 27:35 diz simplesmente: “Tendo-o pregado numa estaca, distribuíram a sua roupagem exterior por lançar sortes.” Poucos detalhes são fornecidos, assim como em Marcos, Lucas e João. Após a ressurreição de Jesus, Tomé disse: “A menos que eu veja nas suas mãos o sinal dos pregos e ponha o meu dedo no sinal dos pregos, e ponha a minha mão no seu lado, certamente não acreditarei.” (João 20:25) Portanto, embora os criminosos fossem às vezes amarrados à estaca com cordas, Jesus foi pregado. Alguns têm concluído também de João 20:25 que foram usados dois pregos, um para cada mão. Mas, deve-se entender o uso que Tomé fez do plural (pregos) como descrição precisa, indicando que cada uma das mãos de Jesus foi furada com um prego diferente?

    Em Lucas 24:39, o ressuscitado Jesus disse: “Vede minhas mãos e meus pés, que sou eu mesmo.” Isto sugere que os pés de Cristo também foram pregados. Visto que Tomé não fez menção de sinal de prego nos pés de Jesus, usar ele o plural “pregos” pode ter sido uma referência geral a vários pregos usados para pregar Jesus.

    Assim, simplesmente não é possível afirmar hoje com certeza quantos pregos foram usados. Quaisquer ilustrações de Jesus na estaca devem ser entendidas como concepções artísticas que oferecem apenas uma representação baseada nos fatos limitados de que dispomos. Não devemos permitir que a controvérsia sobre tal pormenor insignificante obscureça a verdade todo-importante de que “ficamos reconciliados com Deus por intermédio da morte de seu Filho”. — Romanos 5:10.

    Curtir

  • Jorge Torres  On 25 de junho de 2011 at 18:14

    Ademais Tomé como não viu, também não sabia se era um ou vários pregos, por tal falou no plural, quando lhe falaram que Jesus havia sido pregado.

    Curtir

  • Maria Costa  On 11 de outubro de 2011 at 16:30

    Todas as traduções bíblicas em Gálatas 3: 13 diz:: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro. Madeiro sugere apenas uma estaca, não duas. E para que se fosse uma cruz este texto deveria dizer: madeiros.
    é interessante notar que o texto diz: maldito todo aquele pendurado no madeiro.
    Como um cristão verdadeiro poderia considerar sagrado um instrumento de morte que as escrituras chama de maldito:
    Ademais usar qualquer símbolo na adoração é pura idolatria. Ex. 20 : 4-5.

    Maria Costa- 11/10/2011

    Curtir

  • Maria Costa  On 11 de outubro de 2011 at 16:41

    Se uma pessoa de sua família, muito querida, fosse morta e por nobres que fossem a causa, você guardaria a arma do crime e teria como sagrada? ou preferia ter você esta pessoa como importante ou o instrumento que a matou?

    De qualquer modo foi o sangue de Jesus que nos remiu e não o instrumento da sua morte. Era necessário que se derramasse o seu sangue. Qual o instrumento usado para o sacrifício não faz muita diferença. Embora, para os cristãos a verdade é que faz a diferença prefiro ficar com o texto de Gálatas 3:13, que é o comum em todas as bíblias.

    Sejamos lógicos e não opositores da palavra como fez a serpente em Gênesis 3: 1 a 5.

    Maria Costa – 11/10/2011

    Curtir

  • Maria Costa  On 12 de outubro de 2011 at 16:09

    Cuidado com as tradições de homens – Só a verdade liberta. Mateus 15- 7-9

    Fugi da idolatria não é mera brincadeira. é uma ordem.
    Embora temos o livre arbítrio somos responsáveis pelas escolhas que fazemos. Então se a ordem bíblica é fugir da idolatria, como podemos escolher desobecer esta ordem sob qualquer pretexto. Cruz ou estaca não pode ser idolatrada. Escolhamos seguir a palavra e não tradições de homens, com idéias babilônicas, berço do paganismo que será destruida. Apoc. 18 -4

    Maria Costa- 12/10/2011.

    Curtir

  • Jônatas Pontes Dias da Silva  On 21 de março de 2012 at 14:16

    Olá queridos, tudo bem?
    Uma pergunta, porque Charles T. Russel deixou em seu testamento ordens para que fosse contruído um memorial, próximo ao seu túmulo, em formato de pirâmide, com os tamanhos exatos (vide a numeração no canto esquerdo do túmulo), contendo a inscrição “Watch Tower Bible and Tract Society” e um desenho esculpido de uma coroa com uma cruz no meio? Será que ele ignorava uma verdade como essa?

    Para quem quiser visitar, o cemitério chama-se “Rosemont United Cemeteries” e fica no bairro North Hills em Pittsburgh (Pensilvania)

    Tá ai, fiquei em dúvidas…

    Curtir

  • queruvim  On 22 de março de 2012 at 2:51

    Russel usava a cruz e não tinha esclarecimento sobre diversos assuntos. Foi somente com o passar do tempo que as Testemunhas de Jeová, então conhecidas como “estudantes da Bíblia” deixaram de usar tal símbolo de origem pagã.

    Curtir

  • Samanta  On 7 de abril de 2012 at 16:24

    Quando russel morreu, os estudantes da biblia ( assim como eram chamados , hoje conhecidos como Testemunhas de Jeová) ainda não tinham todos os esclarecimentos sobre a biblia, mas depois com muitos estudos com a ajuda do espirito santo, foi encontrado que o uso de tal simbolo deveria ser deixado de usar ( qualquer idolatria é considerado ruim aos olhos de Jeová Deus).

    Curtir

  • miguel1791  On 13 de abril de 2012 at 16:58

    Bem era provável, que Russel, tivesse algum envolvimento com a maçonaria, assim como muitos religiosos da época de diversas religiões tinham. Isso explicaria o erro em se considerar a pirâmide de Gizé como algo relacionado à Jeová. Mas o mais importante de tudo é que hoje não existe, testemunha de Jeová maçon. Isso foi abandonado no início, quando a verdade ainda não estava clara e ainda se utilizavam a cruz, como símbolo em suas publicações, se comemoravam aniversários, etc. É interessante notar que mesmo hoje os que condenam Russel pelo equívoco, da pirâmide, e possível envolvimento na maçanoria, tem entre os seus membros mais destacados, muitos que pertencem a essa irmandade (a maçonaria). É um paradoxo, as testemunhas, se tiveram alguma conexão com a maçonaria abandonaram, mas o que dizer das religiões de hoje? Conheço assembleanos, batistas, católicos, entre outros que são maçons. Pergunto, procure hoje alguém na maçonaria, uma testemunha de Jeová que seja um maçom declarado como existe na maioria das religiões? Duvido que encontrem!!!!!à

    Curtir

  • queruvim  On 13 de abril de 2012 at 23:04

    Miguel, Russel era enfático em dizer que NÃO ERA MAÇON e pregava contra a maçonaria, embora fizesse discursos para grupos maçônicos e muitos outros ouvirem

    Seu envolvimento com pirâmides NADA tinha que ver com maçonaria. Isso é fartamente explicado no site americano que postei junto ao vídeo acima.

    Sugiro que leia também esta página que preparei:

    https://traducaodonovomundodefendida.wordpress.com/2010/08/29/era-russell-maconico/

    Curtir

  • miguel  On 16 de abril de 2012 at 19:50

    Queruvim, boa tarde! Agradeço o esclarecimento, eu sou uma testemunha de Jeová. Eu não via nada de impressionante em Russel ter sido maçon ou não, tendo em vista que isso teria ocorrido, especulativamente no início, quando ainda não se tinha todo o conhecimento da verdade. Além do mais como foi bem lembrado no vídeo, nosso líder é Jesus Cristo.Que bom saber que Russel não tinha então tal envolvimento. Gostaria de saber se você tem alguma informação sobre o “disco alado” usado nos Estudo das Escrituras, já ouvi e li que esse símbolo é maçon.
    Um abraço!

    Curtir

  • queruvim  On 16 de abril de 2012 at 20:32

    Miguel, este disco alado estava sendo representado de acordo com o entendimento que ele tinha de Malaquias 4:2 e era encontrado na antiga mitologia Egípcia. Um simbolo de que o reino milenar de Cristo emergiria. Não somente este , mas muitos outros símbolos pre datam a irmandade maçônica, de forma que uma ligação com a maçonaria só pode ser feita para a conivência de alguns opositores das Testemunhas de Jeová. A Enciclopédia do Ocultismo e Parapsicologia afirma que Russell e seus apoiadores “mostravam uma destacada aversão ao espiritismo e a fenômenos deste tipo de culto. Muito cedo na história deste grupo Russell atacava o espiritualismo (o qual chamavam de espiritismo)”

    Curtir

  • julio  On 22 de setembro de 2012 at 1:07

    Se cruz ou estaca ele morreu do mesmo jeito o inportante é que ele deu sua vida por nos agora se é cruz ou estaca isto para mim é relevante quando o que realmente inporta é o ato de sua morte

    Curtir

  • queruvim  On 24 de setembro de 2012 at 0:42

    Entendemos sua opinião, mas nem todos consideram a cruz como algo insignificante, antes, a usam como objeto sagrado. O objetivo do artigo é mostrar o perigo associado ao uso de tal apetrecho de origem extra- bíblica.

    Curtir

  • Vanderson  On 14 de dezembro de 2012 at 18:17

    Outro ponto interessante é que as evidências mostram que quando uma pessoa era condenada a morrer por crucificação (numa cruz mesmo), ela carregava apenas a barra horizontal da cruz, a trave ou patíbulo, enquanto que o “stipes” (a parte vertical) já ficava no lugar da execução. Isso porque, como dizem, era pesado demais pra um só homem carregar uma cruz inteira. Mas os Evangelhos não dizem que Jesus carregou uma “viga”, uma “trave” ou coisa assim. Dizem que ele saiu carregando um “stauros”. Ou seja, eles apontam o texto de João 20:25, que fala sobre “o sinal dos pregos”, mas e os textos nas Bíblias deles que dizem que Jesus carregou sua “cruz”, e não o seu “patíbulo”?

    Curtir

  • Julio  On 16 de dezembro de 2012 at 10:22

    Vanderson, a tradução de stauros é estaca!

    Curtir

  • Vanderson  On 16 de dezembro de 2012 at 23:29

    Sim, Julio, é isso que estou dizendo. Se Jesus não carregou uma cruz, então ele carregou o quê? Entendeu?😉

    Curtir

  • Alex  On 24 de dezembro de 2012 at 20:24

    Prezados, contra fatos não há argumentos: o que diz a HISTÓRIA sobre o método de execução comumente utilizado pelos romanos?

    Curtir

  • queruvim  On 25 de dezembro de 2012 at 0:18

    Alex, nos escritos do primeiro século temos descrições em LATIN e GREGO, de diversos autores, onde se usa a palavra STAUROS em grego e LIGNO em LATIN .Vocês que visitam esta página precisam saber que eruditos de diversas escolas teológicas ou ainda eruditos seculares menos apaixonados pela profissão de fé mas sim na pesquisa investigativa, apresentam argumentos tanto a favor como contra a afirmação de que o instrumento de suplício comumente usado nos dias da antiga Roma, era uma cruz ou um instrumento cruciforme. A melhor coisa é ir a fontes daquela época.
    O que complica um pouco é que mesmo traduções destas para as línguas modernas feitas por acadêmicos costumam verter STAURÓS por “cruz” o que é um erro.

