É a TNM uma Tradução da Bíblia feita somente “a partir do inglês”?


Essa página defende a Tradução da Bíblia usada pelas Testemunhas de Jeová, como sendo a mais exata das traduções do texto sagrado da palavra de Deus. Claro que nunca afirmei que a TNM é sem defeito algum ou uma tradução “perfeita”.

Alguns afirmam que a Tradução do Novo Mundo não é confiável visto que foi traduzida do inglês para o português. Afirmam que é uma “tradução de uma tradução”. Propositalmente evitam dizer que ela é uma tradução feita com consulta exaustiva aos manuscritos em hebraico, Aramaico e Grego. Contam a história pela metade ou falam “meias verdades” a fim de denegrir aquela que é ao meu ver a mais exata das traduções da Palavra de Deus. 

 

Esta página faz a verdadeira apologética ou defesa da verdadeira fé usando o escudo indestrutível da “certeza” de nossa fé. defesadaverdadeA organização de Jeová tem alertado constantemente a todos a respeito do perigo que são os apóstatas e outros opositores que usam de “meias verdades, calúnia ou difamação” para atingir seus objetivos. Pior que uma mentira é uma meia verdade. Esta surge com aparência de verdade, mas não resiste a um exame mais atento. Na realidade, os irmãos que trabalham na Comissão de Tradução da TNM não usam “somente o texto inglês” da New World Translation (Tradução do Novo em Inglês) ao produzirem a TNM para a  língua portuguesa. Trabalham com um software próprio, específico para isto, onde examinam verbos, substantivos e adjetivos em hebraico, aramaico e grego no momento de optarem pela melhor tradução do termo para o português. Em adição a isso, o software fornece estudo a respeito dos termos usados. Veja a declaração Oficial da própria Organização de Jeová:

“O projeto da tradução da Bíblia tem dois estágios. No primeiro estágio, os tradutores recebem uma lista de palavras e de expressões usadas na Tradução do Novo Mundo em inglês. Termos ingleses relacionados, tais como os significando “expiar”, “expiação” e “propiciação”, são agrupados, alertando os tradutores a nuanças sutis de sentido. Estes compilam uma lista de equivalentes vernáculos. Às vezes, porém, o tradutor pode ter dificuldade em traduzir certo versículo. O sistema de pesquisa do computador fornece ao tradutor informações sobre os termos gregos e hebraicos e dá acesso às publicações da Torre de Vigia”.  A Sentinela de 15 de Outubro de 1999 (O destaque é nosso)

Certa Despertai fez o seguinte comentário:

“A edição em inglês da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová, foi traduzida diretamente dos idiomas originais por uma comissão anônima. Essa versão, por sua vez, foi o texto principal usado nas traduções para cerca de 60 línguas. Os tradutores para essas línguas, porém, fizeram comparações minuciosas com o texto nas línguas originais. A Tradução do Novo Mundo tem por objetivo uma tradução literal do texto na língua original quando isso não obscurece seu significado. Os tradutores procuram fazer com que a Bíblia seja tão compreensível para os leitores de hoje como o texto original era para os leitores nos tempos bíblicos”.

E ainda que fosse verdade a afirmação de que a TNM é feita somente a partir da tradução em inglês, jamais verá alguém comentando o caso das principais versões usadas no Brasil e nos Estados Unidos,  produzidas a partir do texto da Vulgata Latina ou de outros textos, que não os manuscritos padrões. Podemos citar exemplos bem conhecidos. Atentem para as palavras sublinhadas a medida que se se defende mentalmente de mais um ataque sutil feito pelos opositores da adoração verdadeira.

Tradução de António Pereira de Figueiredo 

Esta versão em volume único foi publicada em 1821,foi considerada por muitos como sendo  melhor que a versão Almeida, apesar de não ter sido baseada nos idiomas originais.

A tradução de Figueiredo não foi baseada nos manuscritos e textos originais da Bíblia e sim na Vulgata Latina. Teve boa acolhida entre católicos e protestantes, todavia, eu nunca vi um evangélico criticando-a sob a alegação de que “não é uma tradução dos originais”.

O Padre António Ribeiro dos Santos traduziu os Evangelhos de Mateus e Marcos no final do século XIX, baseado na Vulgata.

Em 1933, com apoio papal, o padre Matos Soares publica sua tradução da Bíblia em português, traduzida a partir da Vulgata. Ganhou a aprovação da Igreja Católica, sendo a mais popular no Brasil, desde que foi publicada em 1942. Já viu alguém criticando a versão Matos Soares por ter sido publicada a partir do Latim ?

A Editora Paulinas publicou desde a década de 1950 até 1990, a Bíblia traduzida da Vulgata Latina pelo padre português Mattos Soares na década de 1930.

Em 2009 foi publicada a versão Reina-Valera em Português, uma tradução brasileira a partir da versão espanhola Reina-Valera.

