Debate on line entre Adventista do Sétimo Dia e Testemunha de Jeová! Você está convidado


Acompanhe com sua Bíblia, o debate neste sábado 08/02/2014 entre um representante da Igreja Adventista do Sétimo dia, e uma Testemunha de Jeová.( O Apologista da verdade)  O TEMA DO DEBATE será :

“São os cristãos orientados por Deus a guardar o sétimo dia?”

O objetivo deste debate, não é “mostrar quem sabe mais” ou menosprezar a outra pessoa em vista de sua escolha religiosa. Nada disso, antes estamos  usando este espaço para expor o que cada um pensa para a avaliação dos leitores desta página. Queremos pedir a todos os que acompanharem esta discussão bíblica que tenham em mente  que para determinar a qualidade bíblica dum ensino temos de recorrer à Bíblia e estudar calmamente os textos que têm que ver com o assunto em consideração. Faça isso em sua casa. Tire sua dúvida de uma vez por todas! No canto esquerdo desta página verá muitos temas abordados com uma profundidade incomum. Na verdade esta página foi dedicada a uma avaliação mais perspicaz de temas bíblicos complexos.  Um debate on line pode ter um resultado melhor que um presencial, onde os debatedores vão pessoalmente. Certa vez foi dito sabiamente:

O local ideal para se fazer tais pesquisas é o lar, com sua Bíblia aberta, considere desapaixonadamente a evidência para ‘certificar-se de todas as coisas; apegar-se ao que é excelente’. (1 Tes. 5:21) Portanto, o objetivo deste debate não é focar-se em pessoas, mas no assunto proposto.

As regras básicas deste debate são:

  • Não é permitido desviar-se desnecessariamente do tema (Por exemplo, se o tema é sobre o “sábado” então não se deve jogar indiretas ou questionar o outro debatedor sobre assuntos tais como “trindade”, “profecias”, “escatologia” ou outros).
  • Ataques pessoais também serão sinalizados
  • Não é permitido textos com mais de 50 linhas na vez de cada debatedor
  • Fazer múltiplas perguntas sobre diversos assuntos é desonesto, seja objetivo. Terá todo tempo do mundo para postar nas próximas vezes.
  • Poderá discutir a tradução apropriada de um texto desde que seja relacionado com o tema geral.
  • O debate não é sobre quem somos, portanto, o debatedor não é o foco do debate
  • Comentários estão abertos a todos os que visitam a página, mas evitem falar com os debatedores, ou se dirigir a eles. Senão temos que editar seu comentário ou até mesmo removê-lo.
  • Cada um tem sua vez de postar, espere sua vez.
  • Não será mais permitido postar links

Violações serão sinalizadas pelos que comentam abaixo, em caso de unanimidade o debatedor será sinalizado ou notificado  da mesma forma que o debate anterior.Poderá consultar este no lado esquerdo desta página. Após 3 sinalizações o debate estará encerrado. Uma comissão neutra no RAIDCALL decidirá quando terminar o debate.

A defesa proposta pelo representante da Igreja Adventista do Sétimo dia em letras pretas.

A defesa proposta pelo Apologista da Verdade em letras azuis

LEMBRETE: Para os debatedores…O debatedor que sugerir que a Bíblia não é a palavra de Deus ou que alguns textos não são orientação divina, estará automaticamente assumindo sua desqualificação do debate. Estará terminado o debate para tal.

“São os cristãos orientados por Deus a guardar o sétimo dia?”

=

=

=

INTRODUÇÃO  enviada por Azenilto Brito

Primeiramente quero dizer que aprecio o espírito de respeito mútuo em debates, incentivado pelo amigo Queruvim, pois tenho participado de outros debates em que, sinceramente, tal atitude de cortesia e respeito é simplesmente desconsiderada. Que assim sejam sempre realizados estes debates que visam, no fim de contas, ao crescimento no conhecimento e o aprimoramento da fé.

Sobre a pergunta levantada, eu recordaria que o pensamento clássico, histórico e ainda oficial dos cristãos ao longo dos séculos sempre foi de que os 10 Mandamentos seguem sendo normativos aos cristãos em TODOS os seus preceitos. Luteranos, presbiterianos, batistas, metodistas, congregacionais, anglicanos (e antes deles, católicos e ortodoxos) sempre ensinaram isso, como se vê em seus documentos confessionais (catecismos, confissões de fé, declarações doutrinárias), nenhum deles desqualificado, desautorizado, descartado.

Por essa documentação, ensina-se que o “dia do Senhor” a cada 7º. dia é uma instituição que remonta à criação do mundo (Gên. 2:2, 3), tendo caráter MORAL e UNIVERSAL, ainda que o dia tenha supostamente mudado do sábado para o domingo.

Esse ensino se acha também em declarações dos pioneiros denominacionais, como Lutero, Calvino, Wesley, mas em determinada altura da história houve estranhas influências que mudaram tal panorama. Em vez de o domingo ser incentivado como um “dia do Senhor”, a ser observado nos moldes do sábado, como o observam os adventistas e outros cristãos sabatistas, passou a ser considerado um mero “dia meio do Senhor, meio meu mesmo”. Os evangélicos passaram a não mais levar a sério essa instituição e não observam, na sua esmagadora maioria, dia nenhum. Prevalece, então o que chamo de “dianenhumismo” entre os crentes citados. Por quê? O que houve que levou a tal mudança?

Agora os amigos “testemunhas de Jeová” poderão surpreender-se, pois tal mudança influenciou nada menos do que C. T. Russell, fundador da organização hoje conhecida como “Sociedade Torre de Vigia”. Pelos meados do século XIX, exatamente quando Russell estudava a Bíblia e pregava, surgiu uma “profetisa” na Europa chamada Margaret MacDonald com uma visão sobre a vinda de Cristo como havendo de ser invisível aos olhos humanos. Certos líderes religiosos se empolgaram com seus ensinos e passaram a ensinar uma teoria de “dispensações”, com especulações e mais especulações sobre uma escatologia que envolveria até o Estado de Israel (ainda defendida nos meios evangélicos). Será que as TJ’s sabem que sua organização mantinha ideias nessa linha—até com a publicação do livro “Vida”, exatamente para alcançar os judeus? Saberiam que as TJ’s ensinavam haver ainda um papel profético futuro para Israel nas profecias, ideias que foram abolidas só na 2a. presidência das TJ’s, em 1932, com J. F. Rutherford?   (SINALIZADO : Desvio do tema) 

Mas o dispensacionalismo não se limita a tal escatologia israelocêntrica, como leva a um entendimento equivocado de estarmos agora na “dispensação da graça”, que teria suplantado a “dispensação da lei”, noção falsa à luz de Gên. 3:15. A GRAÇA divina fora estendida ao casal original logo após a Queda. Como só agora seria a “dispensação da graça”? Os dispensacionalistas se atrapalham quando lhes perguntamos—como se salvavam os pecadores ao tempo do Velho Testamento? Há os que até admitem que fosse pela “lei”, uma aberração teológica, pois “a lei do Senhor é perfeita” (Sal. 19:7), e não pode transmitir justiça a ninguém.

As TJ’s podem ter renunciado à escatologia envolvendo um futuro profético para Israel, mas acataram as noções de “lei abolida” e “dianenhumismo”, nos moldes da maioria dos evangélicos que adotaram o dispensacionalismo, tendo Russell seguido tais ideias que estavam no auge no seu tempo.

=

=

Apologista da Verdade

Prezados leitores deste excelente e esclarecedor blog:

Agradeço ao gentil convite que me foi feito pelo Queruvim e seus moderadores para este debate.

Quero ressaltar que, como Testemunha de Jeová, aceito debates que preencham pelo menos dois critérios:
1) Quanto à natureza: ordeiro e respeitável
2) Quanto ao propósito: expor e não impor; apresentar os conceitos de cada lado e deixar ao leitor que tire suas conclusões. O objetivo não é medir forças, humilhar outros, e sim fornecer as bases para os conceitos de cada lado.

Quanto ao tema a ser debatido, acredito que será de proveito para os leitores que tanto eu como o senhor Azenilto nos atenhamos à Bíblia como autoridade.

Como a referida doutrina é dele, cabe então a ele AFIRMAR tal doutrina ao passo que a mim, que não creio nela, caberá NEGAR, ou refutar, a argumentação dele.

Sem mais, desejo a todos os que acompanharem tal debate que ele seja deveras proveitoso e enriqueça o conhecimento e o entendimento da Palavra de Deus. Abraço a todos. ***

=

=

09/02

Buscando ser o mais objetivo possível na abordagem do tema proposto, apresentarei agora razões porque como cristãos devemos observar o sábado. A primeira é porque Yah-weh o estabeleceu desde a criação do mundo quando não havia um só judeu (Gên. 2:3), como sempre foi a posição consensual dos cristãos ao longo dos séculos até surgirem novidades interpretativas de que tratei e são importantes conhecer para análise devida da questão. 

Permitam-me citar algo relevante ao tema para entenderem bem a lógica da questão: Num debate sobre certo teólogo metodista que alegava que Moisés nem deve ter existido por falta de evidências arqueológicas e históricas disso, o vice-diretor do “ministério” CACP (que ataca igualmente adventistas e TJ’s como heréticos) declarou que o “argumento do silêncio” de que se valia é PERIGOSO e FALACIOSO, pois, nas palavras dele, “a ausência de evidência não é evidência de ausência”.

A despeito do acerto de sua ponderação, porém, ele próprio incorre no uso de “argumentos do silêncio” para contestar as origens edênicas do sábado (cf. Gên. 2:2, 3) ou da validade do sábado no Novo Concerto, justamente apelando à “ausência de evidência”. Ou seja, não haveria referências ‘ipsis literis’ de Yah-weh ordenando a Adão observar o sábado ou que o mandamento seja repetido no regime do Novo Concerto.

Se não é dito que Yah-weh ordenou a Adão guardar o sábado, TAMBÉM NÃO É DITO QUE NÃO GUARDASSE! Ademais, poderiam os anti-sabatistas provar-nos que Adão (encarregado de cuidar do jardim, Gên. 2:15) ali atuava todos os sete dias direto, só parando à noite para descansar, sem dedicar dia nenhum ao Criador? “Argumentos do silêncio”, portanto, são neutros–não servem de prova nem contraprova de nada.

Mas temos a afirmação de que Yah-weh SANTIFICOU o 7º. dia, e a palavra “santificar” significa SEPARAR para dedicação à Divindade. E Jesus confirmou que “o sábado foi feito por causa do homem-‘anthropós’ (Mar. 2:27), referência ao homem universal, o mesmo “homem” que deixa pai e mãe e une-se a sua mulher (Mat. 19:5, 6). E o casamento, instituído no Éden tal como o sábado, visava só aos judeus?

Ademais, com base nesse tipo de “argumento do silêncio” Yah-weh não podia condenar Caim, dizendo-lhe que “o pecado jaz à tua porta” (Gênesis 4), pois onde consta uma regra, expressa oralmente ou por escrito, “Não matarás” ao tempo dele? E pecado é definido biblicamente como “aquilo que é contra a lei” (1 João 3:4-TNM). Decerto essa “lei” referida por João é a de Yah-weh.

Também com base nesse tipo de argumentação, Abraão, Isaque e Jacó poderiam tranquilamente cultuar imagens de Santo Abel, Santo Enoque e São Noé em suas tendas. Onde consta qualquer regra evidentemente enunciada ao tempo deles, “não cultuarás imagens de escultura”? Mas o que lemos é que Abraão observou as leis, mandamentos, estatutos divinos (Gên. 26:5). Pode alguém provar que isso se aplica a somente 9 das regras do Decálogo, excluído o seu 4º. preceito (do sábado)?

E como José no Egito sabia ser uma “grande maldade” e “pecar” contra Yah-weh ir para a cama com a mulher do patrão (Gên. 39:9)? Onde consta qualquer regra claramente expressa “não adulterarás” ao tempo dele?

Temos solução ao problema na explanação seguinte do autor assembleiano Orlando S. Boyer, com o que concordariam documentos dos demais cristãos ao longo dos séculos por ser o consenso histórico do seu pensamento:

“Os Dez Mandamentos foram pronunciados por Deus e escritos por Ele em duas tábuas de pedra, Êx 31.18. Foram escritos de ambas as bandas, Êx 32.15. Não se deve pensar que não existia nada destes mandamentos, antes de Moisés. Foram escritos nas mentes e nas consciências dos homens desde o princípio. Não há pecado que não é condenado por um dos Dez Mandamentos. A súmula do Decálogo é o dever para com Deus e o dever para com o próximo; melhor, é o amor para com Deus e o amor para com o próximo”. — BOYER, O. S. “Pequena Enciclopédia Bíblica”, 1.ª ed., CPAD, p. 237; verb. “Dez Mandamentos”.

Logo, esta é a 1a. das razões que temos a enumerar. Esperamos que quem responder se atenha ao exposto nessa 1a. razão, antes de podermos avançar à 2a. das razões.***

=

=

10/02/2014

A primeira linha de argumentação do Sr. Azenilto em favor da guarda do sábado semanal para os cristãos consiste na seguinte ideia: partindo da premissa de que a guarda do sábado existe desde a criação, e de que continuou entre os patriarcas antes da Lei mosaica, ele deve então ser observado pelos cristãos. Vejamos a validade dessa afirmação.

  • Primeiro, o texto  Gênesis 2:3 constitui a declaração de um fato (que Deus descansou no sétimo dia) e não é uma ordem ou lei. Portanto, usar esse texto como lei significa “ir além das coisas que estão escritas”. (1 Cor. 4:6)
  • Segundo, Adão não poderia ter recebido o Decálogo (Dez  Mandamentos) quando estava sozinho no Paraíso, pois ele não tinha pai e mãe para honrar (5.º mandamento), não tinha como assassinar alguém (6.º mandamento), nem como cometer adultério (7.º), ou dar falso testemunho (8.º)

A primeira menção do sábado como lei e dos Dez Mandamentos ocorre após a saída dos israelitas do Egito. 1 João 3:4 afirma que “o pecado é aquilo que é contra a lei”. Assim, é claro que, antes disso, havia leis para a humanidade – desde o princípio dela: leis contra apropriar-se indevidamente de algo que não pertence à pessoa (Gn 2:17), da união vitalícia no casamento (Gn 2:24), da chefia na família (Gn 18:12), da circuncisão (Gn 17:11, 12), da responsabilidade familiar (Gn 31:30-32), da propriedade comunal (Gn 31:14-16), da custódia (Gn 37:21, 22, 29, 30), e contra imoralidade sexual, para se mencionar apenas algumas delas. – Gn 38:24-26; 34:7.

São conhecidas como leis patriarcais, devido ao período em que coexistiram. Isso explica por que a Bíblia menciona que Abraão observou certas “ordens”, “estatutos” e “leis” de Deus. (Gn 26:5) Mas, nenhuma dessas regras de conduta havia sido reunida em 10 leis principais, nem a necessidade de tirar tempo para coisas espirituais havia sido transformada numa lei de reservar um dia específico da semana, como ocorreu quando foi feito o pacto da Lei. Somente após a libertação dos israelitas do Egito, uns 2.500 anos depois da criação de Adão e Eva, é que Deus primeiramente ordenou a observância dum sábado semanal. Indicando que a lei do sábado era algo novo, Moisés observou: “Não foi com os nossos antepassados que Jeová concluiu este pacto, mas conosco, todos os que hoje aqui estamos vivos.” — Deut. 5:3.

De que pacto, ou “concerto” (Al), o texto está falando? Os versículos 5 e 6 mostram que a referência é ao pacto, ou acordo, feito com os israelitas no monte Sinai, e os versículos 7 a 22 mostram que a alusão é aos “Dez Mandamentos”.  E Deuteronômio 4:13 mostra que a palavra “pacto” nesse contexto significa primária e principalmente o Decálogo, quando afirma: “Então ele vos anunciou O SEU PACTO, o qual vos ordenou que observásseis, ISTO É, OS DEZ MANDAMENTOS; e os escreveu em duas tábuas de pedra.” – IBB.

Vale ressaltar que antes de o sábado semanal ter sido dado como lei, outras leis já haviam sido dadas por ocasião da saída dos israelitas do Egito. – Êx 13:1, 2, 6-9; 15:23-25. Deuteronômio 5:15: “E tens de lembrar-te de que te tornaste escravo na terra do Egito e que Jeová, teu Deus, passou a fazer-te sair de lá com mão forte e braço estendido. É POR ISSO que Jeová, teu Deus, te mandou observar o dia de sábado.” Visto que a lei da guarda do sábado foi dada como lembrete comemorativo da saída dos israelitas do Egito, não poderia ter sido dada antes desse evento.

Falando de si mesmo como representando a inteira nação israelita, Paulo afirmou: “De fato, eu estava uma vez vivo à parte da lei; mas, ao chegar o mandamento, o pecado passou a viver novamente, mas eu morri.” (Ro 7:9) Paulo estava se referindo ao décimo mandamento do Decálogo: “Não deves cobiçar.” (Ro 7:7) Visto que essa norma foi dada no Decálogo junto com as demais nove normas, ele estava falando em especial do Decálogo. Ele mostrou que o povo de Deus “estava uma vez vivo à parte da lei”, quando tal lei ainda não existia. Após isso, ele disse que o mandamento ‘chegou’, isto é, passou a existir. Torna-se, pois, claro que a inteira Lei mosaica, incluindo o Decálogo, não foi dada desde a criação do homem; ela foi dada após a saída de Israel do Egito.

Assim, além de não haver evidência da guarda de um sábado semanal desde a criação, HÁ EVIDÊNCIA de que ele foi dado como lei após a saída de Israel do Egito. Portanto, a premissa de que a guarda do sábado existe desde a criação, e de que continuou entre os patriarcas antes da Lei mosaica, não subsiste a um exame mais detido das Escrituras. Assim, tais premissas não podem ser usadas para se afirmar que o sábado semanal deve ser observado pelos cristãos. 

MESMO QUANDO ALGO TENHA REALMENTE SIDO DADO NA CRIAÇÃO E PERMEIE TODO O PERÍODO DO POVO DE DEUS ANTES DO CRISTIANISMO, ISSO NÃO SIGNIFICA QUE PERMANEÇA NO CRISTIANISMO.

Exemplo: a ordem divina “crescei e multiplicai-vos”. (Gên. 1:27) Entre os patriarcas e no período de Israel era lei era cumprida. Tanto que uma mulher que não pudesse ter filhos era um vitupério. Mas no cristianismo foi incentivado o estado de solteiro. Paulo escreveu: “O homem não casado está ansioso das coisas do Senhor, de como pode ganhar a aprovação do Senhor. Mas o homem casado está ansioso das coisas do mundo, de como pode ganhar a aprovação de sua esposa, e ele está dividido. Além disso, a mulher não casada, e a virgem, está ansiosa das coisas do Senhor, para que seja santa tanto no seu corpo como no seu espírito. No entanto, a mulher casada está ansiosa das coisas do mundo, de como pode ganhar a aprovação de seu marido. Mas, digo isso para a vossa vantagem pessoal, não para vos armar um laço, mas para induzir-vos ao que é decente e ao que significa assistir constantemente ao Senhor, sem distração. … Conseqüentemente, também faz bem aquele que der a sua virgindade em casamento, mas, aquele que não a der em casamento fará melhor.” (1 Cor. 7:32-35, 38) 

Assim,mesmo que o sábado tivesse sido dado como lei desde a criação, isso não significaria que tenha permanecido no cristianismo. E o foco deste debate é se a guarda do sábado deve ser feita PELOS CRISTÃOS. Portanto, gostaria que o Sr. Azenilto se detivesse no tema em questão. ***

Mantenham as respostas perto do limite de 50 linhas! MODERADOR

=

=

Nosso amigo avançou uns 50% do limite estipulado. Será que eu não teria direito a argumentar dentro do mesmo espaço por questão de justiça? 

Irei analisando mais a fundo os argumentos do apologista TJ após apresentar minhas “razões” para a guarda do sábado EM TODOS OS TEMPOS, não só para os cristãos, pois para entendermos porque se aplica aos cristãos esse levantamento se faz necessário.

Apenas esclareço que nunca disse que os 10 Mandamentos eram conhecidos por Adão, e sim a LEI DIVINA, os princípios da mais elevada ética e moral a nível universal, que foram sintetizados depois em 10 Mandamentos como base visível (e audível) para a nação eleita.

Notem que o argumento de que Adão não tinha mãe, assim o 5o. Mandamento não podia aplicar-se a ele, não faz o mínimo sentido. Se uma mãe em Israel morresse de parto, o filho ficaria isento de dever obedecer tal preceito por daí em diante só ter pai? E por que Adão não podia ter sexo com as organtotangas do Éden? O que o impediria disso? Onde havia lei contra prática da bestialidade, no que também se constituiria em adultério? E por que ele não poderia esganar Eva? Mais forte fisicamente do que ela certamente ele era. E podia até falar mal de Eva para o próprio Yah-weh, com quem sempre se comunicava. . .

Então, existiu sempre a LEI DIVINA, e nosso amigo dá a entender que as leis (e ele cita várias instruções e regras estipuladas) só valeriam APÓS ENUNCIADAS, antes não as havendo. Será mesmo? Então como Yah-weh poderia condenar Caim por assassinato, sem antes ter-lhe definido ser um “pecado” tal ato? Ora, Paulo diz que “onde não há lei, não há transgressão” (Rom. 14:15), sendo “pecado” definido biblicamente como transgressão da lei, certamente a lei de Yah-weh (1 João 3:4). Estaria João definindo isso só do Novo Concerto em diante? Ou essa definição se aplica a TODOS OS TEMPOS E LUGARES?

Não há uma lista dos pecados pelos quais Sodoma e Gomorra foram destruídas, e seriam realmente muitos, ao ponto de causar tão tremenda reação do Legislador Universal. Por exemplo, onde consta haver leis contra o homossexualismo então ou outras imoralidades que certamente ali se praticavam? Como poderia haver condenação a pecados não definidos como tais? Isso seria uma tremenda ARBITRARIEDADE, impensável para Aquele que é acima de tudo a expressão absoluta da Justiça e do Direito.

Ou seja, o que temos é a utilização pura e simples dos argumentos do silêncio, que não servem de prova nem contraprova de coisa alguma. Ele até dá a entender que Paulo declara que a cobiça é um pecado “meio novo” no ambiente legislativo divino. Antes de ser dado no Sinai, ou seja em qual tempo na história antiga, ninguém tinha esse mau hábito de cobiçar as coisas e mulher alheios?!

Mas ele deve nos responder onde é dito que Adão trabalhava os sete dias direto no cuidado do jardim (Gên. 2:15), e que aquele primeiro sábado foi feriado para o Criador, não para a criatura.

E passou de longe da afirmação clara de que Yah-weh SANTIFICOU o 7o. dia, o que significa “separar” para uso dedicado à divindade. E nada disse sobre a confirmação de Cristo de que o sábado foi feito “por causa do homem”, não por causa do judeu.

O problema que noto entre os dispensacionalistas evangélicos e testemunhas de Jeová, que acompanharam o mundo religioso nesse viés dispensacionalístico quanto ao tema da lei e do princípio do dia de repouso desde Russell, é que CONFUNDEM SISTEMATICAMENTE os aspectos de LEI e CONCERTO. Não são a mesma coisa. Por não entenderem a diferença entre LEI e CONCERTO é que fazem toda essa confusão.

Se, com base em Deu. 4:13, o concerto é tão somente o Decálogo, as leis cerimoniais, civis, penais, higiênicas que eram também parte daquele concerto estariam excluídas! E sendo aquele pacto reiteração do que Yah-weh havia estabelecido com os patriarcas de Israel (Abraão, Isaque e Jacó–Deu. 8:18), não abrangeria logicamente, muito mais do que um código de leis básicas (e as muitas promessas para os seus descendentes eram parte do pacto), que não apareciam no Decálogo?

Ora, Heb. 9:1 diz claramente que “a primeira aliança também tinha preceitos de serviço sagrado”, com o que se evidencia que a concepção de “aliança” (ou pacto, concerto) envolve MUITO MAIS do que o conteúdo das tábuas de pedra.

Bem, passei um pouquinho do limite das 50 linhas, mas espero que levem em consideração que o Apologista TJ passou muito mais do que eu.

Estou ansioso por apresentar a 2a. das razões, mas vejamos primeiro o que ele tem a nos dizer sobre as ponderações acima, de preferência com respostas objetivas, específicas, claras, concisas, ao ponto às perguntas que deixei registradas.

Pedimos aos debatedores que deixem a moderação com OS MODERADORES caso contrário será sinalizado como DESVIO DO TEMA. Obrigado

Os COMENTÁRIOS ABAIXO que se desviarem do tema e começarem a falar de assunto que NADA TEM QUE VER serão deletados. Isso é para o Sr Angelo e os que o imitarem nesta atitude.(Já deletei alguns posts)  O assunto aqui é sobre o tema proposto. 

=

=

Com todo o respeito, o Sr. Azenilto está fugindo do tema proposto. Fica andando em círculos, retomando assuntos que não contribuem para o assunto em pauta, que é sobre se OS CRISTÃOS devem guardar o sábado. Assim, não tenciono ficar rebatendo e esclarecendo o verdadeiro sentido de argumentações que não se ligam ao tema. Mas, só para mostrar a fragilidade das tentativas de refutação que ele apresentou, vejam isso: o Sr. Azenilto se contradiz, quando argumenta contra o chamado “argumento do silêncio” e depois faz uso dele, na frase: “onde consta haver leis contra o homossexualismo então ou outras imoralidades que certamente ali se praticavam?” O princípio incluso na declaração de Jeová, sobre a união vitalícia no casamento (Gn 2:24), QUE JÁ CITEI, mostrava o arranjo de Deus com relação às relações sexuais. Com respeito à santificação do sábado semanal, Jeová também santificou o arranjo sacerdotal em Israel, mas esse arranjo teve fim. (Êxo. 28:1-3, 40, 41) Heb. 7:12 declara: “Pois, mudando-se o sacerdócio,+necessariamente HÁ TAMBÉM MUDANÇA DA LEI.” Deu. 4:13 mostra claramente que os Dez Mandamentos vieram junto com o pacto (concerto) da Lei dada a Israel (não antes), tanto que Moisés chegou a dizer que os Dez mandamentos SÃO o concerto (pacto).

O conjunto de leis dado a Israel definiu o pecado claramente. Gálatas 3:19 diz: “POR QUE, ENTÃO, A LEI? Ela foi ACRESCENTADA PARA TORNAR MANIFESTAS AS TRANSGRESSÕES, até que chegasse o descendente a quem se fizera a promessa.” Que lei torna manifesta o pecado? A inteira Lei dada a Israel, mas principalmente os Dez Mandamentos, pois Paulo disse: “Eu não teria conhecido a cobiça, se a Lei não dissesse: ‘Não deves cobiçar.’” (10.º mandamento dos Dez.) Assim, os Dez Mandamentos faziam parte da Lei que foi acrescentada. Acrescentada ao quê? À promessa feita a Abraão. (Gál 3:16)

De fato, Paulo fala que “a Lei … VEIO à existência quatrocentos e trinta anos depois” da promessa a Abraão”. (Gál. 3:17) Ou seja, OS DEZ MANDAMENTOS, JUNTO COM AS DEMAIS LEIS DO PACTO DA LEI, VIERAM A EXISTIR 430 ANOS DEPOIS DA PROMESSA DE DEUS A ABRAÃO! E até quando a Lei permaneceria? Paulo respondeu: “Até que chegasse o descendente a quem se fizera a promessa.” (Gál 3:19) Quem é esse descendente? Paulo explicou: ““E a teu descendente”, que é Cristo.” (Gál 3:16) A clareza das Escrituras é simplesmente cristalina! Com a vinda de Cristo, sua vida terrestre e sua posterior morte, houve drásticas mudanças, uma delas sendo o fim do pacto da Lei (que incluía os Dez Mandamentos.) Como esclareceu Paulo: “Deus enviou o seu Filho, que veio a proceder duma mulher e que veio a estar debaixo de lei, PARA LIVRAR POR MEIO DUMA COMPRA OS DEBAIXO DE LEI, para que nós, da nossa parte, recebêssemos a adoção como filhos.” (Gál 4:4, 5)

Mas alguém poderia dizer: Então os cristãos podem matar, roubar, adulterar etc.? O apóstolo Paulo devia estar acostumado a lidar com tal questionamento, pois ele disse: “Cometeremos pecado porque NÃO ESTAMOS DEBAIXO DE LEI, mas debaixo de benignidade imerecida?” Ele afirmou: “Que isso nunca aconteça!” (Rom. 6:15) Por que ele podia dizer isso? Ele explicou: “Vos tornastes obedientes de coração àquela FORMA DE ENSINO A QUE FOSTES ENTREGUES.” (Rom. 6:17) Assim, ele mostrou que o cristianismo possui princípios e normas contra o pecado. Isso é chamado de “lei do Cristo”. (Gál 6:2)

Então, vejamos o que entendo que ficou definido até agora: A Bíblia mostra  que A GUARDA do sábado (o sábado como lei) foi dada após a saída de Israel do Egito. (Êx cap. 16; Deut: 5:1-3, 15.) E o que acredito que devemos aceitar é o que ela diz, e não suposições humanas. Mesmo que tivesse sido dada COMO LEI desde a criação, ainda não significaria que permaneceria no cristianismo. (Veja o exemplo que dei, de Gên. 1:27 e 1 Cor. 7:32-38)

Portanto, se as argumentações do Sr. Azenilton não forem direto ao tema, com base em passagens específicas que mostrem que OS CRISTÃOS devem guardar o sábado, serei forçado a concluir que ele não possui realmente em seu acervo uma resposta definida para o tema proposto.

=

=

Não apresentei nenhum argumento do silêncio como diz o apologista TJ, que declara: “1 João 3:4 afirma que ‘o pecado é aquilo que é contra a lei’. Assim, é claro que, antes disso, havia leis para a humanidade – desde o princípio dela”.

Ótimo, aí temos um ponto de consenso: LEIS PARA A HUMANIDADE sempre existentes. Havia tais leis, como lembrado até no ambiente do Éden: apropriar-se do que não é de alguém, cf. Gên. 2:17 (a árvore exclusiva de Yah-weh). Mas ele erra na citação de Gênesis 38, pois não há lei contra o adultério declarada, só o registro de uma atitude condenável.

Agora, LEIS PARA A HUMANIDADE foram ditadas por quem, com base no quê? Isso seria muito importante definir.

Eis interessante declaração numa obra da Casa Publicadora das Ass. de Deus:

“Será que as leis de Deus observadas pelos israelitas servem para os cristãos? As leis foram designadas para guiar todas as pessoas a um estilo de vida saudável, justo e voltado para Deus. Seu propósito é apontar o pecado e mostrar a maneira correta de lidar com ele. OS DEZ MANDAMENTOS SE APLICAM HOJE ASSIM COMO SE APLICAVAM HÁ TRES MIL ANOS, POIS PROCLAMAM UM ESTILO DE VIDA ESTABELECIDO POR DEUS. SÃO A PERFEITA EXPRESSÃO DA PESSOA DE DEUS E COMO ELE DESEJA COMO O POVO VIVA”. – “Bíblia de Estudo e Aplicação Pessoal”, pág. 237 – destaque meu.

Cito obra de quem nem concorda conosco quanto ao sábado, daí ser um testemunho insuspeito. A lei divina é mesmo a expressão do caráter de Yah-weh tal como as leis de um país revelam o seu tipo de governo. Se compararmos os códigos legais da Coreia do Sul com a do Norte se verá pelo mero exame de suas leis que num há plena liberdade de religião, política, imprensa, e noutro não há tais liberdades.

Mas se havia LEIS PARA A HUMANIDADE, não abarcariam elas proibição de ter outros deuses, não cultuar ídolos, não falar o nome de Deus em vão, respeito de filhos aos pais, não matar, adulterar, roubar, mentir e cobiçar? Falta apenas o sábado nessas LEIS PARA A HUMANIDADE, que não são só ENUNCIADAS, como IMPLÍCITAS (como “não matarás” no trato de Yah-weh com Caim, ou “não adulterarás”, no Seu trato com Sodoma e Gomorra).

Sobre o caso de Caim, Yah-weh disse que ele estava em pecado até antes de seu ato assassino porque sua intenção Lhe era conhecida. Logo, Cristo não cria nenhum novo conceito ao falar que irar-se contra um irmão equivalia a matá-lo (Mat. 5:21ss).

E como é dito claramente que Deus SANTIFICOU o 7º. dia, o que significa que SEPAROU tal dia, então, por tê-lo “separado”, utilizar-se desse tempo santificado/separado era uma violação de uma lei implícita. Seria Adão violador da mesma? Isso não foi resolvido.

E confirma-se o que eu disse ser problema das TJ’s e demais religiosos que acataram a visão novidadeira do dispensacionalismo, que influenciou C. T. Russell: Não entender a diferença entre LEI e CONCERTO. A argumentação do apologista TJ revela essa confusão. Ele cita tanto a Paulo, mas se esquece que o mesmo Paulo recomendou diretamente os 5º., 6º., 7º., 8º, 9º. E 10º. Mandamentos do Decálogo aos cristãos de Éfeso e Roma (Efé. 6:1-3; 4:25-31; Rom. 13:8-10), além de dizer que a fé não anula a lei, e sim a CONFIRMA (Rom. 3:31).

Mas sobre nossa 1ª. razão–de o sábado ser dado desde a criação do mundo junto com todas as demais leis divinas de moralidade, ética, santidade, teríamos bem mais a falar. Como, porém, vemos gente aqui exasperada para tratarmos do tema do sábado em ligação direta com os cristãos, partamos logo para a

2ª. RAZÃO POR QUE O SÁBADO SE APLICA AOS CRISTÃOS:

Jesus apresenta a “regra áurea” de amar a Yah-weh/amar o próximo (Mat. 22:36-40), e nesse contexto declara, “destes dois mandamentos dependem TODA A LEI e os profetas”.

Se Ele tivesse dito, TODA A LEI, MENOS O PRECEITO DO SÁBADO os anti-sabatistas estariam cobertos de razão. Logo, o sábado é PRECEITO DE AMOR, que se reflete de várias formas, como detalharemos, não neste segmento, pela limitação de espaço. É amor de Deus para com o homem e até para com os animais, e amor do homem revelado para com Deus. O sábado tem tudo que ver com amor, por isso o cristão deve observá-lo.

Esta é apenas uma introdução a tal discussão, que buscaremos prosseguir no próximo segmento.

=

Francamente, até agora o Sr. Azenilto não apresentou um só texto que prove que os cristãos devem guardar o sábado, e que os antepassados dos israelitas libertos do Egito tenham-no guardado. Sua argumentação consiste em: NÃO HÁ EVIDÊNCIA de que Adão não guardou o sábado, NÃO HÁ EVIDÊNCIA de que Abraão não guardou o sábado, NÃO HÁ EVIDÊNCIA de que … . Ele deveria sim apresentar EVIDÊNCIA de que Adão, Abraão e outros servos de Deus antes da nação de Israel guardaram o sábado.

Quanto à afirmação de Cristo, de que o sábado foi feito “por causa do homem” (Mr 2:27) isso tem que ser entendido dentro do contexto da Bíblia inteira, a qual mostra que o sábado como lei não permaneceu para os cristãos. A palavra “homem” (ánthropos) não tem aplicação somente à humanidade em geral. Pode se referir a um israelita (Lc 5.20; Mt 15:24), a um filho (Mt 10:35) etc. Note a frase “Agripa disse a Festo: “Eu mesmo também gostaria de ouvir o homem.” (At 25:22)

Agripa não queria ouvir toda  a humanidade, mas um homem específico, o judeu Paulo de Tarso. “Verdadeiramente, todas as coisas são limpas, mas é prejudicial para o homem que come com motivo para tropeço”. (Ro 14:20) “O homem” aqui não se aplica a todo ser humano. Paulo estava falando dos cristãos. Assim como em Mr 2:27, esses textos citam ánthropos com o artigo definido.

Em Efé. 6:1-3 Paulo faz alusão ao 5.º mandamento mostrando que até na Lei já removida era obrigação obedecer aos pais. Mas ele não disse: ‘Filhos, sede obedientes aos vossos pais em união com o Senhor  porque o 5.º mandamento ordena isso, mas porque “isto é justo.”

Quanto a Rom. 13:8-10, esse texto prova justamente o CONTRÁRIO do que intentam os sabatistas. Diz: “A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, exceto que vos ameis uns aos outros; pois, quem ama o seu próximo tem cumprido a lei. Pois o código da lei: ‘Não deves cometer adultério, não deves assassinar, não deves furtar, não deves cobiçar’, e qualquer outro mandamento que haja [isso inclui o sábado], está englobado nesta palavra, a saber: ‘Tens de amar o teu próximo como a ti mesmo.’ O amor não obra o mal para com o próximo; portanto, o amor é o cumprimento da lei.” Em outras palavras, os mandamentos a Lei mosaica se tornam desnecessários no cristianismo, que pratica o amor acima de tudo.

Quanto a Rom. 3:31: “Abolimos então a lei por meio de nossa fé? …Ao contrário, estabelecemos lei.” Note que não diz: “Estabelecemos A Lei.” Está falando de “lei em sentido genérico, porque no cristianismo também há normas. Se se referisse à Lei dada a Israel, o verbo “estabelecer” seria incoerente. Paulo teria dito: “Restabelecemos” ou “mantemos A Lei”. Mas o claro sentido do texto está nos versículos anteriores: “Onde está então a jactância? Está excluída. Por intermédio de que lei? A das obras? Não, deveras, mas por intermédio da lei da fé. Pois nós consideramos que o homem é declarado justo pela fé, à parte das obras da lei.” (Ro 3:27, 28)

Visto que no cristianismo não há base para jactância, uma vez que a salvação não é merecida, não há base para a continuidade da “lei das obras” (o Pacto da Lei com seu sábado semanal).  Portanto, a “lei” a que Paulo disse ‘estabelerem’ é A LEI DA FÉ, que veio por meio de Cristo.