    Se consultar cada um destes autores romanos ou latinos observará que NÃO usam a palavra CRUZ em seus escritos, quer em LATIN ou em GREGO, nem falam deste instrumento como se referindo a um instrumento cruciforme. Apenas em poucos e raros escritos POSTERIORES observaremos uma tendencia de se referir ao instrumento como sendo uma cruz. Em latin usavam a palavra LIGNO que literalmente significa MADEIRO OU CANA. Esta palavra é o equivalente em latin da palavra grega XYLON. Tanto é assim, que por exemplo nos escritos de Sêneca o Jovem, alguns traduziram suas declarações no tópico “A Marcia a respeito da consolação” (6:20)como dizendo: “Eu vejo instrumentos de tortura”. Observe como Sêneca descreve tais instrumentos que viu com seus próprios olhos lá no primeiro século:

    “Eu vejo instrumentos de tortura, na verdade não de um único tipo, mas [feitos]de diferentes maneiras inventados por povos diferentes, alguns penduram suas vítimas com a cabeça para baixo, alguns empalam suas partes íntimas, outros têm seus braços em um gibet em forma de garfo”

    http://www.stoics.com/seneca_essays_book_2.html

    Segundo Joel B. Green em sua obra The Cambridge Companion to Jesus( Cambridge University Press, 2001, pg. 90.) “Os Romanos não eram escravos de nenhum padrão de técnica de crucificação”.

    A maioria das obras posteriores vertem a palavra staurós ou xylon por cruz. O que é desencaminhante. Seu ponto de vista Alex, se for de que era uma cruz, pode muito bem refletir obras seculares posteriores. Sugiro que faça uma avaliação das palavras do erudito Gunnar Samuellson publicadas acima.

    O link abaixo te dará informação de cunho acadêmico feita por este Evangélico comprometido com o assunto.
    Obrigado por expôr o que pensa a respeito!

    http://traducaodonovomundotnm.blogspot.com.br/

    Seria muito interessante pesquisar a página mais dedicada a pesquisa Bíblica que conheço no endereço abaixo.

    http://wol.jw.org/pt/wol/s/r5/lp-t?q=cruz&p=par

    Curtir

  • Alex  On 25 de dezembro de 2012 at 17:10

    Queruvim, respeito sua explanação mas, para ficarmos isentos, precisaríamos de descrições e gravuras ilustrativas realizadas antes de Cristo demonstrando como os romanos executavam os criminosos. Existem?

    Curtir

  • Vanderson  On 25 de dezembro de 2012 at 19:07

    Meu ponto de vista é que os romanos (como bem ilustra o livro “De Cruce Liber Primus”, de Justus Lipsius) usavam tanto estacas como cruzes, de vários tipos. E nunca crucificavam de um único jeito, mas podiam colocar a vítima em qualquer posição que quisessem no instrumento. Então, já que no grego e hebraico antigos não existia uma palavra certa para “cruz”, chamavam as cruzes de duas vigas de “estacas”, porque uma cruz nada mais é que uma estaca com uma barra horizontal. Quer dizer, “staurós” tanto podia se referir a uma cruz como podia se referir a uma estaca. O que defendemos é que no caso de Jesus foi usada uma estaca, e não uma cruz, e isso com base em evidências. Ninguém pode negar que o significado principal de “staurós” é estaca. O instrumento de execução de Jesus também é chamado de “xýlon”, que quer dizer “madeiro”. E etc…

    Curtir

  • queruvim  On 26 de dezembro de 2012 at 1:16

    Então Alex, muito boa sua pergunta. Na crucificação dos 6000 prisioneiros de guerra por Crassus na Via Appia entre Roma e Capua, que eram seguidores de Spartacus (Bella Civilia I.120), o mais plausível é que tenham sido crucificados usando somente um poste vertical, que seria a forma mais rápida e simples. Não temos desenhos mas temos descrições sim!

    De fato, segundo Flávio Josefo (Guerras Judaicas 5:552-553) as tropas romanas tiveram que viajar 10 milhas para encontrar madeira, o que indica que esta estava escassa naquela região. Assim, o erudito Joe Zias considera que podia se economizar madeira, usando-se o mesmo poste transversal para várias crucificações.”

    Estes fatos falam contra a dedução de que cada individuo era pregado numa “cruz” como a conhecemos hoje com dois postes transversais.

    The Encyclopaedia Britannica, Vol. 7, da Edição 11, pag. 506, diz:

    ” Não foi senão até o tempo de Constantino que a Cruz foi usada publicamente como símbolo da religião cristã.”

    CRUCIFIXION IN ANTIQUITY

    THE ANTHROPOLOGICAL EVIDENCE

    Joe Zias e Skeles, que em 1985 participaram em uma pesquisa acadêmica onde reavaliaram o achado arqueológico de 1968 do homem de Ha Giv´At- Mivtar, afirma claramente em sua página na internet que no caso da crucificação em massa de 6000 Judeus na via Apia “seria mais plausível que a maneira mais eficiente e mais rápida seria prender a vítima a uma arvore ou cruz com suas mãos acima da cabeça. A vítima morreria em minutos ou no mínimo em algumas horas se esta não estivesse presa ou amarrada embaixo”.

    “As fontes literárias do período Romano contém numerosas descrições de crucificação, mas poucos detalhes exatos de como os condenados eram afixados”. Diz Joe Zias.

    FONTE:

    http://www.joezias.com/CrucifixionAntiquity.html

    Curtir

  • Alex  On 26 de dezembro de 2012 at 14:34

    Queruvim e visitantes do fórum, é como eu disse: contra fatos não há argumentos.
    Se os fatos mostram que o instrumento de tortura e execução utilizado pelos romanos era uma estaca, trave ou tronco vertical devemos descartar qualquer outro raciocínio diferente.
    Por mim, este assunto está encerrado.

    Curtir

  • bruno  On 7 de janeiro de 2013 at 2:36

    (1) Mateus 20: 19
    E o entregarão aos gentios para ser escarnecido, açoitado e crucificado; mas, ao terceiro dia, ressurgirá. – το σταυρωσαι [to staurôsai] Aoristo Infinitivo Ativo. (“para ser… crucificado” – εις το… σταυρωσαι [eis to… staurôsai] Lit: “no crucificar”).

    (2) Mateus 23: 34
    Por isso, eis que eu vos envio profetas, sábios e escribas. A uns matareis e crucificareis; a outros açoitareis nas vossas sinagogas e perseguireis de cidade em cidade; – σταυρωσετε [staurôsete] Futuro Indicativo Ativo, 2 pl.

    (3) Mateus 26: 2
    Sabeis que, daqui a dois dias, celebrar-se-á a Páscoa; e o Filho do Homem será entregue para ser crucificado. – το σταυρωθηναι [to staurôthênai] Aoristo Infinitivo Passivo. (“para ser crucificado” – εις το σταυρωθηναι [eis to staurôthênai] Lit: “no ser crucificado”).

    (4) Mateus 27: 22
    Replicou-lhes Pilatos: Que farei, então, de Jesus, chamado Cristo? Seja crucificado! Responderam todos. – σταυρωθητω [staurôthêtô] Aoristo Imperativo Passivo, 3 sing.

    (5) Mateus 27: 23
    Que mal fez ele? Perguntou Pilatos. Porém cada vez clamavam mais: Seja crucificado! – σταυρωθητω [staurôthêtô] Aoristo Imperativo Passivo, 3 sing.

    (6) Mateus 27: 26
    Então, Pilatos lhes soltou Barrabás; e, após haver açoitado a Jesus, entregou-o para ser crucificado. – σταυρωθη [staurôthê] Aoristo Subjuntivo Passivo, 3 sing. (“para ser crucificado” – ινα σταυρωθη [hina staurôthê] Lit: “para que fosse crucificado”).

    (7) Mateus 27: 31
    Depois de o terem escarnecido, despiram-lhe o manto e o vestiram com as suas próprias vestes. Em seguida, o levaram para ser crucificado. – το σταυρωσαι [to staurôsai] Aoristo Infinitivo Ativo. (“para ser crucificado” – εις το σταυρωσαι [eis to staurôsai] Lit: “no crucificar”).

    (8) Mateus 27: 35
    Depois de o crucificarem, repartiram entre si as suas vestes, tirando a sorte. – σταυρωσαντες [staurôsantes] Aoristo Particípio Ativo, nom. pl. masc. (“Depois de o crucificarem” – σταυρωσαντες δε αυτον [staurôsantes de auton] Lit: “e crucificando-o” .

    (9) Mateus 27: 38
    E foram crucificados com ele dois ladrões, um à sua direita, e outro à sua esquerda. – σταυρουνται [staurountai] Presente Indicativo Passivo, 3 pl. Lit: “são crucificados”, “estão sendo crucificados”.

    (10) Mateus 28: 5
    Mas o anjo, dirigindo-se às mulheres, disse: Não temais; porque sei que buscais Jesus, que foi crucificado. – τον εσταυρωμενον [ton estaurômenon] Perfeito Particípio Passivo, acus. sing. masc.

    (11) Marcos 15: 13
    Eles, porém, clamavam: Crucifica-o! – σταυρωσον [staurôson] Aoristo Imperativo Ativo, 2 sing. (“Crucifica-o” – σταυρωσον αυτον [staurôson auton]).

    (12) Marcos 15: 14
    Mas Pilatos lhes disse: Que mal fez ele? E eles gritavam cada vez mais: Crucifica-o! – σταυρωσον [staurôson] Aoristo Imperativo Ativo, 2 sing. (“Crucifica-o” – σταυρωσον αυτον [staurôson auton]).

    (13) Marcos 15: 15
    Então, Pilatos, querendo contentar a multidão, soltou-lhes Barrabás; e, após mandar açoitar a Jesus, entregou-o para ser crucificado. – σταυρωθη[staurôthê] Aoristo Subjuntivo Passivo, 3 sing. (“para ser crucificado” – ινα σταυρωθη [hina staurôthê] Lit: “para que fosse crucificado”).

    (14) Marcos 15: 20
    Depois de o terem escarnecido, despiram-lhe a púrpura e o vestiram com as suas próprias vestes. Então, conduziram Jesus para fora, com o fim de ocrucificarem. . – σταυρωσωσιν [staurôsôsin] Aoristo Subjuntivo Ativo, 3 pl. (“com o fim de o crucificarem” – ινα σταυρωσωσιν αυτον [hina staurôsôsin auton]).

    (15) Marcos 15: 24
    Então, o crucificaram e repartiram entre si as vestes dele, lançando-lhes sorte, para ver o que levaria cada um. – σταυρουσιν [staurousin] Presente Indicativo Ativo, 3 pl. Lit: “crucificam”, “estão crucificando”. Variante: σταυρωσαντες [staurôsantes] Aoristo Particípio Ativo, nom. pl. masc. Lit: “crucificando”.

    (16) Marcos 15: 25
    Era a hora terceira quando o crucificaram. – εσταυρωσαν [estaurôsan] Aoristo Indicativo Ativo, 3 pl.

    (17) Marcos 15: 27
    Com ele crucificaram dois ladrões, um à sua direita, e outro à sua esquerda. – σταυρουσιν [staurousin] Presente Indicativo Ativo, 3 pl. Lit: “crucificam”, “estão crucificando”.

    (18) Marcos 16: 6
    Ele, porém, lhes disse: Não vos atemorizeis; buscais a Jesus, o Nazareno, que foi crucificado; ele ressuscitou, não está mais aqui; vede o lugar onde o tinham posto. – τον εσταυρωμενον [ton estaurômenon] Perfeito Particípio Passivo, acus. sing. masc.

    (19, 20) Lucas 23: 21
    Eles, porém, mais gritavam: Crucifica¹-o! Crucifica¹-o! – ¹σταυρου [staurou] Presente Imperativo Ativo, 2 sing. (“Crucifica-o! Crucifica-o!”- σταυρου σταυρου αυτον [staurou staurou auton] Lit: “crucifica, crucifica-o”. / Variante: ¹σταυρωσον [staurôson] Aoristo Imperativo Ativo, 2 sing.

    (21) Lucas 23: 23
    Mas eles instavam com grandes gritos, pedindo que fosse crucificado. E o seu clamor prevaleceu. – σταυρωθηναι [staurôthênai] Aoristo Infinitivo Passivo. (“pedindo que fosse crucificado” – αιτουμενοι αυτον σταυρωθηναι [aitoumenoi auton staurôthênai] Lit: “pedindo-lhe ser crucificado”).

