Resposta do erudito Jason Beduhn a um opositor e crítico da Tradução do Novo Mundo


Jason Beduhn é considerado de forma unânime alguém que demonstrou capacidade excepcional além de uma habilidade criativa excepcional como erudito. Tanto é assim, que em 2004 foi premiado tendo  seu nome adicionado a lista da Irmandade Guggenheim.  beduhn 200x200Isto se deu, visto que em sua função de Professor Associado de Estudos Religiosos, na Universidade do Norte do Arizona, publicou uma obra falando sobro o Maniqueísmo na antiguidade e sua influência no cristianismo ocidental. Já havia ganhado o prêmio de autor do melhor livro de 2001 na Academia Americana de Religião, intitulado The Manichaean Body in Discipline and Ritual.

Bacharel em Estudos Religiosos na Universidade de Illinois, M.T.S em Origens do Cristianismo  e  do Novo Testamento pela Harvard Divinity School  bem como  PH.D. em Estudo Comparativo das Religiões pela Universidade de Indiana, Beduhn em vista deste currículo impressionante é obviamente  um peso pesado em estudos do Novo Testamento. É também conhecido no campo de Tradução e interpretação de escritos antiquíssimos como por exemplo, sua obra volumosa a respeito de Agostinho de Hippo (13 Nov.  de 354 – 28 de Agosto de 430) lançado em 2010, além de  seu trabalho, que já dura anos,   na tradução e edição  de textos coptas. Apesar de usar textos em grego durante anos em suas aulas onde recorre com frequencia a textos do Novo Testamento grego,  tem sucitado o ódio de muitos teólogos evangélicos de fundo de quintal de Igreja ao ponto de o ridicularizarem por defender a Tradução do Novo Mundo como sendo a “mais exata das versões comparadas” de lingua inglesa.

Por esta causa, certo critico desinformado chega a tecer os seguintes comentários a respeito de Jason Beduhn:

“O simplismo leviano de BeDuhn nos faz pensar em suas capacidades pessoais de investir em um trabalho de tradução com tão baixo conceito do trabalho e tão alta visão de sua capacidade pessoal. Essas duas considerações já tem potecial para o desastre completo”.

“Capacidades pessoais” e “potecial”. Que vergonha do crítico de Beduhn. Sei que errar é humano, mas cometer gafes medíocres de sintaxe enquanto critica um erudito premiado não combina.

Não duvido muito, que uma vez terminado o trabalho do Sr Beduhn, comentários como estes, proveniente de evangélicos que nada produziram até agora para a erudição acadêmica, serão eles mesmos tidos como “levianos” e “sem potencial algum”.

Observe a resposta do erudito Jason Beduhn a um crítico e opositor da Tradução do Novo Mundo quando este lhe apresentou a opinião de diversos teólogos e eruditos evangélicos sobre a Tradução do Novo Mundo. Vou trocar o nome do crítico e opositor por “apóstata”.

Jason Beduhn respondeu:

Caro Sr. [ apóstata] ,

 Obrigado por sua mensagem. É sempre uma boa ideia verificar suas fontes e confirmar  sua exatidão. Neste caso, eu fui citado de modo preciso pela Torre de Vigia. Eu citei em minha carta as virtudes da KIT [Tradução Interlinear das Testemunhas de Jeová] , e a combinação de fatores que faz com que seja um volume tão útil . Desde que a citação apareceu, tenho recebido muitas mensagens, semelhantes a sua, que citam autoridades contra a TNM e apontam para passagens específicas onde se faz parecer que a TNM não traduziu com precisão. Eu sempre verifico cada uma dessas referências, porque certamente é possível que eu tenha despercebido alguma coisa. Recentemente terminei de escrever um livro, que se tornou possível devido a toda esta correspondência, chamado de “Guerra de Bíblias : Precisão e Tendencia  nas Traduções do Novo Testamento para o Inglês”, que eu espero que seja publicado ainda este ano. [Isto foi em 2001]

Através de todo esse trabalho, eu descobri que a TNM é uma das mais exatas traduções disponíveis atualmente. Claro, ela tem suas fraquezas, como toda tradução. Mas em comparação, se sai muito bem.

Eu li o livro do Dr. Countess.  Ao passo que encontrei alguns bons pontos nele, seus argumentos são na maioria tendenciosos e discutíveis.  Você chama a atenção para a “falta de consistência e desonestidade” no manuseio da palavra THEOS na TNM. Claro que falta de consistência não implica necessariamente em desonestidade. Descobri que todas as traduções da Bíblia são inconsistentes em sua manipulação de termos, particularmente quando essas condições são teologicamente significativas. No entanto,  não acho que todos esses tradutores foram necessariamente desonestos – ou seja, distorcendo conscientemente o significado. Eu acho que a maior parte destes casos, pode ser explicado pela tendenciosidade , uma expectativa inconsciente de que uma passagem deve ser lida de uma determinada maneira que está de acordo com as crenças do tradutor. Infelizmente, estão lhe passando informação errada , uma vez que cada um dos exemplos para comparação, não são relevantes para João 1:1.

