João 1:18 – Qual versão das Escrituras foi fiel ao original?


Coincidentemente a mais antiga leitura deste texto é justamente a que se harmoniza com a interpretação global das Escrituras. Convido a todos que mergulham no campo da crítica textual que avaliem com atenção o equívoco da parte de muitos eruditos devido a influência de pensamento ortodoxo. Muitos encaram a leitura de textos  alexandrinos relacionados com João 1:18 como sendo desaconselhável ou até mesmo “heresia”. Ocorre que a frase “deus unigênito” não deve ser considerada uma peça fora deste “quebra cabeça” e excluída de uma investigação realmente acadêmica.

Até porque a crença judaica em outros deuses legítimos que não rivalizam com Jeová (IHVH),   não era o mesmo que politeísmo. Os judeus consideravam os anjos poderosos como sendo “deuses” legítimos, contudo, não adoravam a tais. Politeísmo é crer e também adorar multiplos deuses. (Leia os links propostos antes de continuar este estudo)  Portanto, a frase “deus unigênito” precisa ser reavaliada neste contexto, ignorado por eruditos como por exemplo, Bart D. Ehrman.  Ele considerava dois substantivos em aposição, como proposto pela leitura monogenés theos e significando “deus unigênito”, como sendo uma sintaxe virtualmente “impossível”. Sendo assim, ele preferiu a leitura “monogenés huios“. Muitos outros eruditos caem no mesmo erro. Deixam que sua teologia influencie o entendimento e o aprofundamento de assuntos que envolvem até mesmo a crítica textual. Como é o caso de Wilburn PickeringBart D. Ehrman, que  chega a dizer:

“O problema mais comum para aqueles que optam por [oJμονογενής θεός, mas que reconhecem que isso deve ser traduzido como ‘o único Deus’, é que isso é virtualmente impossível no contexto joanino…” EHRMAN, Bart, Orthodox Corruption of the Scripture. pp.78

O Novo Testamento Grego de WestCott e Hort optou  pela seguinte leitura:

monogenés

 

O texto obsoleto da King James Version  ( Versão Rei Jaime) reza:  “”O Filho [ huiósunigênito  , que está no seio do Pai ….  ”

Por que consideramos “obsoleta” esta leitura?

É lamentável que a Versão Rei Jaime usada em predileção por muitos durante muito tempo em países de língua inglesa,  tenha sido uma versão que abandonou várias edições do texto grego a favor de uma tradução harmonizada com a Vulgata. Observe o que disseram os eruditos que produziram a RSV: 

“A Versão Rei Jaime do Novo Testamento foi baseada em um texto grego  marcado por erros, contendo  erros acumulados de catorze séculos de cópias do manuscrito.” Do prefácio da Revised Standard Version .

Como sabemos o tempo em que a Vulgata foi produzida deixava muito a desejar na pesquisa textual e sem falar na quantidade de pessoas que produziram textos gregos do Novo Testamento na era pós reforma ( Ano 1517 em diante) em comparação com a Vulgata ( Escrita no 4º século) .

Jerome

Imagem de Jerônimo produzida por Domenico Ghirlandaio

Foi no Concílio de Trento, em 1546, que pela primeira vez a Igreja Católica chamou a versão de Jerônimo de Vulgata. O concílio declarou essa Bíblia “autêntica”, fazendo dela uma obra de referência para o catolicismo. Quando a impressão tipográfica foi inventada, a versão de Jerônimo foi a primeira Bíblia a ser impressa. Isto contribuiu para aumentar um pouco da “confiabilidade” demasiada por um texto que tinha muito que ser aprimorado.

Os textos bizantinos ou Siríacos também chamados Receptus por alguns, em uma análise mais detalhada demonstram que diferem em quase 1838 passagens! Sendo que o texto de Westcott e Hort concorda de perto com a totalidade  do Texto Majoritário/Receptus. Vários especialistas abandonaram o Texto Receptus como sendo seu texto padrão. Um dos eruditos textuais que tomou esta decisão foi J. W. Burgon, formado na Faculdade de Worcester, Oxford em 1845 e famoso pela erudição e poesias.

Bruce Metzger comentando a respeito do Textus Receptus que em grande parte favorece a leitura “monogenés huios” escreveu:

 “Tão supersticiosa tem sido a reverência concedida ao  Textus Receptus que em alguns casos, tentativas de criticá-lo ou emendá-lo tem sido consideradas como o mesmo que sacrilégio. Contudo, sua base textual é essencialmente uma porção de manuscritos posteriores de letras minúsculas colecionados casualmente , em dezenas de passagens. Sua leitura não é apoiada por nenhuma testemunha grega conhecida”. (The Text of the New Testament, p. 106)metzger

A Consideração das bases textuais nesta discussão revela então uma unamidade favorecendo os textos padrões usados pela Comissão de Tradução da Tradução do Novo Mundo. Longe de ser o que comentou a página Veritatis, que afirmou que ” Segundo a ampla maioria dos estudiosos (p.ex.: Altaner e Stuiber), “as traduções [da Vulgata] são fiéis e apuradas…” o que vemos é o oposto disso. Como sempre, alguns procuram apoiar suas igrejas por fazerem citações seletivas que apoiem as doutrinas de suas igrejas. Temos que pesquisar a fim de ver o que é certo, doe a quem doer, até mesmo nós mesmos. Disposição de mudar conceitos errôneos requer humildade. Analisemos agora que leitura promove os melhores, mais antigos e confiáveis textos e que está em harmonia com a Bíblia.

João 1:18 em Versões de lingua Portuguesa

Ninguém jamais viu a Deus; o Deus unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou“. (ARA )

 “Ninguém jamais viu Deus. O Filho único, que está no seio do Pai, foi quem o revelou”.Versão Católica on line

“Ninguém jamais viu a Deus, mas o Deus Unigênito, que está junto do Pai, o tornou conhecido
Nova Versão Internacional

Deus nunca foi visto por alguémO Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou” (ACF)

Nenhum homem jamais viu a Deuso deus unigênito, que está [na posição] junto ao seio do Pai, é quem o tem explicado” (TNM)

Ninguém jamais viu a DeusO Filho ùnico, que está voltado para o seio do Pai, este o deu a conhecer” (Bíblia de Jerusalém)

Versões inglesas


KJV – “O Filho unigênito  , que está no seio do Pai …. “

MLB – “O Filho unigênito  que permanece ao lado do Pai …. ”

NLV-  “O bem-amado Filho que está ao lado do Pai “.

RSV – “O Filho único  , que está no seio do Pai …. ”

JB – “É o  Filho  único, que está mais próximo ao coração do Pai …. ”

NJB – “É o Filho único  , que está perto do coração do Pai …. ”

LB – “O seu Filho único  tem, pois ele é o companheiro do pai …. ”

NEB – “Mas apenas do Deus Filho , aquele que está mais próximo ao coração do Pai …. ”

AT – “É o divino Filho apenas  , que se apóia no seio do Pai …. ”

Phillips – “o divino e só o Filho , … na  intimidade próxima com o Pai “.