    (22) Lucas 23: 33
    Quando chegaram ao lugar chamado Calvário, ali o crucificaram, bem como aos malfeitores, um à direita, outro à esquerda. – εσταυρωσαν [estaurôsan] Aoristo Indicativo Ativo, 3 pl.

    (23) Lucas 24: 7
    quando disse: Importa que o Filho do Homem seja entregue nas mãos de pecadores, e seja crucificado, e ressuscite no terceiro dia. – σταυρωθηναι[staurôthênai] Aoristo Infinitivo Passivo. Lit: “ser crucificado”).

    (24) Lucas 24: 20
    e como os principais sacerdotes e as nossas autoridades o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. – εσταυρωσαν [estaurôsan] Aoristo Indicativo Ativo, 3 pl.

    (25, 26, 27) João 19: 6
    Ao verem-no, os principais sacerdotes e os seus guardas gritaram: Crucifica¹-o! Crucifica¹-o! Disse-lhes Pilatos: Tomai-o vós outros e crucificai-o; porque eu não acho nele crime algum. – ¹σταυρωσον [staurôson] Aoristo Imperativo Ativo, 2 sing. / ²σταυρωσατε [staurôsate] Aoristo Imperativo Ativo, 2 pl

    (28) João 19: 10
    Então, Pilatos o advertiu: Não me respondes? Não sabes que tenho autoridade para te soltar e autoridade para te crucificar? – σταυρωσαι [staurôsai] Aoristo Infinitivo Ativo. Infinitivo usado para demonstrar propósito).

    (29, 30) João 19: 15
    Eles, porém, clamavam: Fora! Fora! Crucifica¹-o! Disse-lhes Pilatos: Hei de crucificar² o vosso rei? Responderam os principais sacerdotes: Não temos rei, senão César! – ¹σταυρωσον [staurôson] Aoristo Imperativo Ativo, 2 sing. / ²σταυρωσω [staurôsô] Aoristo Subjuntivo Ativo, 1 sing.

    (31) João 19: 16
    Então, Pilatos o entregou para ser crucificado. – σταυρωθη [staurôthê] Aoristo Subjuntivo Passivo, 3 sing. (“para ser crucificado” – ινα σταυρωθη [hina staurôthê] Lit: “para que fosse crucificado”).

    (32) João 19: 18
    onde o crucificaram e com ele outros dois, um de cada lado, e Jesus no meio. – εσταυρωσαν [estaurôsan] Aoristo Indicativo Ativo, 3 pl.

    (33) João 19: 20
    Muitos judeus leram este título, porque o lugar em que Jesus fora crucificado era perto da cidade; e estava escrito em hebraico, latim e grego. -εσταυρωθη [estaurôthê] Aoristo Indicativo Passivo, 3 sing. Lit: “foi crucificado”.

    (34) João 19: 23
    Os soldados, pois, quando crucificaram Jesus, tomaram-lhe as vestes e fizeram quatro partes, para cada soldado uma parte; e pegaram também a túnica. A túnica, porém, era sem costura, toda tecida de alto a baixo. – εσταυρωσαν [estaurôsan] Aoristo Indicativo Ativo, 3 pl.

    (35) João 19: 41
    No lugar onde Jesus fora crucificado, havia um jardim, e neste, um sepulcro novo, no qual ninguém tinha sido ainda posto. – εσταυρωθη [estaurôthê] Aoristo Indicativo Passivo, 3 sing. Lit: “foi crucificado”.

    (36) Atos 2: 36
    Esteja absolutamente certa, pois, toda a casa de Israel de que a este Jesus, que vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo. – εσταυρωσατε[estaurôsate] Aoristo Indicativo Ativo, 2 pl.

    (37) Atos 4: 10
    tomai conhecimento, vós todos e todo o povo de Israel, de que, em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, a quem vós crucificastes, e a quem Deus ressuscitou dentre os mortos, sim, em seu nome é que este está curado perante vós. – εσταυρωσατε [estaurôsate] Aoristo Indicativo Ativo, 2 pl.

    (38) 1 Coríntios 1: 13
    Acaso, Cristo está dividido? Foi Paulo crucificado em favor de vós ou fostes, porventura, batizados em nome de Paulo? – εσταυρωθη [estaurôthê] Aoristo Indicativo Passivo, 3 sing.

    (39) 1 Coríntios 1: 23
    mas nós pregamos a Cristo crucificado, escândalo para os judeus, loucura para os gentios; – εσταυρωμενον [estaurômenon] Perfeito Particípio Passivo, acus. sing. masc.

    (40) 1 Coríntios 2: 2
    Porque decidi nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado. – εσταυρωμενον [estaurômenon] Perfeito Particípio Passivo, acus. sing. masc.

    (41) 1 Coríntios 2: 8
    sabedoria essa que nenhum dos poderosos deste século conheceu; porque, se a tivessem conhecido, jamais teriam crucificado o Senhor da glória; -εσταυρωσαν [estaurôsan] Aoristo Indicativo Ativo, 3 pl. (“porque, se a tivessem conhecido, jamais teriam crucificado o Senhor da glória” – ει γαρ εγνωσαν ουκ αν τον κυριον της δοξης εσταυρωσαν [ei gar egnôsan ouk an ton kurion tês doxês estaurôsan] – Oração condicional contrária à realidade).

    (42) 2 Coríntios 13: 4
    Porque, de fato, foi crucificado em fraqueza; contudo, vive pelo poder de Deus. Porque nós também somos fracos nele, mas viveremos, com ele, para vós outros pelo poder de Deus. – εσταυρωθη [estaurôthê] Aoristo Indicativo Passivo, 3 sing.

    (43) Gálatas 3: 1
    Ó gálatas insensatos! Quem vos fascinou a vós outros, ante cujos olhos foi Jesus Cristo exposto como crucificado? – εσταυρωμενος [estaurômenos] Perfeito Particípio Passivo, nom. sing. masc. – “um crucificado”.

    (44) Gálatas 5: 24
    E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências. – εσταυρωσαν [estaurôsan] Aoristo Indicativo Ativo, 3 pl.

    (45) Gálatas 6: 14
    Mas longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu, para o mundo. -εσταυρωται [estaurôtai] Perfeito Indicativo Passivo, 3 sing. – “foi crucificado e assim permanece”.

    (46) Apocalipse 11: 8
    e o seu cadáver ficará estirado na praça da grande cidade que, espiritualmente, se chama Sodoma e Egito, onde também o seu Senhor foi crucificado. -εσταυρωθη [estaurôthê] Aoristo Indicativo Passivo, 3 sing.

    Curtir

  • queruvim  On 8 de janeiro de 2013 at 2:28

    Bruno vc não entendeu…TODAS as traduções que citou estão erradas.Não há nada que indique que staurós era uma cruz moderna, mas sim uma estaca.É só olhar os mais antigos e respeitados léxicos, bem como os modernos. Sim, use o dicionário para saber o significado de palavras gregas usadas no N.T e não sua tradução da Bíblia.

    The New Bible Dictionary (Novo Dicionário Bíblico) afirma:

    “A palavra gr. para ‘cruz’ (staurós, verbo stauróo) significa primariamente uma estaca ereta ou viga, e, secundariamente, uma estaca, conforme usada qual instrumento de punição e de execução.”

    A palavra latina empregada para o instrumento em que Cristo morreu era crux, a qual, de acordo com Livy, famoso historiador romano do primeiro século EC, significa uma simples estaca. A Cyclopœdia of Biblical, Theological, and Ecclesiastical Literature afirma que a crux simplex era “simples estaca ‘de uma única peça, sem a travessa horizontal [barra transversal]’”.

    Em confirmação disto, o apêndice N.° 162 de The Companion Bible (A Bíblia Companheira) declara a respeito de staurós que

    indica um poste ereto ou estaca, em que se pregavam criminosos para serem executados. . . . Nunca significa dois pedaços de pau cruzados em qualquer ângulo, mas sempre apenas um pau.” (O grifo é meu.) Conclui o apêndice: “A evidência está assim completa de que o Senhor foi morto numa estaca ereta e não em dois pedaços de pau cruzados em qualquer ângulo.”

    Curtir

  • Vanderson  On 8 de janeiro de 2013 at 14:34

    Devo admitir que não entendi direito seu objetivo, Bruno. Mas, enfim, o interessante é o fato de alguns textos da Bíblia dizerem que Jesus morreu num “madeiro”.

    “O Deus de nossos antepassados levantou Jesus, a quem matastes por pendurá-lo num madeiro [em grego xýlon].” – Atos 5:30 (Pedro falando aos membros do Sinédrio)

    “Quando, então, tinham efetuado todas as coisas escritas a respeito dele, tiraram-no do madeiro e deitaram-no num túmulo memorial.” – Atos 13:29 (Paulo pregando numa sinagoga em Antioquia)

    “Cristo nos livrou da maldição da Lei por meio duma compra, por se tornar maldição em nosso lugar, porque está escrito: ‘Maldito é todo aquele pendurado num madeiro’.” – Gálatas 3:13

    “Ele mesmo levou os nossos pecados no seu próprio corpo, no madeiro, a fim de que acabássemos com os pecados e vivêssemos para a justiça.” – 1 Pedro 2:24

    Curtir

  • Serva de Jah  On 3 de junho de 2013 at 2:39

    No cristianismo

    A Cruz é o símbolo mais conhecido do cristianismo. Ela simboliza a morte de Jesus na Vera Cruz.
    Um dos símbolos mais utilizados na religião é a cruz. A Encyclopædia Britannica chama a cruz de “o principal símbolo da religião cristã”. Num julgamento em tribunal naGrécia, a Igreja Ortodoxa Grega chegou a afirmar que aqueles que rejeitam a “Santa Cruz” não são cristãos.

    O possível instrumento da morte de Jesus é mencionado em textos bíblicos como Mateus 27:32 e 40. Ali, a palavra grega stau·rós é traduzida por “cruz” porém,a palavra stau·rós significa no idioma original (grego) estaca reta ou madeiro [estaca de tortura],pelo fato do simbolo (cruz) ser cativamente conhecido em roma,ele foi adotado como simbolo de sacrifício pela Igreja Católica,fazendo assim popular mesmo antes de ser adotada como simbolo de sacrifício de Jesus Cristo. Esse erro de tradução foi cometido em várias Bíblias em português e diversos idiomas.

    “Encontraram-se diversos objetos, datando de longos períodos anteriores à Era Cristã, marcados com cruzes de feitios diferentes, em quase cada parte do mundo antigo. A Índia, a Síria, a Pérsia e o Egito produziram todos inúmeros exemplos, ao passo que em quase toda a parte da Europa se encontraram numerosos casos, datando desde a parte posterior da Idade da Pedra até os tempos cristãos. O uso da cruz como símbolo religioso em tempos pré-cristãos e entre povos não-cristãos provavelmente pode ser considerado como quase universal, e em muitíssimos casos ligava-se a alguma forma de culto da natureza.” — The Encyclopœdia Britannica, 1946, Vol. 6, página 753.

    A palavra grega traduzida por cruz na tradução Bíblica das Testemunhas de Jeová, a Tradução do novo mundo das escrituras sagradas é “estaca de tortura” (extraído de σταυρός “stau-rós”). No grego “estaca reta”, “poste” ou “madeiro”. Alguns condenados levavam um “madeiro” nas costas até o local do seu suplício, este madeiro era a parte horizontal e seria suspendida na parte vertical que já estaria fixado no local.

    Também a Bíblia Judaica Completa do teólogo judeu David H. Stern usa o termo estaca e estaca de Execução toda vez em que aparece a palavra gregaσταυρός(staurós)(como exemplo se pode ler na Bíblia Completa Judaica a palavra estaca em Mattiyahu[Mateus]27:40,e estaca de execução em Mattiyahu[Mateus] 10:38)

    The imperial Bible-Divtionary reconhece isso dizendo: “A palavra grega para cruz, [stau.rós], devidamente significa uma estaca, um poste reto, ou pedaço de ripa, em que algo podia ser pendurado, ou que poderia ser usado para estaquear [cercar] um pedaço de terreno…. Até mesmo entre os romanos a crux(da qual se deriva nossa cruz) parece ter sido originalmente um poste reto” – Editado por P.Fairbairn, (londres,1874),Vol.I,p. 376.

