Porque optei pelo ateísmo- É realístico crer em Deus e na “Criação”?


Convidamos os ATEUS e AGNÓSTICOS bem como pessoas que se decepcionaram com as Igrejas chamadas “cristãs” que opinem sobre o tema acima. Lembre-se, consulte constantemente esta página para ver o que outros partilham com você logo após ter feito seu comentário e expor seu ponto de vista. Esta página está sob moderação, portanto, seja educado e evite a possibilidade de não ter seu comment publicado por falta de respeito ou intolerância. O objetivo aqui não é tentar “provar que o outro está errado” mas partilhar ideias que demonstram os benefícios de viver da forma que percebe ser melhor, visando o bem de todos. Poderão comentar acontecimentos proveniente do noticiário ou algo que lhe aconteceu, na sua vida. Seja bem vindo!

 

 

 

Obs.: Evitem comentários com mais de 50 linhas para responder ou 10 linhas para perguntas

 

Ainda neste webblog:

Leia o artigo ONDE ENCONTRAR AS RESPOSTAS

A Verdadeira História da Criação

Criou Deus o Mundo em 6 dias de 24 horas? 

Deus se arrepende?

Anúncios
Comments are closed, but you can leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

  • Karmo  On 8 de maio de 2014 at 10:30

    Caro Davi,

    A fim de não bagunçar o site TNM e coloborar com o Queruvim, vou postar meus comentários aqui nesse espaço.

    Continuo aguardando suas respostas com os motivos da sua descrença, não precisa provar que Deus não existe (o que eu acho impossível), apenas nos diga o motivo da sua descrença.

    O amigo Alexandre martins falou sobre valores morais, algo que acho muito importante e realmente nos diferencia dos demais animais. Porém, o que mais me impressiona é o projeto nas coisas vivas. Poderia me explicar, como foi que a célula, através de milhões de anos, conseguiu se livrar de invasores e substâncias nocivas sem a proteção da membrana celular? Ela tinha de estar ali desde o início. Isso denota Bem, este é só um exemplo.

    “Gostaria muito que existisse um deus amoroso que pudesse cuidar de nós, seria muito bom…”

    Desculpe a franqueza, mas sua declaração denota um pouco de ingratidão, não acha? Seria a mesma coisa de uma família que não conhece o pai, mas que herdou dele vários bens, entre os quais uma casa bem abastecida, um quintal com vários espaços ajardinados, bem protegida e confortável, simplesmente espalhar a notícia de que o pai morreu, ou não existe, ou pior ainda, de que o pai é o culpado pelos problemas causados pela convivência entre os moradores da casa. Está entendendo?

    Aguardo, então, sua resposta. Respeitarei o pedido de postar apenas 50 linhas por vez, feito pelo Queruvim.

    Até a próxima!

    Curtir

  • Nelson Daniel Papusseco  On 9 de maio de 2014 at 8:27

    acho que os diagnostico precisam consultar mais a biblia.

    Curtir

  • Maison Chaves  On 12 de maio de 2014 at 11:51

    A pedido de um amigo tentarei responder a essa difícil pergunta a qual demorei 5 anos de muita reflexão até chegar a essa posição. Antes de mais nada gostaria de dizer que não foi uma grande perda ou decepção que me levaram a esses questionamentos, eles foram motivados por nada mais que minha própria curiosidade.

    O primeiro ponto que questionei foi, diante a tantas religiões e tão diversas religiões como identificar qual era a certa? Como chegar a Deus se existem tantos caminhos distintos? A essa pergunta conclui que seria pra mim impossível essa identificação simplesmente comparando varias delas.

    Depois disso devido minha criação cristã que não acreditava em qualquer religião me voltei a Bíblia como forma de comunicação divina. Porém a cada dia que se passava encontrava mais duvidas do que respostas. Na bíblia nos não acreditamos em tudo ao pé da letra alguns dos textos são interpretados como metáforas e parábolas enquanto outros são ditames divinos. Em um dado momento percebi que a interpretação da bíblia e seu próprio conteúdo variou no decorrer da historia humana. E que não existe nela ou fora dela um guia definitivo para sua interpretação.

    Nesse momento sem acreditar na igreja ou na bíblia estava contente por ainda acreditar em Deus, mas acontece que não acreditando na bíblia não havia nada que me impedisse questionar a Deus em todos os aspectos concebíveis, histórico, físico, meta-físico e por que não logico. Depois de muito tempo, acredito que nessa fase foi a que fiquei mais tempo, passei por vários desses questionamentos (A bondade de Deus, a influencia e a resposta a orações, o limite de seus poderes, a diferença entre o novo e o velho testamento…) e para cada um deles cheguei a apenas duas respostas plausíveis: Ou Deus não existe ou não se importa. Caso alguém se interesse posso futuramente enumerar alguns desses pontos, mas como na verdade não existe nenhum ponto que seja realmente novo, são todos eles conhecidos e amplamente debatidos entre ateus e teístas.

    Concluindo adoro um debate saudável e estou disposto a responder questionamentos.

    Curtir

  • Kenobi  On 12 de maio de 2014 at 13:04

    Olá Maison Chaves, entendo e aprecio sua curiosidade, mas vamos observar o primeiro questionamento que você fez:

    “O primeiro ponto que questionei foi, diante a tantas religiões e tão diversas religiões como identificar qual era a certa? Como chegar a Deus se existem tantos caminhos distintos? A essa pergunta conclui que seria pra mim impossível essa identificação simplesmente comparando varias delas.”

    Não é preciso estudar e comparar os ensinos de todas as muitas religiões. É preciso apenas aprender o que a Bíblia realmente ensina a respeito da adoração verdadeira. Para ilustrar: em muitos países, existe o problema da falsificação de dinheiro. Se você fosse encarregado de identificar dinheiro falso, como faria isso? Memorizando todos os tipos de falsificações? Não. Seu tempo seria melhor gasto se você o usasse para estudar o dinheiro verdadeiro. Depois de conhecer bem o dinheiro verdadeiro, poderia reconhecer o falso. Do mesmo modo, quando aprendemos a identificar a religião verdadeira, podemos reconhecer as que são falsas.

    É importante que adoremos a DEUS do modo que ele aprova. Muitos acham que todas as religiões agradam a Deus, mas a Bíblia não ensina isso. Também não basta apenas afirmar ser cristão. Jesus disse: “Nem todo o que me disser: ‘Senhor, Senhor’, entrará no reino dos céus, senão aquele que fizer a vontade de meu Pai, que está nos céus.” Portanto, para termos a aprovação de Deus, temos de aprender o que ele exige de nós e pôr isso em prática. Jesus chamou os que não fazem a vontade de Deus de “obreiros do que é contra a lei”. (Mateus 7:21-23) Como dinheiro falso, a religião falsa não tem valor verdadeiro. Pior ainda, esse tipo de religião é realmente prejudicial.

    Curtido por 1 pessoa

  • Karmo  On 12 de maio de 2014 at 22:57

    Caro Maison Chaves, você escreveu:

    “Depois disso devido minha criação cristã que não acreditava em qualquer religião me voltei a Bíblia como forma de comunicação divina. Porém a cada dia que se passava encontrava mais duvidas do que respostas. Na bíblia nos não acreditamos em tudo ao pé da letra alguns dos textos são interpretados como metáforas e parábolas enquanto outros são ditames divinos. Em um dado momento percebi que a interpretação da bíblia e seu próprio conteúdo variou no decorrer da historia humana. E que não existe nela ou fora dela um guia definitivo para sua interpretação.”

    1) Permita-me perguntar, qual era sua religião, ou de que denominação você era antes de se desiludir com o teísmo?

    2) Por que, apesar de ter criação cristã, só se voltou para a Bíblia como um recurso secundário/posterior para busca da verdade?

    3) Na sua opinião, por que a Bíblia ainda é um dos livros mais distribuídos e divulgados no mundo inteiro, inclusive em países onde o cristianismo não prevalece?

    No aguardo de suas respostas a essas três simples perguntas.

    Curtir

  • Alexandre Martins  On 13 de maio de 2014 at 12:26

    Prezado Maison, de tudo que escreveu sobre as razões que induziram você a decidir-se pelo ateísmo, inferimos as seguintes premissas:

    (1) Que a multidão de religiões dificultaram sua aproximação com Deus.

    Ora, mesmo que existissem um bilhão de religiões, isto não implicaria de forma alguma na inexistência de Deus. Mesmo rejeitando as religiões, há tantas evidências lógicas e dedutivas que nos induz a crer que o que vemos ao nosso redor não pode ser obra do acaso cego, e sim de um ato intelectual voluntário.
    Ao contrário do que se conclui, a multidão de religiões existentes nos apontam para o fato de que a crença na existência de um Ser Superior é algo inerente à natureza humana.

    (2) A dificuldade de reconhecer o verdadeiro conhecimento divino na Bíblia.

    Você diz que não há nas Escrituras ou fora dela um “guia definitivo para sua interpretação”. Discordo. O conteúdo bíblico é suficiente para estabelecermos uma interpretação correta e segura dos propósitos divinos. A variação de interpretações, não invalida a possibilidade de que haja uma interpretação correta. O estudo sistemático e profundo da Escritura pode ser a chave para uma compreensão que pode o levar a considerar a possibilidade de sua inspiração divina. O que acho difícil é desenvolver tal certeza à parte de uma orientação externa. o que se chama livre interpretação normalmente redunda em interpretações deficientes e superficiais. Assim como a ciência, que se apoiou sobre os ombros de gigantes, o conhecimento bíblico é cumulativo, e apoiasse no conhecimento gradual revelado pelo Todo-poderoso ao longo da história.

    (3) Ou Deus não existe ou não se importa.

    Das conclusões anteriores você começou a duvidar da existência de um Ser Superior. Só não ficou claro se você é ateu ou agnóstico. Assim, gostaria de conhecer os pontos que lhe conduziram a esta conclusão. Peço somente que apresente-os um por vez.

    Curtido por 1 pessoa

  • Celow-TJ  On 13 de maio de 2014 at 15:09

    Os erros básicos dos ateus (essa lista vai aumentar, não tenham dúvidas)

    1. Os Ateus SEMPRE confundem religião com Deus.

    2. A maioria dos Ateus não entendem a bíblia e por isso fazem juízo de valor errado.

    3. A maioria dos Ateus se fundamentam na descrença de Deus por acharem que o mundo é muito injusto e, se existisse um Deus deveria resolver todos os problemas da humanidade.

    4. Não encontram o porquê do inicio da vida nem o seu propósito, acham que tudo é obra do acaso (burro) construtor do universo.

    5. Acham que todo cristão (ou qualquer outra pessoa que professa acreditar em um ser superior) não conhece a ciência quando na verdade sabemos que a ciência que não é capaz de concatenar elementos da evidencia de Deus ainda por meios que consideram PROBATÓRIOS.

    6. Querem IMPOR o pensamento deles já partindo do pressuposto de que nós acreditamos num ser IMAGINÁRIO, criado por nossa mente, ou seja, ultrapassam o limite da nossa liberdade e prejulgam nosso sentimento. Portanto, não aceitam opinião contrária a realidade que eles acham correta, tornando-se assim inflexíveis.

    Curtido por 1 pessoa

  • Maison Chaves  On 13 de maio de 2014 at 22:26

    Karmo, Respondendo a suas perguntas:
    1 – Eu assim com minha mãe e sua família era Católico. Porém cresci muito próximo a família de meu pai onde todos, principalmente minha avó paterna era, são Testemunhas de Jeová.
    2 – Posso ter dado a impressão errada sobre a bíblia, mas a partir do momento que passei a não fazer mais parte de uma igreja mas ainda me considerava cristão ela passou a ser a unica fonte de conhecimento divino. Em quanto se é parte de uma religião existe vários outras formas, com padres e pastores, parentes amigos que servem de guias religiosos.
    3 – Existem vários fatores que tornam a Bíblia um dos livros mais vendidos e publicados da historia, existe um fator histórico cultural que estimula as pessoas a terem bíblias em casa mesmo que não as leiam, não é incomum casas com mais bíblias que pessoas, acredito que instituições religiosas também são importantes para reforçarem esse numero pois varias delas distribuem em missões de evangelização. Se você tiver material sobre as vendas anuais de bíblias em diversos países por favor me indique, pois não achei muita coisa em fontes confiáveis.

    Curtir

  • Maison Chaves  On 13 de maio de 2014 at 23:21

    Alexandre Martins, antes de comentar a sua resposta gostaria tentar esclarecer um pouco mais meu ponto de vista. Primeira mente eu não escolhi ser ateu, eu apenas conclui com base na evidencias que eu coletei e nas inúmeras reflexões que eu fiz sobre elas que deus não é um agente no nosso universo. Segundo o termo ‘induziram’ da a impressão que eu sou uma criança que foi enganada para fazer algo errado. Não é o caso. A minha posição é fruto das minhas próprias decisões e do meu esforço para compreender algumas duras verdades com as quais me deparei.

    1 – Existem alguns argumentos aqui, primeiro a infinidade de religiões não é argumento para inexistência de deus, mas a falta de instrumentos objetivos para avalia-las como caminho para salvação faz com que estatisticamente você tem mais chances de errar ao escolher uma delas. Lembrando que não estou excluindo as religiões não cristãs. Você fala também sobre as provas logicas e dedutivas, eu estou disposto a ouvir qualquer argumento nesse sentido, mas todos que já me foram apresentados são quando muito inconclusivos, cite alguns caso queira debater mais o assunto. No final você diz que a crença em divindades é algo inerente ao ser humano, nesse ponto não posso discordar aparentemente algo em nosso cérebro nos torna propensos a aceitar manifestações divinas.

    2 – Sobra interpretação da bíblia, vamos pegar uma livre interpretação do Gênesis, toda especie humana descende de um único casal? Noé realmente construiu uma embarcação com um casal cada especie de animal? São estes textos que devem ser levados ao pé da letra ou são parábolas do comportamento humano? Esta resposta varia de acordo com o tempo e com o grupo de pessoas que responde, como saber então a quem perguntar? Pra mim não existe um interpretação ultima e infalível dela, portanto não pode ser tomada como o unica e verdadeira palavra de deus.

    3 – Sou Ateu e Agnóstico ou seja não acredito por falta de provas na existência de um poder Divino Consciente, mas estou aberto a qualquer argumento ou evidencia que possa me provar errado.

    Curtir

  • Saga  On 14 de maio de 2014 at 5:00

    Continuo achando que no caso do rapaz em questão, o problema dele é com o pluralismo religioso. Não vendo porque acreditar religiosamente de modo “assim” e não de modo “assado”, ele acha melhor se abster da crença no divino.

    Eu vejo que esse tipo de coisa deve ser feita por cada individuo; vai acreditar no Deus Trino ou não? Confessa inferno ou não? Crer em reencarnação ou em ressurreição? Usar imagens e crucifixos, ou não? Com certeza todos que creem podem citar argumentos do porque creem (mesmo que seja um motivo bobo), e os que não creem também podem fundamentar sua descrença (mesmo que por um motivo inválido).

    Uma vez tendo feito esse serviço de autoquestionamento religioso e de autoreflexão em suas crenças, a pessoa está livre para se identificar, congregar ou se filiar a entidade religiosa mais conveniente a seu código de crenças e moral, adorando ao objeto de culto com que teve atração emocio-racional; na falta de conhecer uma a contento, livre está para CRIAR UM sistema próprio.

    Os critérios para a seleção de um credo religioso podem ser vários, se inclui a própria razão (“acho que isso faz sentido”, “esse outro ensinamento não tem lógica pra mim”) , a emoção (“me sinto bem aqui” ) e a experiência pessoal (“senti algo falando no meu coração”, “fui curado…fui salvo”, “vi um milagre”, etc). Um muito usado é a interpretação de livros sagrados, onde você faz o julgamento dos ensinos e condutas das entidades religiosas em relação aos livros que dizem crer e seguir, aí você conclui se estão seguindo, se estão fingindo que segue ou se estão transgredindo a literatura dita inspirada.

          _Meu Caso_
    

    Eu parto da premissa de que deve existir uma causa absoluta para tudo que veio a existir, a partir daí vem outros passos, como observar o mundo a minha volta e enxergar uma ciência ou autoria proposital, provavelmente da mesma causa absoluta que eu silogisticamente concluí no ponto primário. Ou seja, meus conceitos sobre cosmologia e teleologia, no âmbito religioso, rejeito o Deísmo, aderindo a tese da uma revelação divina, entre as opções teístas existentes não vejo revelação superior aos escritos judaicos-cristãos, que e de onde eu tiro minha teologia, com essa fonte e régua em meu poder, me aprofundo para por as denominações religiosas em teste, dentro deste teste, tanto analisando de forma teórica quanto prática, chego a afiliação religiosa que tenho hoje, a qual por sinal, mantenho no dia dia ainda sujeita ao teste anteriormente citado.

    Não me vejo simplesmente, desistindo de buscar ou de me posicionar por causa da multiplicidade de crenças, de doutrinas, de interpretações, de teologias, de religiões, consideraria isso preguiça e/ou covardia omissa da minha parte. Me tornar um relativista que diz: “Ah, tem um montão de crenças diferentes, como vou saber qual a correta?”….”Ah tem um montão de interpretações pra essas palavras, como vou escolher entre uma delas?” . Isso me faria sentir muito acomodado, eu tenho de ter opiniões sobre as coisas, eu gosto de tomar posições

    Eu já estudei um monte de coisa sobre um monte de assuntos, de forma que tenho opinião formada sobre muita matéria, e o conhecimento é algo que você acumula ao longo da sua vida para te ajudar a embasar as suas posições a respeito das coisas. Evitando que você siga apenas sua mera preferência ou opinião parcial, mas tire conclusões endossadas por matéria factual.

    As palavras acima não são pra soarem arrogantes, até porque os processos descritos não foram enunciados pra dizer que eu estou certo, mas apenas para ilustrar que não é questão de mera credulidade ou fideísmo, aquele tipo de fé cega onde você simplesmente manda um “porque sim” ou segue a “tradição”, as posições que eu tomo são por convicção intelectual nas minhas crenças e valores.

    Curtido por 1 pessoa

  • Euclides  On 14 de maio de 2014 at 9:49

    Celow Tj, não acho correto você criticar os Ateus como Grupo citando suas falhas, eu acho que nós deveríamos deixar o Alexandre Martins concluir sua conversa com o Maison Chaves,só interrompendo se fossemos falar algo pra engrandecer a conversa e não transforma-la em uma discussão. devemos ter Tato ao falar com as pessoas

    Curtir

  • Maison Chaves  On 14 de maio de 2014 at 9:52

    Kenobi, eu discordo do seu ponto de vista, pois a bíblia só serve como base para as religiões cristãs e apesar de vivermos em uma pais majoritariamente cristão no mundo somente 30% das pessoas são cristãs portanto elas tem e seus livros sagrados tem igual probabilidade em suas alegações.

    Curtir

  • Maison Chaves  On 14 de maio de 2014 at 9:56

    Gráfico demonstrando da distribuição da população mundial segundo a religião.

    Curtir

  • Karmo  On 14 de maio de 2014 at 10:12

    Caro Maison Chaves,

    Obrigado por ter respondido as minhas três perguntas, apesar de que não entendi como padres, pastores e outros líderes podem impedir alguém de buscar a verdade na própria Bíblia diretamente.

    Sobre a distribuição de Bíblias no mundo todo, veja por exemplo, como isso acontece no Japão, um país de cultura não-cristã:

    http://www.jw.org/pt/testemunhas-de-jeova/atividades/publicacoes/video-biblias-no-japao/#?insight%5Bsearch_id%5D=7ab48c0e-0a48-46ea-abc6-3e2d3c42e84f&insight%5Bsearch_result_index%5D=5

    A Bíblia é um livro incomparável, queira ler esse outro material sobre o assunto:

    http://www.jw.org/pt/publicacoes/revistas/g200711/a-biblia-e-incomparavel/#?insight%5Bsearch_id%5D=2e04eeb2-2fae-46c2-abca-59624b05e807&insight%5Bsearch_result_index%5D=13

    Pra mim, a Bíblia é a mensagem do Criador. Seria exatamente isso que se esperaria do Criador do Universo, uma comunicação escrita com suas criaturas em todos os idiomas possíveis.

    Gostaria apenas de fazer mais algumas perguntas:

    1) A ciência tem todas as respostas para origem da vida?

    2) O que surgiu primeiro, o ovo ou a galinha? Paralelamente, o que surgiu primeiro, o homem ou a ciência e tecnologia?

    3) Quando, por exemplo, a “dona Maria” faz uma torta, a ciência pode explicar o “como” ela fez tal torta, mas podeira dizer por quê ela fez e para quem ela fez tal torta?

    Até a próxima.

    Curtir

  • Hermann Jung  On 14 de maio de 2014 at 14:12

    Boa tarde. A pedido de um amigo, venho dar meu depoimento.

    Começando pelo meu histórico, cresci católico (indo à igreja), passei a frequentar encontros kardecistas, frequentei uns terreiros de candomblé, fui umas vezes a templo budista e li sobre budismo. Mas não me ative a somente essas religiões. Lia um pouco sobre islamismo, cristianismo, hinduísmo, satanismo (na verdade, algumas coisas da bíblia satânica …) e outras que não me recordo.

    Sempre achei que a grande maioria das religiões tinham pontos em comum e, a mais notória (na minha opinião) era a convivência harmônica entre os seres. E essa ideia de harmonia entre os seres já existia há séculos antes de Jesus. gregos e celtas já tinham essa noção.

    Passei a achar complicado demais dizer qual a certa. As que acreditam de um ser superior dividiam-se para dizer que as doutrinas de cada era a certa. Eram um mesmo ser superior? Se sim, porque discrepâncias entre as doutrinas? Cristianismo e islamismo?

    Juntamente com esse questionamento, passei a pensar sobre a validade do que as doutrinas pregam sobre esse ser superior. O velho questionamento “se deus é justo por que permite que tais coisas aconteçam”?

    Não vou entrar na parte da criação do mundo e das coisas porque, mesmos meus pais sendo católicos na época (atualmente meus pais não têm religião mas tendem ao espiritismo e budismo) eles me diziam que era tudo um conto de fadas e que, na verdade, não tinha acontecido. Complicado explicar ciência evolutiva para uma criança de 6-7 anos.

    Eu acreditava que existia justiça divina, que algo acontecia depois da morte. Mas passei a achar extremamente injusta essa vida após a morte. Tanto na crença de um céu/inferno quanto na teoria de reencarnação pela doutrina espírita. Achei injusto eu ter que pagar por várias vidas (ou eternamente) por algo que fiz ou deixei de fazer.

    Juntando essas coisas, passei a não dar crédito para um ser superior que permitisse que tais coisas acontecessem. Se ele existe e pode fazer diferente, por que fazer do pior jeito? Ou, por que fazer, afinal de contas? Se ele é onipresente, onipotente e onisciente, por que ele faria algo que fizesse tanta gente sofrer, desde o primeiro instante da existência de tudo até hoje? Milhares de anos e bilhões de pessoas que sofreram/sofrem?

    Minha descrença foi crescendo e, depois de um tempo, percebi que não é necessário que exista um ser superior para que as coisas aconteçam. Elas acontecem. A crença em um ser superior torna umas respostas mais confortantes para muitas pessoas e eu acho válido esse conforto. Claro que isso deixa uma enorme gama de perguntas do tipo “mas por que tal evento ( acidente, sorte, morte, nascimento, tsunami, promoção, aleijamento, guerra, cura, etc..etc..etc.. ) aconteceu”?

    Penso que, há mil anos atrás, a grande maioria pensaria que a previsão de uma chuva para daqui a uma semana, ou conseguir falar e ver alguém que está a mil quilômetros de distância estaria relacionado ao divino ou maligno. Hoje temos tecnologia que nos permite fazer muitos “milagres” que antigamente estariam associados ao divino (ou ao maligno). Mesmo assim, ainda acontecem muitas coisas em nossas vidas, no nosso planeta, no nosso Sistema Solar, galáxia, universo e sabe-se mais o que, que não sabemos por que acontecem. A tendência é que, algo considerado atualmente divino seja aplicado cientificamente através de tecnologia.

    Mesmo assim, não acho que isso chegará ao ponto de que existe um ser superior que é onisciente, onipresente, onipotente que comande tudo e todos.
    Creio que o avanço tecnológico torne, cada vez mais, improvável a crença de que um ser assim exista.

    Não sou anti-religioso e considero que o que importa é o que a pessoa faz. Se ela age de forma harmoniosa para as pessoas que a rodeie, ela pode acreditar no que quiser.

    Enfim… depois de tudo isso, concluí que sou ateu.

    Curtir

  • André Rodrigues  On 14 de maio de 2014 at 15:26

    Gostaria de poder responder as perguntas que foram feitas ao Sr. Maison e expor também minha opinião:

    1) Não, a ciência não tem respostas para a origem da vida, existem hipóteses de como surgiram os primeiros seres vivos na Terra (planeta), o que não tira a possibilidade da existência de vida em outros planetas. Já foram realizados experimentos e comprovados que a partir de elementos não orgânicos (água, metano, hidrogênio e amônia) se é possível criar seres orgânicos (seres muito menos evoluído que nós humanos, mas que através de milhares, bilhões de anos, são capazes de se organizarem e darem fim a diversidade de elementos e seres orgânicos que temos hoje).

    2) Diante do que conhecemos como galinha atualmente, o que surgiu primeiro foi o ovo, no qual o embrião de uma ancestral próxima à galinha botou, sofreu uma leve mutação ao ponto de ser capaz de produzir os ovos que conhecemos hoje em sua fase adulta.

    Surge-se primeiro a ciência, animais menos evoluídos como nós são capazes de realizar “práticas” sistemáticas e adquirir conhecimento. Somos animais que são capazes de documentar seus experimentos e deixar fisicamente marcadas na história os conhecimentos adquiridos. Tecnologia sendo o produto da ciência, a aplicação prática do conhecimento, é desenvolvida por qualquer animal. Um macaco soube aprender durante sua evolução que ao utilizar um pedaço de pau, terá mais eficiência em uma briga, do que utilizar as próprias mãos, e repassa através de ações estes conhecimentos para seus descendentes.

    3) O pensamento religioso e o pensamento científico perseguem objetivos diferentes, mas não opostos. A ciência procura saber como o universo existe e funciona desta maneira. A religião procura saber porque o universo existe e funciona desta maneira. Os conflitos entre a ciência e a religião produzem-se quando um dos dois pretende responder às questões atribuídas ao outro.

    Espero poder ter esclarecido algumas dúvidas através do que já li sobre todos estes assuntos e questionamentos que também já me fiz sobre religiões e ciência.

    Agora eu te pergunto:

    1) Você acredita cegamente no criacionismo (Gênesis) ? Como você explica a existência de animais como dinossauros? Você acredita que um homem foi engolido por uma baleia (na verdade diz peixe, mas vamos ajudar, interpretemos como baleia, um animal maior) (Jonas 1:17)? Você realmente acredita que existe a possibilidade uma de jumenta falar (Números 22:22-31)?

    2) Você acredita que o que está escrito na bíblia, ao pé da letra, sem interpretações, deve ser seguido?

    3) Por que um determinado ser: Cristão, Muçulmano, Hindu e etc. Por que ele é melhor que outro e conhecedor da religião verdadeira? Existe religião realmente certa?

    Alguns links com explicações:

    http://www.brasilescola.com/biologia/origem-vida.htm
    http://www.biologiatotal.com.br/blog/Origem%20da%20Vida+-45 (Leia bem o tópico 15, acredito ser este uma das hipóteses mais válidas)

    Curtir

  • Thales  On 14 de maio de 2014 at 17:33

    A hipocrisia religiosa faz com que muitos se tornem ateus, a falta de um exame mais profundo das escrituras faz com que estes generalizem e parem de confiar na Bíblia. É valido ressaltar também que o ateísmo não liberta a humanidade dos fracassos relacionados à natureza humana, como a corrupção e a intolerância. Estes fatos levaram muitas pessoas informadas, até mesmo ateus, a reconhecer o valor moral da crença em Deus,claro, levando em conta seus princípios.

    Muito se diz sobre a confiabilidade da Bíblia, então é válido repostar alguns textos que da o que pensar:

    Bíblia: A Terra é uma esfera (Isaías 40:22).
    Ciência antiga: A Terra é plana.
    Ciência moderna: A Terra é uma esfera.

    Bíblia: O ar tem peso (Jó 28:25).
    Ciência antiga: O ar não tem peso.
    Ciência moderna: O ar tem peso.

    Bíblia: Cada estrela é diferente (1 Coríntios 15:41)
    Ciência antiga: Todas as estrelas são iguais
    Ciência moderna: Cada estrela é diferente

    Bíblia: A luz se move (Jó 38:19, 20)
    Ciência antiga: A luz é fixa em um só lugar
    Ciência moderna: A luz se move

    Bíblia: Terra suspensa no espaço (Jó 26:7)
    Ciência antiga: Terra é apoiada por animais de grande porte
    Ciência moderna: Terra suspensa no espaço

    Bíblia: O movimento circular dos ventos (Eclesiastes 1:6)
    Ciência antiga: Os ventos sopram direitos
    Ciência moderna: O movimento circular dos ventos.

    Bíblia: Oceano tem vales profundos e montanhas (2 Samuel 22:16 Jonas 2:6)
    Ciência antiga: O fundo do oceano é plano.
    Ciência moderna: O oceano contém vales profundos e montanhas.

    Bíblia: O sangue é a fonte da vida e da saúde (Levítico 17:11)
    Ciência antiga: Os pacientes deveriam ser sangrados.
    Ciência moderna: O sangue é a fonte da vida e da saúde

    Bíblia: A criação contém elementos invisíveis (Hebreus 11:3)
    Ciência antiga: A ciência não sabia sobre esse assunto.
    Ciência moderna: A criação contém elementos invisíveis

    Bíblia: O oceano contém fontes (Jó 38:16)
    Ciência antiga: Oceano alimentado por rios e chuvas.
    Ciência moderna: O oceano contém fontes.

    Curtido por 1 pessoa

  • foxhound  On 14 de maio de 2014 at 18:55

    AQUI IREI EXPOR A MINHA OPINIÃO SOBRE O ASSUNTO, PELO FATO DE TER ME ENCONTRADO NESTE DILEMA.

    COMO JÁ FALEI AQUI UMA VEZ, POR SER CURIOSO ME ENVOLVI COM A APOSTASIA ( PASSEI A PESQUISAR TODO TIPO DE INFORMAÇÃO MAS SEM EXERCER O PAPEL DITO DE APOSTATÁ) POR NOVE ANOS , E QUANDO VOCÊ PASSA A ACREDITAR OU DAR CRÉDITOS A ALGO SEM TER CERTEZA ABSOLUTA, ISSO PODE AFASTA-LÓ DA VERDADE ,COMO TAMBÉM PODE FAZER VOCÊ DUVIDAR DA EXISTÊNCIA DE DEUS.

    E FOI ISSO QUE ACONTECEU COMIGO , QUANDO ACHEI QUE MUITAS DAS MENTIRAS APÓSTATAS ERAM VERDADES SEM ME DAR CONTA DOS BASTIDORES , FACILMENTE ME DEIXEI LEVAR, E POR CONSEQUÊNCIA O ATEÍSMO ENTROU FORTE NA MINHA VIDA, MAS , COM O DECORRER DO TEMPO FAZENDO INVESTIGAÇÕES SERIAS VI QUE O ATEÍSMO AINDA DEIXA MUITO A DESEJAR. ( LI MATERIAIS, VI VIDEOS, ASSISTI DEBATES E ETC.. )
    POR QUE DIGO ISSO?

    BEM , QUANDO VOCÊ PERCEBE QUE A IDÉIA DO ATEÍSMO NÃO É UNÂNIME ENTRE OS CIENTISTAS E OUTROS TIDOS INTELECTUAIS, DÚVIDAS COMEÇAM A SURGIREM.
    QUANDO VOCÊ ANALISA QUESTÕES COMO A IDÉIA DA SOBREVIVÊNCIA DAS MAIS APTAS ESPÉCIES ( DARWIN ), HÁ PONTOS QUE LEVAM A MUITAS QUESTÕES COMO POR EXEMPLO :

    PARA SOBREVIVÊNCIA DAS ESPÉCIES NÃO HÁ NECESSIDADES DE PODER ENXERGAR EM CORES , NEM DE SE TER EMOÇÕES , APRECIAR MÚSICAS, CRIAR VÍNCULOS AFETUOSOS COM OUTROS SERES, APRECIAR UM BELO POR DO SOL , E NEM DE TER UMA VARIEDADE DE ALIMENTOS DOS MAIS DIVERSOS CHEIROS SABORES E FORMATOS, ISTO SÓ PARA CITAR ALGUMAS COISAS.

    AGORA PARA ALGUÉM, QUE É ATEU DEIXAR DE SER ATEU E ACREDITAR EM UM DEUS, FICA FÁCIL.

    CLARO QUE NÃO PRECISA SER O DEUS DA BÍBLIA , SOMENTE É NECESSÁRIO PODER ENXERGAR COMO MUITOS INTELECTUAIS QUE DISPOEM DE MAIS CONHECIMENTO QUE NÓS, E QUE POSSUEM MAIS MEIOS DO QUE NÓS PARA TER A CONVICÇÃO DE QUE EXISTE OU UM DEUS PODEROSO OU UMA FORÇA PODEROSA E CONSCIENTE POR DETRÁS DE TODA A CRIAÇÃO.( PARA ISSO É NECESSÁRIO OBSERVAR TODA A NATUREZA INTERNA E TODO O UNIVERSO FÍSICO COM SEUS CÁLCULOS EXATOS E ESSÊNCIAIS PARA EXISTÊNCIA DE VIDA SOMENTE NESTE PLANETA. )

    HOJE O ATEÍSMO GANHOU RESPEITADOS LUTADORES EM SUA DEFESA NOMES CONSAGRADOS COMO RICHARD DAWKINS E OUTROS. DAWKINS EM SEU LIVRO E EM DEBATES COM RELIGIOSOS USA DE IDÉIAS BEM CRIADAS PARA HUMILHAR RELIGIOSOS QUE NADA SABEM DA BÍBLIA.

    ELE GOSTA DE CITAR A IDÉIA, QUE MUITOS USAM HOJE, DE QUE SE VOCÊ NASCESSE NA ÍNDIA VOCÊ SERIA HINDU, NO JAPÃO, CHINA E OUTROS LUGARES SERIA BUDISTA XINTOÍSTA E JAMAIS SERIA CRISTÃO.

    E MUITOS DÃO CRÉDITO A ESSAS BEM ELABORADAS IDÉIAS.
    MAS PORQUE EU OPTEI PELO DEUS BÍBLICO E PELA RELIGIÃO CRISTÃ EM MEIO AS MILHARES DE RELIGIÕES EXISTENTES?

    PORQUE A BÍBLIA É O ÚNICO LIVRO QUE DETALHA DE FORMA CLARA E CONCISA A CRIAÇÃO E DIVERSOS OUTROS ASPECTOS DA VIDA QUE A CIÊNCIA COMPROVA. POR EXEMPLO, NÃO EXISTE UM ÚNICO ASSUNTO EM QUE A BÍBLIA CITE, COM RELAÇÃO A CIÊNCIA ,QUE HAJA CONTRADIÇÕES. ISTO É FATO

    E ISTO NÃO É POSSÍVEL EM OUTROS LIVROS CHAMADOS SAGRADOS.

    NUNCA UM LIVRO FOI TÃO PERSEGUIDO COM O INTUITO DE SER DESTRUÍDO COMO ESTE, E MESMO ASSIM MILHARES DE PESSOAS SE COLOCARAM A DISPOSIÇÃO DE PERDER A VIDA POR CAUSA DELE NO DECORRER DA HISTÓRIA .