Mo – “O divino , o único Filho , que fica sob o peito do Pai …. ”

GNB – “O único Filho , que é o mesmo Deus e está no seio do Pai …. ”

CBW – “O único filho , Divindade mesmo, que está no peito de seu pai …. ”

Beck (NT) – “O único Filho que é Deus e perto do coração do Pai …. ”

NAB (70) – “É Deus, o Filho único, sempre ao lado do Pai …. ”

NRSV – “É Deus o Único Filho , que é perto do coração do Pai, …. ”

Lattimore – “o único nascido de Deus que está no seio de seu pai … ”

NVI – ” Deus o Único, que está no seio do Pai …. ”

NASB ESV KJ V ISV RSV NWT
o Deus unigênito O Único Deus o filho unigênito o Deus único o único Filho o deus unigênito

É compreensível, portanto, que os tradutores da King James Version de 1611 publicassem sua versão da Bíblia  escolhendo a opção “Filho  unigênito “em João 1:18. Eles não tinham os manuscritos mais antigos  que nós temos hojeAdemais não eram tão precisos em datar  manuscritos disponíveis na época. Foram incapazes de discernir o maior valor de certos  manuscritos sobre os outros. Esta tradição VULGATA/KJV foi acolhida pela maioria das escolas teológicas evangélicas.

Alguns atualmente comentam que há 5 leituras diferentes provenientes dos mss obtidos para comparação textual referente a João 1:18. A questão porém, não é de quantas leituras existem, mas sim, qual é a mais confiável baseada não somente nos mais antigos e melhores mss, como também na mensagem global das Escrituras. Quanto ao N.T, posso dizer que o Texto Receptus produzido na era da reforma e pós reforma ou ainda o texto dos peritos B. F. Westcott e F. J. A. Hort, de 1881, são as duas melhores tentativas de restaurar os autógragos. Contudo, O texto alexandrino, é o texto que mais preservou sua forma original, sendo o mais antigo, deve pesar mais em nossa pesquisa. Não surpreende que houve alguns resultados diferentes nestas “famílias de textos”,  devido as fontes de pesquisa que diferiram, ou seja, diferentes coleções de manuscritos bem como o aproach ou princípios usados, que  também diferiram. Em minha pesquisa pessoal relacionada a estes dois tipos de textos  percebi que alguns se identificam com um texto em preferência a outro em vista da forma em que a obra agregou textos que parecem quer favorecer ou não a doutrinas particulares. Contudo, o que deve ser feito neste caso é uma pesquisa usando-se método acadêmico  favorecendo ao texto grego que corresponde mais de perto ao original do Novo Testamento, independente do que trinitaristas, unicistas ou outros pensem. Esta é a hora de deixar de lado paixões e predileções religiosas a favor do texto mais confiável.

Hoje, no entanto, não dá para entender por que muitas traduções modernas ainda usam “Filho unigênito  “ou seu equivalente em vez da tradução mais precisa “Deus/deus unigênito”. Mesmo a bastante respeitada American Standard Version de 1901 diz em sua nota referente a  João 1:18 :

 ” Muitas autoridades bem antigas “têm theos (“Deus”) em vez de “filho” neste versículo”.

E, como mencionado acima, os melhores  textos do NT grego, de onde a maioria das Bíblias modernas são traduzidas, possuem todos a palavra theós  como sendo o texto original escrito por João. Mas, apesar desse conhecimento muitas traduções  trinitárias modernas ainda usam a palavra  “Filho” neste versículo. Por exemplo, a RSV , edição de 1977  que “em regra” segue o texto Nestle (p. 50, SMV) ainda usa  “Filho”.

Defensores irredutíveis da doutrina trinitária insistem em não aceitar a evidência esmagadora de todos os manuscritos mais antigos (anteriores ao 4 º século DC, pelo menos) onde  João descreveu Jesus como “um Deus (ou deus) unigênito”.  Devemos também atentar ao fato de que os copistas trinitários do 5 º século  (a doutrina da Trindade foi introduzido pela primeira vez na Igreja no 4º século)  mudaram  nas cópias feitas“Deus unigênito”,  para “o Filho unigênito”!

À primeira vista parece que muitos trinitários  preferem a tradução “Deus unigênito “. Mas, como podemos ver acima, muitas das  Bíblias-trinitárias empregam a frase ” Filho” no lugar de “Deus / deus” Por quê? Primeiro, deve ser claramente entendido que todos os mais antigos manuscritos do Novo Testamento disponíveis para nós hoje, que incluem João 1:18 tais como o  p66 ( 2º e 3 º séculos ), p75 ( 3ºséculo ), Aleph ( 4º século ) e B (4º século),  apresentam  monogenes theos ( “Deus unigênito “).

monogenestheos

 monogenestheosA

Observe o manuscrito B conhecido como  MANUSCRITO VATICANO abaixo deste o Manuscrito Álef ou  א,  conhecido como SINAÍTICO. 

O manuscrito mais antigo e que emprega  a frase ” filho unigênito ” é o Manuscrito A (do 5º século )! (C também a partir do século 5º século tem monogenes theos ). Significativamente,o  p66, Aleph, B e C apresentam uma frase anartra (sem o artigo definido) para se ler “monogenes theos” (ou em português “um deus unigênito “).

Leia o artigo : Antigos manuscritos — como são datados?

Certamente não é coincidência que todos os manuscritos antigos do NT de  João 1:18 empregam a frase “deus unigênito “, até o momento em que a Igreja Romana oficialmente proclamou a doutrina da trindade (iniciada em 325 dC, mas não concluída  até 381 dC e não popularmente aceita até Agostinho que a  promoveu por volta do  início do  5º século ). 

Por que copistas trinitários realmente mudaram “Deus unigênito ” “para” filho unigênito “? 

Muitos trinitarios ainda hoje preferem tal  versão, apesar de  provas conclusivas em contrário. Como comentado acima, homens como Agostinho, fortemente influenciados pela filosofia, platonismo e neo-platonismo, promoveram a doutrina da Trindade dentro da Igreja. Não há como negar, este chamado “erudito” católico do 5 º século, era defensor fervoroso de filosofias pagâs e é hoje citado pelos trinitários tanto católicos como evangélicos como tendo sido “cristão”. 

Trinitários como os eruditos Westcott e Hort em 1881 cederam à evidência esmagadora, e em seu famoso texto do Novo Testamento , que é a base para muitas das melhores Bíblias modernas, optaram por verter a passagem como  uma frase anartra, monogenes theos, como sendo o texto original escrito pelo Apóstolo João .

