Quem é THEÓS em João 1:1 e por que João não empregou THEIOS em João 1:1c?


Quem é THEOS em João 1:1c? O Apóstolo João no contexto deixa claro que o LOGOS estava com TON THEON (o Deus) no princípio. O apóstolo afirma isso duas vezes! Assim, deveria ser evidente que João não está dizendo que o LOGOS era TON THEON com quem ele estava no princípio. Portanto, ao dizer que o LOGOS era  THEOS (1:1c), fica claro que João não usou  THEOS aplicado ao LOGOS da mesma maneira como ele fala de TON THEON. Que há um significado secundário dado à palavra THEOS é demonstrado em diversas passagens, inclusive em uma  citação de Jesus do Salmo 82: 6 registrada por João em João 10: 34,35. Jesus disse que os “deuses” (em grego, THEOI, plural de THEOS) são aqueles a quem foi dirigida a palavra de Deus. Tais “deuses” mencionados no Salmo 82:6 são juízes humanos.

Juízes

Mas por que o Salmo 82:6 se referiu a Juízes do antigo Israel como “deuses”? São eles ídolos ou falsos deuses? Não, não há razão alguma para crermos nisso. Em vez disso, tal passagem demonstra que a palavra grega THEOS pode ser usada de outra maneira. THEOS nem sempre se refere ao Deus Todo-Poderoso. THEOS no NT é empregado da mesma forma que seu equivalente em Hebraico, a saber  ELOHIM, ou seja, se refere a alguém ou algo que possui poder ou exerce um grande poder sobre outros. (Veja Fil. 3:19; Êxodo 7:1; 2 Cor. 4:4)  Assim, THEOS no NT e Elohim do VT,  não se refere exclusivamente ao Ser Supremo, Jeová Deus. João enfatiza duas vezes que o LOGOS não é TON THEON (O Deus) ao afirmar que o LOGOS estava com TON THEON e isso é totalmente ignorado pela maioria dos apologistas e teólogos da Cristandade. O próprio Jesus fala a respeito de si mesmo como tendo uma glória junto (em grego PARÁ,  literalmente “ao lado “) do único Deus Verdadeiro antes do mundo da humanidade ter sido criado . (João 17: 1,3,5) Assim, fica claro que o emprego de THEOS por João aqui se refere a alguém que não é o Deus Todo Poderoso.  Jesus estava com TON THEON mas ele não era TON THEON com quem estava e “junto” de quem esteve na criação do Mundo. Ele era  um dos “deuses” ou “poderosos”, tendo uma glória com Deus seu Pai antes que o mundo da humanidade fosse feito. – João 17: 5.

Alguns com pouca informação debatem sobre a palavra THEOS e se esta aparece com letras maiúscula ou minúsculas. Quando João o evangelista escreveu o texto grego não havia tais convenções modernas. O texto mais antigo é todo UNCIAL. Portanto, encontraria o texto escrito desta forma:

NOPRINCIPIOERAAPALAVRAEAPALAVRAESTAVACOMODEUSEDEUSERAAPALAVRA

Em outras palavras, ao ler o texto ignore se a palavra “Deus” era escrita com letras maiúsculas ou minúsculas (deus).

Todo o contexto imediato ou circundante demonstra que Jesus Cristo, o LOGOS não é o próprio Deus Todo Poderoso. Ele estava com Deus, ao lado de Deus e o mundo veio a existir “por intermédio dele”. ( João 1:3) O texto não diz que o mundo foi feito “por ele” como dizem muitas versões sutilmente inexatas. Tudo isso é ignorado pelos Evangélicos e outros ao interpretarem as palavras registradas pelo apóstolo João. Costumam “pular” para outros textos a fim de tentarem a todo custo provar que Jesus e Deus são da mesma “essência”. A propósito, “essência” foi uma palavra que emprestaram da filosofia platônica. Portanto, João 1:1 fala de dois deuses e sequer sugere uma “trindade”.

Alguns dizem que afirmar isso é ser “politeísta”. Se assim fosse quem escreveu o Salmo 8:5 era politeísta, uma vez que chamou os anjos de “deuses”! Na verdade os judeus, usados por Deus para escrever a Bíblia, acreditavam na existência de muitos deuses legítimos. Eles consideravam os juízes como sendo “deuses”. (Salmo 82:6) É evidente que o Antigo Israel acreditava numa multiplicidade de seres divinos, conforme nos revelam numerosos textos bíblicos. Após a libertação do Egito os próprios Israelitas cantavam conforme lemos em Exodo 15:11: “Quem é semelhante a tí entre os deuses ó Jeová ?”  Politeísta é alguém que acredita e  adora muitos deuses. Certamente este não era o caso dos judeus da antiguidade. (Para um entendimento correto sobre o que é politeísmo leia este artigo)

Isto está em harmonia com o texto escrito por Paulo sob inspiração …texto este que peço que prestem atenção na parte em destaque , o texto de 1 Cor. 8:5,6:

“Pois, embora haja os que se chamem “deuses”, quer no céu, quer na terra, assim como há muitos “deuses” e muitos “senhores”.

Voltando a nossa análise de João 1:1, visto que o substantivo THEOS na frase “a palavra era Deus” não ocorre depois de um artigo definido, ou seja, é um substantivo anartro, observa-se que João manipulou o uso de THEOS omitindo propositalmente o artigo, algo que um trinitário jamais faria, dando a entender que o LOGOS era “um deus”.

 

Se João quisesse dizer que Jesus era “divino”, não teria ele usado o adjetivo grego para “divino” [θεῖος :theios] ?

 

Certos defensores da trindade argumentam que “se João quisesse dizer que Jesus tinha qualidades divinas, teria usado o adjetivo para “divino” [theios] como em At. 17:29 e 2 Pe 1:3. Ao invés, João usou a palavra para Deus, “theos”.  É correta tal afirmação?

O Apóstolo João não empregou θεῖος “divino” ao LOGOS visto que contrastou THEOS com TON THEON. Um substantivo anartro expressa muito bem um sentido qualitativo. Em Atos 28:6 o substantivo é anartro e cumpre bem esta função. Afirmar que João deveria empregar θεῖος é enganoso e uma “definição restrita”. Na mente deles é como se θεῖος fosse a única maneira de afirmar que Jesus era “um deus”. O que me espanta é que nos livros mais elementares de gramática grega substantivos anartros cumprem naturalmente uma função qualitativa e ninguém questiona isso. Mas quando o texto é João 1:1, ignora-se o contexto, emprega-se falácias como a da “definição restrita” e recorre-se a filosofias humanas. Uma versão da Bíblia usada em predileção pela Igreja evangélica de língua inglesa é a Versão Rei Jaime e esta verte a palavra Elohim (deus ou deuses) por “poderoso” em diversos textos. (Veja por exemplo: Gênesis 23:6) Esta é uma tradução literal do substantivo Elohim. João tinha isto em mente ao empregar THEOS ( o equivalente do hebraico Elohim) em seus texto inspirado de João 1:1c. Em parte alguma das Escrituras Jesus é chamado de Todo Poderoso. Este título é aplicado somente a Jeová, seu Deus e Pai.

Paulo empregou o adjetivo θεῖος ao se dirigir aos gregos. Isto se dá visto que era popularmente empregado entre os filósofos gregos e politeístas do mundo grego antigo. Entendemos também que os judeus, assim como o Apóstolo João que também era judeu, dificilmente iria se referir a Cristo empregando uma terminologia usada normalmente por pagãos ao falarem de suas “deidades” presentes na mitologia grega.

 

 

 

Both comments and trackbacks are currently closed.