    É O LIVRO MAIS LIDO E MAIS TRADUZIDO DA HISTÓRIA .É UM LIVRO COM PODER DE MUDAR VIDAS.

    NENHUM LIVRO CIENTÍFICO SERÁ CAPAZ DE FAZER COM QUE PESSOAS, COMO, MENDIGOS, LADRÕES, BANDIDOS, TRAFICANTES, PROSTITUTA, VICIADOS E POR AI VAI POIS A LISTAGEM É MUITO LONGA PARA DESCREVER AS MUDANÇAS QUE MUITOS FAZEM POR CAUSA DO CONTEÚDO DESTE LIVRO.

    A RELIGIÃO CRISTÃ TEM COMO INTUITO PRINCIPAL LEVAR AS BOAS NOTICIAS DO REINO DE DEUS A TODAS AS PESSOAS DO MUNDO, A QUALQUER CREDO, NÃO IMPORTA QUAL SEJA ELE, O QUE NÃO SE VÊ EM QUALQUER OUTRA RELIGIÃO.

    OS ATEUS ACHAM QUE A BÍBLIA É CONTRADITÓRIA QUANDO NA VERDADE NÃO É. ELA TEM RESPOSTA PARA QUALQUER ASSUNTO.

    O QUE LHES FALTAM ( ATEUS) É O ENSINO CORRETO, BASEADO NÃO EM FANTASIAS MAS EM LÓGICA, RAZÃO E PROVAS CLARAS E INDISCUTÍVEIS E NA MINHA HUMILDE OPINIÃO SOMENTE AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ É QUEM TEM.

    AGRADEÇO A OPORTUNIDADE QUERUVIM, DE PODER POSTAR NESTE TÓPICO E GOSTEI DA DECISÃO TOMADA COM RELAÇÃO A SUA ATITUDE A NÃO PERMITIR MAIS COMENTÁRIOS REPETITIVOS. UM ABRAÇO A VOCÊ E A TODOS OS OUTROS IRMÃOS QUE DEFENDEM A VERDADE AQUI NESTA PAGINÁ. ( ESTOU SEMPRE ATENTO E ACOMPANHANDO)

    TEM UM VÍDEO DIVIDIDO EM ALGUMAS PARTES NO YOUTUBE QUE ACHO QUE SERIA INTERESSANTE AOS QUE AQUI NAVEGAM PODEREM DAR UMA ANALISADA.
    É ESTE AQUI:https://www.youtube.com/watch?v=KsN7UOWP-w0&feature=em-share_video_user

    caso não de certo o nome é: Ben Stein – A teoria da evolução refutada (10partes )

    Curtido por 1 pessoa

  • Celow-TJ  On 14 de maio de 2014 at 20:35

    Deculpe Euclides, mas acho que todos aqui entenderam totalmente errado então …. eu não critiquei ninguém aqui, somente postei conclusões que eu sempre tiro ao conversar com ateístas, inclusive essa semana mesmo conversei com alguns, o meu post não foi um ataque a “Maison Chaves”, só postei o que vejo em minhas conversas.

    Curtido por 1 pessoa

  • Alexandre Martins  On 14 de maio de 2014 at 22:16

    Prezado Maison, toda escolha envolve um processo mental de pensamento envolvendo o julgamento dos méritos de múltiplas opiniões e a seleção de uma delas para ação. No seu caso, após avaliar diversas evidências pró e contra a existência de Deus, você optou pela que considerou mais plausível. Portanto, não vejo motivo de não aplicar o termo ao seu caso, já que você mesmo admite que isso ocorreu quando disse:

    ” A minha posição é fruto das minhas próprias decisões e do meu esforço para compreender algumas duras verdades com as quais me deparei.”

    “Decisão” é sinônimo de escolha.

    Outro ponto que parece ter lhe incomodado foi o uso que fiz do verbo “induzir”. Segundo seu entendimento, o termo implica em ser ‘infantilmente enganado para fazer algo’. Absolutamente nada em minhas palavras permite esta interpretação. O que literalmente disse foi que: “…de tudo que escreveu sobre as razões que induziram você a decidir-se pelo ateísmo…”. Não citei nenhum agente externo além das suas próprias conclusões derivadas dos seus estudos, as quais elenquei na análise inicial que fiz.

    Vamos às sua ponderações:

    1 – Se você concorda que a grande quantidade de religiões não constitui prova da inexistência de Deus, então isto se torna ponto pacífico. Entretanto, surge um problema no seu argumento quando declara que:

    “a falta de instrumentos objetivos para avalia-las [as religiões] como caminho para salvação faz com que estatisticamente você tem mais chances de errar ao escolher uma delas.”

    Ora, a dificuldade em encontrar instrumentos objetivos para a descoberta de algo não redunda necessariamente na impossibilidade de encontrá-los. Assim, como o conhecimento científico, o conhecimento bíblico é cumulativo e recebe gradualmente esclarecimentos linguísticos, históricos, arqueológicos, e principalmente espirituais, podendo nos indicar o caminho que nos leva ao pleno conhecimento da verdade.

    Quanto as provas dedutivas que, segundo creio comprovam a existência de Deus, vou citar uma: a existência de valores morais objetivos.

    Na cosmovisão ateísta não há espaço para moral objetiva que independe de convenções humanas, do tempo, de emoções etc. A moral objetiva descarta sua origem humana, porque a origem dela é atribuída a um legislador Externo, isto é, Deus, e tem o objetivo claro de ser Universal. Portanto, só sobra ao ateísmo a moral subjetiva que é formada de convenções humanas, e pode variar conforme a sociedade, não tendo por objetivo ser Universal.

    Assim estabelecido, pergunto-lhe, se não existe Deus nem tampouco moral objetiva, qual o parâmetro para determinar o que é certo ou errado? Citemos um exemplo. O regime nazista, com sua ideologia racista, determinou a esterilização de cerca de 400,000 pessoas e a eutanásia de mais 70,000, considerados “indignos de viver”. Estes incluíam doentes mentais e deficientes físicos, que deveriam ser eliminados para que a pureza da raça ariana não fosse corrompida. Os nazistas estabeleceram sua ideologia baseando-se na lei darwinista da sobrevivência do mais apto. A moral subjetiva pode afirmar que os nazistas estavam errados em implantar sua política racial, eliminando os mais “fracos”? De forma nenhuma, já que a convenção social da ideologia nazista considerava o extermínio destes como moralmente justificada.
    Não digo com isto que um ateu não possa ter boa moral, digo que se ele a tem ela é, invariavelmente, derivada de valores morais objetivos.

    2 – Com relação às questões interpretativas que você levantou, não seriam corretamente respondidas com um sim ou um não. São assuntos que demandam espaço imensamente maior do que dispomos. Por exemplo, cientificamente, há impossibilidade em sermos frutos da união de um único e primeiro casal humano? O sentido bíblico de “espécie” referindo-se ao animal é o mesmo do científico moderno? Como estes relatos eram encarados no decorrer dos séculos e quando começaram a ser contestados e se assim o foram em que bases? Quais os critérios para alegorizar ou entender literalmente uma passagem? Além da Bíblia, que outro escrito considerado sagrado atende
    aos critérios de veracidade? Que critérios são esses? Como vê são questões complexas que podem ser analisadas em parte e ulteriormente.

    3 – Não creio possa definir-se como ateu agnóstico, já que o primeiro nega peremptoriamente a existência de qualquer ser divino, enquanto o segundo nega a possibilidade de conhecê-lo sem eliminar a possibilidade de que ele exista.

    Curtido por 1 pessoa

  • Daniel Oliveira  On 15 de maio de 2014 at 9:42

    Fato: Todas as pesquisas científicas indicam que vida não pode surgir de matéria inanimada.

    Pense no seguinte: Que base científica existe para a teoria de que a primeira célula surgiu de substâncias químicas sem vida?

    Fato: Pesquisadores recriaram em laboratório as condições ambientais que, segundo eles, existiam na Terra primitiva. Nessas experiências, alguns cientistas conseguiram produzir certas moléculas encontradas em seres vivos.

    Pense no seguinte: Se as substâncias químicas usadas nas experiências representam o ambiente primitivo da Terra, e se as moléculas produzidas representam os elementos básicos da vida, quem ou o que representa o cientista que realizou a experiência? Será que ele representa o acaso ou um ser inteligente?

    Fato: As proteínas e as moléculas de RNA precisam trabalhar em conjunto para que uma célula possa sobreviver. Os cientistas admitem que é muito improvável que o RNA tenha se formado por acaso e que é ainda mais improvável que isso tenha acontecido sequer com uma única proteína. É praticamente impossível que o RNA e as proteínas tenham sido capazes de se formar por acaso no mesmo lugar e ao mesmo tempo e daí terem interagido.

    Pense no seguinte: O que exige mais fé: acreditar que os milhões de partes complexas e organizadas de uma célula surgiram por acaso ou que a célula é produto de uma mente inteligente?

    Fonte: Revista ” A origem da Vida – 5 Perguntas que merecem resposta”

    Curtir

  • Daniel Oliveira  On 15 de maio de 2014 at 9:51

    Fato: As extraordinariamente complexas moléculas que formam uma célula (DNA, RNA e proteínas) parecem ter sido projetadas para trabalhar juntas.

    Pense no seguinte: O que lhe parece mais provável? Que uma evolução irracional formou as complexas estruturas, ou que elas são obra de uma mente inteligente?

    Fato: Alguns cientistas respeitados dizem que até mesmo uma célula “simples” é complexa demais para ter surgido na Terra por acaso.

    Pense no seguinte: Se alguns cientistas presumem que a vida veio de uma fonte não terrena, que motivo haveria para excluir Deus como essa Fonte?

    Curtido por 1 pessoa

  • Daniel Oliveira  On 15 de maio de 2014 at 9:52

    ▪ Fato: O DNA está armazenado nos cromossomos de maneira tão eficiente que isso tem sido chamado de uma “façanha de engenharia”.

    Pense no seguinte: Como algo tão organizado assim poderia surgir por acaso?

    ▪ Fato: Mesmo na atual era da informática, nada se compara à capacidade de armazenamento de dados do DNA.

    Pense no seguinte: Se os técnicos em computação não conseguem criar nada com essa capacidade, como é que matéria sem vida conseguiria?

    ▪ Fato: O DNA contém todas as instruções necessárias para a formação do corpo humano e para fazer sua manutenção por toda a vida.

    Pense no seguinte: Como essas instruções poderiam ter surgido sem um autor, ou essa programação sem um programador?

    ▪ Fato: Para que o DNA possa funcionar, ele tem de ser copiado, lido e verificado por várias estruturas moleculares complexas chamadas enzimas, que precisam trabalhar juntas de forma precisa e numa fração de segundos.

    Pense no seguinte: Você acha que máquinas complexas e extremamente confiáveis poderiam surgir por acaso? Sem provas concretas, acreditar nisso não seria pura credulidade?

    Fonte: Revista ” A origem da Vida – 5 Perguntas que merecem resposta”

    Curtido por 1 pessoa

  • Daniel Oliveira  On 15 de maio de 2014 at 9:54

    ▪ Fato: Dois conceitos fundamentais da evolução — o de que a vida teve uma origem em comum e o de que as principais estruturas físicas surgiram em resultado do lento acúmulo de pequenas mudanças — têm sido desafiados por pesquisadores que não apoiam o relato bíblico da criação.

    Pense no seguinte: Visto que os conceitos fundamentais da teoria de Darwin causam controvérsia, será que a versão dele sobre a evolução pode ser honestamente considerada um fato científico?

    ▪ Fato: Todos os organismos vivos possuem projetos similares de DNA, a “linguagem de programação”, ou código, que determina a forma e as funções de sua célula ou células.

    Pense no seguinte: Será que essa similaridade existe, não porque esses organismos tiveram um ancestral em comum, mas porque tiveram o mesmo Projetista?

    Fonte: Revista ” A origem da Vida – 5 Perguntas que merecem resposta”

    Curtido por 1 pessoa

  • Daniel Oliveira  On 15 de maio de 2014 at 10:03

    A vida na Terra nunca poderia existir se não fosse uma série de felizes “coincidências”, algumas das quais eram desconhecidas ou pouco entendidas até o século 20. Essas coincidências incluem:

    ▪ A localização da Terra na galáxia Via Láctea e no sistema solar, bem como a órbita, a inclinação, a velocidade de rotação e a incomum lua do planeta

    ▪ Um campo magnético e uma atmosfera que servem de escudo duplo

    ▪ Ciclos naturais que reabastecem e purificam o ar e a água do planeta

    ‘Será que as características da Terra são produto do acaso ou de projeto intencional?’

    Como você responderia à afirmação de que a Terra não é nada especial, que é apenas mais um local em que a evolução poderia ocorrer?

    Fonte: Revista ” A Vida – Teve um Criador?”

    Curtido por 1 pessoa

  • Daniel Oliveira  On 15 de maio de 2014 at 10:07

    Em anos recentes, cientistas e engenheiros vêm permitindo que plantas e animais os ensinem, no verdadeiro sentido da palavra. Eles estudam e copiam os detalhes de projeto de várias criaturas (um campo conhecido como biomimética) para criar novos produtos e melhorar o desempenho dos já existentes.

    Como, por exemplo, analisam as nadadeiras das baleias e as asas e pernas das gaivotas. Quem realmente merece o crédito por esses projetos? De onde a natureza tirou todas essas ideias brilhantes?

    Então considere estes fatos: pesquisadores altamente especializados copiam de modo rudimentar certos sistemas da natureza para resolver difíceis problemas de engenharia. No entanto, alguns atribuem a genialidade de desenvolver a ideia original a uma evolução não inteligente. Isso lhe parece razoável?

    Se a cópia exige um projetista inteligente, que dizer do original? Quem realmente merece mais crédito, o mestre engenheiro ou o aprendiz que imita seus projetos?

    Fonte: Revista ” A Vida – Teve um Criador?”

    Curtido por 1 pessoa

  • Gregori  On 15 de maio de 2014 at 16:34

    Olá André tudo bem? Gostaria apenas de saber qual experimento você se refere quando diz que foram criados seres orgânicos mais primitivos menos evoluído que nós humanos, mas que através de milhares, bilhões de anos, são capazes de se organizarem e darem fim a diversidade de elementos e seres orgânicos que temos hoje. Você se refere a abiogênese? O surgimento de vida através da não vida?
    Sinceramente fiquei curioso agora, não conhecia este experimento, conhecia o de Stanley Muller na década de 50 que fou extremamente refutado pela comunidade científica da época, especialmente pelo emérito biólogo Luis Pasteur.
    Se for possível gostaria que você especificasse ao menos onde encontro fontes que falam deste experimento.

    Att,

    Gregori Maus

    Curtido por 1 pessoa

  • Anônimo  On 15 de maio de 2014 at 17:07

    Boa tarde!

    Em certo momento de minha vida me revoltei com a religião organizada. Foram momentos de agruras, mas, estava decidido a não compactuar com a extrema hipocrisia e alienação que rondavam esse círculo em minha volta.
    Tinha um pensamento que sempre repitia para os mais próximos: “O homem inventou a religião para se achegar a Deus, mas é o que mais o tem afastado Dele.”
    Quando eu tecia críticas às religiões dominantes, principalmente as denominadas “cristãs” recebia o rótulo de ateu, que eu até gostava, pois para mim trazia um certo status.
    Todavia, certa vez, um gentil senhor começou a raciocinar comigo sobre algumas dessas indagações que são feitas aqui…
    Não poderia jamais ter a postura de não querer ouvir o outro lado da questão. Seria dogmático demais.
    Bem, posso dizer que fico feliz de ter tido a tranquilidade de ouvir o que aquele senhor tinha a me dizer.

    Curtido por 1 pessoa

  • Anônimo  On 15 de maio de 2014 at 17:07

    Corrigindo: Não me trazia.

    Curtir

  • Karmo  On 16 de maio de 2014 at 0:12

    Caro André, obrigado por dispor de tempo para responder minhas perguntas.

    Dessa vez, Queruvim, vou ter de ultrapassar as 50 linhas recomendadas, desculpe.

    Aliás, quero aproveitar para parabenizar a todos pelo nível do debate, onde todos tem contribuído para o aumento do conhecimento científico e religioso, nesse intercâmbio de informações.

    Informações essas baseadas em códigos, comumente chamadas por letras, letras essas reunidas ordeiramente formando palavras, palavras ordeiramente reunidas formando frases, frases essas reunidas para formar comentários inteligentes, provenientes de pessoas inteligentes. Não vemos aqui nada aleatório, ou ao sabor do acaso cego.

    Isso me faz lembrar do nosso tão conhecido DNA, constituído de quatro moléculas principais, simbolizadas pelas letras A,G, T, C. A interação entre elas, não de forma aleatória, mas ordeira, é a responsável por toda variedade de vida na terra. Coincidência? Eu particularmente não acredito em coincidências dessa espécie.

    Sobre o “ovo ou a galinha”, eu realmente estava pensando em quem surgiu primeiro, o frango adulto ou o ovo de galinha, e não qualquer outro tipo de ovo. Citei essa pergunta por causa do antigo dilema do ‘ovo ou a galinha’, relativo às proteínas e ao ADN. Afirma Hitching: “As proteínas dependem do ADN para se formarem. Mas o ADN não pode formar-se sem a proteína preexistente.” (The Neck of the Giraffe, p. 66.) Isto nos deixa o paradoxo suscitado por Dickerson: “O que surgiu primeiro”, a proteína ou o ADN? Ele assevera: “A resposta tem de ser: ‘Eles se desenvolveram de forma paralela.’” (Scientific American, setembro de 1978, p. 73.) Mas vamos deixar essa coisa de frango de lado, apesar de eu gostar muito de frango assado, é uma delícia…

    Sobre a ciência surgir antes do homem, acho isso muito improvável, pois tanto ciência como religião são processos criados pela mente humana, pois nunca vemos animais chamados irracionais adquirindo conhecimentos científicos ou praticando alguma espécie de religião.

    Agora vamos as suas perguntas, que na verdade não são 3 e sim 7 perguntas agrupadas em 3 temas:

    “1) Você acredita cegamente no criacionismo (Gênesis) ? Como você explica a existência de animais como dinossauros? Você acredita que um homem foi engolido por uma baleia (na verdade diz peixe, mas vamos ajudar, interpretemos como baleia, um animal maior) (Jonas 1:17)? Você realmente acredita que existe a possibilidade uma de jumenta falar (Números 22:22-31)?”

    Resposta: Nós, Testemunhas cristãs de Jeová , não acreditamos em criacionismo. Para uma explicação do que nós cremos acesse o link http://www.jw.org/pt/testemunhas-de-jeova/perguntas-frequentes/crenca-criacionismo/

    A palavra ‘dinossauro’ só foi inventada em tempos modernos (confira em http://pt.wikipedia.org/wiki/Dinossauro#Etimologia) , de forma que a Bíblia, em Gênesis, jamais poderia se referir a dinossauros, mas se refere a diversos animais de grande porte e especialmente aos “monstros marinhos”. (Gênesis 1:21)

    Acreditamos, sim, que um peixe engoliu o profeta Jonas, e miraculosamente foi mantido vivo dentro do peixe por três dias. Isso é mais fácil para nós acreditar, em se tratando do Deus todo-poderoso, do que acreditar que milhares de felizes coincidências fizeram surgir o peixe e Jonas.

    Quanto ao relato que nos diz que uma jumenta falou com outro profeta (Núm. 22:28), também para nós, cristãos, é uma questão de fé, de uma fé menor do que acreditar que substâncias químicas inorgânicas se agruparam conspirando para surgir a vida de um coacervado inanimado. Se alguém já ouviu falar de ventriloquismo, sabe que existem pessoas que são habilidosas nessa arte de projetar suas vozes em fantoches ou bonecos inanimados. No relato da Bíblia, seria algo banal para o Deus todo-poderoso fazer seu anjo projetar sua voz num animal de carga, o que de fato, foi o que aconteceu, pois após ver até onde o profeta ia na sua teimosia, Deus fez com que ele visse quem de fato estava falando com ele, e estava parado no caminho.

    “2) Você acredita que o que está escrito na bíblia, ao pé da letra, sem interpretações, deve ser seguido?”

    Resposta: Isso seria generalizar de forma radical a mensagem bíblica. A Bíblia tem partes que são história, outras são poesias, outras são profecias, outras são visões simbólicas. Acreditamos na Bíblia, principalmente no relato de Gênesis, onde diz que Deus criou os céus e a Terra em seis grandes períodos criativos.

    Existem partes da Bíblia que não devem ser seguidas (ou entendidas) ao pé da letra, principalmente as partes simbólicas. O livro de Revelação, com seus muitos simbolismos, é um exemplo disso.

    “3) Por que um determinado ser: Cristão, Muçulmano, Hindu e etc. Por que ele é melhor que outro e conhecedor da religião verdadeira? Existe religião realmente certa?”

    Para responder a isso, por favor acesse o link https://traducaodonovomundodefendida.wordpress.com/2014/02/27/5212/

    Resumindo, a religião certa é aquela que agrada o Criador.

    Gostaria agora de considerar o tópico 15, do qual você manifestou acreditar mais do que nos outros tópicos do link que você postou. Aliás, as palavras ‘hipotese’ e ‘acredita-se’ aparecem diversas vezes nos artigos de biologia que você referênciou.

    Em 1953, Stanley Miller fez passar uma faísca elétrica por uma “atmosfera” de hidrogênio, metano, amônia e vapor d’água. Isto produziu alguns dos muitos aminoácidos existentes, e que constituem os blocos de construção das proteínas. No entanto, só conseguiu 4 dos 20 aminoácidos necessários para que exista vida. Mais de 30 anos depois, os cientistas ainda não haviam conseguido produzir, experimentalmente, todos os 20 aminoácidos necessários, sob condições que poderiam ser consideradas plausíveis.

    Miller presumiu que a atmosfera primitiva da Terra era similar à de seu balão de ensaio experimental. Por quê? Porque, como ele mesmo e um colaborador disseram posteriormente: “A síntese dos compostos de interesse biológico só ocorre sob redução [ausência de oxigênio livre na atmosfera].” (The Origins of Life on the Earth (As Origens da Vida na Terra), de Stanley L. Miller e Leslie E. Orgel, 1974, p. 33.) Todavia, outros evolucionistas teorizam que havia a presença de oxigênio. Hitching expressa o dilema que isto cria para a evolução: “Havendo oxigênio no ar, o primeiro aminoácido jamais teria começado; sem oxigênio, ele teria sido extirpado pelos raios cósmicos.” (The Neck of the Giraffe, p. 65.)

    A realidade é: Qualquer tentativa de estabelecer a natureza da atmosfera primitiva da Terra só pode basear-se em adivinhação ou em suposição. Ninguém sabe com certeza como ela era. É interessante que Miller, em sua experiência de fazer passar uma faísca elétrica por uma “atmosfera”, só poupou os quatro aminoácidos obtidos porque os removeu da área da faísca. Caso os tivesse deixado ali, a faísca os teria decomposto.

    E como já foi oportunamente comentado pelo amigo Daniel, pense no seguinte: Se as substâncias químicas usadas nas experiências representam o ambiente primitivo da Terra, e se as moléculas produzidas representam os elementos básicos da vida, quem ou o que representa o cientista que realizou a experiência? Será que ele representa o acaso ou um ser inteligente?

    Agora umas palavras finais sobre o livro de Gênesis:

    Um das coisas que me deixa muito admirado é como Gênesis sabia? Como observou recente dicionário da Bíblia: “Nenhum mito foi ainda encontrado que se refira explicitamente à criação do universo”, e os mitos “são caracterizados pelo politeísmo e pelas lutas entre deidades visando a supremacia, o que faz notório contraste com o monoteísmo hebreu dos capítulos primeiro e segundo do livro de Gênesis”. (O Novo Dicionário da Bíblia, de J. D. Douglas, Edições Vida Nova, Vol. I, p. 348.) Quanto às lendas babilônicas sobre a criação, os depositários do Museu Britânico declararam: “Os conceitos fundamentais dos relatos babilônio e hebreu são essencialmente diferentes.” (Ajuda ao Entendimento da Bíblia, editado pela Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados, 1982, Vol. I, p. 370.)

    O relato de Gênesis sobre a criação emerge qual documento cientificamente sólido. Revela as categorias maiores de plantas e de animais, com suas muitas variedades, como se reproduzindo apenas “segundo as suas espécies”. Os fósseis fornecem a confirmação disto. Com efeito, indicam que cada “espécie” surgiu subitamente, sem nenhuma forma verdadeiramente transicional a ligando com qualquer “espécie” anterior, conforme o exigiria a teoria da evolução.

    Todo o conhecimento dos sábios do Egito não poderia ter fornecido a Moisés, escritor de Gênesis, qualquer indício do processo da criação. Os mitos dos povos antigos, relativos à criação, não apresentavam nenhuma semelhança com aquilo que Moisés escreveu em Gênesis. Onde foi, então, que Moisés aprendeu todas estas coisas? Pelo visto, de alguém que estava presente naquela ocasião.

    A ciência das probabilidades matemáticas oferece notável prova de que o relato de Gênesis sobre a criação deve ter provindo de uma fonte a par dos eventos. O relato alista 10 principais estágios, na seguinte ordem: (1) um princípio; (2) uma terra primitiva em trevas, e envolta em pesados gases e em água; (3) a luz; (4) uma expansão ou atmosfera; (5) grandes áreas de terra seca; (6) plantas terrestres; (7) sol, lua e estrelas, tornando-se discerníveis na expansão, e o início das estações; (8) monstros marinhos e criaturas voadoras; (9) animais selváticos e domésticos, mamíferos; (10) o homem. A ciência concorda que tais estágios ocorreram nesta ordem geral. Quais são as probabilidades de o escritor de Gênesis ter apenas adivinhado esta ordem? As mesmas que o leitor teria de retirar duma caixa, ao acaso, os números de 1 a 10, em ordem consecutiva. As probabilidades de conseguir isso na primeira tentativa são de 1 em 3.628.800! Assim, não é realístico dizer que o escritor simplesmente alistou, por acaso, os eventos precedentes na ordem certa, sem obter tais fatos de outrem
    .
    Portanto, amigo, pra nós, testemunhas cristãs de Jeová há bases sólidas para crermos num Criador, não se trata apenas de simples credulidade. Há evidências que apontam para o projeto inteligente no Universo, e por isso acreditamos.

    Até a próxima!

    Curtir

  • lj santos  On 16 de maio de 2014 at 15:16

    HÁ LÓGICA NA CRENÇA NO DEUS DA BÍBLIA.

    1º RAZÃO LÓGICA:EVIDÊNCIA DE INTELIGÊNCIA-PROJETO, ORGANIZAÇÃO E CÁLCULO NA NATUREZA

    O que evidencia a existência de uma inteligência?Bem, um livro, um poema, uma arte, uma invenção, uma tecnologia, são coisas que indicam uma mente elevada.Assim,quanto mais sofisticado e engenhoso um sistema, mais conhecimento aplicado de forma inteligente ´´vemos’’.
    Logo:sistema complexo, funcional, vem de uma mente inteligente.
    Obs: os humanos modernos, com seu apurado conhecimento técnico e sua tecnologia, não criaram ou recriaram a vida. No melhor dos casos, os humanos apenas reproduziram a partir de vida já existente.
    Nem o mais moderno laboratório do mundo conseguir criar uma única célula viva, funcional.Mesmo hoje, depois de experiências bem controladas, em que se conseguiu produzir aminoácidos, que são os componentes básicos da célula, estão muito longe de conseguir tal coisa, que segundo muitos, a natureza, de forma aleatória, conseguiu sozinha!
    U m estudo mais profundo , a nível celular, revela que mesmo em células simples, desprovidas de núcleo[procariota] há evidência de projeto, organização e cálculo.SÓ UMA MENTE INTELIGENTE PROJETA,ORGANIZA E CALCULA.
    2º RAZÃO LÓGICA:EXISTÊNCIA DE VIDA SOBREHUMANA-CRIATURAS ESPIRITUAIS.
    Manifestação de criaturas espirituais através do espiritismo.exemplo: se não existe nada além da realidade material, gostaria q explicassem cientificamente o q sao possessoes demoniacas, como um medium espirita q diz receber um espirito e conta absolutamente tudo sobre sua vida particular, inclusive citando nomes de pessoas e datas q só oparente vivo conhece
    .ISSO ESTÁ ALÉM DA CAPACIDADE HUMANA!Capacidade extrasensorial apurada de um humano, poderes sobrenaturais?Espírito dos mortos existem?
    Obs:quando a pessoa morre, cessam todas as funções vitais, tal como pensar, sentir-Ecl 9:5-10
    Bem, a Bíblia fornece a resposta.A Bíblia sempre associa prática de espíritismo com atividade demoníaca.Quem são os demônios?São anjos rebeldes que se juntaram ao principal adversário de DEUS, SATANÁS, o Diabo.Perderam a sua posição de favor perante Deus, perderam o direito a vida imortal e serão destruídos.Assim, condenados a destruição, procuram tornar a vida das pessoas o mais penosa possível, e por tentar desviar o máximo possível de humanos de Deus-(Deut 18:11-12, Rev7:12)
    A Bíblia apresenta Satanás como líder dos demônios-Satanás e seus anjos(Rev 12)
    Diz também que o diabo persiste em transformar-se em anjo de luz.Assim, como os demônios são invisíveis e tem capacidade sobre-humanas, então, não é difícil para eles usar uma pessoa desencaminhada e falarem por meio dela, ou assumirem a forma duma pessoa falecida, imitar a sua voz, e convencer os vivos de que os mortos estão de alguma forma vivos, SEM CORPO FÍSICO.
    Conclusão:os humanos não são os únicos seres inteligentes, e mais habilidosos do universo!Pessoas que não precisam comer, beber, respirar, invisíveis e podem materializar imagens.
    Logo: a Bíblia tem razão em dizer que há vida além da física, um Deus justo e seus anjos e um anjo iníquo e seus anjos decaídos.
    3º RAZÃO LÓGICA:capacidade sobrehumana de prever o futuro- profecias Bíblicas
    Algo dito há 200, 500, 300, 700 acaba de acontecer. A predição não é algo genérico, uma declaração sujeita a qualquer interpretação.A declaração é específica, fala de lugares , nomes, fornece detalhes que só se aplicam a essa declaração, áquele evento da história.
    Exemplo: a queda de Babilônia. Impérios surgem, atingem a glória e caem.Isso não acontece todo dia, mas é comum na história.Babilônia cairia. Como?Suas águas secariam, seus portões ficariam abertos.Quem lideraria tudo isso? Ciro, o persa!
    Ascenção e queda da Grécia. Um rei governante prevaleceria sobre a potência Medo- persa(de dois chifres).Mas logo esse novo império de um único rei é dividido em quatro(Seleuco, Ptolomeu,Cassandro e Lisímaco)- Daniel 8
    Surge o Messias-um líder religioso, representante maior de Deus na terra surgiria-Isaías 9:6,7. Quando? A profecia aponta o ponto de partida:455 AEC até 29EC. Sim, neste ano profético, Jesus de Nazaré foi ungido por Deus no Jordão.

    Curtido por 1 pessoa

  • Saga  On 16 de maio de 2014 at 19:50

    Já foram realizados experimentos e comprovados que a partir de elementos não orgânicos (água, metano, hidrogênio e amônia) se é possível criar seres orgânicos (seres muito menos evoluído que nós humanos, mas que através de milhares, bilhões de anos, são capazes de se organizarem e darem fim a diversidade de elementos e seres orgânicos que temos hoje)

    Ah entendi
    “Já foram realizados experimentos e comprovados que a partir de elementos não orgânicos…se é possível criar seres orgânicos (seres muito menos evoluído que nós humanos”, boa ein ?

    “é possível criar seres orgânicos…menos evoluído [seres] que…através de milhares, bilhões de anos, são capazes de se organizarem [como os] seres orgânicos que temos hoje”

    Tá bom, está comprovado e demonstrado, então não vou falar nada não, deixa a matéria sem vida se tornando um elefante através desse processo inevitável.

    Curtido por 1 pessoa

  • Saga  On 16 de maio de 2014 at 20:05

    Como você explica a existência de animais como dinossauros?

    Do mesmo jeito que existem qualquer outro tipo de animais. O tamanho ou as características dos animais não mudam as coisas.

    "Você acredita que um homem foi engolido por uma baleia (na verdade diz peixe, mas vamos ajudar, interpretemos como baleia, um animal maior) (Jonas 1:17)?"

    Um tubarão cachalote é mais provável do que baleia. Um homem ser engolido por um tipo de animal desses é comum e já aconteceu antes com casos documentados. (A pergunta deve ter sido mais sobre sobreviver dentro do bicho e não sobre ser engolido por um).

    "Você realmente acredita que existe a possibilidade uma de jumenta falar (Números 22:22-31)?"

    Jumentas não falam e não podem falar, a não ser é claro que daqui a 20 milhões de anos ela evolua para um ser consciente como os símios que vieram dos ratos fizeram. Já eu tenho certeza que daqui a 5 bilhões de anos elas continuarão não falando porque tenho convicção de que continuarão jumentas.

    Por que? Alguém disse que jumentas tem a habilidade de falar ou que podem vir a falar no futuro?

    ” Por que um determinado ser: Cristão, Muçulmano, Hindu e etc. Por que ele é melhor que outro e conhecedor da religião verdadeira? Existe religião realmente certa?”

    A pergunta pareceu mal escrita, “Por que um determinado ser: Cristão, Muçulmano, Hindu e etc”, what? É pra questionar qual a diferença entre um muçulmano e um hindu?

    Curtido por 1 pessoa

  • Saga  On 16 de maio de 2014 at 20:17

    Muito bom relato.

    Curtir

  • Solista S  On 17 de maio de 2014 at 0:03

    Queruvim e amigos,

    Segue um vídeo que reeditei no qual se faz perguntas sobre este tema. Na descrição do vídeo há um link para esta página. Se possível e acharem interessante, divulguem em redes sociais para trazer mais pessoas a esta discussão.

    Curtir

  • Karmo  On 17 de maio de 2014 at 9:40

    Gostaria de resumir os motivos para crença em Deus nos seguintes pontos;

    1) Jesus Cristo;
    2) A Bíblia;
    3) O Universo:
    4) Valores morais objetivos;
    5) A necessidade espiritual humana.

    Sobre os motivos para descrença, não consegui constatar muitos:

    1) Pluralismo religioso;
    2) Hipocrisia religiosa;
    3) Sofrimento;
    4) Desistência da busca de Deus.

    Quais deles pesam mais na balança da razão e da lógica?

    Curtir

  • Thales  On 17 de maio de 2014 at 10:22

    Bom dia Herman, agradecemos pelo comentário.

    Vou tentar esclarecer alguns pontos com base na crença Cristã.

    “Passei a achar complicado demais dizer qual a certa.”

    A Bíblia exige um estudo profundo para se ter o entendimento exato, ela ensina apenas um caminho. Se a religião A ensina uma coisa e a religião B ensina outra, apenas uma pode estar certa, ou nenhuma delas.

    Exemplos de como encontrar a religião verdadeira a luz da Bíblia.

    Cristo disse que os verdadeiros cristãos seriam identificados pelo amor uns pelos outros. Se a religião se mete em guerras ou política, pode elimina-la.

    Sabemos que a maioria das religiões que dizem ser Cristãs, pregam na trindade. Acontece que a Bíblia não ensina isso, esta crença veio dos pagãos, que por volta do século III por motivo de força maior, começou a se unir com o Cristianismo.