Os trinitários da United Bible Societies também  reconheceram relutantemente  este fato quando prepararam seu altamente respeitado texto do Novo Testamento em sua  3 ª edição. Reconheceram uma frase anartra em monogenes theos . Não gostaram das implicações desta leitura, no entanto, o Professor Allen Wikgren, um membro da comissão do texto da UBS, tentou suprir uma maneira para que os tradutores da Bíblia pudessem “justificar” a tradução “filho unigênito “apesar da aceitação oficial da UBS  da versão “Deus unigênito “.  Ele escreveu: “É duvidoso que o autor [de Jo 1:18] tenha escrito [ monogenes  theos ] que pode ser um erro de transcrição primitiva na tradição alexandrina (YC / ΘC). ” O SUBLINHADO é meu- P. 198, A Textual Commentary sobre o Novo Testamento em grego , Metzger, 1971, United Bible Societies. VEJA comentário de erudito evangélico engasgado com descobertas textuais

O erudito e professor de mss do NT,  Allen Paul Wikgren,  disse que um erro  muito primitivo do copista  referente a João 1:18, pode ter sido o de trocar YC  (Huiós) por  ΘC  (Theós) . Nos manuscritos mais antigos se escrevia “Deus” ou “filho”  geralmente  em forma abreviada ( ΘC ou YC ) (nenhum dos primitivos manuscritos utilizavam letras maiúsculas nas primeiras letras de uma palavra ou pontuação no texto ). A palavra grega para “filho” é “huios” e que teria sido abreviada como YC. Já que ele não quer admitir que João quis dizer  que Jesus era “um deus/Deus unigênito ” , sua conclusão é que algum copista muito cedo acidentalmente escreveu ΘC (” deus “) em vez de YC (” filho “). E estranhamente, todos os manuscritos mais  antigos possuem este mesmo “erro”, ao passo que o uso “adequado” (de acordo com esta conjectura trinitária) de “filho” só aparece em manuscritos posteriores feitos por copistas trinitários!

Se começarmos a  reescrever o texto grego disponível com base em conjecturas e aquilo que queremos dizer, então não temos mais qualquer outro guia que os nossos próprios desejos! Um cristão não deve fazer isso!

Os eruditos mais seculares e não propensos a promoverem doutrinas particulares nem interferência teológica em seus estudos sugerem algo diferente. Acrescente-se a isso o fato de sabermos a respeito das adulterações feitas por trinitários em 1 João 5:7, 1 Tim 3:16 e Rev. 1:11.

O que dizem Eruditos sobre monogenés e o sufixo génos ?

John V. Dahms, Professor Emérito do Novo Testamento no Seminário Teológico Canadense escreveu:

“Examinamos todas as provas que tem chegado ao nosso conhecimento sobre o significado de Monogenes nos escritos joaninos e percebemos que a visão da maioria dos eruditos modernos tem muito pouco apoio ….afinal  “Unigênito” é a tradução mais precisa”. (Dahms, “The Johannine Use of Monogenes Reconsidered,” NTS, 29, p. 231).

Em contextos de filiação onde  se emprega monogenés referente a descendência,  a idéia de geração está sempre presente ou ao menos inferida nas passagens do evangelho.

Devemos, portanto, aceitar o que João escreveu: “o Deus unigênito “até que mss mais antigos possam demonstrar o contrário. Isso tem sido feito por alguns tradutores trinitários da Bíblia. Já no final do século 19, Rotherham, em sua Bíblia enfatizada traduziu João 1:18 como o  “Deus  Unigênito ” A lista no início deste artigo demonstra que muitos tradutores trinitários reconhecem  theos,  ao invés de huiós, em suas traduções deste texto. A construção anartra sugere claramente que a palavra Deus deve ser escrita com letras minúsculas pelo fato de João ter empregado um substantivo anartro. Temos então “o deus unigênito” como a mais exata tradução desta passagem.

As Sociedades Bíblicas Unidas em seus  comentários sobre o uso anartro (sem artigo definido) de theos em Jo 1:18 não apenas reconhece este fato,  como a forma mais antiga encontrada nos manuscritos , mas acrescenta: “Não há nenhuma razão para que o artigo [‘ o ‘] tenha sido excluído. “ – P. 198.

Em outras palavras, se um copista fosse fazer uma mudança, não teria sido para remover o artigo definido, mas sim adicioná-lo! Isto porque João (assim como todos os outros evangelistas) sempre usa uma forma não-preposicional nominativa para theos com um artigo definido ( ho , “o, a”) quando se refere ao Único Deus Verdadeiro (ho theos) !

 Se João  tivesse a intenção de identificar Jesus como o Deus Altíssimo (igualmente Deus com o Pai), ele teria usado o artigo definido com a forma não-preposicional nominativa de theos como ele mesmo faz em qualquer outro lugar quando  fala de Deus!  O distinto  Dr. James Moffatt mostrou esse entendimento quando  traduziu João 1:1 (“E o Verbo [logos] era divino“) e João  1:18 (“o único divino Filho”).  Em qualquer outro lugar nos escritos de João (onde theos tem o artigo ) Moffatt  traduziu devidamente esta forma de theos como “Deus”. É por isso que o uso de theos na forma anartra em João 1:1 e João 1:18 é tão significativa!

Assim, a tradução apropriada de João 1:18 não somente confirma e enfatiza a grande distinção feita por João em João 1:1 c entre um theos anartro, ou  “um deus” e o articular  “Deus”, mas também deixa claro que somente  “Deus” é o Pai  ( João 1:18 compare com João 6:46 – veja também João 17:1, 3).  E o Filho, o Verbo ( ho Logos  ), que é referido como sendo “um deus”, anartro,  é também declarado ser um “uni-gênito “ou” deus-uni-gênito”!  E isso ajuda a confirmar a tradução correta de  João 1:1 c  tão rejeitada por trinitários: “O Verbo [Logos ho] era um deus [theos] “.

Sim, esse é um problema real para os trinitários.  Casos  anartros , não-preposicionais,  nominativos de  theos (como o encontrado em João 1:1 c e João 1:18, etc) nunca são usados para “Deus” (pelo menos como utilizado por João e outros evangelistas) . Significa, literalmente, “um deus”.

Muitos defensores da trindade alegam que a última parte da palavra Monogenes ” unigênito ” não provém de ginomai ( “vir a ser ” [‘ nascido ‘] ), mas de genos ( ” tipo ” ) . Por isso , dizem eles, o termo se refere a ” o único de uma classe ou espécie . ” Assim, algumas traduções trinitárias falam de Jesus como o ” Filho único ” ( veja  acima a Versão Católica,  RSV , NEB , JB , AT  ) em vez de o “Filho unigênito ” de Deus (João 1:14 , 3:16 , 18; 1 João  4:9 ) – KJV , ASV, NASB .

O próprio trinitário WE Vine , em seu altamente respeitado Dicionário Expositivo de Palavras do Novo Testamento , (p. 805) , admite que  genos “(semelhante a ginomai , tornar-se ) , [ e ] denota uma descendência “.

Sim, até mesmo as versões  trinitárias  ALA, RSV e NEB reconheceram o  significado “descendência ” ou “geração” como tradução de  genos em Rev. 22: 16 – “Eu Jesus …. sou a raiz e a geração [ genos ] de Davi”.


Versão: Português: João Ferreira de Almeida Revista e Atualizada

Apocalipse 22:16 Eu, Jesus, enviei o meu anjo para vos testificar estas coisas às igrejas. Eu sou a Raiz e a Geração de Davi, a brilhante Estrela da manhã. 

Compare com Atos 17:28 , 29 – “Porque nós, na verdade somos seus descendentes [ genos ] . Sendo então filhos de Deus [ genos ] , não devemos pensar que a divindade é semelhante ao ouro , prata ou pedra … ” – RSV .

Versão: Português: João Ferreira de Almeida Revista e Atualizada

Atos 17:28 pois nele vivemos, e nos movemos, e existimos, como alguns dos vossos poetas têm dito: Porque dele também somos geração   
Atos 17:29 Sendo, pois, geração de Deus, não devemos pensar que a divindade é semelhante ao ouro, à prata ou à pedra, trabalhados pela arte e imaginação do homem.    

