One Jehovah’s Witness refugee’s story


WITNESSES ON THE RUN: HOW BELIEVERS ARE PERSECUTED IN RUSSIA

Authorities of the Federal Republic of Germany have called attention to a new trend: Jehovah’s Witnesses have been fleeing Russia. According to information of the Ministry of Migration and Refugees of the F.R.G., in 2018 the proportion of Russian citizens among refugees arriving in Germany is 2.3%. At the same time, the number of applications for asylum from Jehovah’s Witnesses is growing.

The newspaper of the federal ministry for affairs of migrants and refugees, Entscheiderbrief, writes concerning this:

“On 20 April 2017, the Russian Supreme Court dissolved the headquarters of the Jehovah’s Witnesses and all 395 of its divisions on the territory of the RF, and it also ruled Jehovah’s Witnesses to be an extremist organization. Since January 2018, police and the local service of the F.S.B. have taken repressive measures. There have been especially many arrests and searches of apartments in the Orel, Belgorod, and Kemerovo oblasts. Thus, more than 70 arrests of Jehovah’s Witnesses were made for alleged participation in the activity of an extremist organization. In the event of conviction, they face imprisonment for a term of from two to four years.

“A representative of the Finnish Department for Refugee Affairs thinks that one should not speak of the systematic persecution of Jehovah’s Witnesses in Russia. In this context, the increase in the number of applications for granting asylum is striking. For example, in Finland 125 applications were registered in 2017 and the same number by September 2018. The number of applications for granting asylum from Jehovah’s Witnesses is also growing in Germany. In August 2018 alone, 77 persons sent a request for granting asylum in the F.R.G.”

Andrei K., 38, was an elder of a congregation of Jehovah’s Witnesses of Belgorod. He arrived in Germany with his family, his wife and six-year-old son, in 2013. A year and a half ago Andrei’s family received political asylum.

“Just leave”

We arrived in Munich and applied for political asylum. Why Germany? I found the corresponding tickets. At that moment it did not matter where—just leave; there was no time to delay.

Originally we wanted to go to the U.S.A. or Canada. But a visa is necessary for this. In order to get it, a visa story is necessary. I did not have the time to make this story. It was necessary to make the decision in a short time. Therefore Germany.

Before coming here I did not know a single instance when one of our people applied for political asylum. We were some of the first in Bavaria, so far as I know.

In Finland there are many Jehovah’s Witness refuges from Russia, although there are many more in Germany. In Bavaria alone there are about 1,000 applications. There also are in other parts of Germany. I know some personally and I know about some who have arrived. In Bavaria alone I can say that since 2013 about a thousand persons have come to Bavaria. This is reliable information. In the city of Bamberg alone—there is a large camp there and for some reason most Jehovah’s Witnesses are sent there—about 800 persons passed through. And also they came through Munich and Zirndorf. So somewhere around a thousand, in my estimation, in all.

“I simply appealed to the police”

We moved quickly. By train to Moscow, and we flew from Domodedovo to Germany. Here it is important to understand the legal component of arrival. In order for Germany to have legal bases for considering an application for granting political asylum, it is important not to violate the Dublin agreement and other inter-European acts that are fundamental, so that one country or another will consider your case and have a basis for it.

Of course, it is possible to arrive with a visa and “surrender.” But I used another means—transit. I bought a ticket to a visa-free country–in my case, Serbia—and transited through Munich. And I simply appealed to the police in the transit zone.

“It’s a pity that they were deported back to Chechnya”

We are now living in a three-room apartment in a city of Bavaria. We attend assimilation courses and the kid goes to school. He is already going to school here in Germany. They took him right away in second grade. He is now in the sixth; he’s 12 years old. We used to live in a kind of dormitory for refugees in one of the villages of Bavaria. There are people of various nationalities there, from Africa, Afghanistan. The conditions are acceptable, normal.

We tried to find a common language with people of various cultures. Because as Jehovah’s Witnesses we try to talk about the Bible with people of a different nationality. We tried to talk with them in English or some already spoke German, which we also studied. Then a family of Chechens was placed in the dorm. We tried to talk with them about the Bible and about God. Subsequently the wife of this family even began to attend our meetings. She was with us several times and we conversed about spiritual topics. It is a great pity that the family subsequently was deported back to Chechnya.