    Veja alguns entre centenas de textos Bíblicos que eliminam a trindade (Mat 24:36, João 17:3, Fil 2:9-10)

    Bom, já eliminamos a maioria das religiões com base Bíblica.

    Podemos também analisar o seguinte: Visto que Jesus ordenou que a obra de pregação fosse feita em toda a terra (Mat 28: 19-20) e ele disse que seria feita (Mat 24:14), a religião que diz ser Cristã e negligência isso está cometendo um erro grave.

    Esta profecia está se cumprindo em nossos dias, veja:
    http://www.jw.org/pt/publicacoes/videos/pregacao-ate-os-confins-da-terra/
    http://www.jw.org/pt/publicacoes/videos/traducao-das-boas-novas/

    “Eram um mesmo ser superior? Se sim, porque discrepâncias entre as doutrinas?”

    Isso envolve muitas coisas, entre elas: a falta de um estudo profundo das escrituras, as interpretações que convém para muitos(como no caso da cobrança do dízimo), as interpretações para ter o domínio baseado no medo sobre os súditos(inferno de fogo) entre várias outras..

    “Mas passei a achar extremamente injusta essa vida após a morte. Tanto na crença de um céu/inferno”.

    A Bíblia também não ensina que existe esse inferno de fogo, erra a religião que a prega.

    ” Se ele é onipresente, onipotente e onisciente,”

    A Bíblia não ensina que Deus é onipresente, ele pode ir aonde ele quiser e a hora que quiser, mas ele não é obrigado a estar em todos os lugares o tempo todo, isso o tornaria escravo de si mesmo. Na famosa oração do pai nosso,
    Jesus disse onde Deus estava no início da oração: ‘Nosso Pai nos céus’.

    “se deus é justo por que permite que tais coisas aconteçam”?

    Com certeza ele tem um bom motivo para permitir isso, queira conferir neste link por favor o motivo:

    http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/102006402?q=deus+permite+a+viol%C3%AAncia&p=par

    Muitos de nós já fizemos essas mesmas perguntas, e encontramos as respostas na Bíblia, claro, com um estudo mais profundo e com o interesse de entender e não de refutar.

    Espero ter ajudado, abraços

    Curtido por 1 pessoa

  • Karmo  On 17 de maio de 2014 at 23:55

    Achei muito interessante o vídeo sobre quem surgiu primeiro, “o ovo ou a galinha”. De acordo com nossos amigos evolucionistas foi o ovo, ou o proto-ovo quem surgiu primeiro. Isso, porém, só leva o dilema mais para o passado, pois surge a pergunta, quem botou o proto-ovo primeiro? E antes disso, e antes disso e antes disso, até um passado muito distante.

       Como uma das razões das pessoas para a descrença em Deus é a ideia de que não é necessário um Criador, mas que as coisas surgiram por processos aleatórios, não-dirigidos, através de evolução lenta e gradual, no decorrer de milhões de anos, gostaria de expor o abismo que surge entre os anfíbios e os répteis, candidatos ancestrais das aves.
    
                               O Abismo Entre Anfíbios e Répteis
    

    Tentar transpor a lacuna existente entre os anfíbios e os répteis envolve outros graves problemas. Um dos mais difíceis é a origem do ovo com casca. Criaturas anteriores aos répteis depositavam seus ovos macios, gelatinosos, na água, onde os ovos eram fecundados externamente. Os répteis baseiam-se na terra e depositam seus ovos nela, mas os embriões em desenvolvimento, no interior deles, ainda precisam estar num ambiente aquoso. O ovo com casca foi a resposta. Mas, também exigia grandes mudanças no processo de fecundação: exigia a fecundação interna, antes de o ovo ser envolvido pela casca. Tal feito envolveria novos órgãos genitais, novos processos de acasalamento e novos instintos — tudo o que constitui vasto abismo entre os anfíbios e os répteis.

    Abrigar o ovo numa casca tornou necessárias notáveis mudanças adicionais, a fim de possibilitar o desenvolvimento dum réptil, e, por fim, sua liberação da casca. À guisa de exemplo, dentro da casca há necessidade de várias membranas e sacos, tal como o amniótico. Este retém o fluido em que cresce o embrião. A obra Os Répteis descreve outra membrana chamada alantóide. “O alantóide recebe e armazena as excreções do embrião, servindo como uma espécie de bexiga. Possui também vasos sangüíneos, que captam o oxigênio do ar através da casca, conduzindo-o até o embrião.” (Os Répteis, de Archie Carr, p. 36.)

    A evolução não explica outras diferenças complexas envolvidas. Os embriões nos ovos dos peixes e anfíbios liberam seus resíduos na água circundante como uréia solúvel. Mas, a uréia dentro dos ovos com casca dos répteis mataria os embriões. Assim, no ovo com casca ocorre significativa mudança química: Os resíduos, o insolúvel ácido úrico, são estocados dentro do alantóide. Considere também o seguinte: A gema de ovo serve de alimento para o embrião do réptil em crescimento, habilitando-o a desenvolver-se de forma plena antes de sair da casca — diferente dos anfíbios, que não eclodem na forma adulta. E, para sair da casca, o embrião se distingue por ter um dente de ovo, para ajudá-lo a livrar-se de sua prisão.

    Precisa-se de muito mais para transpor a lacuna entre os anfíbios e os répteis, mas estes exemplos mostram que o acaso não-orientado simplesmente não pode ser responsável por todas as muitas mudanças complexas exigidas para transpor este largo abismo. Não é de admirar que o evolucionista Archie Carr lamentasse: “Um dos aspectos decepcionantes da documentação fóssil da história dos vertebrados é o fato de pouco revelar acerca dos primórdios da evolução dos répteis, quando estava se desenvolvendo o ovo dotado de casca.” (Os Répteis, de Archie Carr, p. 37)~

    Extraído do Livro ” A Vida — Qual a Sua Origem? A Evolução ou a Criação?” Capítulo 6, par. 7-10.

    Mesmo que houvesse mutações genéticas benéficas (o que é extremamente improvável; é só lembrar dos fracassos das experiências com moscas das frutas) nos ovos das proto-galinhas, elas teriam de acontecer simultâneamente, para que surgissem tanto o macho como a fêmea dos galináceos conhecidos hoje, ou seja, teriam que surgir o galo e a galinha, ou então teríamos cruzamentos entre proto-galos e galinhas, o que resultaria em algo desconhecido para nós hoje.

    Portanto, achei o vídeo muito criativo, mas a realidade que conhecemos é bem outra, onde o ovo só poderia ter vindo da galinha pre-existente.

    Curtir

  • Saga  On 18 de maio de 2014 at 9:50

    “Karmo On 17 de maio de 2014 at 9:40 Gostaria de resumir os motivos para crença em Deus nos seguintes pontos;
    1) Jesus Cristo; 2) A Bíblia; 3) O Universo: 4) Valores morais objetivos;
    5) A necessidade espiritual humana.
    Sobre os motivos para descrença, não consegui constatar muitos:
    1) Pluralismo religioso; 2) Hipocrisia religiosa; 3) Sofrimento; 4) Desistência da busca de Deus.
    Quais deles pesam mais na balança da razão e da lógica?”

    Karmo, que tal assim

    1- Argumento Cosmológico (Imaterial e Atemporal Causa Primária Universal)
    2- Argumento Teológico (Afinação, Origem Biológica, e Design Inteligente)
    3- Valores Morais Humanos (Qual guia seguro a moralidade?)
    4- Necessidades Espirituais Humanas Inerentes (Por que existe? Pra que fim?)
    5- As Sagradas Escrituras (Profecias, Praticidade, Autenticidade)
    6 – Jesus Cristo (Historicidade, Influência, Ensinos Morais, Ressurreição)

    x

    1- Religiões (Diversidade, Hipocrisia, Má conduta e falha moral)
    2- Existência do mal e do sofrimento
    3- Materialismo (Pra que preciso de Deus? Preciso é de dinheiro!)
    4- Evolucionismo (Pra que um Criador? A vida pode surgir sozinha)
    5- Criticismo Bíblico (Bíblia é falha: mitológica e não-histórica, anticientífica e desatualizada, fantasiosa, falsificada, violenta, machista, homofóbica e etc)
    6- Comunismo, humanismo secular (A fé religiosa atrapalha a humanidade rumo a um utópico mundo melhor sem classes e desigualdades, onde dominaria a razão e a ciência e não existiriam ricos e pobres, diferenças entre os sexos, polícia e criminosos e nem qualquer discriminação, sendo assim a fé em Deus ou em deuses deve ser extinta a força, rumo a um mundo melhor!)

    Curtido por 1 pessoa

  • Karmo  On 18 de maio de 2014 at 19:17

    Ficou bem melhor, mais organizado e bem definido. Gostei muito, Saga!

    Curtir

  • Karmo  On 18 de maio de 2014 at 21:03

    Hermann Jung On 14 de maio de 2014 at 14:12

    “Creio que o avanço tecnológico torne, cada vez mais, improvável a crença de que um ser assim exista.”

    Um ser assim como O Deus todo-poderoso?

          É verdade que com o avanço da tecnologia, das pesquisas científicas, muitas coisas anteriormente fora da nossa compreensão se tornaram compreensíveis, dissipou-se o mistério que envolviam certos fenômenos, é verdade. Mas com relação ao estudo da vida em todas as suas mais variadas formas biológicas, ainda há grandes avanços a serem feitos.  E honestamente, o fato de se saber explicar certos fenômenos, não significa que sempre somos capazes de reproduzi-los, ou que não tiveram origem sobre-humana.
    
          Nos dias de Charles Darwin, os estudos biológicos estavam engatinhando em sua infância. Darwin não fazia a menor ideia da verdadeira complexidade de uma célula. Com o advento da biologia molecular, abriu-se aos olhos dos cientistas um universo microscópico jamais imaginado por Darwin. Uma célula revelou-se tão complexa, que os biólogos que hoje a estudam, ficam tão impressionados com sua organização e eficiência, que tem de repetir pra si mesmos o tempo todo que aquilo não é produto de projeto inteligente.
    
          Certo biólogo afirmou que os animais unicelulares podem “apanhar alimentos, digeri-los, livrar-se dos resíduos, mover-se de uma parte para outra, construir casas, empenhar-se em atividades sexuais” e “sem nenhum tecido, nenhum órgão, nenhum coração e nenhuma mente — realmente têm tudo que nós temos. (The Center of Life (O Centro da Vida), de L. L. Larison Cudmore, 1977, pp. 13, 14.)
    
          Para ilustrar: quando sua vida começou, você era uma única célula — um óvulo de sua mãe, fertilizado por um espermatozóide do seu pai. Logo, aquela célula começou a se dividir. Você, o produto final, tem uns 100 trilhões de células. Elas são minúsculas. Na cabeça de um alfinete, cabem cerca de 10.000 células de tamanho médio. Mas cada uma delas é uma criação tão complexa que nos deixa pasmados. A célula é muito mais intrincada do que qualquer máquina ou fábrica humana. Os cientistas comparam-na a uma cidade murada: tem entradas e saídas vigiadas, sistema de transporte, rede de comunicações, usinas de energia, fábricas, centrais de tratamento de lixo e reciclagem, órgãos de defesa e até uma espécie de governo central no núcleo. Além disso, a célula pode fazer uma cópia completa de si mesma em poucas horas!
    
        Os cientistas já aprenderam muita coisa sobre a sabedoria criativa de Jeová. Existe até um ramo da engenharia, chamado biomimética, que procura imitar os projetos encontrados na natureza. Por exemplo, talvez já tenha admirado a beleza de uma teia de aranha. Mas um engenheiro vê nela um projeto espetacular. Alguns desses fios que parecem tão frágeis são, proporcionalmente, mais resistentes do que o aço, mais fortes do que as fibras usadas em coletes à prova de bala. Uma comparação ajuda a entender como são resistentes: imagine uma teia de aranha que fosse ampliada em escala até ficar do tamanho de uma rede usada num barco de pesca. Uma teia dessas proporções conseguiria apanhar um avião de passageiros em pleno vôo! De fato, Jeová fez todas as coisas “em sabedoria”.
    
         Portanto, para nós, com o avanço da ciência fica mais evidente que existe um projeto inteligente por detrás das coisas vivas e do Universo. A crença em Deus fica cada vez mais forte, confirmada, pelo resultado de pesquisas científicas também.
    

    Curtir

  • Karmo  On 19 de maio de 2014 at 23:03

    Essa é um estória hipotética, qualquer semelhança com a vida real é mera coincidência.

    Um jovem casal, que acabara de se casar, havia ganhado de um desconhecido um apartamento. Curiosos, desconfiados, foram visitar o apartamento que haviam ganhado como presente de casamento, pois o desconhecido lhes havia dado a chave e o endereço do mesmo.

    Chegando ao lugar, foram até o apartamento, e entrando viram que o mesmo estava completamente vazio, exceto por uma mesa onde havia um bolo e um envelope junto ao doce. O bolo tinha uma aparência muito boa, mas não experimentaram dele, pois as circunstâncias eram por demais estranhas. O rapaz pegou o envelope e abriu. Dentro dele havia uma mensagem direcionada aos noivos:

    “Caros, Adão e Eva:

    Desejo que vocês sejam muito felizes. Sei que vai parecer estranho o que vou relatar, mas não se iludam com as coisas que vocês estão vendo. O apartamento não teve construtor, veio a existir sozinho. E o bolo, foi resultado de um grave acidente com um caminhão de entregas, onde por acaso havia todos os ingredientes do bolo: a farinha de trigo, o ovo, a água, o leite e etc… Aconteceu que o motorista, muito cansado, dormiu ao volante, e perdeu o controle do veículo, de modo que o caminhão rolou numa ribanceira medonha, e rolou por milhares de vezes, misturando os ingredientes do bolo de maneira prodigiosa. No último capote, o veículo, que estava vazando combustível, explodiu, cozinhado a mistura dos ingredientes e produzindo essa maravilha da culinária, que é o bolo que deixei pra vocês.

    Bom apetite e felicidades.

              P.S.: Espero não precisar explicar o que aconteceu com o motorista, né?"
    

    O que você faria, amigo leitor? Confiaria nesse desconhecido e aceitaria seus presentes?

    Quem é esse desconhecido? O que ele quer nos levar a acreditar? Responda pra si mesmo.

    Queruvim, caso ache a estória irrelevante, fique a vontade para não publicá-la.

    Curtir

  • foxhound  On 20 de maio de 2014 at 12:02

    gostei da estória e irei usa-lá em discursos. um abraço.

    Curtido por 1 pessoa

  • Maison Chaves  On 20 de maio de 2014 at 13:24

    Tenho vários pontos a argumentar mas o debate tomou tal dimensão que não sei se conseguirei responder a todos.

    Antes de responder, gostaria que alguns de vocês respondam os dois seguintes desafios/perguntas:

    1 – Qual a sua definição de Deus?
    2 – Gostaria que vocês imaginassem e descrevessem brevemente um experimento hipotético que possa prova inexistência de Deus. Exemplo: (Caso alguém simulasse o big-bang em laboratório eu duvidaria de minha crenças)

    Curtir

  • Ada Divo H  On 20 de maio de 2014 at 14:57

    Cientistas dizem que a
    noção de que existe um
    Deus criador não é
    irracional
    “Acredito há muitos anos que Deus é o
    grande arquiteto por trás de toda a
    natureza […] Todos os meus estudos
    científicos a partir daquele tempo
    confirmaram minha fé. Considero a Bíblia
    como minha principal fonte de
    autoridade.”
    Sir Ghillean Prance, ex-diretor do
    Botânico New Gardens, em Londres
    “Acho muito improvável que essa ordem
    seja proveniente do caos. Deve haver
    algum princípio organizador. Para mim,
    Deus é um mistério, mas é a explicação
    para o milagre da existência — por que
    existe alguma coisa em vez de nada.”
    Allan Sandage, astrônomo descobridor
    dos quasares
    “Não penso que o mundo físico, das forças
    e coisas materiais, seja tudo o que existe.
    Acredito que há um Deus Todo-Poderoso
    que é responsável pelo universo e que há
    um mundo espiritual que não pode ser
    medido com nossas ferramentas
    científicas.”
    Jennifer Wiseman, astrofísica, do
    Centro Goddard de Voos Espaciais
    “A questão da origem parece ficar sem
    resposta se a explorarmos de um ponto
    de vista científico. Assim, eu acredito que
    uma explicação religiosa ou metafísica se
    faz necessária. Acredito no conceito de
    Deus e na existência dele.”
    Charles Townes, Nobel de Física
    “Como um petisco açucarado que
    temporariamente satisfaz nosso apetite,
    mas nos priva de alimentos mais
    nutritivos, o neodarwinismo sacia a
    curiosidade intelectual com abstrações
    desprovidas de detalhes concretos —
    sejam metabólicos ou bioquímicos, ou
    ecológicos, ou da história natural.”
    Lynn Margulis, bióloga
    “Quem lhe disser que sabe como
    começou a vida na Terra há 3,45 bilhões
    de anos é um maluco ou um embusteiro.
    Ninguém sabe.”
    Stuart Kauffman, do Instituto Santa Fé
    “Percebi que o ateísmo reivindica uma
    “negativa universal” (não há Deus de
    forma alguma), o que é uma coisa muito
    difícil de provar em qualquer
    circunstância. Percebi que era ainda mais
    difícil fazê-lo diante de muitos indicadores
    de Deus no universo.”
    Francis Collins, ex-diretor do Instituto
    Nacional de Pesquisa do Genoma
    Humano, nos Estados Unidos
    “O “design” [projeto] deve ter um
    “designer” [projetista]. Esse “designer”
    deve ter sido uma pessoa. Essa pessoa é
    Deus.”
    William Paley, teólogo e naturalista do
    século 18
    “O medo de que o darwinismo fosse uma
    tentativa de desalojar Deus na esfera da
    criação se justifica. À pergunta: “Há um
    propósito divino para a criação de seres
    humanos?”, a evolução responde “não”.
    De acordo com a evolução, a adaptação
    das espécies e a adaptação dos seres
    humanos provêm da seleção natural, não
    de um design.”
    Monroe Strickberger, do Museu de
    Zoologia de Vertebrados de Berkeley,
    na Califórnia
    “Uma das coisas que tornam a fé cristã
    atraente, para mim, é que ela é
    “corporificada”. A Bíblia reconhece que
    somos corpos e, ainda, seres morais e
    racionais.”
    Alasdair Coles, professor sênior de
    neuroimunologia clínica na
    Universidade de Cambridge e pároco
    da Igreja de St. Andrews, na Inglaterra
    “A astronomia nos leva a um evento
    único, um universo que foi criado a partir
    do nada, um universo que tem
    exatamente o delicado equilíbrio
    necessário para oferecer as condições
    precisas necessárias, a fim de permitir a
    vida, um universo que tem um plano
    subjacente (poderíamos dizer
    sobrenatural).”
    Arno Penzias, Nobel de Física

    Curtido por 1 pessoa

  • Ada Divo H  On 20 de maio de 2014 at 15:02

    SERÁ que existe um Deus que é o
    Criador de todas as coisas?


    Há muitas
    opiniões a respeito disso. Alguns pensam
    assim: ‘Como é possível acreditar em
    Deus se não podemos vê-lo?’ Outros, ao
    ver tanto sofrimento na Terra, se
    perguntam: ‘Como posso acreditar na
    existência de um Deus que realmente se
    importa com a humanidade? Se ele
    existisse, não teria acabado há muito
    tempo com todo o sofrimento?’ É assim
    que você pensa?

    2 O sofrimento e as calamidades que
    afligem a humanidade são realmente
    desanimadores. Por outro lado, a Terra
    está cheia de uma grande variedade de
    seres vivos, todos projetados nos
    mínimos detalhes. Se não existe um
    Criador, como tudo isso veio à existência?
    Os que acreditam na evolução afirmam
    que formas de vida primitivas se
    originaram por acaso e depois se
    desenvolveram aos poucos em
    organismos mais complexos. Mas qual a
    probabilidade de a vida ter se originado
    por acaso?

    Agora surge a questão, será que a vida surgiu por
    acaso?

    3 A unidade básica dos seres vivos é a
    célula e o material básico da célula é a
    proteína. Os evolucionistas reconhecem
    que a probabilidade de que os átomos e
    moléculas certos se combinem por acaso
    para formar apenas uma molécula de
    proteína simples é cerca de 1 em 10113,
    ou 1 seguido de 113 zeros. Em outras
    palavras, seria preciso até 10113
    combinações casuais de átomos para isso
    ocorrer uma única vez. Mas, de acordo
    com os matemáticos, qualquer
    combinação com uma probabilidade de 1
    em 1050 é impossível.

    4 No entanto, é necessário muito mais
    do que apenas uma molécula de proteína
    simples para que a vida se inicie. Para
    uma célula manter suas funções, são
    necessárias cerca de 2 mil proteínas
    diferentes. Qual a probabilidade de todas
    essas proteínas virem à existência por
    acaso? Calcula-se que as chances são de
    1 em 1040.000, ou seja, 1 seguido de
    40 mil zeros! Seria sensato basear sua fé
    numa possibilidade tão absurdamente
    remota?

    5 Se é tão improvável que uma célula
    venha à existência por acaso, é muito
    menos provável que ela se transforme na
    grande variedade atual de seres vivos
    complexos. Na realidade, entre humanos
    e animais existem diferenças que vão
    bem além das óbvias diferenças físicas.
    Os humanos têm consciência,
    sentimentos, senso estético, conceitos
    morais e capacidade de pensar e
    raciocinar; os animais não. Se os humanos
    descendem de animais, por que existem
    essas enormes diferenças entre eles?
    Esse é outro enigma que os
    evolucionistas não conseguem explicar.

    Curtido por 1 pessoa

  • Saga  On 20 de maio de 2014 at 18:03

    Eu não acho um debate., pra mim. Eu só tinha interesse em ouvir os descrentes dizendo seus motivos.

    Curtir

  • Saga  On 20 de maio de 2014 at 18:07

    Deus é a Causa Primária de todas as coisas, eterno e todo-poderoso que intencionalmente originou a matéria.

    Curtir

  • Saga  On 20 de maio de 2014 at 18:16

    “Maison Chaves On 14 de maio de 2014 at 9:52 Kenobi, eu discordo do seu ponto de vista, pois a bíblia só serve como base para as religiões cristãs e apesar de vivermos em uma pais majoritariamente cristão no mundo somente 30% das pessoas são cristãs portanto elas tem e seus livros sagrados tem igual probabilidade em suas alegações”

    A Bíblia tem base para o Cristianismo, para o Judaísmo e para o Islamismo, para o Mormonismo e incrivelmente, até para o Espiritismo.

    Muitas outras religiões não se definem com tendo “livros inspirados”, e tem o fator ainda local ou nativo qual o publico do seu livro sagrado, em que língua e quem tem acesso? De fato quais são esses “livros inspirados” que estamos pondo em paridade com a Bíblia? (É o Rig Veda, os Três Cestos ou o Kojiki? São os livros de Ellen White, Alan Kardeck ou o livro de mórmon?)

    Curtido por 1 pessoa

  • Karmo  On 20 de maio de 2014 at 22:51

    Muito bom, Ada Divo!

    Curtir

  • Karmo  On 20 de maio de 2014 at 22:52

    Obrigado, foxhound. Pode usar e aperfeiçoar, se quiser.

    Curtir

  • foxhound  On 20 de maio de 2014 at 23:05

    com referência a sua primeira pergunta, acredito que o saga respondeu o que qualquer testemunha de Jeová responderia, já a segunda pergunta ai vai a minha opinião particular , seria por exemplo fazer um ser humano voltar a viver com a mesma consciência, e lembranças que ele tinha antes de morrer .

    Maison não sei se leu o que postei a alguns dias atrás, se leu, gostaria que se desse uma chance estudando com uma testemunha de Jeová.
    inicie o estudo questionando sobre o assunto, peça para que ele responda suas dúvidas qualquer uma. pergunte a ele porque Deus permiti o sofrimento atual.

    se aceitar, antes disso peço que faça uma oração a um Deus que você duvida ,em silêncio e vejamos o que vai dar.

    um abraço e até mais.

    Curtido por 1 pessoa

  • Karmo  On 20 de maio de 2014 at 23:12

    Muito bom, Thales! Como foi demonstrado, a Bíblia sempre esteve cientificamente correta.

    Curtir

  • Karmo  On 20 de maio de 2014 at 23:20

    Acho que o Saga respondeu a pergunta 1 do Maison. Agora vou tentar responder a número 2.

    Que tal se os cientistas abandonassem seus laboratórios e os lacrassem, com as matérias primas essenciais para a origem da vida, por, vamos dizer, uns 10 anos. Daí voltassem lá e procurassem vestígio, rompessem o lacre e procurassem vida. Se encontrassem vida, estaria provado que as moléculas se organizaram sozinhas, sem a intervenção de uma inteligência superior. A necessidade de um Criador estaria descartada. Caso contrário, estaria provado que o acaso e sorte não são responsáveis por nossa existência.

    É só uma sugestão.

    Curtir

  • Alexandre Martins  On 21 de maio de 2014 at 8:06

    No seu segundo questionamento Mailson nos pede que imaginemos hipoteticamente um experimento que resultaria em uma prova da inexistência de Deus. O grande problema é que foge ao âmbito da ciência estabelecer parâmetros empíricos para provar ou não a existência de Deus. Então a pergunta a ser feita é:

    Se Deus realmente existe, a ciência seria capaz de provar isso?

    Não.A pergunta sobre a existência de Deus é, por sua própria natureza, impossível de ser respondida pela ciência.

    A ciência, como se aceita universalmente hoje, preocupa-se estritamente pelas realidades materiais observáveis, tenhamos ou não os instrumentos necessários para perceber tais realidades com nossos sentidos. Isso é verdade para a biologia (que estuda os organismos vivos), a química (que estuda os elementos materiais e suas composições), a física (que estuda as estruturas mais básicas da matéria) e as demais ciências. Assim, tendo em vista que a ciência estuda o universo material, não podemos esperar que ela tente provar a existência de um ser imaterial.

    E aos que citam os experimentos que tentaram recriar o ambiente primitivo que supostamente deu origem aos primeiro seres vivos, repito aqui a pergunta do livro Criador, quando analisou o experimento de Stanley Miller:

    “Ainda há outro detalhe importante: se a mistura de gases representa a atmosfera, a faísca elétrica imita o relâmpago e a água fervente seria o mar — o que, ou a quem, representa o cientista que faz a experiência?”

    Curtido por 1 pessoa

  • Alexandre Martins  On 21 de maio de 2014 at 13:52

    O mais interessante é que estes experimentos citados pelo André Rodrigues, obrigatoriamente necessitaram da condução de um agente inteligente (o cientista) para se tornarem possíveis. Nenhuma experiência foi obra do acaso.
    Aconselho a todos os envolvidos no debate a assistir o documentário EXPELLED, no qual se denuncia a perseguição que sofrem os cientistas que defendem a ideia do Design Inteligente:

    Curtir

  • Thales Faces  On 21 de maio de 2014 at 22:01

    De fato, Karmo. A ciência no decorrer dos anos, descobriu coisas que a Bíblia já nos dizia a tempos.

    Curtido por 1 pessoa

  • Saga  On 21 de maio de 2014 at 23:55

    “foxhound On 20 de maio de 2014 at 23:05 com referência a sua primeira pergunta, acredito que o saga respondeu o que qualquer testemunha de Jeová responderia”

    Mas talvez usariam outras palavras como “Criador” em vez de “Causa”, “Espiritual” ou inves de imaterial e assim vai, mas com a mesma intenção. Mas é de fato “Deus” é a pessoal e imaterial origem sem principio de tudo no universo, dotada de poder ou energia ilimitada.

    Digo origem pois o universo não é eterno digo imaterial pois “Deus” preexiste a matéria e de fato foi quem a originou, digo sem princípio pois se tiver principio deixará de ser a “causa PRIMÁRIA”, digo pessoal pois os efeitos ordenados e organizados em questão envolvem intenção, proposito, engenhosidade planejamento e intelecto, e digo poder ilimitado pois para originar a matéria do universo e ser capaz de subsistir sempiternamente se exige uma quantidade infindável de energia de forma auto-suficiente.

    “já a segunda pergunta ai vai a minha opinião particular , seria por exemplo fazer um ser humano voltar a viver com a mesma consciência, e lembranças que ele tinha antes de morrer”
    Você acha que neste caso a Ciência estaria fazendo algo que só seria possível de ser feito pelo Criador né? Tornando um corpo morto em “Alma Vivente”.

    Curtido por 1 pessoa

  • Rodrigo  On 24 de maio de 2014 at 16:19

    Por que diabos eu deveria acreditar em uma crença que teve sua história marcada por barbáries ridículas, como a Santa inquisição, onde pessoas foram torturadas e masacradas impiedosamente, tudo isso com fundamentação teológica, seguindo o que a bíblia diz?
    por quê que Eu quem devo dizer o motivo pelo qual me tornei ateu? por que você não em diz o motivo pelo qual VOCÊ se tornou cristão? você escolheu ser cristão por livre e espontânea vontade? ou seus pais te levavam à igreja desde criança, te induzindo a crer no mesmo que eles?

    Curtir

  • oTESTEMUNHAdeJAH  On 24 de maio de 2014 at 19:49

    Olá Rodrigo, de fato percebemos o por que você é ateu. Você respondeu a pergunta. Foi por que você observou muita hipocrisia e maldade por parte de pessoas que afirmavam representar a Deus!

    De fato muitas barbáries foram cometidas por pessoas que justificavam seus atos utilizando como escudo a bíblia ou diziam que essa era a vontade de Deus, mas você não está levando em conta o tempo que isso ocorreu, quem realizou tais coisas e nem mesmo levando em conta a possibilidade de tais pessoas não estarem agindo de acordo com o que Deus por intermédio da bíblia queria.

    Nós também repudiamos a atitude de tais homens e sabemos que o que os motivou a agirem dessa maneira em nada tem haver com Deus. São assassinos e a Bíblia ensina que matar é errado, somente por isso você pode ter certeza que tais pessoas não seguiam a vontade de Deus mas antes a vontade de líderes humanos que “diziam” representar Deus, mas que na verdade estavam representando seus próprios interesses.

    Ou seja, você pode ter certeza que essas pessoas NÃO SEGUIAM O QUE A BÍBLIA DIZ!

    Regimes como o do Ateu Stalin foram tão sangrentos quanto os “santos” regimes da inquisição, porém seria um erro entendermos que TODOS os que seguem o ateísmo são homicidas sangrentos apenas por que muito se realizou nesse sentido por meio de regimes que afirmavam serem laicos ou ateus.

    Quanto as motivações de uma pessoa se tornar cristão ou Testemunha de Jeová são muito variadas. Eu por exemplo fui criado Católico mas por volta dos 18 anos as mesmas questões que fizeram você se decepcionar “com Deus” e se tornar ateu me fizeram decepcionar com “os homens que afirmavam representá-lo”. portanto a mesma percepção nesse caso resultou em direções opostas, onde você preferiu se afastar de Deus por causa das pessoas e eu decidi me aproximar dEle para saber se o que diziam e faziam em seu nome estava certo ou não. A Bíblia revelou coisas impressionantes e me fizeram enxergar as coisas na perspectiva correta, então, ao ver a injustiça que se cometia em nome de Deus tomei a decisão de testemunhar em seu favor me tornando assim TESTEMUNHA DE JEOVÁ.

    Na verdade, pelo que você escreveu, você não é um ateu e sim um A-religião-hipócrita e isso sim é elogiável.

    Um Abraço.

    Curtido por 1 pessoa

  • Alexandre Martins  On 24 de maio de 2014 at 20:09

    Até agora, ao considerar os comentários ateístas, vemos que basicamente o principal motivo alegado para justificar a descrença em Deus são as más ações praticadas pela religião (em destaque a Igreja Católica) durante séculos. No caso do Rodrigo esta parece ser sua justificativa. Entretanto este tipo de argumentação em nada fundamenta a conclusão de que, por causa das atrocidades cometidas pela Inquisição, Cruzadas, Massacre da Noite de São Bartolomeu, etc, Deus não existe. Muito menos que toda esses atos tinham “fundamentação teológica, seguindo o que a Bíblia diz”. Onde nas páginas dos Evangelhos se ordena o uso de tortura e massacre? Mostrem os ateus onde Jesus ordena a queima de hereges?

    Mas raciocinemos. Suponhamos que Deus não exista. Sendo uma invenção da mente humana ele não poderá ser responsabilizado por nenhum o mal que aconteceu e acontece no mundo, assim como não posso condenar Papai Noel por não ter deixado um presente em minha meia. Quem, portanto, é o causador de todo mal? O homem. Unicamente ele. Avancemos em nosso raciocínio. Eliminando a ideia de Deus e acabando com toda a religião, criaremos uma Idade de Ouro para a humanidade? Sim, pelo menos para os ateus, já que para tais a maldade existente é unicamente estimulada pela religião. Mas vejamos os fatos. O que nos fará pensar que o ateísmo pode fornecer a solução para o fim da maldade? Se tomarmos como exemplos os regimes cuja a ideologia era predominantemente ateia, a desilusão será enorme. Os dados de alguns:

    Regime Stalinista: 20 milhões de mortos
    Regime Maoísta: 40 milhões de mortos
    Regime do Kmher Vermelho: 1.650 mortos

    Ou seja, só no século passado, citando apenas três exemplos de regimes ideológicos com base ateísta, 61.650.000 pessoas perderam a vida e tais matanças ocorreram em tempo de paz contra seus próprios compatriotas. “Ora”, dirão alguns, “ateus podem cometer atrocidades, mas não em nome do ateísmo”. O mesmo poderá dizer dos crimes cometidos pela religião, elas cometeram barbaridades, mas não por serem cristãs.Elas assim o fizeram exatamente por terem deturpado a mensagem original do cristianismo. O cristianismo não pode ser julgado como responsável pelas ações de falsos cristãos que não o representam. Não se pode usar dois pesos e duas medidas.

    O mais interessante é que estes que usam a religião como motivo para sua descrença em Deus, nunca levam em conta os diversos bons exemplos de verdadeiros cristãos. Ninguém cita a excelente conduta dos que em meio a corrupta sociedade romana do primeiro século, viviam ordeiramente e que por isso foram martirizados. Ninguém lembra das cristãs Testemunhas de Jeová que foram, juntos com comunistas, os primeiros a irem para os campos de concentração por se negarem a apoiar a ideologia nazista. Ou as Testemunhas de Jeová que foram enviadas para os gulags na Sibéria por não se dobrar a doutrinação ateísta de Stalin. Estes são ignorados sumariamente como verdadeiros representantes do cristianismo para darem lugar aos que sem autorização alguma de Cristo praticaram crimes hediondos.

    Os que assim se posicionam, ignoram as diversas advertências das Escrituras contra os que praticam o mal supostamente em nome de Deus. A Bíblia promete a destruição de toda religião falsa. E isto não acontecerá pela vontade do homem mas por determinação de Deus.

    Curtido por 1 pessoa

  • Saga  On 25 de maio de 2014 at 9:51

    “Rodrigo On 24 de maio de 2014 at 16:19
    Por que diabos eu deveria acreditar em uma crença que teve sua história marcada por barbáries ridículas, como a Santa inquisição, onde pessoas foram torturadas e masacradas impiedosamente”

    (João 13:35) Por meio disso saberão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor entre vós.