Segundo alguns trinitários , então, as Escrituras acima claramente afirmam que Jesus deve ser um do tipo [ genos ] de Davi [ ou do tipo Davi ] – Rev. 22:16, e os cristãos e os atenienses não-cristãos devem ser do tipo [ genos ] Deus – Atos 17:28 , 29 . Isto é obviamente ridículo e o próprio significado de “gerado ” ou ” feito / produzido ” não pode ser evitado nestes Escrituras . Cristãos (  os homens de Atenas com quem Paulo estava falando ) foram feitos ou criados por Deus e são Seus genos ( ” filhos ” ou ” gerados” ) nesse sentido.

Tudo o que é “gerado ” ou ” nascido ” (ou um “filho “) é algo que ao mesmo tempo não existia e  em seguida, foi trazido à existência . (Por exemplo, Adão , na criação de Deus foi chamado de ” Filho de Deus” – . Lucas 3:38 ) Portanto quando a Bíblia chama Jesus de “filho”, ela não se refere simplesmente a existência terrena de Jesus , mas também a sua existência celestial original como mostrado em 1 João 4:9 que refere-se ao momento em que Jesus estava “no princípio com Deus “, mesmo “antes que o mundo existisse . ” – (João 1:1 , 2; 17:05 , 24) . Naquela época, ele já era “o Filho unigênito [ monogenes ] “. – 1 João 4:9, NASB, ASV, KJV . Mesmo o  estudioso de grego , WE Vine , notório trinitário, em seu Dicionário Expositivo de  Palavras do Novo Testamento , p. 813, admite que Jesus era o ” Filho unigênito ” do Pai , antes de vir ao mundo .

Edward  Robinson no seu léxico A Greek- English Lexicon of the New Testament dá a definição de monogenes como “único nascido , único gerado , ou seja, filho único. ” (O mesmo que “unigênito”) (Veja também o Dicionário do Novo Testamento Grego, de William Carey Taylor, 1978, Ed. JUERP, p. 139.)

WE Vine diz sobre monogenes : “único gerado ([ monos ] e genos ,descendência ) “- p. 811.

WJ Hickie em seu  Léxico Grego-Inglês do Novo Testamento , em Inglês (. ed 1963) também dá a definição de : “único gerado .

O Dicionário Teológico do Novo Testamento,em Inglês editado por G. Kittel (Vol. IV, pp 738-741, 1967 ed.) diz, falando do uso de monogenes no Novo Testamento, “Significa ‘unigênito‘. E declara: “O μονο- [mo·no-] não denota a fonte, mas a natureza da derivação. Portanto, μονογενής [mo·no·ge·nés] significa ‘de descendência única’, i.e., sem irmãos ou irmãs. Isto nos fornece o sentido de unigênito. A ref. é a um filho único dos pais, primariamente em relação com eles. . . . Mas a palavra pode também ser usada de forma mais geral sem ref. à derivação, no sentido de ‘único’, ‘sem paralelo’, ‘incomparável’, embora não se deva confundir as ref. a uma classe ou espécie, ou à maneira…Em … [João] 3:16, 18; 1 Jo 4:9; [e João ] 1:18 . A relação de Jesus não é só comparado ao de um filho único de seu pai mas é a relação do único-procriado  para o Pai …. Em [os escritos de João, monogenes ] denota mais do que a singularidade ou incomparabilidade de Jesus. Em todos estes versos Ele é expressamente chamado o Filho, e Ele é considerado como tal em 1:14 . Em ‘monogenes’ João denota a origem de Jesus. Ele é ‘monogenes’ como o único-gerado . “— Tradutor e editor, G. Bromiley, 1969, Vol. IV, p. 738.

E até mesmo a própria  Concordância Exaustiva de Strong da Bíblia , uma obra trinitária e também a  igualmente trinitária New American Standard Exhaustive Concordance of the Bible ,  nos dizem que monogenes é derivado de monos (“sozinho, único”) e ginomai (” vir a ser “) e significa “único gerado “! – P. 1667, NAS Concordância Exaustiva (cf.Strong # 3439 e # 1096).

Vejamos a definição dada para as palavras “criar” e “gerar” 

Webster’s New Collegiate Dictionary, 1963 ed.:

criar … 1: trazer a existência…3 : causar, fazer” – p. 195. e gerar … gerou … gerado … 1 : procriar  como Pai…causar – p. 77.

Note que “criar” e “gerar” possuem um sentido intercambiável ou idêntico. Portanto, quanto a Bíblia diz que Jesus foi “gerado” isto quer dizer “criado” e não outra coisa. Jamais se usa na Bíblia a palavra “gerar” de outra forma. O Salmo 2:7 é vertido em apoio desta conclusão:

” “Tu és meu filho; Hoje eu me tornei teu pai”. 

Versão:  João Ferreira de Almeida Revista e Atualizada

Salmos 2:7 Proclamarei o decreto do SENHOR: Ele me disse: Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei.
Dicionário Aulette

gerar  (ge.rar) 

v.1. Dar existência a ou nascer; GERMINAR; PROCRIAR 
2. Dar origem a; PRODUZIR
Qualquer coisa que foi “gerada” é algo que em um dado momento do tempo não  existia e que portanto foi trazida a existência.
Portanto, não é de surpreender que o famoso estudioso do  NT (e um trinitário, é claro), o Rev. Alfred Marshall, traduziu  monogenes em sua mais literal, versão  palavra por palavra de João 1:18 como “único gerado, ” ou “unigênito” p . 265, p. 265The Zondervan Parallel New Testament in Greek and English, Zondervan Bible Publishers, 1975. E já que Deus sempre existiu e nunca foi criado ou “gerado”, Jesus deve ser corretamente entendido como “deus unigênito ” ou “unigênito” em João  1:18!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Wilburn Pickering   inadvertidamente, diz que “um deus unigênito’ , como leitura aceitável de João 1:18 “é tão deliciosamente gnóstico” e “uma anomalia séria”, justamente por que entende que monogenés se refere a alguém que foi gerado. Sem perceber, ele refuta o argumento dos teólogos evangélicos que defendem que monogenés é sufixado com a etimologia proveniente de genos e que significa “único” como acepção aceitável. Argumento este usado pela vasta maioria dos seus irmãos trinitários na tentativa de condenarem a Tradução do Novo Mundo em sua escolha de tradução referente a João 1:18! Vale lembrar que génos como veremos abaixo possui origem etimológica que não é informada pelos trinitários!