O segundo motivo apresentado por Azenilto também não procede. A frase “Destes dois mandamentos [amar a Deus e ao próximo] dependem TODA A LEI e os profetas” foi mal interpretada por ele. Não são os dois maiores mandamentos que dependem de TODA A LEI, mas TODA A LEI é que depende deles. Assim, os dois mandamentos são A BASE de TODA A LEI, e não o contrário. Mesmo TODA A LEI tendo findado, isso não afeta a SUA BASE. Os princípios contidos nesses dois mandamentos foram incluídos no cristianismo.

Por outro lado, eu apresentei:

·         EVIDÊNCIA de que mesmo que o sábado tivesse sido dado COMO LEI desde a criação, ainda não significaria que permaneceria no cristianismo. (A exemplo de Gên. 1:27 e 1 Cor. 7:32-38) 

·         Assim, a 1.ª razão proposta pelo Sr. Azenilto simplesmente não existe.

·         EVIDÊNCIA de que a santificação de algo não implica em esse algo permanecer para sempre (Êxo. 28:1-3, 40, 41)

·         EVIDÊNCIA de que a GUARDA do sábado só ocorreu após a saída de Israel do Egito. Êx. cap. 16; Deut: 5:1-3, 15);

·         EVIDÊNCIA de que a INTEIRA LEI (com os Dez Mandamentos que incluíam o sábado semanal) só veio a existir nessa época, 430 anos depois da promessa feita a Abraão (Gál 3:16-19);

·         EVIDÊNCIA de que tal Lei permaneceria até a vinda de Cristo (Gál 3:19), após o que haveria mudanças: “Pois, mudando-se o sacerdócio, necessariamente HÁ TAMBÉM MUDANÇA DA LEI.” (Heb. 7:12);

·         EVIDÊNCIA de que “Deus enviou o seu Filho … PARA LIVRAR POR MEIO DUMA COMPRA OS DEBAIXO DE LEI”.(Gál 4:4, 5)

Agora cabe ao leitor sincero avaliar de que lado está a verdade.

=

=

Tratando da 1ª. das razões para a guarda do sábado pelos cristãos tentei esclarecer ser importante entender suas origens na Criação, mas ficou pendente até aqui:

COM BASE EM QUE LEI YAH-WEH CONDENOU CAIM, E DEPOIS SODOMA E GOMORRA?

Foi admitido haver LEIS PARA A HUMANIDADE SEMPRE EXISTENTES. Concordamos, sem problemas. Tais leis são originárias do próprio Yah-weh, refletoras de Seu caráter santo, já que Ele é santo, justo e bom, por isso Paulo diz que a lei é santa, justa e boa. Ilustrei isso com as legislações das duas Coreias.

Também ficou pendente a SANTIFICAÇÃO do 7º. dia. O que significa mesmo a palavra “santificar”? Pena que a teimosia em não aprofundar-se nesse tema impediram o seu devido debate. Ficam para trás esses importantes pontos pendentes e outros mais.

Mas avançando com a 2ª. razão para o crente guardar o sábado, Jesus disse que não veio abolir a lei, mas cumpri-la (Mat. 5:17-19). Diz mais que os que O ouviam deviam seguir o Seu exemplo: cumprir as regras mínimas da lei e assim ensinar aos homens.

Ele não iria contradizer-Se abolindo o sábado, não dentre os mínimos, mas dos máximos na lei. E em Mat. 23:1-3–Seu último discurso público aos discípulos (continuadores de Sua obra) e “às multidões”—confirma: deviam cumprir TUDO o que seus chefes religiosos ensinavam, só não imitando sua hipocrisia do “façam como digo, não como faço”. Ora, isso INCLUI o sábado, além das regras cerimoniais, prefigurativas, que a Igreja entendeu no devido tempo não mais se aplicar a ela, mas não os preceitos de caráter moral, como não–matar, furtar, cultuar imagens, e a lei do sábado.

* O SÁBADO REVELA O AMOR DE YAH-WEH AOS SERES HUMANOS: Ele, como ninguém, sabe de suas necessidades físicas, mentais, sociais. Daí estabeleceu sabiamente um tempo não só para ser adorado de modo especial pelo homem, sem as preocupações seculares, mas para este ter um necessário descanso físico e mental.

Está provado cientificamente que o sábado é necessário e benéfico para os seres humanos. Cronobiólogos comprovaram o chamado “ritmo do 7o. dia”, ou “circaseptano”, o regime ideal de 6 dias de trabalho e 1 de descanso.

O pastor e médico evangélico, Michael Cesar, conta num CD que Hitler requereu que os operários das fábricas de armamentos no preparo para a 2a. Grande Guerra trabalhassem os 7 dias semanais direto, só descansando à noite. Mas as pessoas ficavam esgotadas, nervosas, a produção caiu. Daí o ‘Führer’ refez o regime natural de 6 dias de trabalho e 1 de descanso. De fato, batistas e presbiterianos acentuam em seus documentos confessionais que o regime de 6 dias de trabalho, e 1 de descanso é da LEI NATURAL.

Jesus disse que “o sábado foi feito por causa do homem-‘anthropós’, o homem universal, não o mero homem judaico. É absurdo imaginar um Criador tão discriminador, criando um princípio tão benéfico a Suas criaturas, mas só para os da etnia judaica. Por que isso?!

E Ele não se referia ao mero homem judaico, como fica claro pelo seguinte: Seria sem nexo a declaração—“O sábado foi feito por causa do homem judeu, e não o homem judeu {foi criado} por causa do sábado”. Yah-weh não criou o homem judeu, e sim o homem universal-‘anthropós’.

* O SÁBADO REVELA O AMOR DE YAH-WEH AOS ANIMAIS: O Senhor também pensou no benefício aos animais de carga: no sábado os animais de carga deviam também ser poupados de trabalhos. “Nem o teu boi, nem o teu jumento”, determina o preceito.

Entra o cristianismo e–PIMBA, acaba-se o benefício a essas pobres criaturas! O que houve? Deixou Ele de ser misericordioso com os pobres animais de carga no cristianismo?!

Se não há mais lei do sábado, e o domingo é algo vago, voluntário, variável, qualquer cristão pode usar seu animal todos os dias da semana, ou cedê-lo a alguém que queira usá-lo no fim de semana. E isso se aplicaria aos tempos ANTERIORES ao Sinai. Abraão, Isaque, Jacó eram possuidores de muito gado, e certamente tinham seus animais para transporte, tração de solo, etc. A misericórdia divina para com os animais não se aplicaria ao tempo deles também?

Só isso já mostra a falácia da teologia novidadeira do neo-antinomismo dispensacionalista e dianenhumista, acatado por tantos crentes desde meados do séc. XIX, e que muito influenciou C. T. Russell.

 

Gostaríamos de pedir a todos que reavaliassem seus comentários para ter certeza de que não está se deixando levar para o lado negativo da discussão maldosa. Em vista disso, eu mesmo estou deletando algumas de minhas palavras que podem causar atrito desnecessário  com nossos colegas adventistas. A todos aqueles cujo objetivo não seja o de ridicularizar as Testemunhas de Jeová, pedimos desculpas por alguma palavra irrefletida, afinal, somos todos imperfeitos. Os adventistas que logarem e postarem comentários, evitem ataques e menção de assuntos fora do tema da página e isto contribuirá muito para um ambiente melhor. MODERADOR

Apologista prossegue…

Os 10 Mandamentos só foram dados uns 2.500 anos após a criação do homem, e 430 anos após a promessa feita a Abraaão. (Gál 3:17) Mas, para o entendermos a situação das pessoas, em especial dos servos de Deus, antes de os 10 Mandamentos terem sido dados, é necessário entender a diferença entre “lei” e “princípio”. Veja esta ilustração: as leis de trânsito só passaram a existir devido à existência de veículos motorizados. Caso algum dia tais veículos deixassem de existir, findariam também as leis de trânsito.

Mas, o principio por trás de tais leis – o que motivou a existência delas – é o princípio de que a vida é sagrada e que, por isso, deve ser preservada. Esse princípio é eterno. De modo correspondente, embora o Decálogo (10 Mandamentos) só tenha sido dado após a saída de Israel do Egito e teve seu fim quando surgiu o cristianismo, os princípios que motivaram a existência de tal código de leis existiram antes desse código e continuam no cristianismo.

Por exemplo, embora não houvesse o mandamento “não deves adulterar”, a declaração de Gn 2:24 mostra o conceito de Deus sobre o sexo e o casamento. A expressão “o homem … tem de se APEGAR à sua ESPOSA, e os DOIS serão uma só carne” torna claro que o sexo deve ser expresso entre um homem e uma mulher, o que exclui o homossexualismo. O verbo “apegar-se” e a expressão “os DOIS” exclui outro relacionamento.

Outro relacionamento seria adulterar o arranjo divino. Daí a palavra “adultério” aplicada a relacionamentos extraconjugais. Embora não houvesse o mandamento “não deves cobiçar”, a lei sobre os direitos de posse tornava claro que é errado cobiçar o que é de outro. (Gn 2:17; 3:6) A violação desse direito no Éden – quando Eva e depois Adão se apropriaram de algo que não lhes pertencia – o fruto da ‘árvore do conhecimento do bem e do mal’ – e a penalidade recebida por eles mostravam que era errado o furto, embora não houvesse um código de leis com a ordem “não deves furtar”.

O impedimento de Adão e Eva comerem da árvore da vida após o pecado mostrava que a vida era uma dádiva de Deus a ser prezada; assim, seria errado o assassinato, apesar de não haver uma lei dizendo “não deves assassinar”. Pelo mesmo motivo seria errado desonrar os pais – os dadores da vida, apesar de não haver nenhuma legislação dizendo “honra a teu pai e a tua mãe”. Visto Deus ser o Criador, ele merece a devoção exclusiva, sendo errada a idolatria, pecado que seria proibido nos dois primeiros dos 10 mandamentos milênios depois.

Embora antes de Israel sair do Egito não houvesse nenhuma lei para guardar um dia especifico da semana, os fiéis patriarcas antes de Israel também tiravam tempo para coisas espirituais, como se pode inferir de Gênesis 12:7, 8 e 18:19, devido ao princípio de que Jeová merece a primazia. O princípio de que o Nome divino, Jeová, é sagrado e eterno, por pertencer a Deus, mostrava que era errado desrespeitá-lo. Que dar falso testemunho era errado, torna-se claro pelo fato de o anjo que usou a serpente ter dado falso testemunho contra Deus. (Gn 3:1-5) Portanto, esses princípios já existiam desde o princípio e foram transformados em dez leis (mandamentos) após a saída de Israel do Egito, e também foram incluídos entre outras leis da Lei dada a Israel.

Quando a inteira Lei com seus 10 Mandamentos findaram por terem cumprido seu objetivo, os princípios por trás dessas leis continuaram no cristianismo. Veja isso no quadro abaixo:

 

Leis do Decálogo (10 mandamentos)

Princípio envolvido

Aplicação no cristianismo

1 – Não adorar outro Deus além de Jeová

Adoração exclusiva de Jeová

“Os verdadeiros adoradores adorarão o Pai.” – Jo 4:23

2 – Não adorar ídolos

Adoração exclusiva de Jeová

“Fugi da idolatria.” – 1Co 10:14

3 – Não tomar o nome de Deus, Jeová, em vão

O Nome divino é sagrado e eterno

“‘Nosso Pai nos céus, santificado seja o teu nome.” – Mt 6:9

4 – Guardar o sábado semanal

Priorizar assuntos espirituais

‘Comprar todo o  tempo oportuno.’ – Ef 5:16

5 – Honrar pai e mãe

Santidade da vida, transmitida através dos pais. – Pr 23:22a;

Respeito à autoridade divinamente constituída. – Pr 1:8

“Filhos, sede obedientes aos vossos pais em união com o Senhor, pois isto é justo.” – Ef 6:1

6 – Não assassinar

Santidade da vida. – Gn 2:9; 3:22-24

“[Os] assassinos … terão o seu quinhão no lago que queima com fogo e enxofre. Este significa a segunda morte.” – Re 21:8

7 – Não cometer adultério

Lealdade ao arranjo divino do casamento. – Gn 2:24

“O matrimônio seja honroso entre todos e o leito conjugal imaculado, porque Deus julgará os fornicadores e os adúlteros.” – He 13:4

8 – Não furtar

Direito divinamente concedido de posse. – Gn 2:17

“O gatuno não furte mais.”

– Ef 4:28

9 – Não dar falso testemunho

Respeito à integridade moral. – Gn 3:1-5

‘Todos os mentirosos  terão o seu quinhão no lago que queima com fogo e enxofre.’ – Re 21:8

10 – Não cobiçar

Respeito ao direito divinamente concedido de posse alheia (do concreto e do abstrato). – Gn 2:17

“Amortecei, portanto, os membros do vosso corpo que estão na terra, com respeito a … cobiça, que é idolatria. – Col 3:5

Espero que esta explanação tenha ajudado aos que buscam entender esse tema envolvendo os Dez Mandamentos com seu sábado semanal.***

=

Pedimos aos debatedores que a partir de agora postem suas palavras finais visando terminar o debate sem levantar questões e despedindo-se…GRATO: MODERAÇÃO

 

Nosso amigo ATJ (sigla para Apologista TJ) expressa bem o que também diz “A Sentinela” de 15/12/70:

“Havia uma lei universal que mantinha toda a criação em equilíbrio. Adão recebeu esta lei. . . [Noé] cria na lei natural de Deus e na obediência a ela. . . . Os espalhados [após a confusão de línguas] não difundiram a lei de Deus, senão sua própria atitude rebelde. . .”

TODOS OS PRINCÍPIOS DO DECÁLOGO são parte da “lei de Deus” ou “lei natural”, “lei universal”, como esta publicação das TJ’s refere-se diferentemente à “lei de Deus”. Mas é importante lembrar que o fundamento dessa lei é o AMOR—a Deus e ao próximo.

Revisemos alguns pontos importantes: a 1ª. razão para TODOS honrarem o sábado é que Yah-weh SANTIFICOU (separou) o 7º. dia no ato da criação.

Não é dito que Adão guardava o sábado, nem que atuasse todos os 7 dias no jardim sem dedicar um dia ao Senhor. Se há empate (0 x 0), o desempate é que o Criador fez 3 coisas—descansou no sábado, abençoou-o e o santificou {separou como “memorial da criação”—Êxo. 20:11; Sal. 111:4}. Jesus confirma em Mar. 2:27: fez isso PARA O HOMEM.

Essas LEIS PARA A HUMANIDADE desde o princípio incluiriam, como fica implícito, proibição de homicídio e desvios sexuais (punição de Yah-weh a Caim e Sodoma & Cia.). E por que não um dia de repouso obrigatório (aquele “separado” por Yah-weh)? Já vimos como ATJ admite que incluem o equivalente aos 10 preceitos do Decálogo, muito bem.

A 2ª razão é o sábado ser componente inescapável no princípio do AMOR A YAH-WEH SOBRE TODAS AS COISAS, como Jesus diz em Mat. 22:36-40.

É uma provisão amorável do Criador para Suas criaturas—homens e até animais de carga. É benéfico física, mental, espiritual, familiar e socialmente. Por que se limitaria a Israel? Tal noção é negada ao Jesus dizer que foi feito “por causa do homem”, não tendo nexo a frase—“por causa do homem judeu”. Yah-weh NÃO CRIOU O HOMEM JUDEU, e sim o homem-‘anthropós’, universal.

O SÁBADO É PROVA DE NOSSO AMOR PARA COM O CRIADOR. Quem ama a Yah-weh sobre todas as coisas não irá: ter outros deuses, cultuar ídolos, desonrar o Seu nome, e Lhe dedicará o dia que Ele SEPAROU desde a criação do mundo, estabelecido “por causa do homem” (não por causa Dele mesmo, já absolutamente bendito e santo). A própria TNM nos ajuda a ver que o Criador estabeleceu “uma RECORDAÇÃO para as suas obras maravilhosas” (Sal. 111:4). Essa recordação é o sábado!

Uma pergunta para resposta ou reflexão:

• Por que nossa expressão de amor a Yah-weh deve, sob o novo pacto, reduzir-se de 4 para 3 preceitos?

Que o criador DESCANSOU no 7º. dia (cf. Gên. 2:2, 3) a própria TNM confirma em Êxo. 31:17 (consta o termo “repousou”) e Heb. 4:4 e 10 (“descansou”, com notas de referência que levam a Gên. 2:2). O sentido do capítulo 4 todo é que o “descanso” espiritual da salvação não foi alcançado por Israel. Mas dentro da nação decerto houve os que o alcançaram (como os ‘heróis da fé’ no cap. 11), nenhum deixando de lado o sábado por tê-lo alcançado. O sentido do capítulo todo é o descanso final da Nova Terra. Aliás, os comentaristas batistas Jamieson, Fausset e Brown assim explicam Heb. 4:9:

“Este verso indiretamente estabelece a obrigação do descanso do sábado; pois o tipo prossegue até que o antitipo o supere: assim os sacrifícios legais continuariam até que o grande Sacrifício antitípico os superasse. Igualmente o sábado de descanso antitípico do céu não se dará até que Cristo . . . venha para nos introduzir nele, o sábado terreno típico deve prosseguir até então. Os judeus chamam o futuro descanso de ‘o tempo que é todo sábado’”. (e-word.net – site de comentários de eruditos).

Logo, mesmo que o sábado fosse uma “sombra”, continua vigente pois sombras só cessam quando se dá a realidade a que apontam.

Cita-se Mat. 11:28, 29 onde Cristo fala sobre ser Ele o “descanso para as vossas almas”. Com isso alegam que Cristo é o “descanso” que dispensaria o cristão de observer o sábado. Esse raciocínio nem honra a inteligência de quem o emprega. É confundir DESCANSO ESPIRITUAL com DESCANSO MATERIAL, como obtido pelo sábado.

Então, antes de entrarmos na 3a. razão por que o sábado aplica-se aos cristãos, nosso amigo ATJ terá que nos provar que O SÁBADO NÃO TEM NADA A VER COM AMOR, o que Jesus declarou em Mat. 22:36-40.

=

Senhor Azenilto, como mostra  Mat. 22:36-40, a INTEIRA Lei tem a ver com o amor, mas a INTEIRA Lei findou, COMO MOSTRA A BÍBLIA.

Os adventistas citam Mt 5:17-19, que afirma que Jesus não veio destruir mas sim cumprir a Lei, para argumentar que os cristãos devem seguir o exemplo de Cristo por também cumpri-la. Mas de que “Lei” o texto está falando? O verso 19 fala de “MÍNIMOS mandamentos” (“por menor que seja”, versão Almeida). Existe algum dos 10 mandamentos que seja “mínimo” ou “menor” que os outros? Está claro que Cristo se referia à INTEIRA Lei dada a Israel. Portanto, usar esse argumento implicaria em dizer que os cristãos devem guardar TODA a Lei – incluindo circuncisão, ofertas de cereais, sacrifícios de animais etc. Continuar em tais coisas seria negar o sacrifício de Cristo!

Uma 2ª pergunta seria: como Cristo cumpriu TODA a Lei? O verbo grego usado é pleróo, que significa “completar”, “terminar” alguma coisa já iniciada, “levar ao fim”. (Léxico do NT Grego/Português de Gingrich e Danker.) Assim, Cristo não ‘destruiu’ a Lei por violá-la, mas a cumpriu por levá-la ao fim. Isso se torna claro pelas palavras seguintes de Jesus: “Antes passariam o céu e a terra, do que passaria uma só letra menor ou uma só partícula duma letra da Lei sem que tudo SE CUMPRISSE”, ou seja, SE COMPLETASSE, finalizando. (Mt 5:18) além disso, esse significado se torna evidente porque o texto diz que Cristo veio cumprir também “os Profetas” – as profecias escritas que diziam respeito a ele. Uma 3.ª pergunta seria: o que aconteceria com TODA a Lei depois que Cristo a completasse (a levasse ao fim)? O mesmo que aconteceria com as profecias cumpridas por ele. Tais profecias ficariam apenas registradas para o nosso conhecimento. Se alguém tentasse cumprir novamente tais profecias seria o mesmo que dizer que Jesus não as cumpriu direito. Isso implicaria em dizer que ele não era o Messias (Cristo), e que, portanto, sua morte não teve valor algum! O mesmo se pode dizer da Lei. (O verbo “cumprir” foi usado uma única vez para se referir à Lei e aos Profetas) Se alguém tentasse cumprir toda a Lei ou parte dela (como os Dez Mandamentos), ou apenas uma lei dela (como a do sábado semanal) seria o mesmo que dizer que Cristo não a cumpriu direito, desqualificando-o de ser o Messias e, por conseguinte, de ser o nosso Salvador. ISSO SERIA NEGAR O RESGATE QUE ELE PROVEU PARA A NOSSA SALVAÇÃO! E o resgate é a doutrina central do cristianismo – a doutrina de que Jesus Cristo veio para dar sua vida para a salvação da humanidade. Assim, observe o leitor a seriedade de se insistir na guarda do sábado semanal ou de qualquer outra lei do código de leis dado a Israel!

Obviamente, há muito ainda que se falar desse tema. Mas, acredito que essa argumentação final, somada às demais, tenha ajudado o leitor que respeita a Palavra de Deus a chegar a uma conclusão acertada sobre o assunto. Visto que a Bíblia não se contradiz, os poucos versículos que citei – que tornam claro (1.º) que a lei do sábado foi dada a Israel após sua saída do Egito  e (2.º) que findou junto com as demais leis do código da Lei – devem servir àquele que busca entender e seguir o que a Bíblia realmente ensina.
Agradeço a oportunidade que me foi concedida neste blog, e elogio os comentaristas que deram uma grande contribuição para a resposta a essa pergunta: “São os cristãos orientados por Deus a guardar o sétimo dia?” Num debate curto como esse seria impossível considerar todos os versículos que vocês, comentaristas, consideraram. Mas, apesar do curto debate, procurei ser o mais objetivo possível, focando a Bíblia, e não conceitos humanos. Também elogio o Sr. Azenilto por manter o respeito pela minha pessoa, assim como mantive pela pessoa dele. Os ataques foram contra as argumentações, e não contra os debatedores.

Finalizando, gostaria de colocar abaixo a ilustração que resume a visão de vários leitores (e talvez a sua ) sobre este debate:

 Um grupo de pessoas é acusado diante de um tribunal. O juiz pede aos advogados que tomem suas posições tanto para a acusação quanto para a defesa. Começa o Julgamento. O advogado de defesa traz cerca de 40 TESTEMUNHAS com  PROVAS DOCUMENTAIS mostrando realmente que aquelas pessoas são inocentes. O Juiz agora pede à parte oponente que tragam suas testemunhas e que provem que aquelas pessoas são realmente culpadas. O advogado de acusação chega e diz: “Nós não conseguimos nenhuma testemunha legítima  e nem provas contra eles, mas isso não quer dizer que eles são inocentes.” Como o juiz daria a sentença? Ora, na AUSÊNCIA de TESTEMUNHAS  LEGÍTIMAS e de  PROVAS NÃO HÁ CULPA. Como vou culpar alguém se não tenho nenhuma testemunha e nem provas contra elas?

Bem, chegou a hora de saber quem são os personagens desta ilustração.

guardadosábado

Portanto, que o leitor tire suas conclusões.

Atenciosamente,

O apologista da verdade.

Agradecemos ao Sr Azenilto Brito e ao Apologista pela contribuição com este debate. 

FINALIZADO O DEBATE

Anúncios
Trackbacks are closed, but you can post a comment.

Comentários

  • Azenilto G. Brito  On 7 de fevereiro de 2014 at 9:12

    Será um prazer participar deste referido debate. Apenas corrijo o meu nome–Azenilto Guimarães Brito.

    Até breve e saudações cordiais a todos.

    Curtir

  • Queruvim  On 7 de fevereiro de 2014 at 11:49

    Seja bem vindo, corrigimos seu nome.

    Curtir

  • Queruvim  On 8 de fevereiro de 2014 at 1:30

    Azenilto,

    A parte que postou onde lemos:

    “Será que as TJ’s sabem que sua organização mantinha ideias nessa linha—até com a publicação do livro “Vida”, exatamente para alcançar os judeus? Saberiam que as TJ’s ensinavam haver ainda um papel profético futuro para Israel nas profecias, ideias que foram abolidas só na 2a. presidência das TJ’s, em 1932, com J. F. Rutherford? ”

    Foi considerada por muitos como um desvio sutil do tema. Tenha em mente que o que importa não é o que as TJ pensavam a mais de 100 anos mas o que ensinam agora. De fato Russel usava a cruz, hoje sabemos muito mais que ele sabia. Ele comemorava o Natal hj não o fazemos, enfim, sua citação de profecia e escatologia de forma negativa, abriu caminho para debate encima de outro tema que não o proposto. Eu sinceramente sugiro que tome cuidado. Deliberamos durante mais de 1 hora com várias pessoas inclusive NÃO TESTEMUNHAS de Jeová, no RAIDCALL e boa parte concluiu que houve desvio desnecessário de tema. Vou avaliar melhor e gostaria de pedir que evitasse questionamentos que desfigurassem o tema proposto para o debate. Até para simplificar o assunto que já não é muito simples para os leigos.

    “Sabem as TJ’s que sua organização mantinha ideias nessa linha—até com a publicação do livro “Vida”, exatamente para alcançar os judeus? Saberiam que ensinavam haver ainda um papel futuro para Israel nas profecias, ideias abolidas só na 2a. presidência das TJ’s, em 1932, com J. F. Rutherford?”

    Tal pergunta relacionada com o entendimento de que os judeus seriam convertidos em massa e aceitos por Deus no julgamento, abriu um direito de resposta sobre assunto não pertinente ao debate. Precisa ter em mente que um dos argumentos mais usados pelos opositores (não digo críticos), das TJ é justamente o desenvolvimento no entendimento de assuntos, ( o que chamam de “mudanças de ensino”). As Testemunhas de Jeová sabem muito mais sobre isso do que imaginas. É claro que muitas delas são pessoas simples e que se achegaram a organização devido suas qualidades excelentes e as doutrinas básicas que temos em comum entre nós. Muitas TJ donas de casa simplórias e outros talvez não conheçam estes assuntos. Mas a vasta maioria sabem que havia muitas doutrinas ou entendimentos que foram abandonados com o passar do tempo, a medida que foram estudando mais e mais as escrituras. Não devia ter levantado esta questão e não deixou de ser um desvio sutil do tema proposto e uma propaganda anti TJ que se apropria do desvio dialético. Terá que deixar sua propaganda anti TJ de lado se quiser debater sobre o sábado e ser mais objetivo. Estou certo de que será sinalizado devido a isso. Mas ainda falarei sobre isso com os presentes no RAIDCALL hoje a noite. Se postarem nos comentários que deve ser sinalizado, eu simplesmente o farei.

    MODERADOR

    Curtir

  • Marcelo  On 8 de fevereiro de 2014 at 9:11

    Não teria sido desvio do tema caso o assunto fosse “retorno visível vs invisível”.

    Note-se que como queruvim falou, as TJ iniciaram sim, com uma grande bagagem de paganismo, ensinamentos, como natal, cruz… mas não se apegaram as tradições e foram se “livrando” do paganismo conforme os assuntos se tornavam claro com o estudo dedicado da bíblia.

    Queruvim, surgiro que coloque data/hora para cada post para que quem acompanhe encontre mais facilmente onde parou de acompanhar.

    Também, aos debatedores: termos como “escatologia” são lindos, mas as pessoas talvez precisem recorrer a wikipedia pra entender (eu, por exemplo) do que se trata, então, linguagem comum facilita o entendimento =)

    Curtir

  • Marcelo  On 8 de fevereiro de 2014 at 9:12

    EEEE Agora que vi! O Apologista aceitou!

    Curtir

  • Guitar!!!  On 8 de fevereiro de 2014 at 12:43

    A guarda do sábado foi primeiramente imposta aos israelitas em relação com a provisão miraculosa do maná. No sexto dia, o povo deveria juntar bastante maná que durasse dois dias, visto que não haveria nenhum disponível no sétimo dia, ou sábado. (Êxo. 16:22, 23) Quando veio o sétimo dia, contudo, alguns dentre o povo deveras procuraram o maná, indicando que não estavam acostumados a guardar um dia de repouso. (Êxo. 16:27) Por conseguinte, a mensagem de Deus, mediante Moisés, foi: “Até quando haveis de negar-vos a guardar os meus mandamentos e as minhas leis? Notai o fato de que Jeová vos deu o sábado. É por isso que ele vos dá no sexto dia o pão para dois dias. Ficai sentados, cada um no seu próprio lugar. Ninguém saia do seu lugar no sétimo dia.” — Êxo. 16:28, 29.
    Visto que a guarda do sábado deveria servir como lembrete do que Jeová Deus fizera ao livrar os israelitas do Egito, é claro que a lei sobre guardar o sábado não existia anteriormente; nem fora dada a qualquer outro povo. Isto é confirmado ainda mais em Êxodo 31:16, 17, onde lemos: “Os filhos de Israel têm de guardar o sábado, a fim de celebrar o sábado nas suas gerações. É um pacto por tempo indefinido. É um sinal entre mim e os filhos de Israel por tempo indefinido, porque em seis dias Jeová fez os céus e a terra, e no sétimo dia repousou e passou a tomar fôlego.” Assim, no caso dos israelitas, a guarda do sábado era sinal ou prova visível da relação pactuada que usufruíam com seu Deus. Por certo, se outros povos estivessem guardando tal dia de descanso, o sábado não poderia servir como sinal distintivo.
    Observe que o Deus Altíssimo se agradava, não com a simples restrição do trabalho. Antes, era uma questão de reservar tal dia como especialmente devotado a ele, e, por isso, concentrar-se em assuntos espirituais. Os israelitas deveriam refrear-se de seguir seus próprios empenhos e deveriam deleitar-se ou agradar-se em fazer a vontade de Deus.
    Que dizer de hoje? Exige Jeová Deus que seus servos reservem um dia por semana especialmente para ele? Observe o que o apóstolo Paulo escreveu sobre observar dias: “Um homem julga um dia como superior a outro; outro homem julga um dia como todos os outros; esteja cada homem plenamente convencido na sua própria mente. Quem observa o dia, observa-o para com Jeová.” (Rom. 14:5, 6) Estas palavras mostram que, no primeiro século E. C., os cristãos não tinham a obrigação de guardar algum dia como sábado. O importante para os cristãos era fazerem diariamente a vontade de Deus
    Portanto, segundo o testemunho da Escritura, apenas aos israelitas se ordenou que guardassem o sétimo dia como sábado. Esta observância sabática serviu de sinal do pacto entre Israel e Jeová Deus. Tendo Jesus Cristo cumprido a Lei, a guarda do sábado não foi imposta de novo a seus seguidores. (Rom. 7:4-6) No entanto, por refrear-se de tornarem os empenhos egoístas o ponto focal de sua vida, os cristãos demonstram que reconhecem a importância de usarem seu tempo para honrar o Criador. Cada dia, devem esforçar-se de seguir o modo de agir de Deus, provando que se deleitam nele

    Curtir

  • Mangabeira  On 8 de fevereiro de 2014 at 13:05

    Já imaginou se em um debate sobre o sábado eu dissesse para um debatedor adventista: “Sabia que vocês adventistas, no começo eram contra a trindade e hoje não são mais?” Isso é um desrespeito ao acordo de não desviar do tema. Já fiquei frustrado com o Azenilto. Para mim já começou errado.Não é por ai. E olha que nem sou TJ.

    Curtir

  • Ricardo  On 8 de fevereiro de 2014 at 13:43

    Se não leu nem as regras, imagina se ira ler os comentários do outro participante, será tão difícil se atentar a um único assunto ?

    Curtir

  • Queruvim  On 8 de fevereiro de 2014 at 13:53

    Obrigado pela sugestão ref. a datas

    Curtir

  • Azenilto G. Brito  On 8 de fevereiro de 2014 at 16:01

    Lamento que haja comentários de que me desviei do tema e de que desrespeitei o regulamento do debate ou teria tal intenção. Estou apenas apresentando o contexto histórico das origens da “escola interpretativa” dispensacionalista, do que se trata tal metodologia exegética, e no que contribuiu para a formação doutrinária das TJ’s.

    Para mim é muito relevante abordar todo esse contexto. Assim as TJ’s entenderão melhor por que acatam também o “dianenhumismo”. Russell mesmo diz ser devedor aos crentes anteriores por seus ensinos (e cita presbiterianos, batistas, metodistas como formadores de seu pensamento em vários aspectos). As idéias obtidas do dispensacionalismo se refletem em obras das TJ’s como o “Proclamadores do Reino” (pág. 141).

    O fato de os moderadores se demorarem discutindo isso, como fui informado, mostra divergências quanto a eliminar esse segmento de minha exposição. Está legitimamente dentro do tema da diferença de posições das TJ’s e da que os cristãos ensinam HISTORICAMENTE sobre a lei divina, por causa da influência do dispensacionalismo e seus DOIS ASPECTOS indicados—não só o escatológico (tratando de Israel no futuro), como o das “dispensações”, sobretudo no contraste radical entre as “da lei” e “da graça”.

    Curtir

  • Queruvim  On 8 de fevereiro de 2014 at 17:29

    Querido Azenilton, ao apresentar o que chamou de “o contexto histórico das origens da “escola interpretativa” dispensacionalista” fazendo uma pergunta relacionada com o entendimento de que os judeus seriam convertidos em massa e aceitos por Deus no julgamento, abriu um direito de resposta sobre assunto não pertinente ao debate. Sugiro que antes de postar releia várias vezes o que escreveu. Aqui não será como em um debate ao vivo onde desvios do tema e apelo a emoção, coisa muito comum no meio evangélico acaba prejudicando uma conversa sobre assunto bíblico específico em detrimento da verdade da palavra de Deus. Este, meu amigo, é um dos motivos da organização de Jeová não apoiar debates públicos. Ela amorosamente sugere entrevistas respeitosas junto a mídia imparcial, e é que tem sido feito até agora. A Organização de Jeová Deus nos orienta a seguir o “modelo de Cristo que não pregava por meio de debates”. Não era um modelo estabelecido por Cristo. Contudo um debate on line seguindo a risca diretrizes e regras previamente estabelecidas e aceitas pelos dois lados, pode produzir uma discussão esclarecedora. Sim, uma registro esclarecedor é o que queremos sobre o tema “Devem os Cristãos guardar o sétimo dia?”

    Curtir

  • Freitas  On 8 de fevereiro de 2014 at 18:03

    Havia um grupo de pessoas junto com Russel e o que eles fizeram foi “garimpar” ouro entre os cascalhos, ou seja, reunir as verdades da palavra de Deus espalhadas dentre as inúmeras denominações. Até mesmo no catolicismo existe algumas dessas pérolas. Ele jamais se deixou influenciar por pessoas que afirmavam ter “revelações’ ou “profecias” diretamente de Deus, seja Margaret Macdonald, Ellen G. White ou quaisquer outras(o). Certamente que as crenças das divergentes religiões foram profunda e exaustivamente pesquisadas.

    De modo que certas afirmações [acima]precisam ser acrescidas de “provas”, quais são elas ? Apenas “passar uma ideia” disso ou daquilo quer dizer nada. Mesmo porque “a cana para medir” a doutrina em questão não será nem Russel e nem Margaret e sim as santas escrituras. De modo que o debate ainda não começou propriamente dito.
    Quando as tjs, por exemplo, dizem que certas doutrinas tiveram origem em certos filósofos ou..etc.. isto é feito DEPOIS que provamos pelas escrituras que a doutrina é antibíblica, conseguirá [o debatedor convidado]fazer isso ?
    Se o construtor bate os olhos e acha que a parede está torta usa-se o prumo e a régua.
    Todos aguardam!

    Fi[quem] com Deus.

    Curtir

  • Queruvim  On 8 de fevereiro de 2014 at 18:19

    Pedimos a todos que evitem se dirigir aos debatedores. comentários aqui serão bem vindo por pessoas de todas as igrejas, mas evitem se dirigir aos debatedores.

    Curtir

  • Paulo  On 8 de fevereiro de 2014 at 18:36

    Pelo que observei das regras, não devemos nos dirigir aos debatedores. Então eu só quero mencionar um texto que achei muito interessante;

    ” Um [homem] julga um dia como superior a outro; outro [homem] julga um dia como todos os outros; esteja cada [homem] plenamente convencido na sua própria mente. ” (Romanos 14:5)

    Vou procurar no dicionário essa palavra tão extravagante “dianenhumismo”. Será que encontrarei?

    Só sei de uma coisa, esse debate promete ser cheio de palavras extravagantes, espero que todos possam tirar proveito.

    Curtir

  • Queruvim  On 8 de fevereiro de 2014 at 18:39

    DEBATEDORES…Atentem a página do debate sobre o procedimento a seguir…

    Curtir

  • Maílson  On 8 de fevereiro de 2014 at 18:46

    Acredito que temos liberdade para comentar muita coisa, porém o comentário deve ser pertinente! Se o tópico é “São os cristãos orientados por Deus a guardar o sétimo dia?” então vamos usar a bíblia para esclarecer este assunto e falar unicamente dele!

    Curtir

  • Azenilto G. Brito  On 8 de fevereiro de 2014 at 19:54

    Sobre o final do post, assinalando que é hora do outro expor o seu pensamento, sugiro que se coloque apenas três asteriscos, como aqui.***

    Era como fazíamos em outros debates do Orkut e funcionava bem.

    Curtir

  • Saga  On 8 de fevereiro de 2014 at 20:25

    O que estou achando:
    Eu não entendi qual o argumento mas tudo bem, a introdução desse debate pareceu abordar mais questões de: Todas denominações guardavam os dez mandamentos, as TJs por outro lado, não guardam pois foram influenciadas pela doutrina errônea do dispensacionalismo.

    PS: Notem os leitores que os termos “Sábado” e “Lei” foram sutil e espertamente trocados por “dez mandamentos”, pois tais denominações citadas na introdução diriam coisas diferentes se questionadas quanto aos temas do sabatismo e legalismo.