    (Mateus 7:12-17)
    12 “Todas as coisas, portanto, que quereis que os homens vos façam, vós também tendes de fazer do mesmo modo a eles; isto, de fato, é o que a Lei e os Profetas querem dizer. 13 “Entrai pelo portão estreito; porque larga e espaçosa é a estrada que conduz à destruição, e muitos são os que entram por ela; 14 ao passo que estreito é o portão e apertada a estrada que conduz à vida, e poucos são os que o acham. 15 “Vigiai-vos dos falsos profetas que se chegam a vós em pele de ovelha, mas que por dentro são lobos vorazes. 16 Pelos seus frutos os reconhecereis. Será que se colhem uvas dos espinhos ou figos dos abrolhos? 17 Do mesmo modo, toda árvore boa produz fruto excelente, mas toda árvore podre produz fruto imprestável.

    (2 Pedro 2:2) Outrossim, muitos seguirão os seus atos de conduta desenfreada, e, por causa destes, falar-se-á de modo ultrajante do caminho da verdade.

    (2 Tessalonicenses 2:3) Que ninguém vos seduza, de maneira alguma, porque não virá a menos que venha primeiro a apostasia

    (Apocalipse 18:24) Sim, nela se achou o sangue dos profetas, e dos santos, e de todos os que foram mortos na terra.

    (1 João 4:1) Amados, não acrediteis em toda expressão inspirada, mas provai as expressões inspiradas para ver se se originam de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo afora.

    (1 Timóteo 4:1) A pronunciação inspirada diz definitivamente que nos períodos posteriores de tempo alguns se desviarão da fé, prestando atenção a desencaminhantes pronunciações inspiradas e a ensinos de demônios.

           (1 João 4:5    -   5:4) 
    

    5 Eles se originam do mundo; é por isso que eles falam aquilo que procede do mundo e o mundo os escuta. 6 Nós nos originamos de Deus. Quem obtiver conhecimento de Deus nos escuta; quem não se originar de Deus não nos escuta. É assim que reconhecemos a expressão inspirada da verdade e a expressão inspirada do erro.

    7 Amados, continuemos a amar-nos uns aos outros, porque o amor é de Deus, e todo aquele que ama tem nascido de Deus e obtém o conhecimento de Deus. 8 Quem não amar, não chegou a conhecer a Deus, porque Deus é amor.

    11 Amados, se é assim que Deus nos amou, então nós mesmos temos a obrigação de nos amarmos uns aos outros. 12 Ninguém jamais viu a Deus. Se continuarmos a amar uns aos outros, Deus permanece em nós e o seu amor é aperfeiçoado em nós. 13 Assim é que obtemos o conhecimento de que estamos permanecendo em união com ele e ele em união conosco, porque ele nos conferiu o seu espírito.

    19 Quanto a nós, amamos porque ele nos amou primeiro. 20 Se alguém fizer a declaração: “Eu amo a Deus”, e ainda assim odiar o seu irmão, é mentiroso. Pois, quem não ama o seu irmão, a quem tem visto, não pode estar amando a Deus, a quem não tem visto. 21 E temos dele este mandamento, que aquele que ama a Deus esteja também amando o seu irmão. 5 Todo aquele que crê que Jesus é o Cristo nasceu de Deus, e todo aquele que ama a esse que fez nascer, ama também aquele que nasceu desse.

    2 É assim que obtemos o conhecimento de que estamos amando os filhos de Deus, quando amamos a Deus e cumprimos os seus mandamentos. 3 Pois o amor de Deus significa o seguinte: que observemos os seus mandamentos; contudo, os seus mandamentos não são pesados, 4 porque tudo o que nasceu de Deus vence o mundo. E a vitória que venceu o mundo é esta: a nossa fé.

    (Isaías 52:5) “Pois o meu povo foi tomado por nada. Os próprios que dominam sobre eles estavam uivando”, é a pronunciação de Jeová, “e constantemente, o dia inteiro, se tratou meu nome com desrespeito.

                  (Mateus 13:25-30, 36-42)
    

    25 Enquanto os homens dormiam, veio seu inimigo e semeou por cima joio entre o trigo, e foi embora. 26 Quando a lâmina cresceu e produziu fruto, apareceu também o joio. 27 Vieram assim os escravos do dono de casa e disseram-lhe: ‘Amo, não semeaste excelente semente no teu campo? Donde lhe veio então o joio?’
    28 Disse-lhes ele: ‘Um inimigo, um homem, fez isso.’ Disseram-lhe: ‘Queres, pois, que vamos e o reunamos?’
    29 Ele disse: ‘Não; para que não aconteça que, ao reunirdes o joio, desarraigueis também com ele o trigo. 30 Deixai ambos crescer juntos até a colheita; e na época da colheita direi aos ceifeiros: Reuni primeiro o joio e o amarrai em feixes para ser queimado, depois ide ajuntar o trigo ao meu celeiro.’”

    37 Em resposta, ele disse: “O semeador da semente excelente é o Filho do homem; 38 o campo é o mundo; quanto à semente excelente, estes são os filhos do reino; mas o joio são os filhos do iníquo, 39 e o inimigo que o semeou é o Diabo. A colheita é a terminação dum sistema de coisas e os ceifeiros são os anjos.
    40 Portanto, assim como o joio é reunido e queimado no fogo, assim será na terminação do sistema de coisas. 41 O Filho do homem enviará os seus anjos, e estes reunirão dentre o seu reino todas as coisas que causam tropeço e os que fazem o que é contra a lei, 42 e lançá-los-ão na fornalha ardente.

                          (Mateus 7:21-23) 
    

    21 “Nem todo o que me disser: ‘Senhor, Senhor’, entrará no reino dos céus, senão aquele que fizer a vontade de meu Pai, que está nos céus. 22 Muitos me dirão naquele dia: ‘Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome e não expulsamos demônios em teu nome, e não fizemos muitas obras poderosas em teu nome?’ 23 Contudo, eu lhes confessarei então: Nunca vos conheci! Afastai-vos de mim, vós obreiros do que é contra a lei.

                              (Lucas 6:43-46) 
    

    43 “Pois não há árvore excelente que produza fruto podre; novamente, não há árvore podre que produza fruto excelente. 44 Pois cada árvore é conhecida pelo seu próprio fruto. Por exemplo, não se colhem figos de espinhos, nem se cortam uvas dum espinheiro.
    46 “Por que, então, me chamais de ‘Senhor! Senhor!’, mas não fazeis o que eu digo?

    (Tiago 1:22) Entretanto, tornai-vos cumpridores da palavra e não apenas ouvintes, enganando-vos com falsos raciocínios.

    (Romanos 2:13) Porque não são os ouvintes da lei que são justos diante de Deus, mas os cumpridores da lei é que serão declarados justos.

    (Lucas 13:24) “Esforçai-vos vigorosamente a entrar pela porta estreita, porque eu vos digo que muitos buscarão entrar, mas não poderão,

    (Gálatas 6:2) Prossegui em levar os fardos uns dos outros e cumpri assim a lei do Cristo.

    (Romanos 13:8) A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, exceto que vos ameis uns aos outros; pois, quem ama o seu próximo tem cumprido a lei.

    (2 Timóteo 2:24) Mas o escravo do Senhor não precisa lutar, porém, precisa ser meigo para com todos, qualificado para ensinar, restringindo-se sob o mal,

    (Mateus 26:52) “Devolve a espada ao seu lugar, pois todos os que tomarem a espada perecerão pela espada.

    (João 18:36) Meu reino não faz parte deste mundo. Se o meu reino fizesse parte deste mundo, meus assistentes teriam lutado

                        (Romanos 12:17-21) 
    

    17 Não retribuais a ninguém mal por mal. Provede coisas excelentes à vista de todos os homens. 18 Se possível, no que depender de vós, sede pacíficos para com todos os homens. 19 Não vos vingueis, amados, mas cedei lugar ao furor; pois está escrito: “A vingança é minha; eu pagarei de volta, diz Jeová.” 20 Mas, se o teu inimigo tiver fome, alimenta-o; se ele tiver sede, dá-lhe algo para beber 21 Não te deixes vencer pelo mal, porém, persiste em vencer o mal com o bem.

    (Provérbios 25:21-22) 21 Se aquele que te odeia tiver fome, dá-lhe pão para comer; e se ele tiver sede, dá-lhe água para beber […] e o próprio Jeová te recompensará.

    (1 Tessalonicenses 5:13-15) Sede pacíficos uns com os outros […] sede longânimes para com todos. Vede que ninguém pague a outro dano por dano, mas, empenhai-vos sempre pelo que é bom de uns para com os outros e para com todos os demais.

    (1 Pedro 3:8-9) Finalmente, sede todos da mesma mentalidade, compartilhando os sentimentos, exercendo afeição fraternal, ternamente compassivos, humildes na mente, não pagando de volta dano com dano ou injúria com injúria

    (Lucas 6:27) Continuai a amar os vossos inimigos, a fazer o bem aos que vos odeiam

    (Mateus 5:9) “Felizes os pacíficos, porque serão chamados ‘filhos de Deus’.

    tudo isso com fundamentação teológica, seguindo o que a bíblia diz?
    Deixa eu ver se entendi, o Rodrigo, está dizendo que os auto proclamados “cristãos” que embora dissessem seguir ao Cristo, participaram de barbáries, ,massacres impiedosos, torturas, apoiando, consentindo ou contribuindo com coisas tais como a inquisição católica estavam seguindo o que a Bíblia diz, atuando com devida fundamentação teológica? (Para “seguir o que a Bíblia diz”, favor reler os textos colados acima que dão a instrução dos princípios básicos que devem nortear a vida e a conduta do cristão verdadeiro.)

    por quê que Eu quem devo dizer o motivo pelo qual me tornei ateu?
    Já disse.

                              (2 Timóteo 3:1-13) + (2 Pedro 2:2)
    

    “Sabe, porém, isto, que nos últimos dias … os homens serão amantes de si mesmos, amantes do dinheiro…sem afeição natural…mais amantes de prazeres do que…de Deus, tendo uma forma de devoção piedosa, mostrando-se, porém, falsos para com o seu poder; e destes afasta-te … os homens iníquos e os impostores passarão de mal a pior, desencaminhando e sendo desencaminhados […] muitos seguirão os seus atos de conduta … e, por causa destes, falar-se-á de modo ultrajante do caminho da verdade.

    por que você não em diz o motivo pelo qual VOCÊ se tornou cristão?
    Não é tão urgente pois já fazemos isso direto com certa regularidade, está incluído no que chamamos de “nosso ministério”, justificação racional de nossa fé e a defesa dela contra argumentações contrárias é uma constância do dia e dia de todos nós em 238 países.

    você escolheu ser cristão por livre e espontânea vontade?
    Sim, não existe forçar a isso, nem pode e nem deve ser assim.

    ou seus pais te levavam à igreja desde criança
    O fato de pais levarem seus filhos pra suas religiões é totalmente lógico, e é um direito de cada um.
    te induzindo a crer no mesmo que eles?
    O filho escolher a religião é um ato livre, de sua própria vontade, a indução de pais ou familiares é outro fenômeno distinto, uma coisa é distinta da outra. Quem escolher ser TJ o faz por decisão espontânea após completar seus estudos, não é batizado por decisão dos pais por ele, como o é feito no catolicismo, e também não é induzido a fazê-lo por emocionalismo, como o é entre os evangélicos.

    De toda forma a maioria das TJs no mundo não são filhos de outras TJs, ao invés de ser uma linhagem de avós, pais e netos, os novos membros surgem através de decisões próprias de pessoas de todas as fés e não-fés que se decidem por adorar a Jeová após um longo estudo de suas próprias crenças confrontadas com a Bíblia.

    (Provérbios 15:28) O coração do justo medita a fim de responder
    (1 Timóteo 4:15) Pondera estas coisas; absorve-te nelas
    (Romanos 12:2) A fim de provardes a vós mesmos a boa, e aceitável, e perfeita vontade de Deus.
    (2 Coríntios 13:5) Persisti em examinar se estais na fé, persisti em provar o que vós mesmos sois
    (Provérbios 14:15) Qualquer inexperiente põe fé em cada palavra, mas o argucioso considera os seus passos.

    Curtir

  • Saga  On 25 de maio de 2014 at 10:01

    Se é a religião que causa a violência e os conflitos não existiriam brigas e mortes por conta de TORCEDORES de CLUBES de FUTEBOL, nacionalismo, patriotismo, raça (eugenia, darwinismo social). ou crença política (Comunismo, Revolução Francesa).

    …Brigas de transito, crimes passionais …. os motivos se multiplicam, é muito fácil fazer um reducionismo dizendo que “o ser humano é muito bom, é violento e faz coisas ruins por causa da existência da religião e da sua crença em Deus”, esse humanismo secular é totalmente sem base de evidência empírica.

    Curtido por 1 pessoa

  • Maison Chaves  On 25 de maio de 2014 at 13:55

    Como eu disse a negação das religiões é apenas uma das etapas da desconversão, não serei leviano de negar o seus benefícios mas pensando que existem milhares ou mesmo milhões, de religiões teístas contando também aquelas que se perderam na historia. Pode ser que exista uma que seja a correta, eu como cético não posso descartar essa possibilidade. Mas então como identifica-la?

    Curtir

  • Maison Chaves  On 25 de maio de 2014 at 13:59

    Estou postando aqui um relato PESSOAL de um não teísta americano durante o seu processo de desconversão. Tenho percebido de forma generalizada que vocês nos avaliam por nossas conclusões ignorando todo o processo que de decorreu até cheguemos a essa conclusão.

    Curtir

  • Daniel Oliveira  On 25 de maio de 2014 at 19:09

    Achei interessante a pergunta do maison sobre como identificar a religião verdadeira. Em primeiro lugar, seria necessário fazer um estudo sobre a bíblia e comprovar a si mesmo que ela é um livro inspirado pelo Criador. Sugiro estudar profundamente as profecias bíblicas e sua harmonização com a ciência também. Depois disso, comparar os ensinos que a bíblia ensina com aqueles ensinados/praticados pelas mais diversas religiões que afirmam ser cristãs.

    Novamente sugiro fazer esse estudo doutrinal com uma TJ. Fazendo assim, iria ter certeza que a bíblia é um livro verdadeiro, iria também ter certeza da existência dum criador e com o estudo com as Tjs iria ver que existe uma religião que realmente segue a bíblia verdadeiramente.

    Como sugestão de artigos, sugiro ler o artigo nesse site “Existe uma única religião verdadeira?” e também esses links…… http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1102010230……..http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1102010343

    Curtido por 1 pessoa

  • Karmo  On 25 de maio de 2014 at 19:45

    Crentes se tornam ateus.
    Ateus se tornam crentes. (Veja o exemplo de Anthony Flew, falecido aos 87 anos de idade. Veja no link http://scienceblogs.com.br/100nexos/2008/11/antony-flew-ex-ateu-garante-deus-existe/ )

    Pessoas trocam de religião, de fé, de ideologia, de partido.

    Isso não prova em nada que Deus não exista.

    Experiências emocionais como as descritas no vídeo postado pelo Maison foram vividas por mim, que já fui evangélico antes de se tornar testemunha de Jeová.

    Acontece que descobri que estava mergulhado num universo de emocionalismo, afastado das normas bíblicas, crendo em coisas do paganismo, crendo em coisas do catolicismo romano, seguindo tradições humanas e que não estava agradando ao Criador. Porém, nunca, mesmo em meio a tanta confusão, jamais joguei a culpa em Deus por causa dos problemas religiosos. Problemas religiosos que surgiram quando pastores da mesma denominação brigaram pelo domínio sobre o rebanho, surgindo denominações dissidentes. Foi nessa época que abri meus olhos as verdades bíblicas proclamadas pelas testemunhas de Jeová. Já fazem mas de 30 anos que trilho esse novo caminho, e me arrependo de não ter trilhado mais cedo. Meus outros familiares permaneceram em outras denominações, só eu sigo esse caminho radicalmente contrário ao que é ensinado na maioria das religiões da cristandade.

    Quanto ao restante do vídeo, merece ser analisado detidamente, pois a experiência do rapaz do vídeo em nada se assemelha ao modelo de cristianismo que a Bíblia recomenda.

    Curtir

  • Karmo  On 25 de maio de 2014 at 20:10

    Sobre o ponto da Prece Intercessora, mostrado no vídeo:

    1) Deus é uma pessoa real, não é um jarro de leite ou outra coisa qualquer;

    2) Através da Bíblia, e portanto, de relatos bíblicos, nos ensina pelo que devemos orar, e quais são as coisa pelas quais não devemos orar, e realmente é franco em nos ensinar que não são todas as orações que são respondidas.

    3) Deus não é onisciente como é pregado nas maiorias das religiões, Ele tem poder sobre aquilo que quer saber ou não. Não é escravo de sua capacidade de saber as coisas. Ex.: Confiou que o primeiro casal humano iria fazer a coisa certa, não comendo do fruto proibido no jardim do Éden. Se o Criador da humanidade tivesse realmente exercido Seu poder para saber de antemão tudo o que a História presenciou desde a criação do homem, então o pleno peso de toda a iniqüidade que disso resultou foi deliberadamente acionado por Deus, quando ele proferiu as palavras: “Façamos o homem.” (Gên 1:26) Estes fatos põem em dúvida a razoabilidade e a coerência do conceito predestinacionista; especialmente em vista de que o discípulo Tiago mostra que a desordem e outras coisas vis não se originam da presença celestial de Deus, mas são de origem “terrena, animalesca, demoníaca”. — Tg 3:14-18. Para saber mais acesse: http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/102009048?q=onisci%C3%AAncia&p=par

    Verei se consigo analisar o restante do vídeo.

    Curtir

  • Saga  On 25 de maio de 2014 at 20:32

    O processo deve ser o seu Maison, o de cada um que postar, não acho conveniente caso de terceiros que não estarem aqui pra se justificarem e responderem por si.

    “forma generalizada que vocês nos avaliam por nossas conclusões ignorando todo o processo que de decorreu até cheguemos a essa conclusão.”
    Até aqui os motivos apresentados pelos que comentaram envolveu revolta religiosa; a controvérsia foi sempre iniciada em relação a confusão e hipocrisia religiosa. O que mais deve ser acrescentado?

    Curtir

  • Saga  On 25 de maio de 2014 at 20:53

    Explicar o que é que o Karmo quis dizer com :
    “Não é escravo de sua capacidade de saber as coisas”.

    [0] Sendo Jeová um ser onipotente ele pode fazer o que for da sua vontade, sendo assim a onipotência comporta também que ele possa tudo saber e estar onde quiser estar, mas não existem atributos separados do poderio todo-poderoso de Jeová aos quais ele seja forçosamente sujeito.

    [1] Explico, na visão de pessoas predestinacionalistas, como os adeptos da igreja calvinista, Deus -a quem não chamam de Jeová- já sabe de toda eternidade futura a qual já está forçosa e fatalmente destinada a acontecer, o tornando mero espectador de sua propria Criação, e ele, mesmo sendo Deus, Onipotente, Onipresente e Todo Poderoso não pode mudar o que já previu, o tornando assim ESCRAVO DE SUA ONISCIÊNCIA, ele não pode fazer tudo, não, pois o que ele previu já está previsto e NÂO PODE ir contra sua presciência, aquilo já está destinado a acontecer, isso resultaria que ele prevê até mesmo seus próprios atos, neste tipo de situação sua absoluta onisciência acaba por negar sua onipotência, pois mesmo Deus NÂO PODERIA o que já estaria predestinado a acontecer.

    [2] Testemunhas de Jeová creem que seu Deus é onipotente, PODENDO FAZER TUDO O QUE DESEJAR, ele é onisciente e tem o dom da presciência, mas ele o usa de forma seletiva pra preservar o livre arbítrio de suas criaturas inteligentes evitando predestina-las a viver uma programada história repetida, o Deus das TJs é realmente livre, pois tem seu livre arbítrio não estando sujeito a um destino que ele mesmo previu, pode mudar o futuro a seu bel prazer com seu poder supremo a absoluto, as TJ preferem o termo predeterminação do que predestinação, pois consideram que Destino é um ensino falso que blasfema contra Deus, seja contra sua justiça (se o destino fosse uma doutrina verdadeira, significaria que Jeová predestinou os condenados ao inferno), ou seja por limitar sua onipotência (se o destino fosse real, Jeová só poderia fazer o que já previu que iria fazer, não poderia fazer algo diferente do que o destino mostra, seria incapaz de mudar o futuro)

    Curtido por 1 pessoa

  • Karmo  On 25 de maio de 2014 at 23:37

    No jardim do Éden, após a queda de Adão em pecado, Jeová fez as seguintes perguntas:”“Onde estás?” (Gên. 3:9) ““Quem te informou que estavas nu? Comeste da árvore de que te mandei que não comesses?” (Gên. 3:11) E a Eva, Jeová perguntou; ““Que é que fizeste?”” (Gên. 3:13)

    É lógico que isso denota a decepção de Jeová com a atitude do primeiro casal humano, denota também que Ele não sabia de antemão qual seria o resultado da proibição de comer da árvore do jardim.

    Deus não é escravo de seu poder de prever o futuro. Assim como somos seletivos em escolher o que vemos em nossas tvs, assim Deus também escolhe o que quer saber, e só interfere nos acontecimentos quando eles estão em conflito com seus propósitos eternos.

    Temos livre arbítrio, um poder de magoar o Criador quando mal usado. Não haveria sentido em Ele nos convidar a nos arrependermos de nossos pecados se de antemão soubesse que estávamos condenados a destruição eterna.

    Obrigado Saga, por esclarecer melhor o assunto.

    Curtir

  • Karmo  On 26 de maio de 2014 at 0:08

    Sobre o tema Moralidade, no vídeo, o “sábio” professor que apresentou questões sobre quem deve decidir o que é moralmente correto deve ser o próprio indivíduo, baseado em noções de ética, não é nada mais nada menos do que justificar as ações ruins ou boas como procedentes exclusivamente dos seres humanos em seus conjuntos de valores morais aceitáveis.

    Em outras palavras, foi justamente o que foi prometido a Eva, quando a serpente (usada pelo Diabo) disse: “Sereis como Deus, sabendo o que é bom e o que é mau.” (Gên. 3:5) Deus foi excluído de ser o governante das vidas de Adão e Eva e seus descendentes, de modo que dali para frente, eles próprios iriam estabelecer seus valores morais. É assim até hoje, as pessoas dizem não precisar de Deus para estabelecer pra elas o que é certo ou errado. O resultado está escrito na História, governos opressivos, guerras, genocídios, imoralidade sexual, perversão sexual, abortos, assassinatos, rituais macabros, terrorismo, divisão nacionalista, insubordinação às autoridades e etc… inclusive na história da religião falsa, que deturpou o cristianismo e maculou o nome de Deus.

    Sim, apesar disso, sempre houveram aqueles que preferiram reconhecer o direito de Deus decidir o que é moralmente correto para o ser humano. Sim, todas as coisas que Deus nos incentiva a fazer são moralmente corretas, não há como atribuir ao Deus bíblico motivações erradas, nem maldade. Ao contrário do que o professor de ética do vídeo diz, a opinião de Deus, o modo de Ele encarar os assuntos, é sim o que determina o que é moralmente correto.

    Curtir

  • Euclides  On 26 de maio de 2014 at 9:25

    O que nós pedimos aos Ateus é o que o Salmista diz no salmo 34:8 8 Saboreai e vede que Jeová é bom;+
    Pode ser que você esteja desiludido com as outras religiões, mas logo de inicio você irá perceber que as Testemunhas de Jeová são diferentes das outras. Então porque não examinar essa? a única que não tem culpa de sangue em guerras conflitos e etc.

    Curtido por 1 pessoa

  • Alexandre Martins  On 26 de maio de 2014 at 9:48

    O que você denomina de “desconversão” é algo de foro íntimo, subjetivo, portanto, não disponível a uma análise objetiva. O que nos dispomos a discutir é se os motivos alegados para justificar a opção pelo ateísmo/agnosticismo são de fato válidos.

    Curtir

  • Ramiro  On 26 de maio de 2014 at 10:32

    Excelente explicação sobre a “onisciência” de Deus!Mostrando a diferença entre a doutrina da predestinação e o ponto de vista bíblico das TJs.
    Afinal,Deus previu tudo,toda a história da humanidade?Essa sempre foi uma das questões que mais me pertubavam quando comecei a estudar a Bíblia.Já havia lido sobre o assunto em diversas publicações(A sentinela,Despertai,Estudo Perspicaz,etc),porém sua explicação sobre as implicações que essa crença tem sobre a personalidade do Criador foi a melhor que vi até agora!Muito obrigado,Saga.Jeová te abençoe muito,meu irmão.

    Curtido por 1 pessoa

  • Saga  On 26 de maio de 2014 at 18:52

    Uma OBS ali, que pode ter ficado mal explicado:
    ” as TJ preferem o termo predeterminação do que predestinação, pois consideram que Destino é um ensino falso que blasfema contra Deus, seja contra sua justiça (se o destino fosse uma doutrina verdadeira, significaria que Jeová predestinou os condenados ao inferno), ou seja por limitar sua onipotência (se o destino fosse real, Jeová só poderia fazer o que já previu que iria fazer, não poderia fazer algo diferente do que o destino mostra, seria incapaz de mudar o futuro)”

    Aqui:
    “Destino é um ensino falso que blasfema contra Deus..contra sua justiça …significaria que Jeová predestinou os condenados ao inferno”

    Pode dar a [falsa] impressão de que as TJs creem na existência do inferno literal de ardente tormento eterno, no que não creem! Ali eu estava falando da crença calvinista que a Cristandade tem, me expressei mal, mas mesmo sem cremos no inferno de fogo literal, mesmo assim o Destino implicaria que Deus já determinou todos aqueles que serão destruídos, e os salvos já estão predestinados, sendo assim muita coisa seria sem sentido, pra que tanto esforço nas pregação das boas novas se nada pode ser feito, e não aceitamos que se diga que “é um mistério”. Deus não pode arbitrariamente escolher quem será salvo e quem será destruído por designo eterno de predestinação sem recair em injustiça ou autoria do mal.

    O outro modelo de predestinação, onde Deus não age diretamente pode ser ainda pior, pois ali ele fica impotente em vez de onipotente, pois apenas assiste incapaz de mudar o que viu. Negando o livre arbítrio e aceitando o Destino ou sacrificamos sua onipotência (Colocando o Destino acima de Deus) ou sacrificamos sua justiça (O tomando como o autor de tudo que está escrito do Destino).

    E o inferno eu nem comento, que aí que caldo entorna de vez, fazendo o deus trigêmio da Cristandade ganhar contornos tirânicos de um desposta cruel de ações tirânicas e ilógicas.

    Curtido por 1 pessoa

  • Karmo  On 27 de maio de 2014 at 0:47

    O vídeo postado pelo Maison é uma experiência pessoal, e portanto, assim como o Alexandre Martins disse acertadamente, é uma experiência de foro íntimo, subjetiva.

    O vídeo parte da premissa de que o rapaz chegou a conhecer o Deus bíblico assim como a Bíblia o apresenta. Mas logo de início vemos que esse não é o caso, pois o Deus bíblico não é uma Trindade, nem usa sua onisciência de modo incontrolável, nem predestina ninguém a destruição, nem é responsável pelos males humanos. Também não é um deus servil, que se sujeita aos caprichos humanos, como se fosse obrigado a responder a todas as orações, até as mais banais com pedidos efêmeros. Não, esse não é o Deus bíblico, que tem nome e é Todo-poderoso, que ouve orações sinceras com motivações corretas.

    A parte do vídeo “Outros cristãos” pressupõe incoerências entre a Bíblia e a ciência, mas como foi abordado aqui nos comentários, e até mesmo nas páginas do site, a Bíblia está de acordo com a ciência em vários aspectos, senão todos. Deus não usou a evolução para nos criar, e a ciência até hoje luta para comprovar conceitos evolucionistas, principalmente quando se trata do período câmbrico, quando aparentemente surgiram enorme variedades de plantas e animais abruptamente.

    Quando aborda o tempo que Deus levou para criar o Universo, isso não diz respeito a Gênesis, que trata especificamente das etapas criativas relacionadas ao planeta Terra. Gênesis começa declarando que “No princípio Deus criou os céus e a terra.” (1:1) Ponto final, não relata nada sobre o tempo antes disso. Quanto tempo foi isso? Só Deus sabe.

    Sobre o comentário ateu “Os mesmos problemas” que dizia:

    “A cobra falante, o sol e as estrelas criados depois da Terra, o sol colocado no céu depois das árvores frutíferas na terra, mulher criada depois do homem, arco-íris não acontecendo até o dilúvio de Noé, pedaços de pau virando serpentes, uma mulher se transformando em um pilar de sal, crianças pequenas assassinadas por ordens divinas porque eles foram azarados em nascer com os pais errados, e assim por diante. Eu ainda estou esperando uma tradução honesta o suficiente que comece desse jeito: AVISO – Crença literal nessas histórias pode ser prejudicial a saúde.”, nós, testemunhas de Jeová, temos muito a dizer e quero dar consideração a cada uma dessas questões oportunamente.

    Por enquanto, basta dizer que a Bíblia não é um livro científico, mas quando toca nesses assuntos é muito assertiva.

    Continua…

    Curtir

  • Maison Chaves  On 27 de maio de 2014 at 17:39

    1) “Todas as pesquisas científicas indicam que vida não pode surgir de matéria inanimada”.

    Sou obrigado a descordar dessa afirmação, vou me aventurar em outras aras da ciência que não domino. Para saber sobre experimento que simulam o surgimento de seres vivos a partir de matéria não viva alem dos já citados aqui destaco o experimento de Sidney Fox que em 1984 desenvolveu inúmeros experimentos onde ele a principio conseguiu gerar proteinóides (moléculas similares as proteínas) por simples aquecimento. No trabalho seguinte com esses aminoácidos e pequenos peptídeos foi descoberto que eles podiam formar membranas esféricas fechadas, chamadas de microesferas. Fox as descreveu como formações de protocélulas, acreditando que fossem um passo intermediário importante na origem da vida. As microesferas tinham dentro de seu envoltório um meio aquoso, que mostrava movimento similar a ciclose. Eram capazes de absorver outras moléculas presentes no seu ambiente; podiam formar estruturas maiores fundindo-se umas com as outras, e em certas situações, destacavam-se protuberâncias minúsculas de sua superfície, que podiam se separar e crescer individualmente.

    2) “Pesquisadores recriaram em laboratório as condições ambientais que, segundo eles, existiam na Terra primitiva. Nessas experiências, alguns cientistas conseguiram produzir certas moléculas encontradas em seres vivos.”

    A resposta a essa questão é simples, o pesquisador não representa nada, pois esta fora do sistema estuado. Quando se faz um experimento define-se a principio quais variáveis estão sobre analise.

    3) “As proteínas e as moléculas de RNA precisam trabalhar em conjunto para que uma célula possa sobreviver. Os cientistas admitem que é muito improvável que o RNA tenha se formado por acaso e que é ainda mais improvável que isso tenha acontecido sequer com uma única proteína. É praticamente impossível que o RNA e as proteínas tenham sido capazes de se formar por acaso no mesmo lugar e ao mesmo tempo e daí terem interagido.”

    Essa sua afirmação parte do pressuposto que a vida começou da forma que a conhecemos, a verdade é que muito provavelmente nunca tenhamos certeza sobre essas primeiras formas e condições. Mas dito isso o mais aceito hoje é que o RNA auto replicante é a primeira forma que poderíamos chamar de primeira forma de vida. Essa hipótese é conhecida como Mundo de ARN.

    O problema da mente inteligente como elemento principal para essa organização é por que ele alem de não ser testável e replicável ele levanta mais duvidas do que resposta. Sem falar que cientificamente deus é uma “não resposta”, ele torna qualquer questionamento sore esse ponto estudado inviavelmente, por ser considerado um ser sobre-natural e alem de qualquer analise não nos permitindo prosseguir na busca pela verdade (Que fique claro que eu digo com impedimento lógico). Na ciência não é vergonha alguma responder que não sabemos, mas existem homens e mulheres que não se contentam com as resposta que temos hoje e estão trabalhando para aumentar nosso corpo de conhecimento.

    Curtir

  • Saga  On 27 de maio de 2014 at 18:15

    “Eu ainda estou esperando uma tradução honesta o suficiente que comece desse jeito: AVISO – Crença literal nessas histórias pode ser prejudicial a saúde.””

    Ou seja….

    “A cobra falante…[é motivo pra que uma tradução bíblica honesta comece assim:]
    … Crença literal nessas histórias pode ser prejudicial a saúde”

    “”mulher se transformando em um pilar de sal … [é motivo pra que uma tradução bíblica honesta comece assim:] … Crença literal nessas histórias pode ser prejudicial a saúde”

    Então a mensagem ateísta é crer num milagre é prejudicial a saúde, tem de crer que a mulher não se transformou em sal.

    Curtido por 1 pessoa

  • Karmo  On 27 de maio de 2014 at 23:24

    “A cobra falante…”

    Antes de abordar esse assunto, gostaria de dizer que quando se fala de um livro proveniente de Deus, não se espera um livro comum, falando de coisas meramente comuns aos mortais, como se fosse qualquer outro livro. É óbvio que se vai esperar narrativas e relatos das proezas desse Deus todo-poderoso. É só lógico e razoável encontrar em tal livro milagres, relatos de coisas sobrenaturais e incompreensíveis ao meros mortais.

    Daí vem alguém que se diz muito instruído, uma das mentes mais inteligentes do século XXI e diz – cobra falante, oh não, isso não pode ser…

    Como pode haver ainda algo desse tipo em relação a Bíblia? É impressionante! Quantas vezes a Bíblia fala de cobra falante? A única menção que eu conheço é de Gênesis 3:1, e na TNM diz serpente. Mas quem usou uma serpente para falar com Eva? Rev. 12:9 nos dá a dica – Foi Satanás, a serpente original, quem usou aquele animal vivíparo, como um ventríloquo faz com um boneco, para se comunicar com Eva, visto não poder aparecer para ela, pois é um ser espiritual.

    É fato! Animais não falam. A linguagem é algo ímpar aos Humanos. Veja o que diz o Livro: “A Vida, Qual a Sua Origem, A Evolução ou Criação, cap. 14, pár. 13-16:

    A linguagem constitui notável exemplo de capacidades que dispõem de conexões já fixadas com grande flexibilidade para serem programadas por nós. Os especialistas concordam que “o cérebro humano acha-se geneticamente programado para o desenvolvimento da linguagem”, (The Brain: Mystery of Matter and Mind, p. 59.) e que a linguagem “somente pode ser explicada à base de uma capacidade de processamento lingüístico inato, no âmbito de nosso cérebro”. (The Brain: The Last Frontier, p. 331) Diferente, contudo, da rigidez demonstrada no comportamento instintivo dos animais, existe tremenda flexibilidade na utilização, pelos humanos, desta capacidade hardwired para a linguagem.

    Uma linguagem específica não se acha hardwired em nossos cérebros, mas somos pré-programados com a capacidade de aprender línguas. Caso em casa se falem duas línguas, uma criança pode aprender ambas. Se ouvir sempre uma terceira língua, a criança pode aprendê-la também. Certa jovem costumava ouvir várias línguas desde a infância. Quando completou 5 anos, falava fluentemente oito línguas. Em vista de tais capacidades inatas, não é surpresa que um linguista tenha dito que as experiências feitas com chimpanzés, sobre linguagem de sinais, “provam realmente que os chimpanzés são incapazes de assimilar até mesmo as formas mais rudimentares da linguagem humana”. (The Brain: The Last Frontier, p. 331.)

    Poderia esta surpreendente habilidade ter evoluído dos grunhidos e dos rugidos dos animais? Estudos feitos das línguas mais antigas eliminam tal evolução da linguagem. Certo especialista disse que “não existem línguas primitivas”. (Science News Letter, “Alista 2.000 Línguas”, 3 de setembro de 1955, p. 148.) O antropólogo Ashley Montagu concordou que as chamadas línguas primitivas “são amiúde muito mais complexas e mais eficientes do que as línguas das civilizações chamadas superiores”. (Man: His First Million Years (O Homem: Seu Primeiro Milhão de Anos), de Ashley Montagu, 1962, p. 102.)