    O livro The Non-Christian Cross (A Cruz Não-Cristã), de John Denham Parsons, declara: “Não existe uma única sentença em qualquer dos inúmeros escritos que formam o Novo Testamento que, no grego original, forneça sequer evidência indireta no sentido de que o stauros usado no caso de Jesus fosse diferente do stauros comum; muito menos no sentido de que consistisse, não em um só pedaço de madeira, mas em dois pedaços pregados juntos em forma de uma cruz. . . . É um tanto desencaminhante, da parte de nossos mestres, traduzirem a palavra stauros por ‘cruz’ ao verterem os documentos gregos da Igreja para a nossa língua nativa, e apoiarem tal medida por incluírem ‘cruz’ em nossos léxicos como sendo o significado de stauros, sem explicarem cuidadosamente que esse, de qualquer modo, não era o significado primário dessa palavra nos dias dos Apóstolos, que não se tornou seu significado primário senão muito depois disso, e só se tornou tal, se é que se tornou, porque, apesar da falta de evidência corroborativa, presumiu-se, por uma razão ou outra, que o stauros específico em que Jesus foi executado tinha esse determinado formato.” — Londres, 1896, pp. 23, 24.

    Concernente aos cristãos do primeiro século, a obra History of the Christian Church diz: “Não se usava o crucifixo e nenhuma representação material da cruz.”-(Nova Iorque,1897).J.F.Hurst,Vol.I,P.366. Durante o primeiro século do cristianismo, a cruz era raramente usada na iconografia cristã, uma vez que representa propositadamente um doloroso método de execução pública. O Ichthys, ou símbolo do peixe, era mais utilizado pelos primeiros cristãos.

    No entanto, o símbolo da cruz já foi associado aos cristãos no segundo século, como é indicado nos argumentos anticristãos citados por Octavius 1 , capítulos IX e XXIX, escrito no final do mesmo século ou no início do próximo2 , até o início do terceiro século a cruz tinha-se tornado tão estreitamente associada a Cristo que Clemente de Alexandria, que morreu entre 211 e 216, usou a ambiguidade da frase τὸ κυριακὸν σημεῖον (o sinal do Senhor) para significar cruz, pois a epístola apócrifa de Barnabé, tem o número 318 (em grego numerais, ΤΙΗ) em Gênesis 14:14 foi interpretada como uma numerologia para cruz (T, na posição vertical) e de Jesus (ΙΗ, as primeiras duas letras do seu nome ΙΗΣΟΥΣ, a posição dos 18),3 e seu contemporâneo Tertuliano designou os crentes cristãos como crucis religiosi, ou seja “devotos da Cruz.”4 Em seu livro De Corona, escrito em 204, diz Tertuliano diz que já era uma tradição para os cristãos fazer em sua testa o sinal da cruz.5 Muitos estudiosos consideram que a cruz teria sido adotada pelo cristianismo por seus próprios méritos, devido às suas conotações metafísicas, porém alguns historiadores sugerem que a cruz surgiu originalmente de um símbolo pagão:

    A forma da [cruz de duas vigas] teve sua origem na antiga Caldeia e foi usada como símbolo do deus Tamuz (tendo a forma do Tau místico, a letra inicial de seu nome)naquele país e em terras adjacentes no Egito. Por volta dos meados do 3ºséc. A.D, as igrejas ou se haviam apartado ou tinham arrematado certas doutrinas da fé cristã. A fim de aumentar o prestígio do sistema eclesiástico apóstata, aceitavam-se pagãos nas igrejas, à parte de uma regeneração pela fé, e permitia-se-lhes em grande parte reter seus sinais e símbolos pagãos. Assim se adotou o Tau ou T, na sua forma mais frequente, com a peça transversal abaixada um pouco, para representar a cruz de Cristo.
    —An Expository Dictionary of New Testament Words (Londres,1962), W.E.Vine,p.256
    .

    A Enciclopédia Judaica diz:

    A cruz como um símbolo cristão (…) entrou em uso pelo menos no segundo século (ver “apost. Const.” Iii. 17; epístola de Barnabé, XI.-xii.; Justin, “Apologia”, i . 55-60; “Dial. cum Tryph”. 85-97) e à marcação de uma cruz sobre a testa e do tórax foi considerado como um talismã contra os poderes dos demônios (Tertuliano, “De Corona”, iii.; Cipriano, “Testemunhos”, xi. 21-22; Lactantius, “Divinae Institutiones,” iv. 27, e outros). (…)

    Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Cruz

    Curtir

  • Carlos Roberto da Silva  On 11 de agosto de 2013 at 20:42

    O termo CRUCIFICAÇÃO só pode ter vindo do prefixo CRUZ ou CRUX. Caso contrário ter-se-ia grafado ESTACIFICAÇÃO para justificar a derivação na palavra ESTACA.

    Curtir

  • Queruvim  On 11 de agosto de 2013 at 21:13

    A palavra CRUZ originalmente sequer se referia a um instrumento cruciforme. E quanto as palavras usadas na Bíblia em grego referente ao instrumento de execução no qual Cristo foi suspenso, usa-se a palavra STAURÓS bem como XYLON. Estaca e madeiro, respectivamente, são as definições dos mais respeitados léxicos grego-inglês.

    Curtir

  • Vinícius  On 17 de agosto de 2013 at 21:33

    A Bíblia não detalha exaustivamente o modo como nosso Senhor Jesus Cristo foi pendurado na estaca, até porque o ponto em questão não são os detalhes de como o Senhor Jesus morreu, mas os motivos (a santificação e vindicação do nome de Jeová, a redenção da humanidade fiel e nos fornecer o modelo de fé) pelos quais morreu. MAS uma possibilidade é que se tenha utilizado mais de um prego para prender os pulsos (já que se os pregos fossem colocados nas exatamente nas mãos a carne se rasgaria com o peso do corpo) isso impediria que a pessoa pregada na estaca se força-se para frente e arranca-se as mãos dos pregos usando a coluna alavanca. Também usando-se dois pregos garantiria uma melhor fixação, já que se a madeira não fosse muito densa e a pessoa tivesse um peso X o prego poderia sair arrancado pelo peso da pessoa. Deixo claramente que isso é uma ESPECULAÇÃO PARTICULAR, não refletindo nenhum estudo histórico ou científico, ou ainda nenhuma descoberta arqueológica conhecida, mas é uma ponderação, uma possibilidade, que a meu ver tem alguma lógica, mas carece de comprovação…. Abraços a todos.

    Curtir

  • Jeosadá  On 18 de agosto de 2013 at 7:37

    Olá Jônatas!

    Veja o que diz A Sentinela de 1º de Janeiro de 2000 no Parágrafo 16:
    (http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/2000001#h=21:257-21:565)

    “Em 1886, quando C. T. Russell publicou um livro que passou a ser chamado de O Plano Divino das Eras, este livro continha uma tabela relacionando as eras da humanidade com a Grande Pirâmide do Egito. Pensava-se que este monumento do Faraó Cufu [Quéops] fosse a coluna mencionada em Isaías 19:19, 20: “Naquele dia virá a haver um altar a Jeová no meio da terra do Egito, e uma coluna a Jeová ao lado do seu termo. E terá de mostrar ser como sinal e como testemunha para Jeová dos exércitos na terra do Egito.” Que relação podia ter uma pirâmide com a Bíblia? Ora, por exemplo, pensava-se que o comprimento de certas passagens na Grande Pirâmide indicava o tempo do começo da “grande tribulação” de Mateus 24:21, conforme se entendia então. Alguns Estudantes da Bíblia ficaram absortos em medir certos detalhes da pirâmide para descobrir assuntos tais como o dia em que iriam para o céu!

    A chamada Bíblia de Pedra era estimada durante algumas décadas, até que A Sentinela (em inglês) de 15 de novembro e 1.° de dezembro de 1928 esclareceu que Jeová não precisava de um monumento de pedra, construído por faraós pagãos e contendo demoníacos signos de astrologia, para confirmar o testemunho dado na Bíblia. Antes, via-se que a profecia de Isaías tinha uma aplicação espiritual. Assim como em Revelação 11:8, o “Egito” é símbolo do mundo de Satanás. O “altar a Jeová” faz-nos lembrar os sacrifícios aceitáveis feitos por cristãos ungidos enquanto são residentes temporários neste mundo. (Romanos 12:1; Hebreus 13:15, 16) A coluna “ao lado do seu termo [i.e., do Egito]” prefigura a congregação dos cristãos ungidos, a qual é “coluna e amparo da verdade” e serve como testemunha no “Egito”, o mundo que estão para deixar. — 1 Timóteo 3:15.”

    Espero que eu tenha sanado sua duvida…

    Curtir

  • Eliane  On 1 de outubro de 2013 at 21:42

    Independente de ser cruz ou estaca, ambas não devem ser usadas para lembrar Cristo ou como objeto de adoração, afinal hoje ele é Rei e é assim que os verdadeiros cristãos devem pensar nele, lógico que o inimigo quer que imaginemos Jesus como um bebê indefeso ou como alguém sofrendo, não como um Rei! Tá aí como você quer ser lembrado um dia? Como um pobre coitado ou como alguém que fez e faz algo de significativo na vida?

    Curtir

  • Queruvim  On 1 de outubro de 2013 at 21:46

    Sim, Eliane, mas e quanto ao perigo do uso de objetos na adoração? Não diz a Bíblia claramente “fugi da idolatria”? (1 Cor. 10:14) Portanto, a questão não é tão simples assim. Promover o uso de objetos é algo que demonstra que a Igreja evangelica que usa a cruz ou qualquer outro objeto como parte da adoração, na verdade não passaram pela verdadeira REFORMA

    Curtir

  • Carlos André  On 24 de novembro de 2013 at 1:29

    Quem inventou essa história de que Jesus morreu numa cruz foi a igreja católica, que inclusive adotou a cruz como um símbolo de adoração. Disse-ia que quem morreu numa cruz foi Tamuz, que representa o Jesus católico, que é o mesmo dos cristãos (evangélicos).

    O verdadeiro Ungido de Israel, Yeshua, morreu numa estaca de madeira, um tronco reto, não só ele como os outros dois condenados à sua volta. Se você for falar isso pra um evangélicos, eles vão taxar você de herege.

    Cada um têm sua opinião.

    Curtir

  • larcio  On 30 de dezembro de 2013 at 0:11

    Boa noite amantes da palavra!
    Queruvim como estás?!
    Vc,melhor do que eu deve saber desses relatos,mas vou expor para salientar e compartilhar algum conhecimento.
    O interessante é que a crucificação era uma infame e dolorosa execução.Relevos de batalhas assírias demonstram a crucificação um precursor para os novos impérios .Naquele tempo eram empalados,ou seja, as vítimas eram espetadas “em postes” no lado de fora das cidades conquistadas.Os persas usaram-na muito um exemplo disto é histórias de Heródoto 3.125.2-3 que diz que isto acontecia com as vítimas executadas.Relatos apontam também para este tipo de execução entre os assírios,celtas, ente outros…
    Nos tempo de Alexandre Magno,era usadas em traidores,para soldados inimigos derrotados etc.
    O império romano usava para quem não tinha a cidadania romana(com exceção dos de baixa renda e criminosos violentos),Traidores e desertores nas guerras.Josefo registra que o sumo sacerdote Janeu(103 a 76 a.C.) mandou crucificar os inimigos dá época,os fariseus,eram mais ou menos 800(está no livro de antiguidades judaicas 13.14.2)…Os relatos nos informam que as crucificações eram feitas ” EM ESTACAS VERTICAIS ou com UMA TRAVE HORIZONTAL” no topo.Seja qual foi a forma de crucificação do Senhor Jesus, a cruz não deve ser venerada ou ser um objeto de adoração(assim como qualquer objeto),como fez a Rainha Helena,mãe de Constantino, que atribuem-na a descoberta da cruz real,a qual Jesus foi crucificado,a placa que denotava a sua acusação entre outros achados.O interessante na placa é que em MT 27.37 diz: E “POR CIMA” da sua cabeça puseram escrita a sua acusação: este é Jesus, o rei dos judeus.Gerando uma dúvida,pois se ele estivesse sido crucificado com as mão por cima da cabeça teria que ser mudado o versículo.No entanto seja como for,Somente a DEUS adorarás e somente a Ele prestarás culto/ou serviço sagrado…e não a objetos ou qualquer obra da criação,lembrando da serpente de bronze,que quando passou a ter alguma veneração Deus mandou o rei Ezequias destruí-la.

