NEWSWEEK : A Rússia está caçando as Testemunhas de Jeová – Outros grupos serão os próximos?


Tradução do artigo da Revista NEWSWEEK (original article)

Artigo escrito POR MARC BENNETTS   em

 

 

Foi logo depois do nascer do sol em 10 de abril, quando a campainha tocou no apartamento de Anatoly e Alyona Vilitkevich em Ufa, uma cidade industrial no centro da Rússia. Seus visitantes de manhã cedo: policiais mascarados armados com armas automáticas. “Abra!”, Gritaram os policiais. No interior, o casal se apressou a se vestir e telefonar para o advogado. “Havia 10 deles, incluindo investigadores à paisana”, disse Alyona, 35, à Newsweek. “Um deles estava filmando tudo. Eles disseram que eu não tinha permissão para usar o telefone. Depois de procurar o apartamento, os policiais disseram a Anatoly, um trabalhador manual de 31 anos, para arrumar algumas roupas quentes. “Eles disseram que ele não voltaria para casa”, diz Alyona. Desde o ataque, ele está sob custódia policial, e os investigadores não permitiram que sua esposa falasse com ele, diz ela. As táticas da polícia naquela manhã eram do tipo usado com frequência para deter criminosos perigosos. Mas Anatoly não é suspeito de terrorismo, assassinato ou trafico de drogas. A polícia o prendeu porque ele e Alyona são membros das Testemunhas de Jeová, um movimento evangélico cristão conhecido pelo proselitismo de porta em porta de seus membros. As Testemunhas de Jeová também são pacifistas comprometidos, que historicamente têm sido perseguidos por governos em todo o mundo por sua recusa em prestar serviço militar ou saudar a bandeira. Algumas das mais brutais repressões ocorreram na Cuba de Fidel Castro, na Alemanha nazista e na União Soviética.

 

 

 

Imagem acima: “Conspiradores patéticos de pouca criatividade contra a Bíblia” …“Repressão na Rússia contra as Testemunhas de Jeová”       “Outros grupos serão os próximos?”


 

E agora é o Kremlin moderno – com a bênção da Igreja Ortodoxa Russa – que aumentam a pressão sobre as, segundo estimativas 175.000 Testemunhas de Jeová na Rússia. A repressão do estado vem como parte de uma campanha apoiada pelo governo contra as religiões minoritárias “estrangeiras”. A campanha começou em julho de 2016, quando o presidente Vladimir Putin aprovou a legislação que proíbe o trabalho missionário, estipulando que as pessoas compartilhem suas crenças religiosas apenas em locais de culto registrados pelo Estado. A lei foi introduzida em um momento em que Moscou estava promovendo um grande esforço de propaganda antiocidental – de acusar os EUA e o Reino Unido de conspirar para derrubar Putin e se vangloriar da capacidade da Rússia de reduzir os EUA a “cinzas radioativas”. Os seguidores de religiões “importadas”, como os mórmons e batistas, sofreram sob a controversa lei. Isso porque eles têm problemas freqüentes de obter permissão do estado para as igrejas.Eles geralmente têm pouca escolha a não ser se reunir informalmente nas casas de seus fiéis.

Mas são as Testemunhas de Jeová – cuja sede mundial está em Nova York – que estão sofrendo mais. Em abril de 2017, a Suprema Corte da Rússia decidiu classificá-los como uma “organização extremista”, colocando a denominação cristã no mesmo nível que os grupos militantes do Estado Islâmico (ISIS) e os movimentos neonazistas. Os advogados do Ministério da Justiça afirmaram que as Testemunhas de Jeová representavam uma ameaça à “ordem pública e segurança pública”, e as autoridades russas os acusavam de pregar a “exclusividade e supremacia” de suas crenças.

A Rússia também fechou os Salões de oração  do grupo [os locais de reuniões chamados salões do Reino] e proibiu a tradução da Bíblia (a principal diferença entre ela e outras versões cristãs: a palavra Jeová no lugar de “Deus” ou “Senhor”). A proibição veio apesar de uma disposição na lei russa que proíbe os tribunais de classificar até extratos de livros sagrados das quatro principais religiões do país – cristianismo, islamismo, judaísmo e budismo – como extremistas.