    Um neurologista conclui: “Quanto mais tentamos investigar o mecanismo da linguagem, tanto mais misterioso se torna tal processo.” (The Brain: The Last Frontier, pp. 332, 333.) Outro pesquisador afirma: “No presente, a origem da linguagem sintática permanece um mistério.” (Programs of the Brain (Programas do Cérebro), de J. Z. Young, 1978, p. 186.) E um terceiro declara: “O poder da linguagem, movendo homens e nações como nenhuma outra força, distancia de forma ímpar os humanos dos animais. Todavia, as origens da linguagem continuam sendo um dos mistérios mais intrigantes sobre o cérebro.” (The Brain: Mystery of Matter and Mind, p. 53.) Não é nenhum mistério, contudo, para os que vêem nisso a mão dum Criador que “hardwired” áreas do cérebro onde se localizam as capacidades linguísticas.

    A verdadeira surpresa pra nós, testemunhas de Jeová, é pessoas que se dizem esclarecidas achar que a Bíblia nos ensina que cobras falam.

    Continuarei com as próximas objeções do comentarista ateu do vídeo nos próximos posts.

    Até a próxima!

    Curtir

  • Alexandre Martins  On 28 de maio de 2014 at 8:56

    Todo fenômeno é único e irreproduzível. Quanto mais complexo o fenômeno, maior é a dificuldade que a Ciência têm para investigá-lo. O propósito do método científico é o de procurar relacionar a causa (observação) ao efeito, através da tentativa de reproduzir o efeito recriando as condições sob as quais ele ocorreu previamente. No caso da investigação cientifica em relação à origem da vida, encontramos dois problemas:

    (1) As condições em que ocorreu são desconhecidas e provavelmente irreconhecíveis com exatidão,

    (2) A complexidade do fenômeno (vida) é tão grande que os cientistas nem mesmo entendem suas propriedades essenciais.

    Uma vez que os métodos da ciência e o rigor das investigações científicas estão em flagrante desvantagem neste ponto, naturalmente não é lógico descartar outras possibilidades que possam contribuir para um maior entendimento sobre as origens, em especial a informação bíblica de que a vida foi criada por um Ser infinitamente superior. Se uma análise cientifica cuidadosa nos leva a concluir que os mecanismos propostos de origem espontânea não poderiam ter produzido uma célula viva, e também o fato de que nenhum processo natural imaginável poderia ter resultado na origem espontânea da vida, a hipótese alternativa da Criação se torna mais plausível. Se, por outro lado, considerarmos que os mecanismos propostos são plausíveis, devemos estar cientes de que os métodos da ciência jamais poderão responder com certeza a questão sobre a origem da vida.

    O Maison chama nossa atenção para a experiência do químico Sydney Fox, que reconhecendo que a água era desfavorável à formação de ligações peptídicas (causa do fracasso das experiências anteriores), concluiu que a ausência de água deveria favorecer a reação. Fox tentou fundir aminoácidos puros cristalinos a fim de promover a formação de pontes peptídicas, retirando a água da mistura. Ele descobriu, para sua tristeza, que a maioria dos aminoácidos se quebravam muito antes de se fundirem, produzindo produtos de degradação do tipo “alcatrão”. Depois de muitas tentativas, ele verificou que dois aminoácidos, ácido aspártico e ácido glutâmico, se fundiam a mais ou menos 200°C. Ele também descobriu que, se dissolvesse os outros aminoácidos nos aminoácidos já fundidos (ácidos aspártico e glutâmico) conseguiria produzir uma fusão contendo 50% dos 18 aminoácidos restantes. Não foi então uma surpresa verificar que o líquido cor de âmbar, após ser aquecido por umas poucas horas, continha polímeros de aminoácidos que apresentavam algumas propriedades das proteínas. Posteriormente, Fox chamou estes produtos de proteinóides. O material polimerizado pôde ser despejado em uma solução aquosa, resultando na formação de esférulas de material semelhante à proteína, que Fox considerou semelhantes a células. Fox reivindicou quase rodas as propriedades imagináveis para o seu produto, incluindo a de que ele tinha alcançado a transição de macromolécula para célula. Ele foi tão longe a ponto de demonstrar que um pedaço de rocha originada de lava vulcânica poderia substituir o tubo de ensaio na síntese de proteínas e afirmou que o processo ocorreu na terra primitiva nas encostas dos vulcões.

    Entretanto, seus críticos diminuíram sua credibilidade. Observe os seguintes problemas:

    1. Proteinóides não são proteínas; eles contêm muitas ligações não peptídicas e ligações cruzadas não naturais.
    2. As ligações peptídicas existentes neles são do tipo b, enquanto que todas as ligações peptídicas biológicas são do tipo a.

    3. O material com o qual ele iniciou os experimentos foram aminoácidos purificados, que não teriam semelhança com os materiais dissolvidos na “sopa orgânica”. Se alguém tentasse fazer o experimento com a “sopa pré-biótica” condensada, o único produto seria “alcatrão”.

    4. A porcentagem de 50% de ácido glutâmico e ácido aspártico necessária para estes experimentos serem bem sucedidos não se assemelha à porcentagem muitíssimo superior de glicina e alanina encontradas nos experimentos de síntese na terra primitiva.

    5. Não há evidência de conteúdo informacional nas moléculas. Todas as alegações feitas por Fox falharam nos testes quando examinadas cuidadosamente. Embora seus resultados parecessem promissores em teoria, a realidade foi catastrófica para as esperanças dos paleobiogeoquímicos.

    Portanto, assim como as experiência anteriores, a de Fox não resultou em absolutamente nada que provasse que a origem da vida foi um processo aleatório sem intervenção de um agente inteligente.

    Ao ser indagado sobre o que representava os cientistas que conduziram estes experimentos, a resposta de Maison foi a seguinte:

    “A resposta a essa questão é simples, o pesquisador não representa nada, pois está fora do sistema estudado. Quando se faz um experimento define-se a principio quais variáveis estão sobre analise.”

    Coincidentemente, nós, que acreditamos que para a vida ter origem foi imprescindível a intervenção de um agente criador que, como os pesquisadores mencionados pelo Maison, estava à parte da sua criação. Assim, mais uma vez se comprova a ideia lógica que por trás de todo o sistema biológico de nosso planeta, houve um Ser Supremo, infinitamente inteligente, que chamamos de Jeová Deus.

    Aos que desejam provar que a vida é obra de fortuitos acidentes sem causa específica, obra do acaso cego, e tentam embasar sua assertiva citando essas malfadadas experiências que de toda forma são conduzidas por seres inteligentes,deixo uma questão:

    Os evolucionistas reconhecem que a probabilidade da vida ser obra do acaso é de apenas uma em 10113 (1 seguido de 113 zeros). Mas qualquer acontecimento que tenha uma probabilidade em apenas 1050 é rejeitado pelos matemáticos como jamais ocorrendo. Tem-se uma ideia das probabilidades envolvidas no fato de que o número 10113 é maior do que o total estimado de todos os átomos no universo! Devido a tal improbabilidade matemática, acrescida do fato de que não havia químicos há quatro bilhões de anos, quem conduziu as misturas dos elementos que supostamente originaram a vida?

    A criação por um Ser inteligente que está fora da esfera de investigação científica. Esta possibilidade é melhor investigada ao se considerar quais alternativas existem. Nós, que cremos em Deus já fizemos isso. Se alguém estiver procurando a verdade, não pode excluir arbitrariamente esta possibilidade.

    À luz do que já foi aqui exposto, o conceito da criação se torna extremamente plausível, não só como uma alternativa, mas como a única alternativa razoável. Só alguém que não quer admitir a possibilidade de uma Inteligência Superior excluiria esta consideração. Esta conclusão ao menos faz sentido à luz das muitas observações que consideramos, pois explica a fonte da informação, o arranjo não casual do código genético e as respostas dos insondáveis mistérios de quem veio primeiro, as proteínas ou o código genético. Os ateus devem dar boas-vindas a uma solução que traz entendimento e ordem ao caos. Os ateus devem ser os primeiros a dar boas-vindas ao seu Criador!

    Curtido por 1 pessoa

  • Saga  On 28 de maio de 2014 at 15:47

    Maison Chaves On 27 de maio de 2014 at 17:39
    1) “Todas as pesquisas científicas indicam que vida não pode surgir de matéria inanimada”.

    Sou obrigado a descordar dessa afirmação, vou me aventurar em outras aras da ciência que não domino. Para saber sobre experimento que simulam o surgimento de seres vivos a partir de matéria não viva alem dos já citados aqui destaco o experimento de Sidney Fox que em 1984 desenvolveu inúmeros experimentos onde ele a principio conseguiu gerar proteinóides”

    Todas pesquisas cientificas desde então (1984) continuam a rejeitar a ideia de matéria inanimada se tornar um ser vivo (abiogênese). Por mais protectoides que você gere em laboratório, você não tem um ser vivo disso, e alias está muito longe, através de um grande abismo. Teorias e experimentos em torno disso terminam por esbarrar em alguma dificuldade intransponível.

    Então fica-se na situação de que o nosso colega materialista crê sem evidência.
    Ele assevera a evolução química da matéria abiótica para o ser biótico que fundamenta a T.U.C.A darwinista (Ancestralidade Comum), através de meio puramente naturalísticos, mas isso ele o faz ancorado na sua fé ateísta que precisa ser fundamentada num evolucionismo materialista, não adianta vir dizer que é por empirismo cientifico e bla bla blá, que notoriamente não é.

    “A resposta a essa questão é simples, o pesquisador não representa nada, pois esta fora do sistema estuado. Quando se faz um experimento define-se a principio quais variáveis estão sobre analise”

    O pesquisador está fazendo papel de Autor da vida, fazendo experimentos que visam encontrar o formulário para criar seres unicelulares através de matéria preexistente por meio de uma complexa engenharia física e química.

    Mas estar fora do sistema é um elemento comum em casos de Criador x Criatura, se ele estivesse dentro do sistema, então também teria a questão de sua própria origem.

    O caso é, não se sabe as condições da Terra na época em questão, na experiência SE SUPÕE mais convenientes para o fim que se tem em mente, e aí o Cientista propositalmente induz que tais condições surjam e tudo conspire a favor do plano designado, que é a origem de algum ser unicelular.

    Nas situações controladas do experimento se some com toda variável que possa arruinar o resultado intencionado para a experiência.

    “Essa sua afirmação parte do pressuposto que a vida começou da forma que a conhecemos, a verdade é que muito provavelmente nunca tenhamos certeza sobre essas primeiras formas e condições”

    É o que temos
    Se nunca saberemos sobre as primeiras formas e primeiras condições, ficaremos como? Dando tiro no escuro? O caso é que não vi nada que apoie o Ateísmo aí, no mínimo ficaria 0a0.

    “O problema da mente inteligente como elemento principal para essa organização é por que ele alem de não ser testável e replicável ele levanta mais duvidas do que resposta”
    Não.
    A inexistência de uma intenção ou projeto não é testável, ou é?

    “Sem falar que cientificamente deus é uma “não resposta””
    O ateísmo é uma não-resposta.

    “ele torna qualquer questionamento sore esse ponto estudado inviavelmente, por ser considerado um ser sobre-natural e alem de qualquer analise não nos permitindo prosseguir na busca pela verdade”
    Não entendi nada. Alguém traduza.

    “Na ciência não é vergonha alguma responder que não sabemos”
    Sendo verdade ou não a frase acima, isso em nada confirma o Ateísmo. Ou existe um argumento que seja assim “Não sabemos como isso aconteceu -o universo, a Terra, a vida- então não foi Deus, pois este não existe”.

    Curtir

  • João Kunga  On 28 de maio de 2014 at 21:13
    O que um ateu devia ter em mente e que muitos dos ateus não leva em linha de conta, é que quando você nega a existência de Deus,e você passa conceber ideias sobre origem do universo e tira a conclusão de que tudo vem do NADA (acaso), o nada se torna um deus para você mesmo sem notar, porquê a definição de Deus nos leva a acreditar que é um ser poderoso capaz de criar coisas, então a Teoria da Evolução a meu ver se contradiz, porque ao relatar que que as coisas evoluiram na verdade é como se dissessem: – ”O NADA CRIOU ISTO!!!”
    E outra, talvez eles acreditem que sol disse à lua,- ” hey, eu vou te dar a minha luz contanto que apareças de noite e eu de dia! ” ou que a terra disse ao céu ” você ácima e eu embaixo” ou ainda que o rio disse ao mar ” cara, eu tenho meu território e você tem o seu nos cruzaremos por aí”…
    outros é porque se acharam incapazes de agradar à Deus porque o Satan os persegue. Para estes é o seguinte:
    Série de Ilustrações
    nº 62 – ENTRANDO EM ACORDO
    COM O INIMIGO .
    Um caçador estava mirando um
    urso, quando o urso falou:
    – Não é melhor falar do que
    atirar? O que é que você quer?
    Vamos negociar.
    Baixando a espingarda, o
    caçador falou:
    – Eu quero um casaco de pelo de
    urso para me cobrir.
    – Bom, esta é uma questão
    negociável.
    Falou o urso.
    – Eu apenas quero um estômago
    cheio. Vamos negociar.
    Depois de algum tempo falando,
    o urso voltou sozinho para a
    floresta. As negociações foram
    um sucesso. Cada um recebeu o
    que queria. O urso conseguiu
    seu estômago cheio e o caçador
    ficou coberto de pelo… de urso!
    MORAL:
    Se negociar com Satanás, O
    NOSSO INIMIGO, ELE
    IRÁ PROMETER OQUE NÓS
    QUEREMOS, mas apenas
    pretende levar o que ele quer; a
    nossa CHANCE DE TER VIDA
    ETRENA.
    Então, você está tentando entrar
    em ACORDO OU NEGOCIAR
    COM ESTE INIMIGO?

    Curtido por 1 pessoa

  • Karmo  On 28 de maio de 2014 at 23:12

    … o sol e as estrelas criados depois da Terra…

    É uma objeção comum a credibilidade do relato de Gênesis apresentar a interpretação de que os astros celestes, o sol, a lua e as estrelas foram “criados” depois da Terra, algo que seria muito incoerente com a realidade científica que vivemos hoje. Porém, devemos nos lembrar que o relato de Gênesis é uma narrativa das seis etapas preparatórias da Terra para a chegada do ser humano, não é uma narrativa sobre como o Universo surgiu. Diz simplesmente que no princípio Deus criou os céus e a Terra. Já no primeiro versículo diz que os céus foram criados, os quais incluem todos os astros celestes, todas as galáxias e estrelas.

    Com relação a preparação da Terra, o ponto de vista apresentado em Gênesis é de um espectador terrestre, isto é, o narrador relata os eventos de um ponto de vista de alguém que estaria na superfície da Terra. Vamos ao relato:

    Gênesis 1:14-19 diz; ” E Deus prosseguiu, dizendo: “Venha a haver luzeiros na expansão dos céus para fazerem separação entre o dia e a noite; e eles terão de servir de sinais, e para épocas, e para dias, e para anos. E terão de servir de luzeiros na expansão dos céus, para iluminarem a terra.” E assim se deu. E Deus passou a fazer os dois grandes luzeiros, o luzeiro maior para dominar o dia e o luzeiro menor para dominar a noite, e também as estrelas. Assim, Deus os pôs na expansão dos céus para iluminarem a terra e para dominarem de dia e de noite, e para fazerem separação entre a luz e a escuridão. Deus viu então que [era] bom. E veio a ser noitinha e veio a ser manhã, quarto dia.”

    O livro “A Vida, Qual a Sua Origem – Evolução ou Criação”, no capítulo 3, parágrafos 21-23, explica:

    ” Previamente, no primeiro “dia”, usou-se a expressão: “Venha a haver luz.” O termo hebraico ali utilizado para “luz” é ’ohr, que significa luz em sentido geral. Mas, no quarto “dia”, a palavra hebraica passa a ser ma•’óhr, que significa a fonte da luz. O tradutor Rotherham, numa nota de rodapé sobre “Luminaries (Luzeiros)”, em The Emphasised Bible, afirma: “No ver. 3, ’ôr [’ohr], luz difusa.” Daí, prossegue mostrando que o termo hebraico ma•’óhr, no versículo 14, significa algo “produzindo luz”. No primeiro “dia”, a luz difusa evidentemente penetrava nas faixas envolventes, mas as fontes dessa luz não podiam ser vistas por um observador terrestre por causa das camadas de nuvens que ainda envolviam a Terra. Agora, pelo visto, as coisas mudaram neste quarto “dia”.

    Uma atmosfera inicialmente rica em bióxido de carbono pode ter causado um clima quente, em toda a Terra. Mas, o crescimento luxuriante da vegetação, durante o terceiro e o quarto períodos criativos, absorveria parte deste cobertor de bióxido de carbono, retentor de calor. A vegetação, por sua vez, liberaria oxigênio — essencial para a vida animal.

    Nesse estágio, caso existisse um observador humano, ele poderia discernir o sol, a lua e as estrelas, que ‘serviriam de sinais, e para épocas, e para dias, e para anos’. (Gênesis 1:14) A lua indicaria a passagem dos meses lunares, e o sol a passagem dos anos solares. As estações (épocas) que então ‘vieram a existir’ neste quarto “dia”, sem dúvida seriam muito mais brandas do que se tornaram posteriormente. — Gênesis 1:15; 8:20-22.

    Portanto, o que aconteceu no quarto “dia” não foi a criação do sol, lua e estrelas, e sim que as luzes provenientes desses astros poderiam ser mais facilmente percebidas e os próprios astros celestes poderiam ser vistos nesse quarto “dia” por um observador terrestres.

    Para maiores detalhes sobre a verdadeira história da criação, favor acessar o link http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/102014083

    Até a próxima!

    Curtir

  • Daniel Oliveira  On 29 de maio de 2014 at 12:47

    Meus irmãos Saga e Karmo, estou num fórum predominantemente ateu, e basicamente, o mesmo assunto que acontece lá, é o que vemos aqui nesse tópico. Estou usando os argumentos de vocês, visto que coaduno com as ideias, algum problema em usar? Se sim, não usarei mais. Me informem, por favor.

    Curtido por 1 pessoa

  • Karmo  On 29 de maio de 2014 at 22:33

    Boa estória, João Kunga! Dá o que pensar mesmo!

    Quanto ao nada, NADA é maior do DEUS.

    Nada é mais poderoso do que Deus.

    Então como as palavras “nada” e “deus” têm a mesma quantidade de letras, eu prefiro ficar com uma Causa Inteligente para a origem de tudo – Deus!

    Você resumiu tudo mesmo, o “deus” das pessoas que não acreditam é o “nada.”
    Pelo menos até que se prove o contrário.

    Abraço!

    Curtir

  • Karmo  On 29 de maio de 2014 at 23:12

    “…o sol colocado no céu depois das árvores frutíferas na terra…”

    Como foi explicado nos comentários anteriores, Deus criou os corpos celestes antes do início da preparação da Terra para a chegada de sua obra prima, da criatura que seria a Sua imagem e semelhança – o ser humano. O que acontece, porém, é que no início do primeiro “dia” ou período criativo, as luzes desses astros não chegavam a superfície do nosso planeta. Desse modo, alguém que estivesse observando da Terra, estaria em completa escuridão, por causa das camadas de gases envolvendo o globo terrestre nesse primeiro “dia”.

    Assim, a primeira coisa que Deus fez, antes de começar a preparar a Terra para a chegada dos seres vivos foi dissipar partes das barreiras que impediam a luz de penetrar no cenário terrestre. Por isso Ele disse primeiramente: “Haja luz!”, (Gên. 1:3) Como já foi comentado, essa luz que apareceu no primeiro “dia” não era uma luz em sua plena força, mas era uma luz difusa, espalhada, e que ainda não se podia ver a fonte dela, ou seja, os luminares, sol, lua e estrelas. . O tradutor Rotherham, numa nota de rodapé sobre “Luminaries (Luzeiros)”, em The Emphasised Bible, afirma: “No ver. 3, ’ôr [’ohr], luz difusa.”

    Então a forma de interpretar a ordem do aparecimento do sol, da lua e estrelas na ótica ateísta está incorreta, pois o sol não foi colocado no céu depois das árvores frutíferas. O sol já estava lá quando as árvores frutíferas e outras plantas apareceram no terceiro dia. Apenas não podia ainda ser observado por alguém que estivesse presenciando o evento.

    Por falar nisso, temos de nos lembrar que o livro de Gênesis foi escrito por Moisés, o profeta que esteve por 40 dias no monte Sinai, recebendo informações diretamente de Jeová Deus. (Êxodo 24:18) Pra mim não seria surpresa se Moisés tivesse o privilégio de ver em visão o relato da criação em Gênesis. Assim faria muito sentido ele ter escrito o relato do ponto de vista de um observador terrestre.

    Poderia surgir a pergunta: ‘Como as árvores frutíferas se desenvolveram se dependem completamente do processo da fotossíntese, que por sua vez, depende da luz solar?’ Devemos nos lembrar que não havia completa ausência de luz no terceiro “dia” criativo. Havia luz difusa, e na presença de luz, a fotossíntese é possível. Com o passar dos “dias” criativos a luz se tornaria cada vez mais forte, incrementando o processo e sustentado a vida animal na terra.

    O livro “A Vida, Qual a Sua Origem – Evolução ou Criação”, no capítulo 3, parágrafos 19, explica:

    ” Assim, no fim deste terceiro período criativo, já tinham sido criadas três categorias gerais de plantas terrestres. A luz difusa já seria, então, bem forte, bastante ampla para o processo de fotossíntese, tão vital para as plantas verdes. Incidentalmente, o relato aqui não menciona toda “espécie” de planta que surgiu em cena. Não se mencionam especificamente organismos microscópicos, plantas aquáticas e outras, mas, provavelmente, elas foram criadas neste “dia”.”

    Mais uma objeção derrubada, vamos a próxima…

    Curtir

  • Karmo  On 29 de maio de 2014 at 23:14

    Daniel Oliveira, fique a vontade para usar esses argumentos. Existe uma fonte muito grande em nosso site http://www.jw.org. Boa leitura!

    Curtir

  • João Kunga  On 30 de maio de 2014 at 20:58

    Obrigado irmão Karmo, entre os milhões que eu amo muito!!!

    Curtido por 1 pessoa

  • Karmo  On 30 de maio de 2014 at 22:49

    “…mulher criada depois do homem…”

    Para quem acredita que o ovo veio antes da galinha, qual seria o problema do homem vir antes da mulher? E se a mulher viesse primeiro, como depois surgiria o homem? Ou nossos colegas ateístas são a favor de que os dois surgissem ao mesmo tempo? Daí seria realmente um ato de criação, pois o homem não poderia esperar a “macaca” (sei que o termo correto é símio) evoluir em mulher, nem a mulher esperar o “macaco” evoluir em homem. Parece piada, mas não é.

    O relato bíblico nos diz que Deus, em atenção as necessidades emocionais e físicas do homem, fez com que Adão caísse num profundo sono, daí retirou uma de suas costelas, fechando depois a carne em seu lugar. (Gên. 2:21, 22) Com a costela que retirou do homem, logicamente de forma indolor (pois não poderia cair num profundo sono se estivesse sofrendo tamanha dor), Deus passou a construir uma mulher, a primeira mulher, Eva. Adão ao acordar e vê-la, pode dizer: “Esta é osso dos meus ossos, e carne da minha carne.”

    O que isso nos mostra? Além de mostrar o cuidado amoroso de Deus com o primeiro ser humano, mostra que a mulher não é um ser inferior ao homem, não foi retirada do pé ou das partes inferiores do homem, mas foi retirada da costela, para mostrar que ela seria parceira dele, companheira e complemento ou ajudadora de seu marido (Quão diferente é o ponto de vista bíblico de diversas religiões que discriminam as mulheres e as tratam de modo desonroso). Nem foi construída a partir do pó, como foi Adão, mas foi feita a partir do material genético do homem. E quanto material genético está disponível numa costela!

    Isso é difícil de acreditar? Por quê? Só porque está relatado num livro antigo, quem vem atravessando os séculos e ainda tem crentes nele em quase toda parte? Oras, não são os cientistas do século XX que conseguiram a proeza de clonar uma ovelha? Quem não lembra da ovelha Dolly? Confiram no link: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ovelha_Dolly

    Se a ovelha Dolly foi clonada a partir de uma célula adulta, por seres humanos brilhantes, por que seria tão difícil de acreditar que o Deus todo-poderoso iria conseguir construir a mulher a partir de uma costela humana? Afinal, quantas células adultas tem numa costela humana?

    O Livro “Existe um Criador Que Se Importa com Você?” no capítulo 6, diz:

    Em anos recentes, os cientistas pesquisaram a fundo os genes humanos. Comparando os padrões genéticos humanos ao redor da Terra, eles encontraram evidências claras de que todos os humanos têm um ancestral comum, uma fonte do DNA de todas as pessoas que já viveram e de cada um de nós. Em 1988, a revista Newsweek apresentou essas descobertas numa matéria intitulada “Em busca de Adão e Eva”. Esses estudos baseavam-se num tipo de DNA mitocondrial, material genético transmitido apenas pela mulher. Informações de 1995 acerca de pesquisas em DNA masculino apontaram para a mesma conclusão: “Houve um ancestral ‘Adão’, cujo material genético no cromossomo [Y] é comum a todo homem que hoje existe na Terra”, como disse a revista Time. Sejam exatas, ou não, em todos os detalhes, essas descobertas ilustram que o relato em Gênesis é de alta credibilidade, de autoria de Alguém que esteve presente na época.

    Sinceramente ainda não entendi qual seria a implicação da mulher ter vindo a existir depois do homem, principalmente no que diz respeito a existência de um Criador, mas vamos prosseguir com a próxima objeção…

    Curtir

  • Saga  On 31 de maio de 2014 at 5:03

    Se fêmea vier antes, o que muda?

    Curtido por 1 pessoa

  • Ada Divo  On 31 de maio de 2014 at 12:22

    Uma serpente que fala parece fazer
    parte de um conto de fadas.

    ….
    É verdade que esse aspecto da
    narrativa de Gênesis pode ser difícil de
    entender, especialmente se não
    levarmos em conta o restante da Bíblia.
    Mas as Escrituras esclarecem de forma
    gradual esse intrigante mistério.
    Quem ou o que fez com que aquela
    serpente parecesse falar? Os antigos
    israelitas sabiam de outros fatos que
    esclareciam muito o papel daquela
    serpente . Por exemplo, eles sabiam que,
    embora animais não falem, uma pessoa
    espiritual pode fazer com que um animal
    pareça falar. Moisés escreveu o relato
    sobre Balaão; Deus enviou um anjo para
    fazer com que a jumenta de Balaão
    falasse como uma pessoa. — Números
    22:26-31; 2 Pedro 2:15, 16 .
    Será que outros espíritos, incluindo
    os que são inimigos de Deus, podem
    realizar milagres? Moisés tinha visto os
    sacerdotes-magos do Egito imitar alguns
    dos milagres de Deus, como fazer um
    bastão se transformar numa serpente. O
    poder para realizar algo tão excepcional
    só poderia vir dos inimigos de Deus no
    mundo espiritual. — Êxodo 7:8-12 .
    Evidentemente, Moisés também
    escreveu o livro de Jó. Esse livro fala
    muito sobre o principal inimigo de Deus,
    Satanás, que desafiou a integridade de
    todos os servos de Jeová, usando uma
    mentira. ( Jó 1:6-11; 2:4, 5 ) Assim, será
    que os israelitas do passado concluíram
    que Satanás tinha manipulado a
    serpente no Éden, fazendo parecer que
    ela falava, e enganou Eva, levando- a a
    violar sua integridade a Deus? Tudo
    indica que sim.
    Será que era Satanás quem estava
    por trás da serpente ? Mais tarde, Jesus
    chamou Satanás de ‘mentiroso e pai da
    mentira’. ( João 8:44 ) Não concorda que
    o “pai da mentira” seria a pessoa que
    contou a primeira mentira? A primeira
    mentira foi aquilo que a serpente disse
    a Eva. Contradizendo o aviso de Deus,
    de que comer o fruto proibido resultaria
    em morte, a serpente disse:
    “Positivamente não morrereis.” ( Gênesis
    3:4 ) É claro que Jesus sabia que Satanás
    havia manipulado a serpente . A
    Revelação que Jesus deu ao apóstolo
    João resolve a questão, pois chama
    Satanás de “ a serpente original”.
    — Revelação (Apocalipse) 1:1; 12:9 .
    Acha que é mesmo irrealístico
    acreditar que uma poderosa criatura
    espiritual pudesse manipular uma
    serpente, fazendo parecer que ela
    falava? Até mesmo humanos, embora
    muito menos poderosos do que
    espíritos, podem fazer impressionantes
    truques de ventriloquia e criar efeitos
    especiais convincentes.

    Curtido por 1 pessoa

  • Ada Divo  On 31 de maio de 2014 at 12:49

    A árvore do conhecimento e a árvore
    da vida parecem lendas.

    Na verdade, o relato de Gênesis não
    ensina que essas árvores tinham em si
    mesmas poderes especiais ou
    sobrenaturais. Pelo contrário, elas eram
    árvores comuns, às quais Jeová atribuiu
    um significado simbólico.
    Os humanos às vezes não fazem algo
    similar? Por exemplo, numa audiência,
    um juiz talvez dê uma advertência a
    alguém por desacato ao tribunal. O juiz
    não está falando de desrespeito aos
    móveis, instalações e paredes do tribunal
    em si, mas ao sistema judicial que o
    tribunal representa. Vários monarcas
    também usam o cetro e a coroa como
    símbolos de sua autoridade soberana.
    Assim, o que as duas árvores
    simbolizavam? Muitas teorias complexas
    foram apresentadas. A resposta
    verdadeira a essa pergunta, apesar
    de simples, é bem profunda. A árvore do
    conhecimento do que é bom e do que é
    mau representava um privilégio que só
    Deus pode ter — o direito de determinar
    o que é bom e o que é mau. ( Jeremias
    10:23 ) Não é de admirar que roubar o
    fruto daquela árvore fosse um crime!
    Por outro lado, a árvore da vida
    representava uma dádiva que apenas
    Deus pode conceder: a vida eterna.

    …….
    BEM A PÁGINA DO QUERUVIM , OFERECE UM ESTUDO MAIS PROFUNDO SOBRE A BÍBLIA E SERIA DE BENEFÍCIO PRA OS ATEUS EXAMINAREM OS ARTIGOS POSTADOS AQUI.

    Curtido por 1 pessoa

  • Maison Chaves  On 31 de maio de 2014 at 14:59

    Desculpe Karmo mas a sua afirmação ataca uma caricatura extremamente divergente da nossa atual compreensão do surgimento das especies. Vou tentar esclarecer mas temo não seja capas devido a minha falta de conhecimento nessa área, recomendo a todos que procurem em sites científicos sobre esse assunto.
    Site que eu recomendo, infelizmente está em inglês esse link aponta 29 evidencias sobre a evolução. http://talkorigins.org/faqs/comdesc/

    Uma coisa que é fato uma especie não pode dar a luz a uma criatura de outra especie, não ouve um único caso de um chimpanzé que deu a luz a um humano ou de um réptil que deu a luz a uma ave. O que acontece é Descendência com modificação, em resumo nossos filhos não são copias exatas nossas tem pequenas diferenças e só. Agora vocês devem estar pensando que isso é obvio e que isso não diz nada sobre o surgimento de novas especies, mas é exatamente o acumulo de pequenas modificações que faz com que especies diferentes surjam. Imagine o seguinte em uma pequena ilha existe uma unica especies de de ratos eles comem pequenos insetos e algumas sementes duras, depois de um forte terremoto a ilha de divide em duas de um lado ha abundancia de insetos e da outra abundancia de sementes. Isso faz com que lentamente em casa lado da ilha os induvidosos que estão mais adaptados a comer o alimento abundante sobrevivam, de um lado os animais vão ficando com dentes e mandíbulas mais fortes para comer sementes e do outro lado languas cada vez mais ágeis para capturar os insetos. Depois de milhares de anos um banco de areia de forma e essas duas famílias que outrora pertenceram a mesma especie agora não podem mais se reproduzir e portanto são consideradas especies diferentes.

    Ou seja não houve o primeiro homem ou primeira mulher. O que ouve foi um grupo de símios (todos da mesma especie) que viviam na região que chamamos hoje de Africa que um dia foram obrigados a andar eretos pois a floresta onde viviam virou uma savana devido a mudanças climáticas.

    Videos sobre o assunto.

    Curtir

  • Karmo  On 31 de maio de 2014 at 22:08

    Maison, é verdade que nós passamos características desejáveis e indesejáveis para nossos descendentes, isso é inegável. Mas poderia, a base do seu conhecimento, me dizer por que as espécies se tornam extintas, visto que estão habilitadas a se adaptarem ao meio ambiente?

    Poderia me explicar por que os experimentos com as moscas das frutas foram um fracasso, não resultando em outra espécie, senão mosca das frutas deformadas?

    Você realmente acredita que num determinado momento um símio disse pro outro: “Eu preciso aprender a andar ereto, senão eu vou sumir do mapa.”?

    Ou você acredita mesmo que num determinado momento um peixe resolveu se aventurar em solo seco e daí em diante criou pernas?

    Mesmo que isso acontecesse em milhares de anos, quantos peixes teriam que morrer para se constatar que a triste realidade de que são peixes e não anfíbios?

    Você realmente sabe dos abismos que existem entre as espécies, e das dificuldades que os evolucionistas tem tido em explicar como aconteceram eram supostas mudanças?

    Não se ofenda com minhas perguntas, mas não consigo ver como um bando de símios de um determinado momento em diante se tornam mais parecidos com os seres humanos. Hoje está fazendo aniversário de milhões de anos em determinada espécie do planeta, e os símios continuam símios…

    Curtir

  • Karmo  On 31 de maio de 2014 at 22:43

    “…arco-íris não acontecendo até o dilúvio de Noé…”

    Uma definição de arco-íris diz: “Um arco-íris (também chamado arco-celeste, arco-da-aliança, arco-da-chuva, arco-da-velha) é um fenômeno óptico e meteorológico que separa a luz do sol em seu espectro (aproximadamente) contínuo quando o sol brilha sobre gotas de CHUVA. É um arco multicolorido com o vermelho no seu exterior e o violeta em seu interior; a ordem completa é vermelho, laranja, amarelo, verde,azul, anil (ou índigo) e violeta. No entanto, a grande maioria das pessoas consegue discernir apenas seis cores, e o próprio Newton viu apenas cinco cores, e adicionou mais duas apenas para fazer analogia com as sete notas musicais…. O efeito do arco-íris pode ser observado sempre que existir gotas de água no ar e a luz do sol estiver brilhando acima do observador em uma baixa altitude ou ângulo. O mais espetacular arco-íris aparece quando metade do céu ainda está escuro com nuvens de CHUVA e o observador está em um local com céu claro. Outro local propício à apreciação do arco-íris é perto de cachoeiras.”

    Dessas informações podemos concluir que o arco-íris só aparece depois da chuva ou em decorrência dela. O aparecimento de um arco-íris está relacionado a queda de água e incidência de luz, especialmente de luz solar. A Bíblia não descreve o grau de claridade da atmosfera antes do Dilúvio. Mas, pelo que parece, as condições atmosféricas eram tais que, até ocorrer a mudança quando ‘se abriram as comportas dos céus’ (Gên 7:11), ninguém antes de Noé e sua família tinha visto um arco-íris. Mesmo hoje, as condições atmosféricas influem quanto a se poder ver ou não um arco-íris.