“If I am returned, serious problems await me”

We waited a long time, because I submitted many documents confirming the persecution of Jehovah’s Witnesses back in 2009 and 2010, when this campaign began. Actually in Germany they take granting political asylum very seriously and the federal Ministry for Affairs of Migration and Refugees is supposed to verify what you said to them there.

Of course, they have both resources and methods to do this. Therefore my arguments were surely verified.

There are several forms [of political asylum]. We received the maximum, which can only be gotten on the territory of the F.R.G. There is the Asylgeseta (law of granting asylum to persecuted persons—Idel.Realii), and it is specifically prescribed that when a person receives political asylum, documents are given to him originally for three years, and they are subsequently extended until gaining citizenship.

Why might they not extend political asylum after three years? A person must commit a criminally punishable act and reject assimilation. And there is a third important factor connected with assimilation: that is language study.

If they were to cease persecution of Jehovah’s Witnesses in Russia and to rehabilitate them, then Germany still would not have the right to cancel your residence permit. In order to return a person, Germany most recognize that Russia (in my case) is a safe country. That is, if it is safe for Jehovah’s Witnesses in a political sense, then there would be another conversation and you might be sent back, of course. But if a person has children and a child finished elementary school on German territory, then it is simply impossible to send him back.

Germany considers each case individually. If you come from Russia as a Jehovah’s Witness and you say: “Here is the court’s decision and it is likely that I will be jailed (this refers to the decision of the Russian Supreme Court of 2017 banning the activity of Jehovah’s Witnesses in Russia and ruling it to be extremist—Idel.Realii), then nothing will be said. And therefore some Jehovah’s Witnesses receive a refusal, because they do not have a personal story, a personal threat, and incidents confirming it. The Germans understand that if they return me and my family, serious problems await me. Starting with a criminal prosecution and ending in other means of which our agencies in the RF are capable. Beating, intimidation, and many others. I think that you know all of this.

“A widespread campaign began against us”

It will be possible to speak about a return to Russia only if everything changes fundamentally. Therefore for now our return to Russia in the foreseeable future does not seem possible. As it also does not seem possible to return and start to defend by legal means our legal rights and interests. Because we know how the legal system works there. How the law on combating extremist activity is applied; at the present moment it is simply a law for suppressing dissent. Therefore you do not have a possibility of defending yourself.

The case of Dennis Christensen, who is behind bars, for example, shows this. A citizen of Denmark who is living in Russia. On 25 May 2017 he was arrested during group study of the Bible with fellow believers and he was put into the investigative cell of Orel because he professes the religion of Jehovah’s Witnesses. Or the case of the 57-year-old resident of Nevelsk, Sergei Kulakov. Grani and Sova have reported about these cases.

At the present time, about 26 persons are behind bars in Russia. And no legal means will help. It does not even help that some cases have been accepted for review by the E.C.H.R. on a priority basis. For alleged participation in the activity of Jehovah’s Witnesses in Russia they now face up to ten years, because, as a rule, cases are opened on the basis of article 282.2 of the Criminal Code of the RF, or 282.3 (“financing”), and there are stricter sanctions there.

In Belgorod it all began when the authorities began seeking “legal bases” for combating the activity of the Jehovah’s Witnesses. And the Code of Administrative Violations of Law was the first lever in 2008-2009. There are two interesting articles in the code: article 5.1.2, “Violation of the law on missionary activity,” and article 6.8, “Imposing religious views.” Article 5.1.2 was later deleted. Law enforcement practice simply broke down since the courts at that time still made more objective and independent decisions. According to article 6.8—here’s the decision of the court of the city of Shebekino of Belgorod oblast, where I was the defendant (the editorial office has a copy of the court’s decision—Idel.Realii). They tried to charge a Jehovah’s Witnesses married couple who simply started talking about sacred scripture with a person at a bus stop. This article, if I am not mistaken, is also in the code, but it does not work against Witnesses. But that is not the point. Simply somewhere around 2008-2009 there began against the Jehovah’s Witnesses, I would say, a widespread campaign. It consisted in applying all available resources of the law in order to combat the activity of the Jehovah’s Witneses. It all began with these simple articles of the Code of Administrative Violations of Law, and it ended, as we now know, in criminal prosecution.

“They detained him there more than a day, threatening to infect him with AIDS”

They tried to open a criminal case, for example, against Sergei I., a disabled person of the second group. On the basis that he had a book, “What the Bible really teaches,” which at the present time is considered extremist in Russia. And he simply offered this book to some person. The Investigative Committee twice refused to open this criminal case.