Críticos acusam as autoridades de explorar leis antiterroristas para pressionar o grupo. “Não havia motivo algum para barrar as Testemunhas de Jeová”, diz Alexander Verkhovsky, especialista em legislação anti-extremista do centro de direitos humanos Sova, sediado em Moscou. “Sim, eles insistem que a religião deles é a única correta. Mas o mesmo acontece com a maioria das outras religiões. Ninguém chegou a acusá-los de ações extremistas específicas.”(O Ministério da Justiça da Rússia não respondeu a um pedido de comentário).

Analistas das Nações Unidas dizem que a supressão do movimento cristão sinaliza um “futuro sombrio” para a liberdade religiosa na Rússia. Autoridades do Kremlin insistem, no entanto, que a decisão da Suprema Corte limita-se a colocar na lista negra apenas as Testemunhas de Jeová, e não infringe os direitos individuais de praticar sua religião de escolha, como garantido pela constituição pós-soviética do país.

Muitos observadores discordam. “A crescente repressão às Testemunhas de Jeová representa, sem dúvida, o pior retrocesso da Rússia sobre a liberdade religiosa desde a era soviética”, diz Geraldine Fagan, editora do Relatório East-West Church and Ministry, que monitora questões relacionadas à cristandade nos países da antiga União Soviética.

Alyona e o marido Anatoly Vilitkevich PHOTOGRAFIA COURTESIA DE ANATOLY E ALYONA VILITKEVICH


 

E há poucos sinais de que a campanha terminará. A prisão de Anatoly Vilitkevich na manhã do dia, chegou como parte de uma operação nacional dos serviços de segurança da Rússia contra as Testemunhas de Jeová. Desde fevereiro, a polícia realizou incursões em cerca de uma dúzia de cidades e vilas, com o ritmo da operação acelerando depois que Putin foi reeleito para um quarto mandato presidencial em março. Em 18 de abril, oficiais armados prenderam Roman Markin, uma Testemunha de Jeová de 44 anos, depois de derrubar a porta do seu apartamento em Murmansk, uma cidade do Círculo Polar Ártico. “Eles forçaram a ele e a sua filha de 16 anos a se deitarem no chão sob a mira de uma arma”, diz Yaroslav Sivulskiy, porta-voz da Associação Européia das Testemunhas de Jeová. Em maio, em Birobidzhan, uma pequena cidade próxima à fronteira da Rússia com a China, a polícia invadiu 20 residências pertencentes às Testemunhas de Jeová, segundo membros da organização religiosa. Os ataques foram conduzidos por cerca de 150 policiais, que supostamente apelidaram sua operação de “Dia do Juízo Final”. Além de Markin, outras cinco pessoas também foram detidas durante os ataques. Eles podem agora enfrentar até 10 anos de prisão sob a acusação de “organizar a atividade de uma organização extremista”.

A polícia não fez apenas prisões durante a operação nacional; Eles também questionaram dezenas de pessoas, incluindo crianças e idosos. De acordo com Sivulskiy, os oficiais pressionaram algumas pessoas a renunciarem à sua fé, alegando que seriam libertadas se o fizessem. As Testemunhas de Jeová também relataram ataques incendiários em suas propriedades e ameaças de funcionários para remover seus filhos e colocá-los sob os cuidados do Estado. Sob a lei russa, menores podem ser tirados de seus pais se estiverem envolvidos em atividades “extremistas”. (O Ministério do Interior da Rússia não respondeu a um pedido de comentário.)

Em abril deste ano, também foi dado início ao julgamento de Dennis Christensen, um cidadão dinamarquês de 46 anos. Ele foi preso em maio de 2017 por policiais armados vestindo coletes à prova de balas e coletes à prova de balas após invadirem uma sala de orações de Testemunhas de Jeová em Oryol, uma pequena cidade a 225 quilômetros ao sul de Moscou. Os policiais foram acompanhados por investigadores à paisana do serviço de segurança do FSB, de acordo com a filmagem do ataque, enquanto eles vigiavam cerca de três dúzias de participantes, incluindo crianças.