    O fato é que se um arco-íris já tivesse sido visto antes, não haveria nenhuma força real em Deus torná-lo um sinal destacado do seu pacto. (Gên 9:8-17) Teria sido algo corriqueiro, e não um sinal significativo duma mudança, de algo novo.

    Costumamos ver arco-íris depois de grandes tempestades, quando há grandes precipitações, ou chuvas. Temos forte motivos para crer que as condições climáticas antes do Dilúvio eram bem diferentes das condições depois do Dilúvio, de modo que realmente cremos que Noé e sua família foram os primeiros a ver esse fenômeno acontecer.

    Curtir

  • Karmo  On 31 de maio de 2014 at 22:57

    Maison, uma máquina de escrever e uma escavadeira têm alavancas, será que um dia foram a mesma máquina ou tiveram um mesmo projetista, ou vieram da mesma mente, a mente humana?

    Você acha que só porque existem certas semelhanças anatômicas entre os diversos animais, eles tiveram ancestrais comuns?

    Curtir

  • Maison Chaves  On 1 de junho de 2014 at 0:08

    Ada Divo você percebe que essa suas explicação e somente um interpretação? e que durante vários seculos pensou-se diferente disso, chegando a haverem expedições em busca dessas arvores. Agora o que diferencia essa interpretação de qualquer outra? o que a torna mais legitima?

    Curtir

  • Maison Chaves  On 1 de junho de 2014 at 0:19

    Alexandre Martins por favor no seu texto existem muitos fatos que eu desconhecia, por favor indique suas fontes.

    Curtir

  • Maison Chaves  On 1 de junho de 2014 at 0:35

    Alem da bíblia existem outros estudos demonstrando essa diferença da atmosfera pré e pôs diluvio? Aparentemente existe uma falta de evidencias de um evento de tamanha proporção, onde a esmagadora maioria das criaturas vivas terrestre morreram, incluindo os humanos.

    Curtir

  • Maison Chaves  On 1 de junho de 2014 at 0:56

    Olha mesmo não havendo um ‘ancestal comum’ é interessante notar que as ferramentas que usamos sofrem naturalmente um processo de evolução como descrito pela famigerada teoria. Os modelos menos adaptados vão se extinguindo e os mas adaptados vão ganhando mais variações.

    Não, semelhanças anatômicas são apenas um indicio, morcegos e aves tem asas e voam mas surgem de ramos evolutivos diferentes.

    Curtir

  • Maison Chaves  On 1 de junho de 2014 at 3:25

    Karmo gostei muito das suas perguntas, antes de minha desconversão nunca tive dificuldade de conciliar os conhecimentos científicos com minha crenças, e sempre achei que a evolução era um meio elegante de deus trabalhar.

    Vamos aos trabalhos 😀

    Por que as espécies se tornam extintas, visto que estão habilitadas a se adaptarem ao meio ambiente?

    Basicamente uma especie se torna extinta quando não esta apta a viver no meio, nessa situação podem ocorrer duas coisas, ou a especie não deixa nenhum descendente para contar estoria (como os trilobitas) ou a pressão evolutiva faz com se modifiquem até se tornarem novas especies.

    Poderia me explicar por que os experimentos com as moscas das frutas foram um fracasso, não resultando em outra espécie, senão mosca das frutas deformadas?

    Não ha tempo hábil para o surgimento de novas especies em laboratórios, o surgimento de novas especies é demonstrado principalmente pelo registro fóssil, caso não houvesse o surgimento de novas especies (somente extinções) teríamos no decorrer dos milhares de anos cada vez menos diversidade.

    Você realmente acredita que num determinado momento um símio disse pro outro: “Eu preciso aprender a andar ereto, senão eu vou sumir do mapa.”?

    Não, imagine o seguinte, aquele grupo de símios que originou os humanos estavam acostumados a viver toda sua vida em arvores sem nunca por os pés no chão, então devido uma mudança climática essa floresta tropical da lugar a uma ambiente onde existem arvores, mas estas estão distantes umas das outras. Estes animais são obrigados agora são obrigados a percorrer pelo chão o espaço que separa as arvores, mesmo tendo predadores eles tem que faze-lo se não quiserem morrer de fome.
    Nesse cenário um grupo de 20 macacos resolve seguir para próxima arvore, porem 8 são comidos, os mais lentos entre eles. nesse momento não se nota diferença significativa nos sobreviventes, estes 12 se reproduzem entre si e agora temos 30 macacos. eles resolvem migrar para a próxima arvore dessa vez 12 são comidos e os 18 restantes são um pouco ‘mais bípedes’. e o processo se repete os mais rápidos sobrevivem os mais lentos comidos e no fim temos macacos que agora são bípedes. Espero que tenha dado pra entender apesar da minha simplificação grosseira. Resumindo eles foram selecionado pela capacidade de sobreviver ao predador e nesse casso aquele que eram melhores ao correr sobre duas patas se deram melhor.

    Ou você acredita mesmo que num determinado momento um peixe resolveu se aventurar em solo seco e daí em diante criou pernas?

    O caso com o peixe não é muito diferente, o que selecionou os peixes foi a competição por comida, visto que a competição na água era muito grande alguns peixes foram desenvolvendo uma habilidade de respiração anfíbia e usavam as nadadeiras como patas e foram gradualmente sendo capazes de viver mais e mais tempo fora da água.

    Mesmo que isso acontecesse em milhares de anos, quantos peixes teriam que morrer para se constatar que a triste realidade de que são peixes e não anfíbios?

    Não eles não eram suicidas, aqueles que conseguiam passar mais tempo em terra tinha mais alimento e portanto mais chances de sobreviver.
    Exemplo de peixe com patas e habilidades anfíbias http://pt.wikipedia.org/wiki/Periophthalmus

    Você realmente sabe dos abismos que existem entre as espécies, e das dificuldades que os evolucionistas tem tido em explicar como aconteceram eram supostas mudanças?

    O abismo que separa um cachorro de um lobo não é diferente do abismo que separa um homem branco de um homem negro os dois tem um ancestral em comum mas a medida que as famílias vão se afastando deste ancestral maiores são as diferenças. Quando Darwin propôs a teoria da origem das especies ainda não se conhecia o mecanismo de hereditariedade nem mesmo se conheciam os genes, e quando este foi descoberto e sua função comprovada só se somou ao grande numero de evidencias que já existiam.
    Lembres-se que cada criatura que já viveu é um elo na corrente que liga uma especie atual ao seu antepassado e como nem todos os seres se tornam fosseis sempre haverão elos faltantes nessa cadeia.

    Não se ofenda com minhas perguntas, mas não consigo ver como um bando de símios de um determinado momento em diante se tornam mais parecidos com os seres humanos. Hoje está fazendo aniversário de milhões de anos em determinada espécie do planeta, e os símios continuam símios…

    Como eu disse antes gostei das suas perguntas e não me ofendo com elas. Os símios que continuam símios são (evolutivamente falando) tão evoluídos com nos, assim como todo e qualquer ser vivo encontrado hoje eles tiveram os mesmos milhões de anos para evoluir. Voltando ao meu exemplo da ilha, nos e os chimpanzés só estamos em lados diferentes da ilha.

    Curtido por 1 pessoa

  • Karmo  On 1 de junho de 2014 at 21:02

    Maison, obrigado por dispor de tempo para responder minhas perguntas.

    De tudo que você disse, o que mais me deixou perplexo é acreditar que uma mudanças climáticas poderiam tornar símios mais eretos! Mudanças climáticas ocorrem em intervalos relativamente pequenos, em comparação ao milhões de anos que se supõe serem necessários para uma espécie se transformar em outra. Mudanças climáticas são obstáculos vividos por vários animais, elas ocorrem, por exemplo, no nordeste brasileiro, onde muito gado morre de fome, por não conseguir alimento suficiente. Os mais fortes, mesmo após diversas gerações, não desenvolvem outras habilidades, mas permanecem sendo o que são, bois e vacas. Mudanças climáticas ocorrem em diversos pontos do planeta, e acreditar que elas ou outros fatores são os responsáveis por surgimento de novas espécies é realmente uma questão de fé, visto que nem os fósseis, nem nossa breve existência no planeta nos permite comprovar tal teoria que supostamente acontece em “milhões” de anos.

    Vamos aos fósseis:

    Extraído do Livro “A Vida – Qual a sua Origem – Evolução ou Criação” cap. 7, pár. 9-18:

    Exatamente quão esparsos são os fósseis de “homens-macacos”? Observe o seguinte. Revista Newsweek: “‘Poderia colocar todos os fósseis no topo de uma única mesa’, disse Elwyn Simons, da universidade Duke.” (Newsweek, “Ossos e Prima Donnas”, de Peter Gwynne, John Carey e Lea Donosky, 16 de fevereiro de 1981, p. 77.) Jornal The New York Times: “Os restos fósseis conhecidos dos ancestrais do homem caberiam numa mesa de bilhar. Isso resulta num mirante deficiente do qual perscrutar o nevoeiro dos últimos poucos milhões de anos.” (The New York Times, “Quão Antigo É o Homem?”, de Nicholas Wade, 4 de outubro de 1982, p. A18.) Revista Science Digest (Sumário de Ciência): “O fato notável é que toda a evidência física que temos a favor da evolução humana ainda pode ser colocada, com espaço de sobra, dentro de um único caixão! . . . Os símios modernos, por exemplo, parecem ter surgido do nada. Não dispõem de passado, de nenhum fóssil. E a verdadeira origem dos humanos modernos — de seres eretos, nus, fabricantes de ferramentas, de cérebro grande — é, se havemos de ser honestos com nós mesmos, um assunto igualmente misterioso.” (Science Digest, “O Povo da Água”, de Lyall Watson, maio de 1982, p. 44.)

    Os humanos de tipo moderno, com capacidade de raciocínio, de planejar, de inventar, de edificar à base de conhecimento prévio, e de utilizar línguas complexas, surgem subitamente nos fósseis. Gould, em seu livro The Mismeasure of Man (A Dimensão Errônea do Homem), observa: “Não dispomos de evidência alguma de alteração biológica no tamanho ou na estrutura do cérebro desde que surgiu o Homo sapiens nos fósseis, cerca de cinqüenta mil anos atrás.” The Mismeasure of Man, de Stephen Jay Gould, 1981, p. 324.) Assim, o livro The Universe Within (O Universo Interno) indaga: “O que moveu a evolução . . . a produzir, como que da noite para o dia, a moderna humanidade, com seu cérebro altamente especializado?” (The Universe Within, de Morton Hunt, 1982, p. 45.) A evolução é incapaz de responder. Mas, poderia a resposta estar na criação de uma criatura muito complexa e diferente?

    Onde Estão os “Elos”?

    No entanto, não encontraram os cientistas os necessários “elos” entre os animais simiescos e o homem? Não, segundo a evidência. Science Digest menciona “a ausência de um elo que falta para explicar o aparecimento relativamente súbito do homem moderno”. (Science Digest, “Mutações Milagrosas”, de John Gliedman, fevereiro de 1982, p. 91.) Newsweek observou: “O elo que falta entre o homem e os símios . . . é simplesmente a mais glamourosa de toda uma hierarquia de criaturas fantasmagóricas. Nos fósseis, os elos que faltam são a regra.” (Newsweek, “É o Homem um Sutil Acidente?”, de Jerry Adler e John Carey, 3 de novembro de 1980, p. 95.)

    Visto não haver elos, “criaturas fantasmagóricas” têm de ser inventadas à base de mínima evidência e ser divulgadas como se realmente tivessem existido. Isso explica por que poderia ocorrer a seguinte contradição, conforme veiculada por uma revista científica: “Os humanos evoluíram em passos graduais de seus ancestrais simiescos e não, como alguns cientistas contendem, em saltos súbitos de uma forma para outra. . . . Mas outros antropólogos, manipulando quase os mesmos dados, alegadamente chegaram à conclusão exatamente oposta.” (Science 81, “Evolução Humana: Suave ou aos Saltos?”, setembro de 1981, p. 7.)

    Assim, podemos entender melhor a observação do respeitado anatomista Solly Zuckerman, que escreveu no Journal of the Royal College of Surgeons of Edinburgh (Revista do Real Colégio de Cirurgiões de Edimburgo): “A busca do proverbial ‘elo que falta’ na evolução do homem, o santo gral de uma seita nunca moribunda de anatomistas e biólogos, dá margem à especulação e ao florescimento de mitos tão facilmente hoje, ou até mais, do que há 50 anos.” (Journal of the Royal College of Surgeons of Edinburgh, “Mitos e Métodos na Anatomia”, de Solly Zuckerman, janeiro de 1966, p. 90.) Observou que, com demasiada freqüência, os fatos foram ignorados, e, em vez disso, aclamava-se o que era popularesco na época, apesar da evidência em contrário.

    A “Árvore Genealógica” do Homem

     Em resultado disso, sofre constantes alterações a “árvore genealógica” amiúde esquematizada da suposta evolução do homem a partir de animais inferiores. Para exemplificar, Richard Leakey declarou que uma descoberta mais recente dum fóssil “põe por terra a noção de que todos os fósseis primitivos podem ser dispostos numa seqüência ordeira das mudanças evolucionárias”. (National Geographic, “Crânio 1470”, de Richard E. Leakey, junho de 1973, p. 819.) E dizia certo informe de jornal a respeito dessa descoberta: “Jogue-se no lixo todo o livro de antropologia, todo o artigo sobre a evolução do homem, toda a gravura da árvore genealógica do homem. Estão, pelo visto, errados.” 9The Boston Globe (O Globo de Boston), “Ele Está Sacudindo a Árvore Genealógica da Humanidade”, de Joel N. Shurkin, 4 de dezembro de 1973, p. 1.)

     A teórica árvore genealógica da evolução humana está repleta de refugos de “elos” previamente aceitos. Um editorial de The New York Times observou que a ciência evolucionista “dá tanta margem a conjecturas que as teorias de como o homem veio a existir tendem a contar mais sobre seu autor do que sobre seu assunto. . . . O descobridor de novo crânio amiúde parece redesenhar a árvore genealógica do homem, colocando sua descoberta no tronco central que leva ao homem, e os crânios de todo o mundo mais nas linhas laterais, que não conduzem a parte alguma.” (The New York Times, 4 de outubro de 1982, p. A18.)

    Numa crítica literária sobre The Myths of Human Evolution (Os Mitos da Evolução Humana), escrito pelos evolucionistas Niles Eldredge e Ian Tattersall, a revista Discover (Descobrir) observou que os autores eliminaram qualquer árvore genealógica evolucionista. Por quê? Depois de frisar que “os elos que constituem os ancestrais da espécie humana só podem ser adivinhados”, esta publicação declarava: “Eldredge e Tattersall insistem que o homem procura em vão seus ancestrais. . . . Se houvesse evidência, contendem, ‘poder-se-ia confiantemente esperar que, à medida que se encontrassem fósseis mais hominídeos, a estória da evolução humana se tornasse mais clara. Ao passo que, se algo ocorreu, foi justamente o contrário.’”

     Concluiu Discover: “A espécie humana, e todas as espécies, continuarão sendo uma espécie de órfãos, ficando perdida no passado a identidade de seus genitores.” (Discover, crítica literária feita por James Gorman sobre The Myths of Human Evolution, de Niles Eldredge e Ian Tattersall, janeiro de 1983, pp. 83, 84.) Talvez “perdida” do ponto de vista da teoria evolucionista. Mas, será que a alternativa de Gênesis não “encontrou” nossos pais, da forma como realmente eles se acham nos fósseis — plenamente humanos, como nós somos?

     Os fósseis revelam uma origem distinta e separada para os símios e para os humanos. É por isso que inexiste evidência fóssil do elo do homem com animais simiescos. Os elos realmente jamais existiram.


    Agora, pra não ser muito abusado com o espaço que me é concedido nos comentários, vou falar sobre os peixes. O exemplo do link que você postou, pra mim, o animal é considerado um anfíbio. Mesmo que fosse um peixe, não há “elos” que o liguem com ancestrais písceos; o animal em questão tem respiração cutânea, respira pela pele, assim como os anfíbios, não tem guelras como os peixes, ou tem? Agora, me diga, um animal como o Periophthalmus, precisava já ter suas pernas funcionais desde o início, ou como poderia andar por aí com meia-perna, ou apenas dois tocos de pernas? Ou esperaria que as tais pernas se desenvolvessem no decorrer de milhares de anos? Não seria isso um suicídio.

    Gostaria de abordar as questões sobre o clima anti-diluviano e outros que ficaram pendentes, mas terá de esperar um pouco, meu tempo está muito escasso ultimamente.

    Até a próxima.

    Curtir

  • João Kunga  On 1 de junho de 2014 at 23:20

    Apelo à consciência de Maison com todo respeito a reconsiderar o que as Testemunhas de Jeová ensinam a respeito da criação (não que todo mundo e o criacionismo ensina, para que não haja confusão), mas abaixo passo apenas a sitar algumas demonstrações fraudulentas do Evolucionismo:

    1 Recapitulação embrionária

    Recapitulação embrionária

    Ernst Haeckel promoveu a ideia de
    que os embriões humanos à medida
    que se desenvolvem, passam
    através das fases evolutivas que
    levaram ao desenvolvimento dos
    seres humanos. Esta idéia é
    conhecida como recapitulação .
    Haeckel copiou uma série de
    imagens dos embriões e as
    modificou para demonstrar esse
    princípio. Suas imagens são agora
    bem conhecidas como sendo
    fraudulenta.

    2 Mitos da evolução são conclusões
    baseadas em pressupostos
    filosóficos, fraudes e mentiras
    usadas para apoiar a evolução.
    Disputas de evidência científica são
    desenfreadas em vários campos da
    ciência filosófica fazendo visões de
    mundo como a criação e a
    evolução entrar em choque, ainda
    mais. Dentro destas disputas, as
    alegações de erros, fraudes e
    enganos são frequentes. Por causa
    da razao entre evolucionistas e
    criacionistas, os criacionistas
    frequentemente gastam muito do
    seu tempo, ou afirmando ou
    refutando, essencialmente
    falsificando as teorias
    evolucionárias. A menos que
    especificado, este artigo não vai
    fazer declarações de intenção para
    fraudes, mas apenas destacar
    evidências populares para os
    evolucionistas que foram
    reivindicadas como fato por muitos
    anos, mas através do tempo e
    disciplina científica adequada
    foram descartados. Enquanto
    muitos evolucionistas estão
    conscientes de que esses
    argumentos não são válidos, eles
    podem ainda ser encontrados em
    debates e em manuais escolares.
    Este conjunto de mitos deve servir
    para informar as pessoas e
    fornecer uma referência central.

    3 Homem de Piltdown (Eoanthropus
    dawsoni): Fóssil fraudulento que foi
    lixado para se parecer com o dos
    humanos e tratado quimicamente
    para dar-lhe a aparência de idade.
    Ele foi saudado como prova da
    teoria de Darwin, durante quarenta
    anos.

    4 Homem de Nebraska
    (Hesperopithecus haroldcookii):
    Refere-se a um dente mal
    preservado fossilizado
    incorretamente identificado como
    pertencente a um primata em
    1920, mas um consenso foi
    alcançado depois de que pertencia
    a um caititu (porco selvagem).
    Homem de Java (Pithecanthropus
    erectus): Fóssil fraudulento.
    Neandertais (Homo sapiens
    neanderthalensis): Apesar das
    tentativas anteriores do
    evolucionistas de classificar os
    neandertais como primitivos
    “homens-macaco,” descobertas
    recentes indicacam que os
    Neandertais eram humanos. Ainda,
    vários espécimes de Neandertal
    datados pelo professor Reiner
    Protsch foram considerados
    drasticamente mais jovens do que
    o sugerido.

    5 Ver artigo principal: Biston
    betularia
    As traças noturnas (Biston
    betularia ) têm sido muito
    utilizadas como exemplo de
    evolução. A explicação mostra que
    a poluição da Revolução Industrial
    fez com que os troncos das árvores
    se tornassem mais escuros. As
    mariposas mais claras passaram a
    se destacar contra as árvores
    escuras, de modo que os
    predadores iriam mirar nelas,
    dando as mariposas mais escuras
    coloridas uma vantagem natural.
    Há dois problemas com isso:
    1. As imagens utilizadas para
    demonstrar as mariposas eram
    fraudulentas, com as mariposas
    presas à árvore. As mariposas não
    descansam em árvores durante o
    dia, eles só voam à noite.
    2. Isto não demonstra a evolução,
    mas em vez disso demonstra a
    seleção natural, que também está
    presente no modelo da criação.
    Isso demonstra traços já existentes
    que estão sendo selecionados à
    favor ou contra.

    6 Similaridade do ADN Humano-
    chimpanzé
    Este foi um mito seguido e
    ensinado cegamente pelos
    evolucionistas por 30 anos. É
    agora, uma vez que se desvendou o
    ADN e o genoma foi decodificado
    que podemos ver e realmente
    entender a complexidade e a
    diferença do ADN humano e
    relação ao do chimpanzé.
    Escrevendo para a Scientific
    American , JR Minkel tinha isto a
    dizer sobre os resultados e
    estatísticas que apoivam [4] :
    “ Nos seres humanos e chimpanzés,
    que têm cerca de 22.000 genes
    cada um, o grupo descobriu 1.418
    duplicatas que um ou o outro não
    possui. Por exemplo, os humanos
    possuem 15 membros de uma
    família de genes do cérebro
    associadas ao autismo, chamada
    família centaurin-gama, enquanto
    que os chimpanzés têm seis, por
    uma diferença de nove cópias do
    gene.
    O grupo estima que os seres
    humanos adquiriram 689 novas
    duplicatas de genes e perdeu 86
    desde então divergindo do nosso
    ancestral comum com os
    chimpanzés há seis milhões de
    anos. Da mesma forma, eles
    consideravam que os chimpanzés
    perderam 729 cópias de genes que
    os seres humanos ainda têm.
    “O artigo apoia a ideia de que a
    emergente alteração no número de
    cópias dos genes, através de
    duplicação de genes ou a perda, é
    um dos principais mecanismos de
    condução da evolução mamífera” ,
    diz o pesquisador em genômica
    James Sikela do University of
    Colorado Health Sciences Center.
    Matthew Hahn (Indiana U) e uma
    equipe de cientistas realizaram
    estudos comparando o ADN
    humano e do chimpanzé, mas
    levando em consideração as
    duplicações de genes que não eram
    1,5% como foi propagado. Sabe-se
    agora que a diferença varia de
    cerca de 6%. Sr. Hahn publicou os
    resultados que destruíram o mito
    [5] no PLoS One, um jornal
    científico a peer-reviewed .
    Mais recentemente, as
    comparações genéticas de
    Cromossomas Y revelaram uma
    diferença de até 30% entre
    humanos e chimpanzés.

    7 Archaeoraptor
    A mais recente e talvez a mais
    infame fraudes evolucionista foi
    cometida na China, publicada em
    1999 na revista National
    Geographic (196:98-107,
    Novembro de 1999). Ossos de
    dinossauros foram colocados
    juntos com os ossos de uma nova
    espécie de pássaro e eles tentaram
    passá-lo como um novo e
    importante intermediário evolutivo.
    Notícias
    Anthropologist resigns in ‘dating
    disaster’ – Painel diz que o
    professor de origens humanas
    fabricou os dados, e plagiou obras.
    WorldNetDaily , 19 de fevereiro de
    2005
    Dinosaur exposed as fake Um
    espécime de Icthyosaurus
    espécime em exibição no Museu
    Nacional do País de Gales, em
    Cardiff foi removido para
    manutenção e constatado ser uma
    composição de duas amostras
    diferentes, com uma confusão de
    gesso misturado. BBC , 8 de
    Dezembro de 2000.

    Espero que senhor Maison, tenho se mostrado de bom intelecto, use de modéstia e bom juízo para reavaliar o seu conceito sobre a Evolução, que compare com tão belamente explanados artigos sobre o assunto das Testemunhas de Jeová.

    Curtido por 1 pessoa

  • Karmo  On 2 de junho de 2014 at 9:12

    Vamos considerar algumas supostas vantagens evolucionárias:

    Suponhamos que fosse verdade que o símio perdeu todos os pêlos de seu corpo e passou a andar ereto, isso após milhares de anos, que vantagem evolucionária isso lhe proporcionaria? Vamos pensar na seguinte situação: Um homem nu sem nada nas mãos e um chimpanzé, a uma distancia igual de uma árvore, se deparam de repente com um leão faminto, que logo em seguida corre em direção a eles. Quem você acha que teria mais chances de escapar do leão faminto?

    Agora que vantagem evolucionária teria o homem nu, quando chegasse o inverno? Quem estaria mais agasalhado, o chipanzé ou o homem sem nenhum pêlo?

    Sim, que suposta vantagem evolucionária teriam criaturas com órgãos incompletos, com meio-bicos, meias-patas, meia-nadadeiras, meio-olhos e etc…? Pois a teoria da evolução ensina que as mudanças foram lentas, graduais. O peixe que supostamente conseguiu virar anfíbio, por exemplo, teria grandes problemas de locomoção ao tentar andar com suas proto-patas, sendo presa fácil de outros predadores, ou morrendo mesmo encalhado em alguma praia. Esse é só mais um obstáculo para o que eu considero uma “crença” que alega se basear em evidências.

    Uma das dificuldades que enfrenta a teoria da evolução é o fato de que em parte alguma dos fósseis se encontram ossos ou órgãos parcialmente formados que poderiam ser considerados o início de novas características. Por exemplo, existem fósseis de várias tipos de criaturas voadoras – aves, morcegos, pterodáctilos extintos. De acordo com a teoria evolucionista, deviam ter evoluído de ancestrais transicionais. Mas, não se encontrou nenhuma delas. Existem quaisquer fósseis de girafas com pescoço tendo dois terços ou três quartos do comprimento do das atuais? Existem quaisquer fósseis de aves que evoluam um bico a partir duma queixada de réptil? Existe qualquer evidência fóssil de peixes que desenvolvem um pélvis anfíbio, ou de barbatanas de peixes que se transformaram em pernas, pés e artelhos de anfíbios? A realidade é: a busca de tais características em desenvolvimento nos fósseis tem-se provado infrutífera. Para que os órgãos sejam funcionais, tem de surgir completos.

    Pense na diferença óbvia entre os diversos sistemas circulatórios de diversas criaturas. O coração do peixe é diferente do coração do anfíbio, que por sua vez difere do coração dos répteis, mamíferos e aves. Agora pense no gradualismo evolucionário. Como um sistema de bombeamento de sangue, tão vital para a manutenção da espécie, poderia surgir incompleto, seja em que fase for, peixe, anfíbio, réptil, mamífero ou ave? Simplesmente não poderíamos ter um quase coração, ou um quase pulmão, ou um quase estômago ou quase seja lá o que for.

    Terei prazer em considerar mais absurdos de tal teoria posteriormente, teoria a qual se agarrou aqueles que decidiram descartar Deus da suas vidas.

    Curtir

  • Karmo  On 3 de junho de 2014 at 0:07

    Como seria imaginar um mundo onde a teoria da evolução fosse verdade? Voltaríamos no tempo quando não existiam os mamíferos, nem os répteis, nem as aves, nem os anfíbios, um tempo onde os peixes ainda estavam se aventurando a sair da água. Um longoooo tempo…. Mas os insetos já existiam, deviam proliferar de maneira espantosa, pois não existiam ainda muitos de seus predadores, os sapos, as rãs, as aves e até alguns mamíferos que fazem parte da hierarquia de predadores desses seres que são fantasticamente prodigiosos em se reproduzir. Imagine um mundo assim, onde as plantas não tinham por quem ser devoradas, visto o ancestral písceo de todos os seres terrestres por um longoooo tempo não se aventurou sair da água.

    Mas fantasias à parte, há mais uma dificuldade que confronta a teoria da evolução. Exatamente como é que ela supostamente ocorreu? Qual é um dos mecanismos básicos que se presume possibilitou a evolução de um tipo de coisa viva em outro? Os evolucionistas afirmam que várias alterações verificadas no interior da célula desempenham sua parte. E, dentre estas, destacam-se as mudanças “acidentais” conhecidas como mutações. Crê-se que as partes específicas envolvidas nestas alterações mutacionais sejam os genes, e os cromossomos das células sexuais, uma vez que as mutações neles verificadas podem ser transmitidas aos descendentes.

    Porém, não é qualquer tipo de mutação que a evolução exige. Robert Jastrow indicou a necessidade de “lento acúmulo de mutações favoráveis”. (Red Giants and White Dwarfs, de Robert Jastrow, p. 250.) Carl Sagan afirmou que as mutações fornecem a matéria-prima da evolução. Disse que o ambiente escolhe algumas mutações mais propícias à sobrevivência, levando a uma série de transformações lentas de uma forma de vida para outras, a origem de novas espécies.

    A reprodução do material genético na célula goza de notável coerência. De modo geral, levando-se em conta o número das células que se dividem em algo vivo, as mutações não são muito frequentes. A reprodução das cadeias de ADN que compõem um gene é notavelmente exata. Constituem acidentes raros as reproduções ou cópias erradas. (Encyclopedia Americana, 1977, Vol. 10, p. 742.) Quando algo sai errado, chamamos isso de mutação genética. A mutação parece ser um processo destrutivo, em vez de construtivo. Mutações benéficas são raríssimas. A maior parte das mutações são deletérias para o indivíduo que leva o gene mutante. Em experiências, observou-se que, para cada mutação bem-sucedida ou útil, há muitos milhares que são prejudiciais.

    Devido à natureza nociva das mutações, a Encyclopedia Americana reconheceu: “Parece difícil de reconciliar o fato de que a maioria das mutações são prejudiciais ao organismo com o conceito de que as mutações são a fonte de matérias-primas para a evolução. Deveras, os mutantes ilustrados nos compêndios de biologia são uma coleção de aleijões e monstruosidades, e a mutação parece ser um processo destrutivo, em vez de construtivo.” (Encyclopedia Americana, 1977, Vol. 10, p. 742.) Que vantagem evolutiva haveria para seres aleijados, com membros incompletos, e como eles se tornariam competitivos dessa forma?

    O fato é que dificilmente se pode esperar que um acidente, uma mudança, em qualquer mecanismo delicado, o aprimore. Enfiar alguém uma vareta no mecanismo do seu relógio, ou no seu conjunto de som, raramente o faria funcionar melhor. Pense no seguinte: Parece razoável que todas as células, órgãos, membros e processos surpreendentemente complexos que existem nas coisas vivas tenham sido aprimorados por um processo destrutivo?

    O resultado das experiências com moscas-das-frutas, que foram realizadas desde o início dos anos 1900, expondo-se milhões dessas moscas aos raios X aumentou a frequência das mutações para mais de cem vezes o normal. As mutantes da mosca Drosophila, sem exceções, se mostraram inferiores ás moscas do tipo selvagem quando a viabilidade, à fertilidade e à longevidade. Além disso, jamais produziram algo novo. As moscas eram aleijadas, com asas, patas e corpos mal-formados, além de outras distorções, mas continuaram sendo moscas-das-frutas. Algo mais interessante é que quando moscas-das-frutas mutantes foram acasaladas entre si, observou-se, depois de várias gerações, que começaram a eclodir algumas moscas-das-frutas normais!

    Tudo isso ilustra como os genes são fatores reparadores de defeitos hereditários. Até anões que se casam, podem ter filhos de estatura normal. O código genético da hereditariedade, o ADN, possui notável capacidade de reparar os danos genéticos causados a ele mesmo. Isto ajuda a preservar a espécie de organismo para o qual foi codificado.

    Experiências de reprodução também comprovam isto. Os cientistas tentaram continuar modificando indefinidamente diversos animais e plantas, pelo cruzamento. Queriam ver se, com o tempo, podiam desenvolver novas formas de vida. Com que resultado? A revista On Call relata: “Os criadores usualmente verificam que, depois de algumas gerações, atinge-se um ponto ótimo, além do qual é impossível ulterior melhora, e que não houve novas espécies que se formaram, . . . As reproduções, portanto, pareceriam refutar, em vez de apoiar, a evolução.” (On Call, 3 de julho de 1972, pp. 8, 9.)

    E outra vez os cientistas fizeram o papel do agente inteligente na experiência, controlando as mutações. Qual seria, então, o papel de Deus, ao lidar com as espécies primordiais que desembarcaram da arca de Noé?

    Mas esse é outro assunto…

    Até a próxima!

    Curtir

  • Karmo  On 4 de junho de 2014 at 0:09

    Certamente devem existir outros estudos sobre a suposta diferença entre as atmosferas anti e pós-diluvianas, Maison, mas nossa fé se baseia em evidências tais como as palavras de Gênesis 2:5, 6:

    ” Ora, não havia ainda nenhum arbusto do campo na terra e não brotara ainda nenhuma vegetação do campo, porque Jeová Deus não fizera CHOVER sobre a terra e não havia homem para lavrar o solo.  Mas uma neblina subia da terra e regava toda a superfície do solo.”

    De alguma maneira, Deus mantinha a atmosfera úmida o bastante para que regasse a terra sem a necessidade de chuva. Não sabemos exatamente como isso era feito, daí entra nossa fé em que nunca havia chovido antes do Dilúvio.

    Quando digo evidências, não quero dizer com isso que tenho provas concretas, mas tenho pistas que nos levam a acreditar que a atmosfera anti-diluviana era bem diferente do que temos hoje. Por exemplo, se alguém chega em algum lugar, e percebe que o tal lugar está chamuscado, ainda está subindo fumaça de tal lugar, a que conclusão óbvia vai chegar? Certamente vai perceber que houve um incêndio em tal lugar. E se chegasse no mesmo lugar e percebesse que o lugar estava alagado? Certamente a primeira conclusão a que chegaria era que houve uma inundação do lugar.

    Assim também, quando viemos ao mundo, por assim dizer, encontramos um planeta que é cerca de 75 % coberto de água. É só lógico concluímos que nem sempre foi assim, que o planeta foi inundado pela água em determinado período da história geológica. Até os continentes têm reentrâncias que se encaixam, tais como a America do Sul e Africa. Tudo indica que um dia estiveram unidos, mas uma grande catástrofe os separou. E ainda continuam se distanciando embora muito mais lentamente do que no início.

    Outra possível evidência duma mudança drástica: Em várias partes da terra foram encontrados restos de mamutes e de rinocerontes. Alguns destes foram encontrados em penhascos siberianos; outros foram preservados no gelo da Sibéria e do Alasca. De fato, alguns foram encontrados com alimento não digerido no estômago ou ainda não mastigado, nos dentes, indicando que morreram subitamente. Calcula-se, à base do comércio de presas de marfim, que se encontraram os ossos de dezenas de milhares de tais mamutes. Os restos fósseis de muitos outros animais, tais como leões, tigres, ursos e alces, foram encontrados nas mesmas camadas, indicando talvez que todas essas criaturas foram destruídas simultaneamente. Alguns têm indicado tais achados como prova física inequívoca duma rápida mudança no clima e duma destruição repentina causada por uma inundação universal. Outros, porém, são a favor de explicações da morte desses animais que não envolvam uma catástrofe global. A prova de que o Dilúvio ocorreu não depende de tais fósseis e restos de animais congelados.