Then they opened two administrative cases against him. But since at that time the courts in the RF still were more or less independent, these cases fell apart in the courts. There were procedural violations there, and a lot more. So later, in order to get revenge on this Sergei, police officers took him out of his apartment in broad daylight to police department No. 5 in the city of Belgorod. They detained him there more than a day, threatening at the same time to prick him with a syringe which is contaminated with AIDS so that he would sign what they needed. But he refused. Then he managed to phone one of our fellow believers and they managed to spring him from the police. But a statement was submitted to the Investigative Committee and the special security service of the MVD for Belgorod oblast, but there were no results. It was, as always, an order to refuse to open a criminal case because, according to the police blotter, Sergei spent less than three hours in the police department. It is one example of what happened.

“Everything was done to arouse hatred”

Then representatives of the public movements Nashi and Stal began conducting public events near the building where Jehovah’s Witnesses conducted peaceful worship services. Rather there were even protest actions aimed at arousing hatred and enmity. Here are photographs I selected from thousands, I guess. The demonstrators wore white tee shirts with slogans “I hate Jehovah’s Witnesses,” and “Honk if you are against Witnesses.”

This of course had consequences. There were attacks on Jehovah’s Witnesses. I cannot say whether this was connected or not, but everything was done in order to arouse a full measure of hatred and enmity on the territory of Belgorod oblast.

The Jehovah’s Witnesses submitted a statement to the Investigative Committee, the prosecutor’s office, and the Commission on Combating Extremism. But law enforcement agencies did not discern extremism in the slogans that the picketers used or in their actions.

One public event, for example, was with drums and it was attended by about fifty persons. They pounded the drums and climbed onto the roof of the house of worship, and walked around, and the worship service was disrupted. Four persons needed medical care later. Elderly people inside the building felt ill and first aid was summoned, which concluded that one had a blood pressure crisis and another had heart problems. And instead of law enforcement agencies responding somehow, they simply opened a case of administrative violation of law against the organizer who supposedly violated the procedure for conducting an event. It was picketing and they staged a parade. That’s all the violation of the picketers as it turned out. These are just a few examples that happened beginning with 2009-2010. Pickets or protest actions, as they are more correctly called, began in the summer of 2011.

“This destroys the dignity of the police”

I was warned several times by sympathetic police officers and other agencies, advising me to leave the region, and better, the country. They said that my telephone was tapped and the F.S.B. was collecting material on me.

Once an officer of law enforcement agencies asked me to come to a meeting with his more high ranking colleague for a conversation. I came to this meeting. They took my cell phone so that I could not record the conversation—as they explained to me, my cell phone can listen even when I am not talking on it. They explained to me that F.S.B. personnel were listening to me; they were listening to me on weekends and holidays like they listen to criminal leaders or high ranking officials. Although they did not have permission of a court to do this, but they were listening to my telephone, since the F.S.B. has such a capacity. That was in 2012. And this was the first warning that they were collecting material on me.

Then, really, I began noticing that my telephone was tapped. There were obvious sounds, or for example, a recording was heard of what I or my interlocutor said on a quick scroll. I then realized how the F.S.B. makes such recordings and on what grounds. There is an order of the State Committee of Communication of 1999 regarding the establishing of SORM systems. There is SORM-1, SORM-2, SORM-3. Each mobile operator establishes for itself a certain kind of equipment and F.S.B. officers can, without any court decision, tap your telephone at any time, whenever they want. Therefore I did not have any doubts that the officers of law enforcement agencies were telling the truth.

Many people at that time sympathized with us, understanding what was happening. Many humanely expressed dismay about what was happening to Jehovah’s Witnesses. Many even expressed words of support. One experienced officer even said to me that it had become embarrassing to work for the police. Because instead of hunting real criminals they were hounding elderly people who met to read the Bible or to pray in their home. Certainly this destroys the dignity of many police officers and the more so the special subdivisions.

“Aren’t you afraid that they’ll bash your head with a steel bar?”

Another time I was summoned to the Center for Combating Extremism on the basis of a statement to give explanations. Before that I submitted a statement regarding an incident of conducting a protest action, which aroused hatred and enmity toward Jehovah’s Witnesses. And they said to me: so you wrote a statement, and aren’t you afraid that they will bash your head around the corner with a steel bar or do something else? I said: so that’s why I went to the law enforcement agencies in order to prevent these negative consequences. They laughed. They said that nobody will defend us and in principle the guys, these Nashites, troopers, they do everything right. This was the first such threat against me from police personnel.

