Livros Rabínicos Antiquíssimos Revelam a Pronúncia do Tetragrama


Documentos antiquíssimos vieram a lume recentemente, alguns deles jamais divulgados ou sequer publicados. Estavam escondidos em um banco de dados da Universidade Bar Ilam em Israel e foram objetos de pesquisa do erudito Nehemia Gordon, Mestrado em Estudos Bíblicos e Bacharel em Arqueologia pela Universidade Hebraica de Jerusalém. São livros e comentários escritos por rabinos judeus de diferentes eras, alguns remontando ao século 13 e são tão antigos quanto o Sefer HaShem (na primeira imagem abaixo), escrito no ano 1225. O notável nestes documentos antigos é a menção de que o Nome de Deus, longe de ter sua pronúncia perdida como tem sido repetido todo tempo, sempre foi pronunciado pelos rabinos de diferentes séculos!

 

 

 

Ao contrário do que afirmam diversas obras de referências, enciclopédias e Comentários da Bíblia, o Nome de Deus não teve sua pronúncia perdida, mas houve claramente uma conspiração para se ocultar este nome. O rabino abaixo não disse que não sabia a pronúncia, mas que esta estava “escondida”, contrariando diversas obras de pesquisa, tais como a Enciclopédia Judaica. A Enciclopédia Judaica afirma que o Nome é “impronunciável” ou como dizem “inefável”. Isso simplesmente não é verdade. Infelizmente, esta tem sido uma informação repetida todo tempo por quase todo mundo.

 

 

 

 

 

Abaixo a revelação da parte de outro rabino de que o Nome é pronunciado com AS VOGAIS HEBRAICAS Shevá, Holam e kamatz que são as vogais E, O e A .

 

 

 

Outro rabino diz que as vogais da palavra LeOlam são as mesmas do Tetragrama.

Esta palavra hebraica significa “para sempre”.

 

 

O erudito Nehemia Gordon é um dos tradutores dos Manuscritos do Mar Morto. É perito em hebraico antigo e afirmou ter pesquisado durante meses e com muito esforço a fim de descobrir afinal o que dizem fontes judaicas e não as fontes normalmente consultadas para se saber a pronúncia original do Nome de Deus. Muitos recorreram aos gnósticos,  textos gregos e outros e deixaram de buscar na fonte principal, a literatura rabínica antiga, devido à desinformação e repetição de que “os judeus não sabem”, ou “os judeus perderam a pronúncia original do Nome” etc.

 

Portanto, sabemos que a pronúncia original do Nome de Deus era Yehováh

Devemos ter em mente porém que os escritores do N.T não preservaram a exata pronúncia dos nomes judaicos do V.T

Por exemplo, em Mateus 1:1 o apóstolo usa a palavra Iesus para se referir a Jesus e não Iehoshúa´ usada a milênios. Isso mostra que não é necessários empregar uma exata correspondência fonética no que concerne ao Nome de Deus. A forma Jeová é amplamente usada e não pode mais ser suplantada ou substituída. Leia o artigo sobre a letra J

 

Anúncios
Os comentários e os trackbacks estão atualmente desativados.