Todas as passagens que você cita para comparação, tem THEOS com o artigo definido HO , portanto, é perfeitamente correto traduzir por “Deus” nestes versículos. Mas na terceira cláusula de João 1:1, THEOS aparece sem o artigo definido, e, portanto, a tradução mais provável é indefinida “um deus”, ou com uma função adjetival ou “divina”.

Você pergunta se eu discordo de uma longa lista de meus predecessores e colegas de estudos bíblicos. Claro, não é nada incomum que as pessoas neste campo discordem. Mas especificamente. . .

Observe agora, a resposta que o erudito dá a afirmação abaixo que lhe foi enviada por este opositor e crítico da TNM:

Dr. William Barclay da Universidade de  Glasgow, Escócia: “A deliberada distorção da verdade por esta seita é observada na sua tradução do Novo Testamento. João 1:1 é traduzido: …’o Verbo era um deus’, a qual é uma tradução gramaticalmente impossível. É altamente claro que uma seita que traduz o Novo Testamento assim, é intelectualmente desonesta.” 

Jason Beduhn responde ao crítico e sua citação:

 Essa afirmação é falsa, a tradução TNM de João 1:1 não é “gramaticalmente impossível”, e alguém que afirme que seja, ou é ignorante de gramática grega ou são eles mesmos “intelectualmente desonestos”. 

Dr. James L. Boyer (do Seminário Teológico de Winona Lake, Indiana): “Nunca ouvi nem li que haja algum erudito do grego que concorde com a interpretação deste versículo (João 1,1) da forma como insistem as Testemunhas de Jeová. Nunca encontrei com um deles (membros da Sociedade Torre da Vigia) que tenha conhecimento do idioma grego”.

Jason Beduhn: Este é um argumento falacioso, sem substância. 

DR. F.F. BRUCE, da Universidade de Manchester, Inglaterra: “Os gramáticos amadores arianos fazem muito alarde da omissão do artigo definido com ‘Deus’ na oração ‘e a Palavra era [um] deus’. Esse tipo de omissão é comum com nomes numa construção predicativa… ‘[um] deus’ seria totalmente indefensável.”. 

Jason Beduhn : Esta declaração é um erro. A omissão do artigo em construções predicativas com o substantivo nominativo quase sempre tem um sentido indefinido, ou no mínimo categórico. A linguagem do Dr. Bruce revela o contexto teológico, em vez de linguístico de suas observações.  

DR. ERNEST C. COLWELL, da Universidade de Chicago: “Um nominativo definido no predicado tem o artigo quando segue o verbo; não tem o artigo quando precede o verbo… essa declaração não pode ser considerada estranha no prólogo do evangelho que alcança seu clímax na confissão de Tomé: ‘Senhor meu e Deus meu! ’- João 2.28 ”.

Jason Beduhn: Esta “regra” não é uma regra válida de gramática grega. E mesmo que fosse válida, não estabeleceria a característica definida de  THEOS em João 1:1 . A regra de Colwell pressupõe uma característica definida, e visa contar com a ausência de um artigo definido ao invés de ela mesma provar uma característica definida. Os mesmos dados gramaticais utilizados por Colwell foram bem melhor explicados por Harner.

Jason Beduhn : O apelo para João 20:28 na discussão de John 1:1 envolve uma interpretação da tese geral de João que está aberta a disputa. Não há como negar o que é dito em João 20:28 , a questão é o que se quer dizer com isso. Pode-se entender muita coisa no que é dito entre João 1:1 e João 20:28 que explica como e de que maneira alguém pode olhar para  Jesus e dizer “meu Deus”. Por simplesmente justapor João 1:1 e 20:28 , sem levar em consideração o material contextual é  simplificar dramaticamente a maneira como João apresenta Jesus aos seus leitores. 

Dr. Stewart Custer, (Bob Jones University of Greenville) : “Elas [as Testemunhas de Jeová]traduzem João 1:1 ‘a palavra era um deus’.  Para se ler assim o grego teria que ter usado a palavra para ´um deus`, um ser semi divino (theios) ao invés de `Deus´ que João usou. O grego tinha uma palavra para isso!

Jason Beduhn : Esta declaração mostra uma completa incompreensão do vocabulário grego e gramática, ou então uma maneira enganosa de argumento. A palavra grega para “deus” é THEOS , não THEIOS . Quem lê literatura grega antiga saberia disso. Ninguém jamais disse que João chamou a Palavra de “um ser semi-divino”.

Dr. Duane A. Dunham, (Seminário Conservador de Portland, Oregon): “João 1:1 [ na visão das TJ] não está de acordo com a gramática grega ou com o sentido da passagem. Qualquer um que der tempo para um estudo indutivo de lingua grega concordará com o que eu escreví.”

Jason Beduhn responde: Eu tenho dado um tempo para tal estudo do grego , e  não concordo com o Dr. Dunham. A tradução de João 1:1 na TNM está de acordo com a gramática grega.

Dr. J. J. Griesbach : “São tão numerosos e claros os argumentos e testemunhos das Escrituras em favor da verdadeira Divindade de Cristo, que não consigo imaginar como, sob a admissão de autoridade Divina das Escrituras, e com respeito a regras corretas de interpretação, esta doutrina pode ser colocada em dúvida por qualquer homem. “

Jason Beduhn : Este é um argumento teológico e não linguístico.