    Também temos evidências de um cataclismo tal como o Dilúvio, que acabou com a existência do inteiro mundo daquele tempo, cataclismo nunca esquecido pelos sobreviventes. Falariam dele a seus filhos e aos filhos de seus filhos. Depois do Dilúvio, Sem ainda viveu 500 anos, podendo relatar o acontecimento a muitas gerações. Morreu apenas dez anos antes do nascimento de Jacó. Moisés preservou o relato autêntico em Gênesis. Algum tempo após o Dilúvio, quando pessoas que desafiavam a Deus construíram a Torre de Babel, Jeová confundiu a língua deles e os espalhou “por toda a superfície da terra”. (Gên 11:9) Era só natural que essas pessoas levassem consigo histórias do Dilúvio e as transmitissem de pai para filho. O fato de que não existem apenas poucas, mas talvez centenas de histórias diferentes sobre aquele grande Dilúvio, e que essas histórias se encontram entre as tradições de muitas raças primitivas no mundo todo, é uma prova forte de que todos esses povos tiveram uma origem comum e de que seus antepassados iniciais compartilharam aquele acontecimento, o Dilúvio.

    Esses relatos folclóricos do Dilúvio harmonizam-se com alguns dos principais aspectos do relato bíblico: (1) um lugar de refúgio para uns poucos sobreviventes, (2) também, uma destruição global da vida por meio de água, e (3) a preservação duma semente da humanidade. Os egípcios, os gregos, os chineses, os druidas da Britânia, os polinésios, os esquimós e os groenlandeses, os africanos, os hindus, os índios americanos — todos esses têm suas histórias dum Dilúvio. The International Standard Bible Encyclopedia (A Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional; Vol. 2, p. 319) declara: “Descobriram-se histórias sobre o dilúvio entre quase todas as nações e tribos. Embora sejam mais comuns no continente asiático e nas ilhas logo ao sul dele, bem como no continente norte-americano, foram encontradas em todos os continentes. O número das histórias conhecidas ascende a cerca de 270 . . . A universalidade dos relatos sobre o dilúvio costuma ser tomada como evidência da destruição universal da humanidade por um dilúvio e a dispersão da raça humana a partir de um único lugar, e mesmo de uma única família. Embora as tradições talvez nem sempre se refiram ao mesmo dilúvio, parece que a vasta maioria o faz. A asserção de que muitas destas histórias de dilúvio originaram-se dos contatos com missionários não procede, porque a maioria delas foi coletada por antropólogos não interessados em vindicar a Bíblia, e elas estão cheias de elementos fantasiosos e pagãos, evidentemente em resultado da transmissão durante períodos extensos numa sociedade humana pagã. Outrossim, alguns dos relatos antigos foram escritos por pessoas bem opostas à tradição hebraico-cristã.” — Editada por G. Bromiley, 1982.

    Em tempos passados, certos povos primitivos (na Austrália, no Egito, em Fiji, nas Ilhas da Sociedade, no Peru, no México e em outros lugares) preservavam um possível resto dessas tradições sobre o Dilúvio por celebrar em novembro uma ‘Festa dos Antepassados’ ou ‘Festa de Finados’. Esses costumes refletem uma lembrança da destruição causada pelo Dilúvio. Segundo o livro Life and Work at the Great Pyramid (Vida e Obra na Grande Pirâmide), a festividade no México era realizada em 17 de novembro, porque eles “tinham uma tradição de que, naquela época, o mundo fora previamente destruído, e temiam que uma catástrofe similar no fim de um ciclo aniquilasse a raça humana”. (Do Professor C. Piazzi Smyth, Edimburgo, 1867, Vol. II, pp. 390, 391) O livro The Worship of the Dead (A Adoração dos Mortos) observa: “Esta festa [de finados] é . . . realizada por todos no próprio dia ou quase no dia em que, segundo o relato mosaico, ocorreu o Dilúvio, a saber, o décimo sétimo dia do segundo mês — o mês quase correspondente ao nosso novembro.” (De J. Garnier, Londres, 1904, p. 4) É interessante notar que a Bíblia relata que o Dilúvio começou “no segundo mês, no dia dezessete do mês”. (Gên 7:11) Este “segundo mês” corresponde à última parte de outubro e à primeira parte de novembro de nosso calendário.

    Portanto, Maison, o testemunho das escrituras, as condições do globo atualmente, e o testemunho de várias raças e culturas alienadas da cultura hebraica-cristã, são fortes evidências que corroboram nossa fé no Diluvio universal.

    Curtir

  • Thales  On 4 de junho de 2014 at 8:24

    Pergunta aos adeptos da evolução:
    Seria possível um computador surgir da evolução, por meio dos
    chamados processos aleatórios ? se sim, Quantos anos levariam ?

    Se não, porque acreditar que um ser vivo, extremamente complexo seria capaz ?

    Curtido por 1 pessoa

  • Saga  On 4 de junho de 2014 at 19:01

    Vai dizer que é porque seres vivos, são dotados de celulas, código genético, passam por mutação e seleção natural, em suma, a resposta seria que é porque os seres vivos são vivos, haha. Agora vejam que, do exposto anteriormente se deduz que os chamados processos evolutivos só funcionam em seres vivos preexistentes, nisso o primeiro ser vivo continua sendo um mistério insondável!

    Curtido por 1 pessoa

  • Karmo  On 4 de junho de 2014 at 23:30

    “…pedaços de pau virando serpentes….”

    Oras, pra quem acredita que a vida surgiu de matéria inanimada, por que isso seria difícil de acreditar?

    O que é mais fácil acreditar, que vida surgiu de matéria inanimada ou que um Deus Todo-poderoso conferiu poder para homens realizarem milagres com varas de madeira? Vejamos o relato de Êxodo 7:10-12:

    “De modo que Moisés e Arão entraram até Faraó e fizeram assim como Jeová mandara. Portanto, Arão lançou seu bastão diante de Faraó e dos seus servos, e ele se tornou uma cobra grande. No entanto, Faraó convocou também os sábios e os feiticeiros; e os próprios sacerdotes-magos do Egito passaram também a fazer a mesma coisa com as suas artes mágicas.  De modo que cada um deles lançou seu bastão no chão, e eles se tornaram cobras grandes; mas o bastão de Arão engoliu os bastões deles. ”

    Com certeza Deus permitiu que os sacerdotes-magos fizessem a proeza de transformar seus bastões em cobras para endurecer o coração de Faraó, pois ainda não era o tempo certo para libertar o seu povo do Egito. O versículo 13 reza: “Ainda assim, o coração de Faraó ficou obstinado e ele não os escutou, assim como Jeová havia falado.” Era só o começo dos milagres, portentos e maravilhas com as quais Deus ira marcar o Egito, fazendo com que Seu nome fosse conhecido em toda a terra. De fato, Jeová disse a Faraó:

    “Pois eu já poderia ter estendido minha mão para golpear a ti e a teu povo com pestilência, e para eliminar-te de cima da terra.  Mas, de fato, por esta razão te deixei em existência: para mostrar-te meu poder e para que meu NOME seja declarado em toda a terra. ” (Êxodo 9:15, 16)

    Semelhantemente, Deus tem tolerado o mal e o sofrimento, as injustiças até o tempo certo, quando irá libertar o seu atual povo do domínio do Faraó moderno, Satanás e seus demônios. Nesse meio tempo, as pessoas tem oportunidade de tomar sua posição contra ou a favor do governo divino, tem oportunidade e livre arbítrio para até mesmo duvidar da existência de Deus ou aceitá-la como única explicação plausível para a existência do Universo.

    Como eu já tinha dito, a Bíblia não é um livro comum, não contém somente coisas comuns que possam ser compreendidas por meros mortais. A Bíblia é um livro proveniente do Criador, contém os pensamentos do Criador, com muitos relatos acerca das atividades do Criador em relação a humanidade. Fenômenos como o acontecido com “os paus que viraram serpentes”, são só uma das pequenas proezas de um Deus que está definitivamente interessado na raça humana, na vindicação da Sua soberania e na felicidade eterna de todos os seus leais servos.

    Amigos, mesmo que vocês não acreditem em Deus, Deus ainda acredita em vocês! Sejam reconciliados com Deus!!!

    Curtir

  • Thales  On 5 de junho de 2014 at 10:34

    Pois é, Saga. Essa seleção natural é muito sábia.

    “nisso o primeiro ser vivo continua sendo um mistério insondável!”

    Tenho uma dúvida também sobre o segundo ser vivo, digo isso porque não consigo imaginar esse processo levando em conta a ‘seleção sexual’.

    Curtido por 1 pessoa

  • Karmo  On 5 de junho de 2014 at 23:42

    “…uma mulher se transformando em um pilar de sal…”

    Acredito que essa seja uma referência ao que aconteceu com a esposa de Ló, conforme escrito no relato de Gênesis 19:26 –

    ” E a esposa dele começou a olhar em volta, por detrás dele, e ela se tornou uma coluna de sal.”

    Os mensageiros angélicos enviados a Ló tinham sido bem claros nas instruções para fuga da cidade, eles não deviam olhar para trás. Mas, por algum motivo, a esposa de Ló olhou para trás e se tornou uma coluna de sal.

    Hoje se sabe que na antiga região onde ficavam situadas as cidades de Sodoma e Gomorra, que foram destruídas por fogo e enxofre enviados desde os céus, existe atualmente o Mar Morto, um mar com salinidade muito elevada. Confira no link aqui: http://pt.wikipedia.org/wiki/Mar_Morto A destruição ardente de Sodoma e Gomorra, e a existência de poços de betume (asfalto) naquela região são descritas na Bíblia. (Gên 14:3, 10; 19:12-28) Muitos peritos acham que as águas do mar Morto talvez se tenham elevado no passado e tenham estendido a extremidade meridional do mar numa considerável distância, cobrindo assim o que talvez tenha sido o lugar dessas duas cidades. Explorações feitas nesta região mostram ser ela uma área queimada, de óleo e asfalto. A respeito deste assunto diz o livro Light From the Ancient Past (Luz do Passado Remoto), de Jack Finegan (1959, p. 147): “Uma cuidadosa pesquisa da evidência literária, geológica e arqueológica aponta para a conclusão que as infames ‘cidades da planície’ (Gênesis 19:29) estavam na área que agora está submersa . . . e que sua ruína foi realizada por um grande terremoto, provavelmente acompanhado por explosões, relâmpagos, ignição de gás natural e conflagração geral.”

    Algo parecido aconteceu com as pessoas da cidade de Pompéia, quando aconteceu a erupção do Vesúvio. Foram surpreendidas repentinamente por lavas incandescentes e morreram submersas no fogo da erupção. Confira em http://pt.wikipedia.org/wiki/Pompeia. A diferença é que a mulher de Ló foi transformada numa coluna de sal instantaneamente ao desobedecer a ordem divina de fugir e não olhar para trás. Além disso, foram misericordiosamente salvos de uma destruição anunciada, algo que os da cidade de Pompéia não tiveram tempo de escapar.

    Não foi uma morte comum, foi algo sobrenatural, foi algo produzido pelo próprio Deus. Como aconteceu? Não sabemos os detalhes técnicos, mas talvez um dia saberemos. Aí é que entra também a palavrinha de duas letras tão importante para os cristãos verdadeiros – FÉ.

    Lembrando que se um dia você quiser nadar no Mar Morto, pode ficar tranquilo, pois mesmo que não saiba nadar não irá morrer afogado, pois devido a salinidade elevadíssima desse lago, ninguém consegue afundar. Por que será que há tanto sal nessa região? Mulher que se transforma em coluna de sal… será simples coincidência?

    Curtir

  • Karmo  On 7 de junho de 2014 at 12:13

    “…crianças pequenas assassinadas por ordens divinas porque eles foram azarados em nascer com os pais errados, e assim por diante.”

    As crianças eram assassinadas por ordens divinas dos deuses de seus próprios pais cananeus! Sim, pois os cananeus, por exemplo, sacrificavam seus próprios filhos aos deuses deles. Além das suas outras práticas degradantes, tais como cultos prestados por prostitutas de templos, havia a do sacrifício de crianças. Segundo Merrill F. Unger: “Escavações na Palestina descobriram pilhas de cinzas e de restos de esqueletos de crianças em cemitérios ao redor de altares pagãos, indicando a ampla prática desta abominação cruel.” (Archaeology and the Old Testament [Arqueologia e o Velho Testamento], 1964, p. 279) O Manual Bíblico de H. H. Halley (reimpressão de 1987, Editora Vida Nova, p. 157) diz: “Era assim, praticando a licenciosidade como rito, que os cananeus prestavam seu culto aos deuses, e também assassinando seus primogênitos, como sacrifício aos mesmos deuses. Parece que, em grande escala, a terra de Canaã tornou-se uma espécie de Sodoma e Gomorra de âmbito nacional. . . . Teria direito de continuar por mais tempo uma civilização de tão abominável imundície e brutalidade? . . . Alguns arqueólogos que têm escavado as ruínas das cidades dos cananeus admiram-se de Deus não as haver destruído há mais tempo.”

    Mostrando o seu direito de governar, Deus usou os israelitas para executar os cananeus. A questão envolvida, porém, é claramente a de se a soberania de Deus sobre a terra e seus habitantes é ou não reconhecida. Ele havia passado o direito de posse da terra de Canaã à ‘descendência de Abraão’, fazendo-o por meio dum pacto juramentado. (Gên 12:5-7; 15:17-21; compare isso com De 32:8; At 17:26.) O propósito de Deus, porém, envolvia mais do que a simples expulsão ou desalojamento dos ocupantes existentes dessa terra. Estava também envolvido seu direito de agir como “Juiz de toda a terra” (Gên 18:25), e de decretar a sentença de morte sobre os julgados merecedores dela, bem como Seu direito de implementar e impor a execução desse decreto.

    Realmente, aquelas crianças foram muito azaradas por nascer com os pais errados, assim como acontece com muita gente hoje, que aprovam o assassinato de crianças antes mesmo delas nascerem. Aqueles que aprovam o aborto estão se igualando aqueles cananeus e não merecem viver. Em breve Deus irá julgar a tais, e assim como os cananeus irá eliminar a estes também, junto com todos aqueles que eles amam. Mas para aquelas crianças que não tiveram a sorte de nascer em lar genuinamente cristão, há ainda a oportunidade de buscar a Deus, aprender seus requisitos e serem salvas da futura destruição. Assim como houve a oportunidade para os gibeonitas, que eram cananeus que fizeram paz com os israelitas e passaram a reconhecer a Jeová como verdadeiro Deus, assim também haverá para muitas pessoas hoje, seja qual for a idade delas. No tempo de Josué, Gibeão era habitada pelos heveus, uma das sete nações cananéias destinadas à destruição. (De 7:1, 2; Jos 9:3-7) Os gibeonitas também eram chamados amorreus, visto que este nome às vezes parece ter sido aplicado de modo geral a todos os cananeus. (2Sa 21:2; compare isso com Gên 10:15-18; 15:16.) Dessemelhantes dos outros cananeus, os gibeonitas se deram conta de que, apesar da sua força militar e da grandiosidade da sua cidade, sua resistência fracassaria porque Jeová estava lutando por Israel.

    Em contrapartida, não vemos no relato bíblico nenhuma ordenança do Deus de Israel solicitando o sacrifício de crianças, ao contrário, vemos que em suas leis Jeová Deus demonstrou preocupação e cuidado com as crianças. Os meninos eram cuidados mormente pela mãe até uns cinco anos de idade. Naturalmente, cabia ao pai a responsabilidade principal de ensinar ao filho as Escrituras desde a infância, e a mãe ajudava nisso. (De 6:7; Pr 1:8; Ef 6:4; 2Ti 3:15) Ao passo que os filhos ficavam mais velhos, recebiam treinamento prático do pai em lavoura, em pecuária ou num ofício tal como a carpintaria. Tanto José como Davi eram pastores enquanto meninos. — Gên 37:2; 1Sa 16:11. As meninas estavam sob os cuidados diretos da mãe, naturalmente, sujeitas à jurisdição do pai. Enquanto em casa, ensinavam-se-lhes prendas domésticas que seriam de valor na vida adulta. Raquel era pastora. (Gên 29:6-9) Moças trabalhavam nos campos durante a ceifa de cereais (Ru 2:5-9), e a sulamita diz que seus irmãos fizeram dela guardiã dos vinhedos. — Cân 1:6.

    Nem todas as guerras de Israel foram corretas. A recaída de Israel num proceder infiel veio acompanhada por conflitos que eram praticamente só lutas pelo poder. Foi assim com a guerra de Abimeleque contra Siquém e Tebes, no tempo dos juízes (Jz 9:1-57), e com a guerra de Onri contra Zinri e Tibi, que resultou em ele ficar firmemente estabelecido no reinado exercido sobre o reino de dez tribos. (1Rs 16:16-22) Também, em vez de confiarem em Jeová para serem protegidos contra seus inimigos, os israelitas começaram a confiar no poder militar, em cavalos e em carros. Assim, no tempo de Isaías, a terra de Judá estava “cheia de cavalos” e não havia “limite dos seus carros”. — Is 2:1, 7.

    Portanto, as objeções apresentadas pelo ateu do vídeo demonstram ignorância a respeito dos relatos bíblicos, ou no mínimo má vontade em apresentar o verdadeiro sentido do entendimento das guerras apresentadas na Bíblia. Havia regras rígidas para começar uma batalha, e nem todas as guerras relatadas na Bíblia foram aprovadas por Deus. De acordo com Deuteronômio 20:10-15, outras cidades eram primeiro avisadas e se lhes ofereciam termos de paz. Se a cidade se rendia, os habitantes eram poupados e postos a trabalhos forçados. Esta oportunidade de se render, junto com a garantia de que a vida deles seria poupada e que suas mulheres não seriam estupradas ou molestadas, era para tais cidades um induzimento para capitularem diante do exército de Israel, evitando assim muito derramamento de sangue. Quando a cidade não se rendia, todos os varões eram mortos. A matança dos homens evitava o perigo duma posterior revolta da cidade. “As mulheres e as criancinhas” eram poupadas. Que “mulheres”, aqui, sem dúvida se referia a virgens é indicado por Deuteronômio 21:10-14, onde se descreve as prospectivas noivas de guerra como chorando os pais, não os maridos. Também, anteriormente, quando Israel derrotou Midiã, declara-se especificamente que apenas as virgens foram poupadas. Pouparem-se assim apenas as virgens servia para proteger Israel contra a adoração falsa, e, sem dúvida, de doenças sexualmente transmissíveis. (Núm 31:7, 17, 18)

    Até mais!

    Curtir

  • Lin de Varga  On 7 de junho de 2014 at 20:21

    Ao assistir ao vídeo sobre a existência de Deus, lembrei-me de Mestre Eckhart, Frade Dominicano que viveu entre 1260 e 1328 e que, se não fosse a morte, teria sido queimado pela Inquisição(informação do filósofo Luiz Felipe Pondé, Folha de São Paulo, dia7-6-214.).”Peço a Deus que me livre de Deus”, disse Eckhart. Está respondida a questão: diante da magnitude do Universo, desde a mais distante galáxia à tenra relva que pisamos com nossos pés, e, apesar da limitação do que se chama mente humana, intui-se Deus sem dogmas, como Pura Consciência. Lin de Varga http://www.vocejafoianalisado.com

    Curtir

  • Saga  On 7 de junho de 2014 at 20:56

    Pelo que se nota, foi feito o melhor pelo bem estar social, militar, economico e religioso de Israel. Também acabou sendo o melhor espiritualmente falando para os próprios filhos dos cananeus, que terminaram por ter suas chances de vida eterna ampliadas, vivendo naquela sociedade iriam se tornar adultos mergulhados em imoralidade física e religiosa. A punição divina pode envolver a primeira morte ou a segunda morte, no caso em questão a execução precoce pareceu a forma que existia para salvaguardar a salvação espiritual destes.

    Curtido por 1 pessoa

  • Karmo  On 8 de junho de 2014 at 10:12

    Naturalmente, Saga, haverá os que dirão: “O caminho de Jeová não é acertado.” (Ezequiel 18:25) Mas quem somos nós para dizer o que Deus deve ou não deve fazer?

    Os cananeus tinham consciência de que aquilo que faziam era errado, tiveram notícias dos tratos de Deus com Israel, de como Deus os havia libertado do Egito, tiveram cerca de 400 anos para mudar de proceder e buscar o Deus verdadeiro, mas não fizeram nada disso, com excessão dos já citados gibeonitas e alguns indivíduos como a mulher Raabe, de Jericó.

    Que diremos pois? Há injustiça da parte de Deus? Que isso nunca aconteça! Um processo de desconversão baseado nessa premissa já é falho desde o início. A Inquisição católica, por outro lado, nada tinha a ver com instruções divinas direcionada especificamente para Israel, além de terem sido praticadas por supostos “cristãos”. Instruções divinas direcionadas a Israel, que não envolviam nem a tortura, nem a humilhação, como eram feitos nos tribunais inquisitórios. Veja http://www.infoescola.com/historia/a-santa-inquisicao/ .

    O mesmo Deus que outrora pacientemente esperou pelo arrependimento daquelas sete nações cananéias, hoje está dizendo a todos, em toda parte, que se arrependam. (Atos 17:30)

    Ele disse: “‘Acaso me agrado de algum modo na morte do iníquo’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová, ‘[e] não em que ele recue dos seus caminhos e realmente continue a viver?’ (Ezequiel 18:23) O exemplo da cidade de Nínive é prova de que Deus não tem prazer na morte dos seus inimigos. Jonas foi enviado para pregar lá, os ninivitas se arrependeram e Deus os poupou da destruição.

    E pensando bem, aquelas nações iam acabar sendo aniquiladas por si mesmas, haja visto o grau de degradação moral e a inclinação para derramamento de sangue, ou seja, de violência explícita praticadas por elas. Deus poupou muita gente de sofrimento adicional, se formos pensar do ponto de vista do Criador.

    Mas, como disse no início, sempre haverá os que dirão: “O caminho de Jeová não é acertado!” Fazer o quê, né?

    Curtir

  • Karmo  On 8 de junho de 2014 at 11:04

    Prosseguindo com o vídeo do processo de desconversão, o que tenho a dizer é que o processo é baseado em premissas falhas, de uma experiência pessoal de um religioso que, conforme veremos, não conhecia a Bíblia profundamente, além de que se baseia em grande parte no julgamento da espécie do Deus bíblico, do julgamento de sua moral, e não em provas de sua inexistência.

    Vou prosseguir, com a ajuda da Bíblia e do entendimento da organização de Jeová sobre os assuntos bíblicos, desmantelando os argumento, um a um, desse processo de desconversão pouco convincente, pelo menos para mim e aqueles que têm um conhecimento mais apurado das escrituras.

    Curtir

  • Jalmeida-PG  On 8 de junho de 2014 at 14:57

    Lin de Varga, interessante a sua colocação, esses personagens que você citou foram vitimas de pessoas de mentes perturbadas que tomaram ação erroneamente. A Inquisição é um dos maiores erros cometido em nome do Deus da Bíblia. Se não estudarmos qual o proposito de Deus, não entenderemos esses erros, e continuaremos achando que foi culpa Dele. Essas pessoas que cometeram essa atrocidades não tinham “consciência”, porque? Estavam cegadas pelo Arqui-inimigo de Deus. Quando estudamos, pesquisamos os fatos históricos, começamos a entender a “mente de Deus”, mesmo com as limitações da nossa mente humana. Sugiro a você que abra a sua mente, encoste no tronco de um arvore e reflita no que fomos, no que somos, e o que seremos no futuro. Jeová Deus vai te mostrar as respostas que você precisa pra saber o que o futuro de reserva. Sobre o que é “consciência” sugiro que comece por pesquisar o significado desta palavra, veja neste link.
    http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1200001024

    Curtido por 1 pessoa

  • karmo2010  On 11 de junho de 2014 at 23:01

    Continuando com o suposto processo de “desconversão” do vídeo, vamos ver a parte chamada
    A Bíblia.

    Logo de início, o rapaz do vídeo diz:

    “MUITAS PASSAGENS DA BÍBLIA SEMPRE TIVERAM MUITO SIGNIFICADO PARA MIM.
    POR EXEMPLO, EXISTE MATEUS 7:6 : “NÃO DEIS AOS CÃES AS COISAS SANTAS, NEM DEITEIS AOS PORCOS AS VOSSAS PÉROLAS, NÃO ACONTEÇA QUE AS PISEM COM OS PÉS E VOLTANDO-SE VOS DESPEDACEM.”
    ISSO TINHA GRANDE SIGNIFICADO PARA MIM PORQUE CERTAS PESSOAS COM QUEM EU TENTAVA DISCUTIR NÃO APRECIAVAM AS MINHAS METICULOSAS EXPLICAÇÕES, EU ME DAVA CONTA QUE ELES SIMPLESMENTE NÃO TINHAM AVANÇADO O SUFICIENTE PARA APRECIAR O QUE EU ESTAVA DIZENDO.”
    Que ironia! O rapaz se deu conta que outras pessoas não tinham avançado suficiente para apreciar o que ele estava tentando transmitir da Bíblia. Porém, ele mesmo não se dava conta de quanto ainda precisava aprender da Bíblia para fazer uma avaliação crítica dela.

    “ENTÃO TINHA PROVÉRBIOS 3:5 : “CONFIA NO SENHOR DE TODO O TEU CORAÇÃO, E NÃO TE ESTRIBES NO TEU PRÓPRIO ENTENDIMENTO.” E ROMANOS 1:22 : “DIZENDO-SE SÁBIOS, TORNARAM-SE TOLOS.” ESSES VERSOS ME AJUDAVAM A ENTENDER PORQUE ALGUMAS PESSOAS REJEITAVAM O CRISTIANISMO APESAR DE TEREM SIDO MUITO INSTRUÍDAS. ELES TAMBÉM ME LEMBRAVAM DE TER HUMILDADE QUANDO EU ACHAVA QUE TINHA UMA SOLUÇÃO MELHOR DO QUE DEUS ESTAVA ME OFERECENDO.”
    Porém, como o próprio vídeo que trata do processo de ‘desconversão’ dele, esses conselhos bíblicos não foram acatados por ele ao ser confrontado com a chamada alta crítica da Bíblia.

    “EU TINHA ESSES VERSOS E MUITOS OUTROS DE COR PARA ME GUIAR E ME ENCORAJAR EM TEMPOS DE DÚVIDA E INCERTEZA. ENTRETANTO, EU ME DEI CONTA QUE EU NUNCA ME DEI AO TRABALHO DE LER A BÍBLIA DE UMA PONTA A OUTRA. NO MEU SEGUNDO ANO DE FACULDADE UM ANO ANTES DE EU CONHECER O PROFESSOR, EU SENTI QUE EU FINALMENTE ALCANÇARA A HABILIDADE LITERÁRIA PARA FINALMENTE FAZER ISSO.”
    Habilidade literária? Desde quando é necessária habilidade literária ou segundo ano de faculdade para poder ler a Bíblia de uma ponta a outra? Em nossa escola do ministério teocrático, uma de nossas reuniões do salão do Reino das testemunhas de Jeová, há um programa para leitura da Bíblia desde Gênesis a Revelação, com as devidas explicações de cada capítulo apresentado.

    “TAMBÉM, DEPOIS DE LER “DEUS E CIÊNCIA” EU TINHA UM NOVO VIGOR PARA APRENDER O PODER DA ESCRITURA. EU COMECEI COM GÊNESIS, IMEDIATAMENTE SEGUINDO OS VERSOS QUE FORAM VALIDADOS PELO “DEUS E A CIÊNCIA”. ESSES CAPÍTULOS ERAM SOBRE NOÉ, LÓ, ABRÃO, JACÓ E JOSÉ.””

    Enfim, o suposto processo de ‘desconversão’, começou com a leitura da Bíblia, por incrível que possa parecer para nós cristãos. Vejamos como o tal ‘Espírito Santo’ que o rapaz alegava ter, direcionou o entendimento dos relatos de Gênesis.

    Até mais!

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de junho de 2014 at 0:47

    Karmo pode postar novamente seu ultimo post? Caso não possa eu terei que copia-lo. Visto que deletei o artigo. Mas não perdi os comentários não!

    Curtir

  • karmo2010  On 12 de junho de 2014 at 9:11

    Claro, Queruvim, posso postar de novo, tenho uma cópia em meu PC. Mas o que aconteceu com o artigo “Uma pergunta aos ateus…”, não encontrei.

    Curtir

  • karmo2010  On 12 de junho de 2014 at 9:12

    O tal processo de ‘desconversão’ prossegue, como relatado no vídeo:

    UMA COISA QUE EU APRENDI QUE ME INCOMODOU, FOI QUE ABRAÃO PEDIU PARA SUA ESPOSA SARA MENTIR AOS EGÍPCIOS, NO GÊNESIS. ELE FEZ ISSO PORQUE SARA ERA MUITO ATRAENTE, E ABRAÃO FICOU COM MEDO QUE ELES O MATARIAM E ASSIM FICARIAM COM ELA. ME PARECIA UM COMPORTAMENTO IMORAL EM SI MESMO, PARA QUEM ERA O SERVIDOR DO ÚNICO DEUS VERDADEIRO. POR QUE ABRAÃO MENTIRIA QUANDO ELE TINHA DEUS AO SEU LADO?

    A primeira coisa a se observar nesse relato do jovem é que ele não menciona os textos bíblicos com capítulo e versículo, onde podem ser encontrados os eventos sobre Abraão de que fala. Por quê será? Mas provavelmente está se referindo ao capítulo 12 de Gênesis. Gênesis capítulo 12 e versículo 10 a 20 diz:

    ” Houve então uma fome no país e Abrão se encaminhou para baixo ao Egito, a fim de residir ali como forasteiro, porque a fome era severa no país. E sucedeu que, assim que chegou perto para entrar no Egito, ele disse então a Sarai, sua esposa: “Agora, por favor, bem sei que és mulher de bela aparência. Assim, forçosamente há de acontecer que os egípcios te verão e dirão: ‘Esta é a esposa dele.’ E eles certamente me matarão, mas a ti te preservarão viva. Dize, por favor, que és minha irmã, a fim de que me vá bem por tua causa, e minha alma por certo viverá devido a ti.”

    E aconteceu que, assim que Abrão entrou no Egito, os egípcios chegaram a ver a mulher, que ela era muito bela. E os príncipes de Faraó também chegaram a vê-la e começaram a louvá-la diante de Faraó, de modo que a mulher foi levada para a casa de Faraó. E este tratou bem a Abrão por causa dela, e ele veio a ter ovelhas, e gado vacum, e jumentos, e servos, e servas, e jumentas, e camelos. Jeová tocou então Faraó e os da sua casa com grandes pragas, por causa de Sarai, esposa de Abrão. Em vista disso, Faraó chamou Abrão e disse: “Que é isto que me fizeste? Por que não me informaste de que ela era a tua esposa? Por que disseste: ‘Ela é minha irmã’, de modo que eu estava para tomá-la por minha esposa? E agora, eis a tua esposa. Toma-a e vai-te!” E Faraó deu ordens aos homens concernente a ele, e foram escoltar a ele e a sua esposa, e a tudo o que tinha.”

    Será que Abrão mentiu? Sarai não era sua irmã? Não, Abrão não mentiu, pois Sarai era sua meia-irmã. Era meia-irmã e esposa de Abraão e mãe de Isaque. (Gên 11:29; 20:12; Is 51:2) (Em tais tempos, no Gênesis, nos primórdios da humanidade, o casamento entre irmãos não tinha efeitos indesejáveis, pois a raça humana estava mais próxima da perfeição, o que não é nosso caso atualmente. Posteriormente, sob a Lei de Moisés, Deus proibiu tais uniões, tornando-as pecado do incesto.) Como o próprio Abrão explicou a Abimeleque: ” E, além disso, ela é realmente minha irmã, filha de meu pai, apenas não é filha de minha mãe; e ela se tornou minha esposa.” (Gên. 20:12)

    Abraão simplesmente omitiu uma informação. Ao passo que a mentira maldosa é definitivamente condenada na Bíblia, isto não significa que a pessoa seja obrigada a divulgar informações verídicas àqueles que não têm direito a elas. Jesus Cristo aconselhou: “Não deis aos cães o que é santo, nem lanceis as vossas pérolas diante dos porcos, para que nunca as pisem debaixo dos seus pés, e, voltando-se, vos dilacerem.” (Mt 7:6) O próprio texto que o jovem do vídeo dizia tanto apreciar! Foi por isso que Jesus, em certas ocasiões, refreou-se de dar plenas informações ou respostas diretas a certas perguntas, quando isso poderia ter causado dano desnecessário. (Mt 15:1-6; 21:23-27; Jo 7:3-10) Evidentemente, o proceder de Abraão, Isaque, Raabe e Eliseu, em desinformar ou em reter os plenos fatos dos que não eram adoradores de Jeová, deve ser encarado na mesma luz. — Gên 12:10-19; cap. 20; 26:1-10; Jos 2:1-6; Tg 2:25; 2Rs 6:11-23.

    Embora avançada em anos, Sarai ou Sara era muito bela. Por isso, Abrão ou Abraão anteriormente já solicitara que, quando necessário no decorrer das suas viagens, Sara o identificasse como seu irmão, para que outros não o matassem e depois a tomassem. (Gên 20:13) No Egito, isto resultou em Sara ser levada para a casa de Faraó, à recomendação dos príncipes dele. Mas a intervenção divina impediu que Faraó a violentasse. Agindo assim, Abraão demonstrou plena fé e confiança em Jeová Deus, em manobrar os assuntos para que sua esposa fosse devolvida sã e salva. Faraó devolveu depois Sara a Abraão, pedindo que deixassem o país. Providenciou também salvo-conduto para Abraão e seus bens. — Gên 12:11-20.

    É digno de nota que um antigo papiro fala de um Faraó que comissionou homens armados a se apoderarem duma mulher atraente e a matarem o marido dela. De modo que o temor de Abraão, de poder ser morto por causa de Sara, não era infundado. Em vez de pôr em perigo sua vida numa tentativa malsucedida de salvar a honra da sua esposa numa terra estrangeira, Abraão adotou o que lhe parecia ser o proceder mais seguro. Deve ser lembrado que Abraão era o dono da sua esposa. Sara tinha prazer em servir a Jeová e a Abraão deste modo. Em parte alguma censuram as Escrituras a Abraão por fazer isso. Além disso, o modo como Deus agiu para proteger Sarai e Abrão, mostraram a todos os egípcios as credenciais de profeta do verdadeiro Deus, que Abrão tinha.

    Isso responde a última pergunta do jovem: POR QUE ABRAÃO MENTIRIA QUANDO ELE TINHA DEUS AO SEU LADO? 1) Abraão não mentiu e 2) Abraão agiu assim justamente porque confiava que Deus estava ao seu lado.

    O ESPÍRITO SANTO ME GUIAVA SEMPRE PARA A VERDADE TODO O TEMPO. DEUS ME SOCORRERIA SE A VERDADE ME COLOCASSE EM DIFICULDADES. CONTAR UMA MENTIRA NUNCA PODE ESTAR CERTO! MAS O QUE FOI PIOR FOI QUANDO, DEPOIS QUE OS EGÍPCIOS ACREDITARAM EM SARA E LEVARAM SARA AO FARAÓ COMO ESPOSA, DEUS PUNIU O FARAÓ COM DOENÇAS PORQUE ELE TOMOU SUA ESPOSA. ME PARECIA TOTALMENTE AO CONTRÁRIO PARA MIM. DEUS NÃO DEVERIA TER PUNIDO SARA E ABRAÃO POR MENTIREM? MAIS UMA VEZ, O ESPÍRITO SANTO TINHA DEIXADO CLARO PARA MIM, ATRAVÉS DE SENTIMENTOS ESPIRITUAIS QUE MENTIR ERA SEMPRE ERRADO!