Notem em suas próprias palavras o que ele escreveu:

“’Um deus unigênito’ é tão deliciosamente gnóstico que a origem egípcia aparente desta leitura a faz duplamente suspeita. Também seria possível traduzir a segunda leitura como “unigênito deus!”, enfatizando a qualidade [de ser Divino], e isto tem atraído muitos que aí vêem uma forte afirmação da divindade de Cristo. No entanto, se Cristo recebeu Sua “Divindade” através do processo de geração, então não pode ser a eternamente preexistente Segunda Pessoa da Trindade. Também “unigênito” não é análogo a “primogênito”, que se refere à prioridade de posição — isto poria o Filho acima do Pai. Não importa como a encaremos, a redação da UBS introduz uma anomalia séria” Wilburn PICKERING , Qual é o texto do Novo Testamento. Pp.209. (O DESTAQUE  em vermelho é meu)

Caso alguém decida por aceitar a afirmação de que genos significa “único” e é a palavra etimológica  correta sufixada em monogenes , contraste com  a alegação de alguns trinitários que genos inclui o significado de ” gerado” ,” unigênito” / “feito “,  um fato apoiado não somente por Pickering.  A palavra grega genos tem ” descendência ” e ” nascimento “, como alguns de seus significados até mesmo nas concordâncias trinitárias do Novo Testamento (Young’s Analytical Concordance of The Bible; Strong’s Exhaustive Concordance of the Bible; and New American Standard Exhaustive Concordance of the Bible, p. 1640).

genos: familia, descendência

Palavra Original: γένος, ους, τό
Part do discurso: Substantivo, Neutro
Transliteração: genos
Soletração fonética: (ghen’-os)
Definição curta: descendência, familia, raça, tipo
Definição: descendência , família, raça , nação, tipo.

Por sua vez genos provém de :

ginomai: vir a ser, acontecer, tornar-se

Palavra original: γίνομαι
Parte do discurso: Verbo
Transliteração: ginomai
Soletração fonética: (ghin’-om-ahee)
Definição curta: Eu venho a ser, sou nascido
Definitição: venho a ser, nasci, tornar-se, vir a acontecer, acontecer.

Alguns argumentam que monogenés não tem sua etimologia proveniente do sufixo gínomai, mas sim de génos. Contudo, Até mesmo léxicos e dicionários trinitários reconhecem “descendência” ou “nascimento” como definição de génos. (Young’s Analytical Concordance of The Bible; Strong’s Exhaustive Concordance of the Bible; and New American Standard Exhaustive Concordance of the Bible, p. 1640)

O que dizem fontes seculares neutras na questão religiosa sobre o significado de génos?  –Webster’s Third New International Dictionary ao traçar a origem ou fonte do prefixo gen este notável dicionário de lingua inglesa nos diz que gen vem de genosproveniente etimologicamente de gignesthai “nascer. Portanto mesmo que alguém afirme que génos significa “único” ou “de tipo único”, jamais se refere a algo ou alguèm que sempre existiu. Portanto, na realidade, o sufixo de monogenes provém de gignesthai ou “nascido” que na forma infinitiva é gignomai “nascer”  NAS Exhaustive Concordance of the Bible página 1640.

Os respeitados eruditos trinitários  Liddell e Scott nos dizem  (debaixo de  “monogenes“) que  monogenes provém de gignomai.. por sua vez (debaixo da definição de  “gignomai“) eles afirmam que  gignomai significa  “vir a ser , Lat. gigni1. de pessoas, nascer .… 2. referente a coisas, ser produzidas” – An Intermediate Greek-English Lexicon, Oxford University Press.

A Obra Estudo Perspicaz das Escrituras, a mais completa enciclopedia bíblica na lingua portuguesa diz:

“A palavra grega mo·no·ge·nés é definida pelos lexicógrafos como “único de sua espécie, ímpar”, ou “o único membro de uma parentela ou espécie”. (GreekEnglish Lexicon of the New Testament [Léxico Grego-Inglês do Novo Testamento], de Thayer, 1889, p. 417; Greek English Lexicon [Léxico Grego-Inglês], de Liddell e Scott, Oxford, 1968, p. 1144) Este termo é usado para descrever a relação tanto de filhos como de filhas com seus pais”. Clique aqui para ver o artigo completo na Obra “Perspicaz”

Observe como a Brochura – Deve-se Crer na Trindade? comentou a respeito de monogenés:

“…Por que usa a Bíblia a mesmíssima palavra grega para “unigênito” (como Vine admite sem explicação alguma) para descrever a relação entre Isaque e Abraão? Hebreus 11:17 fala de Isaque como “unigênito” de Abraão. Não pode haver dúvida de que no caso de Isaque, ele era unigênito no sentido normal, não igual ao seu pai em tempo de existência ou em cargo. A palavra grega básica para “unigênito” usada para Jesus e Isaque é monogenés, de mónos, que significa “único” e gínomai, um radical que significa “gerar”, “tornar-se (vir à existência)”, diz a Exhaustive Concordance (Concordância Exaustiva), de Strong. Assim, monogenés é definido como: “Nascido único, gerado único, i.e., filho único.” — A Greek and English Lexicon of the New Testament (Léxico Grego-Inglês do Novo Testamento), de E. Robinson.

O Theological Dictionary of the New Testament (Dicionário Teológico do Novo Testamento), editado por Gerhard Kittel, diz: “[Monogenés] significa ‘de descendência única’, i.e., sem irmãos ou irmãs.” Este livro diz também que em João 1:18; 3:16, 18 e 1 João 4:9, “a relação de Jesus não é simplesmente comparada com a relação de um filho único com seu pai. É a relação do unigênito com o Pai”.

De modo que a vida de Jesus, o Unigênito, teve um início. E o Deus Todo-poderoso pode corretamente ser chamado de seu Genitor, ou Pai, no mesmo sentido que um pai terrestre, como Abraão, gera um filho. (Hebreus 11:17) Assim, quando a Bíblia fala de Deus como “Pai” de Jesus, significa exatamente o que diz — que são dois personagens distintos. Deus é o superior. Jesus o inferior — em tempo de existência, cargo, poder e conhecimento.

Quando se leva em conta que Jesus não era o único filho espiritual de Deus criado no céu, torna-se evidente por que o termo “unigênito” foi usado no seu caso. Um sem-número de outros seres espirituais criados, anjos, também são chamados de “filhos de Deus”, no mesmo sentido que Adão era, porque a sua força de vida se originou de Jeová Deus, a Fonte, ou Origem, da vida. (Jó 38:7; Salmo 36:9; Lucas 3:38) Mas estes foram todos criados através do “unigênito”, que foi o único gerado diretamente por Deus. — Colossenses 1:15-17.

Uso de monogenés na literatura não bíblica

Podemos encontrar diversas ocorrências da palavra monogenés na literatura extra-bíblica e ter uma visão clara de como era usada no dia a dia,  tanto no grego clássico como no grego coine . Por exemplo nos textos escritos por Heródoto que viveu  mais de 400 anos antes de Cristo, lemos:

“Os egípcios me disseram que Maneros era o filho único de seu primeiro rei, que morreu prematuramente, e este canto fúnebre foi cantada pelos egípcios em sua honra, e isso, segundo eles, era o mais antigo e seu único canto.” (Heródoto Histórias 2:79)

 ἔφασαν δέ μιν Αἰγύπτιοι τοῦ πρώτου βασιλεύσαντος Αἰγύπτου παῖδα μουνογενέα γενέσθαι, ἀποθανόντα δὲ αὐτὸν ἄνωρον θρήνοισι τούτοισι ὑπὸ Αἰγυπτίων τιμηθῆναι, καὶ ἀοιδήν τε ταύτην πρώτην καὶ μούνην σφίσι γενέσθαι. 