    Curtir

  • Queruvim  On 8 de fevereiro de 2014 at 21:11

    Ok

    Curtir

  • DREJAH  On 8 de fevereiro de 2014 at 21:32

    NÃO É PERMITIDO DESVIAR-SE DO TEMA ___ 1ª REGRA QUEBRADA !!!

    Charles Taze Russel / Sociedade Torre de Vigia / “profetisa” Margaret MacDonald /
    Vinda de Cristo invisível / Dispensações / Especulações Escatológicas / Estado de Israel / Livro Vida. ___ O quê tudo isso tem haver com o Tema ??? NADA !!!
    Mas…Tem tudo haver com o Livro que ele escreveu contra a Organização de Jeová
    Faça-nos o favor: Pare de fazer propaganda do seu livro com desculpa de contexto histórico e apegue-se ao Tema : “São os Cristãos Orientados por Deus a Guardar o Sétimo Dia “?

    Curtir

  • DREJAH  On 8 de fevereiro de 2014 at 21:45

    Queruvim, embora você já tenha frisado, gostaria de endossar também que o Apologista da Verdade tem direito a resposta sobre o assunto que foi postado e que não tem nada a ver com o Tema. (Se ele quiser é claro).

    Curtir

  • Marcelo  On 8 de fevereiro de 2014 at 22:05

    Gentes, keep it cool!

    Vamos superar o desvio do tema com mensão TJ nos anos “1800 e guaraná com rolha”, do contrário nós mesmos seremos prejudicado por nos deixar sair do foco. O Azenilto é nosso convidado, e está na nossa casa. E está sendo bastante educado até agora.

    Curtir

  • O Protestante  On 8 de fevereiro de 2014 at 22:40

    Eu, com permissão, sinalizo o seguinte trecho e os argumentos baseados nele como Desvio de Tema, uma vez que se utiliza como argumento fatos e afirmações que estão fora do escopo do Sábado e/ou que não se relacionam com o tema:

    Pelos meados do século XIX, exatamente quando Russell estudava a Bíblia e pregava, surgiu uma “profetisa” na Europa chamada Margaret MacDonald com uma visão sobre a vinda de Cristo como havendo de ser invisível aos olhos humanos.

    Curtir

  • nicinho  On 8 de fevereiro de 2014 at 23:11

    Gostaria que algum defensor do sabado me responde-se se
    o sabado é o maior mandamento?

    Curtir

  • SERGIO  On 9 de fevereiro de 2014 at 0:05

    ESTUDOS BÍBLICOS.

    QUATRO ALIANÇAS – TABELA DE CONVERSÃO.

    ANTIGA ALIANÇA: Dez mandamento escritos em tabuas de pedra.
    DEUTERONÔMIO 4:13.

    NOVA ALIANÇA: Dez mandamentos escritos no coração.
    JEREMIAS 31: 31-34, HEBREUS 8: 8-1 e 2º CORÍNTIOS 3:2-3.

    PRIMEIRA ALIANÇA: Santuário terrestre e sangue de animais.
    HEBREUS 9:1 e 9:7.

    SEGUNDA ALIANÇA: Sangue de Jesus e santuário celestial.
    HEBREUS 9:12 e 9:24.

    ASSIM, usando a tabela de conversão fica fácil entender os seguintes versículos:

    HEBREUS 8:7:
    “Porque, se aquela PRIMEIRA ALIANÇA (Santuário terrestre e sangue de animais) tivesse sido sem defeito, de maneira alguma estaria sendo buscado lugar para uma SEGUNDA (Sangue de Jesus e santuário celestial)”.

    HEBREUS 8:13:
    “Dizendo NOVA ALIANÇA (Dez mandamentos escritos no coração), envelheceu a PRIMEIRA (PRIMEIRA ALIANÇA: santuário terrestre e sangue de animais). Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece, perto está de acabar”.

    HEBREUS 9:1:
    ‘Ora, também a primeira (PRIMEIRA ALIANÇA: santuário terrestre e sangue de animais) tinha ordenanças de culto divino, e um santuário terrestre”.

    HEBREUS 9:15:
    “Por essa razão, Cristo é o mediador de uma NOVA ALIANÇA (dez mandamentos escritos no coração) para que os que são chamados recebam a promessa da herança eterna, visto que ele morreu como resgate pelas transgressões cometidas sob a PRIMEIRA ALIANÇA (santuário terrestre e sangue de animais)”.

    HEBREUS 9:18:
    “Por isso também o primeiro (PRIMEIRA ALIANÇA: santuário terrestre e sangue de animais) não foi consagrado sem sangue”.

    HEBREUS 10:9:
    “Então disse: Eis aqui venho, para fazer, ó Deus, a tua vontade. Tira o PRIMEIRO (PRIMEIRA ALIANÇA: Santuário terrestre e sangue de animais), para estabelecer o SEGUNDO (SEGUNDA ALIANÇA: Sangue de Jesus e santuário celestial)”.

    Curtir

  • burt walker  On 9 de fevereiro de 2014 at 12:37

    nicinho, quanto a sua pergunta na Biblia o sábado é um mandamento cerimonial dentro da lei moral, tanto que depois do derramamento do espirito santo em 33 E.C.,não existe um único versículo na Bíblia que diga que o cristão tem que guardar o sábado. Mas no livro Primeiros Escritos de Ellen G White nas pags 33 e 65 diz textualmente,“Mas o quarto , mandamento do sábado, brilhava mais que os outros; pois o sábado foi separado para ser guardado em honra do santo nome de Deus. O santo sábado tinha aparência gloriosa_ um halo de gloria o circundava. Vi que o mandamento do sábado não fora pregado na cruz.´´.Na pagina 65, ela(Ellen), diz, “O papa mudou o dia de repouso do sétimo dia para o primeiro dia da semana. Ele imaginou mudar o próprio mandamento que foi dado para levar o homem a lembrar-se do seu Criador . Pensou mudar o maior mandamento do decálogo,(viu onde está a resposta a sua pergunta ?)e assim fazer-se igual a Deus, ou mesmo exaltar-se acima de Deus.´´. Portanto só fora da Bíblia encontra-se respaldo para a guarda do sábado para os verdadeiros cristãos atuais.

    Curtir

  • Creinha Reis  On 9 de fevereiro de 2014 at 13:22

    Eu sou defensora do sábado e respondo sua pergunta, com prazer. O sábado é o principal mandamento do Decálogo porque é o único tratado como “sinal” entre Deus e o Seu povo (ver Eze. 20:12, 20), e o que faz claramente a ligação de Deus com o homem, e do homem com Deus. — Sra. C. S. Reis.

    Curtir

  • oTESTEMUNHAdeJAH  On 9 de fevereiro de 2014 at 17:36

    Somente um pensamento me veio a mente agora:

    Na sua introdução, o Sr Azenilto usou o argumento de que o Sábado deve-se ser guardado pelos Cristãos por que segundo ele todas as “igrejas primitivas”, desde as Católicas e Ortodoxas e até mesmo as Igrejas Protestantes por séculos depois da Reforma defendiam que os 10 Mandamentos eram requisitos para os Cristãos.

    Com isso ele defende que a “Tradição” seguida por incontáveis séculos é um guia seguro para endossar um ensino e fundamenta-lo. Claro que não precisamos nem citar Marcos 7:13 para uma refutação pois quando observamos que as mesmas denominações e pessoas citadas por Azenilton também pregam um “Inferno de Fogo” (..), será que eu preciso completar o raciocínio ou conseguiram entender o ponto.

    Em outras palavras ao usar esse argumento introdutório podemos perceber certa incoerência argumentativa uma vez que no caso do “inferno de fogo” o referido debatedor terá que refutar seu próprio argumento se for usado contra ele.

    Ancioso pelo desfecho deste debate.
    Mais uma vez
    Parabéns Queruvim pela sua página e por esses excelentes artigos e agora por esta SÉRIE de debates que esperamos que sejam frequentes e constantes.

    Curtir

  • Celso Monteiro  On 9 de fevereiro de 2014 at 17:41

    http://www.bibliaonline.net

    Curtir

  • Celso Monteiro  On 9 de fevereiro de 2014 at 18:35

    Todos os mandamentos de Deus estão, sempre estiveram, e sempre estarão embasados no amor! Não pode existir casamento sem amor, não temos como devolver o dízimo e ofertas sem amor…

    Lemos alguns textos que se refere ao amor:

    1 João 4:16 – E nós conhecemos, e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele.

    Romanos 13:10 – O amor não faz mal ao próximo. De sorte que o cumprimento da lei é o amor.

    Romanos 13:8 – A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei.

    1 João 5:3 – Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; e os seus mandamentos não são pesados.

    O que amar o nosso próximo? É respeitar as diferenças, é ajudar sem julgar, é olhar como Deus olha, é cuidar, é se doar, é compreender algo que aos nossos olhos é incompreensível, é servir, é dar sem pensar ou querer recompensas, é esperar, é confiar, é crer, é suportar o que for preciso… enfim, é amar como se ama e se teme ao Senhor de modo sincero.

    1 João 4: 8 – Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor.

    1 João 4: 12 – Ninguém jamais viu a Deus; se nos amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós, e o seu amor está aperfeiçoado em nós.

    Curtir

  • César Fernandes  On 9 de fevereiro de 2014 at 19:27

    Azenilto falou:

    “Para mim é muito relevante abordar todo esse contexto. Assim as TJ’s entenderão melhor por que acatam também o “dianenhumismo”. Russell mesmo diz ser devedor aos crentes anteriores por seus ensinos”.

    Isso é Desvio de Tema!!! Estamos esperando, e esperávamos que o primeiro pronunciamento seria — …. eu guaro o sábado por que
    Livro(S) tal… capítulo(S) tal…. versículo(S) tal… diz que os cristão “Hoje” devem guardar o sábado.

    Estamos esperando esse pronunciamento

    Curtir

  • TJ forever  On 9 de fevereiro de 2014 at 21:43

    Sobre mandamento, Jesus disse em João 13:34-35, ‘Eu vos dou um NOVO MANDAMENTO, que vos ameis uns aos outros assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. Por meio disso saberão que sois meus discípulos, si tiverdes amor entre vós’.

    Curtir

  • ethym  On 9 de fevereiro de 2014 at 21:48

    podemos citar que os cristãos não são mais obrigados a guardar o sábado semanal.

    Curtir

  • ethym  On 9 de fevereiro de 2014 at 21:51

    não somos obrigados a guardar o sábado.

    Curtir

  • I am Jw  On 9 de fevereiro de 2014 at 21:54

    Olá Creinha Reis, poderia explicar então o que quer dizer Colossenses 2:14, 16? Veja també Gálatas 4:9-11, onde o apóstolo Paulo, por inspiração divina, se refere à observância religiosa de certos dias como algo vão.
    Será que então é errado reservar um dia da semana para descanso e adoração? Nâo. A Palavra de Deus mostra que cabe a cada um tomar sua decisão, dizendo: “Há quem faça diferença entre um dia e outro, enquanto outro acha que todos os dias são iguais. Cada qual siga a sua convicção.” Romanos 14:5, Pastoral)

    Curtir

  • nicinho  On 9 de fevereiro de 2014 at 23:54

    E olhando por esse lado também podemos acrescentar o fato dos judeus ate hoje não aceitarem a doutrina da trindade onde eles adotaram posteriormente deveriam se apegar ao fundo historico deles tambem

    Curtir

  • Saga  On 9 de fevereiro de 2014 at 23:57

    Senhores leitores,

    Na verdade. Neste caso a chamada “ausência de evidência” é algo essencial, não se pode ficar especulando com base no que não está escrito! Dizendo que: “Se não está escrito que não estava é porque estava”

    Mas acho que entendi o ponto.

    Mas assim se irá longe ein? Todo tipo de heresia gosta de se basear” no que não está escrito” dava defender suas paradas. De ateus, católicos e até militantes gays.

    O católico pode dizer que não está escrito em lugar algum que Maria não foi concebida imaculada, não tá escrito em lugar algum que não subiu ao céu em corpo na ocasião de sua passagem e que não tá escrito em lugar nenhum que Jesus não nasceu em 25 de Dezembro.

    Inclusive vai ficar assim:

    “Não tá escrito em lugar nenhum da Bíblia que o DOMINGO não é o Dia do Senhor, a AUSÊNCIA DE EVIDÊNCIA de que o domingo é o dia do senhor que substituiu o sábado não é evidência de ausência!”

    Na verdade, o ônus da prova é de quem afirma, se for pra afirmar sem evidência melhor nem ter debate.

    Curtir

  • nicinho  On 10 de fevereiro de 2014 at 1:00

    Na realidade eu queria um defensor mais gostei da sua resposta de fato eles colocam o sabado acima dos outros mandamentos nas suas 28 doutrinas a 19 é a lei de Deus sendo a 20 o sabado mas o sabado não fazia parte da lei de Deus?
    Colocam o sabado acima de todos os outros varios mandamentos contrariando o proprio Jesus

    Curtir

  • Freitas  On 10 de fevereiro de 2014 at 8:11

    ” Na verdade, o Ônus da prova é de quem afirma, se for pra afirmar sem evidência melhor nem ter debate” (Lord Saga)

    Saga, suas palavras corroboram com as seguintes palavras do convidado:

    ” Se não é dito que Yah-Weh ordenou a Adão que guardasse o sábado TAMBÉM NÃO É DITO que não guardasse! Ademais, poderiam os anti-sabatistas provar-nos que adão ( encarregado de cuidar do jardim-Gen 2:15 ) ali atuava todos os sete dias direto, só parando à noite para descansar, sem dedicar dia nenhum ao criador ? “Argumentos do silêncio”, portanto, são neutros- não servem se prova nem contraprova de nada.”

    Prestei atenção que ele mesmo afirma que NÃO SERVE DE PROVA.
    No entanto, foram citados diversos “argumentos do silêncio” para “provar’ diversas passagens bíblicas para em seguida tentar “provar” que Adão e outros fiéis antes da lei guardavam o sábado. Isso foi uma tremenda contradição e coloca o outro debatente em desvantagem coloquial, entendeu?
    E para dar apoio secular a essa contradição foi citado as palavras de um autor que corrobora o mesmo raciocínio :
    “Os dez mandamentos.. FORAM ESCRITOS NAS MENTES E NAS CONSCIÊNCIAS DOS HOMENS DESDE O PRINCÍPIO”

    A seguir as últimas palavras: ” Logo, esta é A 1° DAS RAZÕES que temos a enumerar.. ” (para a guarda do sábado)

    Como assim ?

    Argumentos do silêncio não servem de prova, ou servem?

    Curtir

  • I am Jw  On 10 de fevereiro de 2014 at 9:54

    O que Ellen White disse ou escreveu, com todo respeito, não é algo a ser levado em consideração. Como todo respeito, mas Ellen White é por acaso inspirada por Deus? Que eu saiba, as únicas pessoas que foram inspiradas por Deus foram os escritores bíblicos, sendo que todos eles eram homens (sexo masculino). Se a Ellen pelo menos mostrasse uma base bíblica para que os cristãos guardem o sábado, tudo bem. Mas não é isso o que acontece. É o tipo de pessoa que fala muito mas nada diz.

    Curtir

  • I am Jw  On 10 de fevereiro de 2014 at 9:56

    Bom dia Sérgio. Poderia explicar em poucas palavras o que quer dizer com essas passagens? De que forma elas provam que o sábado deve ser guardado pelos cristãos?

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 10 de fevereiro de 2014 at 9:59

    Embora isso seja verdade,mas tenha saído do tema,as Testemunhas de Jeová nunca entenderam que a guarda do sábado semanal fosse um requisito cristão.Embora Russel tenha tido certo envolvimento com o ‘Adventismo” embora nunca tenha sido um adventista como como era “a voz da profecia” ele nunca defendeu a guarda do sábado “SEMANAL” e depois “mudou de opinião’.Se eu estiver errado podem me corrigir e mostrar as evidencias do contrario.

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 10 de fevereiro de 2014 at 10:28

    Prezada Creinha pegando carona no comentário do Tj forever não existe no novo testamento nenhuma evidência que o sábado seja o sinal que identifica o povo de Jeová.Me mostre uma declaração do tipo da que você citou de Ezequiel 20:12,13 nas escrituras gregas cristãs.Além do mais o texto citado por você como base fala de “Sábados ( plural) e não O SÁBADO(SINGULAR).
    Como sabemos os que defendem a guarda do sábado admitem que os chamados sábados cerimoniais não são obrigatórios,portanto o texto de Ezequiel não serve para provar a continuidade da gurda do sábado semanal.

    Curtir

  • Paulo  On 10 de fevereiro de 2014 at 10:33

    A guarda do sábado ou de outro dia da semana qualquer, a meu ver, fica a critério da consciência da pessoa que deseja dedicar seu tempo e seus recursos ao Criador. Mas, que não existe mais essa lei da guarda do sábado para judeus e cristãos gentios, isso eu tenho certeza absoluta! Por quê?

    Ora, da leitura de Atos 15:28, 29, sobre a questão da circuncisão, se cristãos gentios deviam ser circuncidados ou não, houve a decisão sob inspiração divina, de que os mesmos não estavam obrigados a guardar esse requisito da lei mosaica. A circuncisão, como sabemos, se tornou um sinal do pacto entre Deus e Abraão antes mesmo de se tornar um requisito da Lei. (Gênesis 17:23-27) Assim também, a guarda do sábado, conforme exposto pelo debatedor, foi um requisito imposto aos israelitas antes do promulgamento da Lei (Gen. 2:3) Da mesma forma o dízimo, era algo anterior a Lei mosaica. Esses e outros requisitos cerimoniais eram anterior a Lei. Não envolviam questões de natureza moral. Eram sinais entre Deus e seu antigo povo pactuado.

    Somos cristãos gentios, por assim dizer, e da mesma forma que não estamos obrigados a ser circuncidados, também não estamos sob obrigação de guardar o sábado semanal. Sob inspiração, os apóstolos exortaram aos cristãos gentios que deviam se abster das seguintes coisas: de fornicação, coisas sacrificadas a ídolos, de coisas estranguladas, e do sangue.

    É óbvio que certos princípios da Lei ainda são observados por nós como importantes, como o que nos diz que não devemos assassinar (diferente de simplesmente matar). São princípios morais, que permanecem sob o novo pacto. Estão todos englobados na Lei superior do novo pacto feito entre Cristo e seus seguidores ungidos.

    Assim, quem quiser se colocar debaixo dos requisitos cerimoniais da Lei mosaica, está obrigado a guardar todas as mais de 600 regras impostas aos israelitas e se falhar em um só ponto, será culpado de todos os outros. Fora que não terá nenhum vantagem nisso, a não ser o fato de ser reconhecido como judeu zeloso, pois o caminho da salvação não é mais por meio da Lei mosaica e sim através da Lei do Cristo.

    Curtir

  • I am Jw  On 10 de fevereiro de 2014 at 10:40

    Sem dúvida a guarda do sábado era um aspecto muito importante no período em que vigorou a Lei Mosaica. Mas sendo um assunto tão importante, relacionado com a adoração a Deus e fundamental para todos os servos de Deus desde Adão, não deveria Deus ter mencionado explicitamente a guarda do sábado no período anterior à Lei? Por exemplo, após o Dilúvio, conforme consta em Gênesis 9:3-6, Deus mencionou (1) diretrizes dietéticas, (2) proibição do comer sangue e (3) condenação à morte para os assassinos. Se a guarda do sábado também tivesse valendo para eles, não deveria Deus ter mencionado isso a eles?

    Interessante que no versículo 7 Deus repete a Noé e a família a ordem que foi dada a Adão, de encher a terra. Por que repetiu? Porque era algo importante pra Jeová, intrinsecamente relacionado com seu propósito para com a terra. Se a guarda do sábado fosse igualmente o mais importante, não deveria também ter sido mencionado? Se é que o sábado devia ser guardado naquela época, então, analisando este texto de Gênesis, temos a impressão de que a guarda do sábado, para Deus, não era tão importante quanto os os três pontos mencionados acima. Assim, podemos chegar perfeitamente à conclusão de que o sábado ainda não era guardado naquela época.

    Curtir

  • gaza  On 10 de fevereiro de 2014 at 10:41

    Se eu não guardar o sábado, vou para o inferno?

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 10 de fevereiro de 2014 at 10:49

    Sergio onde diz nos textos que o senhor citou que seria os “dez mandamentos ” que seria escrito nos corações dos admitido na nova aliança? O texto de Jeremias fala de “lei” e mesmo que dissesse “Meus mandamentos” os defensores da gurda semanal do sábado tem o hábito de restringir o termo “lei e mandamento” ao Decálogo,isso é uma falsa -EISEGESE,!Os dois termos assumiram um aspecto muito mais abrangente para os cristãos.Portanto quando se diz que os cristãos devem guardar “os mandamentos de Deus isso pode incluir aspectos do decálogo mais também a muitas outras coisas.

    Curtir

  • I am Jw  On 10 de fevereiro de 2014 at 10:52

    Que o sábado só foi imposto aos servos de Deus depois do Êxodo é evidente no testemunho de Deuteronômio 5:2, 3, e Êxodo 31:16, 17: “Não foi com os nossos antepassados que Jeová concluiu este pacto, mas conosco.” “Os filhos de Israel têm de guardar o sábado . . . nas suas gerações. . . . É um sinal entre mim e os filhos de Israel por tempo indefinido.” Se Israel já estivesse guardando o sábado, este não poderia ter servido de lembrete da sua libertação do Egito por Jeová, conforme mostra Deuteronômio 5:15. Saírem alguns israelitas para apanhar maná no sétimo dia, apesar da instrução direta ao contrário, indica que a observância do sábado era algo novo. (Êx 16:11-30) Que havia incerteza de como tratar o primeiro caso registrado de um violador do sábado, depois de se ter dado a Lei no Sinai, também mostra que o sábado só fora instituído pouco antes. (Núm 15:32-36)

    Curtir

  • I am Jw  On 10 de fevereiro de 2014 at 10:54

    Fonte: http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1200003778

    Curtir

  • I am Jw  On 10 de fevereiro de 2014 at 11:04

    Os adventistas afirmam que a guarda do sábado, bem como o restante dos Dez Mandamentos, “foram escritos nas mentes e nas consciências dos homens desde o princípio”. Sendo assim, porque então foi necessário que Deus mencionasse a Noé o assunto do assassinato, mas não o do sábado?

    Curtir

  • I am Jw  On 10 de fevereiro de 2014 at 11:11

    Também, o fato de Deus ter declarado o sétimo dia como sagrado em nenhum momento permite concluir que Ele tenha declarado isso aos seus servos no período anterior ao êxodo. É semelhante ao relato em Gênesis 6:3, onde Jeová baixa um decreto fixando 120 anos até o dilúvio. Quando ele disse isso não estava se dirigindo nem a Noé nem a qualquer outro humano.

    Curtir

  • I am Jw  On 10 de fevereiro de 2014 at 11:42

    Interessante é que o apóstolo Paulo, um profundo conhecedor da Lei, disse que “não teria conhecido a cobiça, se a Lei não dissesse: ‘Não deves cobiçar’”. Está muito claro aqui que ele faz alusão a um dos 10 Mandamentos. Cai por terra então o argumento de que “os Dez Mandamentos foram escritos nas mentes e nas consciências dos homens desde o princípio.” Claro que Deus dotou o homem de uma consciência; o homem foi feito ‘à imagem de Deus’. Porém, esta consciência precisa ser treinada por uma fonte confiável. Ainda mais, depois do pecado, a capacidade de o ser humano avaliar corretamente os assuntos ficou gravemente prejudicada.

    Curtir

  • Queruvim  On 10 de fevereiro de 2014 at 13:17

    Ezequiel diz que Jeová Deus deu “a conhecer” aos Israelitas os sábados. Ou seja , não eram conhecidos antes. Além disso Deus disse que a guarda destes sábados era “para se tornarem um sinal entre mim e eles” e não entre Deus e a humanidade. Por que Deus deixou fora a humanidade? Por que se os sábados fossem um requisito para todos Deus não indicou isso, mas antes o contrário? Se a guarda do sétimo dia fosse desde Adão Deus não teria dito que “deu a conhecer” os sábados aos isralitas. Já seria conhecido desde o começo do mundo. A doutrina adventista está na contramão de textos bíblicos simples. Isto está em plena harmonia com Deut 5:3 onde Deus disse se referindo ao decálogo: “Não foi com os nossos antepassados que Jeová concluiu este pacto, mas conosco”. Logo em seguida enumera-se o decálogo. Alguma dúvida de que não foi antes de Moisés que foi dada tal Lei que incluía o mandamento de guardar o sábado? Salmo 147:19,20 diz que tais leis e regulamentos que Deus deu “ele não fez assim com nenhuma outra nação”. Portanto, além de um adventista não encontrar textos que apoie sua afirmação de que o sábado antecede a Moisés, ele encontrará textos que afirmam que tais regulamentos vieram depois. Gênesis 2 quando fala do sétimo dia não se refere a um dia de 24 horas, visto que este dia ainda está em andamento. Deus “descançou” por que ele parou de criar animais e plantas etc. Este é o entendimento correto. Tanto é assim que a frase hebraica diz “e passou a repousar” e não como lemos na Bíblia usada pelos adventistas “e descançou”. Um detalhe pequeno que significa muito para os que procuram a verdade pura da palavra de Deus.

    Curtir

  • I am Jw  On 10 de fevereiro de 2014 at 13:18

    Certo homem estava pegando gravetos no dia de sábado. Ele foi morto por isso. Quem hoje viola o sábado recebe que punição?

    Curtir

  • Queruvim  On 10 de fevereiro de 2014 at 13:21

    O ano passado recebi em casa um pessoal adventista do sétimo dia que fizeram comida aqui em casa no dia de sabado e trabalharam lavando louça e tudo o mais. É sempre assim,muitos sequer segue tal lei mosaica. Como temer o que não existe? Na minha opinião, os que insistem neste legalismo antibíblico é que guardam o sábado e mesmo assim somente onde o sol não demora meses para se por. Há lugares na terra onde um dia dura muitas horas de sol, até semanas. Isto é um forte indicativo de que a Lei ref. ao sábado foi exclusiva para o antigo Israel sob a Lei Mosaica.

    Curtir

  • Marcelo  On 10 de fevereiro de 2014 at 14:11

    Gálatas 3:17 – A lei veio a exstir 430 anos depois da “promessa”…

    Curtir

  • I am Jw  On 10 de fevereiro de 2014 at 14:40

    Com certeza QUERUVIM! Rapaz, que site bom esse viu? Estou fazendo uso pessoal dele, pois tem muitas pesquisas prontas que posso utilizar no ministério. Eu gosto de fazer comentários porque me ajuda a exercitar o que já sei e também aprendo muitos argumentos novos e poderosos. Um grande abraço e que Jeová fortaleça a nossa fé a cada dia.

    Curtir

  • I am Jw  On 10 de fevereiro de 2014 at 14:57

    Li que o debatedor adventista disse: “E o casamento, instituído no Éden tal como o sábado, visava só aos judeus?” Infeliz comparação. Gênesis diz claramente que “Jeová passou a construir uma mulher e a trazê-la ao homem.” Neste caso, sem sombra de dúvidas houve a interação entre Deus e o homem. O casamento realmente foi instituído no Éden. Mas, quando Gênesis se refere ao sábado, diz apenas que ele tornou o sábado sagrado, não fazendo quaisquer referências a uma comunicação de Deus a Adão sobre o assunto.

    Curtir

  • I am Jw  On 10 de fevereiro de 2014 at 15:24

    O debatedor adventista disse também: “Poderiam os anti-sabatistas provar-nos que Adão (encarregado de cuidar do jardim, Gên. 2:15) ali atuava todos os sete dias direto, só parando à noite para descansar, sem dedicar dia nenhum ao Criador?”
    Ele deve ter claro o seguinte: que o trabalho de Adão no Jardim do Éden, de cultivar e tomar conta do jardim, não era um trabalho que ele fazia pra si próprio. Ele trabalhava no jardim em cumprimento a uma designação divina, pois se diz lá em Gênesis 2:15: “E Jeová Deus passou a tomar o homem e a estabelecê-lo no jardim do Éden, para que o cultivasse e tomasse conta dele.” Como poderia Adão descansar de um trabalho que ele estava fazendo para o próprio Jeová? Repetindo: no Éden, Adão não trabalhava para si mesmo; trabalhava para seu Criador. Se Adão guardasse o sábado, então era como se Deus dissesse a Adão: “Adão, pare um pouco de trabalhar pra mim e dê uma relaxada.”

    No entanto, sendo Adão um humano, muito embora perfeito, sentia cansaço físico, e Deus, obviamente, com plena consciência disso, não objetaria, caso Adão tirasse um tempo para descansar. Isso poderia ser feito em qualquer dia.

    Outra coisa que eu estava pensando: Imagine Adão, sozinho no jardim do Éden. Aí Jeová diz a Adão que ele não poderia fazer nada no sábado. Não podia dar nomes aos animais. Não podia plantar. Não tinha livros na época. O que será que Adão poderia fazer pra preencher essas 24 horas? Alguém aí tem uma sugestão?

    Curtir

  • Wagner  On 10 de fevereiro de 2014 at 16:32

    Prezado Apologista parabéns pela sua Excelente replica desse 1ponto. Vc foi muito direto, simples e objetivo onde até mesmo pessoas leigas como eu pode entender bem o ponto. Continue assim estou acompanhado com bastante interesse esse debate. Abraço a todos.

    Curtir

  • SERGIO  On 10 de fevereiro de 2014 at 18:46

    A mesma situação acontece também no santuário celestial. ANTIGA ALIANÇA, Deuteronômio 4:13, dez mandamentos escritos em tabuas de pedra, aparece também dentro do santuário celestial, SANTUÁRIO DA NOVA ALIANÇA, e ele é mencionado nas cenas do julgamento para condenar os que perderam a salvação.

    Vejam:

    APOCALIPSE 11:18-19:

    “E IRARAM-SE as nações, e veio a tua ira, e o tempo dos mortos, para que sejam JULGADOS, e o tempo de dares o galardão aos profetas, teus servos, e aos santos, e aos que temem o teu nome, a pequenos e a grandes, e o tempo de destruíres os que destroem a terra”.

    “E abriu-se no céu o templo de Deus (SANTUÁRIO DA NOVA ALIANÇA), e a arca da sua aliança (ANTIGA ALIANÇA – DEZ MANDAMENTOS ESCRITOS EM TABUAS DE PEDRA) foi vista no seu templo; e houve relâmpagos, e vozes, e trovões, e terremotos e grande saraiva”.

    Perceberam:

    A GRAÇA E A LEI JUNTAS, ANTIGA E NOVA ALIANÇA, LADO A LADO DE MÃOS DADAS ATÉ O FINAL DOS TEMPOS.

    Ambas estão em vigor hoje. Ambas estão disponíveis para a decisão de todo o ser humano.

    E mais:

    NAÇÕES ENFURECIDAS – JULGAMENTO – SANTUÁRIO DA NOVA ALIANÇA- ARCA DA ANTIGA ALIANÇA.

    E o que isto quer dizer?

    Nações e pessoas enfurecidas porque perderam a salvação. E por quê?
    Porque viveram na ANTIGA ALIANÇA. Passaram a vida toda sob a condenação da antiga aliança. Refutaram os dez mandamentos e consequentemente o quarto mandamento, que ordena a guarda do SÁBADO, assim não foram alcançados pela graça de Jesus. Não viveram na NOVA ALIANÇA.

    Curtir

  • SERGIO  On 10 de fevereiro de 2014 at 19:16

    2º CORÍNTIOS 3:2-3:

    “Vós sois a nossa carta, escrita em nossos corações, conhecida e lida por todos os homens.”

    “Porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo, ministrada por nós, e escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração.”

    Curtir

  • Saga  On 10 de fevereiro de 2014 at 20:10

    FREITAS,

    Mas eu entendi o ponto que ele quis chegar: é que a ausência de citações neotestamentárias ordenando aos Cristãos de guardar o Sábado, não é em si mesmo a prova de que não devemos guarda-lo.

    Porém, se inicia um impasse aí, pois esse fato da ausência de citações não pode ser revertido, utilizando tal ausência como se fosse uma evidência A FAVOR da guarda crista do Sábado. Não serve a nenhum dos lados, no máximo dos máximos se ficaria no 0a0!

    Note a pergunta tema do debate:

    “São os CRISTÃOS orientados POR DEUS a guardar o sétimo dia?”

    Se entende que o adventista começa por consentir de que NÃO EXISTE NAS ESCRITURAS CRISTÃS UMA ORIENTAÇÃO DIVINA DE QUE SE DEVA GUARDAR O SÉTIMO DIA. Ele admite que não existe esta ordem bíblica para tal aos cristãos. é por isso que ele começa seu discurso falando contra o “argumento do silêncio” e se preocupando em por na mente do público que a” ausência de evidência” para o sabatismo cristão não é evidência da inexistência do mesmo!

    Já deu uma brecha para o apologista dizer que : “Então concordamos que não existem versículos da Palavra de Deus que orientem os cristãos a guardarem o sétimo dia”

    Então sobraria ao adventista ficar argumentando em cima de versículos da Bíblia que orientem aos judeus de guardarem o sábado. (E além disso o adventista poderia ficar supondo a existência hipotética de que os pré-judeus também guardavam o sábado, pois seria um mandamento desde o Gênesis, guardado desde a criação de Adão no Éden, mesmo sem evidência bíblica para isso)

    Curtir

  • Saga  On 10 de fevereiro de 2014 at 20:15

    “I am Jw”,
    O casamento não era uma mandamento da Lei Judaica, pessoas de todas as nações se casam, e isso é demonstrado pela Bíblia.

    Que antes da existência dos judeus, as pessoas já guardavam o sábado carece de fundamentação bíblica.

    Então as duas coisas não tem relação de igualdade.

    Curtir

  • Saga  On 10 de fevereiro de 2014 at 20:16

    Os coirmãos sabatistas do Adventista podem falar nos comentários com os coirmãos do outro debatedor.

    Curtir

  • Saga  On 10 de fevereiro de 2014 at 20:24

    A questão das premisas,

    Disse o debatente TJ: “A primeira linha de argumentação do Sr. Azenilto em favor da guarda do sábado semanal para os cristãos consiste na seguinte ideia: partindo da premissa de que […] Vejamos a validade dessa afirmação”

    As premissas são algo muito importante, premissas erradas resultam em conclusões erradas. Então se precisam analisar as premissas adventistas em que se baseiam sua doutrina.

    Curtir

  • Bruno - Mordomo  On 10 de fevereiro de 2014 at 20:55

    João 5: 16,17
    Assim, por esta razão, os judeus perseguiam a Jesus, porque fazia estas coisas durante o sábado. Mas ele lhes respondeu: “Meu Pai tem estado trabalhando até agora e eu estou trabalhando.”

    Curtir

  • TJ forever  On 10 de fevereiro de 2014 at 21:26

    Vejamos o que o apostolo Paulo disse:
    “Portanto, nenhum homem vos julgue pelo comer ou pelo beber,
    ou com respeito a uma festividade ou à observância da lua nova ou dum SÁBADO. pois estas coisas são sombra das coisas vindouras,
    mas a realidade pertence ao Cristo.” — Colossenses 2:16, 17.

    Estamos debaixo de uma nova lei, a de Cristo.
    “Prossegui em levar os fardos uns dos outros e cumpri assim a lei do Cristo”(Gálatas 6:2)

    E ainda mais, ele diz:
    “Por meio de sua carne, ele aboliu a inimizade, a Lei de mandamentos,
    consistindo em decretos, para que dos dois povos, em união consigo mesmo,
    criasse um novo homem e fizesse paz”.
    (Efésios 2:15)

    ‘A existência da evidência..’
    “Mas agora fomos exonerados da Lei, porque morremos para com aquilo que nos segurava, para que fôssemos escravos num novo sentido, pelo espírito, e não no velho sentido, pelo código escrito.
    O que diremos, então? É a Lei pecado? Que nunca se torne tal! Realmente,
    eu não teria chegado a conhecer o pecado, se não fosse a Lei, e, por exemplo,
    eu não teria conhecido a cobiça, se a Lei não dissesse: Não deves cobiçar”.
    (Romanos 7:6,7)

    Curtir

  • JOCIVAL SILVA COSTA  On 10 de fevereiro de 2014 at 22:04

    ESSE DEBATE TEVE MUITO PROVEITO.MAS PARA LEMBRAR… TUDO ISSO EM QUESTÃO NÃO TERÁ VALOR , MAS SIM SE NOS APEGARMOS AO MAIOR DOS MANDAMENTOS…. O AMOR. CONTRA ESSE NÃO HÁ LEI.

    Curtir

  • JOCIVAL SILVA COSTA  On 10 de fevereiro de 2014 at 22:16

    REALMENTE TEM COISAS QUE PASSAM DESPERCEBIDO OBSERVEM BEM…
    SENDO O SÁBADO DADO POR DEUS A TODA RAÇA HUMANA, TODOS TERIAM QUE GUARDA-LA. MAS NEM QUERENDO ISSO SERIA POSSÍVEL ,POR QUE? FUSO HORÁRIO MUDA AS HORAS , AS HORAS (A MAIS OU A MENOS) MUDA O DIA , SERIA INIMAGINÁVEL ENTÃO SER SÁBADO EM TODO O GLOBO TERRESTRE.ISTO PROVA QUE O SÁBADO FOI DADO EXCLUSIVAMENTE A UMA RAÇA , POVO OU NAÇÃO , QUE TERIAM CONDIÇÕES DE GUARDA-LA SEM NENHUM OBSTÁCULO.

    Curtir

  • Bruno - Mordomo  On 10 de fevereiro de 2014 at 22:24

    Acho que o Azenilto Brito está filosofando muito sobre o que não está na Bíblia.

