“e a palavra era um deus” João 1:1c


Ἐν ἀρχῇ ἦν ὁ Λόγος, καὶ ὁ Λόγος ἦν πρὸς τὸν

en      archē  ēn  o      logos       kai      o       logos     ēn      pros          ton

Θεόν, καὶ Θεὸς ἦν ὁ Λόγος.

 theon   kai         theos   ēn     o  logos

Na cláusula em destaque acima em João 1:1c, sabemos que a tradução mais exata é  “e um deus era a palavra”. Por vários motivos. Theós está no nominativo, portanto, se o Logos fosse o próprio Theós (com quem ele estava) o texto diria  και ο θεος ην ο λογος. O Apóstolo empregou um substantivo anartro sem enfatizar o sujeito ao remover o artigo nominativo. Fica claro que o escritor não estava destacando o sujeito mas o predicativo, dando a entender que ο λογος era um deus.  Portanto, não somente a ausência do artigo mas o fato do substantivo ser nominativo e ficar sem o artigo são duas evidências em uma de que Jesus (o  logos), não é o Deus Todo Poderoso em forma humana, como afirmam alguns.

O texto diz que este estava “com Deus”.

O Verso 3 diz que o mundo foi feito “por intermédio” dele. Emprega-se a preposição grega διά mostrando que alguém no princípio criou o mundo “por intermédio de” Jesus, sendo que Jesus foi um agente passivo ou intermediário na criação. A bíblia jamais emprega o verbo criar com referência a Jesus. Mas somente a JEOVÁ (Yhwh). Isso não é percebido pelas Igrejas que usam bíblias que removeram o Nome de Deus e substituíram por palavras a bel prazer.

 

 και θεος ην ο λογος

E    um deus   era       a     palavra

Interessante que Jesus é mencionado como alguém que “era” um  Theós. Ou seja, ao ter sua vida transferida para o ventre da virgem judia chamada Maria, Jesus  σαρξ εγενετο (sarx egeneto) ou “carne tornou-se”. Neste estado não era mais um Theós, um deus. A partir deste momento Jesus era de natureza humana e não divina. Ele “era um deus”. A palavra de Deus inviabiliza o ensino de que Jesus era 100% Deus. Isso simplesmente não existe na Bíblia!

 

Visto que por meio de Adão foi perdida uma vida humana perfeita, nenhuma vida humana imperfeita poderia comprá-la de volta. (Salmo 49:7, 8) Era preciso um resgate que tivesse o mesmo valor daquilo que foi perdido. Isso se harmoniza com o seguinte princípio de justiça perfeita, que se encontra na Palavra de Deus: “Será vida por vida.” (Deuteronômio 19:21) Assim, o que cobriria o valor da vida humana perfeita que Adão perdeu? O exigido “resgate correspondente” teria de ser outra vida humana perfeita.

Em harmonia com isso, Jesus ocupou o lugar de Adão com o fim de nos salvar. Por sacrificar sua vida perfeita, ou abrir mão dela, em obediência impecável a Deus, Jesus pagou o preço do pecado de Adão. Com isso, ele trouxe esperança para os descendentes de Adão. — Romanos 5:19; 1 Coríntios 15:21, 22.

Se Jesus fosse um ser maior que homens e que anjos, não poderia ter oferecido um sacrifício correspondente ou exato. O preço pago seria maior do que o resgate exigido pela balança da justiça de Jeová Deus. É falta de conhecimento da Bíblia dizer que Jesus era 100% Deus. A Bíblia se refere a ele em Hebreus 2:7 e diz que foi feito “menor que os anjos” ao se tornar humano na terra.

Tudo isso mostra claramente que o ensino da trindade é falso e uma enganação para diluir a unicidade e incomparável grandeza de Jeová Deus.

 

 

 

Anúncios
Both comments and trackbacks are currently closed.

Comentários

  • Jorge Agostinho  On 15 set 2017 at 4:47

    Excelente artigo! Muitíssimo obrigado por partilhares matérias tão claras como a luz brilhante da manhã, que clareia mais e mais até á plena luz do dia. Pr 4:18
    Que Jeová nosso querido Deus o abençoes mais e mais.

    Curtir

  • Saga  On 17 set 2017 at 10:06

    “και θεος ην ο λογος

    E um deus era a palavra
    Interessante que Jesus é mencionado como alguém que “era” um Theós”

    Este detalhe do era sempre me chamou atenção.

    Curtir