Subsequently they summoned me for a conversation with another high ranking, by local standards, law enforcement officer. This time they described for me what was happening in Taganrog. There was a trial there for finding the local religious organization of Jehovah’s Witnesses of Taganrog to be extremist. And the law enforcement officer said to me that the situation in Taganrog was “an example for us, how we are supposed to act.” But humanly, many understood that this is stupidity, insanity, and would lead to no good. But they all had to do what they were told. So they were forced to show their work against the activity of Jehovah’s Witnesses. They again advised me to leave, because the work was being conducted and the material was being wrapped up.

Another time they summoned me to the police for questioning on the basis of some statement. Again they expressed a negative attitude toward me for the activity of Jehovah’s Witnesses. And the police officer had on the table among the materials of his case a map of the movements of my Renault Duster car around Belgorod on certain days. There were very many surveillance cameras and it was obvious that this system was used for following my movements.

Taking into account what was happening, I understood that there would be something. It doesn’t just happen that materials are collected and telephones are tapped and they summon you to the police so often. Supposedly to ask me about my statement, sure. But a statement is one thing; conversations are held about something else. They asked me not to go to law enforcement agencies and not to file a complaint in court and engage in activity for the defense of Jehovah’s Witnesses to the extent I was engaged.

Then they summoned me to more conversations and again advised me to leave. Well a whole lot of things happened—I was followed and serious threats arrived. So I decided to leave the country with my family.

P.S. The full names of the characters are known to the editorial office. The names have been abbreviated at the request of the characters for their protection. (tr. by PDS, posted 31 January 2019)

source: https://www2.stetson.edu/~psteeves/relnews/190127c.html

Os trackbacks estão desactivados, mas pode publicar um comentário.

Comentários

  • Vagner  On 14 abr 2019 at 7:39

    TESTEMUNHAS NA EXECUÇÃO: COMO OS CRENTES SÃO PERSEGUIDOS NA RÚSSIA

    Autoridades da República Federal da Alemanha chamaram a atenção para uma nova tendência: as Testemunhas de Jeová estão fugindo da Rússia. De acordo com informações do Ministério de Migração e Refugiados da FR, em 2018 a proporção de cidadãos russos entre os refugiados que chegam à Alemanha é de 2,3%. Ao mesmo tempo, o número de pedidos de asilo das Testemunhas de Jeová está crescendo.

    O jornal do ministério federal para assuntos de migrantes e refugiados, Entscheiderbrief, escreve sobre isso:

    “Em 20 de abril de 2017, a Suprema Corte Russa dissolveu a sede das Testemunhas de Jeová e todas as 395 de suas divisões no território da RF, e também decidiu que as Testemunhas de Jeová eram uma organização extremista. Desde janeiro de 2018, a polícia e o serviço local do F.S.B tomaram medidas repressivas. Houve muitas prisões e buscas em apartamentos nos bairros de Orel, Belgorod e Kemerovo. Assim, mais de 70 prisões das Testemunhas de Jeová foram feitas por suposta participação na atividade de uma organização extremista. Em caso de condenação, eles são presos por um período de dois a quatro anos.

    “Um representante do Departamento Finlandês para Assuntos de Refugiados acha que não se deve falar da sistemática perseguição das Testemunhas de Jeová na Rússia. Neste contexto, o aumento do número de pedidos de concessão de asilo é surpreendente. Por exemplo, na Finlândia, 125 pedidos foram registrados em 2017 e o mesmo número em setembro de 2018. O número de pedidos de concessão de asilo por parte das Testemunhas de Jeová também está crescendo na Alemanha. Somente em agosto de 2018, 77 pessoas enviaram um pedido de concessão de asilo na sede do governo federal. ”

    Andrei K., 38, era um ancião de uma congregação das Testemunhas de Jeová de Belgorod. Ele chegou à Alemanha com sua família, sua esposa e seu filho de seis anos, em 2013. Um ano e meio atrás, a família de Andrei recebeu asilo político.

    “Apenas saia”

    Chegamos em Munique e pedimos asilo político. Por que a Alemanha? Eu encontrei os bilhetes correspondentes. Naquele momento, não importava onde … apenas partissem; não houve tempo para atrasar.

