Seol e Hades significam o inferno da cristandade?


Representação artística Fonte:http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1102013259

Postado por O Apologista da Verdade |

O mesmo leitor citado no artigo anterior, após minhas considerações sobre Seol e Hades, enviou o seguinte comentário:

Olá, estudando Jonas 2.2 nas mais variadas traduções descobri que algumas traduzem Seol por ALÉM (lugar para onde vão as almas dos mortos), o que é uma boa definição do termo; outras traduzem por INFERNO, o que também é bem traduzido. Afinal de contas, Jonas não estava em tormentos? E ainda outras traduções mais atuais traduzem por ABISMO, o que para mim é a melhor tradução, pois Jonas estava em um lugar escuro e profundo, ou seja, ele tinha o conceito de Seol como sendo um lugar PROFUNDO, FORA DESTE MUNDO e de um terrível TORMENTO. Portanto, Seol não pode ser traduzido neste texto como uma “futura sepultura” pois Jonas estava no Seol no TEMPO PRESENTE e não se referindo ao futuro; pois, para ele, o Seol era um lugar de tormento CONSCIENTE, de atividade mental: pois ele até mesmo orou a Deus dentro do ventre do Seol e Deus ouviu sua oração.

Quanto a Lucas 16.23, a ÚNICA tradução possível é INFERNO, pois todo o contexto sequencial afirma que é um lugar de sofrimento consciente e de grande angústia. (Lucas 16.24, 25) Ou seja, Hades é UM LUGAR DE TORMENTO (Lucas 16.28) É isso o que está escrito em minha Bíblia do Novo Mundo que ganhei duma testemunha de Jeová.

Obs.: a boa interpretação bíblica é aquela em que a pessoa que a interpreta faz isso com o que chamo de HONESTIDADE INTELECTUAL, ou seja: extrair do texto o que ele realmente diz e não o que eu quero que ele diga; eu me esforço em praticar isso.

Um abraço, apologista.

Resposta do Apologista:

A honestidade intelectual exige que se interprete uma passagem à base de todas as passagens que falam do mesmo tema e/ou usem a mesma palavra. Seol ocorre 66 vezes no Velho Testamento, e basta ver tais ocorrências para se depreender que se trata de uma condição de inatividade, sem consciência. Seguem abaixo alguns exemplos que comprovam isso:

(Gênesis 37:35) E todos os seus filhos e todas as suas filhas se levantavam para consolá-lo [a Jacó], mas ele se negava a ser consolado e dizia: “Pois descerei pranteando para meu filho ao Seol!” E seu pai continuava a chorar por ele.

(Jó 14:13) Quem dera que me escondesses no Seol, que me mantivesses secreto até que a tua ira recuasse, que me fixasses um limite de tempo e te lembrasses de mim!

(Salmos 6:5) Porque na morte não há menção de ti; No Seol, quem te elogiará?

(Eclesiastes 9:5-6) Pois os viventes estão cônscios de que morrerão; os mortos, porém, não estão cônscios de absolutamente nada, nem têm mais salário, porque a recordação deles foi esquecida. 6 Também seu amor, e seu ódio, e seu ciúme já pereceram, e por tempo indefinido eles não têm mais parte em nada do que se tem de fazer debaixo do sol.

(Eclesiastes 9:10) Tudo o que a tua mão achar para fazer, faze-o com o próprio poder que tens, pois não há trabalho, nem planejamento, nem conhecimento, nem sabedoria no Seol, o lugar para onde vais.

E Hades é o equivalente em grego de Seol. A comparação abaixo torna isso claro:

(Salmos 16:10) Porque não deixarás a minha alma no Seol. Não permitirás que aquele que te é leal veja a cova.

(Atos 2:27) Porque não deixarás a minha alma no Hades, nem permitirás que aquele que te é leal veja a corrupção.

No caso de Jonas, a menção de Seol não está relacionada à aflição dele nem à profundidade aquosa em que ele se encontrava, e sim à possibilidade de o ventre do peixe tornar-se a sua sepultura. Sabemos disso porque Jesus Cristo relacionou a situação de Jonas com a sua SEPULTURA:

(Mateus 12:40) Porque, assim como Jonas esteve três dias e três noites no ventre do enorme peixe, assim estará também o Filho do homem três dias e três noites no coração da terra.

Já no caso de Lucas 16:23, o próprio contexto mostra que se trata de uma PARÁBOLA, uma história fictícia visando provar algo. Isso é tornado claro porque os mortos não têm consciência e, portanto, não podem conversar; uma única gota de água não sacia a sede e, além disso, se evaporaria antes de chegar à língua do Rico; ademais, a alma (no conceito da cristandade) não tem língua, nem dedo, nem bebe água.

Maiores informações sobre essa parábola e o que seus elementos significam se encontram no artigo O Rico e Lázaro – história real ou parábola?

Por permitir que o conjunto total de usos de um termo interprete uma passagem específica é que você realmente poderá dizer que quer extrair do texto o que ele realmente diz e não o que você quer que ele diga.

A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas.

Contato: oapologistadaverdade@gmail.com

Anúncios
Both comments and trackbacks are currently closed.