Heródoto escreveu também:

“Megistias enviou em segurança seu  filho único, [ greg. monogenés] que também estava com o exèrcito”

Platão (Atenas, 348/347 a.C) em Critias 113d escreveu: “Evenor com sua esposa Leucipe; eles tinham por unigênita uma filha…”

Apolónio de Rodes ((Alexandria, circa. 295 a.C. –  230 a.C.) escreveu em Argonáutica 3:1007:

” E faça uma propiciação com Hecate, a filha unigênita de Perses”

Hesiodo em sua escrita Trabalhos e Dias 375 escreveu: “Deverá haver um filho único [monogenes] para alimentar a casa de seu Pai, pois assim a requeza aumentará na casa…” 

O uso  de monogenés na LXX

 Juízes 11:34:

“Finalmente, Jefté chegou a Mispá, à sua casa, e eis que lhe saía ao encontro sua filha, tocando pandeiro e dançando! Ora, ela era absolutamente filha única.* Fora dela não tinha filho nem filha”.

Jeremias 6:26:

“Ó filha do meu povo, cinge-te de serapilheira e revolve-te em cinzas. Faze o teu pranto aquele por um [filho] único, o lamento da amargura; porque repentinamente virá sobre nós o assolador”.

O uso de monogenés no  “Novo Testamento”

Lucas 7:12 “seu  filho único (o monogenes uios)”

Lucas 8:42 “filha única ( monogenes thugater)”

Lucas 9:38 “filho único (o monogenes uios)”

João 1:18 variação textual nos manuscritos:

a. “Deus unigênito”  (monogenes theos / b. “o Filho unigênito” (o monogenes uios)

João 3:16 “Porque Deus amou o mundo, que deu o seu Filho unigênito ( ton huion ton monogenes )”

João 3:18 “, ele não exerceu fé no nome do Filho unigênito de Deus (tou monogenous uiou tou theou)”

Heb.11: 17 ” Filho únigênito ( monogenes uios)”

1 João 4:9 “Deus enviou o seu Filho únigênito (o monogenes uios) para o mundo”

Uso de monogenés pelos  judeus helenistas 

Septuaginta grega usa mo·no·ge·nés ao falar da filha de Jefté, a respeito de quem está escrito: “Ora, ela era absolutamente filha única. Fora dela não tinha filho nem filha.” — Jz 11:34.

Josefo, Antiguidades 2.181 “Dan teve um filho único (monogenes pais), Usi”.

Josefo, Antiguidades 2,263 “a filha de Jefté, ela também era unigênita (monogenes) e uma virgem”

Josefo  também mencionou Isaque como o filho “unigênito” de Abraão. — Jewish Antiquities (Antiguidades Judaicas), I, 222 (xiii, 1).

Uma consideração a respeito de Monos

Quando o sentido real de “único de seu tipo” destina-se (especialmente se for para ser usado para quem tem existido eternamente ), a palavra escolhida pelos escritores inspirados da Bíblia é monos .

O Novo Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento , uma das obras trinitária da cristandade mais respeitadas de referência, nos fala sobre a palavra monos :

“Na Septuaginta antiga (A versão do VT frequentemente citada no NT),  monos é freqüentemente usado para singularidade de  Deus ; por exemplo, Jó 9:8 … (como Criador) Ocorre nas declarações confessionais em 2 Reis[4 Reis] 19:15, 19;… Isa 37:16 , 20 É freqüentemente encontrada no Salmos (… 83 [82]: 18, 86 [85]: 10 … 148:13)… “

E, no NT,

” monos torna-se teologicamente significativa quando é usada na confissão do único Deus , especialmente nas doxologias (Rm 16:27; 1. Tim 1:17; … . João  5:44 ) ….. É significativo que a confissão de um santo de Deus em Apocalipse 15:4 encontra-se no cântico de louvor dos mártires que “havia conquistado a besta.” Da mesma forma em  João 17:3 , monos está ligada com alethinos , verdadeiro, em contraste com a aparência enganadora ( pseudos ) de todos os alegados  deuses revelados , e em João 5:44  está em contraste com a falsa doxa (-> glória) do mundo, que não procura a verdadeira  doxa do primeiro e único ( monos) Deus. ” – Vol. 2, p.724.

Na   Concordância Exaustiva NAS da Bíblia que é a concordância trinitária da igualmente trinitária New American Standard Bible , perceberá que João (e todos os outros inspirados escritores do Novo Testamento da Bíblia) NUNCA usam  monogenes para Deus , mas somente para Jesus (João 1:14; 1:18, 3:16, 3:18 e 1 Jo 4:9) e outras criações de Deus. Aconclusão mais óbvia é que se João quisesse transmitir o sentido de “único” em João 1:18 ele teria usado apenas o prefixo “mónos” e teria dito “mono theós” e não “monogenés theos”.

É óbvio que João jamais diria isso visto que os anjos são chamados de “deuses” no Salmo 8:5 (Por que disso, veja este artigo) Fica claro que monogenés não poderia transmitir a idéia de “único Deus” como querem alguns na sua interpretação de monogenes.

 

Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

  • Saga  On 22 de outubro de 2013 at 20:52

    “Politeísmo é crer e também adorar múltiplos deuses”.

    É interessante que no Politeísmo os chamados deuses não são onipotentes e oniscientes. A principal característica do Monoteísmo seria a existência de um ser único que é Eterno, Criador e Todo poderoso.

    Explico o politeísmo: fala de vários seres sobrenaturais limitados e tremendamente antropomorfizados com os mesmos vícios humanos que nós temos e que vem a existência muitas vezes até por relações sexuais. São seres com sexo em forma de homem, mulher ou animal que representam diferentes aspectos ou elementos das criação, da natureza, dos elementos ou de atividades, cada qual sendo deus de algo em particular. Quanto a Criação do Universo, o que se nota frequente é que vivem num universo preexistente, onde supostamente são os primeiros a aparecer e então começam a procriar novos deuses e deusas, preparar a terra ou formar os primeiros humanos, assim se designam como criadores NO PLURAL e exigem adoração e culto dos homens, cada deus do politeísmo pode ser legitimamente adorado e como cada um deles é responsável por um aspecto da vida, a mesma pessoa pode por ocasião ou outra prestar serviços religiosos a um deus da chuva, a uma deusa da fertilidade, a um deus da guerra ou ao deus do rio.

    Abaixo vemos o despreparo que acontece ao tentar se ensinar as pessoas:
    “É chamada de politeísmo a crença na existência de diversos deuses, comum no Egito, Grécia e Roma Antigas. As principais divindades são geralmente ligadas às forças da natureza, são antropomórficas e imortais”
    http://www.infoescola.com/religiao/politeismo/

    Na verdade, dificilmente os deuses politeístas são “imortais”, sendo essa outra característica muito comum, deuses que morrem! Os deuses egípcios erma imortais? Alguém já ouviu falar em Osíris?

    Existe uma falha ao se distinguir o politeísmo pagão do monoteísmo judaico-cristão, isso pode gerar frutos negativos mais tarde.