    Curtir

  • Queruvim  On 30 de dezembro de 2013 at 0:53

    Obrigado pela sua contribuição prezado. Só gostaria que me enviasse um e-mail falando sobre o que acha das Testemunhas de Jeová. Visto que um comment seu de mais de um ano atras me deixou inculcado.

    Att.

    Queruvim

    Curtir

  • Companheiro da bíblia  On 30 de dezembro de 2013 at 11:54

    Larcio,

    Você deve ter notada no artigo do queruvim que a cruz homenageia o deus caldeu (T)amuz!
    Jesus foi “julgado” por Judeus, lembre-se que o sinédrio fez isto, e persuadiram Pilatos , embora nenhuma lei romana tenha sido violada, daí o motivo de Pilatos tentar livra-lo.
    Sendo assim, independente se os romanos usavam o T (o que é especulativo) ele foi pendurado segundo os costumes Judaicos e não pagão, como você mesmo admite que acontecia.
    E o motivo disso é simples:
    A lei de Moisés em Deuteronômio 21:22-23.(Josué 8:29; Gálatas 3:13)
    Lendo este versículo vc verá na comparação com o evangelho de João que os Judeus seguiram exatamente o costume da lei judaica.
    Veja:

    ” NÓS TEMOS UMA LEI E É SEGUNDO A LEI QUE ELE DEVE MORRER..NESSA OCASIÃO, PORTANTO, ENTREGOU-O A ELES, PARA SER PREGADO..E TOMARAM CONTA DE JESUS” -João 19: 7-16.

    Assim sendo, os principais sacerdotes a quem o próprio Jesus criticou por se apegar mais à lei de Moisés do que qualquer outra coisa dificilmente gritariam diante do povo Judeu: “PARA A CRUZ COM ELE, PARA A CRUZ COM ELE”- João 19:6.
    A lei de Moisés ditava: “Para o madeiro com ele”, ou, “Para a estaca” (foi exatamente o que Paulo disse em gálatas confirmada em traduções evangélicas 3:13 e Deut. 21)

    Note adicionalmente que o “costume judaico” e não romano ou de quaisquer outros povos pagãos foi o utilizado (João 19:31;40).

    A questão de Mateus 27:37 poderia levantar uma dúvida mesmo se Jesus estivesse com os braços abertos no formato da cruz em vista de que foi escrito em três idiomas.

    Como resolver as aparentes dúvida?

    As testemunhas de Jeová seguem a tradição bíblica e procuram explicações que se harmonizem com ela ,a bíblia.
    Como não havia possibilidade de Jesus ser pendurado num instrumento que homenageia um deus pagão preferimos optar, por exemplo, que acima da cabeça de Jesus, no madeiro, havia um bom espaço de madeira que permitiria a inscrição.

    Um abraço.

    Curtir

  • Companheiro da bíblia  On 30 de dezembro de 2013 at 12:57

    Ia me esquecendo..
    O relato de João é esclarecedor em mostrar que a inscrição foi escrita em separada e posta em seguida num espaço acima de Jesus, tipo numa placa .

    João 19:19-” E Pilatos escreveu também um título E PÓ-LO EM CIMA DA CRUZ..”(A.FIEL).

    Ou seja, os relatos nos evangelhos se complementam em seus detalhes. É por isso que em muitas gravuras nas publicações tjs mostra Jesus e sobre sua cabeça uma placa com a inscrição.

    Curtir

  • Valdecy  On 30 de dezembro de 2013 at 15:20

    Sendo que as escrituras afirmam que Jesus carregou (…uma peça…) e esta peça não poderia ser o enorme madeiro(staurus) que chegaria a medida de 5.10 e ao peso de aproximadamente 250 Kg logo a peça seria o patíbulo que pesa quase 45 kg se fosse o patíbulo a peça que seria FINCADA no chão, então os pés de Jesus ficaria em terra e não haveria possibilidade de pregá-lo com a mãos erguida.

    Aqui está mais uma PROVA de que Jesus foi pendurado com os braços abertos e neste caso, então ele teve seus braços pregados em um patíbulo horizontal, e não no enorme madeiro(staurus)

    “Sinal dos pregos” nas mãos de Jesus – o que indica?

    Ἐὰν μὴ ἴδω ἐν ταῖς χερσὶν αὐτοῦ τὸν τύπον τῶν ἥλων

    καὶ βάλω τὸν δάκτυλόν μου εἰς τὸν τύπον τῶν ἥλων

    καὶ βάλω μου τὴν χεῖρα εἰς τὴν πλευρὰν αὐτοῦ,
    οὐ μὴ πιστεύσω.

    “A menos que eu veja nas suas MÃOS O SINAL DOS PREGOS
    e ponha o meu dedo NO SINAL DOS PREGOS,
    e ponha a minha mão NO SEU LADO,
    certamente não acreditarei.”
    – João 20:25.

    Vamos descartar a suposta possibilidade de:
    Portanto, uma possibilidade razoável é que o termo “pregos”
    (no plural) inclua também os pés de Cristo, pois seus pés também foram pregados.

    Essa possibilidade não é cabível e deve ser descartada pelo seguinte motivo.

    Apesar de alguns alegarem que:
    A fraseologia usada por Tomé não associa “pregos” com as “mãos” de Cristo. O termo “pregos” está associado a “sinal”.

    Na realidade a fraseologia de Tomé é um corpo de frase e está toda relacionada; Então óbvio que MÃOS nesta frase primariamente se relaciona com SINAL e secundariamente relaciona o SINAL com os PREGOS.

    “A menos que eu veja nas suas mãos o sinal dos pregos
    (e)ponha o meu dedo no sinal dos pregos,
    e não puser a mão no seu lado, de modo algum acreditarei.

    Então em primeiro lugar, vou demonstrar a impossibilidade destes PREGOS serem pregos também dos PÉS.

    1. Em parte alguma da fraseologia de Tomé consta a menção PÉS, ou seja, não há associação na frase aos Pés.

    2. Tomé nessa fraseologia, exigia apenas a prova mediante dois sinais, ou seja, mediante ver a marca nas MÃOS e a marca do LADO.

    3. Jesus responde às exigência de Tomé e diz: Põe aqui o dedo e vê as minhas MÃOS; chega também a mão e põe-na no meu LADO;

    4. O Pregos nesta frase está associado ao SINAL das MÃOS e não aos PÉS.

    O SINAL SINGULARIZADO
    Agora vamos esclarecer o por que do termo SINAL( marca) está no singular na fraseologia de Tomé
    A singularidade do termo SINAL nas MÃOS, se dá em relação a singularidade do outro SINAL no LADO de Jesus, pois Tomé necessitava Ver e tocar nos DOIS SINAIS, ou seja, no SINAL DAS MÃOS e no SINAL DO LADO.
    Então é óbvio que o SINAL nas MÃOS está no singular em relação ao SINAL no LADO de Jesus; por isso Tomé disse: A menos que eu veja nas suas mãos a marca dos pregos (e)ponha o meu dedo no sinal dos pregos E não puser a mão no seu lado, de modo algum acreditarei.

    E jesus responde: ​E logo disse a Tomé: Põe AQUI o dedo e vê as minhas mãos; chega também a mão e põe-na no meu lado; não sejas incrédulo, mas crente.

    Outra coisa, Tomé ao afirmar: A menos que EU veja nas SUAS mãos A MARCA dos PREGOS e ponha o MEU dedo na MARCA dos PREGOS.
    Note que Tomé queria ver a MARCA nas MÃOS e COLOCAR o DEDO na MARCA das MÃOS; então é óbvio que para TOMÉ bastava COLOCAR o dedo em um FURO de uma das mãos, pois as duas mãos estavam furadas, mas bastava colocar o dedo em um furo qualquer das mãos, por isso, Jesus diz a Tomé, PÕE AQUI O DEDO, ou seja, Tomé queria colocar o dedo em UM dos furos nas mãos de Jesus e Jesus pediu que Tomé o colocasse o dedo em UM FURO, ou seja, COLOQUE AQUI; esse AQUI demonstrativo está indicando singularidade de local

    Outra coisa, o termo SINAL (Furo) nas mãos de Jesus, na fraseologia de Tomé, está no singular também devido os FUROS em si mesmo ser UM, por ser causado por OBJETOS da mesma espécie, ou seja, a expressão a MARCA feita pelos PREGOS não enfatiza necessariamente que os PREGOS foram FINCADOS NO MESMO LOCAL e sim que AQUELE tipo de MARCA foi feita por PREGOS, ou seja, tanto a marca na mão direita ou esquerda se trata de marcas feita por objetos do MESMO TIPO e não pelo mesmo objeto, por isso, não era necessário Tomé frasear: A menos que eu veja nas suas mãos OS SINAIS dos PREGOS.

    Pois quando Tomé emprega na frase a pluralidade de MÃOS por ser duas e da mesma espécie e quando emprega pluralidade de PREGOS por ser possivelmente 2 objetos da mesma espécie, não necessitaria o emprego de SINAIS na fraseologia, pois Tomé precisaria de apenas UMA mão para colocar o dedo no SINAL(marca) causada pelos PREGOS, ou seja, Tomé colocaria seu dedo em apenas UMA mão, por isso Jesus disse COLOCAR AQUI e em seguida disse veja minhas MÃOS, usando o plural de mãos, pois Tomé também exigiu VER as duas MÃOS pois ambas detinham o SINAL dos PREGOS.

    Qual era a MÃO que detinha o SINAL dos PREGOS? Direita ou esquerda?
    Ambas detinha o SINAL, mas ambas não detinha OS SINAIS, isso é o motivo do termo sinal está no singular

    Ou seja, cada MÃO detinha o SINAL causado pelos PREGOS, por isso era possível o emprego do termo SINAL no singular, mas NÃO seria possível o emprego de PREGOS no plural caso fosse UM único PREGO e não seria possível o emprego de MÃOS caso apenas UMA mão estivesse com a MARCA, porém ambas as mãos estavam com o MESMO tipo de MARCA, mas o mesmo tipo de marca, porém feitos pelo mesmo tipo de objeto (PREGOS) e não pelo mesmo objeto(PREGO)

    Curtir

  • companheiro da bíblia  On 31 de dezembro de 2013 at 2:14

    Valdecy,

    Em verdade te digo hoje(já que amanhã não estarei por aqui):

    Tudo o que falou aí acima são apenas seus devaneios. Não que eu tenha algo contra isso mas é que não corresponde e nem se harmonizam com a bíblia em seu contexto. Não há nada na bíblia que diz que Jesus carregou um Patíbulo, é a tradição que saiu com esse argumento.
    Jesus carregou um staurós( staurós não tinha patíbulo) e recebeu uma mãozinha para isso.
    É bem verdade que os romanos usavam pregos em execuções no poste , mas lembre-se que Jesus foi pendurado segundo os judeus e a lei, ele não foi julgado segundo leis Romanas.

    Minha sugestão é que vc procure harmonizar a bíblia ainda que isso seja difícil de aceitar.