    Curtir

  • ethym  On 10 de fevereiro de 2014 at 22:26

    é interessante que quando vemos o lado da erudição bíblica, os adventistas ficam sem argumentos para provar que a guarda do quarto mandamento, era obrigatório.Ex: Efésios 2:15 “15 Por meio de sua carne, ele aboliu a inimizade, a Lei de mandamentos, consistindo em decretos, para que dos dois povos, em união consigo mesmo, criasse um novo homem e fizesse paz”.TNM. é digno de nota que a palavra MANDAMENTOS descrito no texto faz referência ao que chamamos de verbos no modo imperativos, pois indica ordenanças. e podemos perceber que os 10 mandamentos e exclusivamente o sábado está no modo imperativo…observe: êxodo 20:8-11.
    8 “Lembrando o dia de sábado para o manteres sagrado, 9 deves prestar serviço e tens de fazer toda a tua obra por seis dias. 10 Mas o sétimo dia é um sábado para Jeová, teu Deus. Não deves fazer nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem teu escravo, nem tua escrava, nem teu animal doméstico, nem teu residente forasteiro que está dentro dos teus portões. 11 Pois em seis dias fez Jeová os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há, e no sétimo dia passou a descansar. É por isso que Jeová abençoou o dia de sábado e passou a fazê-lo sagrado.” observamos o modo imperativo do verbo “deves prestar” e “não deves”, isso indica que o relato de Paulo aos Efésios quando ele cita a lei de “Mandamentos ou ordenanças” instantaneamente mostra que se refere aos 10 mandamentos foram ABOLIDOS.
    MEU ARGUMENTO FICA ASSIM:
    “LEI DE MANDAMENTOS” = MODO IMPERATIVO.
    MODO IMPERATIVO( os 10 mandamentos)= ABOLIDOS.

    até a proxima…bendito seja Jeová..!!

    Curtir

  • Nilson Rocha.  On 10 de fevereiro de 2014 at 22:28

    Sim concordo: O professor Azenilton deve debater com o Apolo Epifanio (apologista da verdade) e os demais como eu e saga e outros se concentrar nos comentários circundantes dos defensores da guarda do sábado.

    Curtir

  • Maílson  On 10 de fevereiro de 2014 at 22:57

    A parte que foi perguntada:

    “E como José no Egito sabia ser uma “grande maldade” e “pecar” contra Yah-weh ir para a cama com a mulher do patrão (Gên. 39:9)? Onde consta qualquer regra claramente expressa “não adulterarás” ao tempo dele?”

    Acredito que foi respondida com Gn 38:24.

    A bíblia relata que não era aceitável meretrizes naquela época; ela não se calou a respeito disso.

    Curtir

  • Nilson Rocha.  On 10 de fevereiro de 2014 at 23:16

    Eu acredito que a guarda semanal do sábado não seja obrigatório para os cristãos tendo em vista que em nenhum momento nem Jesus nem os escritores cristãos se quer mencionaram (relacionaram) diretamente o sábado a uma obrigação do cristã.
    No entanto sei perfeitamente que os adventistas e outros defensores da guarda semanal do sábado possuem seu arsenal de argumentos.
    Por exemplo:
    O livro tempo de esperança do bem respeitado Mark Finley nas paginas 70 á 76 o professor resolve “responder “ a alguns argumentos contra a guarda do sábado .
    Um dos textos que ele procura explicar é o de Romanos 14:5 que foi citado aqui,sobre esse texto ele afirma: “ algumas vezes ajuda observar com cuidado o que um texto da bíblia não diz assim como o que ele diz. os versos 5,6 não mencionam nada a cerca da adoração no sábado .eles simplesmente falam a cerca de um dia.dizer ,a partir disso ,que esse dia em particular é o sábado é uma pressuposição sem garantias .
    Romanos 14:1 estabelece o tom do texto inteiro ,indicando que a discussão se concentra em “assuntos controvertidos”ou disputas sobre assuntos duvidosos .seria o sábado ,separado por deus na criação colocado no centro da lei moral um assunto controvertido ?certamente não!
    a chave para compreendermos essa passagem se encontra em romanos 14:6 que diz: aquele que considera um dia como especial ,para o senhor assim o faz.aquele que come carne,come para o senhor pois dá graças a deus;e aquele que se abstém ,para o senhor se abstém e dá graças a deus.o assunto debatido eram os dias de jejum ,não os dias de sábado.alguns cristãos judeus acreditavam que havia um mérito especial jejuar durante determinados dias .então,eles julgavam os outros a partir de seu próprio padrão.
    os Fariseus jejuavam pelos menos duas vezes por semana e se vangloriavam disso( Lucas 18:12) em romanos 14 Paulo esta apontando para o fato de quer jejuar ou não num dia em particular é uma questão de consciência individual não um mandamento de Deus”.
    Cabe a nós agora analisarmos se a resposta do nobre professor Mark Finley sobre esse texto faz sentido ou não!

    Curtir

  • Marcelo  On 10 de fevereiro de 2014 at 23:18

    Sergio
    “tinta” entao nao indicaria tambem as leis do livro, fora da arca, a “lei cerimonial”?

    Curtir

  • oTESTEMUNHAdeJAH  On 10 de fevereiro de 2014 at 23:31

    Esse debate merece 100 linhas por postagem, pois é necessário argumentar sempre a postagem anterior e remetendo as anteriores. Queruvim talvez fosse necessário ajustar a quantidade de linhas por etapas por exemplo: 50 linhas para refutação de argumentos equivocados ou erroneos (Principalmente para citaçoes do debatedor anterior e mais 50 para argumentação adicional e conclusão.

    OBS Nao precisa postar esse comment, é apenas uma opinião pois o assunto é bem amplo e muito bom.

    Obrigado

    Curtir

  • oTESTEMUNHAdeJAH  On 11 de fevereiro de 2014 at 1:22

    AZENILTO PERGUNTA “Mas ele deve nos responder onde é dito que Adão trabalhava os sete dias direto no cuidado do jardim (Gên. 2:15), e que aquele primeiro sábado foi feriado para o Criador, não para a criatura.”

    AZENILTO RESPONDE “”Argumentos do silêncio”, portanto, são neutros–não servem de prova nem contraprova de nada”

    PRIMEIRO que essa é uma pergunta Criacionista e não somos criacionistas que acreditam que os dias criativos duraram 24hs cada um.
    SEGUNDO Que essa pergunta é especulativa pois ele nao consegue responder com um texto biblico sequer se Adão descansou no sabado…Seria o mesmo que perguntar se Adão e Eva possuiam umbigo visto que não nasceram unidos a um cordão umbilical.
    TERCEIRO Mesmo que Adão tivesse guardado o sábado não significa isso que os Cristãos também o devam guardar. Aqui o Apologista da verdade responde essa pergunta mas o Azenilto insiste nela!
    Parece até que ele não leu essa parte aqui “MESMO QUANDO ALGO TENHA REALMENTE SIDO DADO NA CRIAÇÃO E PERMEIE TODO O PERÍODO DO POVO DE DEUS ANTES DO CRISTIANISMO, ISSO NÃO SIGNIFICA QUE PERMANEÇA NO CRISTIANISMO.”- Apologista da Verdade.

    Não podemos comparar a vida perfeita que foi dada a Adão com a posterior condição que Adão fez com que vivessemos (Romanos 5:12) Pois porque teria Adão que guardar um dia de Sabado de 24 hs se ele mesmo vivia no Sabado de Deus que era o Paraiso na Terra? – Genesis 1:31; 2:3,

    É por isso que Paulo deixou claro:
    Portanto, resta ainda um repouso para o povo de Deus. Porque aquele que entrou no seu repouso, ele próprio repousou de suas obras, como Deus das suas..- Hebreus 4:9,10 – Al RC.

    Curtir

  • Jeosadá  On 11 de fevereiro de 2014 at 2:45

    Azenilto G. Brito

    A questão não é se há casos de pedofilia entre as Testemunhas de Jeová.
    E sim o que elas fazem pra tratar do caso.
    Existem casos?
    Sim.
    São pouquíssimos.
    Mas isso em si não condena as TJ’s.
    Os apostatas inflam e criam sensacionalismos com esses casos. Desvirtuam o que realmente aconteceu.
    É como pegar o texto de 1 Coríntios 5:1,2 e usa-lo pra dizer que o Cristianismo é uma religião Imunda onde é comum o incesto.

    (1 Coríntios 5:1,2: “Realmente, RELATA-SE ENTRE VÓS FORNICAÇÃO, e fornicação tal COMO NEM HÁ ENTRE AS NAÇÕES, que certo [homem] tenha por esposa [a] de [seu] pai. E estais vós enfunados, E NEM AO MENOS PRANTEASTES…”)

    Argumento sem nexo e absurdo.

    Quantos Israelitas foram mortos por causa de coisas iníquas que praticaram?
    Isso por si só condena o Judaísmo?
    É claro que não!

    Esses malucos que protestaram em frente de Brooklin eram apostatas que tentam justificar sua apostasia com sensacionalismo e mentira.

    Senhor Azenilto G. Brito, por favor, dá uma olhada no link abaixo que você vai ter suas vistas ‘clareadas’ contra mentiras apostatas…

    http://thirdwitness.com/childabuse/default.html

    Você notará que as Testemunhas de Jeová possuem a melhor politica para lidar com molestadores de crianças.

    É isso que faz a diferença, e não ficar dizendo se houve ou não casos de abusos. Eu só ouvi falar de um caso, e pra você ter uma ideia, ele tinha cometido abusos muito antes de se tornar TJ. Ele era ancião. Sabe o que aconteceu? Perdeu os privilégios e nunca mais ele poderá ser ancião, servo ministerial ou pioneiro, não importa pra que congregação do mundo ele vá.

    ———————————————————
    VEJA O QUE DIZ:
    A Sentinela de 1º de Janeiro de 1997 Pág. 29

    Que dizer do molestador de criança?

    O que se dá quando um cristão adulto, batizado, molesta uma criança? É este pecador tão iníquo que Jeová nunca lhe perdoará? Não necessariamente. Jesus disse que “blasfemar contra o espírito santo” é imperdoável. E Paulo disse que não há mais nenhum sacrifício pelos pecados para aquele que pratica o pecado deliberadamente, apesar de conhecer a verdade. (Lucas 12:10; Hebreus 10:26, 27) Mas a Bíblia em parte alguma diz que o cristão adulto que abusa sexualmente duma criança — quer incestuosamente quer de outra forma — não possa ser perdoado. De fato, seus pecados podem ser apagados se ele se arrepender sinceramente, de coração, e mudar de comportamento. No entanto, ele talvez ainda tenha de lutar com os impulsos carnais, errados, que havia cultivado. (Efésios 1:7) E pode haver conseqüências que não possa evitar.
    Dependendo das leis do país em que ele vive, é bem possível que o molestador sofra pena de prisão ou outras sanções impostas pelo Estado.

    -> A congregação não o protegerá disso. (Grifo Meu)

    Também, esse homem demonstrou ter uma fraqueza séria, que doravante precisa ser levada em conta. Se ele parecer arrependido, será incentivado a fazer progresso espiritual, a participar no serviço de campo, e mesmo a ter parte na Escola do Ministério Teocrático e receber na Reunião de Serviço partes que não forem de ensino.
    No entanto, isto não significa que esteja habilitado para servir num cargo de responsabilidade na congregação. Quais são os motivos bíblicos disso?
    Em primeiro lugar, o ancião precisa estar “dominando a si mesmo”. (Tito 1:8) É verdade que nenhum de nós tem perfeito autodomínio. (Romanos 7:21-25) Mas o cristão adulto, dedicado, que comete o pecado de abusar sexualmente de uma criança, revela ter uma fraqueza carnal, desnatural. A experiência tem mostrado que tal adulto pode molestar outras crianças. É verdade que nem todo molestador de criança repete esse pecado, no entanto, muitos o fazem. E a congregação não pode ver o que há no coração, para saber quem é e quem não é capaz de novamente molestar crianças. (Jeremias 17:9) Portanto, o conselho que Paulo deu a Timóteo se aplica com força especial no caso de adultos batizados que molestaram crianças: “Nunca ponhas as mãos apressadamente sobre nenhum homem; tampouco sejas partícipe dos pecados de outros.” (1 Timóteo 5:22)

    -> Para a proteção de nossos filhos, o homem de quem se sabe que foi molestador de criança não está habilitado para um cargo de responsabilidade na congregação. Além disso, ele nem pode ser pioneiro ou ter outro serviço especial de tempo integral. — Note o princípio disso em Êxodo 21:28, 29. (Grifo Meu)

    Alguém talvez pergunte: ‘Não tem havido alguns que cometeram outros tipos de pecado e aparentemente se arrependeram, mas que depois repetiram seu pecado?’ Sim, isso tem acontecido, mas há outros fatores a considerar. Por exemplo, quando alguém faz propostas imorais a outro adulto, este deve poder resistir às propostas dele ou dela. Crianças são muito mais fáceis de enganar, de deixar confusas ou aterrorizadas. A Bíblia diz que a criança tem falta de sabedoria. (Provérbios 22:15; 1 Coríntios 13:11) Jesus usou crianças como exemplo de humilde inocência. (Mateus 18:4; Lucas 18:16, 17) A inocência da criança inclui a ausência completa de experiência. A maioria das crianças são expansivas, gostam de agradar, e assim são vulneráveis a abusos por parte dum adulto ardiloso a quem conhecem e em quem confiam. Portanto, a congregação tem perante Jeová a responsabilidade de proteger as crianças.
    Filhos bem treinados aprendem a obedecer e a honrar os pais, os anciãos e outros adultos. (Efésios 6:1, 2; 1 Timóteo 5:1, 2; Hebreus 13:7) Seria uma perversão chocante se uma dessas figuras de autoridade abusasse dessa confiança inocente da criança para seduzi-la ou para obrigá-la a se sujeitar aos atos sexuais dele ou dela. Aqueles que já foram molestados assim muitas vezes lutam por anos para vencer o resultante trauma emocional. Por isso, o molestador de criança está sujeito a uma severa disciplina congregacional e restrições. O que deve importar não é a sua posição como figura de autoridade, mas, antes, a pureza imaculada da congregação. — 1 Coríntios 5:6; 2 Pedro 3:14.
    Se um molestador de criança se arrepender sinceramente, ele reconhecerá a sabedoria da aplicação dos princípios bíblicos. Se ele realmente aprender a abominar o que é iníquo, desprezará o que fez e se esforçará a evitar a repetição do seu pecado. (Provérbios 8:13; Romanos 12:9) Além disso, com certeza agradecerá a Jeová a grandeza do Seu amor, em resultado do qual um pecador arrependido, tal como ele é, ainda pode adorar nosso santo Deus e esperar estar entre “os retos” que residirão para sempre na Terra. — Provérbios 2:21

    Me diz uma coisa, se um Adventista cometer pedofilia, o que acontece com ele?

    Sua religião segue alguma politica parecida com a das TJ?

    1. A religião deve estar unida a fim de ter uma política que é aplicada a todas as congregações individuais.
    2. A religião deve remover molestadores de criança de suas fileiras para proteger as crianças.
    3. A religião deve ter um banco de dados com os nomes de ex-molestadores, molestadores condenados, molestadores desassociados, molestadores reprovado, e assim por diante, a fim de certificar-se de que os ex-molestadores não tomem novamente posições de responsabilidade, para evitar que ganhem a confiança de crianças e as abusem novamente.
    4 . E, finalmente, ela deve acompanhar o molestador sempre que ele se mude para outra congregação de modo que as restrições aplicadas aos ex-molestadores possa ser imposta.

    Uma vez que nenhuma outra religião atende a todos os quatro pontos acima, seria impossível que eles tenham uma melhor política de abuso de crianças do que as Testemunhas de Jeová.

    Por isso não é a quantidade de casos que vai condenar uma religião, e sim a maneira como eles são tratados!

    Seja honesto em dizer: “Olha houve casos de pedofilia no meio das TJ’s, mas a maneira como esses casos são tratados no meio deles é algo muito correto. São expulsos e em alguns casos são denunciados. Nunca mais podem servir na dianteira, mesmo que se arrependa e seja perdoado e cumprido suas obrigações com a justiça. Realmente, não há espaço para esse tipo de pecado no meio deles.”

    Curtir

  • GIBE TJ  On 11 de fevereiro de 2014 at 9:23

    Sr. Azenilto, posso confirmar algumas coisas ditas pelo Queruvim. Sou um prestador de Serviços e já prestei vários para o Colégio Adventista. Me contrataram para um serviço na noitinha de um sábado no final do ano passado. Acontece que costumo chegar com uma certa antecedência ao local. Portanto quando cheguei ainda estava sol, e me deparei com várias pessoas na escola trabalhando (faxineiras, equipe montando com, pessoal arrumando as mesa de frutas, e assim por diante). Fiquei sem entender, já que evito falar de trabalho com eles neste período, por respeitar (apesar de não concordar) com a guarda do sábado. No meu entender, violaram o mandamento pois estavam trabalhando antes do por do sol do dia de sábado. Levando em conta que as pessoas que trabalham nos colégios adventistas são todos adventistas então foi uma violação generalizada daqueles que lá estavam. Agora, não me entenda mal, não estou aqui criticando nem caráter, nem simpatia, nem educação do pessoal de lá, pois para comigo são ótimas pessoas. Gosto de prestar serviço para eles. Porém não posso deixar de mostrar que é uma incoerência defenderem o descanso sabático e, ao mesmo tempo o violarem.

    Curtir

  • TJ forever  On 11 de fevereiro de 2014 at 9:49

    “Eu acredito que a guarda semanal do sábado não seja obrigatório para os cristãos tendo em vista que em nenhum momento nem Jesus nem os escritores cristãos se quer mencionaram (relacionaram) diretamente o sábado a uma obrigação do cristã”.

    Concordo, as passagens que citei acima, mostram claramente isso..

    Curtir

  • I am Jw  On 11 de fevereiro de 2014 at 10:01

    Compreendi irmão Saga. Acho que não me expressei bem. O que eu quis dizer é que quando Jeová declarou o sábado sagrado o relato em Gênesis não diz que ele estava se dirigindo ao homem; ele apenas fez uma declaração; isso é semelhante ao que ocorre em Gênesis 6:3, onde Jeová, sem estar se dirigindo a qualquer humano, declara que em 120 traria o fim daquela sociedade iníqua pre-diluviana.

    Curtir

  • I am Jw  On 11 de fevereiro de 2014 at 10:05

    [] Mas algum adventista poderia dizer qual a punição para quem viola o sábado? Que eu saiba, toda a lei é acompanhada de sanções para quem a viola. Quais as sanções para o adventista que viola o sábado?

    Curtir

  • I am Jw  On 11 de fevereiro de 2014 at 10:15

    Azenilto disse: “Se uma mãe em Israel morresse de parto, o filho ficaria isento de dever obedecer tal preceito por daí em diante só ter pai?”

    Resposta: ficaria isento de obedecer à parte do preceito de honrar a mãe, mas obedeceria a parte do preceito que ordena honrar o pai.

    Curtir

  • Paulo  On 11 de fevereiro de 2014 at 10:26

    “Notem que o argumento de que Adão não tinha mãe, assim o 5o. Mandamento não podia aplicar-se a ele, não faz o mínimo sentido. Se uma mãe em Israel morresse de parto, o filho ficaria isento de dever obedecer tal preceito por daí em diante só ter pai? E por que Adão não podia ter sexo com as organtotangas do Éden? O que o impediria disso? Onde havia lei contra prática da bestialidade, no que também se constituiria em adultério? E por que ele não poderia esganar Eva? Mais forte fisicamente do que ela certamente ele era. E podia até falar mal de Eva para o próprio Yah-weh, com quem sempre se comunicava. . .”

    Adão não tinha porquê guardar um sábado semanal. Foi criado do pó da terra, portanto, simbolicamente, a terra era sua mãe. Honrar a terra por cuidar dos animais e plantas já o fazia obediente ao Criador.

    Por que não ter sexo com as orangotangas? A Bíblia já responde: “O homem deu assim nomes a todos os animais domésticos e às criaturas voadoras dos céus, e a todo animal selvático do campo, mas para o homem não se achava nenhuma ajudadora como complemento dele.” (Gên. 2:20) A perfeição moral de Adão não lhe permitia encarar o sexo apenas como algo mecânico, mas algo de cunho emocional, de modo que não encontrava alguém que fosse complemento dele.

    Não havia transgressão, portanto, não precisava haver lei. A única coisa que Jeová pediu foi que não tocasse no fruto proibido.

    Seu descanso podia ser em qualquer hora do dia, era uma criatura com plena liberdade. Foi criado semelhante a Deus, à sua imagem e semelhança. (Gên. 1:26) Um ser humano perfeito, sem inclinações pecaminosas, não precisava de uma lei escrita sobre o que era certo ou errado fazer. Mas Eva, não, Eva foi criada a partir da costela do homem. Eva foi enganada pela serpente, e veio a estar em transgressão. (1 Timóteo 2:14) Adão talvez tenha se juntado a ela na rebelião com medo de viver sozinho pra sempre (essa é uma opinião particular minha).

    Mas enfim, não há evidência de que eles guardassem um sábado semanal no Éden, e particularmente, achei o argumento do professor um tanto desarrazoado.

    Curtir

  • César Fernandes  On 11 de fevereiro de 2014 at 11:33

    Respondendo a Azenilto:

    Azenilto afimou:

    “Então como Yah-weh poderia condenar Caim por assassinato, sem antes ter-lhe definido ser um “pecado” tal ato? Ora, Paulo diz que “onde não há lei, não há transgressão” (Rom. 14:15), sendo “pecado” definido biblicamente como transgressão da lei, certamente a lei de Yah-weh (1 João 3:4). Estaria João definindo isso só do Novo Concerto em diante? Ou essa definição se aplica a TODOS OS TEMPOS E LUGARES?”

    Antes de cometer o pecado, Jeová que lê as intensões do corações, Lembrou a Caim do que Ele estava prestes a fazer. Nas palavras de Jeová “se não te voltares para fazer o bem, há o pecado agachado à entrada e tem desejo ardente de ti; e conseguirás tu dominá-lo?” “, Jeová poderia assim corretamente condenar Caim pelo pecado. Veja o texto: Gênesis 4:6, 7 6 Então Jeová disse a Caim: “Por que se acendeu a tua ira e por que descaiu o teu semblante? 7 Se te voltares para fazer o bem, não haverá enaltecimento? Mas, se não te voltares para fazer o bem, há o pecado agachado à entrada e tem desejo ardente de ti; e conseguirás tu dominá-lo?”

    Azenilto afimou:

    “Não há uma lista dos pecados pelos quais Sodoma e Gomorra foram destruídas, e seriam realmente muitos, ao ponto de causar tão tremenda reação do Legislador Universal. Por exemplo, onde consta haver leis contra o homossexualismo então ou outras imoralidades que certamente ali se praticavam? Como poderia haver condenação a pecados não definidos como tais? Isso seria uma tremenda ARBITRARIEDADE, impensável para Aquele que é acima de tudo a expressão absoluta da Justiça e do Direito.”

    Não precisa ter uma lista de pecados, um em grande escala e com corações irrecuperáveis poderá ser suficiente para Jeová destruir. Veja, em Gênesis 13:13 declara que os “ E os homens de Sodoma eram maus e eram grandes pecadores contra Jeová.
    Essa condição de “maus” só acontece quando seu proceder, atitudes, ações, manifestações …. implicam em atingir o próximo e ou a Jeová. Foi isso que aconteceu com Caim. Além de arbitrariamente tirar a vida de alguém, estava contra Jeová. O proceder que Caim estava desenvolvendo foi avisado sim antes de consumar e esse fato também abre precedente para Jeová Jugar os Homens maus de Sodoma. Esses homens maus poderia ter aprendido desse relato assim como ao que faziam “ clamor de queixa” a respeito da iniqüidade das antigas Sodoma e Gomorra que chegou aos ouvidos de Jeová, ele enviou seus mensageiros para “ver se de fato [elas agiam] segundo o clamor sobre isso” e solucionar o caso. (Gênesis 18:20, 21) Para o alívio dos que se haviam queixado a ele, Jeová subseqüentemente retificou a situação por destruir as duas cidades e seus habitantes.
    Citar Gn 2:2-3 como referência é outra mancada!
    Em gênesis 2:2-3 O Sétimo dia se refere não a um dia de 24h mais como um período muito superior a 24h pois é dito que Deus passou a abençoar o sétimo dia e a fazê-lo sagrado, porque nele tem repousado de toda a sua obra que Deus criara com o objetivo de [a] fazer.
    A sequencia de 1º dia, 2º dia … 7º dia são períodos criativos (não de 24h) como sublinhado acima repousado de toda a sua obra, Depois de contemplar suas obras criativas, Jeová Deus anunciou o início de um sétimo dia — não de 24 horas, mas um longo período durante o qual ele ‘tem repousado’, ou cessado, de criar coisas na Terra. (Gên. 2:2)
    Sendo assim, o período de repouso se refere ao ato de criar. Em nada afirma que Adão tinha que repousar por causa da Criação de Deus, nem repousar por causa de alguma criação do próprio Adão.
    Azenilto afimou:

    “Mas ele deve nos responder onde é dito que Adão trabalhava os sete dias direto no cuidado do jardim (Gên. 2:15), e que aquele primeiro sábado foi feriado para o Criador, não para a criatura.”

    Puramente irrelevante! O ponto é: Onde é dito que Adão guardava o sábado, e ainda mais, onde é dito que Adão guardava o Sábado que os Cristão também deve guardar?
    Azenilto afimou:

    “E passou de longe da afirmação clara de que Yah-weh SANTIFICOU o 7o. dia, o que significa “separar” para uso dedicado à divindade. E nada disse sobre a confirmação de Cristo de que o sábado foi feito “por causa do homem”, não por causa do judeu.”

    Ponha o texto por completo. Em Marcos 2:26-27 diz: Como entrou na casa de Deus, no relato sobre Abiatar, o principal sacerdote, e comeu os pães da apresentação, os quais não é lícito comer, a não ser aos sacerdotes, e deu também deles aos homens que estavam com ele?” 27 Prosseguiu assim a dizer-lhes: “O sábado veio à existência por causa do homem, e não o homem por causa do sábado; 28 . . .
    Este relato estava falando de Judeus. A expressão: “O sábado veio à existência por causa do homem, e não o homem por causa do sábado;” nos mostra a ordem da existência que quem veio por causa de quem. Se Jesus estivesse falando de todos os homens, Ele diria o sábado veio à existência por causa da humanidade e não do homem. Não era importante, naquele momento especificar a quem especificamente se referia, mas mostra que um dependeu do outro.

    Curtir

  • Clébio  On 11 de fevereiro de 2014 at 11:37

    Caros amigos, vejo aqui uma clara referência à inobservância ao sábado por parte de alguns debatores neste fórum. Vejo alguns questionando a inobservância do descanso sabático por Adão e Eva por não estar de forma clara, conforme acredita alguns. Mas diante disso, lanço para reflexão nossa alguns posicionamentos: Será que Deus que nunca se cansa estaria criando o sábado alí no momento da criação somente para ele? Qual o prazer nisto? Qual a razão? Ora, o dia de descanso (sábado), não foi só instituido somente para Adão e Eva, mas como vímos, o próprio Deus guardando, sendo o primeiro guardador do sábado. Ademais, o própria Jesus, cf. Marcos 2:27, foi bem claro, o sábado foi feito por causa do homem. Quando foi criado o homem? No jardim do Éden é claro! Antes do Senhor dar os 10 Mandamentos a Moisés no monte Sinai, já havia a ordenança sabática, tanto é que era recolhido o maná em porção dobrada na sexta-feira, afim de que não fôsse transgredido o sábado (Deut. 16:4,5). Assim sendo, sugiro aos irmãos a experimentar o repouso sabático, conforme preceituado pelo Senhor e com certeza, poderá desfrutar das ricas bênçãos em fazer a vontade do Deus que nunca muda!!!!

    Curtir

  • Freitas  On 11 de fevereiro de 2014 at 11:42

    Quando li a resposta do convidado à réplica do apologista da verdade, senti-me frustrado como se fosse um debate com um evangélico, será que isso é um mal genérico? Deixou para replicar depois inúmeros textos que dão “evidências” claras do equívoco adventista sobre o sábado no tempo dos patriarcas e perdeu um longo tempo onde enxergou uma “brecha” para escapolir.
    Inúmeros textos ignorados em troca de se perder tempo com mais uma série de “argumentos do silêncio” é lamentável.
    Digo isso porque não quero acreditar que o mesmo nada entendeu sobre o que o apologista quis dizer.

    Porque o apologista se referiu a Adão? porque alguém usou o argumento do silêncio de que a falta de evidências de que o sábado era guardado por Adão não prova que ele não guardava. Fica o dito pelo não dito e pronto. O importante é que o apologista não usou isso como argumento principal. Ele disse claramente que, ao passo que não existem evidências bíblicas diretas àquela época se Adão guardava ou não o sábado, “Há evidências” de que isso só aconteceu depois da saída de Israel do Egito. Isso não ficou claro para todos?

    De forma que todos esperavam que tais evidência que foram apresentadas fossem combatidas, e não que se perdessem tempo e linhas desnecessárias cuidando de um assunto que não tem evidências. É como se um policial para elucidar um crime se concentrasse em pessoas cujas evidências inexistem para tentar por esse caminho desnecessário e ingênuo chegasse ao X da questão. O que eu duvido muito que acontecerá.. para mim será mais um ‘crime’ engavetado no esquecimento, enquanto o nobre apologista continuará dando de mão beijada mais evidências e receberá em troca um “boa noite cinderela”.

    Sem acusar, espero que isso não seja uma tática para desviar a mente das pessoas da realidade. Gostaria apenas de dizer que aqui frequentemente é visitado por pessoas bem inteligentes que não se perdem nos raciocínios desprovido de respeito à capacidade intelectual.

    Curtir

  • I am Jw  On 11 de fevereiro de 2014 at 12:05

    Será que os elevados princípios éticos mencionados pelo Azenilto, que foram por assim dizer implantados no coração humano, incluíam a obrigatoriedade da guarda do sábado semanal?

    Resposta: Não.

    Porque respondo assim? Simples: Marcos 2:27 diz que “o sábado veio à existência por causa do homem.” Então, o sábado foi criado depois da criação do homem, conforme corrobora Gênesis 2:1-3, onde mostra claramente que Deus passou a descansar após ter cessado a criação. Como então Deus colocaria na consciência de Adão algo que ainda não existia?

    Em contraste, outros padrões morais que são refletidos no restante dos 10 Mandamentos reflete o ponto de vista de Deus sobre os assuntos, e Deus dotou Adão desses princípios morais no momento da criação. Mas não se pode dizer o mesmo do sábado, que “veio à existência” depois da criação de Adão, o que está bem claro tanto nas palavras de Jesus, acima citadas, como também no relato de Gênesis.

    O que resta agora aos adventistas é provar que o decreto de Deus, tornando o sábado sagrado, foi comunicado de alguma aos homens durante o período anterior à Lei. Algum adventista pode explicar, por favor?

    Curtir

  • Queruvim  On 11 de fevereiro de 2014 at 12:06

    Para muitos dos moderadores o debate já está perto do fim. O Sr Azenilton NADA APRESENTOU mostrando a IMPORTÂNCIA para o cristão de guardar o sétimo dia por meio de TEXTOS DAS ESCRITURAS SAGRADAS ESPECIFICAMENTE NO “NOVO TESTAMENTO”. De fato, a Bíblia apresenta O CONTRÁRIO. Nossos colegas adventistas não conseguem ver o óbvio.(2 Cor. 4:4) A argumentação do defensor do sétimo dia acima, é tão precária que ele mesmo começou sua defesa tentando refutar o “argumento do silêncio” visto que sabe, que qualquer pessoa percebe e argumenta logo de cara, que NÃO EXISTE tal ordenança na nova aliança. Então sabendo que ouviria isso, ele passou apressadamente e na defensiva a defender a tese de que “falta de evidência não é prova de ausência”. Isto nem sempre é assim. Pelo contrário! Um juíz que pensasse dessa forma condenaria todo tempo inocentes. A linha principal numa investigação e exame são as evidências.(Exatamento o que Paulo defende com a palavra élegkhos em Heb. 11:1 onde lemos que a fé vem também por meio das “evidências” ou élegkhos) Alguém que luta contra isso e procura impedir a consideração das evidências num tribunal estaria realment procurando a verdade? Não preciso nem falar! Na minha opinião, o Azenilton e seu jargão teológico defende predileção religiosa, como se fosse a verdade e não a palavra de Deus. Ele usa de argumento VERBOSIUM ou verbosidade, dá voltas na tentativa inútil de defender aquilo que a Bíblia não defende. Gálatas 3:21 é um motivo de preocupação para os adventistas sinceros. Já imaginou o Azenilton entrando numa máquina do tempo e voltando a 2000 anos atras, sentado do lado do apóstolo Paulo e dizendo: ” …Se tivesse, querido irmão Paulo, sido dada uma lei que fosse capaz de dar a vida!” JAMAIS DIRIA ISSO! São Palavras de Paulo, e não dele! As dele são um debate CONTRA O APÓSTOLO INSPIRADO! Que disse que “se tivesse sido dada uma lei que fosse capaz de dar a vida a justiça teria sido por intermédio desta lei”. O Azenilton defende que o decálogo foi uma Lei desde os primórdios e que esta é capaz de dar a vida. EXATAMENTE O OPOSTO DO QUE PAULO DISSE! É evidente ao pesquisador sincero da Bíblia, e que não esteja de ventre preso com esta Igreja legalística que os sábados terminaram por meio da morte de Cristo. Todo adventista do sétimo dia ou qualquer outra pessoa que faça uma apologia (ou defesa) a favor de aspectos da Lei que antecede ao Cristo, decaiu da graça e invalidou o sacrifício de Cristo. Neste sentido, o Azenilton e outros que pensam igual a ele, estão levando as pessoas a serem engodadas a crerem que isto é o que Deus pede, quando ele não pede NADA DISSO em lugar algum na nova aliança.

    O que me entristece, é que a Igreja adventista, costuma ser mais racional do que os barulhentos de outras denominações chamadas falsamente de “cristãs” quando são na verdade, moradias de demônios dominadas por gente de mentalidade pervertida, gananciosa e embusteira. A Igreja adventista, especificamente a do sétimo dia, (não me refiro as outras dezenas de seitas adventistas na babel adventista) tem uma postura mais comportada e que estuda um pouco mais. Contudo, engolem a tolice de invalidarem o sacrifício de Cristo em detrimento dos conselhos claros de Paulo aos legalistas, na suposição de estarem agradando a Deus cumprindo o mandamento. O Clero adventista, pastores e líderes espirituais estão levando milhares de pessoas a acreditarem em algo que parece dar uma aparência de santimônia, quando na verdade os arregimentam para pregarem a Cristo novamente numa estaca e simbolizarem cada fim de semana seu repúdio a liberdade que Cristo nos trouxe da Lei Mosaica.

    Curtir

  • I am Jw  On 11 de fevereiro de 2014 at 12:13

    Azenilton disse:

    “E nada disse sobre a confirmação de Cristo de que o sábado foi feito “por causa do homem”, não por causa do judeu.”

    Por acaso judeu não é homem não? Parece que Azenilto não levou também em conta que pessoas de outras nações poderiam se tornar adoradores de Deus e seguir a posterior lei do sábado. Por isso que Jesus usou a palavra “homem”, e não a palavra “judeu”.

    Curtir

  • Queruvim  On 11 de fevereiro de 2014 at 12:13

    A sétimo dia não foi um dia de 24 hs e ainda está em andamento. Isso é básico e desmantela sua tese propensa a defender uma lei que não existe em Gên 2:2. O texto diz literalmente “Deus passou a descançar” e não simplesmente “descançou” como vertem de modo inexato as versões da Bíblia usada pelos adventistas. Hebreus 4:7 enfatiza que ainda é “HOJE” ou seja, o sétimo dia ainda está em andamento. Tanto é assim que não se diz “e eis que era muito bom” o que Deus havia feito, com referência ao sétimo dia, visto que este ainda está em andamento. Sua pressuposição de que eram dias de 24 hs é cientificamente implausível.

    Curtir

  • I am Jw  On 11 de fevereiro de 2014 at 12:17

    O que acho interessante é que a guarda do sábado era muito bem regulamentada no período judaico. Deus criou a lei e também criou diretrizes claras do que era e do que não era apropriado fazer no sábado. Não se pode dizer o mesmo dos adventistas. Claramente, a guarda do sábado era levada mais a sério pelos judeus no passado do que pelos adventistas. E olha que mesmo assim os judeus foram duramente castigados por Deus quando deixaram de guardar corretamente o sábado.

    Curtir

  • I am Jw  On 11 de fevereiro de 2014 at 12:26

    Falou tudo, meu irmão. Já deu pra perceber que o Azenilto é mais um daqueles que fala muito e nada diz. É muita conversa e pouco texto bíblico. Vai ser difícil para ele abrir mão desta crença, mesmo com tantas provas em contrário; o nome da igreja dele está em jogo.

    Curtir

  • SERGIO  On 11 de fevereiro de 2014 at 12:31

    Paulo esta citando as “tabuas” e não “livro”. O livro das leis cerimoniais foi um requisito da nova aliança na fase terrestre:

    PRIMEIRA ALIANÇA: Santuário terrestre e sangue de animais.
    HEBREUS 9:1 e 9:7.

    GÁLATAS 3:10:
    “Todos aqueles, pois, que são das obras da lei (CIRCUNCISÃO – APÓS A CRUZ) estão debaixo da maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as cousas escritas no livro da lei (LEI CERIMONIAL), para praticá-las (SOMENTE ATÉ A CRUZ) .”

    Curtir

  • Marcelo  On 11 de fevereiro de 2014 at 12:49

    Em harmonia com seu argumento, César, veja um exemplo de um pacto que Jeová fez com TODA a humanidade. O texto deixa bem claro que se se estende a todos, inclusive os animais.