Dennis Christensen, o Dinamarquês detido na Rússia.  PHOTOGRAPH BY SIMON KRUSE

As autoridades mantem preso Christensen em um centro de detenção policial desde sua prisão. As condições na cadeia são sombrias, disse ele a repórteres recentemente. Ele foi forçado a se lavar com água de garrafas plásticas e sobreviver de restos de grãos e outros alimentos quase não comestíveis. Sua saúde se deteriorou atrás das grades: sua esposa, Irina, diz que sofreu de dores nas costas, problemas digestivos e infecções de ouvido. Christensen, que vive na Rússia desde 2000, pode pegar até 10 anos de prisão se for considerado culpado por organizar reuniões de oração. Funcionários da embaixada dinamarquesa compareceram a audiências judiciais, mas até agora não fizeram declarações públicas sobre o julgamento.

Enquanto a repressão continua, grupos de direitos humanos estão falando. “Resolver legalmente o caso contra Christensen seria um bom primeiro passo para acabar com as invasões e outros processos criminais contra pessoas que estão meramente praticando sua fé”, diz Rachel Denber, vice-diretora da Europa e Ásia Central da Human Rights Watch.

Memorial, a mais antiga organização de direitos humanos da Rússia, descreve Christensen como “a primeira pessoa na história da Rússia moderna a ser privada de sua liberdade por causa de sua afiliação religiosa”.

O julgamento de Christensen pode ser o primeiro do tipo nas últimas décadas, mas a Rússia tem uma longa e obscura história de perseguição religiosa. Autoridades na União Soviética executaram pelo menos 200.000 membros do clero ortodoxo russo, de acordo com registros do Kremlin, enquanto milhões de outros cristãos enfrentaram prisão ou discriminação nas mãos do Estado oficialmente ateu. Para as Testemunhas de Jeová da Rússia, as prisões e invasões são um retrocesso a esses anos de terror. “Crentes mais velhos nos dizem que o que está acontecendo agora é simplesmente uma continuação do período soviético. Os mesmos métodos de repressão estão sendo usados ​​”, diz Sergei, uma Testemunha de Jeová baseada em Moscou. (Como muitos outros membros do movimento, ele pediu à Newsweek para não revelar seu sobrenome por questões de segurança).

Putin, à esquerda, e o patriarca Kirill de Moscou acendem velas no Mosteiro da Nova Jerusalém, na cidade de Istra. VALERY SHARIFULIN/TASS/GETTY

A diferença é que as autoridades soviéticas atacavam seguidores de todas as religiões sem exceção; Desta vez, o Kremlin está agindo com a aprovação e apoio de seu poderoso aliado, a Igreja Ortodoxa Russa. Embora a constituição da Rússia estipule uma divisão entre a Igreja e o Estado, os críticos dizem que o Kremlin e a Igreja se tornaram desconfortavelmente próximos durante o governo de quase duas décadas de Putin. Nos últimos anos, o Patriarca Kirill, líder da Igreja, fez declarações públicas sobre uma série de questões, desde a “guerra santa” da Rússia na Síria até a “abominação” do casamento gay. O patriarca também descreveu o governo de Putin como um “milagre de Deus”.

Kirill não falou publicamente sobre a campanha do estado contra as Testemunhas de Jeová, mas os porta-vozes da igreja têm sido fervorosos em seu apoio a ela. “[As Testemunhas de Jeová] manipulam os sentidos das pessoas e destroem mentes e famílias”, diz o metropolita Hilarion, um assessor do patriarca. Ativistas cristãos ortodoxos ultraconservadores próximos a Kirill também saudaram a decisão da Suprema Corte de proibir o grupo. “As Testemunhas de Jeová estão tentando forçar uma religião estrangeira aos russos. Mas ninguém quer vê-los aqui, e eles devem voltar ao lugar de onde vieram ”, diz Andrey Kormukhin, fundador do Sorok Sorokov, um grupo ativista descrito por seus críticos como a“ unidade de combate ”da Igreja Ortodoxa Russa. Em uma pesquisa de opinião realizada no ano passado, 80% dos russos apoiaram a proibição das atividades das Testemunhas de Jeová. Essa é aproximadamente a mesma porcentagem da população que se identifica como cristãos ortodoxos russos.