    Originalmente, queríamos ir para os EUA ou para o Canadá. Mas um visto é necessário para isso. Para obtê-lo, uma história de visto é necessária. Eu não tive tempo para fazer esta história. Foi necessário tomar a decisão em um curto espaço de tempo. Portanto, a Alemanha.

    Antes de vir para cá, não conheci um único exemplo quando um de nossos funcionários solicitou asilo político. Fomos alguns dos primeiros na Baviera, tanto quanto sei.

    Na Finlândia há muitos refugiados das Testemunhas de Jeová da Rússia, embora haja muitos outros na Alemanha. Só na Baviera existem cerca de 1.000 pedidos. Há também outras partes da Alemanha. Eu conheço alguns pessoalmente e sei de alguns que chegaram. Só na Baviera posso dizer que desde 2013 cerca de mil pessoas vieram para a Baviera. Esta é uma informação confiável. Somente na cidade de Bamberg – há um grande acampamento lá e, por algum motivo, a maioria das Testemunhas de Jeová é enviada para lá – cerca de 800 pessoas passaram por ali. E também eles vieram através de Munique e Zirndorf. Então, em algum lugar em torno de mil, na minha opinião, em todos.

    “Eu simplesmente apelei para a polícia”

    Nós nos movemos rapidamente. De trem para Moscou, voamos de Domodedovo para a Alemanha. Aqui é importante entender o componente legal da chegada. Para que a Alemanha tenha bases legais para considerar um pedido de concessão de asilo político, é importante não violar o acordo de Dublin e outros atos inter-europeus que são fundamentais, para que um país ou outro considere seu caso e tenha uma base por isso.

    É claro que é possível chegar com um visto e se “render”. Mas eu usei outro meio – trânsito. Eu comprei uma passagem para um país sem visto – no meu caso, a Sérvia – e transitei por Munique. E eu simplesmente apelou para a polícia na zona de trânsito.

    “É uma pena que eles tenham sido deportados para a Chechênia”

    Agora estamos morando em um apartamento de três quartos em uma cidade da Baviera. Assistimos a cursos de assimilação e o garoto vai para a escola. Ele já está indo para a escola aqui na Alemanha. Eles o levaram imediatamente na segunda série. Ele está agora no sexto; ele tem 12 anos. Nós morávamos em uma espécie de dormitório para refugiados em uma das aldeias da Baviera. Há pessoas de várias nacionalidades, da África, Afeganistão. As condições são aceitáveis, normais.

    Nós tentamos encontrar uma linguagem comum com pessoas de várias culturas. Porque, como Testemunhas de Jeová, tentamos falar sobre a Bíblia com pessoas de nacionalidade diferente. Nós tentamos conversar com eles em inglês ou alguns já falavam alemão, o qual também estudamos. Então uma família de chechenos foi colocada no dormitório. Nós tentamos conversar com eles sobre a Bíblia e sobre Deus. Posteriormente, a esposa dessa família começou a freqüentar nossas reuniões. Ela esteve conosco várias vezes e conversamos sobre tópicos espirituais. Isto é É uma pena que a família tenha sido deportada para a Chechênia.

    “Se eu for devolvido, problemas sérios me aguardam”

    Esperamos muito tempo, porque enviei muitos documentos confirmando a perseguição às Testemunhas de Jeová em 2009 e 2010, quando esta campanha começou. Na Alemanha, na verdade, eles levam a concessão de asilo político muito a sério e o Ministério Federal para Assuntos de Migração e Refugiados deve verificar o que você disse a eles lá.

    Claro, eles têm recursos e métodos para fazer isso. Portanto, meus argumentos foram certamente verificados.

    Existem várias formas [de asilo político]. Recebemos o máximo, que só pode ser obtido no território do F.R.G. Existe o Asylgeseta (lei de concessão de asilo para pessoas perseguidas – Idel.Realii), e é especificamente prescrito que quando uma pessoa recebe asilo político, documentos lhe são dados originalmente por três anos, e eles são subsequentemente estendidos até ganharem cidadania.

    Por que eles não podem estender asilo político depois de três anos? Uma pessoa deve cometer um ato criminalmente punível e rejeitar a assimilação. E há um terceiro fator importante relacionado à assimilação: o estudo da língua.