    Gen 9:12-17:

    E Deus acrescentou: “Este é o sinal+ do pacto que dou entre mim e vós, e toda alma vivente que está convosco, para as gerações por tempo indefinido . 13 Dou deveras* o meu arco-íris+ na nuvem, e ele terá de servir de sinal do pacto entre mim e a terra . 14 E acontecerá que, quando eu trouxer uma nuvem sobre a terra, então é que aparecerá o arco-íris na nuvem. 15 E hei de lembrar-me do meu pacto+ entre mim e vós, e toda alma vivente dentre toda a carne ;+ e as águas não se tornarão mais um dilúvio para arruinar toda a carne.+ 16 E terá de vir a haver o arco-íris na nuvem,+ e eu certamente o verei para me lembrar do pacto por tempo indefinido+ entre Deus e toda alma vivente dentre toda a carne que há na terra .”+

    17 E Deus repetiu a Noé: “ Este é o sinal do pacto que deveras estabeleço entre mim e toda a carne que há na terra .”+

    Curtir

  • Marcelo  On 11 de fevereiro de 2014 at 13:07

    Clébio

    Tu tocou num ponto interessante.

    O que é mais fácil, apanhar um fruto na árvore, ou no chão?
    Ora, não é apanhar no chão uma coisa de esforço banal?

    O maná caia no chão, e era onde os israelitas o pegavam. Era banal o esforço para isto. E mesmo assim, foram proibidos de pegar no sábado. Precisavam pegar duas porções na sexta, para não terem este “trabalho”.

    Agora me diga, tu cozinha no sábado? Vai a restaurantes? Abre a geladeira, fogão? Ou reserva o alimento no sábado e nem mesmo o esquenta no microondas?

    Curtir

  • Queruvim  On 11 de fevereiro de 2014 at 13:15

    A Bíblia jamais faz distinção e JAMAIS usa termos tais como “lei cerimonial”. Isso é um desvio da fraseologia usada pela própria Bíblia Sagrada. A Lei é citada sem se fazer distinção entre “lei moral ” e “lei cerimonial”. Isto é teologia adventista. Neemais 8:1,3, 8, 14,18 é apenas um texto dentre muitos, onde a mesma Lei é chamada de Lei de Deus e Lei de Moisés, sem se fazer distinção entre “lei moral” e “cerimonial”. A palavra “Lei” aparece 220 vezes só no chamado Velho Testamento este substantivo geralmente se refere a Tora e denota “lei, direção, instrução”. Ocorre ao todo mais de 400 vezes na Bíblia. Nunca o termo lei vem especificado ou dividido entre duas leis.

    Certa publicação diz:

    “É a Lei mosaica dividida em parte “cerimonial” e parte “moral”, e está em vigor a “lei moral” (os Dez Mandamentos) para os cristãos?
    Fez Jesus referência à Lei de tal modo que indicasse divisão dela em duas partes?

    Mat. 5:17, 21, 23, 27, 31, 38: “Não penseis que vim destruir a Lei ou os Profetas. Não vim destruir, mas cumprir.” Note agora o que Jesus incluiu nos seus comentários adicionais. “Ouvistes que se disse aos dos tempos antigos: ‘Não deves assassinar [Êxo. 20:13; o Sexto Mandamento]’ . . . Se tu, pois, trouxeres a tua dádiva ao altar [Deut. 16:16, 17; não faz parte dos Dez Mandamentos] . . . Ouvistes que se disse: ‘Não deves cometer adultério [Êxo. 20:14; o Sétimo Mandamento].’ Outrossim, foi dito: ‘Quem se divorciar de sua esposa, dê-lhe certificado de divórcio [Deut. 24:1; não faz parte dos Dez Mandamentos].’ Ouvistes que se disse: ‘Olho por olho e dente por dente [Êxo. 21:23-25; não faz parte dos Dez Mandamentos].’” (Portanto, Jesus misturou referências aos Dez Mandamentos com referências a outras partes da Lei, sem fazer distinção entre eles. Devemos nós diferenciá-los?)
    Quando se perguntou a Jesus: “Instrutor, qual é o maior mandamento na Lei?” será que ele isolou os Dez Mandamentos? Ao contrário, replicou: “‘Tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua mente.’ Este é o maior e primeiro mandamento. O segundo, semelhante a este, é: ‘Tens de amar o teu próximo como a ti mesmo.’ Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.” (Mat. 22:35-40) Se alguns se apegarem aos Dez Mandamentos (Deut. 5:6-21), dizendo que são obrigatórios aos cristãos, mas que o resto não é, não estão realmente rejeitando o que Jesus disse (citando de Deut. 6:5; Lev. 19:18) sobre quais são os maiores mandamentos?”

    Curtir

  • Marcelo  On 11 de fevereiro de 2014 at 13:15

    Muito bem. Fala-se de pacto. Quais eram os termos do pacto? Um pacto pode ser uma promessa (apenas uma parte) e ou ser um acordo (as duas partes tem obrigação).

    Fala-se em Jer 31:31-33 que o pacto foi violado.

    Como se VIOLA um “Santuário terrestre e sangue de animais”?

    Curtir

  • Queruvim  On 11 de fevereiro de 2014 at 13:36

    Paulo em 1 Coríntios 5 fala da punição para certos pecados e SEQUER FALA SOBRE O SÁBADO. Eis ai uma boa pergunta, POR QUE NÃO HÁ EXCOMUNHÃO para os violadores da guarda do sétimo dia?

    Simples, se eles fossem fazer isso, teriam que inventar, pois o N.T nada fala NEM SOBRE A IMPORTÂNCIA DE GUARDAR O SÁBADO OU sobre violadores do sábado.

    E também a IASD esvaziaria pois os que violam esta lei fantasiosa e inescriturística são uma grande parte deles.

    Curtir

  • I am Jw  On 11 de fevereiro de 2014 at 13:41

    Só não pode vir um adventista dizer que “Deus já intencionava criar o sábado”. Ai é falta de fair play!

    Curtir

  • SERGIO  On 11 de fevereiro de 2014 at 14:34

    Como se VIOLA um “Santuário terrestre e sangue de animais”?

    Não se viola, Os serviços do santuário, providenciados por causa da nova aliança, era um meio que o pecador arrependido, ia através de sua oferta, pela fé, depositar sua esperança de perdão no messias vindouro. Se a pessoa não quisesse participar deste privilégio, não tinha problema, a salvação está disponível a todos, ma depende da aceitação de cada um. Assim, deixar de realizar não era uma transgressão, e sim um ato de não acreditar.

    Curtir

  • I am Jw  On 11 de fevereiro de 2014 at 14:39

    Uma pergunta para os adventistas: Se eu decidir dedicar de domingo a sexta para Deus e o próximo, e tirar apenas o sábado para cuidar de assuntos pessoais, tem algum problema?

    Curtir

  • Clébio  On 11 de fevereiro de 2014 at 15:26

    Caro irmão Marcelo,

    Deus nunca leva o Seu povo á um lugar onde Ele não possa sustentá-lo (Filipenses 4:19). No entanto, Ele muitas vezes nos conduz a situações onde somente Ele pode nos sustentar (Salmo 78:19).
    Como visto, ainda não entendeu o propósito da obediência, embora os textos outrora citados dão uma luz onde Deus quer chegar. Por mais, conforme o texto bíblico nos mostrou, sabemos que cada necessidade da nação de Israel foi suprida durante os quarenta anos de peregrinação pelo deserto (Deuteronômio 29:5). Será que Deus hoje também não supriria nossas necessidades mais básicas, permitindo que passamos fome? Evidentemente que Deus supre todas nossas necessidades, sem nenhuma exceção, é claro!

    Deus foi bem específico em Suas leis a respeito da colheita do maná e da restrição do sábado. Tanto a fé quanto o amor a Deus eram necessários para motivar Israel á obediência. Muitos parecem não entender que o verdadeiro amor a Deus é manifesto em nossa obediência a cada detalhe da Sua Palavra (João 14:15).

    O sábado era um presente a Israel visando o seu bem estar físico e espiritual (Marcos 2:27). O princípio ainda se aplica. O homem necessita de um dia de descanso e adoração. Aqueles que trabalham no Dia do Senhor somente por motivo de lucro material, deveriam se lembrar de que Deus ainda é capaz de suprir todas as nossas necessidades (Mateus 6:33).
    Reconheça por favor, caro irmão, Deus nunca fecha uma porta de provisão sem que abra outra (Josué 5:12). Por quarenta anos nenhum Israelita ficou sem esta provisão. Você acha hoje que passaremos fome por ser sábado? Claro que não, pense nisso!

    Agora reflita um pouco… “Sim, ele te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que nem tu nem teus pais conhecíeis; para te dar a entender que o homem não vive só de pão, mas de tudo o que sai da boca do Senhor disso vive o homem”. (Deuteronômio 8.3)

    “Mas Jesus lhe respondeu: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus”. (Mateus 4.4)
    Abçs….Clébio

    Curtir

  • SERGIO  On 11 de fevereiro de 2014 at 15:31

    ANALOGIA DO CASAMENTO: ROMANOS 7: 2-6

    Muitos compreendem esses textos considerando que Paulo está repreendendo aqueles que se tornaram cristãos mas que ainda estão seguindo a lei moral, os dez mandamentos. Mas o que realmente Paulo está querendo dizer?

    Romanos 7: 2:

    “Ora, a mulher casada esta ligada pela lei ao marido, enquanto ele vive; mas, se o mesmo morrer, desobrigada ficará da lei conjugal.”

    Romanos 7: 3:

    “De sorte que será considerada adultera se, vivendo ainda o marido, unir-se com outro homem; porém, se morrer o marido, estará livre da lei e não será adultera se contrair novas núpcias.”

    Romanos 7: 4:

    “Assim meus irmãos, também vós morrestes relativamente a lei (CONDENAÇÃO DA LEI), por meio do corpo de cristo, para pertencerdes a outro, a saber, aquele que ressuscitou dentre os mortos, a fim de que frutifiquemos para Deus.”

    Romanos 7:5:

    Porque, quando estávamos na carne, as paixões dos pecados, que são pela lei, operavam em nossos membros para darem fruto para a morte.

    Romanos 7:6:

    Mas agora temos sido libertados(PERDOADOS DA CONDENAÇÃO) da lei, tendo morrido para aquilo em que estávamos retidos (VIDA PASSADA); para que sirvamos em novidade de espírito, e não na velhice (CONDENAÇÃO) da letra.

    Os Textos estão dizendo que uma mulher casada não pode se casar com outro homem enquanto o marido estiver vivo, pois senão ela estará, como a lei diz, cometendo adultério.

    Nestes textos, temos quatro personagens:

    MULHER – PRIMEIRO MARIDO – SEGUNDO MARIDO – JESUS.

    Estes personagem representam quem?

    1- MULHER: Somos nós, toda pessoa batizada e convertida.

    2- PRIMEIRO MARIDO: Nosso comportamento antes do batismo.

    3- SEGUNDO MARIDO: Nosso comportamento depois do batismo.

    4- JESUS: Esposo Espiritual.

    Quando nós, MULHER – PESSOA CONVERTIDA, somos batizados, temos que andar em novidade de vida. Mudar nosso antigo comportamento. Devemos deixar para trás os velhos maus hábitos representado pelo PRIMEIRO MARIDO. Agora batizados devemos alimentar a nossa nova vida, nosso bom comportamento representado pelo SEGUNDO MARIDO. Caso contrario, se aceitarmos Jesus e ainda continuarmos a alimentar os velhos maus hábitos da vida antiga, estaremos cometendo adultério espiritual. Traindo a Jesus.

    Sendo assim, o que o Apostolo Paulo esta querendo realmente dizer, é como deve ser a nossa postura agora como membro ativo da igreja.

    O Apostolo Paulo também não está nos isentando da Lei De Deus, pelo contrário ele a reforça, “Não adulteraras.”

    Curtir

  • I am Jw  On 11 de fevereiro de 2014 at 17:14

    Gostaria que um adventista explicasse, sem rodeios, onde consta na Bíblia esta divisão de Lei Moral e Lei Cerimonial.

    Curtir

  • I am Jw  On 11 de fevereiro de 2014 at 17:15

    Gostaria que um adventista também respondesse à pergunta: o que ficava guardado na “arca do pacto”? Dica: Hebreus 9:4.

    Curtir

  • Angelo Gabriel da Silva  On 11 de fevereiro de 2014 at 17:24

    Senhor Burt Walker

    Tomar as palavras dos outros sem considerar as possíveis ideia por trás das mesmas não é honesto nem justo. Quando usa as palavras maior mandamento Ellen G. White não está falando de grau de importância pois entre os dez mandamentos isto não existe. Os quatro primeiros resumem nosso dever para com Deus enquanto os seis últimos o faz em relação ao nosso dever para com o próximo. A referência é portanto e ao tamanho físico do mandamento a quantidade de palavras usadas pelo criador para lembrar aos rebeldes que tentassem ignorar. Este aspecto não tem como negar. Pediria então ao amigo que pensasse em sua exposição. O que vc realmente deseja alcançar? Negas que o mandamento no qual o criador gastou mais palavras seja o do sábado? Nesse caso eu tb, como qualquer outra pessoa pode afirmar ser este o maior mandamento sem contudo querer afirmar seu grau de importância como sendo maior. Está é a verdade dos fatos.

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 11 de fevereiro de 2014 at 17:34

    Sergio o livro de Apocalipse é um livro que possui praticamente em toda sua inteireza um sentido Simbolico portanto não devemos concluir que exista de fato uma arca LITERAL nos céus. Esta é a única menção, em Revelação, da arca do pacto de Deus. A Arca havia sido o símbolo visível da presença de Jeová entre o seu povo Israel. No tabernáculo, e mais tarde no templo construído por Salomão, ela era guardada no Santíssimo. Mas quando Israel foi para o cativeiro em Babilônia, em 607 AEC, Jerusalém foi desolada e a arca do pacto desapareceu. Foi então que os representantes da casa de Davi deixaram de “sentar-se no trono de Jeová como rei”. — 1 Crônicas 29:23.
    Agora, depois de mais de 2.600 anos, vê-se a Arca mais uma vez. Mas, na visão de João, esta Arca não está num templo terrestre. Aparece no celestial santuário de Deus. Novamente, Jeová governa por meio dum rei da linhagem real de Davi. Esta vez, porém, o Rei, Cristo Jesus, está entronizado na Jerusalém celestial — a exaltada posição vantajosa da qual ele executa os julgamentos de Jeová. (Hebreus 12:22) Os capítulos seguintes de Revelação exporão isso a nós.
    Na antiga Jerusalém terrestre, a Arca não era vista pelos israelitas em geral, nem mesmo pelos sacerdotes que serviam no templo, porque se encontrava dentro do Santíssimo, separado do Lugar Santo por uma cortina. (Números 4:20; Hebreus 9:2, 3) Apenas o sumo sacerdote chegava a vê-la quando entrava no Santíssimo no anual Dia da Expiação. Não obstante, quando se abre o santuário do templo nos céus, a arca simbólica é visível não apenas ao Sumo Sacerdote de Jeová, Jesus Cristo, mas também aos seus subsacerdotes, os 144.000, inclusive João.
    Os primeiros ressuscitados para o céu vêem de perto esta arca simbólica, porque já ocupam seu lugar como parte dos 24 anciãos ao redor do trono de Jeová.
    Portanto Sergio o aparecimento da Arca era uma indicação de que Jeová novamente governava por meio do seu Ungido. — Re 11:15, 19.
    E os dez mandamentos dentro dela é simbolo de toda “lei cristã” que se torna obrigatória aos cristãos.

    Curtir

  • Angelo Gabriel da Silva  On 11 de fevereiro de 2014 at 17:36

    O comentário do amigo testemunha de jah não respeita a exposição do autor a quem ele critica Azenilto não está embasando sua teologia na tradição ao citar o testemunho da história de que os diversos grupos de pessoas observavam o sábado ao longo dos séculos. Ele apenas mostra que embora muitos neguem a vigência do sábado após a crucifixão de Jesus ele fora observado ininterruptamente ao longo dos séculos. É desonestidade tentar atribuir peso às palavras dos outros que eles mesmo não atribuíram. Isto é fazer juízo de valor que não combina com alguém que se arroga o título de testemunha de jah.

    Curtir

  • Angelo Gabriel da Silva  On 11 de fevereiro de 2014 at 17:43

    Para cada transgressão voluntária para a qual não houver arrependimento está fixada uma punição que será executada pelo legislador da lei ao tempo dele e conforme Sua absoluta justiça.

    Curtir

  • Angelo Gabriel da Silva Silva  On 11 de fevereiro de 2014 at 18:14

    Até que enfim alguém conseguiu perceber a descortesia com um convidado. obrigado Marcelo pela imparcialidade com o Azenilto nesse particular.

    Curtir

  • Queruvim  On 11 de fevereiro de 2014 at 18:14

    O sábado era um presente a Israel visando o seu bem estar físico e espiritual (Marcos 2:27). O princípio ainda se aplica. O homem necessita de um dia de descanso e adoração.

    É mesmo? E onde está a base bíblica para estas palavras tão lindas?????

    Curtir

  • Queruvim  On 11 de fevereiro de 2014 at 18:26

    Não há nada que indique esta “condenação” de que fala. O que sabemos é que colocar palavras no texto é que é condenado ( Prov 30:6). Paulo quando fala que fomos libertos da Lei, cita O QUE… como PARTE DESSA LEI da qual fomos libertos? Resposta: O decálogo. Leia novamente. Sua interpretação não está em harmonia com o texto. Aí é demais não? Presta mais um pouco de atenção ao texto e verá que Paulo cita o decálogo como parte daquilo do qual fomos libertos. É interessante que a interpretação que estou te passando é tão correta, que a palavra LEI é articulada neste texto. Poderá ver que na Tradução do Novo Mundo a palavra lei com letras minúsculas está diferenciada de Lei COM LETRAS MAIÚSCULAS visto que quando Paulo articula, ele está se referindo a Lei Mosaica, o que MAIS UMA VEZ desbanca como equivocada sua interpretação. Paulo fala da Lei que se refere ao inteiro código da Lei, a saber 640 mandamentos INCLUSIVE O DECÁLOGO. Sugiro que estude este texto e comece do zero. Estais distorcendo o texto. É um texto que até mesmo quem está no ensino médio sabe interpretar sem colocar a preferencia religiosa a fim de assegurar uma distorção do texto. Sem falar que ele está em harmonia com os outros textos que demonstram que a Lei não é mais um requisito cristão. (2 cor. 3:7-11)

    Chega a ser tão claro a harmonia que 2 cor. 3:7–11 tem com Rom 7 que se torna irritante ouvir ou ler as distorções enganosas dos defensores da guarda do sétimo dia. Parece até católico lendo em sua Bíblia a proibição de fazer e usar imagens na adoração, mas que preferem não aceitar de forma alguma e seguir aquilo que escolheram. A Bíblia não é Sagrada para tais pessoas. Eu entendo que ou a pessoa está totalmente impedida de ler um texto e interpretar ele corretamente ou não dá a mínima para o que Deus diz. Tu achas que estes textos são tão difíceis assim de entender?

    Curtir

  • Queruvim  On 11 de fevereiro de 2014 at 18:35

    Sugiro Angelo que estude o assunto do sábado. Ficar procurando erro no povo de Jeová não vai ajudar em nada se a guarda do sétimo dia for mesmo uma doutrina que invalida o sacrifício de Cristo. É mais do que claro que quem defende a guarda de aspectos da Lei decaiu da graça.

    Curtir

  • Marcelo  On 11 de fevereiro de 2014 at 18:36

    Quais eram os termos do pacto?
    O texto de Jeremias diz que foi violado. Como que não se viola? Ou era outro pacto?

    pacto meu que eles próprios violaram

    Curtir

  • Marcelo  On 11 de fevereiro de 2014 at 18:39

    Clébio. Tem razão quanto a este ponto. Retiro o argumento que estava subentendio neste meu questionamento.

    Curtir

  • SERGIO  On 11 de fevereiro de 2014 at 18:40

    É mesmo? E onde está a base bíblica para estas palavras tão lindas?????

    Na terceira mensagem angelica:

    -Apocalipse 14:9-10:
    “E seguiu-os o terceiro anjo, dizendo com grande voz: Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o sinal (DOMINGO) na sua testa, ou na sua mão,”

    “Também este beberá do vinho da ira de Deus, que se deitou, não misturado, no cálice da sua ira; e será atormentado com fogo e enxofre diante dos santos anjos e diante do Cordeiro.”

    Curtir

  • Marcelo  On 11 de fevereiro de 2014 at 18:41

    Esqueci de esclarecer o ponto:

    “Você acha hoje que passaremos fome por ser sábado?”

    Curtir

  • Angelo Gabriel da Silva Silva  On 11 de fevereiro de 2014 at 18:56

    Paulo. Embora eu respeite suas conclusões sobre o que vc afirmou preciso discordar delas O sábado não é uma instituição apenas para judeus vc tem mais sábado no novo que no velho testamento, senão veja

    Existem, no Novo Testamento, nada menos que – cinqüenta e nove passagens – que nomeiam o Sábado do sétimo dia da semana, e apenas uma que se refere ao sábado cerimonial. É, por conseguinte, uma diferença formidável, em favor dos que crêem e amam a Lei Moral dos Dez Mandamentos, além do que, deixam em “maus lençóis” os tais escritores.
    Vamos consultar a Bíblia para comprovar! Destacaremos 53 passagens, pois as outras 5 são repetidas em um mesmo verso, e a última é uma comparação (Atos 1:12).
    JESUS REVELOU SER O SÁBADO O DIA DO SENHOR.
    • Mat. 12:8; Mar. 2:27 e 28; Luc. 6:5.
    JESUS, OS DISCÍPULOS E OS APÓSTOLOS FAZIAM TRABALHO MISSIONÁRIO NO SÁBADO.
    • Mat. 12:1; Mar. 2:23 e 24; Luc. 6:1 e 2; 14:1; João 5:9; Atos 16:13.
    JESUS DEDICAVA O SÁBADO PARA OBRA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL.
    • Mat. 12:2, 10-12; Mar. 3:2,4; Luc. 6:7-9; 13:14-16; 14:3-5; João 9:14.
    JESUS FEZ DO SÁBADO UM DIA ESPECIAL DE CULTO, DANDO EXEMPLO, INDO À IGREJA.
    • Mar. 1:21; 6:2; Luc. 4:16,31; 6:6; 13:10
    JESUS REPREENDEU SEVERAMENTE A MANEIRA FARISAICA DE GUARDAR O SÁBADO.
    • Mat. 12:5
    OS DISCÍPULOS E OS APÓSTOLOS OBSERVARAM O SÁBADO.
    • Mat. 28:1; Mar. 15:42; 16:1; Luc. 23:54, 56; Atos 13:14, 27, 42, 44; 15:21; 17:2; 18:1-4.
    JESUS RECONHECEU QUE O ZELO SEM ENTENDIMENTO DOS FARISEUS TIROU A ALEGRIA DO SÁBADO.
    • João 5:10, 16, 18; 7:22 e 23; 9:16; 19:31.
    JESUS TINHA GRANDE PREOCUPAÇÃO; TEMIA QUE SEUS DISCÍPULOS TRANSGREDISSEM O SÁBADO.
    • Mat. 24:20. A única passagem referente ao Sábado cerimonial no Novo Testamento está em Colossenses 2:16, e é um rebate
    decisivo do apóstolo Paulo aos judaizantes que queriam impôr sua perniciosa doutrina entre os cristãos. E Paulo estabelece cristalinamente que este sábado é cerimonial puro, ao dizer, no verso 17, que é “sombra” dos bens futuros.
    SITUAÇÃO BÍBLICA NO NOVO TESTAMENTO
    Sábado do Sétimo Dia da Semana – 59 Referências
    Sábado Cerimonial, abolido – 1 Referência
    Domingo (nome não bíblico) – 0 Referência
    Primeiro Dia da Semana – 8 Referências
    Até pela lógica, é inegável que o santo Sábado não pode ser cancelado.
    “A violação do mandamento sabático não é tanto um pecado como tal, mas um sintoma que revela uma atitude que toca todos os mandamentos. A quebra do Sábado em sua natureza essencial é uma rejeição de Deus, uma espécie de rebelião. Não é como matar ou roubar ou cometer adultério. Ela revela um estado interior de desobediência; e
    desobediência é a essência de todo o pecado.” – M. L. Andreasen, The Sabbath, págs. 76 e 77.
    Observe esta simples estatística:
    1º – Mandamento – 7 Palavras
    2º – Mandamento – 76 Palavras
    3º – Mandamento – 25 Palavras
    4º – Mandamento – 98 Palavras
    5º – Mandamento – 24 Palavras
    6º – Mandamento – 2 Palavras
    7º – Mandamento – 2 Palavras
    8º – Mandamento – 2 Palavras
    9º – Mandamento – 8 Palavras
    10º – Mandamento – 36 Palavras
    CONSIDERE:
    • O número de vocábulos não tira o valor implícito do mandamento; daí que duas ou mais palavras inseridas nele têm o mesmo valor real e vital, porém, denota-se que, se o número de palavras em algum mandamento é maior, caracteriza então que foi maior a preocupação de Deus ao redigí-lo. Por isso é de se estranhar que Deus, um dia, tivesse planos de tornar o Sábado nulo.
    • O quarto mandamento contém mais palavras que sete mandamentos juntos e, diferentemente dos demais, começa com o vocábulo: “Lembra-te”. Deus previu a falácia humana, razão porque preocupou-Se com as minúcias neste mandamento, para que o homem não o olvidasse jamais. Nele, Deus Se revela como o Criador do Universo.
    • O inquestionável é que a Lei Moral não tem mandamento demais, não tem de menos, não tem mandamento que se mudaria com este ou aquele evento, com esta ou aquela ressurreição pois, se assim fosse, Deus Se sujeitaria ao tempo e a ocasiões, não tendo firme Sua palavra, e a Bíblia diz que o caráter Deus não muda (Mal. 3:6). O que faz é perfeito e dura para sempre, pois é um Deus Santo, que não Se confunde, que sabe o que é certo, e o que é melhor e necessário para o homem.
    • Jesus disse que não veio abolir nem ab-rogar a Lei Moral (Mat. 5:18). E como Seu digno autor, proíbe que se lhe retire sequer um “til” (minúsculo sinal gráfico). O homem subestima Sua ordem e arranca dela 98 palavras. Como pode?
    Encontra-se no livro Dez Passos Para Uma Vida Melhor, segunda edição, do Pastor Fanini, à página 71, este surpreendente comentário. Pergunta ele:
    – “Quantas espécies de furto há?” Depois ele mesmo responde:
    – “1. Há os que furtam a Deus. Roubam o dia do Senhor: (e acrescenta): ‘Lembra-te do dia de Sábado para o santificar.’”
    Jesus é o “Caminho, a Verdade e a Vida” (João 14:6).
    Jesus é o único exemplo, “para que sigais Suas pisadas” (I Pedro 2:21).
    O cristão deve andar “como Jesus andou” (I João 2:6).
    “Vós sereis Meus amigos, se fizerdes o que vos mando” (João 15:14).
    O QUE JESUS MANDOU: “Examinai as Escrituras…” (João 5:39)
    • Que a lei não foi abolida (Mat. 5:17 e 18)
    O QUE JESUS ENSINOU • Não violar o Sábado (Mat. 24:20)
    • Frequentar a igreja aos Sábados (Luc. 4:16).
    JESUS NÃO TINHA PECADO! Porque então batizou-Se?
    DEUS NÃO SE CANSA! Porque então descansou?
    Resposta: Para nosso exemplo.
    CONSIDERANDO QUE:
    • Jesus instituiu o Sábado (Êxo. 20:8-11).
    • Por preceito e exemplo, Jesus reverenciou o Sábado na Terra (Luc. 4:16).
    • Jesus denominou-se “Senhor do Sábado” (Mar. 2:28).
    • “Jesus é o mesmo ontem, hoje e eternamente” (Heb. 13:8).
    PERGUNTA: Que dia Jesus guardaria Se estivesse hoje entre nós?
    OBSERVAÇÃO: Deus permite você escolher onde morar, onde trabalhar e o que vestir, mas o dia de guarda, Ele determina para você: o Sábado.

    Curtir

  • Queruvim  On 11 de fevereiro de 2014 at 19:08

    O período da fundação do cristianismo organizado começa em Atos dos Apóstolos e não há ali absolutamente NADA que indique o guarda do sétimo dia como sendo um requisito para os Cristãos gentios convertidos.(Atos 10:45) Pelo contrário, o espírito santo estava sendo derramado sobre pessoas das nações que sequer guardavam o sétimo dia. Fazer um apanhado de textos onde aparece a palavra “sábado” no texto dos evangelhos é o melhor que consegue fazer? Que os Judeus guardavam o sábado isso não está em discussão aqui nesta pagina, a questão é se a guarda do sábado é ou não um requisito cristão. Seu texto é ARGUMENTUM VERBOSIUM que faz uso de um enorme texto sem apoio para aquilo que defende. Lamento mas entendo assim. Para mim um texto enorme para dar uma impressão enganosa, somente isso. Os cristãos não estão sujeitos ao Decálogo

    Curtir

  • Queruvim  On 11 de fevereiro de 2014 at 19:33

    O homem necessita de um dia de descanso e adoração.

    Onde há MESMO BASE BÍBLICA PARA O AS palavras acima?É neste texto de Rev. que citas?

    Curtir

  • SERGIO  On 11 de fevereiro de 2014 at 19:33

    -“Não há nada que indique esta “condenação” de que fala.”

    Indicação de condenação de adultério:

    Romanos 7: 3:
    “De sorte que será considerada adultera se, vivendo ainda o marido, unir-se com outro homem;…..

    – Paulo quando fala que fomos libertos da Lei, cita O QUE… como PARTE DESSA LEI da qual fomos libertos? Resposta: O decálogo.

    Sim, o decálogo. Livre da condenação do decálogo. Do adultério.

    “….porém, se morrer o marido, estará livre da lei e não será adultera se contrair novas núpcias.”

    . Aí é demais não? Presta mais um pouco de atenção ao texto e verá que Paulo cita o decálogo como parte daquilo do qual fomos libertos.

    Sim, Libertos da condenação do decálogo:

    “….porém, se morrer o marido, estará livre da lei e não será adultera se contrair novas núpcias.”

    Paulo fala da Lei que se refere ao inteiro código da Lei, a saber 640 mandamentos INCLUSIVE O DECÁLOGO.

    Aqui não há referencias a 640, e somente ao adultério.

    É um texto que até mesmo quem está no ensino médio sabe interpretar sem colocar a preferencia religiosa a fim de assegurar uma distorção do texto. Sem falar que ele está em harmonia com os outros textos que demonstram que a Lei não é mais um requisito cristão. (2 cor. 3:7-11)

    Se a lei não é mais um requisito cristão, por que a mulher esta cometendo adultério ao desposar o segundo marido enquanto o primeiro vive?

    Curtir

  • Queruvim  On 11 de fevereiro de 2014 at 19:37

    Paulo não diz que estamos livres “da condenação do decálogo” mas do próprio decálogo. “Estamos libertos da Lei” ele diz. Se refere depois ao decálogo como parte desta Lei da qual Cristo nos libertou. Estamos libertos do decálogo e das outras 600 e poucas Leis que foram removidas e substituídas pela Lei do Cristo.Romanos 7:7b: “Eu não teria chegado a conhecer o pecado, se não fosse a Lei; e, por exemplo, eu não teria conhecido a cobiça, se a Lei não dissesse: “Não deves cobiçar.” Paulo citou o décimo dos “Dez Mandamentos” como exemplo da Lei de que ele estava falando, da Lei da qual ele disse: “Agora temos sido libertados da lei.” (Al) Assim, os servos de Deus convertidos ao cristianismo não estão sujeitos à inteira Lei dada por Jeová mediante Moisés à nação de Israel, inclusive ao Decálogo. Portanto, no arranjo do cristianismo não há provisão para se guardar um sábado semanal.

    Sérgio comentou…

    Aqui não há referencias a 640, e somente ao adultério

    Errado, já te falei mas não prestou atenção, toda vez que Paulo usa a palavra lei de forma articulada (com o artigo definido) está se referindo a Lei com seus 640 mandamentos. O que inclui não somente o decálogo mas todas as outras leis.

    Sugiro que leia o texto novamente e com mais atenção.

    Curtir

  • Queruvim  On 11 de fevereiro de 2014 at 19:45

    Se a lei não é mais um requisito cristão, por que a mulher esta cometendo adultério ao desposar o segundo marido enquanto o primeiro vive?

    Sérgio eu não disse que a lei como princípio deixou de vigorar. É o inteiro conjunto de Leis dada ao antigo Israel inclusive o decálogo que foram removidos e SUBSTITUIDOS pela Lei do Cristo. Na lei do Cristo temos uma RATIFICAÇÃO de que não se deve cometer adultério. Mat 5:27,28. Esta pergunta que me fez era a mesma que os legalistas faziam para Paulo. De forma que ele escreveu:

    “Que se segue daí? Cometeremos pecado porque não estamos debaixo de lei,+ mas debaixo de benignidade imerecida?+ Que isso nunca aconteça! 16 Não sabeis que, se persistirdes em vos apresentar a alguém como escravos, para lhe obedecer, sois escravos dele, porque lhe obedeceis,+ quer do pecado,+ visando a morte,+ quer da obediência,+ visando a justiça?” Romanos 6:15

    No verso 18 diz que somos escravos DA JUSTIÇA, ou seja princípios e não da LEI da da ao antigo Israel.

    Curtir

  • ADA DIVO  On 11 de fevereiro de 2014 at 20:02

    oi irmaos e um prazer ver pessoas assim que estudam a biblia a palavra de jeova de modo a poder mostrar o que ela ensina.quanto ao sabado noto falta de conteudo no poste do homen que defende o sabado.

    Curtir

  • ethym  On 11 de fevereiro de 2014 at 20:34

    para I am Jw
    por favor pode dizer sua visão sobre Hebreus 9:4? sou Pioneiro,mais não entendi o contexto? que jeová o abençoe…agradeço.

    Curtir

  • SERGIO  On 11 de fevereiro de 2014 at 21:54

    B- NOVA ALIANÇA:

    JEREMIAS 31: 31-33 e HEBREUS 8: 8-12:

    JEREMIAS 31:31 – “Eis que dias vêm, diz o Senhor, em que farei uma aliança nova com a casa de Israel e com a casa de Judá.”

    JEREMIAS 31:32 – “Não conforme a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; porque eles invalidaram a minha aliança apesar de eu os haver desposado, diz o Senhor.”

    ANTIGA ALIANÇA. Dez Mandamentos escritos em duas tabuas de pedra. Ele já existia antes do Monte Sinai. Foi um ato estranho de Deus ter que escrevê-los em pedra porque se havia rompido a relação de Pai para Filho, a obediência pela palavra já não era mais o suficiente, agora ele teria que ser documentado, não para todos, mas por causa da desobediência e rebeldia de muitos. Um acordo ou contrato com estranhos se faz somente por escrito.

    1º TIMOTEO 1:9-10:

    “Sabendo isto, que a lei não é feita para o justo, mas para os injustos e obstinados, para os ímpios e pecadores, para os profanos e irreligiosos, para os parricidas e matricidas, para os homicidas,”

    “Para os devassos, para os sodomitas, para os roubadores de homens, para os mentirosos, para os perjuros, e para o que for contrário à sã doutrina,”

    JEREMIAS 31:33 – “Mas esta é a aliança que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo.”

    NOVA ALIANÇA. Dez mandamentos escritos no coração. Assim como ele foi escrito em tabuas de pedra para os rebeldes e transgressores, Chegaria um dia que pessoas, o “Israel Espiritual”, a Igreja Remanescente, Apoc. 12:17 – 14:12, não o “Israel literal”, pela fé, teriam prazer na obediência da lei de Deus e o colocariam em seus corações. Seria restabelecida a relação de Pai para Filho. Não precisariam mais da lei escrita em tabuas de pedra. Esta obediência é para dar uma resposta ao amor de Deus que enviou seu filho para nos salvar. A nova aliança só tornou-se possível porque Jesus venceu a cruz.

    2º CORÍNTIOS 3:2-3:

    “Vós sois a nossa carta, escrita em nossos corações, conhecida e lida por todos os homens.”

    “Porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo, ministrada por nós, e escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração.”

    Portanto;

    NOVA ALIANÇA SÃO OS DEZ MANDAMENTOS ESCRITOS NO CORAÇÃO.

    Curtir

  • DREJAH  On 11 de fevereiro de 2014 at 22:11

    Angelo Gabriel da Silva Silva se você me convidasse a ir em sua casa para conversarmos sobre um determinado assunto e eu, ao chegar em sua casa, começasse a falar de um livro que escrevi contra a sua própria família quem estaria sendo descortês ??? PRESTA ATENÇÃO!!! VOCÊ CHEGOU AGORA,
    PEGOU A CONVERSA PELA METADE E NÃO SABE NADA !!!

    Curtir

  • Freitas  On 11 de fevereiro de 2014 at 22:14

    Ângelo disse:

    “Destacaremos 53 passagens, pois as outras 5 são repetidas em um mesmo verso, e a última é uma comparação”

    Acontece, nobre Ângelo, que a quase totalidade das 53 passagens usadas por ti são relatos paralelos e não podem ser computadas como 1, 2, 3 ..53, entende? É mais ou menos assim: Se Jesus Pagou o imposto por cabeça uma vez e os três evangelhos relatam isso jamais poderíamos computar isso como 3, foi apenas uma. Sendo assim você pode reduzir bastante a importância que quer atribuir com um raciocínio macabro desses

    E ISSO ESTÁ NA QUASE TOTALIDADE DE SUAS CITAÇÕES!

    Veja um exemplo citado por ti:

    ” Jesus, os discípulos e os apóstolos faziam trabalho missionário no sábado”
    (Mateus..Marcos..Lucas..João e Atos)

    Embora o relato diga que eles estavam apenas de passagem pelo local.

    Na verdade, Ângelo, Jesus realizava seu trabalho missionário todos os dias com o mesmo zelo ( Lucas 20:1)

    A sua linha de raciocínio em todo o seu comentário segue este mesmo padrão tendencioso. Como a verbosidade é muito extensa citei apenas isso como exemplo , vou ficar só em 19 linhas que são suficientes sua lógica .