Como muitos outros grupos religiosos, incluindo a Igreja Ortodoxa Russa, as Testemunhas de Jeová têm sido abaladas nos últimos anos por escândalos de abuso infantil. Na Grã-Bretanha, dezenas de membros atuais e antigos alegaram em março que foram agredidos sexualmente. Eles também acusaram membros sêniores de encobrir o abuso. “Os anciãos tratam as vítimas de abuso infantil com compaixão, compreensão e bondade”, disseram as Testemunhas de Jeová em um comunicado. No entanto, não houve alegações de abuso infantil contra o grupo religioso na Rússia, e os advogados do Ministério da Justiça não citaram a questão antes da decisão da Suprema Corte de classificá-los como extremistas. [ LEIA O ARTIGOO BOATO MENTIROSO de que há muita Pedofilia entre as Testemunhas de Jeová]

Apesar do entusiasmo da Igreja Ortodoxa Russa pela tentativa do Estado de suprimir as Testemunhas de Jeová, alguns analistas dizem que a decisão de aprovar uma proibição nacional provavelmente foi motivada por preocupações políticas e de segurança. “As Testemunhas de Jeová foram alvejadas porque não apoiam a onda de patriotismo que varre o país durante o confronto com o Ocidente”, diz Roman Lunkin, analista de religião da Academia Russa de Ciências, em Moscou. “Há um medo real de religião e atividade religiosa entre as autoridades e os serviços de segurança”.

Ativista da Igreja Ortodoxa Andrei Kormukhin, centro. MIKHAIL POCHUYEV/TASS/GETTY

Essas ansiedades, acrescenta Lunkin, estendem-se até mesmo ao ativismo civil dos cristãos ortodoxos russos. “Putin pode ser um cristão ortodoxo, mas se você estiver nas ruas de Moscou com uma placa dizendo” vamos construir uma comunidade cristã na Rússia “, então, segundo nossas leis, você pode ser preso”, diz ele. Sem surpresa, algumas Testemunhas de Jeová querem sair da Rússia. Porta-vozes estimam que centenas tenham fugido do país nos últimos meses. Ainda assim, dezenas de milhares de pessoas estão determinadas a permanecer e veem a repressão do Kremlin como um teste de suas convicções. “Meus anos servindo a Jeová Deus sob uma proibição me ensinaram que isso torna um crente ainda mais forte”, diz Pavel Sivulskiy, 86, que diz que passou sete anos em um gulag soviético por suas crenças.“ Rezamos com mais frequência e mais ardentemente e estamos juntos com mais frequência”.

Uma Bíblia das Testemunhas de Jeová. SCOTT KEELER/TAMPA BAY TIMES/AP

Com seus[salões do Reino] fechados, as Testemunhas de Jeová da Rússia recorreram à prática da era soviética de se reunir em segredo nas casas uns dos outros. Em uma reunião recente em um quarto num apartamento no norte de Moscou, cerca de duas dúzias de homens e mulheres discutiram as Escrituras, oraram e ouviram palestras sobre as virtudes do perdão. Pessoas saíam da pequena sala para a cozinha, cantando hinos suavemente para não alertar os vizinhos. Muitos dos presentes disseram ter descoberto a religião nos anos 90, após o colapso da União Soviética, quando milhões de russos exploraram ideias outrora proibidas. “Estamos feridos e insultados pela proibição de nossas crenças religiosas”, diz Yelena, uma mulher idosa dona do apartamento. “Mas não estamos com medo. Como podemos ter medo quando temos fé?

TRADUÇÃO: Queruvim
Anúncios
Os comentários e os trackbacks estão atualmente desativados.