Dr. Everett F. Harrison, (Fuller Seminário Teológico de Pasadena, California): “Uma palavra Grega não necessita necessariamente de artigo para ser definida. De fato, “Deus” falta o artigo nas declarações iniciais de João 1:18, contudo, as Testemunhas de Jeová presumidamente não falhariam em entender como se aplicando ao verdadeiro Deus ao invés de se satisfazer com a versão ´um Deus`. Ademais, se João intencionasse fazer do Logos uma criatura menor que Deus, é estranho que incorporasse as decarações de Tomé em João 20:28”.

Jason Beduhn : Ao passo que  ” uma palavra grega não requer necessariamente o artigo para ser definida “, uma palavra em sua forma nominativa geralmente requer. Quando tal palavra nominativa não tem o artigo definido, é mais provável que seja indefinida.

Dr. Anthony Hoekema ” “A New World Translation [Tradução do Novo Mundo] da Bíblia não é de modo nenhum uma tradução objectiva do texto sagrado para Inglês moderno, mas é em vez disso uma tradução tendenciosa na qual muitos dos ensinos peculiares da Watchtower Society são introduzidos sorrateiramente no texto da própria Bíblia”.

Jason Beduhn : Não há nada de substancial nesta declaração. Eu li o resto da discussão de Hoekema a respeito da TNM e tem pouco valor.

Jason Beduhn : É verdade que Atos 28:6 não é um paralelo válido para João 1:1, porque no primeiro versículo o substantivo é acusativo ( THEON ) , não nominativo (THEÓS ). No entanto, há uma abundância de justificativa para a tradução de João 1:1 na TNM nas dezenas de passagens que possuem a mesma  construção gramamtical nas quais o substantivo é claramente indefinido ou categórico ao invés de definido.

Dr. Paul L. Kaufman, (Portland,Oregon): “O povo das Testemunhas de Jeová evidenciam um ignorancia abismal das regras básicas de gramática grega em sua tradução errada de João 1:1.”

Jason Beduhn: Esta declaração é errada. 

Dr. Glenn A Koch, (Seminário Teológico Batista da Filadelfia, Pensylvania): “THEÓS não é para ser traduzido  ‘um deus.’ Portanto, concordo com a regra de Colwell.”

Jason Beduhn : Essa afirmação é circular. Como é que ele sabe que “theos não é para ser traduzido por  “um deus ” ?

Dr. J. R. Mantey (o qual é citado nas paginas 1158-1159 da Kingdom interlinear Translation das próprias Testemunhas) “Uma chocante falha de tradução” “Obsoleta e incorreta.” “Nenhuma pessoa com conhecimentos razoáveis iria traduzir João 1:1 para “O Verbo era um deus”.

Jason Beduhn : Esta afirmação é falaciosa e sem substância.

Dr. Walter R. Martin (não é professor de Grego, mas estudou a lingua): “A tradução …’um deus’ em lugar de ‘Deus’ é errônea e não é apoiada por qualquer conhecimento de Grego, antigo ou contemporâneo e é uma tradução rejeitada por todos conhecedores reconhecidos de Grego, muitos dos quais não são cristãos, e assim não defendem tal posição em favor de um ou outro.”

Jason Beduhn: Semelhante a muitas outras declarações já mencionadas , contendo o erro claro da falácia ” ninguém que eu conheço a traduz dessa maneira , por isso não pode ser traduzido dessa maneira. ” Mesmo estudiosos não-cristãos são influenciados pela tradição literária.

Jason Beduhn comenta também a opinião de outros destacados eruditos evangélicos…

Metzger & Mikolaski : ” perniciosa “, ” assustadora ” e ” monstruosa ” não são avaliações objetivas , acadêmicas.

 Rowley : Esta afirmação não tem nada substancial nela. 

Sturz : Esta declaração está em erro. A tradução literal seria por definição

lida como a NWT tem, porque essas são as palavras na página . tem ainda espaço para discussão se esta é a melhor tradução .

Dr. B.F. Westcott (cujo Novo Testamento em grego é usado pela Tradução Interlinear do Reino da Sociedade Torre da Vigia): “O predicado (Deus) sobressai enfaticamente primeiro, como em João 4,24. Necessariamente não tem o artigo…. Não se sugere inferioridade de natureza por esta forma de expressão, a qual sensivelmente afirma a deidade real da Palavra… Na terceira cláusula se declara que ‘a palavra’ é ‘Deus’ e, desse modo, está incluída na Deidade”. 

Jason Beduhn : A linguagem utilizada e o argumento dominante  nesta declaração demonstra ser teológico em vez de linguístico. A referência de Westcott para João 4:24 é relevante , uma vez que a cláusula é um bom paralelo para João 1:1 , mas a alegação de Westcott de que isso prova o sentido definitivo de João 1:1 é um erro. Antes, prova o contrário. A tradução correta de João 4:24 é “Deus é um espírito”, onde “espírito” é indefinido ou categórico , assim como ” deus ” é em João 1:1 . (De fato confirme  João 4:24 na nova Tradução do Novo Mundo revisada!).