    Curtir

  • Marcelo  On 11 de fevereiro de 2014 at 22:56

    Angelo

    Partindo do pressuposto que existe tal diferença, entre sábado cerimonial e sábado moral, o que o faz pensar que se trata de um sábado cerimonial Colossenses 2:16 ?

    Existe algo no texto que esclareça (talvez a gramática, ou o texto grego) que se trata do sabado cerimonial, ou esta conclusão baseia-se na premissa de que o sábado moral ainda vigora, e portanto, por exclusão, trata-se do cerimonial?

    Novamente, partindo do pressuposto. A pergunta de se existe relmente tal diferença, moral vs cerimonial já foi perguntada aqui.

    Curtir

  • Marcelo  On 11 de fevereiro de 2014 at 23:14

    Sérgio

    “ANTIGA ALIANÇA. Dez Mandamentos escritos em duas tabuas de pedra. Ele já existia antes do Monte Sinai.”

    Sérgio, sei que tu acredita nisto, mas até agora não mostraram um texto que comprove que tenha sido dado ANTES do Sinai. Isto é o que tu supõe.

    Gálatas 3:17 – A lei veio a exstir 430 anos depois da “promessa”…

    Veja que tu fala que a antiga aliança eram os 10 mandamentos. Num outro comentário falou que era o santuário terrestre e o sange de animais. Por favor, decida-se, o que era o antigo pacto?

    Veja o texto que tu colocou:

    JEREMIAS 31:32 – “Não conforme a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; porque eles invalidaram a minha aliança apesar de eu os haver desposado, diz o Senhor.”

    Como tu pode citar este texto, argumentando que o antigo pacto eram os 10 mandamentos e ao mesmo tempo dizer que eles foram dados antes do monte sinai? O texto fala claramente que foi NO DIA que tirou eles do egito.

    “Um acordo ou contrato com estranhos se faz somente por escrito.”

    Por escrito, mas não necessáriamente em papel. O prórprio Rodrigo Silva em seus programas “evidências” mostra que haviam documentos, contratos, feitos em pedras, argila (sinceramente não lembro qual o material exato, mas era sólido).

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 12 de fevereiro de 2014 at 0:20

    Por favor gostaria que todos os Adventistas que acompanham esse debate( que na minha opinião terminou sem nem começar direito) ,por favor LEIAM COM INTERESSE E ATENÇÃO POR FAVOR! Principalmente o nobre professor Azenilton.
    Eu considero a explicação dada pelas Testemunhas de Jeová sobre o tema a mais lógica que se possa imaginar ,acompanhe comigo e veja que lógica nessa explicação:
    Primeiro: assim como os demais “dias” criativos o sétimo dia não era um período literal de 24 horas e a prova disso é que referente aos “seis dias que antecedem” se usa a expressão E VEIO A SER NOITINHA E VEIO A SER MANHÃ…( tnm) mas com relação ao sétimo não se usa,isso significa que esse “dia” não havia terminado com o fato de Jeová ter descasado e esse dia continuaria.Até quando? Ai é que entra o verdadeiro entendimento da expressão “ E Deus passou a ABENÇOAR O SÉTIMO DIA E FAZE-LO SAGRADO.”
    Antes quando diz que “Deus descansou certamente não era porque precisava se recuperar “de toda a sua obra que fizera”. O versículo seguinte fornece uma indicação: “Deus passou a abençoar o sétimo dia e a fazê-lo sagrado, porque nele tem repousado de toda a sua obra que Deus criara com o objetivo de a fazer.” — Gênesis 2:3; Isaías 40:26, 28.Ou seja Deus descansou no sentido de ter desistido ou cessado de “obras criativas adicionais” não precisava mais criar nada ali pois já havia feito o homem e a mulher.
    A palavra sagrado significa: um dia reservado para, ou dedicado a, um propósito especial. Qual era este propósito? Aqui entra o verdadeiro entendimento que os Adventistas não tiveram.Depois de ter criado o casal humano e desistido de “criar mais coisas” o propósito de Deus não terminava ai,eles tinha de encher a terra e TRANSFORMA-LA EM UM PARAISO.
    Preste atenção amigo adventistas: Somente depois de isso acontecer,ou seja quando a terra estivesse cheia de humanos obedientes e transformada em um paraíso é que Jeová iria dizer:
    E VEIO A SER NOITINHA E VEIO A SER MANHA SÉTIMO DIA.
    Portanto o sétimo dia seria o dia reservado para ESSE propósito especial.
    A revista A sentinela certa vez comentou:
    O “sétimo dia” era diferente de qualquer dos seis dias precedentes, no sentido de que era um dia que Deus abençoara e tornara sagrado, quer dizer, um dia reservado para, ou dedicado a, um propósito especial. Qual era este propósito? Anteriormente, Deus revelara seu propósito a respeito da humanidade e da Terra. Deus disse ao primeiro homem e sua mulher: “Sede fecundos e tornai-vos muitos, e enchei a terra, e sujeitai-a, e tende em sujeição os peixes do mar, e as criaturas voadoras dos céus, e toda criatura vivente que se move na terra.” (Gênesis 1:28) Embora Deus tivesse dado à humanidade e à Terra um começo perfeito, levaria tempo para toda a Terra ser sujeita e transformada num paraíso cheio de uma família humana perfeita, conforme era do propósito de Deus. Portanto, no “sétimo dia”, Deus descansou, ou desistiu, de adicionais obras criativas terrestres, a fim de permitir que aquilo que ele havia criado se desenvolvesse segundo a Sua vontade. No fim daquele “dia”, tudo o que fora do propósito de Deus se terá tornado realidade.
    Como Adão pecou o sétimo dia criativo continuo.
    Antes de prosseguirmos onde entra o sábado literal de 24 horas nisso?

    Não temos evidencias que os servos de Jeová que viveram após a queda do homem tenham entendido que os eventos no Éden relacionados ao descanso de Deus tivesse alguma relação com o sábado semanal,é tanto que embora os patriarcas parecem ter medido o tempo em semanas de sete dias, não há nenhuma evidência de que diferenciassem o sétimo dia. O número sete tinha destaque, porém, por muitas vezes denotar inteireza. (Gên 4:15, 23, 24; 21:28-32) A palavra hebraica para “jurar” (sha•váʽ) evidentemente deriva da mesma raiz que a palavra que significa “sete”.Por essa razão não vemos Abel,Noé,Enoque ,Jó e outros fieis serem lembrados por Deus a respeito de uma guarda do sábado.
    Se Adão e Eva tivesse recebido uma instrução para guardar o sábado teria com certeza informado isso a Abel,mas nada indica sobre isso.
    Agora vem um aspecto interessante, o sábado semanal era uma copia em miniatura do sábado da criação relatado em Gênesis e foi dado como dia de descanso DEPOIS da saída dos judeus do Egito.A prova disso é que havia incerteza de como tratar o primeiro caso registrado de um violador do sábado, conforme mostra Núm 15:32-36.
    O erro dos adventistas é confundir o sábado da criação com o sétimo dia literal de 24 horas.
    Voltando a questão anterior já abordada.
    Como o casal humano pecou o sétimo dia da criação continuou.Há evidencia disso?
    Sim observe: Duas evidências nos levam a concluir que o sétimo dia ainda estava em curso no primeiro século da EC. Primeiro, note as palavras de Jesus a opositores que o criticavam por realizar curas no sábado, o que eles consideravam ser um tipo de trabalho. O Senhor disse a eles: “Meu Pai tem estado trabalhando até agora e eu estou trabalhando.” (João 5:16, 17) Qual era o argumento? Jesus estava sendo acusado de trabalhar no sábado. Ao contestá-los, dizendo “meu Pai tem estado trabalhando”, ele refutou essa acusação. Jesus estava, na verdade, dizendo aos críticos: ‘Meu Pai e eu estamos empenhados no mesmo tipo de trabalho. Visto que meu Pai tem trabalhado no seu sábado de milênios de duração, é perfeitamente permissível que eu trabalhe, mesmo no sábado.’ Assim Jesus deu a entender que, com relação à Terra, o grande sábado de descanso de Deus, o sétimo dia, ainda não havia terminado nos seus dias.
    Uma segunda evidência é fornecida pelo apóstolo Paulo. Ao citar Gênesis 2:2 a respeito do descanso de Deus, ele escreveu sob inspiração: “Nós, os que exercemos fé, entramos no descanso.” (Heb. 4:3, 4, 6, 9) Portanto, o sétimo dia ainda estava em curso nos dias de Paulo.
    É nesse sábado que temos que nos concentrar para podemos viver dentro do propósito de Jeová para o homem,é muito mais lógico que a ideia defendida pelos defensores da guardar do sábado SEMANAL.
    Quando findará o sétimo dia da criação ?
    Ora quando Jeová cumprir o seu propósito original para com a terra e o homem,ou seja quando a terra inteira for habitada por pessoas perfeitas como adão e for um paraíso global então Jeová dirá:
    “E VEIO A SER NOITINHA E VEIO A SER MANHÃ,SETIMO DIA”.
    Amigos adventistas não conseguem ver nessa explicação o verdadeiro sentido da coisa?

    Curtir

  • ethym  On 12 de fevereiro de 2014 at 0:32

    perfeito, excelente argumento.

    Curtir

  • I am Jw  On 12 de fevereiro de 2014 at 0:40

    Lá em Hebreus 9:4 diz que dentro da “arca do pacto” estavam guardadas as “tábuas do pacto”. Ou seja, o apóstolo Paulo, versado nas Escrituras, chama as tábuas de pedra com os 10 Mandamentos de “tábuas do pacto”. Então podemos concluir apenas com este texto que os 10 Mandamentos são um componente do pacto; assim, abolido o pacto, é abolido o Decálogo.

    Todavia, a Lei do Cristo, que agora vigora entre os verdadeiros cristãos, absorveu os princípios morais do Decálogo, exceto a obrigatoriedade da guarda do sábado, pelos motivos profusamente expostos tanto pelo Apologista como pelos qualificados comentadores.

    Curtir

  • I am Jw  On 12 de fevereiro de 2014 at 1:03

    Rapaz, tô amando comentar aqui! Pra mim, até mesmo ler as explicações mirabolantes que os religiosos dão para suas crenças erradas fortalece cada vez minha convicção de que estou na verdade!

    Curtir

  • SERGIO  On 12 de fevereiro de 2014 at 1:34

    Mas eu fico feliz que alguem esta me dando atenção.

    Curtir

  • SERGIO  On 12 de fevereiro de 2014 at 1:42

    A- ANTIGA ALIANÇA:

    A Antiga Aliança se divide em duas fases:

    1ª – FASE: ANTES DO PECADO.

    GÊNESIS 2: 16-17:

    “E o Senhor Deus lhe deu esta ordem: De toda árvore do Jardim comeras livremente, mas da arvore do conhecimento do bem e do mal não comeras; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás.”

    Fruto da árvore proibida. Livre arbítrio. Nossa liberdade de escolha no Jardim do Éden.

    2ª – FASE: DEPOIS DO PECADO.

    DEUTERONÔMIO 4:13:

    “Então vos anunciou ele a sua aliança que vos ordenou cumprir, os dez mandamentos, e os escreveu em duas tábuas de pedra”.

    Portanto;

    ANTIGA ALIANÇA SÃO OS DEZ MANDAMENTOS ESCRITOS EM TABUAS DE PEDRA.

    Dez mandamentos. Livre arbítrio. Nossa liberdade de escolha fora do Jardim do Éden, depois do pecado.

    Característica da Antiga Aliança:

    -Para mostrar o pecado, julgar e condenar. Romanos 2:12-13 e 3:20. Apoc. 11:18-19

    -Ratificado com o sangue do pecador não arrependido. Apocalipse 20:5, 20:9, 20:14 e 21:8

    -Somente condenação.

    Curtir

  • Marcelo  On 12 de fevereiro de 2014 at 7:30

    Mas apesar de não precisarmos guardar o sábado da maneira que os israelitas guardavam, pois é impossível, o princípio continua. A saber, que descançar faz parte de ser mais produtivo no trabalho e principalmente reservar tempo para adoração e estudo da palavra de Deus.

    (1 Timóteo 4:6) Por dares tais conselhos aos irmãos, serás ministro excelente de Cristo Jesus, nutrido com as palavras da fé e do ensino excelente que seguiste de perto.

    Eclesiastes 3:1
    Para tudo há um tempo determinado, sim, há um tempo para todo assunto debaixo dos céus

    Eclesiastes 9:6 – Melhor é um punhado de descanso do que um punhado duplo de trabalho árduo e um esforço para alcançar o vento.

    (Efésios 5:15, 16) Assim, mantende estrita vigilância para não andardes como néscios, mas como sábios, 16 comprando para vós todo o tempo oportuno, porque os dias são iníquos.

    Curtir

  • Marcelo  On 12 de fevereiro de 2014 at 7:50

    Se repararem os 10 mandamentos são declarados em dois lugares, a saber, Êxodo 20 e Deuteronômio 5.

    Os dois parecem dar motivos diferentes para a guarda do sábado, mas seriam mesmo dois motivos, ou uma contradição?

    (Deuteronômio 5:15)  “‘Guardando o dia de sábado para o manteres sagrado, assim como Jeová, teu Deus, te mandou, 13 deves prestar serviço e tens de fazer toda a tua obra por seis dias. 14 Mas o sétimo dia é um sábado para Jeová, teu Deus. Não deves fazer nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem teu escravo, nem tua escrava, nem teu touro, nem teu jumento, nem qualquer animal doméstico teu, nem teu residente forasteiro que está dentro dos teus portões, a fim de que teu escravo e tua escrava descansem como tu. 15 E tens de lembrar-te de que te tornaste escravo na terra do Egito e que Jeová, teu Deus, passou a fazer-te sair de lá com mão forte e braço estendido. É por isso que Jeová, teu Deus, te mandou observar o dia de sábado.

    (Êxodo 20:8-11) “Lembrando o dia de sábado para o manteres sagrado, 9 deves prestar serviço e tens de fazer toda a tua obra por seis dias. 10 Mas o sétimo dia é um sábado para Jeová, teu Deus. Não deves fazer nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem teu escravo, nem tua escrava, nem teu animal doméstico, nem teu residente forasteiro que está dentro dos teus portões. 11 Pois em seis dias fez Jeová os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há, e no sétimo dia passou a descansar. É por isso que Jeová abençoou o dia de sábado e passou a fazê-lo sagrado.

    No primeiro diz que se precisa guardar o sábado para lembrar do livramento do povo do domínio do Edito. No segundo parece indicar que é um memorial da criação.

    Como EU entendo. O sábado é para lembrar sim da saída do Egito. Textos já citados, nos nos comentários e no post principal mostram que os judeus não sabiam como lidar com a violação do sábado, além do fato de que se o sábado já tivesse sido dado como memorial da criação, este não poderia se tornar um memorial para um dia diferente, ou seja, o dia que foram resgatados do Egito.

    Mas o que dizer do texto de Êxodo? Ora, o texto de Êxodo fala que Jeová passou a fazer o sexto dia sagrado, e é o que diz lá em Gênesis. Portanto Jeová escolheu um observância do sábado para os israelitas como um memorial de descanço da escravidão do Egito porque este “dia” já era um dia significativo para ele.

    Aceito sugestões diferentes que visam harmonizar estes dois textos.

    Curtir

  • Marcelo  On 12 de fevereiro de 2014 at 7:52

    Quanto ao dia de 24 horas, eu escrevi um comentário neste aqui que mostra evidências de que o “dia” não poderia ser de 24 horas.

    Curtir

  • Creinha Reis  On 12 de fevereiro de 2014 at 9:11

    Olá, JW. Veja em Deut. 21:18-21 que os filhos muito rebeldes em Israel deviam ser mortos. Pergunto: quando Paulo recomendou aos crentes de Éfeso que os filhos respeitassem os pais segundo “o primeiro mandamento com promessa” (Efé. 6:1-3 — e os efésios saberiam qual era pois conheciam os 10 Mandamentos), a partir daí os filhos muito rebeldes dos efésios deviam ser apedrejados também? Se não, por que não?

    As condenações da lei não estão no Decálogo, assim como a Lei Fundamental do país, a Constituição, não traz penalidades para tantos crimes, o que será do Código Penal, Código Civil, etc.

    A divisão das leis como “Moral”, “Cerimonial” não estão assim definidas nessa linguagem, mas sabe quem faz essa “divisão das leis”? Pois o amigo Queruvim, por exemplo, faz isso. Ele divide as leis, pois sabe que não deve matar, roubar, mentir, adulterar, contudo não leva sacrifícios ao altar, não celebra as festas de Israel, não se circuncida como regra religiosa. Ora, isso é exatamente praticar a DIVISÃO DAS LEIS, considerando umas como ainda válidas, e outras não.

    Paulo faz a DIVISÃO DAS LEIS em 1 Cor. 7:19 dizendo que algumas que eram importantes anteriormente, não mais importam, mas o que agora importa é “obedecer os mandamentos de Deus”.

    Curtir

  • Creinha Reis  On 12 de fevereiro de 2014 at 9:17

    Olá, Wagner, como você certamente é um TJ, claro que vai ficar “na torcida” pelos seus irmãos. Mas o debatedor TJ deixa muitos pontos sem resolver. Onde ele explicou por que Deus condenou Caim sem haver uma lei expressa, por escrito ou oralmente, “Não matarás”? Isso foi simplesmente passado por alto, não teve resolução.

    Também não resolveu como Deus condenou Sodoma e Gomorra, cidades tão pecaminosas. Onde estão as leis que eles violavam? Então, seriam as leis não expressas, mas que existiam, não é mesmo?

    Pois são as leis IMPLICITAS e não EXPLÍCITAS, como o Prof. Azenilto (pessoa que conheço pessoalmente e é grande erudito que não está querendo fugir–como insinuaram–do que precisa ser discutido em detalhes) acentua.

    Ficou sem resolver também o fato de Deus SANTIFICAR o sétimo dia, e a palavra “santificar” significar uma SEPARAÇÃO de alguma coisa para dedicação a Deus. Pois o sétimo dia foi assim separado por Deus como “memorial da Criação”. O Salmo 111:2-4 diz que Deus tinha um “recordativo” relativo a sua criação. Veja na tradução bíblica das TJ’s como é até melhor para entender isso. Essa “recodação” da criação é o sábado.

    Curtir

  • Creinha Reis  On 12 de fevereiro de 2014 at 9:24

    Pois é, irmão Clébio. Deus já é plenamente santo e bendito, então, por que Ele criaria o sábado para Ele somente santificar? Ele claramente fez isso para o homem. Jesus confirma que “o sábado foi feito por causa do homem”, que não é o homem judeu, como certamente o Prof. Azenilto ainda irá explicar melhor.

    E, por outro lado, se é bom, ainda que seja para o judeu, por que o que é bom para o judeu não seria bom para todos os demais? Iria Deus discriminar algo tão bom só para aquele povo? Por que os demais nacionais não poderiam receber de Deus uma coisa tão boa, para o bem do homem, seja judeu, seja brasileiro, seja americano, seja árabe?

    Curtir

  • I am Jw  On 12 de fevereiro de 2014 at 9:27

    Se o primeiro motivo para os adventistas guardarem o sábado, conforme exposto pelo Azenilto, foi tão fraco e carente de embasamento bíblico, imagine os próximos motivos! Que mania os evangélicos têm de complicar um assunto tão simples e claro, assim como fazem também com o restante das Escrituras!

    Curtir

  • Clébio  On 12 de fevereiro de 2014 at 9:36

    Marcelo,

    Graça e paz. Que Deus o abençoe ricamente!

    Com relação à sua pergunta, assim como os israelitas alimentavam, reservando alimento para o sábado, também nós nos alimentamos. Eu tenho por costume alimentar-se somente de frutas, sempre reservo esse dia para comida vegetariana. Sugiro que faça o mesmo, procurei aprofundar mais sobre a reserva de um dia para alimentar-se somente de frutas e fiquei surpreendido pelos benefícios que poderá ser trazido à nossa saúde. Experiência própria, vale à pena.

    Me fale mais sobre sua doutrina, tenho interesse em conhecer mais sobre as Testemunhas de Jeová. Abçs!!!! Clébio.

    Curtir

  • Creinha Reis  On 12 de fevereiro de 2014 at 9:37

    NOVA VERSÃO DO MEU TEXTO ANTERIOR. FAVOR PREFERIR ESTA E DESPREZAR A ANTERIOR

    Olá, amigo Nilson Rocha

    Obrigada por querer ajudar os adventistas a entenderem a questão do sábado da criação que não se teria completado. Mas noto que você se baseia numa tradução particular das TJ’s que, logicamente, é “suspeita”, no sentido de que é preparada especialmente para reforçar as interpretações particulares das TJ’s.

    Pode me explicar por que nenhuma outra tradução, de que eu tenha conhecimento, diz que Deus apenas “passou a descansar” no sétimo dia, pois sempre apresentam o verbo no passado–DESCANSOU?
    Mas não precisa nem ir atrás de outras traduções, como a Almeida, ou King James. A PRÓPRIA TNM, DAS TJ’S RESOLVE-NOS A QUESTÃO. Pois fui conferir como diz em Heb. 4:4, onde o autor inspirado interpreta Gên. 2:2, 3, e ele NÃO TRADUZ O TEXTO como a TNM, e sim como as demais traduções todas que não concordam com essa das TJ’s. Lá diz que Deus D-E-S-C-A-N-S-O-U de TODAS as suas obras no sétimo dia. Ora, temos ainda por cima o Novo Testamento interpretando para nós o Velho, como é regra que creio que as TJ’s acatam também.

    Pronto, está resolvido! Caem por terra todas essas explicações cheias de volteios e “deduções lógicas” para provar que o descanso de Deus foi apenas início de um 7o. período histórico. Não e não. Deus realmente DESCANSOU e TOMOU ALENTO, como diz outra passagem. Mesmo porque entram em contradição com João 5:18, onde Jesus disse que “Meu Pai TRABALHA até agora”. Ora, se Ele TRABALHA, como é que está num processo de descanso?

    O que Jesus está falando é no contexto de CURAS de doentes no sábado. Deus trabalha nesse sentido de prover saúde, cura, proteção para Seus filhos em todos os momentos. A discussão de Cristo com a liderança judaica, como sempre o Prof. Azenilto lembra, NÃO ERA sobre SE o sábado devia ser guardado, nem QUANDO o sábado devia ser guardado, mas COMO observar o dia no seu devido espírito.

    Curtir

  • Bruno  On 12 de fevereiro de 2014 at 10:32

    Mat 22: 36-40 prova que o sábado deve ser guardado pelos Cristãos ?! Os dois mandamentos na qual se refere esse texto é Amar a Jeová Deus de todo coração e de toda sua alma ( primeiro mandamento) e ao seu próximo como a ti mesmo (segundo).

    Azenilto deixe a Bíblia interpretar a Bíblia. Quero que algum Adventista me mostre escrito na Bíblia que OS CRISTÃOS Tens de Guardar o Sábado.

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de fevereiro de 2014 at 10:40

    Gênesis 2:2 é diferente na TNM visto que a Tradução do Novo Mundo é a mais exata das versões de língua portuguesa. “E passou a repousar.” Hebr.: wai·yish·bóth. O verbo hebr. está no imperfeito, denotando ação incompleta ou contínua, ou ação em progresso. A TNM levou em consideração as mais recentes pesquisas referente aos verbos hebraicos. Além disso ela é uma tradução palavra por palavra ao passo que muitas versões só repetem traduções anteriores.A Tradução do Novo Mundo não seguiu a teoria infundada do Vau Consecutivo na tradução dos verbos hebraicos. Esta idéia secular não transmite a força e o vigor dos verbos hebraicos na sua condição original. Portanto, a Tradução do Novo Mundo apresenta os verbos hebraicos com sentido exato e dinamismo por manter, no possível, uma distinção entre o perfeito e o imperfeito dos verbos hebraicos. Benjamim Kedar

    48 anos de Mestrado pela Universidade Hebraica de Jerusalém, Doutorado pela Universidade de Yale, E.U.A, Professor na Universidade Hebraica de Jerusalém desde 1981, Membro do Instituto para Estudos Avançados em Princeton, Professor de História da Universidade Hebraica de Jerusalém, Membro do Conselho de Educação Superior de Israel disse o seguinte sobre a TNM:

    “Essa obra reflete um esforço honesto de obter uma compreensão do texto tão precisa quanto é possível. . . . Eu nunca descobri na Tradução do Novo Mundo intento preconceituoso de dar ao texto uma interpretação que este não contenha.” Creinha, sua afirmação de que a TNM é preparada para “reforçar as interpretações particulares das TJ” é uma repetição feita a partir das mesmas fontes. A exatidão da TNM é algo que a coloca bem acima de qualquer tradução da Bíblia de língua portuguesa que conheço. Seu enfoque sobre Hebreus 4:4 é superficial. Caso não saibas, este texto é uma paráfrase de Gênesis 2:2 feita pelos Judeus na LXX. Paulo citou a LXX e é por isso que este texto é vertido assim. Não é “errado” mas também não é EXATAMENTE o que diz o original dele que aparece em Gênesis 2:2. Eu, o autor da página Tradução do Novo Mundo leciono idiomas a muitos anos e esta é minha profissão. Inclusive hebraico e Grego tanto Coine como Grego Clássico são matérias que leciono aqui no Distrito Federal. Não há como dizer que a melhor tradução e a mais exata de Gên 2:2 não é a que encontramos na TNM. Você está simplesmente se distanciando da verdade devido a preconceito religioso. A forma escolhida para verter Gên. 2:2 transmite EXATAMENTE o que o hebraico antigo quer dizer. Lamento muito por não se dedicar ao assunto e se deixar levar por críticos preconceituosos com espírito de rivalidade religiosa.

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de fevereiro de 2014 at 10:59

    Para nós é claro, e assim entendemos, que os adventistas estão iludidos com algo não mais necessário e do qual Cristo nos libertou e invalidam o sacrifício de Cristo. Gálatas 5:4 diz:

    ” Estais apartados de Cristo, quem quer que sejais que tenteis ser declarados justos por meio de lei; decaístes da sua benignidade imerecida”.

    E Romanos 3:20 diz:

    “Portanto, por obras de lei, nenhuma carne será declarada justa diante dele, pois pela lei vem o conhecimento exato do pecado.”

    O Apóstolo Paulo repetiu em suas cartas este fato visto que Judeus convertidos ao cristianismo ainda defendiam não somente a guarda do sábado mas vários estatutos da Lei. Rom 10:4 diz que “Cristo é o fim da Lei”. A tradução do Novo Mundo colocou LEI com letras maiúsculas visto que Paulo usava a palavra lei aqui de modo específico ao se referir a inteira LEI de Moisés, cerca de 640 mandamentos o QUE INCLUI O DECÁLOGO.

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de fevereiro de 2014 at 11:03

    Então você não olhou as palavras grifadas provenientes da Bíblia não é? Como código a LEI VEIO a existir depois…Por que ignora textos claros da palavra de Deus? De fato, Paulo fala que “a Lei … VEIO à existência quatrocentos e trinta anos depois” da promessa a Abraão”. (Gál. 3:17) Além disso, não há espaço para responder assuntos que não estejam especificamente relacionados com o tema e que não sejam relevantes o suficiente. As Leis que os humanos seguiam antes de Moisés eram baseadas no trato de Deus com os humanos bem como na consciência do ser humano. Todos sabiam que Deus havia criado macho e fêmea e havia até mesmo testemunhas oculares bem idosas que conheceram Adão pessoalmente. Podiam falar muito bem sobre a criação do homem e da mulher. Um ato homossexual seria claramente um desvio do propósito de Jeová Deus. Não precisava ter uma lei escrita a este respeito e de fato NÃO EXISTIA.

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de fevereiro de 2014 at 11:15

    Apesar de sua explicação quando os servos de Deus inspirados falavam na Lei não faziam tal diferenciação. O próprio Cristo no sermão da montanha quando falava da Lei não fez diferenciação. Este é o ponto. Quando a Bíblia diz que “Cristo é o fim da Lei” é óbvio que Paulo não se referia a parte da Lei Mosaica mas a toda ela. E somente uma pessoa sem o mínimo de raciocínio iria dizer que Paulo estava dizendo que podemos matar ou roubar agora.O que eu não entendo, é que quando abrimos a Bíblia em Rom 10:4 que diz que “Cristo é o fim da Lei” logo em seguida os adventistas nos dizem : “Então posso adulterar, matar e roubar”? Eles falam isso logo após citarmos este texto! Discutem com Paulo, o Apóstolo inspirado, sem perceber, e na tentativa fútil de rebater o que os verdadeiros cristãos estão pregando! Até onde irá essa teimosia insana dos legalistas sem entendimento?

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de fevereiro de 2014 at 11:32

    ATENÇÃO A TODOS VOU FECHAR A OPÇÃO DE COMENTÁRIOS NESTA PÁGINA DENTRE EM BREVE. SEJAM OBJETIVOS!

    Curtir

  • César Fernandes  On 12 de fevereiro de 2014 at 11:36

    Eita Creinha, é muito fácil dizer “Não e não”. Tentou derrubar uma sequoia com um sopro de sua boca.
    Voltemos a Hebreus 4, veja o versículo 3 em sua possível tradução:

    João F. Almeida Atualizada
    Heb 4:3-4 Porque nós, os que temos crido, é que entramos no descanso, tal como disse: Assim jurei na minha ira: Não entrarão no meu descanso; embora as suas obras estivessem acabadas desde a fundação do mundo;
    4 pois em certo lugar disse ele assim do sétimo dia: E descansou Deus, no sétimo dia, de todas as suas obras;

    “Nós” “entramos” no descanso que já terminou?

    Não e Não! Se alguém entrou no descanso ele ainda estava acontecendo. Portanto, o sétimo dia ainda estava em curso nos dias do escrito do livro aos Hebreus.

    Excelente e preciso argumento Nilson Rocha

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de fevereiro de 2014 at 11:40

    Alguns conhecem um texto na hora que estão “discutindo” com uma Testemunha de Jeová Deus. Seus líderes espirituais não fazem reavaliações de ensinos a luz da palavra de Deus. Simplesmente ficam na mesmice e doutrinalmente imutáveis e sem progresso no entendimento. Para piorar não se dedicam de verdade ao estudo destas passagens. Já estou para fechar a opção de COMMENTS.

    Curtir

  • I am Jw  On 12 de fevereiro de 2014 at 11:41

    Só queria que me respondesse à pergunta:

    De que forma Adão ficou sabendo que o sábado devia ser guardado?

    Vou aproveita que encontrei apenas a senhora entre os comentadores adventistas, pra direcionar esta pergunta. Poderia responder?

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 12 de fevereiro de 2014 at 11:46

    Olá Creinha Reis em primeiro lugar não vejo nenhuma diferença em traduzir o texto “passou a repousar” (TNM), ou “descansou” a ideia é a mesma o que indica segundo uma obra de referencias “período de interrupção das atividades normais.A explicação do Detentor dessa pagina porém mostra que a TNM traduziu corretamente o texto hebraico.
    Todo mundo sabe Creinha que o termo dia é usado na bíblia em sentidos variados.
    Ex:A palavra “dia” é às vezes usada para indicar certa medida de distância, como nas expressões “um dia de jornada” e a “distância da jornada de um sábado”. — Núm 11:31; At 1:12;
    Em profecia, um dia representa às vezes um ano. Isto pode ser observado em Ezequiel 4:6: “Tens de deitar-te sobre o teu lado direito, no segundo caso, e tens de levar o erro da casa de Judá por quarenta dias. Um dia por um ano, um dia por um ano é o que te dei.” — Veja também Núm 14:34.

    “o dia de Jeová” (Sof 1:7), o “dia de fúria” (Sof 1:15), o “dia de salvação” (2Co 6:2), “o dia do julgamento” (2Pe 3:7), o “grande dia de Deus, o Todo-poderoso” (Re 16:14), e outros.
    E mais interessante Creinha no próprio relato de Gênesis sobre a criação vemos um emprego interessante da palavra dia,note o capitulo 2 versículo 4 segundo a versão almeida 12 impressão de 1996:
    ” Eis as origens dos CÉUS e da TERRA quando foram criados.agora note: NO DIA em que o Senhor Deus fez a TERRA e os CÉUS.”vemos aqui um uso flexível da palavra “dia” para expressar unidades de tempo de duração variada Ou seja o inteiro período das seis unidades de tempo, ou “dias” criativos, dedicado à preparação do planeta Terra, é resumido num único todo-abrangente “dia”.
    Visto que Moisés escreveu o livro de Gênesis “depois” dos acontecimentos descrito e do ponto de vista de um humano ele usou o termo dia para descrever tais períodos criativos.
    Mas voltando a questão você não acha que se o sétimo dia mencionado lá relacionado ao termino das obras criativas de Deus fosse realmente um dia de 24 horas o texto deveria dizer: “Houve tarde e manhã”( NOVA BÍBLIA VIVA)
    e foi a tarde e a manhã( ALMEIDA) SÉTIMO DIA.
    A ausência de tal expressão é uma prova CLARA para qualquer pessoa honesta que esse dia(repouso) estaria em progressão ATÉ que o propósito de Deus para a terra e o homem se tornasse uma realidade.
    Você disse: Mesmo porque entram em contradição com João 5:18, onde Jesus disse que “Meu Pai TRABALHA até agora”. Ora, se Ele TRABALHA, como é que está num processo de descanso?
    Se a senhora tivesse entendido a minha explicação não faria tal pergunta.
    O descanso de Jeová se relaciona a suas obras criativas,e de fato depois do homem Deus de fato não criou mais nada com relação a isso,temos os animais segundo as suas especies,etc etc..
    Mas ele estar trabalhando meu amor PARA LEVAR A TERMINO O SEU PROPOSITO ORIGINAL PARA O HOMEM E A TERRA.
    Vamos minha clara Creinha é simples de entender.
    Depois doa mil anos quanto toda terra for transformada em um paraíso cheia de humanos adorando e servindo a Jeová conforme aconteceria durante o sétimo “dia” se Adão e eva não tivessem pecado então Deus dirá: ” E Veio a ser tarde e manhã SÉTIMO DIA.
    Resumo:

    objetivo do sétimo dia. é explicado em Gênesis 2:3: “Deus passou a abençoar o sétimo dia e a fazê-lo sagrado.” Esse dia foi ‘feito sagrado’ — santificado, ou colocado à parte, por Jeová — para concretizar o Seu propósito. Esse propósito é que a Terra seja habitada por homens e mulheres obedientes que tomarão conta dela e de todas as suas formas de vida. (Gên. 1:28) É na realização desse propósito que tanto Jeová Deus como Jesus Cristo, o “Senhor do sábado”, têm “estado trabalhando até agora”. (Mat. 12:8) O dia de descanso de Deus prosseguirá até que Seu objetivo com relação a esse descanso tenha sido plenamente alcançado no fim do Reinado Milenar de Cristo.

    Curtir

  • I am Jw  On 12 de fevereiro de 2014 at 11:57

    Acho bom mesmo, Queruvin. Não creio que os adventistas vão abrir mão do apego à doutrina sabatista. A doutrina deles está amarrada com o nome da denominação religiosa. Pode ter mil argumentos contra, mas não vai adiantar. Quanto mais quando quem está defendendo a doutrina é alguém que tem alguma proeminência dentre os membros da denominação.

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 12 de fevereiro de 2014 at 11:58

    Poxa Cesar Fernandes que pergunta em ? um verdadeiro Xeque-mate.
    “Nós” “entramos” no descanso que já terminou?
    A visão adventista é muito limitada sobre esse tema,apesar de ser o fundamento de tal movimento,resta para eles dizerem que esse descanso é a gurda semanal do sábado.
    Fico com a explicação das Testemunhas de Jeová,faz muito mais sentido!

    Curtir

  • I am Jw  On 12 de fevereiro de 2014 at 12:30

    Queruvin, veja a informação no endereço abaixo, de um site adventista, relacionado com a participação desta denominação no nazismo.

    http://www.adventistas.com/outubro/art1710993.htm

    Interessante é que no final do artigo o autor da página questiona de que lado ficará a LIDERANÇA DA IGREJA ADVENTISTA quando, segundo acreditam, surgir o último ditador do mundo, que eles nomeiam como anticristo.

    Fico abismado de saber que tantas religiões tem culpa de sangue perante Deus pelo apoio ao Terceiro Reich.

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 12 de fevereiro de 2014 at 12:35

    Prezado Marcelo veja a sutil diferença nos dois textos: Pois passou a fazer-te sair de lá com mão forte e braço estendido. É POR ISSO isso que Jeová, teu Deus, TE MANDOU OBSERVAR O DIA DE SÁBADO o dia de sábado.

    em seis dias fez Jeová os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há, e no sétimo dia passou a descansar. É por isso que Jeová abençoou o dia de sábado e passou a fazê-lo sagrado.Nessa segunda declaração temos a afirmação de um fato a saber que Jeová “abençoou e fez sagrado” mas não diz É POR ISSO que Deus te manda observar.conforme já expliquei aqui o sétimo dia da semana era uma copia em miniatura do sábado da criação e mesmo que ele fosse um memorial da criação também isso nada tem a ver com uma guarda literal de um dia de 24 horas por toda eternidade.
    Moisés podia usar perfeitamente o exemplo de algo ocorrido no Éden (ainda que o que tenha acontecido era algo muito mais grandioso) como incentivo para aqueles Judeus então guardar aquela nova observância.

    Curtir

  • Marcelo  On 12 de fevereiro de 2014 at 13:02

    Clébio

    Fico feliz que a dieta esteja te beneficiando. E muito obrigado pelos votos! Certamente desejo o mesmo em relação a ti.

    Sugiro que visite o nosso site jw.org. Poderá entender melhor sobre as nossas doutrinas por acessar este link.

    Se desejar, pode solicitar um estudo bíblico. Mesmo que já seja versado nas escrituras o estudo pode te beneficiar, nem que seja para você ter certeza de que o que agente ensina é bobagem e reforçar as tuas crenças. Poderá fazer uma análise por conhecer as TJ pela boca e atitude das TJ.