    Se eles deixassem de perseguir as Testemunhas de Jeová na Rússia e os reabilitassem, então a Alemanha ainda não teria o direito de cancelar sua permissão de residência. Para devolver uma pessoa, a Alemanha reconhece que a Rússia (no meu caso) é um país seguro. Isto é, se for seguro para as Testemunhas de Jeová em um sentido político, então haverá outra conversa e você poderá ser enviado de volta, é claro. Mas se uma pessoa tem filhos e uma criança terminou o ensino fundamental no território alemão, então é simplesmente impossível mandá-lo de volta.

    A Alemanha considera cada caso individualmente. Se você vem da Rússia como Testemunha de Jeová e diz: “Aqui está a decisão do tribunal e é provável que eu seja preso (isso se refere à decisão da Suprema Corte Russa de 2017 de proibir a atividade das Testemunhas de Jeová na Rússia e decidindo ser extremista – Idel.Realii), então nada será dito. E, portanto, algumas Testemunhas de Jeová recebem uma recusa, porque não têm uma história pessoal, uma ameaça pessoal e incidentes confirmando-a. Os alemães entendem que, se me devolverem e à minha família, problemas sérios me aguardam. Começando com um processo criminal e terminando em outros meios dos quais nossas agências na RF são capazes. Batida, intimidação e muitos outros. Eu acho que você sabe disso tudo.

    “Uma campanha generalizada começou contra nós”

    Será possível falar de um retorno à Rússia somente se tudo mudar fundamentalmente. Portanto, por enquanto, nosso retorno à Rússia em um futuro previsível não parece possível. Como também não parece possível voltar e começar a defender por meios legais os nossos direitos e interesses legais. Porque sabemos como o sistema legal funciona lá. Como a lei de combate à atividade extremista é aplicada; no momento presente, é simplesmente uma lei para suprimir a dissidência. Portanto, você não tem a possibilidade de se defender.

    O caso de Dennis Christensen, que está atrás das grades, por exemplo, mostra isso. Um cidadão da Dinamarca que vive na Rússia. Em 25 de maio de 2017, ele foi preso durante um estudo em grupo da Bíblia com outros irmãos e ele foi colocado na cela de investigação de Orel porque professa a religião das Testemunhas de Jeová. Ou o caso do morador de Nevelsk, Sergei Kulakov, de 57 anos. Grani e Sova informaram sobre esses casos.

    Atualmente, cerca de 26 pessoas estão atrás das grades na Rússia. E nenhum meio legal ajudará. Não ajuda nem mesmo que alguns casos tenham sido aceitos para revisão pelo E.C.H.R. prioritariamente. Por alegada participação na atividade das Testemunhas de Jeová na Rússia, eles agora enfrentam até dez anos, porque, via de regra, os casos são abertos com base no artigo 282.2 do Código Penal da RF, ou 282,3 (“financiamento”), e há sanções mais rigorosas lá.

    Em Belgorod, tudo começou quando as autoridades começaram a buscar “bases legais” para combater a atividade das Testemunhas de Jeová. E o Código de Violações Administrativas do Direito foi a primeira alavanca em 2008-2009. Há dois artigos interessantes no código: artigo 5.1.2, “Violação da lei sobre atividade missionária”, e artigo 6.8, “Imposição de visões religiosas”. O artigo 5.1.2 foi posteriormente excluído. A prática da aplicação da lei simplesmente desmoronou, pois os tribunais da época ainda tomavam decisões mais objetivas e independentes. De acordo com o artigo 6.8 – aqui está a decisão do tribunal da cidade de Shebekino de Belgorod, onde eu era o réu (o escritório editorial tem uma cópia da decisão do tribunal – Idel.Realii). Eles tentaram acusar um casal de Testemunhas de Jeová que simplesmente começou a falar sobre a escritura sagrada com uma pessoa em um ponto de ônibus. Este artigo, se não me engano, também está no código, mas não funciona contra as Testemunhas de Jeová. Mas isso não é
    e ponto. Simplesmente em algum lugar por volta de 2008-2009 começou contra as Testemunhas de Jeová, eu diria, uma campanha generalizada. Consistia em aplicar todos os recursos disponíveis da lei para combater a atividade das Testemunhas de Jeová. Tudo começou com esses artigos simples do Código de Violações Administrativas do Direito e terminou, como sabemos agora, em processos criminais.

