Conselho de cidade israelense cancela evento das testemunhas de Jeová 


O Grupo anti-missionário Yad L’Achim alegou que os cristãos estavam planejando um “batismo em massa [de judeus]” e lançaram uma campanha de protesto em Ra’anana.

Prefeitura Ra'anana. Foto por Sharon Bukov

Prefeitura Ra’anana. Foto por Sharon Bukov

O município de Ra’anana  cancelou um evento organizado pelas Testemunhas de Jeová em Israel, preocupado que a reunião do grupo religioso  pudesse “ferir os sentimentos do público.”

O evento, que deveria ter sido realizada sábado em Ra’anana no centro desportivo municipal, foi cancelado após pressão da parte do grupo anti-missionário Yad L’Achim.

Embora o evento a ser  realizado incluiria apenas um seminário, Yad L’Achim  avisou no início da semana que seria um “batismo em massa.” Quatro membros ortodoxos do município disseram que pediriam demissão se o evento ocorresse.

O Tribunal Distrital de Lod rejeitou uma petição a favor da associação, Watchtower para Israel, por uma ordem de emergência para permitir que o evento fosse realizado.

Na quinta-feira à tarde, o município de Ra’anana postou em sua página no Facebook que, quando se soube que as Testemunhas de Jeová “estavam planejando realizar uma palestra em Ra’anana, em vista do desejo de respeitar os sentimentos dos moradores da cidade – e por causa da preocupação séria e real de que ações duras poderia deteriorar-se na perturbação da paz e temendo a segurança dos moradores – o município manteve conversações em conjunto com a Polícia de Israel e o grupo para dissuadi-los de realizar o evento em Ra’anana por consenso. Infelizmente, esses esforços foram infrutíferos, de modo que o município foi obrigado a informar o grupo que o evento foi cancelado. ”

O município negou que Yad L’Achim ou a ameaça de demissão dos vereadores ortodoxos havia desempenhado um papel na sua decisão.

Após a recusa do município na quinta-feira de permitir  o evento, as Testemunhas de Jeová foram ao tribunal, alegando que as ações do município constituíram uma violação da liberdade religiosa e que tinham o direito de realizar o evento nas instalações municipais. A cidade respondeu que tinha o direito de impedir que o evento ocorresse.

O tribunal rejeitou a petição das Testemunhas de Jeová e é esperado a publicação de uma decisão esta semana a respeito de tais eventos no futuro.

O município de Ra’anana disse que “congratula-se com o veredito do tribunal, que considerou corretamente as circunstâncias e decidiu não ordenar que o evento fosse realizado.” O município também disse que vai “continuar a trabalhar para o bem dos moradores da cidade por respeito e reconhecimento das necessidades e desejos de todos os moradores. ”

Yad L’Achim afirmou nesta quarta-feira que “vários ônibus em todo o país trariam  judeus inocentes para serem batizados no sábado em Ra’anana no centro de esportes municipais.” Pediram a seus apoiadores para pressionar a cidade a fim de não realizarem o evento. Posteriormente, publicou-se uma carta assinada pelo vice-prefeito Chaim Goldman e seus colegas membros da facção ortodoxa – vereadores Drora Cohen, Eli Cohen e Shlomo Friedman – que “se o evento ocorresse, a facção não se incluiria como um dos parceiros na coalizão”.

Na sexta-feira à tarde, Yad L’Achim disse que era “um prazer anunciar que a cooperação entre várias facções, incluindo o rabino-chefe de Ra’anana, o rabino Yitzhak Peretz, os vereadores religiosos, os moradores de Ra’anana e judeus que cuidam de todo o país e que atenderam nosso apelo e protestos expressos, a pregação e batismo do evento foi cancelado. “O comunicado acrescenta que Yad L’Achim” agradeceu a todos os que participaram e ajudaram na cancelamento, e, assim, contribuído para a santificação de Deus.”

Em março passado, o Tribunal de magistrado de Rishon Letzion  rejeitou o pedido das Testemunhas de Jeová em Israel para permitir que realizassem atividades semanais em uma sala de aula no Colégio Raziel. A cidade alegou que cancelou seu contrato com o grupo antes que a  autorização necessária  fosse emitida porque o diretor da escola entendeu que a atividade envolvia ostensivamente um grupo missionário cristão cuja fé vai de encontro aos objetivos educacionais na rede pública de ensino de Israel.

As Testemunhas de Jeová argumentaram, sem sucesso, que o cancelamento foi resultado de considerações estranhas e constituíam discriminação religiosa.

As Testemunhas de Jeová são um movimento religioso baseado no Cristianismo…[ ]… conhecidos por sua abordagem evangélica, indo de porta em porta para espalhar a palavra de Jeová (Deus). Há uma estimativa de 8 milhões de “testemunhas” de todo o mundo, incluindo mais de um milhão nos Estados Unidos.

Link original: http://www.haaretz.com/news/national/.premium-1.652440

Informação adicional

The State Department notes in its 2001 report, however, that the negative feeling toward proselytizing of Israeli Jews goes beyond Lev L’Achim:

“Societal attitudes toward missionary activities and conversion generally are negative. Israeli Jews frequently are opposed to missionary activity directed at Jews and occasionally are hostile toward Jewish converts to Christianity. Such attitudes often are attributed to the frequent periods in Jewish history in which Jews were coerced to convert to Christianity.”[10]

Jehovah’s Witnesses filed over 120 complaints about instances of harassment by these groups during 1998 and 1999, yet there have been no indictments or prosecutions. At the same time, a member of the Jehovah’s Witness was arrested and charged with “offending religious sentiment” for allegedly distributing religious literature at Tel Aviv’s central bus station on March 1, 1999. The complainant was Yad L’achim member. The Jehovah’s Witness claimed he was being singled out for prosecution because he had filed five complaints against Yad L’achim.[11]

Both comments and trackbacks are currently closed.