No Brasil o início das traduções da Bíblia foi algo lento, os autores utilizaram textos já traduzidos das línguas originais para o Latim, foram traduzidos apenas partes e se concentravam no Novo Testamento. Devido à falta de tipografias os textos eram impressos em Portugal. O Bispo refugiado de Coimbra, Joaquim de Nossa Senhora de Nazaré foi o primeiro a se emprenhar nesta tarefa, traduzindo o Novo Testamento da Versão Almeida para o Português a partir da Vulgata.

A primeira versão completa da Bíblia em língua inglesa foi a Bíblia de Coverdale produzida em 4 de Outubro de 1535 a partir do texto alemão de Lutero e da Vulgata Latina.

A lista de Bíblias traduzidas a partir do latim e usadas em outros países é inumerável. Contudo, não verá os oponentes da Tradução do Novo Mudo criticando tais versões da maneira como fazem de modo descarado com a TNM!

Os que afirmam que a TNM é uma versão “a partir do inglês” demonstram serem parciais e desinformados em suas críticas devido a motivos teológicos. Além disso revelam certa insensibilidade a verdadeira critica textual. Por que afirmo isso? Versões da Bíblia posteriores aos autógrafos  foram produzidas em línguas como latim, cóptico, siríaco e armênio. Um exemplo é uma versão cóptica duma parte da Bíblia do sexto  do sétimo século EC. Como é que versões como estas ajudam os peritos bíblicos e os críticos textuais? Tais versões são em geral traduções mui literais dos manuscritos gregos que os tradutores usaram. “Se o texto grego usado pelo tradutor era bom”, explicou o Sr.Wilfrid Lockwood, bibliotecário do Museu de Dublim, “é evidente que a versão proverá importante ajuda na tarefa de recuperar as palavras originais do grego”.

Em Dublim, Irlanda,  os papiros Chester Beatty são os mais preciosos manuscritos na biblioteca. Foram escavados de um cemitério cóptico (egípcio) por volta do ano de 1930. “[Foi] uma descoberta”, disse Sir Frederic Kenyon, “que se rivaliza apenas com a do Códice Sinaítico”. Observe então como os verdadeiros eruditos encaram um tradução literal da palavra de Deus, como sendo um tesouro. Será que estes eruditos ou pesquisadores rejeitaram textos coptas sob a alegação de que são “traduções dos textos em hebraico e grego”?

A Organização de Jeová também publicou a seguinte informação a respeito do procedimento das Comissões de Tradução:

 

“Tradução para outras línguas

No ano em que a edição completa da Tradução do Novo Mundo em inglês foi pela primeira vez publicada num único volume, ou seja, em 1961, foi reunido um grupo de tradutores peritos para traduzir o texto inglês para outros seis idiomas de largo uso — alemão, espanhol, francês, holandês, italiano e português. Traduzir a partir do inglês, suplementado com a comparação com o hebraico e o grego, foi possível por causa da natureza literal da própria tradução em inglês. Os tradutores trabalharam como comissão internacional em associação com a Comissão da Tradução do Novo Mundo da Bíblia, na sede da Sociedade em Brooklyn, Nova Iorque. Em 1963, as Escrituras Gregas Cristãs foram impressas e lançadas em todas essas seis línguas”. jv 607-608 (Destaque é nosso)

Certa publicação Oficial das Testemunhas de Jeová ainda diz:

“…O trabalho de cada tradutor era revisado por outros da equipe, de modo que a tradução se beneficiasse da pesquisa e da experiência de todos. Depois disso, o computador podia ser usado para apresentar determinada passagem das Escrituras, mostrando cada palavra no texto em inglês, um código para o que aparecia na língua original e o equivalente na língua local que fora selecionado. Isso não concluía o trabalho. O tradutor ainda precisava refinar a estrutura das sentenças e torná-las fluentes em sua própria língua. Mas, ao fazerem isso, era vital terem uma compreensão clara do significado do texto. Para ajudá-lo, ele tinha acesso instantâneo pelo computador a comentários publicados pela Torre de Vigia sobre o versículo bíblico ou qualquer expressão nele”. 

 

A TNM é escrupulosamente exata e não foi produzida com base somente no texto da TNM em Inglês, mas mediante constante consulta ao hebraico, aramaico e grego. A Comissão de Tradução da TNM no Brasil consulta exaustivamente o texto hebraico e grego a fim de confirmarem que a opção de tradução transmita mesmo em português as ideias dos manuscritos antigos. Quando a Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas — Com Referências ficou disponível no Brasil, a mídia destacou que era a mais completa versão (isto é, com maior número de referências cruzadas e notas de rodapé) disponível no país. Disse também que a impressão inicial foi dez vezes maior do que a da maioria das edições nacionais.

Anúncios