Espero que veja que eu não “ignoro” esses antecessores e colegas, mas sim encontro falhas em suas abordagens altamente tendenciosas e em suas afirmações surpreendentemente falaciosas. Eu gostaria que todos nós pudéssemos avaliar tais questões tão importantes com maior objetividade e com o desejo pela  precisão e a verdade, onde quer que nos conduza, ao invés de prejulgar o resultado antes de qualquer atenção e ponderação cuidadosa do assunto.

 Desejo-lhe tudo de melhor em suas contínuas pesquisas. Atenciosamente,

Jason BeDuhn

Professor Associado de Estudos Religiosos, e Presidente

Departamento de Humanidades , Artes e Religião

Universidade do Norte do Arizona

VEJA TAMBÉM:

O que diziam os Pais pré Nicéia e o que afirmam vários eruditos trinitários a respeito da “Sabedoria” de Provérbios 8:22 ?

O Plural Majestático Hebraico

Anúncios
Comments are closed, but you can leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

  • Vinicius Monteiro  On 11 fev 2014 at 22:27

    Não preciso nem dizer nada, o cara foi simplesmente direto e objetivo. Como ele mesmo disse a maioria das acusações não usa conhecimento secular para provar algo, mas, usa de conhecimentos pre-concebidos, são tendenciosas justamente por ser crer naquilo que afirma.

    Curtir

  • Marcelo  On 11 fev 2014 at 23:33

    Esta deve ter doído…

    Curtir

  • Paulo  On 12 fev 2014 at 0:03

    Eruditos imparciais são raros hoje em dia, principalmente nessa área. Graças a Jeová eles ainda existem.
    Apesar de toda a explicação do erudito sobre a TNM, só o fato de João 1:1 ter sido traduzido por “era um deus” nas versões coptas saídicas do segundo século, já é o bastante pra mim para botar abaixo todo preconceito contra nossa Tradução do Novo Mundos das Escrituras Sagradas.
    De qualquer forma, é sempre proveitoso obtermos maiores informações sobre a opinião de estudiosos do assunto.

    Curtir

  • I am Jw  On 12 fev 2014 at 0:58

    Toma essa, trinitaristas e críticos da TNM!

    Curtir

  • Ed Dunlap Jr.  On 12 fev 2014 at 6:31

    Apesar das críticas, esta tradução possuí também os seus defensores. Por exemplo, em 1989, o professor Benjamin Kedar, de Israel, disse:

    “Em minha pesquisa linguística relacionada com a Bíblia hebraica e suas traduções, várias vezes eu consulto a edição em inglês do que é conhecido como Tradução do Novo Mundo. Ao fazer assim, confirmo repetidamente meu conceito de que essa obra reflete um esforço honesto de obter uma compreensão do texto tão precisa quanto é possível. Dando evidência de amplo domínio da língua original, verte inteligivelmente as palavras originais para um segundo idioma sem se desviar desnecessariamente da estrutura específica do hebraico. (…) Toda a declaração linguística permite certa latitude de interpretação ou de tradução. Assim, a solução linguística em qualquer dado caso pode ser discutida. Mas, eu nunca descobri na Tradução do Novo Mundo intento preconceituoso de dar ao texto uma interpretação que este não contenha.”

    Curtir

  • alexandre silva  On 12 fev 2014 at 9:15

    Um destes opositores da TNM,mudou de opiniaõ ,
    BARCLEY,que disse GRAMATICALMENTE IMPOSSIVEL ,APÓS 20 ANOS ,afirmou justamente ao contrario.

    Curtir

  • foxhound  On 12 fev 2014 at 12:32

    Queruvim já li algumas coisas sobre ele já ter estudado com as tjs isso confere?
    você que já se comunicou com ele isso tem algum fundo de verdade ou é só conversa de apostatá?

    uma outra curiosidade além destes citados como Jason Beduhn, Benjamin Kedar e este BARCLEY já citado por alexandre existem outros que defendem esta mesma posição sem usar de idéias pré concebidas e tendenciosas.

    Curtir

  • Saga  On 13 fev 2014 at 2:52

    Um ponto importante é que geralmente as criticas feitas são TEOLOGICAS e não linguisticas.

    Quer dizer, uma coisa é a tradução como tradução, ver a coisa com um olhar acadêmico.

    Outra é a questão teológica, da doutrina religiosa.

    Muitos confundem este ponto, discordarem da doutrina religiosa das TJs, com analisar imparcialmente a TNM enquanto tradução do antigo grego e hebraico.

    Então acusam a TNM de ser ruim, de ser desonesta de ser isso e aquilo, simplesmente porque traduziu diferente da sua crença religiosa pessoal, da sua tradução tradicional ou do que sua igreja sempre lhe ensinou.