    “Eles o detiveram lá mais de um dia, ameaçando infectá-lo com aids”

    Eles tentaram abrir um processo criminal, por exemplo, contra Sergei I., uma pessoa com deficiência do segundo grupo. Na base de que ele tinha um livro, “O que a Bíblia realmente ensina”, que na atualidade é considerado extremista na Rússia. E ele simplesmente ofereceu este livro para alguém. O Comitê de Investigação duas vezes se recusou a abrir este caso criminal.

    Então eles abriram dois processos administrativos contra ele. Mas como naquela época os tribunais na RF ainda eram mais ou menos independentes, esses casos desmoronaram nos tribunais. Houve violações processuais e muito mais. Então, mais tarde, para se vingar de Sergei, policiais o levaram de seu apartamento em plena luz do dia para o departamento de polícia número 5 na cidade de Belgorod. Eles o detiveram lá mais de um dia, ameaçando ao mesmo tempo picá-lo com uma seringa contaminada com aids, para que ele assinasse o que precisavam. Mas ele recusou. Então ele conseguiu telefonar para um dos nossos irmãos e eles conseguiram tirá-lo da polícia. Mas uma declaração foi submetida ao Comitê de Investigação e ao serviço de segurança especial do MVD para Oblast de Belgorod, mas não houve resultados. Era, como sempre, uma ordem para se recusar a abrir um processo criminal porque, de acordo com a polícia, Sergei passava menos de três horas no departamento de polícia. É um exemplo do que aconteceu.

    “Tudo foi feito para despertar o ódio”

    Então, representantes dos movimentos públicos Nashi e Stal começaram a realizar eventos públicos perto do prédio onde as Testemunhas de Jeová conduziam cultos de adoração pacífica. Em vez disso, houve até mesmo ações de protesto destinadas a despertar o ódio e a inimizade. Aqui estão as fotografias que eu selecionei de milhares, eu acho. Os manifestantes usavam camisetas brancas com slogans “Eu odeio as Testemunhas de Jeová” e “Honk se você é contra as Testemunhas”.

    Isto, obviamente, teve consequências. Houve ataques contra as Testemunhas de Jeová. Eu não posso dizer se isso estava ligado ou não, mas tudo foi feito para despertar uma dose total de ódio e inimizade no território de Belgorod.

    As Testemunhas de Jeová apresentaram uma declaração ao Comitê de Investigação, ao Ministério Público e à Comissão de Combate ao Extremismo. Mas as agências de aplicação da lei não discerniram o extremismo nos slogans que os manifestantes usavam ou em suas ações.

    Um evento público, por exemplo, foi com tambores e contou com a participação de cerca de cinquenta pessoas. Eles bateram nos tambores e subiram no telhado da casa de adoração, e andaram ao redor, e o culto de adoração foi interrompido. Quatro pessoas precisaram de cuidados médicos mais tarde. Idosos no interior do edifício sentiram-se doentes e os primeiros socorros foram convocados, o que concluiu que um tinha uma crise de pressão arterial e outro tinha problemas cardíacos. E, em vez de os órgãos de segurança pública responderem de alguma forma, eles simplesmente abriram um caso de violação administrativa da lei contra o organizador que supostamente violou o procedimento para a realização de um evento. Foi piquete e eles encenaram uma parada. Isso é tudo a violação dos manifestantes como se viu. Estes são apenas alguns exemplos que ocorreram a partir de 2009-2010. Piquetes ou ações de protesto, como são mais corretamente chamados, começaram no verão de 2011.

    “Isso destrói a dignidade da polícia”

    Fui avisado várias vezes por policiais simpáticos e outras agências, aconselhando-me a deixar a região e, melhor, o país. Eles disseram que meu telefone estava ligado e o F.S.B estava coletando material sobre mim.

    Certa vez, um oficial de agências de segurança me pediu para ir a uma reunião com seu colega mais graduado para uma conversa. Eu cheguei a esta reunião. Eles pegaram meu celular para que eu não pudesse gravar a conversa – como me explicaram, meu celular pode ouvir mesmo quando não estou falando sobre ele. Eles me explicaram que o pessoal do F.S.B. estava me ouvindo; eles me ouviam nos finais de semana e feriados como se ouvisse líderes criminosos ou altos funcionários. Embora eles não tenham permissão de um tribunal para fazer isso, mas eles estavam ouvindo meu telefone, uma vez que o F.S.B. tem essa capacidade. Isso foi em 2012. E este foi o primeiro aviso que eles estavam coletando material sobre mim.