    O rapaz do vídeo se diz guiado pelo Espírito Santo, mas aprova a conduta do Faraó, que tomou a irmã de Abraão à força, contra sua vontade, enquanto Abraão é retratado apenas como um mentiroso. Não devemos tentar a Deus e nos colocar em dificuldades desnecessariamente, nem a nós nem aos nosso entes queridos. (Mateus 4:7) Se Abraão informasse Faraó de que Sarai era sua esposa, com certeza ele o teria matado, Sarai seria muito infeliz e Abraão não poderia participar no cumprimento da promessa de Deus. Deus puniu Faraó, mostrando sua desaprovação ao seu abuso do poder, ao obrigar a irmã de um forasteiro a ser sua esposa. Deus mostrou assim consideração aos sentimentos de Sarai, não encarando o assunto como os homens do poder encaravam as mulheres, como simples objetos. Faraó se considerava um deus e achava que podia ter tudo o que quisesse, a qualquer momento. Mas o verdadeiro Deus mostrou que as coisas não eram bem assim por afligir Faraó e seu povo com pragas. Deus já começava a mostrar aos egípcios que seu Faraó não era deus coisa nenhuma.

    Certamente esse ‘Espírito’ que guiava o rapaz do vídeo não era o espírito do Deus verdadeiro, pois não deixou que ele percebesse que Deus estava protegendo o seu profeta Abrão e tudo o que era dele em solo estrangeiro, acrescentando mais bênçãos ao patriarca e sua família.

    Até a próxima!

    Curtir

  • karmo2010  On 12 de junho de 2014 at 9:18

    Continuando com o processo de ‘desconversão’ do rapaz do vídeo, vamos verificar que suas críticas continuam ao modo de agir do que ele chama de ‘Deus do Velho Testamento’:

    EU ENCONTREI OUTROS COMPORTAMENTOS DO DEUS DO VELHO TESTAMENTO QUE NÃO FAZIAM SENTIDO. UM ERA QUANDO MOISÉS FOI PEDIR AO FARAÓ PARA DEIXAR OS HEBREUS SAÍREM DO EGITO, NO ÊXODO E DEUS ENDURECEU O CORAÇÃO DO FARAÓ. POR QUE DEUS FARIA ISSO?! ISSO NÃO VIOLARIA O LIVRE ARBÍTRIO DO FARAÓ? ISSO NÃO TIRARIA O PROPÓSITO DE DEUS MANDAR MOISÉS PEDIR? ISSO NÃO MANTERIA OS HEBREUS EM ESCRAVIDÃO POR MAIS TEMPO? ISSO NÃO ERA INJUSTO PARA OS EGÍPCIOS TAMBÉM?

    Por que Deus endureceu o coração do Faraó? Deus mesmo responde em Romanos 9:17, 18: ” Pois a Escritura diz a Faraó: “Por esta mesma razão deixei-te permanecer, para que, em conexão contigo, eu mostre o meu poder, e para que o meu nome seja declarado em toda a terra.” Assim, pois, ele tem misericórdia de quem quiser, mas deixa ficar obstinado a quem quiser.”
    Faraó logo no início teve a escolha, ou livre-arbítrio, de libertar o povo, mas não quis. À medida que cada uma das Dez Pragas atingia o Egito, ele endurecia seu coração em vez de mostrar temor de Deus. Jeová não obrigou Faraó a ser desobediente, mas permitiu que esse governante orgulhoso escolhesse o que faria. De qualquer forma, a vontade de Jeová foi feita, conforme o apóstolo Paulo explicou sobre a maneira de Jeová encarar Faraó: “Por esta mesma razão deixei-te permanecer, para que, em conexão contigo, eu mostre o meu poder, e para que o meu nome seja declarado em toda a terra.” — Romanos 9:17.
    De maneira alguma isso tiraria o propósito de enviar Moisés, pois por fim, apesar da obstinação de Faraó, foi Moisés quem liderou seu povo para fora do Egito, no Êxodo. Isso serviu também ao propósito de Jeová Deus de julgar a todos os deuses do Egito, começando por Faraó, que se considerava um deus, e mostrando que eles, os deuses egípcios, um a um eram deuses falsos, pois cada praga humilhou um dos falsos deuses dos egípcios, por exemplo, a praga das rãs, humilhou Heqt, deusa egípcia cuja representação trazia a cabeça desta criatura.

    DEUS MANDOU MATAR OS PRIMOGÊNITOS E INFLIGIU PRAGAS POR CAUSA DISSO. NÃO É INJUSTO SE DEUS ESTAVA USANDO FARAÓ COMO MARIONETE?

    Deus não estava usando Faraó como marionete, quem estava fazendo isso era o Diabo. Deus estava usando a obstinação do Faraó para um propósito, que era o de libertar seu povo, realizar grandes sinais, e ao mesmo tempo declarar seu nome, sua fama, em toda a terra. Visto que Jeová não impede as pessoas de se tornarem obstinadas, Ele é mencionado como ‘deixando que se tornem obstinadas’ ou como ‘endurecendo o coração delas’. Quando ele, por fim, realmente executa vingança contra os obstinados, isto resulta numa demonstração de seu grande poder e faz com que Seu nome seja declarado. — Veja Êx 4:21; Jo 12:40; Ro 9:14-18.

    Além disso, essa pergunta não tem a ver com a existência de Deus, e sim com o julgamento que o indivíduo do vídeo está fazendo do Deus bíblico.

    DEPOIS DE TENTAR RESPONDER ESSAS PERGUNTAS POR ALGUNS MINUTOS EU DECIDI QUE EU NÃO ESTAVA ENTENDENDO O QUE DEUS ESTAVA TENTANDO FAZER E ME LEMBREI DE NÃO CONFIAR NO MEU PRÓPRIO ENTENDIMENTO.

    É, de fato, compreensível que o jovem não entendesse as ações de Deus. O tal ‘Espírito”, que em muitas ocasiões se confunde com seus próprios sentimentos sobre os assuntos, não estava ajudando em nada na compreensão da Bíblia. Como poderia um ‘espírito’ supostamente ‘santo’, atribuir más motivações ao Criador do Universo?

    Até a próxima!

    Curtir

  • Queruvim  On 13 de junho de 2014 at 1:21

    Achei bom deletar.

    Curtir

  • karmo2010  On 13 de junho de 2014 at 23:02

    Vamos a próxima objeção levantada pelo questionável processo de ‘desconversão’ do jovem supostamente guiado pelo ‘espírito’:

    DEPOIS DE TERMINAR O ÊXODO, EU SEGUI PARA O LEVÍTICO. FIQUEI HORRORIZADO EM PERCEBER QUE O LIVRO ERA QUASE TODO DE REGRAS DE COMO FAZER SACRIFÍCIOS. EU SABIA QUE DEUS HAVIA PEDIDO AOS HEBREUS PARA FAZEREM SACRIFÍCIOS DE HISTÓRIAS COMO CAIM E ABEL. E SABIA TAMBÉM QUE, DEPOIS DO SACRIFÍCIO MÁXIMO DE JESUS CRISTO NÓS NÃO NECESSITÁVAMOS MAIS DE FAZER SACRIFÍCIOS PARA SERMOS PERDOADOS. MAS ERA INACREDITÁVEL A QUANTIDADE DE DETALHES QUE DEUS COLOCAVA PARA FAZER TAIS SACRIFÍCIOS E OFERTAS.

    Me parece que ele ficaria horrorizado de qualquer forma, em se tratando da Bíblia. Se não houvessem regras detalhadas, me parece que o jovem ficaria horrorizado por causa da falta delas. Em se tratando de um assunto tão importante como remissão de pecados, os sacrifícios mereciam uma atenção redobrada pois apontavam para um sacrifício muito maior e permanente, que ia substituir todos esses sacrifícios animais. Apontava para o sacrifício perfeito do Cordeiro de Deus, Jesus Cristo. Inacreditável, de fato, é uma pessoa que se dizia ‘guiada pelo espírito santo’ não saber dessas coisas, nem aceitar a importância de tais sacrifícios.

    O PRIMEIRO VERSO DO SEGUNDO CAPÍTULO DO LEVÍTICO SE LÊ: “E QUANDO ALGUMA PESSOA OFERECER OFERTA DE ALIMENTOS AO SENHOR, A SUA OFERTA SERÁ DE FLOR DE FARINHA, E NELA DEITARÁ AZEITE, E PORÁ O INCENSO SOBRE ELA; E A TRARÁ AOS FILHOS DE ARÃO, OS SACERDOTES…E QUANDO OFERECERES OFERTA DE ALIMENTOS, COZIDA NO FORNO, SERÁ DE BOLOS ÁZIMOS DE FLOR DE FARINHA, AMASSADOS COM AZEITE, E COSCORÕES ÁZIMOS UNTADOS COM AZEITE. E, SE A TUA OFERTA FOR OFERTA DE ALIMENTOS COZIDA NA CAÇOULA, SERÁ DE FLOR DE FARINHA SEM FERMENTO, AMASSADA COM AZEITE. NENHUMA OFERTA DE ALIMENTOS, QUE OFERECERDES AO SENHOR, SE FARÁ COM FERMENTO; PORQUE DE NENHUM FERMENTO, NEM DE MEL ALGUM, OFERECEREIS OFERTA QUEIMADA AO SENHOR.”

    Na verdade aqui nesse relato não está descrito somente o primeiro verso do capítulo 2, mas vários versículos, desde o primeiro até o verso 11. Há realmente instruções específicas de como apresentar a oferta, algo que teria de ser passado de geração em geração no caso dos sacerdotes levitas.

    POR QUE DEUS SE PREOCUPARIA COM DETALHES TÃO MUNDANOS? DEUS SEMPRE ME DISSE PARA ESTAR ACIMA DO MUNDANO E VER DE UMA PERSPECTIVA ESPIRITUAL MAIS AMPLA. EU NÃO PODIA VER COMO ESSES DETALHES PODERIAM TER VALOR PARA MINHA VIDA ESPIRITUAL.

    Detalhes mundanos? Como assim? Eram regras, instruções específicas de como apresentar um sacrifício aceitável a Deus, que seriam de muita utilidade para os sacerdotes e para o povo em geral. Quer dizer então, que esses detalhes não eram importantes, por exemplo, para construção da arca de Noé, ou para construção do tabernáculo? “Deus sempre me disse para estar acima do mundano e ver de uma perspectiva espiritual mais ampla.” Como assim? Deus falava com o jovem desorientado? Não conseguia ver como essas regras sacrificais apontavam para o sacrifício de Jesus Cristo. Mais uma vez, o ‘espírito’ falhou em ajudar o jovem do vídeo a ver o motivo de ter sido escrito com tantos detalhes as instruções das oferendas dos israelitas!

    DEPOIS DE VÁRIOS CAPÍTULOS EU ENJOEI DOS DETALHES MUNDANOS E REPETITIVOS DO LEVÍTICO E SEGUI PARA NÚMEROS. AQUI TAMBÉM ACHEI DETALHES ENTEDIANTES. DESSA VEZ SOBRE OS NÚMEROS DE ISRAELITAS QUE ERAM DE DIFERENTES TRIBOS, DEPOIS DISSO ELE VOLTOU A OFERENDAS E SACRIFÍCIOS COMO NO LEVÍTICO.
    O interesse do jovem pelos assuntos bíblicos não incluíam as cerimônias levíticas, nem as cronologias e contagens de Números. Mas é claro que seria entendiante ler todas essas instruções bíblicas em apenas algumas horas, e é por isso que a Bíblia deve ser lida com meditação, em porções bem razoáveis, todos os dias, até que se termine sua leitura, e não fazer leituras apressadas. Habilidade literária? Parece que a habilidade que adquiriu não teve utilidade na leitura da Bíblia, pois não teve nem o devido apreço, nem dedicou tempo ao estudo dela.

    EU PULEI PARA O DEUTERONÔMIO E ENCONTREI MAIS CÓDIGOS LEGISLATIVOS ENFADONHOS. TODOS ESSES CÓDIGOS E LEIS, ERAM A ANTÍTESE DA IDÉIA DE QUE A LEI DE DEUS ESTARIA ESCRITA EM NOSSOS CORAÇÕES COMO EXPLICADO POR PAULO EM ROMANOS 2:14-15. “PORQUE, QUANDO OS GENTIOS, QUE NÃO TÊM LEI FAZEM NATURALMENTE AS COISAS QUE SÃO DA LEI, NÃO TENDO ELES LEI, PARA SI MESMOS SÃO LEI. OS QUAIS MOSTRAM A OBRA DA LEI ESCRITA EM SEUS CORAÇÕES TESTIFICANDO JUNTAMENTE A SUA CONSCIÊNCIA.”

    Por fim, nessas últimas palavras vemos mais uma tentativa de descrédito ao valor das leis dadas a Israel. Leis que tinham por objetivo proteger aquela nação do paganismo e conduzi-los ao Cristo. As nações pagãs não estavam sob obrigação de guardar as leis dadas a Israel, mas conforme o apóstolo Paulo escreveu em Romanos, toda vez que esses gentios faziam obras que estavam de acordo com as leis de Deus dadas a Israel, eles mostravam que tinham a lei escrita em seus corações. Muitos gentios se tornaram prosélitos, se converteram ao judaísmo, e foram aceitos por Deus como parte de seu povo.

    Na verdade, era o que Deus esperava que acontecesse com seu povo, que eles tivessem sua lei escrita nos seus corações, não apenas um código escrito. A lei de Deus se resumia em dois mandamentos: Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Todas aqueles códigos e leis mostravam aos israelitas a necessidade que eles tinham de um Salvador, do Messias, do Cristo, que os libertaria daquele jugo que nenhum homem fiel foi capaz de cumprir perfeitamente, a não ser o próprio Jesus Cristo.

    Enfim, a próxima parte irá tocar num ponto muito importante, dessa vez do Novo Testamento, o ponto que o jovem deve ter achado ser o motivo principal para desacreditar na Bíblia. O ‘espírito’ que o guiava para cada vez mais longe da fé em Deus e na Bíblia irá revelar coisas perturbadoras para a mente jovem e tão facilmente manipulável do rapaz.

    Até a próxima!

    Curtir

  • karmo2010  On 14 de junho de 2014 at 23:46

    Esse é, talvez, o meu último post sobre o assunto do processo de “desconversão” do jovem do vídeo. Ele ficou um pouco longo, mas espero que os leitores tirem proveito das informações que se seguirão e tirem suas conclusões se são ou não válidas as razões do jovem para abandonar a fé em Deus.

    QUANDO EU COMECEI A LER A BÍBLIA DE PONTA A PONTA EU ESPERAVA ENCONTRAR AS LIÇÕES DO ESPÍRITO SANTO QUE ME FORAM ENSINADAS CONFIRMADAS NAS ESCRITURAS, MAS AO INVÉS DISSO EU ACHEI QUE O VELHO TESTAMENTO NA MELHOR DAS HIPÓTESES COMPLETAMENTE NÃO RELACIONADO COM ELAS, E PIOR, CONTRÁRIO A ELAS.

    Ou seja, ao confrontar o que tinha aprendido do ‘espírito’ com o que a Bíblia diz, viu que o espírito por detrás das palavras nas escrituras era totalmente contrário ao que foi ensinado pelo outro ‘espírito’ que o jovem suponha que era santo.

    ENTÃO EU PENSEI: TALVEZ ESSES NÚMEROS ENORMEMENTE ENTEDIANTES E LEIS SEM SIGNIFICADO TENHAM UM TIPO DE PADRÃO QUE POSSA SER CONECTADOS A CIÊNCIA COMO GERALD SCHROEDER OU TALVEZ ELES SIRVAM AO PROPÓSITO DE MOSTRAR O QUÃO DIFÍCIL ERA SERVIR A DEUS ANTES DE JESUS TER FEITO SEU SACRIFÍCIO E TER MUDADO TUDO.

    As leis eram numerosas, mas não eram sem significado para as pessoas que as obedeciam, cujo objetivo era agradar ao Criador e ser resguardados por elas das práticas pagãs que as nações ao redor de Israel estavam escravizadas. Práticas como o ocultismo, a depravação sexual, os sacrifícios humanos, o abuso de poder, a idolatria e outros pecados graves. A lei ou leis, conduziram os israelitas a fé no Messias, como um tutor que leva a criança até seu Mestre.

    EU SENTI QUE O ESPÍRITO SANTO TALVEZ ESTIVESSE ME DIRECIONANDO A LER O NOVO TESTAMENTO. EU PASSEI BASTANTE TEMPO ESTUDANDO ATOS E AS EPÍSTOLAS. UM DOS MEUS VERSOS FAVORITOS ERA O DE ATOS 1:18 : “ORA, ESTE ADQUIRIU UM CAMPO COM O GALARDÃO DA INIQUIDADE E, PRECIPITANDO-SE, REBENTOU PELO MEIO, E TODAS AS SUAS ENTRANHAS SE DERRAMARAM.”

    O ‘espírito’ não tinha sido de muita ajuda na compreensão do Velho Testamento, então o jovem achou que esse mesmo ‘espírito’ o estivesse direcionando para leitura de outra parte da mesma Bíblia, o chamado Novo Testamento. Resolveu se deter no relato sobre Judas Iscariotes, e parece que aí foi o ápice do processo de ‘desconversão’. Vejamos:

    ENQUANTO ERA VIOLENTO E HORRÍVEL A GANÂNCIA E A TOTAL FALTA DE REMORSO QUE ELE MOSTRA NA PASSAGEM, MOSTRA QUE JUDAS MERECEU ESSA MORTE. O ESPÍRITO SANTO ME DEU UMA IMAGEM DESSE MORTE COM JUDAS ANDANDO PELO CAMPO CAINDO SOBRE SEUS INTESTINOS GROTESCAMENTE EXPLODINDO DE SEU ABDOME. ISSO ERA EVIDÊNCIA DA JUSTIÇA DE DEUS E FÚRIA CONTRA OS MAUS. SE JUDAS NÃO TIVESSE MORRIDO ELE TERIA SE LIVRADO. MAS DEUS INEQUIVOCAMENTE E FORÇOSAMENTE O MATOU! MUITO EMBORA, EU TENHA PASSADO BASTANTE TEMPO LENDO AS CITAÇÕES EM VERMELHO DE JESUS NOS EVANGELHOS, EU NUNCA LI A HISTÓRIA POR MIM MESMO. É CLARO QUE EU SABIA A HISTÓRIA MAS EU NUNCA LI OS DETALHES. ENTÃO ESSA É AONDE A MINHA JORNADA NA BÍBLIA ME LEVOU A SEGUIR DEPOIS DE ALGUMAS TARDES LENDO EU FINALMENTE CHEGUEI AO FINAL DE MATEUS ONDE JUDAS TRAI JESUS. EU ESTAVA ANSIOSO PARA LER O RELATO DE MATEUS SOBRE A IRA DE DEUS SOBRE O JUDAS INSENSÍVEL. EU FINALMENTE CHEGUEI AO PONTO ONDE EU ESPERAVA QUE ISSO ACONTECESSE EM MATEUS 27:5 : “E ELE, ATIRANDO PARA O TEMPLO AS MOEDAS DE PRATA, RETIROU-SE E FOI-SE ENFORCAR.” MINHA LÍNGUA SE ENROLOU NO FUNDO DA MINHA GARGANTA, MEU CORAÇÃO PAROU, A ADRENALINA CORREU PELO MEU CORPO E MEU CORAÇÃO DISPAROU. ME SENTI COMO SE O PRÓPRIO TECIDO DA REALIDADE SE ESTIVESSE RASGANDO. PARECIA QUE A PINTURA DAS PAREDES A MINHA VOLTA IRIAM ABRIR-SE PARA REVELAR A PROFUNDA E VAZIA ESCURIDÃO. TUDO O QUE EU ACREDITAVA ESTAVA DEITADO VULNERÁVEL EM UM ALTAR ESPERANDO PARA SER PERFURADO, ESPERANDO PARA SER SACRIFICADO NESSE HORRIPILANTE MOMENTO DE DESCOBERTA. ESSE JUDAS NÃO ERA INSENSÍVEL, ESSE JUDAS ESTAVA CHEIO DE CULPA, TÃO CHEIO DE CULPA NA VERDADE QUE ELE SE ENFORCOU. DEUS NÃO HAVIA EXERCIDO NENHUMA IRA CONTRA ELE. ELE SE SENTIU TÃO CULPADO QUE ELE SE ENFORCOU! EU ENTREI EM PÂNICO, EU VOLTEI PARA O VERSO EM ATOS E DE VOLTA PARA O VERSO EM MATEUS. EU PASSEI A ENCARAR A POSSIBILIDADE DE QUE MINHA RELIGIÃO INTEIRA ESTAVA ERRADA. POR QUATRO HORAS EU DEIXEI OS VERSOS OCUPAREM UM CANTO DESCONFORTÁVEL NO FUNDO DA MINHA MENTE, EU TENTEI CONTINUAR O MEU DIA, EU TENTEI NÃO PENSAR SOBRE ISSO, MAS CHEGUEI AO PONTO DE QUE NÃO PODIA MAIS AGUENTAR AQUELA DISSONÂNCIA COGNITIVA E EU ENTREI NA INTERNET, EU ACHEI UMA EXPLICAÇÃO DE UM APOLOGISTA E EU SEGUREI MINHA RESPIRAÇÃO. “JUDAS” ELE EXPLICAVA “SE ENFORCOU NO CAMPO E ENTÃO SEUS INTESTINOS CAÍRAM DEPOIS QUE ELE DECOMPÔS”. FEZ SENTIDO, EU ACHO. TALVEZ EU SÓ ESTIVESSE ERRADO. ISSO AINDA NÃO EXPLICA OS SENTIMENTOS QUE O ESPÍRITO SANTO ME INSPIROU SOBRE JUDAS SER INSENSÍVEL EM ATOS E ELE SE SENTIR COMPLETAMENTE CULPADO EM MATEUS OU DE DEUS TER EXPRESSADO SUA IRA EM ATOS E ESTADO TOTALMENTE AUSENTE NA MORTE DE JUDAS EM MATEUS, MAS TALVEZ DE NOVO, EU SÓ ESTIVESSE ERRADO MESMO QUE POR HORA EU TENHA ACEITADO A EXPLICAÇÃO DO APOLOGISTA A MINHA FÉ DE QUE A BÍBLIA ERA UMA SIMPLES FONTE DE VERDADE FOI DESPEDAÇADA. MESMO EU AINDA TENDO FÉ NA BÍBLIA, EU NÃO VIA DA MESMA MANEIRA QUE ANTES. NO FUNDO DA MINHA MENTE EU LENTAMENTE COMECEI A PERCEBER QUE NA MELHOR DAS HIPÓTESES A BÍBLIA ERA ALGO QUE NECESSITAVA DE EXPLICAÇÕES MUITO COMPLICADAS E INTENSA PESQUISA PARA ENTENDÊ-LA. E NA PIOR DAS HIPÓTESES ERA A FALÍVEL PALAVRA DO HOMEM QUE TERIA ESCRITO PARA SE ENCAIXAR EM SEUS PRÓPRIOS PROPÓSITOS OU AO MENOS TER COMETIDO SÉRIOS ERROS. DEPOIS DESSA EXPERIÊNCIA A BÍBLIA NÃO ERA MAIS A CLARA PALAVRA DE DEUS QUE FLUÍA DIRETAMENTE DA SUA MENTE PARA A MINHA, MAS QUE REQUER A INTERVENÇÃO DE FONTES EXTERNAS PARA QUE NÃO SEJA MAL COMPREENDIDA. SE ELA NÃO PODE SE MANTER POR SI SÓ EU AINDA TENHO FÉ NA BÍBLIA.

    Para responder a toda essa confusão do jovem a respeito de Judas, tive de recorrer ao Livro Estudo Perspicaz, sob o tópico “Judas”, que diz:

    Judas Iscariotes, filho de Simão, e apóstolo infame que traiu Jesus. A Bíblia fornece poucas informações diretas sobre a família e a formação de Judas. Tanto ele como seu pai se chamavam Iscariotes. (Lu 6:16; Jo 6:71) Costuma-se entender que este termo indica que eram de Queriote-Esrom, cidade da Judéia. Neste caso, Judas era o único dentre os 12 apóstolos que procedia da Judéia, os demais eram galileus.

    Judas surge nos relatos evangélicos na lista dos apóstolos, algum tempo depois da Páscoa de 31 EC, e cerca de um ano e meio depois de Jesus ter iniciado seu ministério. (Mr 3:19; Lu 6:16) Daí a conclusão lógica de que Judas havia sido discípulo já por algum tempo antes de Jesus o tornar apóstolo. Muitos escritores pintam um quadro totalmente negro de Judas, mas, evidentemente, por algum tempo, ele havia sido um discípulo que achou favor perante Deus e Jesus; isto é indicado pela própria escolha dele como apóstolo. Além disso, confiou-se-lhe cuidar das finanças comuns de Jesus e dos 12. Isto mostra sua fidedignidade naquela época e sua capacidade ou sua instrução, especialmente visto que era Mateus quem tinha experiência em lidar com dinheiro e com números, mas não recebeu esta tarefa. (Jo 12:6; Mt 10:3) Não obstante, Judas tornou-se total e inescusavelmente corrupto. Sem dúvida, este é o motivo de ele ser colocado no fim da lista dos apóstolos e ser descrito como o Judas “que mais tarde o traiu” e “que se tornou traidor”. — Mt 10:4; Lu 6:16.

    Tornou-se Corrupto. Perto da Páscoa de 32 EC, Judas, junto com os outros apóstolos, foi enviado a pregar. (Mt 10:1, 4, 5) Pouco depois do retorno de Judas, e menos de um ano após ter sido feito apóstolo, ele foi publicamente denunciado por Cristo, embora não por nome. Alguns discípulos abandonaram Jesus Cristo, chocados pelos ensinos dele, mas Pedro disse que os 12 se apegariam a Ele. Em resposta, Jesus reconheceu que ele havia escolhido os 12, mas disse: “Um de vós é um caluniador [gr.: di•á•bo•los, que significa “diabo” ou “caluniador”].” O relato explica que aquele que já era caluniador era Judas, que “ia traí-lo, embora fosse um dos doze”. — Jo 6:66-71.

    Relacionado com este incidente, João diz: “Jesus sabia desde o princípio . . . quem era o que o havia de trair.” (Jo 6:64) À base de profecias das Escrituras Hebraicas, Cristo sabia que ele seria traído por um associado íntimo. (Sal 41:9; 109:8; Jo 13:18, 19) Também Deus, pelo uso da presciência, havia discernido que este se tornaria traidor, mas é incoerente com as qualidades de Deus e seus tratos no passado pensar que Judas tinha de fracassar, como que predestinado. (Veja PRESCIÊNCIA, PREDETERMINAÇÃO.) Antes, conforme já mencionado, no começo do seu apostolado, Judas era fiel a Deus e a Jesus. De modo que João deve querer dizer que “desde o princípio” de quando Judas começou a tornar-se mau, passando a ceder à imperfeição e a inclinações pecaminosas, Jesus percebeu isso. (Jo 2:24, 25; Re 1:1; 2:23) Judas deve ter entendido que era ele o “caluniador” mencionado por Jesus, mas continuou a viajar com ele e os apóstolos fiéis, e evidentemente não mudou.

    A Bíblia não entra em pormenores sobre os motivos do seu proceder corrupto, mas um incidente ocorrido em 9 de nisã de 33 EC, cinco dias antes da morte de Jesus, lança luz sobre o assunto. Em Betânia, na casa de Simão, o leproso, Maria, irmã de Lázaro, ungiu Jesus com óleo perfumado no valor de 300 denários, equivalente a cerca do salário anual de um trabalhador. (Mt 20:2) Judas objetou fortemente, dizendo que o óleo poderia ter sido vendido e o dinheiro “dado aos pobres”. Pelo visto, os outros apóstolos apenas anuíram ao que parecia ser um argumento válido, mas Jesus os censurou. O motivo real da objeção de Judas era que ele cuidava da caixa de dinheiro e “era um ladrão . . . e costumava retirar dinheiro” posto na caixa. De modo que Judas era um ganancioso ladrão praticante. — Jo 12:2-7; Mt 26:6-12; Mr 14:3-8.

    Preço da Traição. Judas, sem dúvida, sentiu-se ferido pela censura de Jesus a respeito do uso do dinheiro. Nesta ocasião, “Satanás entrou em Judas”, provavelmente no sentido de que o traiçoeiro apóstolo entregou-se à vontade do Diabo, deixando-se usar como instrumento para executar a intenção de Satanás, de parar Cristo. Poucos dias depois, em 12 de nisã, Judas dirigiu-se aos principais sacerdotes e aos capitães do templo para ver quanto estes lhe pagariam para trair Jesus, novamente demonstrando sua avareza. (Mt 26:14-16; Mr 14:10, 11; Lu 22:3-6; Jo 13:2) Os principais sacerdotes se haviam reunido naquele dia com “os anciãos do povo”, os homens influentes do Sinédrio. (Mt 26:3) Os capitães do templo talvez fossem convocados por causa da sua influência e para dar um aspecto legal a qualquer planejada detenção de Jesus.
    Por que ofereceram os líderes religiosos judeus apenas 30 moedas de prata para Jesus ser traído?

    Trinta moedas de prata (US$66, no caso de siclos) era o montante oferecido. (Mt 26:14, 15) A soma estabelecida pelos líderes religiosos parece destinada a mostrar seu desprezo por Jesus, encarando-o de pouco valor. Segundo Êxodo 21:32, o preço dum escravo era 30 siclos. Levando isso mais adiante, Zacarias, por seu trabalho de pastor do povo, foi pago “trinta moedas de prata”. Jeová desprezou isso como sendo uma quantia muito pequena, considerando-se o salário dado a Zacarias como avaliação da maneira de o povo sem fé encarar o próprio Deus. (Za 11:12, 13) Por conseguinte, ao oferecerem apenas 30 moedas de prata por Jesus, os líderes religiosos mostraram considerá-lo de pouco valor. Ao mesmo tempo, porém, cumpriam Zacarias 11:12, tratando Jeová como de pouco valor por fazerem isso com o representante que ele enviara para pastorear Israel. O corrupto Judas “consentiu [no preço] e começou a buscar uma boa oportunidade para traí-lo [Jesus] a eles sem que houvesse uma multidão em volta”. — Lu 22:6.

    A Última Noite com Jesus. Judas, apesar de se ter voltado contra Cristo, continuou a associar-se com ele. Reuniu-se com Jesus e os apóstolos em 14 de nisã de 33 EC para a celebração da Páscoa. No decurso da refeição pascoal, Jesus ministrou aos apóstolos, humildemente lavando-lhes os pés. O hipócrita Judas permitiu que Jesus lhe fizesse isso. Mas, Jesus disse: “Nem todos vós estais limpos.” (Jo 13:2-5, 11) Declarou também que um dos apóstolos ali à mesa o trairia. Judas, talvez para não parecer culpado, perguntou se era ele. Como identificação adicional, Jesus deu a Judas um bocado para comer e disse-lhe que fizesse depressa o que pretendia fazer. — Mt 26:21-25; Mr 14:18-21; Lu 22:21-23; Jo 13:21-30.

    Judas deixou imediatamente o grupo. Uma comparação entre Mateus 26:20-29 e João 13:21-30 indica que ele partiu antes de Jesus instituir a celebração da Refeição Noturna do Senhor. A apresentação deste incidente por Lucas evidentemente não segue uma estrita ordem cronológica, porque Judas definitivamente já havia partido quando Cristo elogiou o grupo por ter ficado com ele; isto não se ajustaria a Judas, nem teria ele sido incluído no ‘pacto para um reino’. — Lu 22:19-30.

    Judas, mais tarde, encontrou Jesus com os apóstolos fiéis no jardim de Getsêmani, lugar que o traidor conhecia bem, porque já se haviam reunido ali antes. Liderou uma grande multidão, inclusive soldados romanos e um comandante militar. A turba tinha cacetes e espadas, bem como tochas e lâmpadas, que necessitariam se nuvens encobrissem a lua cheia ou se Jesus estivesse nas sombras. Os romanos provavelmente não reconheciam Jesus, de modo que, segundo um sinal combinado, Judas cumprimentou Cristo e num ato de hipocrisia “beijou-o mui ternamente”, identificando-o assim. (Mt 26:47-49; Jo 18:2-12) Posteriormente, Judas sentiu a enormidade da sua culpa. De manhã, tentou devolver as 30 moedas de prata, mas os principais sacerdotes se negaram a aceitá-las. Por fim, Judas lançou o dinheiro no templo. — Mt 27:1-5.

    Morte. De acordo com Mateus 27:5, Judas enforcou-se. Mas, Atos 1:18 diz que, “jogando-se de cabeça para baixo, rebentou ruidosamente pelo meio e se derramaram todos os seus intestinos”. Mateus parece tratar da maneira do pretendido suicídio, ao passo que Atos descreve o resultado. Juntando os dois relatos, parece que Judas tentou enforcar-se no alto dum penhasco, mas que a corda ou o galho da árvore rebentou, de modo que despencou e rebentou nos rochedos embaixo. A topografia em volta de Jerusalém torna isso concebível.
    Relacionada com a sua morte há também a questão de quem comprou com as 30 moedas de prata o campo para servir de cemitério. Segundo Mateus 27:6, 7, os principais sacerdotes decidiram que não podiam colocar o dinheiro no tesouro sagrado, de modo que eles o usaram para comprar o campo. O relato de Atos 1:18, 19, falando de Judas, diz: “Este mesmo homem, portanto, comprou um campo com o salário da injustiça.” A resposta parece ser que os sacerdotes compraram o campo, mas, visto que foi Judas quem forneceu o dinheiro, isso podia ser atribuído a ele. O Dr. A. Edersheim salientou: “Não era lícito incluir no tesouro do Templo, para a compra de coisas sagradas, dinheiro que fora ganho ilicitamente. Em tais casos, a Lei judaica prescrevia que o dinheiro devia ser devolvido ao doador, e, se este insistisse em doá-lo, que fosse induzido a gastá-lo em promover o bem[-estar] público. . . . Por um artifício da lei, o dinheiro ainda era considerado como pertencendo a Judas, e como tendo sido aplicado por ele na compra do bem-conhecido ‘campo do oleiro’.” (The Life and Times of Jesus the Messiah [A Vida e a Época de Jesus, o Messias], 1906, Vol. II, p. 575) Esta compra resultou no cumprimento da profecia de Zacarias 11:13.

    O proceder escolhido por Judas era deliberado, envolvendo malícia, ganância, orgulho, hipocrisia e maquinação. Ele depois sentiu remorso sob o peso da culpa, como talvez se desse com um assassino deliberado em resultado do seu crime. Todavia, Judas, de própria vontade, fizera um acordo com aqueles que Jesus disse que faziam prosélitos, tornando-os objetos para a Geena duas vezes mais do que eles mesmos, estando eles sujeitos ao “julgamento da Geena”. (Mt 23:15, 33) Na última noite da sua vida terrestre, o próprio Jesus disse, na realidade, a respeito de Judas: “Teria sido melhor para este homem, se não tivesse nascido.” Mais tarde, Cristo o chamou de “o filho da destruição”. — Mr 14:21; Jo 17:12; He 10:26-29.

    Substituição. Entre a ascensão de Jesus e Pentecostes de 33 EC, Pedro, aplicando a profecia do Salmo 109:8, explicou a um grupo de cerca de 120 discípulos reunidos que parecia apropriado escolher um substituto para Judas. Propuseram-se dois candidatos e lançaram-se sortes, o que resultou em Matias ser escolhido “para tomar o lugar deste ministério e apostolado, do qual Judas se desviou para ir para o seu próprio lugar”. — At 1:15, 16, 20-26.


    Bom, agora me dou por satisfeito, pois todo o tal processo de ‘desconversão’ foi desmascarado com simples desculpa para alguém abandonar a fé em Deus e se entregar a uma falsa liberdade.
    Obrigado pela oportunidade!

    Curtir