    Lembrando que os críticos não costumam simplesmente dizer ou achar que as leituras da NM de passagens como João 1:1 e 8:58 estão inexatas, Não, mas eles bufam de raiva e babam de ódio bradando que não apenas a escolha de tradução do grego não foi a melhor, mas sim de que a opção de tradução nem mesmo era possível, negando que exista sequer a possibilidade de ser traduzida daquela forma!!! (Quando eles dizem que não existe alternativa ou outra possibilidade de tradução, aí estão fazendo uma afirmação LINGUISTICA, deixou de ser uma questão doutrinal e virou uma pauta a ser resolvida na matéria da TRADUÇÃO DE IDIOMAS ANTIGOS. )

    O ponto é que as traduções que a TNM dá a certos versos bíblicos, embora criticadas são todas possíveis, e são rejeitadas não por motivos de tradução e sim por preconceito teológico.

    Curtir

  • Ramiro  On 14 fev 2014 at 8:16

    Excelente avaliação,Saga.Todo esse ódio pela TNM se resume ao fato de ela não apoiar uma(entre outras) das crenças fundamentais e antibíblicas da cristandade: A TRINDADE.

    Curtir

    • juca  On 14 fev 2014 at 14:35

      Então, podemos afirmar com certeza, a existencia da variedade de bíblias: a bíblia dos mórmons, a bíblia dos espíritas, a bíblia das testemunhas de jeová.

      Curtir

      • Queruvim  On 14 fev 2014 at 16:35

        Explique o porque disso, o que o fez chegar a esta opinião.

        Curtir

  • Alexei  On 14 fev 2014 at 11:34

    Ei pessoal, certo dia estava fazendo o estudo de um religioso aqui da cidade e quando fui falar da importância da Bíblia com relação à higiene por exemplo, citei Deuteronômio. O interessante é que quando fomos ver o versículo encontramos algo como “Semente de Cópula” na versão do estudante. Ele ficou muito confuso e nem imaginava o que seria aquilo. Sem se consultar o dicionário ficaria muito mais difícil. Pois bem, quando recorremos à TNM tivemos uma surpresa agradável pois ficava tudo muito mais fácil de entender.
    Gostaria de propor que vocês tentassem descobrir do que se trata sem a ajuda de um dicionário para descobrir o que significa. Nem vou falar capítulo e versículo para vocês não repararem na TNM.

    O termo é: “Semente de Cópula”.

    Alguém se aventura??? Ah, nada de Google, ein?

    Curtir

    • Queruvim  On 14 fev 2014 at 12:58

      descendência ou esperma, acho 🙂 Por que se for na parte grega “descendência é spermatós e na parte hebraica Zára !!!!?????

      Curtir

      • Alexei  On 18 fev 2014 at 23:53

        Levítico 15:18 “E também a mulher com quem o homem se deitar com semente de cópula, ambos se banharão com água e serão imundos até à tarde”. Na TNM: “emissão seminal”. Facinho, facinho.

        Curtir

  • Saga  On 14 fev 2014 at 16:51

    -AS FONTES PARA A REPETITIVA ARGUMENTAÇÃO DEFICIENTE-

    Queruvim e amigos,

    Uma analise do por que de vermos tantos argumentos, contra-argumentos e acusações REPETIDAS (eu diria papagaiadas) na boca de opositores, “apologistas” ou sites “anti-seita”:

    http://en.wikipedia.org/wiki/Christian_countercult_movement
    Essa onda de movimentos autodenominados de “antiseita” pipocaram por liderância e exemplo de http://en.wikipedia.org/wiki/Walter_Ralston_Martin , quero dizer que os opositores se inspiram em Martin e repetem seus métodos.

    Martin (1928-1989) era o líder do Christian Research Institute, fundado por ele em 1960. Este instituto serve para treinar PASTORES, os instruindo a como combater as chamadas os chamados cultos ou seitas (cults), a metodologia e tática usada até hoje por pregadores anti-TJs tem sua origem aqui no C.R.I do senhor Martin. Um livro de grande importância é “The Kingdom of the Cults” de 1965, o foco de Martin sempre foi especial na Trindade, ou para ser mais especifico na Deidade de Cristo, explicando o por que de depois ter demonstrado grande brandura em relação aos tratos com a IASD (que é trinitariana), dizendo que ela tem equívocos são em doutrinas de menor relevância.

    “For many evangelicals, he standardized the dominant style of counter-cult apologetics by refuting these claims using primary source material and historically valid biblical texts. Martin built a reputation as an authority figure on cults based upon integrity. His role as a columnist in Eternity magazine allowed him the freedom to address other topics such as basic Christian doctrines, the theology of Karl Barth, the problem of alcoholism, and reviewing books. His basic approach in apologetics was that of an evidentialist. Throughout his writing career Martin had articles published in other periodicals including Christianity Today, United Evangelical Action, The Christian Librarian, Christian Life, Christian Research Newsletter, Logos Journal, Moody Monthly, and Our Hope”

    Aqui chama atenção em dizer que ele padronizou o estilo dominante dos “apologistas anti-seita”.