    Poderá encontrar aqui um salão do reino perto da sua casa, e poderá nos visitar. Estou certo de que será muito bem vindo e vai perder qualquer preconceito que por ventura tenha.

    Um abraço,

    Curtir

  • Marcelo  On 12 de fevereiro de 2014 at 13:05

    Creinha

    Por favor releia a réplica, pois estes pontos foram replicados sim.

    Curtir

  • Marcelo  On 12 de fevereiro de 2014 at 13:09

    Cara Creinha

    Nenhum texto diz que o sábado é um memorial da criação. Esta é a sua interpretação, o texto não é taxativo neste ponto. Veja o motivo claro aqui.

    Curtir

  • Marcelo  On 12 de fevereiro de 2014 at 13:15

    Creinha

    Já foi falado que os princípios por traz da lei continuam.

    Quando pergutaram pra Jesus qual o maior mandamento, ele citou o primeiro e ainda um segundo mais importantes, que vieram da dita “lei cerimonial”. Agora, se a lei cerimonial acabou, ficamos sem a obrigação de amar a Jeová de todo o coração? Ou ao próximo como a nós mesmos?

    “Que isto nunca aconteça!”

    Note, que tanto os que defendem a extinsão dos 10m continuam a respeitar o princípio dos mesmos, quanto os que defendem o fim da “lei cerimonial” continuam a guardar alguns mandamentos/princípios da mesma (amor a deus, próximo, dízimo).

    Portanto, não é relamente um argumento válido.

    Curtir

  • Marcelo  On 12 de fevereiro de 2014 at 13:22

    Sérgio

    OK, mas e a frase “ANTIGA ALIANÇA. Dez Mandamentos escritos em duas tabuas de pedra. Ele já existia antes do Monte Sinai”. De onde vem esta evidência, visto que o texto que tu citou mostra o contrário do que argumentou?

    Curtir

  • Gibe  On 12 de fevereiro de 2014 at 14:18

    Até porque Deus não precisa literalmente descansar.

    Isaías 40:28 “Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o SENHOR, o Criador dos fins da terra, nem se cansa, nem se fatiga? Não se pode esquadrinhar o seu entendimento.”

    João Ferreira de Almeida Revista e Atualizada

    Então tanto a Creinha como outros defensores da guarda do sábado deveriam atentar para tais textos e harmonizá-los com o texto de Gênesis e ver que suas explicações são sem nexo

    Curtir

  • Bruno  On 12 de fevereiro de 2014 at 14:32

    Creinha quando você diz que Deus descansou literalmente após o período criativo, você discorda da própria Bíblia. Isaías 40: 28 diz: Acaso não vieste a saber ou não ouviste? Jeová, o Criador das extremidades* da terra, é Deus por tempo indefinido. Ele não se cansa nem se fatiga. Não se esquadrinha o seu entendimento.

    Devo lembrar que toda escritura é DIVINAMENTE INSPIRADA ( 2 Tim 3:16 Almeida) então nada melhor do que deixar a Bíblia interpreta-la ao invés de especular ou puxar sardinha para determinado lado, afinal em um debate Bíblico ela é a Autoridade.

    Curtir

  • Clébio  On 12 de fevereiro de 2014 at 14:35

    Gibe, não use texto fora do contexto, isso é pretexto. Compare todos os textos sobre o assunto e verás o erro que está cometendo sem fazer uma análise lógica e real do caso em discussão. Quando analisamos um texto, devemos também analisar todo o contexto, ou seja, antes e depois, afim de que tenhamos uma análise mais correta do que o autor quer nos demonstrar. Daí então use a hermenêutica biblica para justicar seu posicionamento, pois só assim conseguirar ter uma idéia exata do tema. Espero ter ajudado! Abçs.

    Curtir

  • I am Jw  On 12 de fevereiro de 2014 at 14:42

    Clebio, já que Creinha não respondeu até agora, lanço pra você a pergunta: Em que momento Adão ficou sabendo da obrigação de guardar o sábado semanal?

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de fevereiro de 2014 at 14:42

    O texto em nada mudou o assunto. Deus “não se cansa” é doído para vocês não? Vocês entendem que Deus teve que “descançar” como se estivesse cançado! O texto citado pelo Gibe é mais um que lança luz sobre o MESMO ASSUNTO. Essa conversa de que as Testemunhas de Jeová citam textos fora do contexto é a maior tolice que já ouvi. As Testemunhas de Jeová foram usadas por Deus para escrever a Bíblia, como é que elas vão citar algo que não esteja na Bíblia? (Isaias 43:10-12) Fora do contexto é afirmar por exemplo, que temos que guardar o sétimo dia e usar para isso textos escritos séculos antes de Cristo, que é o que os Adventistas caturras fazem.

    Curtir

  • I am Jw  On 12 de fevereiro de 2014 at 14:45

    Mudando um pouco a pergunta para o Clebio: de que forma Adão tomou ciência da obrigação de guardar o sábado semanal?

    Curtir

  • Gibe  On 12 de fevereiro de 2014 at 14:45

    Desculpe, Clébio, mas quem desconsidera o contexto não somos nós. Por exemplo, falando com um adventista eu li pra ele o texto de Gálatas 3:24-25, ele disse que eu deveria ler todo o capítulo 03 deste mesmo livro. No entanto, quando foi pra ele defender sua doutrina ele apenas leu Mateus 5:17. Engraçado, ele não leu todo o capítulo 05 de Mateus. E mesmo assim ainda eu refutei-o e o mesmo não soube me replicar. Então, não fale o que não sabe. Abçs.

    Curtir

  • Clébio  On 12 de fevereiro de 2014 at 14:45

    Caro amigo e irmão Marcelo,

    Agradeço ao convite e que o Arquiteto do Universo abençoe a ti e sua família ricamente.

    De igual modo estamos com nossas igrejas abertas para recebê-los e será um prazer tê-los também compartilhando a mesma fé naquele que em breve há de vir.

    Abçs!!!!!

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de fevereiro de 2014 at 14:50

    Se ele soubesse já teria respondido e ela jamais responderá essa pergunta com base nas Escrituras Sagradas, visto que a Bíblia não diz NADA DISSO. Isso é invenção duma chamada “profetiza” que é considerada por muitos adventistas como inspirada da mesma forma que os servos de Deus da antiguidade, chamada Ellen G. White.

    Curtir

  • I am Jw  On 12 de fevereiro de 2014 at 14:54

    Clébio, me responda também: de que forma Adão poderia guardar o sábado, enquanto estava no jardim do Éden?

    Curtir

  • Clébio  On 12 de fevereiro de 2014 at 15:06

    Queruvim,
    Você disse: ” As testemunhas de Jeová foram usadas por Deus para escrever a Bíblia…”!!!!! Achei que as Testemunhas de Jeová foi fundada por Charles Taze Russell, em 1872. Então quer dizer que antes não existia a Bíblia? Onde está escrito que as Testemunhas de Jeová foram usadas para escrever os textos Sagrados?

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de fevereiro de 2014 at 15:08

    Deixei um texto para ler e nele verá o porquê.Contudo, este não é o assunto desta página. Então ficaria muito feliz se respondesse a pergunta que te propuseram. 🙂

    Curtir

  • DREJAH  On 12 de fevereiro de 2014 at 15:12

    Por que, então a Lei ? Ela foi ACRESCENTADA para tornar manifestas as nossas TRANSGRESSÕES. ATÉ que chegasse o descendente a quem se fizera a promessa. E ELA (A LEI) foi TRANSMITIDA por intermédio de ANJOS, pela mão dum MEDIADOR.” Gál 3 : 19

    1 _ Se a Lei foi ACRESCENTADA para tornar manifestas as TRANSGRESSÕES jamais poderia ter sido dada a ADÃO QUE ERA PERFEITO. E se foi ACRESCENTADA é por que ainda NÃO EXISTIA.

    2 _ A LEI foi TRANSMITIDA por intermédio de ANJOS
    Não foi o CRIADOR lá no Éden que deu a LEI a ADÃO.

    3 _ A LEI veio a EXISTÊNCIA pela MÃO dum MEDIADOR
    chamado MOISÉS.

    4 _ ATÉ que chegasse o descendente a quem se fizera a promessa. A Lei teria UM TEMPO DE DURAÇÃO, ou seja, ATÉ QUE CHEGASSE O DESCENDENTE. (Jesus Cristo )

    Curtir

  • I am Jw  On 12 de fevereiro de 2014 at 15:20

    Os servos de Deus do passado eram suas testemunhas, dentre os quais alguns foram usados para escrever os livros que hoje formam a Bíblia Sagrada. Acho que você nem notou o texto que Queruvin mencionou (Isaías 43:10-12).

    Mas, pergunto novamente a você Clébio: de que forma Adão tomou ciência da obrigação de guardar o sábado semanal?

    Curtir

  • Bossanova  On 12 de fevereiro de 2014 at 15:20

    O método usado pelo Gibe esta firmemente alicerçado. Por exemplo, abra a Bíblia em Romanos, capítulo 9. Verá ali um notável exemplo de que o fiel cristão Paulo usava o mesmo método. Apenas naquele capítulo, Paulo cita onze vezes de outras partes da Bíblia. Algum crítico talvez até mesmo acuse Paulo de “pular de um lado para outro” em larga escala. Começando com o primeiro livro da Bíblia, ele pula para o 39.° livro, antes de continuar com o 2.°, o 28.°, e, finalmente, o 23.°

    As citações se encontram em Romanos, capítulo 9, versículos 7 (Gênesis 21:12), 9 (Gênesis 18:14), 12 (Gênesis 25:23), 13 (Malaquias 1:2, 3), 15 (Êxodo 33:19), 17 (Êxodo 9:16), 25 (Oséias 2:23), 26 (Oséias 1:10), 27, 28 (Isaías 10:22, 23), 29 (Isaías 1:9) e 33 (Isaías 28:16).

    Perceba que isso é deixar a bíblia de interpretar. Ele analisou todo o contexto e contribuiu com um texto importante para o que se estava analisando.

    Isso não ocorreu por exemplo, quando uma outra pessoa aqui, postou um comentário citando Hebreu 4:3,4. Se essa pessoa tivesse lido o contexto, perceberia que ela havia cometido um grande erro…

    Ao escrever aos cristãos hebreus, Paulo manifestou sua preocupação de que alguns deles não estavam cooperando com o propósito progressivo de Deus. (Hebreus 4:1.) Como assim? Ironicamente, tinha a ver com a observância da Lei mosaica. Por uns 1.500 anos, todo israelita que desejasse viver em harmonia com o propósito de Deus tinha de seguir a Lei. No entanto, com a morte de Jesus, a Lei foi tirada do caminho. Alguns cristãos não reconheciam isso, insistindo em continuar a observar certos preceitos da Lei.

    Para os cristãos decididos a seguir a Lei, Paulo explicou que o sumo sacerdócio de Jesus, o novo pacto e o templo espiritual eram superiores aos seus equivalentes pré-cristãos. (Heb. 7:26-28; 8:7-10; 9:11, 12) Assim, provavelmente pensando na guarda do sábado semanal sob a Lei, Paulo escreveu o seguinte sobre o privilégio de entrar no dia de descanso de Jeová: “Resta um descanso sabático para o povo de Deus. Porque o homem que entrou no descanso de Deus descansou também das suas próprias obras, assim como Deus das suas.” (Heb. 4:8-10) Aqueles cristãos hebreus tinham de parar de pensar que poderiam ganhar a aprovação de Jeová por meio de obras baseadas na Lei mosaica. Desde o Pentecostes de 33 EC, Deus concede generosamente seu favor aos que exercem fé em Jesus Cristo.

    O que impediu os israelitas nos dias de Moisés de entrar na Terra Prometida? A desobediência. O que impedia alguns cristãos nos dias de Paulo de entrar no descanso de Deus? O mesmo: a desobediência. Eles não reconheceram que a Lei havia servido ao seu objetivo e que Jeová estava agora conduzindo seu povo numa direção diferente.

    Curtir

  • Clébio  On 12 de fevereiro de 2014 at 15:22

    I am Jw

    Entenda uma coisa, a Bíblia começa da seguinte maneira:

    “No princípio, criou Deus os céus e a terra”. Quando a seqüência de fatos, que se seguiram a este verso, terminou, ou seja, após a completa criação da Terra e de todo ser vivente, Deus instituiu a ordem e as leis que regeriam este mundo.
    Uma das ordens mencionadas nesse capítulo da Criação era a guarda do Sétimo Dia, o Sábado, como memorial da Criação e para o descanso das atividades físicas do homem.
    Está escrito nas Sagradas Escrituras:

    “E, havendo Deus terminado no dia sétimo a sua obra, que fizera, descansou nesse dia de toda a sua obra que tinha feito. E abençoou Deus o dia sétimo e o santificou; porque nele descansou de toda a obra que, como Criador, fizera” Gênesis 2. 2-3

    Quando Deus terminou sua criação, não havia Judeus, nem qualquer outra religião.
    Havia somente Adão e Eva, seguidores do Deus vivo. Portanto, o Sábado foi dado para o homem e não para um povo determinado. Isto também é confirmado nas palavra de Jesus
    em Marcos 2. 27.

    O Sábado, ou descanso semanal, foi instituído por Deus junto com as outras Leis, que revelavam sua vontade e demonstraram a ordem que rege o universo. Não fosse assim, o roubo, o adultério, o assassinato e outros atos maus não seriam pecados, até Deus dar a Lei escrita em pedra para Moisés. Porém, não é isto o que nos ensina a história de Caim e Abel. Caim foi condenado por quebrar o 6º mandamento de Deus.
    Leia este verso:

    “Viu Deus a terra e eis que estava corrompida; porque todo o ser vivente havia corrompido o seu caminho na terra.” Gênesis 6:12

    Para que a terra fosse achada em falta e corrompida nos tempos de Noé, haveria necessidade de um padrão para dizer se o homem estava no caminho bom ou mau.

    Veja também em Isaias

    “2-Bem-aventurado o homem que fizer isto, e o filho do homem que lançar mão disto: que se abstém de profanar o sábado, e guarda a sua mão de cometer o mal.
    3- E não fale o estrangeiro, que se houver unido ao Senhor, dizendo: Certamente o Senhor me separará do seu povo; nem tampouco diga o eunuco: Eis que eu sou uma árvore seca.
    4- Pois assim diz o Senhor a respeito dos eunucos que guardam os meus sábados, e escolhem as coisas que me agradam, e abraçam o meu pacto:
    5- Dar-lhes-ei na minha casa e dentro dos meus muros um memorial e um nome melhor do que o de filhos e filhas; um nome eterno darei a cada um deles, que nunca se apagará.
    6- E aos estrangeiros, que se unirem ao Senhor, para o servirem, e para amarem o nome do Senhor, sendo deste modo servos seus, todos os que guardarem o sábado, não o profanando, e os que abraçarem o meu pacto,” Isaias 56:2-6

    Portanto, a Lei foi dada para a humanidade, independentemente de sua época ou de seu nome. Medite nisso um pouco!!!! Espero ter ajudado….abçs.

    Curtir

  • Bruno  On 12 de fevereiro de 2014 at 15:24

    Texto fora do contexto ?! Oo é primeira vez que vejo uma pessoa dizer algo tão absurdo! Leia 2 Tim 3:16.

    Curtir

  • DREJAH  On 12 de fevereiro de 2014 at 15:26

    Gê 2:3 Jeová passou a repousar no sétimo dia. _ Isso é um fato !!!

    Mas a questão é : Qual o TEMPO do DIA do repouso de Jeová ???

    Vejamos o contexto Bíblico sobre a palavra DIA.

    Gê 1: 4, 5 a palavra DIA refere-se a claridade do dia. (período de 12h).

    Gê 2: 4 a palavra DIA refere-se a milhares de anos.

    Gê 5: 1,2 a palavra DIA refere-se ao TEMPO em que Adão e Eva foram criados.

    1 Pe 3: 8 a palavra DIA refere-se a 1000 (MIL) ANOS.

    Visto que o Sr. Azenilton diz que Deus não tinha dado a Adão os Dez Mandamentos com a ordem de descansar um dia de 24 horas. Como ele provaria na Bíblia que este dia em que Deus descançou é um DIA de 24 HORAS ??? E onde está escrito que Deus deu esta ordem de Guardar o sábado de 24 horas a Adão ???

    Curtir

  • Clébio  On 12 de fevereiro de 2014 at 15:29

    Então você quer dizer que só vocês Testemunhas de Jeová que são servos do Deus vivo? Isso significa dizer que os demais cristãos, inclusive aqueles perseguidos e martirizados não são testemunhas de Deus? Amigo, com sinceridade, tenho a seguinte convicção: para mim independente de ser Testemunha de Jeová ou não, Deus tem fiés em todas as religiões cristãs, um dia serão chamados a conhecer e a obedecerem aos mandamentos eternos e a receberem a graça divinda – a vida eterna.

    Curtir

  • Bruno  On 12 de fevereiro de 2014 at 15:41

    Se os Cristãos devem guardar o sábado me explique esses dois textos:

    Colossenses 2: 16,17 Portanto, nenhum homem vos julgue pelo comer ou pelo beber, ou com respeito a uma festividade ou à observância da lua nova ou dum sábado; pois estas coisas são sombra das coisas vindouras, mas a realidade pertence ao Cristo.

    Efésios 2: 15 Por meio de sua carne, ele aboliu a inimizade, a Lei de mandamentos, consistindo em decretos, para que dos dois povos, em união consigo mesmo, criasse um novo homem e fizesse paz…

    Outra coisa a quem Adão ia matar, roubar e com quem adulterar se só existia ele de Homem na terra?

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de fevereiro de 2014 at 15:43

    Clebio, leia com atenção durante alguns dias este artigo e considere cada texto e deixe a Bíblia te dar a resposta. quero ressaltar que o tema da página aqui é outro.

    Curtir

  • SonnyZ  On 12 de fevereiro de 2014 at 15:47

    Depois de tanto blá blá blá, gostei quando o senhor Azenilto disse:.
    “2ª. RAZÃO POR QUE O SÁBADO SE APLICA AOS CRISTÃOS: …”

    Finalmente o senhor Azenilto me fará usar a bíblia!
    Ao meu ver, as coisas irão pra frente dessa vez.

    Ancioso pela resposta do Sr. Apologista!

    Curtir

  • I am Jw  On 12 de fevereiro de 2014 at 15:51

    Clébio, com todo respeito pela sua pessoa, mas a pergunta não foi respondida. Tampouco Gênesis 2:2, 3 se trata de uma ordem, mas sim de uma declaração. Poderia mostrar pra nós que parte deste texto mostra que Adão recebeu ciência da obrigação de guardar o sábado?

    Curtir

  • Clébio  On 12 de fevereiro de 2014 at 15:58

    Amigo Bruno, graça e paz!

    Respondendo ao seu questionamento.

    Será que o texto de Colossenses 2.16-17 aboliu o Sábado?

    Eis o texto:

    “Ninguém, pois, vos julgue por causa de comida e bebida, ou dia de festa, ou lua nova, ou sábados, porque tudo isso tem sido sombra das coisas que haviam de vir; porém, o corpo é de Cristo.”

    Esta é uma pergunta muito comum, porém devemos nos lembrar de que, no Sinai, além dos Dez Mandamentos, (eternos, como já vimos) Deus deu a seu povo uma série de Leis que visavam o bem-estar físico de cada pessoa e de toda a comunidade.

    Essas Leis tratavam de assuntos diversos como sacrifícios, coisas imundas, ofertas por pecados, como assentar acampamentos e até onde enterrar os dejetos humanos.
    O objetivo dessas Leis era educar o povo. Através delas, Deus também estabeleceu sete dias anuais de descanso (feriados), também chamados de sábados.

    O próprio nome sábado quer dizer descanso.
    Esses feriados estavam relacionados com o dia da festa das trombetas, do tabernáculo, com o dia da expiação, etc. Eram sábados móveis, pois caiam, a cada ano, em um dia diferente; ao passo que o Sábado do Decálogo era comemorado sempre no sétimo dia da semana.

    Ao morrer na cruz, Cristo aboliu todo o sistema de sacrifícios e de festas religiosas, os quais tinham por objetivo apontar para ele, o Cordeiro de Deus.
    Todas as festas e cerimônias judaicas eram apenas uma “sombra”, uma imagem do que seria o sacrifício de Cristo por nós. Prova disto é que quando Jesus morreu, o véu do templo, que separava o lugar Santo do Santíssimo se rasgou(Mc 15:38), mostrando que o sacrifício de Cristo estava feito. O Sábado semanal não tem nada a ver com os sábados cerimoniais.

    Leia o capitulo(Colossenses 2) todo com atenção e você verá que Paulo esta falando de tradições e leis cerimoniais judaicas, não dos dez mandamentos nem tampouco do Sábado semanal.

    Como já vimos, o Sábado semanal foi guardado e ensinado por Jesus, e, segundo a Bíblia, terá validade até o final dos tempos.

    “Porque, como os novos céus e a nova terra, que hei de fazer, estarão diante de mim, diz o Senhor, assim há de estar a vossa posteridade e o vosso nome. E será que, de uma Festa da Lua Nova à outra e de um sábado a outro, virá toda carne a adorar perante mim, diz o Senhor.” Isaías 66.22-23

    “Não penseis que vim revogar a Lei ou os profetas; não vim para revogar, vim para cumprir. Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra.” Mateus 5.17-18.

    Em Lucas 16:17, ainda acrescenta: “e é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til da lei”.

    Lembre-se: A Bíblia é uma só. E o Deus que a inspirou é o mesmo desde o princípio e por toda a eternidade. Se, durante toda a história do mundo, o Sábado, ou sétimo dia, foi separado para honra, louvor e adoração a Deus, por que, de uma hora para outra, Deus iria mudá-lo, em um único versículo, que tem interpretação duvidosa?

    Não teria ele inspirado Paulo, Pedro ou Lucas para nos fazer um sermão mais adequado sobre uma mudança de tamanha importância?

    Lembre-se:
    O sábado faz parte de uma Lei maior.

    Curtir

  • Bruno  On 12 de fevereiro de 2014 at 16:01

    A questão não é que só as Testemunhas de Jeová servem ao Criador e Deus Todo-Poderoso (Salmos 83:18; Exodô 6:3) e que os servos de Deus no passado eram chamados de suas Testemunhas, ou seja aqueles que saiam em defesa dele, (Isaías 43:12) até mesmo Jesus é chamado de Testemunha Fiel. (Apo 1:5).

    Curtir

  • Clébio  On 12 de fevereiro de 2014 at 16:02

    Vou ler sim, com maior prazer. Obrigado!
    Amanhã retornaremos aos debates!!!!!!
    Abçs!!

    Curtir

  • I am Jw  On 12 de fevereiro de 2014 at 16:10

    Outra coisa que eu gostaria que você analisasse com carinho, Clébio: você mencionou Marcos 2:27, que mostra que “o sábado veio à existência por causa do homem”, corretíssima esta afirmação. Veja as consequências desta afirmação:

    1) Antes da criação do homem o sábado NÃO EXISTIA.
    2) Não existindo o sábado, quando Deus concebeu o homem não havia como o homem herdar em sua natureza, na sua consciência, algo relacionado com guarda de um sábado.

    Note que o restante dos 10 Mandamentos são reflexo de princípios imutáveis de moral que Deus sempre teve, afinal, Deus não muda. O ser humano foi dotado desses princípios. Mas não se pode dizer o mesmo do requisito da guarda do sábado, pois este requisito passou a existir POR CAUSA do homem e APÓS a criação do homem. O registro bíblico é bem claro neste sentido.

    Entendeu Clébio?

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de fevereiro de 2014 at 16:12

    Clébio … disse:

    Esta é uma pergunta muito comum, porém devemos nos lembrar de que, no Sinai, além dos Dez Mandamentos, (eternos, como já vimos) Deus deu a seu povo uma série de Leis que visavam o bem-estar físico de cada pessoa e de toda a comunidade.

    O decálogo não é um mandamento eterno de forma alguma. Foi apagado e substituído pela Lei do Cristo. Depois de dizer que “fomos exonerados da Lei”, Paulo se referiu a um dos Dez Mandamentos. (Romanos 7:6, 7) Assim, os Dez Mandamentos — incluindo a lei do sábado — fazem parte da Lei que foi abolida. Portanto, os adoradores de Deus não têm mais a obrigação de guardar um sábado semanal. quer algo mais claro do que isso?

    Parece que a mesma ladainha está gravada na mente de alguns adventistas como se fosse por um “ferro de marcar”. Vou começar a mandar para lixeira comentários aqui. Será que vamos ter que ficar refutando vez após vez as mesmas coisas?

    Curtir

  • SERGIO  On 12 de fevereiro de 2014 at 16:45

    Bruno,

    Outra coisa a quem Adão ia matar, roubar e com quem adulterar se só existia ele de Homem na terra?

    Antes do pecado os 10 mandamentos eram representados pela arvore do fruto proibido.

    Curtir

  • nicinho  On 12 de fevereiro de 2014 at 16:53

    clebio então me diz uma coisa pra ver se eu entendi seu ponto de vista em relação ao sabado todas as outras leis foram abolidas com exceção dos 10 mandamentos então nesse caso eu poderia comer carne de porco?
    Afinal não estavam entre os 10 mandamentos

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 12 de fevereiro de 2014 at 16:58

    A questão aqui é simples: Os adventistas além de não entenderem a diferença entre o sábado como sétimo dia da semana e o sábado da criação mencionado em Gênesis eles se esquecem que quem tem o direito de decidi que leis devem ser tiradas do caminho do seu povo e quais devem continuar é próprio Jeová.
    Adventistas ,a lei que era composta por mais de 600 requisitos tinha como núcleo ou parte principal “as dez palavras”,mas todas de igual peso e validade.
    Quando a bíblia diz que a lei findou ela se refere a toda ela como código.
    Significa isso que, uma vez que os cristãos não estão sob os Dez Mandamentos, não precisam obedecer a lei alguma? De modo algum. Jesus instituiu um “novo pacto”, baseado no sacrifício melhor de sua própria vida humana perfeita. Os cristãos vêm a estar sob este novo pacto e estão sujeitos às leis cristãs. (Hebreus 8:7-13; Lucas 22:20) Muitas dessas leis foram tiradas da lei de Moisés. Isso não é inesperado ou incomum. Algo similar muitas vezes acontece quando um novo governo assume o controle do país. A constituição sob o antigo governo talvez seja cancelada e substituída, mas a nova constituição talvez conserve muitas das leis da antiga. De modo similar, o pacto da Lei acabou, mas muitas de suas leis e princípios básicos foram adotados no cristianismo.
    E isso não se refere apenas as leis contidas nos dez mandamentos.
    Por Exemplo: A lei dizia: “Não deve fazer em ti tatuagem”…essa ordem fazia parte da chamada lei “cerimonial” que os adventistas admite que findaram.No entanto podemos dizer que es a Lei AINDA se aplica aqueles que querem agradar a Deus.
    Veja que interessante: A maioria das leis propostas nas dez palavras foram repetidas no chamado novo testamento.
    Note como esse é o caso ao ler os Dez Mandamentos , e, daí, compare-os com as seguintes leis e ensinamentos cristãos: “É a Jeová, teu Deus, que tens de adorar.” (Mateus 4:10; 1 Coríntios 10:20-22) “Guardai-vos dos ídolos.” (1 João 5:21; 1 Coríntios 10:14) “Nosso Pai nos céus, santificado [não tratado dum modo fútil] seja o teu nome.” (Mateus 6:9) “Filhos, sede obedientes aos vossos pais.” (Efésios 6:1, 2) E a Bíblia torna claro que o assassinato, o adultério, o roubo, a mentira e a cobiça também são contrários à lei cristã. — Revelação 21:8; 1 João 3:15; Hebreus 13:4; 1 Tessalonicenses 4:3-7; Efésios 4:25, 28; 1 Coríntios 6:9-11; Lucas 12:15; Colossenses 3:5.
    Agora eu pergunto aos amigos adventistas:
    Não é estanho que somente o sábado não tenha sido mencionado como obrigação no novo testamento?
    Embora os cristãos não estejam sob a ordem de guardar um sábado semanal, aprendemos algo desse arranjo. Os israelitas descansavam dum modo literal, mas os cristãos devem descansar dum modo espiritual. Como? Por causa da fé e obediência os verdadeiros cristãos deixam de praticar obras egoístas. Estas obras egoístas incluem os empenhos de estabelecer a sua própria justiça. (Hebreus 4:10) Este descanso espiritual é observado não apenas num dia por semana, mas em todos os sete dias. O requisito da lei do sábado literal, de reservar um dia para interesses espirituais, protegia os israelitas contra usarem egoistamente todo o seu tempo no empenho em prol de sua própria vantagem material. Aplicar este princípio todo dia dum modo espiritual é uma proteção ainda mais eficaz contra o materialismo.
    Que pena que os meus irmãos adventistas não consigam entender essas verdades.

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 12 de fevereiro de 2014 at 17:11

    Assim como a maioria dos adventistas o senhor Clebio insiste em afirmar que o sábados mencionados no texto não inclui o semanal ele disse:
    “Leia o capitulo(Colossenses 2) todo com atenção e você verá que Paulo esta falando de tradições e leis cerimoniais judaicas, não dos dez mandamentos nem tampouco do Sábado semanal.”
    Mas veja um detalhe:
    Neste texto de Cl.2:16-18, onde Paulo refere-se ao Sábado semanal como incluídas nas coisas efêmeras da Lei que terminaram com a morte de Cristo na estaca de tortura , algumas pessoas como o senhor Clebio costumam argumentar que a palavra “Sábado” não se refere ao sábado semanal, mas aos anuais ou cerimoniais de Lv.23. Mais ai eu pergunto: Os sábados anuais ou cerimoniais não já estavam j incluídos na expressão “dias de festa”?

    Curtir

  • ethym  On 12 de fevereiro de 2014 at 17:35

    meu Deus que absurdo!! depois de tantos argumentos de que o sábado foi abolido. mais o xeque-mate está nesse texto…leia com atenção!! Efésios 2:15.15 “Por meio de sua carne, ele aboliu a inimizade, a Lei de mandamentos, consistindo em decretos, para que dos dois povos, em união consigo mesmo, criasse um novo homem e fizesse paz”
    observou? a lei de mandamentos…ou as leis de ordenanças. ou simplesmente os DEZ MANDAMENTOS..

    Curtir

  • Azenilto G. Brito  On 12 de fevereiro de 2014 at 18:46

    Olá, Paulo

    Sua premissa básica é de que o sábado é cerimonial. Está errado. O sábado é mandamento dado por Deus solenemente, de modo muito especial, pronunciado audivelmente por Ele ao povo, escrito por Ele nas tábuas de pedra, o que não se aplica a NADA de caráter cerimonial. E depois de tal pronunciamento, é dito que Ele “nada acrescentou” (Deut. 5:22). Incluir regras cerimoniais a esse código tão especialmente outorgado por Deus, como se formassem um só pacote legislativo, tudo abolido no “está consumado” é ir “além do que está escrito” (1 Cor. 4:6).

    E por que o sábado é MANDAMENTO MORAL? O que indica isso? É o fato de que trata com SANTIDADE, assim como o 3o. Mandamento diz que não devemos proferir o nome de Deus em vão. O que há de santo nas letras d-e-u-s e sua combinação? Nada. O que importa é o que REPRESENTA tal conjunto de letras formando um nome que lembra Aquele que é absolutamente Santo. Então por isso a regra quanto a Seu nome é Mandamento Moral.

    O sábado trata do TEMPO SANTO, como separado por Deus desde o princípio. Logo, tem a ver com SANTIDADE também, por isso é preceito MORAL, não cerimonial.

    Há um texto do Prof. Azenilto muito interessante onde ele mostra que Moisés apenas atuou como um “office-boy” no Sinai, pois apenas trouxe do monte uma cópia do discurso de Deus. Nada há nas tábuas de pedra de caráter cerimonial, nem da redação de Moisés.

    Quanto a Atos 15, este capítulo pode ser considerado um tiro que sai pela culatra dos negadores do sábado para os cristãos. As 4 regras definidas são das coisas que os cristãos gentios NÃO DEVIAM PRATICAR (o sentido de “abster-se”), e não de práticas recomendadas. E se o sábado está AUSENTE dessas regras alistadas é porque não pairavam dúvidas a respeito de sua validade para todos.

    Curtir

  • SERGIO  On 12 de fevereiro de 2014 at 18:48

    GÁLATAS 3:19:
    “Qual, pois, a razão de ser da lei? Foi adicionada por causa da transgressão, até que viesse o descendente a quem se fez a promessa, e foi promulgada Por meio de anjos, pela mão de um mediador”.

    LEI ADICIONADA? A lei CERIMONIAL. PRIMEIRA ALIANÇA: Santuário terrestre e sangue de animais.HEBREUS 9:1 e 9:7. Sacrificios de animais que apontavam para a morte de Jesus na cruz. Foi ADICIONADA por causa da transgressão de Adão e Eva no Jardim do Éden, Gênesis 3:1-6. Caso não houvesse acontecido a transgressão, a lei cerimonial não seria criada, Jesus não teria vindo para salvar a humanidade e o Jardim do Éden ainda existiria.

    “Qual, pois, a razão de ser da lei?…”

    Para que nós tivéssemos uma segunda chance. Gênesis 3:21, e sermos participantes da NOVA ALIANÇA, Dez mandamentos escritos no coração. Jeremias 31: 31-34 e Hebreus 8: 8-12.

    GÁLATAS 3:23:
    “Mas, antes que viesse a fé, estávamos sob a tutela da lei e nela encerrados, para essa fé que, de futuro, haveria de revelar-se”.

    “Mas antes que viesse a fé”

    -Mas antes que viesse o Messias.

    “estávamos sob a tutela da lei e nela encerrados”

    -Estávamos protegidos da morte pela lei cerimonial, um animal era morto em nosso lugar.

    “para essa fé, que de futuro, haveria de revelar-se”

    -Aguardávamos a chegada do Messias vindouro para ratificar com sua morte os nossos sacrifícios.

    GÁLATAS 3:24:
    “De maneira que a lei nos serviu de aio para nos conduzir a Cristo, a fim de que fôssemos justificados por fé.”

    De maneira que a lei cerimonial nos serviu de didática, de estudo, de sombra para nos levar ao verdadeiro Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.

    GÁLATAS 3:25:
    “Mas, tendo vindo a fé, já não permanecemos subordinados ao aio.”

    Mas tendo vindo o descendente da promessa findou: PRIMEIRA ALIANÇA: Santuário terrestre e sangue de animais.HEBREUS 9:1 e 9:7.

    Curtir

  • SERGIO  On 12 de fevereiro de 2014 at 18:50

    COLOSSENSES 2:16-17:
    “Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados(CERIMONIAS).”
    “Que são SOMBRAS das coisas futuras, mas o CORPO é de Cristo (NÃO É MAIS O CORPO DE ANIMAIS).”

    Curtir

  • Marcelo  On 12 de fevereiro de 2014 at 18:51

    Sergio

    Ele fala tanto em tinta como em tábua. O argumento em favor da divisão das leis normalmente gira em torno de tábua e livro e dedo de deus e tinta.

    Então… parece que no texto a seguir inclue as duas leis.

    “Porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo, ministrada por nós, e escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração.”

    Curtir

  • Marcelo  On 12 de fevereiro de 2014 at 18:53

    Angelo
    Estou aguardando a resposta da pergunta feita em “Em 11 de fevereiro de 2014 às 22:56”. Por favor responda de forma simples e cite o meu nome porque os comentários estão desorganizados.

    Curtir

  • Marcelo  On 12 de fevereiro de 2014 at 19:20

    O segundo argumento baseia-se no texto:

    Mateus 22:36-40

    “Instrutor, qual é o maior mandamento na LEI?” Disse-lhe: “‘Tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua mente.’ Este é o maior e primeiro mandamento. (Deuteronômio 6:5 – NÃO É 10 MANDAMENTOS MAS É LEI) O segundo, semelhante a este, é: ‘Tens de amar o teu próximo como a ti mesmo.’ (Levítico 19:18- NÃO É 10 MANDAMENTOS MAS É LEI) Destes dois mandamentos dependem toda a LEI e os PROFETAS.”+

    Vejam que este argumento já nasce morto.

    Nós não podemos nos emocionar ao ler a palavra LEI ou MANDAMENTOS.

    Se alguém baseia a observação da lei no fato de que amar a Deus depende TODA A LEI, que assim o faça, e obedeça a cada mandamento desta LEI. Mas não lhe escapem o fato de que a LEI, segundo o próprio Jesus vai além dos 10 mandamentos.

    Portanto, se quiserem entender que tem que observar toda a lei, com base no texto acima, não podem se esquivar de guardar a dita “lei cerimonial”, pois ela está incluída na LEI. E nem mesmo qualquer palavra que um PROFETA falou pode ser esquecida, pois para amar a Jeová de todo o coração e o próximo como a si mesmo é preciso observar todas as palavras faladas pelos profetas.

    Curtir

  • Marcelo  On 12 de fevereiro de 2014 at 19:40

    Alguém já pesquisou por “margaret MacDonald” no watch tower library? Nos influenciou tantou que nem aparece lá.

    Curtir

  • Marcelo  On 12 de fevereiro de 2014 at 19:49

    Gen 9:6 – À “humanidade” (Noé e família) é dada a lei de não matar.