    Curtir

  • Valdecy Rodrigues  On 31 de dezembro de 2013 at 12:30

    Você disse:

    Em Deuteronômio 21:22, 23, a palavra hebraica traduzida “madeiro” é ‘ets, significando primariamente uma ÁRVORE ou madeira, especificamente um; poste de madeira. Os hebreus não usavam CRUZES de execução. A palavra aramaica ‘a, correspondente ao termo hebraico ‘ets, aparece em Esdras 6:11, onde se diz, relativo aos violadores do decreto do rei persa: “Se arranque da sua casa um madeiro (estaca, Centro Bíblico Católico) e ele seja pendurado nele.” Obviamente, um único madeiro não teria barra transversal.

    Ao traduzir Deuteronômio 21:22, 23 (“madeiro”) e Esdras 6:11 (“madeiro”) os tradutores da Versão dos Setenta empregaram a palavra grega xy’lon, o mesmo termo empregado por Paulo em Gálatas 3:13. Foi também empregado por Pedro quando disse que Jesus “levou os nossos pecados no seu próprio corpo, no madeiro”. (1 Ped. 2:24) Com efeito, xy’lon é usada várias outras vezes para se referir ao “madeiro” em que Jesus foi pendurado. (Atos 5:30; 10:39; 13:29) Esta palavra grega tem o significado básico de “madeira”. Nada subentende que, no caso do penduramento de Jesus, ela significasse uma estaca com uma barra transversal.

    Amigo você tem razão em afirmar que o MADEIRO em Deuteronômio 21:22 primariamente se tratava de uma ÁRVORE pois este era o sentido raiz do termo ets, empregado para o madeiro em que seria pendurado tal sentenciado a pena de morte.

    Dt 21:22 Se um homem sentenciado à pena de morte, for executado e suspenso a uma árvore,
    Dt 21:23 seu cadáver não poderá permanecer na árvore durante a noite. Você deverá sepultá-lo no mesmo dia, pois quem é suspenso torna-se um maldito de Deus. Desse modo, você não tornará impuro o solo que Jeová seu Deus lhe dará como herança.

    Ou seja, a raiz do termo ets se tratava realmente de ÁRVORE, onde os hebreus penduravam alguns que eram sentenciados de morte

    Agora amigo entenda que o sentenciado era LEVADO até o madeiro(árvore) isso funcionava assim na época de Moisés, ou seja, a antiga árvore que serviria como tronco para colocar o sentenciado era antiga mais era uma árvore ainda enraizada em terra.

    Pois não era COSTUME hebreus o sentenciado LEVAR sobre os ombros a árvore; pois era o costume de levar o sentenciado até a árvore e lá pendurá-lo.

    Mas no novo testamento consta que Jesus LEVOU uma peça sobre os OMBROS.
    Seria isto um costume HEBREUS ou PAGÃO?
    Lembrando que o costume hebreu é que o sentenciado seria levado até o MADEIRO(árvore)

    Mas como então originou a prática do sentenciado LEVAR uma peça até o local em que seria pendurado?

    Entre 400 e 300 anos antes do Cristo, os Persas inventaram uma aterrorizante execução em forma lenta e crudelíssima, pregando os condenados (escravos fujões, inimigos derrotados em guerra, estrangeiros, traidores, revolucionários, e os mais vis dos criminosos), ainda vivos, a peças de madeira de variados formatos. Depois, os Fenícios os imitaram.

    Os ROMANOS, bem antes do nascimento do Cristo, tomaram tal instrumento de execução por tortura e lhe acrescentaram uma viga na horizontal (o patibulum)
    Ou seja, foi ideia dos PAGÃOS romanos penalizar também ao sentenciado com a pena de ter que LEVAR a peça de madeira sombre ombros do local de julgamento ao local em que seria penalizado com morte pendurada.

    Note que era o costume dos ROMANOS a conduta de uma peça de madeira sombre os ombros do réu condenado, ou seja, isso não era o costume dos hebreus e Jesus foi julgado pelos romanos e sentenciado pelos romanos.

    Então em nenhuma parte do antigo testamente consta que era costume dos hebreus, obrigar ao penalizado a condução da peça de madeira e nem poderia ser costume, pois o penalizado era pendurado em árvores; Como poderia carregar uma árvore?

    Então, sob a autoridade romana foi idealizado a penalidade de conduta de uma peça de madeira até o local onde o réu seria pendurado.

    Porém a peça de madeira não poderia ser o XILON, pois o xilon sendo uma árvore não poderia ser conduzida, porém mesmo se o xilon for uma peça trabalha e destinada para aquele fim, não poderia ser a peça que Jesus levou sobre as costas.

    QUAL A PEÇA ENTÃO QUE JESUS LEVOU SOBRE OS OMBROS?
    A peça vertical XILON, STAURUS que primariamente detinha o significado de madeiro, haste, estaca, tronco de árvore, não poderia ser a peça que Jesus levou nos ombros; pelos seguintes motivos tecnicamente chegamos a essa conclusão.

    1. Se a peça(xilon, staurus) em que havia no monte Calvário se tratava de um antigo TRONCO de árvore, já fica descartado a ideia deste tronco ter sido conduzido por Jesus.

    2. Se a peça(xilon, staurus) era uma peça de madeira trabalhada e destinada para servir de peça vertical que seria FINCADA no chão para suportar o peso do que seria pendurado, logo tecnicamente a ponta inferior desta peça era FINCADA(enterrada) cerca de quase 1 metro e as vezes ultrapassava e da peça que estava fora não fincado no chão, era de quase 1 metro e meio da terra ao ponto em que ficava o SUPORTE DOS PÉS do pendurado e estando alguém diante do pendurado, teria que olhar para cima, pois os pés do pendurado estava aproximadamente na altura do peito de quem estava ali assistindo.
    Então somando 1 metro da estaca que estava fincado e mais 1.30 da superfície ao suporte dos pés, já somariam aqui uns 2.30 de cumprimento, agora adicionando a medida do réu de morte, caso aqui (Jesus) que deveria ter aproximadamente 1.80 de altura, somando 2.30 com 1.80 teríamos 4.10 suponhamos que Jesus tenha sido pendurado com os braços para cima, ou seja, a medida dos braços erguidos para cima gira em torno 60 cm que agora somando com 4.10 resultaria em 4.70 e como era posto uma PLACA com informações acerca do réu sobre a cabeça do réu, logo seria preciso uma medida de uns 40 cm das mãos perfuradas ao ponto superior da estaca onde posto a placa e isso somaria a medida de 5.10 para a estaca vertical que dependendo da espessura da madeira, poderia chegar a 250 kg, pois se a madeira não detiver um espessura de 40 cm, o pendurado penderia para os lados e poderia cair facilmente.

    Mensurando a XILON em que Jesus foi crucificado
    https://plus.google.com/u/0/

    Curtir

  • Marcelo  On 31 de dezembro de 2013 at 22:48

    Acho interessante este argumento que eram “buraco de pregos” (teoricamente indicando que eram dois).

    Será que ser pregado com os braços acima da cabeça não poderiam ter sido usados dois pregos?

    Primeiro lugar, as “mãos” poderiam ter sido pregadas na lateral do poste. Como se o sujeito estivesse com as mãos tapando as orelhas, porém mais alto.

    Segundo, poderia ter sido pregadas as mãos cada uma com um prego, mesmo se acima da cabeça, com os braços esticados para cima, semelhante a um nadador dando um “ponto” na piscina.

    Provavelmente existam muitas maneiras de pregar alguém num poste, com 2, 3, 10, 20 pregos. Posso provar para você se você for resistente a dor =P

    Além disto, será que não é MAIS FÁCIL pregar uma mão de cada vez, independente do formato da cruz?

    Ora, um prego que penetre as duas mãos e sustente o corpo precisa ser maior do que um prego que sustenta apenas uma. Além disto, se coloque no lugar de quem vai pregar o sujeito. Não seria mais fácil segurar um braço e pregar, e depois segurar outro braço e pregar? Mesmo que sejam 2 ou mais soldados realizando a pregação, é mais fácil segurar os braços individualmente, do que tentar alinhar dois braços um em cima do outro para economizar um prego.

    As ilustrações que aparecem nas nossas publicações, são apenas ilustrações. Não tem como se concluir do relato bíblico quantos pregos foram usados, apenas fazer especulaçõe, escolher um jeito, e representar com uma gravura.

    Mas concluir que foi uma cruz em T só porque teriam sido mais de um prego é ingenuidade.

    Curtir

  • DREJAH  On 1 de janeiro de 2014 at 15:56

    Depois de analisar o que todos postaram aqui gostaria de chamar a atenção para a figura central envolvida nesta execução que é o próprio Jesus Cristo. Será que ele tem algo a dizer sobre sua execução que possa nos esclarecer ??? Jo 3:14 “E assim como Moisés ergueu a serpente no ermo, assim tem de ser erguido o Filho do Homem”.

    Ora, como Moisés ergueu a serpente ? Nu 21:9 “Moisés fez imediatamente uma serpente de cobre e a colocou numa HASTE de sinal…”. Será que conseguimos enxergar Moisés erguendo a serpente numa cruz ?

    Qual o significado da palavra HASTE ? Se fizerem uma pesquisa em qualquer dicionário encontrarão uma definição simples : “pau ou mastro onde é hasteada uma bandeira” Wikipédia. Não vi nenhuma definição desta palavra associada com a palavra cruz. Sendo assim creio que o Senhor Jesus Cristo nos esclarece esta questão.

    Será que iremos conseguir nos despir de ideias pré concebidas do paganismo e aceitarmos o testemunho verdadeiro de Jesus ???

    Curtir

  • Queruvim  On 2 de janeiro de 2014 at 17:13

    A palavra aramaica ‘ correspondente ao termo hebraico ‘ets, aparece em Esdras 6:11, onde se diz, relativo aos violadores do decreto do rei persa:

    “Se arranque da sua casa um madeiro (estaca, Centro Bíblico Católico) e ele seja pendurado nele.”

    Observou o costume judaico? Pendurar NELE, ou seja no poste. Obviamente, um único madeiro não teria barra transversal.

    E nem era uma “arvore” neste caso.Sua insistência em dizer que era uma “árvore fincada no chão” não se aplica a diversos casos, inclusive este de Esdras. É obvio que o madeiro seria levado para um lugar longe da residência, onde então seria pendurado o violador do decreto. Contudo ninguém era Romano, ou era? Essa regra ilusória de “levar” (romano) e “não levar” (Judeu) não é comentado uma vez sequer nos estudos do Gunnar Sammuelsson. Em Jos 10:26 fala de Josué ter pendurado inimigos da adoração de Jeová em 5 madeiros ou como diz o texto em latim “postes” E a serpente de cobre pendurada por Moisés obviamente não era uma “arvore”. Suas afirmações 1 e 2 são conjecturas sem nenhum respaldo bíblico. Até porque em Ester 7:10 fala de “preparar” um madeiro. O que envolve cortar este de uma arvore.

    Sua afirmação número 1 é baseada num afunilamento da definição de ETS como tendo que ser apenas um tronco de arvore. A gama de significado da palavra é mais ampla.A Greek-English Lexicon, de Liddell e Scott, define XYLON (que é o equivaletne de ETS) como significando:

    “Madeira cortada e pronta para uso, lenha, madeiro, etc. . . . pedaço de pau, tora, viga, poste . . . porrete, cacete . . . estaca em que os criminosos eram pregados . . . de madeira verde, árvore.”

    Sendo o Sr Joe Zias uma das maiores autoridades no assunto. Ele não chega a mesma conclusão que tu chegas.

    “As fontes literárias do período Romano contém numerosas descrições de crucificação, mas poucos detalhes exatos de como os condenados eram afixados”. Diz Joe Zias.