    “Martin mentored several figures who have become prominent apologists in the Christian countercult movement including Craig Hawkins, Bob and Gretchen Passantino, Elliot Miller, John Weldon, Ron Rhodes, Rich Poll, Ron Carlson, Paul Carden, and Robert M Bowman Jr. Many of the people who have established ministries in the Christian countercult movement regard Martin as the father of the Christian Counter-cult Movement”

    Além de ser o mentor de muitas figuras famosas nesse meio, os próprios pastores reconhecem Martin como sendo o pai do movimento anti-seita evangélico. Vários livros são dedicados a ele e muitos institutos de apologética forma fundados por resultado de seu trabalho.

    “Martin utilised the new technology of cassette tapes, and disseminated many of his public lectures about apologetics questions and cultic groups to thousands worldwide. Several albums were released on The World of the Cults, The World of the Occult, The New Cults, How To Witness to Jehovah’s Witnesses, and How to Witness to Mormons”

    Aqui destaca seu uso de VHS, percebam que foi uma fita de video dele a fonte do “Como pregar as Testemunhas de Jeová”, que é um título ou tema frequente de artigos e apostilas que vemos pela net. O que sugere que a abordagem usada tenha origem ou influência dele.

    Robert M. Bowman Jr talvez seja o discípulo mais proeminente de Martin, ele publicou o irônico “Porque Deve- Se Crer na Trindade” em contraponto a brochura “Deve-se Crer na Trindade?” das TJs. Seu último livro de 2007 é “Putting Jesus in His Place: The Case for the Deity of Christ”, como podemos ver ele é obcecado pelo tema da Trindade. Bowman escreveu livros seguidos sobre as TJs ou dirigidos a elas.

    “In 1984, Bowman began working as a researcher and editor at the Christian Research Institute, at the time headed by Walter Martin”

    Em livraria evangélica você pode encontrar em português o livro Jehovah’s “Witnesses Answered Verse by Verse” de David A. Reed, que sem dúvida faz sucesso entre os pastores brasileiros.

    No site http://examiningthetrinity.blogspot.com.br/ se pode deparar com várias referências aos argumentos de Martin e Bowman a favor da Trindade, e contra a TNM e as TJs. Dá pra notar claramente erros básicos na argumentação de tão badalados pregadores, chega a parecer coisa de amador, mas está explicado porque você cruza com pessoas arrogantes cheias de razão repetindo argumentações natimortas em cima de João 1:1, 8:58 e a questão do “Alfa e o Ômega” e fazendo tabelinhas de paralelos entre Deus e Cristo (Exemplo: Jeová é Pastor, Jesus é Pastor, Jeová é Rei, Jesus é Rei, Jeová é Senhor, Jesus é Senhor, Jeová é Eu Sou, Jesus é Eu Sou, Jeová é Rocha, Jesus é Rocha….etc)

    Curtir

    • Queruvim  On 14 fev 2014 at 16:55

      Sei disso e conheci afiliados deste grupo em São Paulo nos anos 80 e 90. Eles mudaram para jundiaí e desde então nunca mais ouvi falar. Havia membros de várias Igrejas e o objetivo deles era entre outros, falar contra as Testemunhas de Jeová e atacarem a TNM. Teve um, na época, chamado S. Mellinger (abreviei o nome devido a sensibilidade do assunto) que me disse que “não existe confirmação para nenhuma das citações da brochura Deve-se crer na Trindade”! Naquele tempo não havia internet e então eu fui até a Biblioteca Mario de Andrade, no Centro de SP a fim de ler a Britânica e confirmar se havia mesmo, ao menos uma citação, pois aquele OPOSITOR que poderia, não sei, ser até um apóstata ou desassociado, dizia que estávamos sendo “enganados pela Torre”. Foi quando eu peguei a Enciclopédia Britânica em Inglês com minhas próprias mãos e pude ler a citação EXATAMENTE COMO APARECE NA BROCHURA. Fiquei com uma raiva e sangue na orelha ao perceber como são os OPOSITORES das TJ. Espero que ele tenha amadurecido e mudado tal atitude. Tenho absoluta certeza de que ele mencionou “todas as citações da brochura” como não podendo ser confirmadas. Lembro-me de até perguntar-lhe: “Todas mesmo??????????? Daí ele disse: “Sim! Todas” Nada falamos sobre se as citações são parciais ou não. Ele simplesmente afirmou que “nenhuma das citações podiam ser confirmadas…em lugar algum!” disse ele. Temos que tomar cuidado com este tipo de declaração e ir atras a fim de descobrir a verdade. Foi o que eu fiz e desde então não parei um dia de expor esta atitude. Não estou me referindo a pessoas que discordam. Não! Mas aos APÓSTATAS E OPOSITORES que espalham meias verdades, calúnia e difamação a fim de enuviarem, confundirem e desviarem as pessoas do caminho certo.

      Curtir

      • Saga  On 14 fev 2014 at 21:18

        Essas críticas as citações de obras de referências na brochura “Deve-se Crer na Trindade?” sem dúvida devem ter vindo nada mais nada menos do que da brochura de Bowman chamada “Porque deve-se crer na Trindade”.

        Por outro lado eu pude confirmar que as citações da brochura são verídicas e certeiras, não é necessário que os escritores das declarações citadas sejam unitarianos, mesmo sendo trinitários os quotes da brochura são válidos e o uso de reticências é comum nestes tipos de citações, ainda mais numa pequena brochura de 32 páginas.