    “Por extensão, o termo paganismo se aplica também ao estilo de vida dos que não aceitam a existência de um único Deus Criador […] Essa “religião dos pagãos” – segundo a expressão do historiador hispânico Paulo Orosio (século V) – caracteriza-se por conceber deuses segundo o padrão humano, sujeitos às mesmas vicissitudes e paixões, sem coerência teológica ou norma moral”

    Descrição interessante do Paulo Orosio.

    Curtir

  • Saga  On 22 de outubro de 2013 at 20:54

    —Podem protestantes e católicos cometerem politeísmo?–

    Vejam…
    …Protestantes enganando o povo: http://www.gotquestions.org/Portugues/politeismo.html
    “É importante notar que a palavra hebraica elohim era usada para se referir ao Deus verdadeiro e aos deuses/ídolos falsos. Funcionava quase identicamente à palavra “Deus”. Quando a palavra Elohim era usada para descrever Jeová, estava retratando a Sua natureza trina – três Deuses em um”

    Ele termina assim: “Acreditar no único Deus verdadeiro exige que vivamos de uma forma que demonstre essa crença”.

    Mas como acreditar no único Deus verdadeiro quanto se diz que ele é “TRÊS DEUSES EM UM” como está escrito acima???
    .
    .
    .
    —— Politeísmo e Idolatria Cristã?—
    O Catolicismo ensina a devoção a uma Tríade, a uma Mãe de Deus, aos anjos e aos santos. Então aí está alguém que é “monoteísta” de nome e politeísta de prática, afinal o que vale mais, a pessoa meramente negar que é politeísta ou se comportar como uma? Não adianta negarem dizendo que usam “latria” apenas a Deus sendo então adeptos de “monolatria” pois primeiro que dão adoração para os três membros da Trindade, com orações e serviços litúrgicos dedicados para as pessoas em separado e inclusive para a hóstia e para a cruz! Dedicam culto, devoção, serviço sagrado e oração à Rainha do Céu, aos Santos e aos Anjos, fazendo procissões em sua homenagem.

    Descrição Católica:
    http://www.catolicismoromano.com.br/content/view/484/48/
    “Diferença de culto (latria, dulia e hiperdulia) […] No sentido verbal, adorar (AD ORARE) significa simplesmente orar ou reverenciar a alguém. A Sagrada Escritura usa o termo “adorar” em várias acepções […] como demonstrarei através da “Vulgata” `
    `
    Interessante a ligação que foi feita entre a oração e a adoração baseada no termo latino “ad orare” de onde veio nossa palavra adorar (Aí a influencia do latim e principalmente da Vulgata em nossa lingua).

    “A latria é o culto que se deve somente a Deus e consiste em reconhecer nele a divindade, prestando uma homenagem absoluta e suprema, como criador e redentor dos homens. Ou seja, reconhecer que ele é o Senhor de todas as coisas e criador de todos nós, etc“

    Então na Trindade vemos uma trilatria ou polilatria, até porque a oração (ad ORARE) pode ser feita aos membros em separado, três membros em que se reconhece neles a divindade prestando-lhes homenagem suprema e absoluta aos três como criadores e redentores.

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 27 de outubro de 2013 at 14:56

    Pezado queruvim,existe muita coisa dentro dessa questão de “tradução…texto bíblico” que muita vezes desconhecemos e quando trago a atenção disso aqui não é que eu endosse tais conceitos,mas como o site tem esse objetivo não vejo problema aborda-los é caso do comentário que citei sobre o texto de João 1:18.Agora me deparo com outra informação que eu desconhecia mas vou tre trazer atenção.É sobre João 1:15 ” ESTE É AQUELE DE QUEM EU DISSSE’.
    uma obra diz: Um antigo texto do conhecimento de Orígenes no terceiro seculo ( e provavelmente do conhecimento de seus adversários,antes ainda) faz da maior parte do verso 15 um texto entre parênteses que indentifica João Batista: ” ESTE É AQUELE QUE DISSE”ele vem depois de mim,mas é maior do que eu ,porque existia antes de eu nascer.”O efeito desta tradução é tornar o versículo 16 a verdadeira mensagem,de que João testifica e a quall exclama como testemunha atual perante os leitores do evangelho .
    João batista,que uma vez dissera:O QUE VEM DEPOIS DE MIM,etc agora diz: DA SUA PLENITUDE TODOS NÓS RECEBEMOS GRAÇA SOBRE GRAÇA etc
    Esta variante de foi adotada por Westcott e Hort,no Greek New testament que editaram em 1881 ( nova York :Harper e Bhothers) mas nenhuma outra edição em grego a adotou.ESTÁ PRESERVADA,NO ENTANTO,NA TRADUÇÃO DO NOVO MUNDO,DE 1961 E NA TRADUÇÃO DE RICHMOND LATTIMORE,THE FOUR GOSPEL AND TRACT SOCIETY AND THE REVALATION
    O que tal comentário quer dizer? que essa expressão é duvidosa?

    Curtir

  • Saga  On 27 de outubro de 2013 at 15:48

    Não entendi o ponto, ele quer dizer que a variante faz com João Batista seja o autor de todo 1:16-18? Sendo 1:15-18 um texto só?

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 27 de outubro de 2013 at 22:21

    É isso que estou tentado entender…principalmente a declaração que “está preservada no entanto na TNM de 1961 …

    Curtir

  • Rajader  On 21 de novembro de 2013 at 16:42

    7 Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um.
    1 João 5:7 (Trad. João F. Almeida)

    7 Porque são três os que dão testemunho:* 8 o espírito,+ e a água,+ e o sangue,+ e os três estão de acordo. 1 João 5:7 (Trad. Novo Mundo)

    Quem está correto?

    Alguém quer fazer parte do grupo mencionado em Revelação 22.18?

    Curtir

  • Queruvim  On 21 de novembro de 2013 at 21:04

    Boa colocação, apreciei seu comentário tão oportuno sobre um assunto que nunca será de “somenos importância”

    Curtir

  • Queruvim  On 21 de novembro de 2013 at 22:47

    Dá uma olhada com atenção no vídeo que aparece neste endereço onde respondemos sua pergunta. Tenha paciência e escute com atenção, visto que fala bastante sobre 1 João 5:7 e apresenta a opinião de várias fontes seculares e até mesmo evangélicas sobre o assunto. Depois me diz o que entendeu a respeito das fontes citadas e a que conclusão chegou. Não precisa ter pressa.

    Felicidades!

    Curtir

  • Saga  On 22 de novembro de 2013 at 12:25

    Que pergunta boa, esse tema é óbvio, é só ver o contexto

    (1 João 5:5-8)
    5 Quem é que vence o mundo senão aquele que tem fé em que Jesus é o Filho de Deus? 6 É este quem veio por meio de ÁGUA e SANGUE, Jesus Cristo; não apenas com ÁGUA, mas com A ÁGUA e O SANGUE. E é O ESPÍRITO que está dando testemunho, porque O ESPÍRITO. 7 PORQUE são três os que dão testemunho: 8 O ESPÍRITO, e A ÁGUA, e O SANGUE, e os três estão de acordo.