    A The International Standard Bible Encyclopedia (1979) diz sob o tópico “Cruz”:

    “Originalmente o gr[ego] staurós significava uma estaca de madeira pontuda, vertical, firmemente
    fixa no chão. . . . Elas eram colocadas lado a lado em fileiras para formar cercas ou paliçadas em volta de povoados, ou, avulsas, eram usadas como instrumentos de tortura nos quais transgressores sérios da lei eram publicamente suspensos para morrer (ou, se já mortos, terem seus cadáveres plenamente desonrados).”

    Curtir

  • Marcelo  On 2 de janeiro de 2014 at 17:47

    Será que os israelitas executavam criminosos por pendurá-los em estacas? Veja este artigo.

    Curtir

  • Queruvim  On 2 de janeiro de 2014 at 17:58

    Será que alguém já ouviu falar disso em cultos “evangélicos” ?

    Curtir

  • Queruvim  On 3 de janeiro de 2014 at 14:28

    Procurem dar uma olhada neste artigo interessante sobre a trindade:

    DOUTRINA DA TRINDADE ANTES DE NICÉIA?

    Curtir

  • Jeosadá  On 4 de janeiro de 2014 at 1:23

    Vamos lá.

    Será que João 20:25 prova que o instrumento utilizado para matar Jesus foi uma Cruz?

    Vejamos o que diz o texto na TNM:

    “A menos que eu veja nas suas MÃOS O SINAL DOS PREGOS
    e ponha o meu dedo NO SINAL DOS PREGOS,
    e ponha a minha mão NO SEU LADO,
    certamente não acreditarei.” – João 20:25

    Analise a possibilidade de que Jesus tivesse sido pregado com dois pregos sobre as mãos sobrepostas.

    Há!, mas talvez você argumente: “O texto diz que foi UM SINAL. Tá no singular. Então usou um prego por mão, senão ele (Tomé) diria que queria ver ‘OS SINAIS’, no plural”.

    Tudo bem!

    Mas analise comigo Mateus 24:3:

    “Enquanto estava sentado no Monte das Oliveiras, aproximaram-se dele os discípulos, em particular, dizendo: “Dize-nos: Quando sucederão estas coisas e qual será O SINAL da tua presença e da terminação do sistema de coisas?”

    Será que Jesus deu um sinal?

    Não, ele citou cerca de de DEZ SINAIS.

    Podemos citá-los:

    “Desencaminharão a muitos, escassez de víveres, terremotos, entregarão a tribulação e vos matarão, sereis pessoas odiadas por todas as nações, por causa do meu nome, muitos tropeçarão e trairão uns aos outros, odiarão uns aos outros, falsos profetas, o amor da maioria se esfriará, boas novas pregadas em toda a terra.”

    Mas esses sinais conjuntos formão um sinal só. O sinal da terminação do sistema de coisas.

    Assim também, no caso de Jesus, dois furos (ou SINAIS DE PREGOS) em UMA DAS MÃOS de Jesus, juntos poderiam ser muito bem descritos como O SINAL. É o caso de UM SINAL COMPOSTO, como no caso do SINAL da terminação do sistema de coisas.

    Em síntese, esse texto se harmoniza com o caso de dois furos feitos com dois pregos nas mãos sobrepostas de Jesus.

    Mas há ainda outra possibilidade:
    A de Jesus ser pregado com um prego em cada mão, porém com as duas mãos uma ao lado da outra, com os braços levantados pra cima. Essa possibilidade também se harmoniza com João 20:25.

    (continua…)

    Curtir

  • Jeosadá  On 4 de janeiro de 2014 at 1:25

    (continuação…)

    Analise também o relato paralelo feito por Lucas, que complementa o entendimento de João 20:25:

    Lucas 24:39:
    “Vede minhas mãos e MEUS PÉS, que sou eu mesmo; apalpai-me…”

    Visto que Tomé (em João 20:25) não fez menção de “sinal de prego nos pés de Jesus” (apesar de Lucas 24:39 confirmar isso, a saber, prego(s) no pés de Jesus), usar ele o plural “pregos” pode ter sido uma referência geral a vários pregos usados para pregar Jesus.

    Visto que foram usados pregos nas mãos e nos pés, o termo “PREGOS” não pode se restringir só a mão. Pode ser um termo mais generalizado. É uma descrição dum fato com o todo (isto é, quando se leva em consideração João 20:25 e Lucas 24:39).

    Exemplo:
    Num bairro do Rio de Janeiro houve uma troca de tiros entre bandidos e a PM e balas perdidas atingiram um edifício. UM TIRO acertou o apartamento 301 do terceiro andar e UM TIRO atingiu um apartamento do quarto andar. O morador do apartamento 301, após ser avisado do tiroteio, por telefone, no trabalho, diz incrédulo: “Só acredito se eu, no meu apartamento, colocar a minha mão no SINAL dos TIROS.”

    SERÁ QUE A PAREDE DO APARTAMENTO 301 FOI ATINGIDA POR MAIS DE UM TIRO?

    Bem, conforme explicitado acima, não.

    Mas neste exemplo, o cenário foi detalhado de tal maneira que não resta sombra de duvidas.

    Mas este é o caso da morte de Jesus?

    Se voltarmos ao exemplo acima, será que se eu citasse apenas a frase: “Num bairro do Rio de Janeiro houve uma troca de tiros entre bandidos e a PM e tiros atingiram um edifício.” e “Um morador de um apartamento do edifício atingido, após ser avisado do tiroteio, por telefone, no trabalho, diz incrédulo: “Só acredito se eu, no meu apartamento, colocar a minha mão no SINAL dos TIROS.”

    Será que, apenas com estas duas frases, um investigador imparcial poderia afirmar com absoluta certeza quantos exatos tiros atingiram o apartamento 301?

    Certamente que não!

    Assim também, apenas com quatro frases:

    “e ali o pregaram numa estaca…” – (João 19:18)

    “No entanto, um dos soldados furou-lhe o lado com uma lança…” – (João 19:34)

    “A menos que eu veja nas suas mãos o sinal dos pregos e ponha o meu dedo no sinal dos pregos…” – (João 20:25)

    “Vede minhas mãos e meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me…” – (Lucas 24:39)

    Não podemos chegar a uma conclusão indubitável.
    O que podemos fazer é apenas especular.

    ——————————————————————————————————————-
    E o fato de Tomé dizer: “e ponha a minha mão NO SEU LADO”, não significa que ele iria por a mão no lado do sinal da mão de Jesus, e sim no sinal feito por uma lança que furou o tronco de Jesus, de lado.

    Compare:

    João 20:27:
    “A seguir, disse a Tomé: “Põe o teu dedo aqui, e vê as minhas mãos, e toma a tua mão e põe-na NO MEU LADO, e pára de ser incrédulo, mas torna-te crente.”

    com:

    João 19:34:
    “No entanto, um dos soldados furou-lhe O LADO com uma lança…”

    ———————————————————————————————————————
    Enfim, não da pra dizer a forma EXATA de como ele foi pregado.

    Os evangelistas dão enfase ao prego porque as vezes o criminoso era apenas amarrado na estaca.

    Podemos ser mais precisos com relação ao instrumento em si do qual Jesus foi executado.

    Neste caso, uma Staurós. Ou em português, uma ESTACA reta, sem vigas horizontais.
    (VEJA -> http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/2011170; http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1200004456)

    (continua…)

    Curtir

  • Jeosadá  On 4 de janeiro de 2014 at 1:26

    (continuação…)

    Veja o que dizem certas publicações das Testemunhas de Jeová a respeito deste assunto, a saber: SINAL, PREGOS e MÃO DE JESUS:

    A Sentinela 15/8 pág. 29

    “Jesus mui provavelmente foi executado numa estaca ereta, sem nenhuma viga transversal. Pessoa alguma hoje pode saber com certeza nem mesmo quantos pregos foram usados no caso de Jesus. The International Standard Bible Encyclopedia (1979, Volume 1, página 826) comenta: “O exato número de pregos usados. . . tem sido assunto de considerável especulação. Nas mais antigas representações da crucificação, os pés de Jesus aparecem pregados separadamente, mas nas posteriores eles estão cruzados e afixados no madeiro com um só prego.”

    Sabemos com certeza que as suas mãos ou seus braços não foram simplesmente amarrados, pois Tomé disse mais tarde: “A menos que eu veja nas suas mãos o sinal dos pregos.” (João 20:25) Isto pode ter significado um prego em cada mão, ou o plural “pregos” pode referir-se a marcas de pregos nas ‘suas mãos e nos seus pés’. (Veja Lucas 24:39.) Não temos condições de saber onde precisamente os pregos o perfuraram, embora obviamente tenha sido na área de suas mãos. O relato bíblico simplesmente não provê detalhes exatos, nem há necessidade disso. E, se os eruditos que examinaram diretamente os ossos encontrados perto de Jerusalém, em 1968, nem podem ter certeza como aquele corpo foi posicionado, isto certamente não prova como Jesus foi posicionado”.

    ___________________________________________________________________________
    A Sentinela de 1970, pág. 255:

    ? Em vista da declaração de Tomé, em João 20:25, foi Jesus pregado na estaca com um prego separado atravessando-lhe cada mão? — J. B., Formosa (República da China).

    Depois de Sua ressurreição, Jesus apareceu a alguns dos discípulos, mas o apóstolo Tomé não estava presente. Informado do ocorrido, Tomé respondeu: “A menos que eu veja nas suas mãos o sinal dos pregos e ponha o meu dedo no sinal dos pregos, e ponha a minha mão no seu lado, certamente não acreditarei.” (João 20:25) Visto que Tomé mencionou pregos (plural), alguns se perguntaram se se pregou um prego em cada uma das mãos de Cristo.

    Se lêssemos apenas a narrativa bíblica a respeito de como Jesus foi pendurado na estaca, saberíamos muito pouco sobre como ele foi pregado na estaca. Os escritores dos Evangelhos dizem muito pouco sobre como ele foi pendurado ou pregado na estaca. Não dizem nas suas narrativas como se fez este pendurar na estaca, se Cristo foi empalado, com a estaca atravessando parte do seu corpo, se foi amarrado ao poste ou foi pregado a ele. — Mat. 27:35; Mar. 15:25; Luc. 23:33; João 19:18.

    No entanto, depois da ressurreição de Jesus, o comentário de Tomé em João 20:25 indica claramente que as mãos de Jesus foram pregadas na estaca. Mas de que modo? Não o sabemos. A Bíblia não diz se lhe pregaram as mãos uma por cima da outra com um único prego atravessando a ambas ou se foi lado a lado, com um prego separado furando cada uma delas. Neste último caso, a observação de Tomé pode ser entendida como se aplicando apenas às mãos de Jesus.

    Há, porém, outra possibilidade que não se pode excluir. Muitos eruditos acreditam que um ou dois pregos traspassaram os pés de Jesus, pregando-os diretamente no poste ou numa pequena plataforma presa à estaca. É possível que o próprio Jesus se tenha referido a feridas nas suas mãos e nos seus pés, em outra ocasião em que apareceu aos discípulos. Portanto, para convencê-los de que era realmente o ressuscitado Jesus, ele disse: “Vede minhas mãos e meus pés, que sou eu mesmo.” (Luc. 24:39) Tomé não mencionou especificamente os pés de Jesus. Mas o seu comentário sobre o “sinal dos pregos” pode ter incluído tanto as mãos como os pés de Cristo, embora se mencionassem apenas as mãos.

    Nas publicações da Sociedade Torre de Vigia, Jesus é amiúde retratado como pregado na estaca com um único prego atravessando ambas as mãos e outro prego traspassando-lhe os dois pés. Isto é apenas a concepção do artista, mas é bem possível que esta tenha sido a maneira em que Jesus foi pendurado na estaca.

    Att.: Jeosadá

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de agosto de 2014 at 0:16

    COMENTÁRIO DE LUIS CARLOS, redirecionado para esta página. Ele disse o seguinte:

    “Olá!