        Curtir

    • Maílson  On 15 fev 2014 at 13:44

      Ótimas observações Saga. Esses tipos de homem, pelo visto só querem discordar e pregar a chamada “liberdade cristã”. Pelo que entendo, essa liberdade cristã prega que muitas pessoas, independente do que creem ou praticam, serão salvas! Elas aceitaram o Cristo e pronto! Não importam no que creem ou professam, elas querem liberdade.

      Como sempre, temos exemplos do passado que respondem nossas perguntas. Veja: http://www.youtube.com/watch?v=VG34gXdqR-4

      Por que somente Noé e sua família foram salvos das águas do dilúvio?

      Curtir

  • Jonatan Almeida  On 15 fev 2014 at 0:19

    Como visto, os que se opõem a TNM na sua maioria usa de falácias (histórias falsas que por serem amplamente divulgada não as torna verdadeira) e usando de teologia formuladas por homens sem nenhum apoio bíblico.

    Por outro lado Jason Beduhn usou de maneira clara e objetiva seu argumentos que evidenciam a falta de conhecimento da gramática bíblica por parte dos criticos da TNM.

    Jason Beduhn WIN !

    Curtir

  • Alexei  On 18 fev 2014 at 9:22

    Caros,
    Quando eu estava começando a estudar a Bíblia fui severamente perseguido no local de trabalho. Não me davam folga mesmo. Começavam por difamar as TJ, tentando me fazer acreditar que eram pessoas reprováveis. Hoje percebo que existia ali uma certa inveja maldosa da parte dos acusadores. Entretanto, eu já nutria uma certa admiração pela conduta das Testemunhas.
    Quando certa vez, questionei a um desses opositores pq que seus irmãos tinham uma conduta tão reprovável, ele simplesmente disse que “eles” serviam de ponte até Jesus, não devíamos olhar muito para seu comportamento. Mas, a lógica em minha cabeça dizia justamento o contrário. Aí, me lembrava que o próprio Jesus disse: “Pelos frutos se conhece uma árvore”. Simples assim.
    Ele, o próprio acusador era uma pessoa reprovável (além de muito arrogante). Foi quando comecei a perceber que a verdade é diferente. Ela muda as pessoas. Mentir passa a ser algo terrível. Perseguir ao próximo, uma afronta ao próprio Deus. Basta conviver dentre o povo que leva o Nome. Somente conhecendo, vivendo em seu meio, pode-se perceber o verdadeiro poder de Seu espírito. Não é aquela santidade ostentosa e aberrante, porém, meiga e pacífica.
    Portanto amados, encarar a si mesmo com franqueza é um ato de extrema coragem. Exige uma certa dignidade. Que dizer de uma pessoa que encara seu próprios conceitos, práticas, conduta, de maneira isenta e honesta? Como poderíamos esperar que indivíduos que simplesmente não tem coragem de se encarar no espelho da Palavra, possam de fato ser honestas com assuntos tão mais importantes.
    Não, não esperemos honestidade de onde não pode haver…

    Curtir

  • Anônimo  On 15 abr 2014 at 10:24

    Em uma carta de 8 de dezembro de 1950, o respeitado tradutor e erudito bíblico Edgar J. Goodspeed escreveu a respeito da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Gregas Cristãs: “Estou interessado na obra missionária realizada por seu pessoal e no seu alcance mundial, e agrada-me muito a tradução livre, franca e vigorosa. Ela exibe uma ampla gama de erudição séria e sólida, conforme posso atestar.”
    Tradutor e erudito bíblico Edgar J. Goodspeed
    Edgar J. Goodspeed

    O professor universitário Allen Wikgren, da Universidade de Chicago, citou a Tradução do Novo Mundo como um exemplo de versão em linguagem moderna que muitas vezes apresenta “entendimento de grande valor independente”, sem seguir outras traduções. — The Interpreter’s Bible, Volume I, página 99.
    Comentando a respeito da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Gregas Cristãs, o crítico bíblico britânico Alexander Thomson escreveu: “A tradução é evidentemente obra de eruditos peritos e talentosos, que procuraram ressaltar o verdadeiro sentido do texto grego tanto quanto a língua inglesa seja capaz de expressar.” — The Differentiator, abril de 1952, página 52.
    Apesar de mencionar que, para ele, alguns termos foram traduzidos de modo incomum, o autor Charles Francis Potter disse: “Os tradutores anônimos sem dúvida traduziram os melhores textos manuscritos, tanto em grego como em hebraico, com habilidade erudita e discernimento.” — The Faiths Men Live By, página 300.
    Embora Robert M. McCoy achasse que a Tradução do Novo Mundo possuía peculiaridades e excelências, ele concluiu assim sua avaliação: “A tradução do Novo Testamento é evidência da presença, no movimento [Testemunhas de Jeová], de peritos habilitados a lidar de forma inteligente com os muitos problemas da tradução bíblica.” — Andover Newton Quarterly, janeiro de 1963, página 31.
    O professor universitário Samuel MacLean Gilmour discordou da tradução de alguns termos na Tradução do Novo Mundo. Mesmo assim, reconheceu que a sua comissão de tradução “possuía incomum competência quanto ao grego”. — Andover Newton Quarterly, setembro de 1966, página 26.
    Em sua avaliação da Tradução do Novo Mundo que é parte da The Kingdom Interlinear Translation of the Greek Scriptures (Tradução Interlinear do Reino das Escrituras Gregas), o professor universitário adjunto Thomas N. Winter escreveu: “A tradução feita pela comissão anônima é totalmente atualizada e coerentemente exata.” — The Classical Journal, abril-maio de 1974, página 376.
    O professor universitário Benjamin Kedar, erudito em hebraico em Israel, disse em 1989: “Em minha pesquisa linguística relacionada com a Bíblia Hebraica e suas traduções, não raro eu consulto a edição em inglês do que é conhecido como Tradução do Novo Mundo. Ao fazer isso, confirmo repetidamente meu conceito de que essa obra reflete um esforço honesto de obter uma compreensão do texto tão precisa quanto é possível.”