    O sentido da passagem é completo, os versos 7 e 8 falam exatamente daquilo que se falava no verso 6. O testemunho do espírito é conforme também o testemunho do sangue e da água, formando assim três testemunhas de que Jesus é o Filho de Jeová. A declaração trinitária conhecida como Conma Joanina é um corpo estranho no texto, que o tiraria de seu contexto, acrescentando matéria sem nexo em relação com o que está sendo dito nos versos precedentes (E ainda fugindo totalmente do tema em pauta, se foi posta ali com objetivo de falar do dogma teológico da “Trindade”, pois a natureza de Deus não tem nada a ver com o assunto nessa passagem que é sobre o Testemunho que temos de que Jesus era Filho de Deus por água em seu batismo, por espírito em seu ministério e pelo sangue na sua morte, todos esses testemunhos concordando em um, em um testemunho poderoso que de fato Jesus era o Filho de Deus enviado pelo Pai ao mundo)

    O acréscimo em questão inventaria 5 testemunhas (duas repetidas), e um ilógico testemunho no céu (que é habitado pelos anjos de Deus), como se alguém no céu necessitasse de testemunho para algo para saber que Cristo era o Filho de Jeová.

    Curtir

  • Rajader  On 22 de novembro de 2013 at 15:04

    Então, se Cristo é Filho de Jeová, é Deus. Pois , Jeová é Deus. O Filho Dele só pode ser, também, Deus, ou será que o Filho é um anjo, arcanjo, criatura celeste…?

    Curtir

  • GIBE TJ  On 22 de novembro de 2013 at 16:14

    Rajader, usando sua lógica:

    (A) se os anjos são filhos de Deus, também são Deus. Vamos ler =>

    Jó 38:7 “quando juntas cantavam as estrelas da manhã, e todos os filhos de Deus bradavam de júbilo?” (João Ferreira de Almeida Atualizada)

    Aqui os anjos são chamados de “filhos de Deus”.

    (B) se Adão era filho de Deus, então era Deus também:

    Lucas 3:38 “Cainã, filho de Enos, Enos, filho de Sete, e este, filho de Adão, filho de Deus”. (João Ferreira de Almeida Revista e Atualizada)

    Aqui Adão é chamado de filho de Deus.

    Então, deveríamoss ler e meditar mais nas escrituras antes de enviar argumentos sem nexo.

    Curtir

  • Saga  On 22 de novembro de 2013 at 20:59

    É, Rajader, igual você é o seu pai, pois se você é filho dele, só pode ser ele mesmo.

    Grandes revelações:
    Se Isaque é filho de Abraão, é Abraão.
    Se Salomão é filho de Davi, então é o próprio Davi.

    Atentem a grande sabedoria desses pensamentos……

    Curtir

  • Queruvim  On 22 de novembro de 2013 at 20:59

    Pior do que a falta de conhecimento e entendimento (algo muito mais amplo) é a atitude de alguns que postam aqui. Quando observam que precisam estudar, passam a fazê-lo, contudo com o objetivo, não de entender os temas propostos, mas o de ridicularizar ou até mesmo perseguir as Testemunhas de Jeová. Na verdade se a pessoa for pesquisar páginas que zombam das Testemunhas de Jeová encontrará milhares de artigos. O que devemos fazer é estudar a Bíblia como única fonte confiável. E comparar o que aprendemos com o que a palavra de Deus diz. Simples assim.

    Curtir

  • Saga  On 22 de novembro de 2013 at 21:22

    “GIBE TJ Em 22 de novembro de 2013 às 16:14”
    Interessantes comentários

    “Vamos ler => Jó 38:7 “quando juntas cantavam as estrelas da manhã, e todos os filhos de Deus bradavam de júbilo?” Aqui os anjos são chamados de “filhos de Deus”.”

    No Salmos 8:5 os anjos são chamados de “deuses” (elohim).
    (Sal 8:5) Passaste a fazê-lo um pouco menor que os deuses (elohim).

    Sobre isso eu lembro da seguinte passagem que fala sobre os filhos de Deus:
    (Salmos 89:6) Pois quem, no céu nublado, pode ser comparado a Jeová? Quem entre os filhos de Deus pode assemelhar-se a Jeová?

    “Então, deveríamoss ler e meditar mais nas escrituras antes de enviar argumentos sem nexo”
    Tem duas passagens interessantes

    [1] Em João 10:34,35 Jesus citando o Salmo 82 menciona os “filhos do Altíssimo”, a que Deus chama de “deuses” (Salmo 82:6).

    [2] Em II Pedro 1:4, o apostolo fala que os ungidos pelo espírito, que serão feito filhos de Deus, serão participantes na natureza divina.

    (2 Pedro 1:4) Por intermédio destas coisas ele nos tem dado gratuitamente as promessas preciosas e mui grandiosas, para que, por intermédio delas, vos tornásseis parceiros na NATUREZA DIVINA, tendo escapado da corrupção que há no mundo pela concupiscência.

    Ou seja, não apenas uma pessoa pode ser filho de Deus, como também ela mesma ter divindade ou natureza divina. Isso não é de se estranhar já que se diz que tais pessoas alcançarão o que é chamado de Imortalidade. (1 Cor 15:53). E até mesmo julgarão anjos. (Ler 1 Coríntios 6:2-3)

    Sem dúvida um grande privilégio como diz o apostolo João.
    (1 João 3:2) Amados, agora somos filhos de Deus, mas ainda não está manifesto o que havemos de ser. Sabemos que, quando ele for manifestado, seremos semelhantes a ele.

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 24 de novembro de 2013 at 16:09

    Com todo respeito o Rajader tá meio ultrapassado na sua argumentação tá parecendo coisa de criancinha,mas se for sincero vai aceitar a verdade sobre a questão..Amém!

    Curtir

  • neuza maria  On 8 de julho de 2015 at 11:00

    Queruvim, os livros apócrifos: Judite, macabeus, tobias etc, faziam parte do códice sinaítico?

    Curtir

  • Queruvim  On 8 de julho de 2015 at 12:59

    Sim…há alguns livros que não são considerados canônicos. Temos que ter em mente que tais livros são muito antigos, de fato , a apostasia predita pelos Apóstolos e o alerta predito em Apocalipse 22 a respeito de “acréscimos” ou “omissões ao texto” se tornaram realidade com o passar do tempo. Contudo, a fim de determinar a canonicidade um livro antigo em si só não prova que seja parte do cânon. Leia este artigo e o link onde aponta para o site JW.ORG>
    https://traducaodonovomundodefendida.wordpress.com/2015/03/16/possuimos-o-canon-das-escrituras-gracas-a-igreja-catolica/

    Curtir

Comments in english allowed! Não serão permitidos comentários de opositores ou pessoas que querem debates sem fim. EVITE FUGIR DO TEMA DA PÁGINA OU FAZER flooding de informações. Isso é coisa de gente desonesta e que quer confundir. Discordar não é problema, mas fazer oposição com zombaria desrespeito e trollagem não são aceitos nesta página. Ao postar nesta página você estará concordando com isso! Não é permitido a participação de APÓSTATAS nos comentários desta página. Em outras palavras, críticas e discordâncias são aceitas e até mesmo postadas, mas não “espírito de oposição”. Isto se dá em vista do claro mandamento bíblico para que “os eviteis” Romanos 16:17. Outra coisa...tenho recebido comentários feitos com erros graves em quase toda linha e frase. NÃO POSTAREI. Tenha respeito por assuntos bíblicos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s