A Igreja Evangélica faz “parte do mundo” alienado de Deus


Jesus falando sobre seus verdadeiros seguidores afirmou que estes “não fazem parte do mundo” assim como ele não fazia parte do mundo. João 17:16. Como assim? Jesus não se envolveu com política partidária, corrupção ou imoralidade deste mundo. No Evangelho de João, no capítulo 6 verso 15 lemos:

“Então Jesus, sabendo que estavam para vir pegá-lo a fim de fazê-lo rei, retirou-se novamente para o monte, sozinho”.

De fato, a forma de Governo defendida por Jesus não era humana. Eclesiastes 8:9 diz que o “homem domina homem para o seu prejuízo”. A verdadeira palavra de Deus, diz que Deus removerá os Governos humanos. Daniel 2:44. Em harmonia com tudo isso Cristo afirmou:

“Meu Reino [ou Governo]não faz parte deste mundo. Se meu Reino fizesse parte deste mundo, meus assistentes teriam lutado para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas o fato é que o meu Reino não é daqui.” João 18:36  Este modelo deixado por Cristo é seguido corretamente apenas pelos verdadeiros cristãos.

A Igreja Evangélica ignora tudo isso e apresenta evidência claras de que não representam a Cristo.

Observe o vídeo abaixo onde o Presidente do “parlamento” Brasileiro, a Câmara dos Deputados, se identifica como sendo evangélico e recebe todo apoio da Igreja. Pouco tempo depois o mesmo político evangélico e professo “cristão” é citado como sendo beneficiário de dinheiro desviado em um dos maiores escândalos de corrupção da história da humanidade.

Neutralidade quanto a cargos políticos

Observe o que dizem respeitados historiadores a respeito dos primitivos cristãos, os seguidores de Jesus que viviam há 2000 anos:

“Ao passo que eles inculcavam as máximas da obediência passiva, recusavam-se a tomar qualquer parte ativa na administração civil ou na defesa militar do império. (…) Era impossível que os cristãos, sem renunciarem a um dever mais sagrado, pudessem assumir o caráter de soldados, de magistrados ou de príncipes.”  History of Christianity, de Edward Gibbon, 1891, pág. 162-3

“Os cristãos (…) evitavam cargos públicos e o serviço militar.”  The Great Events by Famous Historians, de F. P. G. Guizot, editado por R. Johnson, 1905, Vol. III, pág. 246

“O primitivo cristianismo foi pouco entendido e foi considerado com pouco favor pelos que governavam o mundo pagão. Os cristãos recusavam-se a participar em certos deveres dos cidadãos romanos. Os cristãos (…) achavam que era uma violação da sua fé entrar no serviço militar. Não queriam ocupar cargos políticos. Não adoravam o imperador.”  On the Road to Civilization, A World History, Filadélfia, EUA, 1937, de A. K. Heckel e J. G. Sigman, pág. 237, 238

O que os evangélicos em suas centenas de seitas conflitantes não entendem neste respeito são as palavras do Apóstolo Pedro que disse:

“Cristo sofreu por vós, deixando-vos um modelo para seguirdes de perto os seus passos.” (1 Pedro 2:21) Cristo não se envolveu com o mundo político e deixou um “modelo” que é seguido hoje , não pelos evangélicos, mas pelos verdadeiros cristãos.

 

Both comments and trackbacks are currently closed.