    Portanto, não são poucos os Eruditos renomados do mundo a concordarem que a TNM é uma das, se não for a MAIS exata e correta do mundo. 🙂

    Curtir

  • JOCIVAL SILVA COSTA  On 16 abr 2014 at 15:40

    BEM LEMBRADO, NESSE ESTUDO EU PENSEI REALMENTE NO QUERUVIM E SEU SITE, NÃO DE FORMA NEGATIVA, MAS PENSANDO BEM , O QUERUVIM É MUITO VERSÁTIL E CONHECEDOR DA PALAVRA. SE TODOS NESTE SITE APROVEITASSEM O MÁXIMO DO QUE AQUI ELE EXPLICA, NÃO TERIAM MAIS NENHUMA ARGUMENTAÇÃO CONTRA OS ASSUNTOS AQUI EXPOSTO POR ELE. MAS O QUE VEMOS É QUE MUITOS SÓ QUEREM TENTAR GANHAR EM CIMA DE SUAS ARGUMENTAÇÕES , E ISSO CANSA, POR ISSO EU ( NÃO O QUERUVIM) PENSARIA EM USAR TODA ESSA SABEDORIA E CONHECIMENTO DE JEOVÁ A FAVOR DAQUELES QUE QUEIRAM OUVIR A PALAVRA VERDADEIRA DE JEOVÁ. EM MATEUS 7:6 TEM ALGO QUE SE ENCAIXA EXATAMENTE NO QUE QUERO DIZER. MUITAS DAS VEZES QUEREMOS E COM RAZÃO, POIS É NOSSA OBRIGAÇÃO, ALCANÇAR O MÁXIMO DE PESSOAS COM O CONHECIMENTO VERDADEIRO, MAS LEMBREMO-NOS QUE NEM JESUS ALCANÇOU A TODOS , E NEM TODOS DE FATO ESTÃO INTERESSADOS NA VERDADE EXATA. EU MESMO SINTO UM FOGO DENTRO DE MIM PARA FALAR A VERDADE A TODOS. ASSIM COMO PAULO DESISTIU DE PREGAR AOS JUDEUS POR SUA TEIMOSIA DE NÃO ACEITAREM A CRISTO COMO SALVADOR, ACHO QUE ESTAMOS EM SITUAÇÃO IGUAL… DEIXEMOS DE LADO OS QUE QUEREM CAUSAR POLEMICAS AMIGO QUERUVIM, EM CIMA DE NOSSO ENTENDIMENTO, E VAMOS A BUSCA DOS QUE REALMENTE ESTÃO ESPERANDO POR NÓS COM A PALAVRA DE ESPERANÇA QUE TEMOS A TODO O MUNDO, O TEMPO ESTÁ MAIS CURTO DO QUE ANTES. TEMOS QUE PROCURAR E SALVAR AQUELES QUE REALMENTE QUEREM OUVIR A A PALAVRA DE JEOVÁ( NÃO QUEREMOS NOS SENTIR CULPADOS POR TERMOS PERDIDO TEMPO COM QUE SÓ QUER SABER DE CONTROVÉRSIA) FICA AQUI MINHA SIMPLES OBSERVAÇÃO.
    AGORA FAÇO UMA INTIMAÇÃO A TODOS QUE LEEM ESTE SITE : NÃO TENHAM VERGONHAS DAS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ QUANDO VÃO A SUA PORTA, CONVERSE COM ELAS, PERGUNTE A ELAS, ESTUDEM COM ELAS . CABERÁ A VC ACEITAR OU NÃO, NÃO CUSTARÁ NADA, AO CONTRÁRIO DESTE SITE QUE ESTÁ CUSTANDO NOSSO PRECIOSO TEMPO.
    AMIGO IRMÃO QUERUVIM FOI UM PRAZER ENORME TE CONHECER , MAS ME DESPEÇO DESTE SITE, POR UMA CAUSA BEM NOBRE…ACHAR OS MERECEDORES DA VERDADE, QUE JEOVÁ CONTINUE NOS ABENÇOANDO NESSE MINISTÉRIO EM NOME DE JESUS AMÉM.

    Curtir