    Então, na verdade, comecei a perceber que meu telefone estava ligado. Havia sons óbvios, ou por exemplo, uma gravação foi ouvida do que eu ou meu interlocutor disse em um pergaminho rápido. Eu então percebi como o F.S.B faz tais gravações e com que base. Existe uma ordem do Comitê Estadual
    Comunicação de 1999 sobre o estabelecimento de sistemas SORM. Há SORM-1, SORM-2, SORM-3. Cada operadora celular estabelece para si um certo tipo de equipamento e os agentes do F.S.B podem, sem qualquer decisão judicial, tocar no seu telefone a qualquer momento, sempre que desejarem. Portanto, não tive dúvidas de que os oficiais das forças de segurança estavam dizendo a verdade.

    Muitas pessoas naquela época simpatizavam conosco, entendendo o que estava acontecendo. Muitos expressaram desânimo humanamente sobre o que estava acontecendo com as Testemunhas de Jeová. Muitos até expressaram palavras de apoio. Um oficial experiente até me disse que se tornara embaraçoso trabalhar para a polícia. Porque em vez de caçar criminosos de verdade, eles perseguiam pessoas idosas que se encontravam para ler a Bíblia ou orar em casa. Certamente isso destrói a dignidade de muitos policiais e, mais ainda, as subdivisões especiais.

    “Você não tem medo de que eles batam a cabeça com uma barra de aço?”

    Outra vez fui convocado ao Centro de Combate ao Extremismo com base em uma declaração para dar explicações. Antes disso, apresentei uma declaração sobre um incidente de conduzir uma ação de protesto, que provocou ódio e inimizade contra as Testemunhas de Jeová. E eles me disseram: você escreveu uma declaração e não tem medo de que eles batam a cabeça na esquina com uma barra de aço ou façam outra coisa? Eu disse: é por isso que fui às agências de segurança para evitar essas consequências negativas. Eles riram. Eles disseram que ninguém nos defenderia e, em princípio, os caras, esses Nashites, soldados, fazem tudo certo. Esta foi a primeira ameaça contra mim do pessoal da polícia.

    Posteriormente, eles me convocaram para uma conversa com outro alto escalão, pelos padrões locais, policiais. Desta vez eles descreveram para mim o que estava acontecendo em Taganrog. Houve um julgamento lá para encontrar a organização religiosa local das Testemunhas de Jeová de Taganrog como extremista. E o oficial da lei me disse que a situação em Taganrog era “um exemplo para nós, como devemos agir”. Mas, humanamente, muitos entendiam que isso é estupidez, insanidade e não levaria a nada bom. Mas todos eles tinham que fazer o que lhes foi dito. Então eles foram forçados a mostrar seu trabalho contra a atividade das Testemunhas de Jeová. Eles novamente me aconselharam a sair, porque o trabalho estava sendo conduzido e o material estava sendo embrulhado.

    Outra vez, eles me chamaram para a polícia para interrogatório com base em alguma declaração. Mais uma vez, expressaram uma atitude negativa em relação a mim pela atividade das Testemunhas de Jeová. E o policial tinha sobre a mesa, entre os materiais do seu caso, um mapa dos movimentos do meu carro Renault Duster em torno de Belgorod em certos dias. Havia muitas câmeras de vigilância e era óbvio que esse sistema era usado para seguir meus movimentos.

    Levando em conta o que estava acontecendo, entendi que haveria alguma coisa. Não acontece apenas que os materiais sejam recolhidos e os telefones sejam tocados e eles convoquem você para a polícia com tanta frequência. Supostamente para me perguntar sobre a minha declaração, com certeza. Mas uma declaração é uma coisa; conversas são realizadas sobre outra coisa. Eles me pediram para não ir às agências de segurança pública e não registrar uma queixa no tribunal e se engajar em atividades para a defesa das Testemunhas de Jeová na medida em que eu estivesse envolvida.

    Então eles me convocaram para mais conversas e novamente me aconselharam a sair. Bem, muitas coisas aconteceram – eu fui seguido e ameaças sérias chegaram. Então eu decidi deixar o país com minha família.

    P.S. Os nomes completos dos personagens são conhecidos pelo escritório editorial. Os nomes foram abreviados a pedido dos personagens para sua proteção. (tr. por PDS, publicado em 31 de janeiro de 2019)

    Curtir

COMENTÁRIOS sob moderação aberto temporariamente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s