    Recentemente eu acessei a seguinte página: (A opção de ‘comentários’ está bloqueada naquela página. Por isso me vi obrigado a comentar nesta.)

    https://traducaodonovomundodefendida.wordpress.com/2010/09/01/cruz-ou-estaca/

    Achei muito interessante o link e me deparei com interessantíssimas informações a respeito da palavra grega staurós. Ainda bem que podemos analisar fontes seculares que mencionam tal instrumento.

    Mas minha duvida se foca numa outra palavra: PATIBULUM

    Veja que a cristandade faz menções disso como sendo uma parte anexa da cruz.

    Ora, de onde surgiu tal palavra?

    Decidi investigar e descobri que ela remete a escritos de um chamado ‘pai da igreja’: Justino, o Mártir.

    A Despertai de 22 de Maio de 1977 descreve o seguinte:

    “Mas, não afirmam os escritores do início da Era Comum que Jesus morreu numa cruz?

    Por exemplo, Justino, o Mártir (114-167 E. C.) descreveu do seguinte modo o que ele cria ser o tipo de estaca em que Jesus morrera: “Pois uma barra é colocada ereta, da qual a ponta mais alta é erguida num chifre, quando a outra barra é ajustada nela, e as pontas parecem de ambos os lados como chifres conectados ao chifre único.” Isto indica que o próprio Justino cria que Jesus morrera numa cruz.

    No entanto, Justino não foi inspirado por Deus, como o foram os escritores da Bíblia. Nasceu mais de oitenta anos depois da morte de Jesus, e não foi testemunha ocular daquele evento. Crê-se que, ao descrever a “cruz”, Justino seguia um escrito anterior conhecido como a “Carta de Barnabé”.

    Esta carta não bíblica afirma que a Bíblia descreve Abraão como tendo circuncidado trezentos e dezoito homens de sua casa. Daí, atribui significado especial à cifra em letras gregas para 318, a saber, IHT. O escritor desta obra apócrifa afirma que IH representa as primeiras duas letras de “Jesus” em grego. O T é visto como o formato da estaca de morte de Jesus.

    A respeito deste trecho, a Cyclopœdia de M’Clintock e Strong declara: “O escritor evidentemente não estava a par das Escrituras Hebraicas, e [também] cometeu o erro crasso de supor que Abraão estava familiarizado com o alfabeto grego alguns séculos antes de este existir.”

    Um tradutor para o inglês desta “Carta de Barnabé” indica que contém “numerosas inexatidões”, “interpretações absurdas e frívolas da Escritura”, e “muitas basófias tolas de conhecimento superior em que incorre seu escritor”.

    Dependeria de tal escritor, ou de pessoas que o seguissem, para lhe fornecer informações exatas sobre a estaca em que Jesus morreu?”

    OK! Coerente explanação!

    Mas dai eu me deparei com o seguinte:

    ORIGEM DA E EPÍSTOLA DE BARNABÉ (WIKIPÉDIA):

    O primeiro editor da epístola, Hugo Menardus (1645), advogava a autenticidade da atribuição da autoria à Barnabé, mas a opinião hoje em dia é que ele não foi o autor. Muitos estudiosos acreditam que ela foi escrita entre os anos 70 – 131 d.C. e era endereçada aos gentios. Em 16:3-4, lê-se:

    “Além disso, ele falou novamente, ‘Observa, os que derrubaram este templo irão, eles mesmos, construí-lo.’ Está acontecendo. Pois por causa de suas guerras, ele foi derrubado pelos inimigos. E agora, os servos deste mesmo inimigo irão, eles, reconstruí-lo.” ”
    — Epístola de Barnabé 16:3-4,

    Esta passagem claramente coloca Barnabé após a destruição do Segundo Templo em 70 d.C.. Mas ela também coloca Barnabé antes da Revolta de Bar Kokhba de 132 d.C., depois da qual não poderia haver esperança alguma de que os romanos iriam ajudar a reconstruir o templo. Por isso, ela deve ter sido escrita entre as duas revoltas. O local permanece aberto às discussões, embora a região oriental do Mediterrâneo, de língua grega, seja o mais provável.

    Veja bem, esse tal Barnabé pode ter chegado a falsas conclusões, mas isso não significa necessariamente que o as PREMISSAS sejam falsas.

    Analise o Capitulo 9 da tal Epístola:
    http://www.e-cristianismo.com.br/apostolicos/64-epistola-de-barnabe

    Veja que alguns argumentos são verdadeiros, como o fato de “Todos os sírios, os árabes e todos os sacerdotes dos ídolos também têm a circuncisão” e até pode ser verdade o real numero de circuncidados por Abraão serem “318” (O autor pode ter consultado fontes Judaicas da Época).

    Mas o ponto chave, que me martela a mente até agora, é a menção do instrumento de execução como ‘T’.

    Veja bem, ele viveu entre 70-131 EC.
    Não é um escritor tardio.

    Pra ser franco, eu me lembro de que um tempo atrás eu acessei um fórum em Inglês de pessoas que se DIZIAM Testemunhas de Jeová. Porém, eu me lembro de uma menção ao fato de que se você for analisar no grego, o ‘Patibulum’ não era uma parte do instrumento, e sim O INSTRUMENTO.

    Não me lembro das fontes que foram usadas… Pra falar a verdade não consigo nem localizar mais o site (e nem quero… tinha uma cara de site apostata que defendia a estaca).

    ENTÃO EIS A QUESTÃO FINAL:

    1° – COMO JUSTIFICAR A MENÇÃO DA EPÍSTOLA DE BARNABÉ (VISTO SER UMA EPÍSTOLA MUITO PRÓXIMA AO 1° SÉCULO) A UMA ‘STAURÓS’ EM FORMATO DE ‘T’?

    2° – EXISTE BASE PRA SE CRER QUE O ‘PATIBULUM’ ERA UM INSTRUMENTO SEMELHANTE A ‘XILÓM’ E ‘STAURÓS’?
    EXISTE FONTES SECULARES (GREGAS OU LATINAS) QUE CONFIRMEM ISSO?

    Queruvim, sei que você pode me ajudar com esta duvida.

    A explanação destas duas perguntas pode esclarecer de uma vez por todas um assunto muito distorcido pela cristandade, que idolatra a arma de assassinato do amado filho de Jeová.

    Desde já, agradeço sua atenção e cordialidade.

    (P.S: Sou Testemunha de Jeová)”

    Curtir

  • Rui Rodrigues  On 6 de maio de 2016 at 22:30

    li os comentarios acima e notei que os senhores querem porque querem e acham que estão plenamente corretos em afirmar que cruz na bíblia (stauros) é um poste sem trave etc. Pesquisem e acharão que os romanos usavam vários tipos de staurós (em forma de T, em forma de X, em forma da cruz tradicional). Os romanos eram tão cruéis que crucificavam até animais como cavalos, cachorros, etc. Portanto, conjecturas usando argumentos da propria igreja (TJ)ou ainda autores desconhecidos no meio acadêmico mundial é muito suspeito para se validar um ponto de vista.

    Curtir

  • Queruvim  On 8 de maio de 2016 at 14:49

    As duas palavras gregas empregadas pelos escritores inspirados do chamado Novo testamento, significam exatamente o que as TJ pregam. Cabe ao senhor provar que não é assim. Será que as fontes citadas pelas Testemunhas de Jeová são as de “autores desconhecidos”? De forma alguma! Sua afirmação é enganosa. De acordo com o amplamente conhecido Dicionário Vine — O Significado Exegético e Expositivo das Palavras do Antigo e do Novo Testamento, stau·rós

    “denota, primariamente, poste ou estaca vertical. Em tais peças os malfeitores eram pregados para execução. O substantivo stau·rós e o verbo stauroō, amarrar a uma estaca ou poste, devem ser originalmente distinguidos da forma eclesiástica da cruz de duas vigas”.

    Além disso, a Bíblia usa a palavra grega xý·lon como sinônimo de stau·rós. (Atos 5:30; 1 Pedro 2:24) Essa palavra significa “madeira”, “viga”, “estaca” ou “árvore”. * Desse modo, a The Companion Bible (Bíblia Companheira) conclui:

    “Não há nada no grego do [Novo Testamento] que sequer sugira duas peças de madeira.”

    Deus não aceita o uso de imagens ou símbolos em sua adoração, e isso inclui a cruz. Deus proibiu os israelitas de usar “a figura de qualquer símbolo” em sua adoração. (Deuteronômio 4:15-19) Do mesmo modo, os cristãos são aconselhados a ‘fugir da idolatria’. — 1 Coríntios 10:14.
    Os cristãos do primeiro século não usavam a cruz na adoração. *(Veja a nota)

    Todos os cristãos devem seguir o exemplo e os ensinamentos deixados pelos apóstolos. — 2 Tessalonicenses 2:15.
    O uso da cruz na adoração tem origem pagã. # (Veja a nota)

    Alguns séculos após a morte de Jesus, as igrejas haviam se desviado dos ensinamentos dele e permitiam que os novos membros retivessem, “em grande parte, os sinais e símbolos pagãos”, incluindo a cruz. (Dicionário Vine — O Significado Exegético e Expositivo das Palavras do Antigo e do Novo Testamento) No entanto, a Bíblia não aprova que símbolos pagãos sejam adotados com o objetivo de se conseguir mais adeptos. — 2 Coríntios 6:17.

    • NOTA * Encyclopædia Britannica, 2003, verbete “Cross”; The Cross—Its History and Symbolism (A Cruz — Sua História e Simbolismo), página 40; e The Companion Bible, Oxford University Press, apêndice 162, página 186.

    nota # The Encyclopedia of Religion (Enciclopédia da Religião), Volume 4, página 165; The Encyclopedia Americana, Volume 8, página 246; e Symbols Around Us (Símbolos Que nos Cercam), páginas 205-207.

    Curtir

  • Queruvim  On 8 de maio de 2016 at 14:59

    Então as duas obras citadas abaixo são “desconhecidas”?

    A Cyclopœdia of Biblical, Theological, and Ecclesiastical Literature afirma que a crux simplex era “simples estaca ‘de uma única peça, sem a travessa horizontal [barra transversal]’”. Em confirmação disto, o apêndice N.° 162 de The Companion Bible (A Bíblia Companheira) declara a respeito de staurós que “indica um poste ereto ou estaca, em que se pregavam criminosos para serem executados. . . . Nunca significa dois pedaços de pau cruzados em qualquer ângulo, mas sempre apenas um pau.”
    Pelo jeito o Sr, Rui rodrigues, desconhece bem conhecidas obras acadêmicas no mundo da teologia.

    SUGESTÃO DE LEITURA>>
    Carregou Jesus um “patibulum” ou uma “estaca” sob a qual foi suspenso? PARTE I

    STAURÓS e explicações DEFINIÇÃO

    Pregar em Estaca

    Curtir

  • Luiz  On 4 de junho de 2016 at 18:33

    Olá Queruvim

    Boa noite

    Como refutar a questão do Grafite de Alexameno ? A figura na referida gravura não está com os braços abertos como um cruz de duas traves?

    Um abraço

    Luiz

    Curtir

  • Queruvim  On 20 de junho de 2016 at 1:58

    Acho que já escrevi algo a respeito. Deve estar em algum dos artigos.

    Curtir

  • Denis  On 18 de outubro de 2016 at 11:45

    Olá,

    O peixe era usado como sinal de comunicação entre os primeiros cristãos?

    Abç

    Denis

    Curtir

Comments in english allowed! Não serão permitidos comentários de opositores ou pessoas que querem debates sem fim. EVITE FUGIR DO TEMA DA PÁGINA OU FAZER flooding de informações. Isso é coisa de gente desonesta e que quer confundir. Discordar não é problema, mas fazer oposição com zombaria desrespeito e trollagem não são aceitos nesta página. Ao postar nesta página você estará concordando com isso! Não é permitido a participação de APÓSTATAS nos comentários desta página. Em outras palavras, críticas e discordâncias são aceitas e até mesmo postadas, mas não “espírito de oposição”. Isto se dá em vista do claro mandamento bíblico para que “os eviteis” Romanos 16:17.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s