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de fevereiro de 2014 at 20:37

    Você Sr Azenilto foi o primeiro a se desviar do assunto tanto no post quanto nos comentários. Se fosse em um debate na TV deitaria e rolaria com frases curtas cheias de acusações.Iria querer externar toda a oposição inútil contra os verdadeiros cristãos.Na TV ninguém vai te agarrar e colocar uma mordaça enquanto dispara um metralhadora giratória típica dos opositores das TJ. Mas aqui na minha página, calúnia e difamação não funciona. Eu simplesmente modero. É meu direito para a vossa tristeza e desespero. É por isso que os verdadeiros cristãos são exortados a evitarem debates na TV ou em público. Se houvesse um moderador do seu lado teria que ter arma de dar Choque iguais as usadas pela polícia se quisesse evitar o desvio de tema. 🙂 Agora presta atenção Sr Azenilto, quem é esse tal de YahWeh que nem vcs sequer invocam e jamais ví um adventista usar este nome na conversa diária ou adoração? Quer dar uma impressão que usa este nome? Você pode até usar aqui nesta página mas ao falarmos com seus irmãos de fé JAMAIS OUVIMOS TAL NOME na conversa regular que temos com eles. Sobre o envolvimento na guerra, se vcs se mesclan na política partidária, apoiam governos, se apoiam governos humanos, apoiam ditaduras, isto explica porque se apoiaram o Nacional Socialismo. Jesus não deu este exemplo (João 6:15) Caso se instaurasse uma ditadura no Brasil,(felizmente algo improvável por enquanto) do tipo da ditadura que assola a Síria, estou convicto de que vcs estariam atolados até o pescoço em vista do namoro com governos humanos claramente documentado por historiadores e a prória IASD.Na verdade, Adolf Hitler recebeu apoio explícito de clérigos cristãos, católicos e luteranos. Entre as pequenas seitas, os Adventistas do Sétimo Dia e as Novas Igrejas Apostólicas estavam entre os mais ardorosos defensores do Nacional-Socialismo, desde muito antes que Hitler chegasse ao poder.” – http://www.adventistas.com/agosto2005/iasd_nazista.htm Isso nada tem que ver com links, mas com a história de um povo que diz seguir a Cristo só da boca para fora. Mas a história já tratou de demonstrar a força de vossa argumetação.

    DOCUMENTOS COMPROVAM O APOIO A HITLER DA PARTE DA IASD DURANTE A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL.

    Curtir

  • Francimar  On 12 de fevereiro de 2014 at 20:45

    Deut. 5:15: “Tens de lembrar-te de que te [Israel] tornaste escravo na terra do Egito e que Jeová, teu Deus, passou a fazer-te sair de lá com mão forte e braço estendido. É por isso que Jeová, teu Deus, te mandou observar o dia de sábado.” (Jeová relaciona aqui o dar ele a lei do sábado com a libertação de Israel da escravidão no Egito, não com eventos no Éden.)
    aqui fica claro que essa lei não foi dada Adão

    Curtir

  • Marcelo  On 12 de fevereiro de 2014 at 20:55

    “SERGIO Em 9 de fevereiro de 2014 às 0:05 – QUATRO ALIANÇAS – TABELA DE CONVERSÃO”

    Quatro alianças? Não são quatro, são duas! A nova e a velha.

    Heb 8:13 – 9
    Ao dizer “um novo [pacto]”, tornou obsoleto* o anterior.+ Ora, aquilo que se torna obsoleto e fica velho está prestes a desaparecer.

    Então, o [pacto] anterior, da sua parte, costumava ter ordenanças de serviço sagrado+ e o [seu] mundano* lugar santo.+ 2 Porque se construiu um primeiro [compartimento de] tenda,+ em que havia o candelabro,+ e também a mesa+ e a exposição dos pães;*+ e este é chamado de “Lugar Santo”.+ 3 Mas, atrás da segunda cortina+ havia o [compartimento de] tenda chamado de “Santíssimo”.*+ 4 Este continha um incensário+ de ouro e a arca do pacto,+ toda recoberta de ouro,+ na qual havia o jarro de ouro com o maná+ e a vara de Arão, que brotara,+ e as tábuas+ do pacto;* 5 mas, por cima dela havia os querubins+ gloriosos encobrindo a [tampa] propiciatória.*+ Agora, porém, não é ocasião para se falar destas coisas em pormenores.

    Veja Sergio, por favor, VEJA, que o texto fala de um pacto, que costumava ter ordenaças de serviço sagrado (sacrifícios).

    O PACTO não era o “sangue de animais” mas sim, o costume que acompanhava o PACTO.
    Fala-se também das TÁBUAS DO PACTO, ou seja, o mesmo pacto que abraçava como costume os sacrifícios. Não são dois pactos. E o que aconteceria com o PACTO?

    O primeiro versículo deixa bem claro.

    Curtir

  • Gilcimar Lobato  On 12 de fevereiro de 2014 at 21:07

    Pode mencionar cada mandamento da lei de Cristo e sua fonte escriturística ?
    Pode responder se todos os mandamentos e preceitos da “Lei de Moisés” foram Abolidos ?
    Ficarei no aguardo…!

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de fevereiro de 2014 at 21:37

    Romanos 6:15-18 mostra que pela Lei do Cristo temos que seguir não a Lei Mosaica com seus 600 mandamentos inclusive o decálogo, antes, somos escravos “da justiça” diz Paulo. Ou seja, seguimos princípios tais como o amor e a justiça. O que é “a lei do Cristo”? Essa lei engloba tudo que Jesus ensinou e ordenou. Inclui especialmente o mandamento de ‘amar uns aos outros’. — João 13:34. Com o fim do antigo pacto da Lei entrou em vigor um “novo pacto” com sua “lei do Cristo”, que todos os servos atuais de Jeová têm a obrigação de acatar. — Lucas 22:20; Gálatas 6:2; Hebreus 8:7-13.
    Jeová não fez “a lei do Cristo” ser assentada na forma dum código, organizado em diversas categorias, como se fez com o antigo pacto da Lei. Esta nova lei para os seguidores de Cristo não inclui uma extensa lista do que se deve e do que não se deve fazer. No entanto, Jeová preservou na sua Palavra quatro relatos abrangentes da vida e dos ensinos de seu Filho. Além disso, Deus inspirou alguns dos primeiros seguidores de Jesus a fornecer instruções escritas referentes ao comportamento pessoal, a assuntos congregacionais, à conduta dentro da família e a outros assuntos. (1 Coríntios 6:18; 14:26-35; Efésios 5:21-33; Hebreus 10:24, 25) fonte iT

    Curtir

  • Gilcimar Lobato  On 12 de fevereiro de 2014 at 21:45

    Tem certeza que não precisamos seguir nenhum mandamento ou preceito da Lei de Moisés ?

    Dá uma lida nestes dois mandamentos da Lei de Moisés lidas pelo doutor da Lei em Lucas 10:26-27 . Estes foram também abolidos ?

    Estes preceitos da Lei em Mateus 23:23 também foram abolidos ?

    Este mandamento da Lei de Moisés( Marcos 7:10) ensinado por Jesus foi também abolido ?

    Se foi por uqe Paulo incentivou a prática do mesmo para os gentios e Judeus em Efesos ?
    Será que a Lei de Cristo é uma , a de Jeová é outra e a de Moisés é outra ?

    E a Lei real de Tiago 2: 8 ?

    Por favor , nos esclarecem , pois tá muito mal explicado teus argumentos e muito confusos considerando os relatos Bíblicos apresentados ..

    Não desvie mas responda ponto por ponto , Ok ?

    Abraços..!

    Curtir

  • Freitas  On 12 de fevereiro de 2014 at 21:54

    Deut. 5:22 “…E não acrescentou nada; após isso as escreveu em duas tábuas de pedra e mas deu.”

    Um outro Paulo, um exímio erudito da lei, aluno do respeitadíssimo professor Gamaliel, que sabia muito mais da graça do que qualquer um de nós e que era profeta( não nos moldes de E.G.White) e possuía muito mais dons espirituais do que nós, o mesmo que disse ter sido “mais zeloso da lei” do que quaisquer de seus contemporâneos se referiu a este mesmíssimo acontecimento que agora se refere o atual professor da lei sabática. Só que, imaginem, não bate de jeito nenhum com o que ele disse:

    2 coríntios 7:11 ” Se o código que administra a morte e que foi gravado com letras em pedras…..havia de ser eliminado”

    Será que ESTE PAULO pode estar errado, nobre professor?

    Porque ele diz que o que estava nas pedras seria eliminado?

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de fevereiro de 2014 at 22:00

    não precisamos seguir nenhum mandamento ou preceito da Lei de Moisés ?

    Isso não é exatamente o que estamos dizendo. Sua pergunta é uma distorção do que estamos dizendo com base na Bíblia. É obvio que na nova aliança muitas das Leis anteriores foram ratificadas. Ratificar significa repetir ou reafirmar uma lei de outrora.

    Paulo sob inspiração afirmou que Cristo é “o fim da Lei”(Rom. 10:4)Acha que Paulo estava isolando alguma parte? Ele se referia ao inteiro código da Lei com seus mais de 600 mandamentos. Foram removidos e substituídos pela Lei do Cristo. Algo similar muitas vezes acontece quando um novo governo assume o controle do país. A constituição sob o antigo governo talvez seja cancelada e substituída, mas a nova constituição talvez conserve muitas das leis da antiga. De modo similar, o pacto da Lei acabou, mas muitas de suas leis e princípios básicos foram adotados no cristianismo.

    Curtir

  • Marcelo  On 12 de fevereiro de 2014 at 22:14

    Mateus 23:23

    23 “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque dais o décimo+ da hortelã, e do endro, e do cominho, mas desconsiderastes os assuntos mais importantes da Lei, a saber, a justiça,+ a misericórdia+ e a fidelidade.*+ Estas eram as coisas obrigatórias a fazer, sem, contudo, desconsiderar as outras.

    Queruvim

    Dei uma comparada nas versões e muitas vertem semelhante a TNM, dizendo que DEVIAM ter feito, mas outras dizem DEVEM fazer. O texto tem esta flexibilidade no verbo ou realmente significa passado, sendo assim um tiro no pé de quem usa este texto?

    Aliás, diz ali que as coisas mais importantes da MESMA lei, ou seja uma só…

    Curtir

  • Freitas  On 12 de fevereiro de 2014 at 22:25

    Gilcimar, baseado no que queruvim disse abaixo

    E a lei do sábado? onde Jesus disse que se DEVERIA guardar?

    Curtir

  • Gilcimar Lobato  On 12 de fevereiro de 2014 at 22:26

    Será que Paulo quis dizer que Cristo é o fim da lei no sentido de termino ?
    Não houve uma repetição da lei mas uma continuação de muitos mandamentos pois quando estes são mencionados a Fonte Escriturística é o AT visto ainda não ter sido o NT Escrito…
    Até a Lei Régia é observado segundo a escritura da lei que vocês dizem ter sido abolido…( Tiago 2:8)
    Depois é eu que sou acusado de estar distorcendo as escrituras…
    Para o mesmo Povo que você julga ter Paulo dito que o termino da Lei é Cristo ele mesmo disse a estes que os que Ouvem apenas a Lei não são Justos diante de Deus mas o que praticam a lei serão justificados..( Romanos 2:13)
    Se o fim da lei é Cristo indica término logo Romanos 8:7 não teria sentido pois se ninguém precisa mais observar uma lei terminada não temos obrigação de ser sujeitos a Lei de Deus…
    Pior ,como poderia ser o pecado transgressão da Lei se esta tinha sido terminada ? ( 1 João 3:4 )
    Quando João disse isso ainda não tinha sido escrito ainda o NT…
    vamos por aqui porque já me acusaram de estar distorcendo as escrituras quando na verdade só faço perguntas…
    Logo vão me atacar mais profundamente..
    Obrigado pela tentativa de resposta ..
    Abraços..!

    Curtir

  • Azenilto G. Brito  On 12 de fevereiro de 2014 at 22:45

    Ops, esclareço que o texto acima, de devia sair com o nome de Creinha Reis, saiu no de Azenilto Brito porque foi usado o meu computador, já que ela é pessoa da família com quem tenho constante contato.

    Quero evitar entrar nas discussões paralelas, mas pretendo cobrir todos esses pontos levantados pela “tropa de choque” TJ que aqui encontramos, sobretudo os inúmeros argumentos tipicamente DISPENSACIONALISTAS, que se caracterizam pela falta de entendimento do sentido de LEI e CONCERTO. Isso pretendemos explicar eventualmente.

    Apenas quero dizer ao Freitas que 2a. Coríntios cap. 3 é um dos meus PREDILETOS para esclarecer esse ponto do sábado sob o Novo Pacto. Pode até surpreender-se, mas lhe garanto que utilizar este capítulo contra o sábado é um ‘TIRO’ INTERPRETATIVO QUE SAI PELA CULATRA.

    Se não surgirem “surpresas” e manipulações que levem a encerrar este debate antes de podermos cobrir todas as nossas 5 ou 6 razões que temos para justificar por que o sábado se aplica aos cristãos e à Igreja, vamos analisar detidamente esse capítulo tão mal compreendido pelos dispensacionalistas, sejam seguidores da “tradição de Russell” ou de outras tradições.

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de fevereiro de 2014 at 22:49

    Será que Paulo quis dizer que Cristo é o fim da lei no sentido de termino ?

    Claro que sim, pois usou a palavra grega TÉLOS que significa fim completo.

    Curtir

  • Gibe  On 12 de fevereiro de 2014 at 22:56

    Gilcimar, você nem ao menos sabe de cronologia. Você disse: “( 1 João 3:4 )
    Quando João disse isso ainda não tinha sido escrito ainda o NT…”. Você está equivocado, pois João escreveu estas palavras no ano 98 EC. Só para você saber as últimas cartas escritas no NT são as de João.

    Curtir

  • Bruno  On 12 de fevereiro de 2014 at 23:02

    Gilcimar você disse: Logo vão me atacar mais profundamente… O que estamos a debater é a palavra de Deus a Bíblia não suas ações, não encare questionamentos e contra-argumentos como um ataque.

    Curtir

  • Gilcimar Lobato  On 12 de fevereiro de 2014 at 23:09

    Se a Lei terminou porque Paulo disse ao mesmo Povo que os que apenas ouvem a Lei não são Justos diante de Deus mas os que praticam a Lei hão de ser Justificados ? ( Romanos 2:13)
    Por que ele disse que a Lei é boa quando utilizado de modo legitimo ?
    Como uma lei terminada de sua vigência seria Util ?
    Não estou entendendo …
    O próprio Paulo incentivou a observância de um de seus mandamentos em Efesios 6:2-3 ?
    Por que a Lei régia seria observada segundo a escritura de uma lei terminada ou completada ?
    Não esta bem explicado…
    Vou desistir….
    Abraços..!

    Curtir

  • Gilcimar Lobato  On 12 de fevereiro de 2014 at 23:14

    Tudo bem , então parem de dizer que estou distorcendo alguma coisa quando na verdade só faço perguntas e não afirmo nada contra aquilo que vocês disseram..
    Tem moderação isso aqui para ver isso ?
    Por que não respondam diretamente o que eu pergunto em vez de atribuir alguma coisa a minha pessoa ?
    Estou quase desistindo disso…
    Infelizmente achei que pudesse aprender alguma coisa com vocês..
    Lamento a dificuldades de vocês..
    Não se preocupe não , eu vou orar por vocês..
    Abraços..!

    Curtir

  • Paulo  On 12 de fevereiro de 2014 at 23:15

    Oi Drejah! Tudo bem? Cumprimentos cristãos! Boas observações as suas.
    Curioso também que o “sétimo dia” de Jeová já tem durado milhares de anos.
    Sabe me dizer se bombeiros podem ser adventistas sabatistas, ou se salva-vidas ou cirurgiões podem ser sabatistas também?
    Existe algum manual com milhares de regras sobre o que se pode ou não pode fazer, num sábado, para os adventistas?
    Imagine como era complicado para os judeus observar o sábado semanal, e eles não tinham a vida moderna e agitada das civilizações atuais, como seria se todos os cristãos estivessem na obrigatoriedade de guardar o sábado semanal?
    Só algumas palavras para reflexão, meu irmão! Tudo de bom!

    Curtir

  • Gilcimar Lobato  On 12 de fevereiro de 2014 at 23:17

    Apenas disse que nesta época não tinha NT ainda..
    Podem provar que na época de 1 João 3: 4 já tinha alguma porção do NT circulando ?
    Paulo fazia suas pregações utilizando o VT segundo Atos 28:23…
    O nobre povo bereano confirmava nestas escrituras ( VT) as pregações de Paulo ( Atos 17:11…
    tentem responder sobre João primeiro..!

    Curtir

  • Gilcimar Lobato  On 12 de fevereiro de 2014 at 23:19

    Não falo de quando ele escreveu mas de que Não tinha nenhuma porção do NT e esta carta de João foi considerada parte da Biblia bem depois disso..
    Ou seja, João falava segundo o VT…
    Paulo confirmou isso dizendo que onde não Há lei não há Transgressão.. Romanos 4:15….

    Curtir

  • Bruno  On 12 de fevereiro de 2014 at 23:26

    Se Deus descansou literalmente Isaías 40: 28 então está incorreto?

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de fevereiro de 2014 at 23:27

    Apenas disse que nesta época não tinha NT ainda..


    Você não disse isso, prezado. O que você disse foi:

    como poderia ser o pecado transgressão da Lei se esta tinha sido terminada ? ( 1 João 3:4 )
    Quando João disse isso ainda não tinha sido escrito ainda o NT…

    Curtir

  • Paulo  On 12 de fevereiro de 2014 at 23:30

    Muito bom, Marcelo!
    Guardar um sábado semanal é aceitável para nossos amigos adventistas, mas circuncisão nem pensar, né?
    Quem quiser guardar a Lei mosaica vai rejeitar a Lei de Cristo, sendo justificado por obras da Lei mosaica e não pela fé em Cristo, e obrigatoriamente terá de ser circuncidado em sua carne. (Aiiii!!!!, isso deve doer!)
    O objetivo dos judeus opositores dos apóstolos, no primeiro século, era atrair a si os discípulos, por convencê-los de que tinham de ser circuncidados e de que deviam guardar a Lei mosaica.
    Hoje vemos uma atitude similar, quando se trata da guarda do sábado semanal, porém sem a intenção de se submeter a uma circuncisão carnal.

    Curtir

  • August Dickmann  On 12 de fevereiro de 2014 at 23:30

    Boa noite a todos,
    Segue uma reflexão sobre o Sábado X Circuncisão.

    * Realmente não há texto que comprove que o sábado era um mandamento (ou “SELO”) ANTES da Lei de Moisés, MAS, todos sabemos que a Circuncisão sim, esta foi implantada por Jeová ANTES da Lei mosaica, por intermédio do patriarca Abraão (assim como o sábado ela era perpétua/tempo indefinido) e foi considerada como um “SELO” (Rom 4:11).

    Guardar o Sábado X Circuncidar
    Jesus afirmou que os judeus deixavam a “guarda” do importantíssimo sábado por causa da “Circuncisão”, isto à coloca em um grau mais elevado, como “prioridade” (João 7:22-23). Jesus fez uma comparação favorável (um paralelo) entre essa “quebra” do sábado pela circuncisão e a sua cura realizada neste dia, percebe-se que ambas as situações (que quebram o sábado) são “aprovadas”, por isso Cristo as comparou em seu argumento (ver também Mt 12:5).

    Guardar o sábado X untar o senhor Jesus
    Diferente do caso citado anteriormente, na morte de nosso senhor Jesus (uma situação extrema para todos na época) as mulheres Não “quebraram” o sábado (Lc 23:56), pois os cristãos AINDA estavam habituados a este preceito, mas por causa disso deveríamos nós guarda-lo atualmente?????
    Resposta: Não!!!
    Pois, DO MESMO MODO, alguns cristãos AINDA estavam apegados à Circuncisão (Gal 2:12), mas nem por isso devemos nos circuncidar hoje em dia. Só para se ter uma idéia da dificuldade de largar tal preceito, ATÉ mesmo Paulo após ter plena certeza da lei do Cristo teve que circuncidar Timóteo (Atos 16:3), e mais, ele tinha alguns COOPERADORES que AINDA ERAM da circuncisão (Col 4:11).

    Mesmo a circuncisão sendo esta importante aliança, um “selo” ANTERIOR à Lei Mosaica (e superior ao sábado) ela foi “abolida” assim como as outras ordenanças (2Cor 3:7-11, Ef 2:13-16, Rom 7:6-7, 10:4), pois a “Aliança” do Cristo é muito superior, confirmando assim as palavras do apóstolo em Hebreus 8:6 “Agora, porém, o ministério que Jesus recebeu é SUPERIOR ao deles, ASSIM COMO TAMBÉM a ALIANÇA da qual ele é mediador é SUPERIOR à ANTIGA, sendo baseada em promessas superiores.”

    Outra situação mais profunda e curiosa é que mesmo estando inclusa na “lei escrita”, Paulo à cita e ainda à DISTINGUE da própria “Lei escrita” (que à engloba junto ao sábado), lembrando que ambas são “alianças” entre Deus e seu povo, vejamos:
    “Aquele que não é circuncidado fisicamente, mas obedece à lei, condenará você que, TENDO a LEI ESCRITA E A CIRCUNCISÃO, é transgressor da lei.” (Rom 2:27).
    Com esse texto em mente Suponhamos que além da circuncisão a guarda do sábado também foi implantada ao homem antes de Moisés (Conforme os Adventistas afirmam), veremos que “AMBAS” teriam sido RE-Confirmadas na “Lei escrita”, e INEVITAVELMENTE após a “nova aliança” do Cristo foram INCLUÍDAS nos preceitos que eram “Sombras das coisas vindouras” (Col 2:16-17) sem esta tal distinção entre “moral x cerimonial”.

    Dois textos para refletir…
    “Não! Judeu é quem o é INTERIORMENTE, e circuncisão é a operada no CORAÇÃO, pelo Espírito, E NÃO pela LEI ESCRITA. Para estes o louvor NÃO PROVEM DOS HOMENS, mas de Deus.” Romanos 2:29.

    “Gostaria de saber apenas uma coisa: foi pela prática da lei que vocês receberam o Espírito, ou pela fé naquilo que ouviram?”
    Galatas 3:2

    Curtir

  • Queruvim  On 12 de fevereiro de 2014 at 23:35

    Na sua mente quando Paulo fala a palavra “lei’ tu achas que ele quer dizer “dez mandamentos” ou “lei Mosaica”? Não é assim naõ. Paulo usa a palavra se referindo a lei como princípio; quando se refere a Lei de Moisés ele costuma usar um artigo antes e a TNM diferencia por usar letra maiúscula. Assim: Lei e não “lei”.

    Curtir

  • Marcelo  On 12 de fevereiro de 2014 at 23:37

    Gilcimar

    Mesma pergunta pra ti, visto que a lei régia é está na verdade dentro do grupo que vocês chamam de lei cerimonial:

    “Por que a Lei régia seria observada segundo a escritura de uma lei terminada ou completada ?”

    Curtir

  • Freitas  On 12 de fevereiro de 2014 at 23:37

    Acho que ele está pensando que o NT é um código legislativo semelhante aos dez mandamentos(rs).
    Os princípios de amor embutidos na lei permanecem “na lei de um povo livre”( Tiago 2: 12).

    Se alguém disser que o sábado era uma demonstração de AMOR A DEUS está correto, mas para os cristãos isso deve ser praticado diariamente.

    Se alguém ensinar que o sábado era para ser dedicado à obra de Deus está correto mas para os cristão essa dedicação deve ser diariamente.

    Se alguém disser que o sábado era para se fazer coisas boas ao próximo é aceitável, mas no cristianismo isso deveria ser uma regra diária.

    ´É aceitável se alguém quer realizar um trabalho missionário no sábado, mas no cristianismo TODAS AS COISAS realizadas no sábado deveriam ser um modo de vida diário.

    Ou seja, o dia perdeu a importância para a finalidade, a obra perdeu o sentido para a fé e o amor, a santidade do dia perdeu o sentido para a santidade da pessoa.

    Todos os dias é um sábado para um verdadeiro cristão.

    Ou seja, “cristo é o fim da lei” mas o precursor do princípio.

    Até então ninguém entendia o princípio e apenas “praticavam” a lei.
    Os adventistas estão no meio termo porque ainda guardam o dia e julgam outros que não guardam.

    A santidade do dia

    Curtir

  • Freitas  On 12 de fevereiro de 2014 at 23:48

    “Podem provar que na época de João já tinha alguma porção do NT circulando?”

    Sim, podemos

    Leia Colossences 4:16

    Curtir

  • DREJAH  On 13 de fevereiro de 2014 at 1:32

    Grande Brother !!! Tudo Bem Paulo ? Você me fez lembrar de uma matéria que o Apologista da Verdade postou recentemente sobre este mesmo assunto e nesta matéria ele cita Ex 20:10 que a lei da guarda do sábado não permitia que NINGUÉM prestasse serviço ao observador do sábado: “Nem teu filho, nem tua filha, nem teu escravo, nem tua escrava, nem teu animal doméstico, nem teu residente forasteiro que está dentro dos teus portões”. Então companhias de água e esgoto, de energia elétrica, de emissoras de televisão, quando pegam um ônibus ou um táxi. Fazendo com que esses recursos cheguem até as casas das pessoas. Assim, desfrutar de quaisquer desses recursos no sábado equivaleria a receber a prestação de serviços dos que estão atuando nesses setores, violando o referido mandamento A guarda do sábado (como das demais leis) era um requisito nacional, observado pela inteira nação. Desse modo, os proponentes do Decálogo realmente não guardam NENHUM dos mandamentos do Decálogo!!! http://oapologistadaverdade.blogspot.com.br/

    Prazer em revê-lo e Firmes na Guerra Espiritual __ DREJAH

    Só algumas palavras para reflexão, meu irmão! Tudo de Bom !

    OBS: Tô mandando lembre-se que sou “UM MODERADOR HEIM” KKKKKKK

    Curtir

  • Saga  On 13 de fevereiro de 2014 at 1:59

    Não é uma contradição.

    Deuteronômio 5:14,15
    14 Mas o sétimo dia é um sábado para Jeová, teu Deus. […] 15 E tens de lembrar-te de que te tornaste escravo na terra do Egito e que Jeová, teu Deus, passou a fazer-te sair de lá com mão forte e braço estendido. É POR ISSO QUE Jeová, teu Deus, TE MANDOU OBSERVAR o dia de sábado.

    Os Israelitas foram mandados observarem o sábado POR CAUSA do Êxodo.

    (Êxodo 20:11) 11 Pois em seis dias fez Jeová os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há, e no sétimo dia passou a descansar. É POR ISSO QUE JEOVÁ ABENÇOOU o dia de sábado E PASSOU A FAZÊ-LO SAGRADO

    O sábado era um dia abençoado POR JEOVÁ ter passado a descansar o sétimo dia da criação.

    Um texto explica porque os judeus deviam guardar um dia de descanso semanal e o outro texto explica porque Deus escolheu o sábado e não outro dia qualquer para ser tal dia de descanso na semana. Eles guardavam um dia na semana por causa do Êxodo. e este dia foi o sábado [sétimo dia da semana] para remeter ao sétimo dia criativo, que Deus sacralizou.

    O segundo motivo é para DEUS, o primeiro motivo é para homens. Os homens guardavam o sábado por motivo do Êxodo.

    Curtir

  • Saga  On 13 de fevereiro de 2014 at 2:18

    Queruvim: “Agora presta atenção Sr Azenilto, quem é esse tal de YahWeh que nem vcs sequer invocam e jamais ví um adventista usar este nome na conversa diária ou adoração? […] ao falarmos com seus irmãos de fé JAMAIS OUVIMOS TAL NOME na conversa regular que temos com eles”

    Também nunca vi. Mas já vi muitas vezes menção a uma expressão chamada “Assim diz o Senhor”, por outro lado, “Assim diz Yahweh” eu nunca vi. o livro da profetisa que eu tinha, dei uma lida e não lembro de ver escrito isso lá. O tetragrama, por formas diferentes que forem, são usados muito ocasionalmente por adventistas, é quase nunca, depende muito do contexto e do assunto,

    Neste caso especifico, eu creio que o Azenilton usou esse “Yahweh” apenas para cutucar você Queruvim, sabendo que você é testemunha de “Jeová” ele pronunciou esse “Yahweh” como implicância, como que dizendo “Jeová está errado, o correto é Yahweh”. Veja só….católicos, já vi muitos fazendo isso, em textos sobre TJs do nada, eles viram usurários do nome divino! Também Em obras de referência evangélicas, os escritores ficam pagina após página sem mencionar o nome divino, mas chega numa entrada que se sinta forçada a fazer referência a “Jeová” do nada eles se tornam usuários de “Javé” ou “Yahweh”, aparentemente como forma de se opor as TJs por meio de uma birrinha infantil.

    Curtir

  • Marcelo  On 13 de fevereiro de 2014 at 7:02

    “Então, por que olhas para o argueiro no olho do teu irmão, mas não tomas em consideração a trave no teu próprio olho?” – Mateus 7:3

    Curtir

  • Marcelo  On 13 de fevereiro de 2014 at 7:08

    Gilcimar

    Mesma pergunta pra ti, visto que a lei régia é está na verdade dentro do grupo que vocês chamam de lei cerimonial:

    “Por que a Lei régia seria observada segundo a escritura de uma lei terminada ou completada ?”

    “Então, por que olhas para o argueiro no olho do teu irmão, mas não tomas em consideração a trave no teu próprio olho?” – Mateus 7:3

    Curtir

  • Clébio  On 13 de fevereiro de 2014 at 7:46

    nicinho, respondendo à sua pergunta, vou te pedir para ler Exodo 20. Onde está escrito nos 10 mandamentos a proibição de comer carne de porco? Leia a Bíblia!!!

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 13 de fevereiro de 2014 at 9:19

    Gilcimar outra coisa que percebo entre os adventistas é que eles fazem questão de desconsiderar o fator “tempo” com relação aos preceitos da lai.
    Enquanto o senhor Jesus estava na terra pregando e ensinando a inteira lei AINDA vigorava e Jesus jamais podia pregar contra essa lei pois isso seria apostasia,enquanto ela vigorasse ela seria o padrão a ser obedecido.
    Se você observa as palavras de cristo em mateus 23:23 notará isso;
    De acordo com a lei de Deus em levitico 27:30 e Numeros 18:12 Deuteronomio 14:22-23 era exigido o pagamento de certas ervas,frutos,vinho,azeite etc
    Agora note o comentario de Jesus no texto: ” DEVEIS ,porém fazer estas cousas( pagar as ervas exigida na lei) sem omitir aquelas”
    Ou seja Jesus apregoou que TODA a lei deveria ser obedecida enquanto ela vigorasse.Levou tempo para os cristãos entenderem perfeitamente essa “mudança” de pacto e lei.Mas mesmo nas referencias a lei no novo testamento você nunca verá isso associado ao sábado semanal.você verá o “adulterio” o assasinato e outros mas nunca esses escritores cristão se quer falam do sábado,tipo:”Lembrai-vos do mandamento a saber tens de guardar o meu sábado’.
    Não estaria o grande Legislador preparando a mente daqueles para o fim dessa observância?

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 13 de fevereiro de 2014 at 9:25

    Poderá observar no meu comentário que na verdade nos dias de Jesus “toda lei ainda vigorava”,portanto acredito oque ele quis dizer é isso mesmo “DEVEM”.

    Curtir

  • I am Jw  On 13 de fevereiro de 2014 at 9:48

    Queruvin, sabe uma consequência da suposta divisão de lei moral e lei cerimonial que os adventistas ensinam? Tem a ver com a cobrança do dízimo.

    Veja, se existe essa divisão, então a cobrança do dízimo faz parte da lei cerimonial, certo? Não foi a lei cerimonial abolida, segundo eles ensinam? Então porque não cessar a cobrança do dízimo?

    Eles costumam usar como base bíblica para a cobrança do dízimo dois relatos bíblicos:

    1) Gênesis 14:18-20 – Abraão deu a Melquisedeque um décimo de tudo.
    2) Gênesis 28:20-22 – Jacó votou a Deus dar um décimo dos seus recursos.

    Contudo, esses dois relatos são simples exemplos de se dar um décimo voluntariamente. Não há registro no sentido de que Abraão ou Jacó ordenassem a seus descendentes seguir esses exemplos, promulgando assim uma prática, um costume ou uma lei religiosa. Se Jacó já estivesse sob a obrigação compulsória de pagar dízimos, o voto que fez quanto a isso teria sido supérfluo. Portanto, é evidente que o sistema do dízimo não era costume ou lei entre os primitivos hebreus. Foi instituído com a implantação do pacto da Lei, não antes.

    (Fonte: http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1200004429?q=d%C3%ADzimo&p=par)

    Veja Queruvin, se eles utilizam esta linha de raciocínio com relação ao dízimo, deveriam utilizar a mesma linha de raciocínio com relação a sacrifícios de animais, pois Abel, Noé, Abraão, Jacó e Jó ofereceram sacrifícios de animais a Deus.

    Não é este um bom assunto para ser debatido no futuro?

    Curtir

  • Jeosadá  On 13 de fevereiro de 2014 at 10:05

    Queruvim, qual a melhor tradução da palavra hebraica ‘beríth’, “Aliança”, “Pacto” ou “Concerto”?

    Ou tanto faz, é tudo sinonimo?.

    Curtir

  • SonnyZ  On 13 de fevereiro de 2014 at 10:13

    As coisas estão esquentando por aqui!
    E eu estou gostando muito.

    Os Adventistas nos comentários usam argumentos interessantes, que eu admito, me fizeram parar e pensar um pouco. Mas a refutação que vem logo em seguida nos comentários …

    Percebo que os Adventistas fazem muitas perguntas …
    Gostaria que parassem um pouco e respondesse perguntas das TJs. Só pra variar um pouco as coisas. Ta parecendo que o trabalho das TJs é só responder, responder e responder.

    Abraços !!

    Curtir

  • Paulo  On 13 de fevereiro de 2014 at 10:14

    Excelente!
    Se querem guardar o sábado, que sejam também circuncidados, e lamentavelmente rejeitarão o sacrifício resgatador de Cristo.

    Curtir

  • Vinicius Monteiro  On 13 de fevereiro de 2014 at 10:14

    Se a Lei terminou porque Paulo disse ao mesmo Povo que os que apenas ouvem a Lei não são Justos diante de Deus mas os que praticam a Lei hão de ser Justificados ? ( Romanos 2:13)

    Se você continuar lendo o relato, Paulo diz que os judeus não poderiam se jactar de ter a lei, se não cumprissem, o fato deles serem circuncidados não os tornavam melhores dos que os gentios, que apesar de não serem circuncidados cumpriam a lei. Atente aos versículos 25-29:

    A circuncisão, de fato, só é de proveito se praticares [a] lei; mas, se fores transgressor da lei, a tua circuncisão se tornou incircuncisão. Portanto, se um incircunciso guardar as exigências justas da Lei, não será a sua incircuncisão considerada como circuncisão? E o incircunciso, que é tal por natureza, executando a Lei, julgará a ti que, apesar do seu código escrito e da circuncisão, és transgressor da lei. Porque não é judeu aquele que o é por fora, nem é circuncisão aquela que a é por fora, na carne. Mas judeu é aquele que o é no íntimo, e a [sua] circuncisão é a do coração, por espírito, e não por um código escrito. O louvor desse não vem de homens, mas de Deus

    Nota que Paulo não disse que alguém se tornaria justo pela lei, mas, pelo íntimo, pela circuncisão no coração. Vá agora por favor, ao capítulo 7 versículos 4-6. No início do capítulo Paulo fala que a esposa está presa a lei de seu marido enquanto ele viver, mas, quando ele morrer, ela está livre para se casar com quem quiser. E ele usa esta ilustração para comparar com a relação dos cristãos com a lei(código escrito). Note o que ele diz:

    “Assim, meus irmãos, vós também fostes mortos para com a Lei, por intermédio do corpo do Cristo, para que vos tornásseis de outro, daquele que foi levantado dentre os mortos, a fim de que déssemos fruto para Deus. Pois, quando estávamos de acordo com a carne, as paixões pecaminosas, incitadas pela Lei, trabalhavam em nossos membros para que produzíssemos fruto para a morte. Mas agora fomos exonerados da Lei, porque morremos para com aquilo que nos segurava, para que fôssemos escravos num novo sentido, pelo espírito, e não no velho sentido, pelo código escrito.

    Paulo deixou claro que enquanto Jesus não viesse e morresse todos os servos de Deus estavam por assim dizer casados com a lei. Quando Jesus morreu, é como se tivéssemos morrido, nos livrando do compromisso da lei, mas, agora nos “casamos” com Cristo, não sendo mais escravo pela lei, mas, pelo espírito.

    Esse sempre foi o desejo de Jeová. Jeová nunca quis que obedecêssemos a lista extensa de leis, mas, que fizéssemos aquilo que o nosso amor a ele nos motivasse. Por isso Adão e Eva sabiam que matar, roubar, e outros pecados, seu amor a ele, e a sua semelhança a Deus os permitia saber que cometer tais erros magoavam a Jeová. Foi isso que motivou Noé a obedecer a Jeová, mesmo em um mundo perverso, não foi uma lei que ele recebeu, mas, seu amor a Ele. Foi isso que fez Abraão abandonar tudo, foi isso que motivou Isaque e Jacó a serem leais a Ele. José amava a Jeová, e por conhecer o arranjo do casamento criado por Ele, sabia que dormir com a esposa de faraó, O magoaria.

    Tanto é este o desejo de Jeová que ele disse em Jeremias 31:33:

    ““Pois este é o pacto que concluirei [futuro] com a casa de Israel depois daqueles dias”, é a pronunciação de Jeová. “Vou pôr a minha lei no seu íntimo e a escreverei no seu coração. E vou tornar-me seu Deus e eles mesmos se tornarão meu povo.”

    Se refere este trecho ao povo literal de Israel? Não necessariamente, veja o que o apóstolo Paulo disse em Hebreus 8: 7-10,13

    “Porque, se aquele primeiro pacto tivesse sido sem defeito, não se teria procurado lugar para um segundo; porque ele acha falta no povo quando diz: “‘Eis que vêm dias’, diz Jeová, ‘e eu concluirei um novo pacto com a casa de Israel e com a casa de Judá; não segundo o pacto que fiz com os seus antepassados no dia em que os tomei pela mão para os tirar da terra do Egito, porque não continuaram no meu pacto, de modo que parei de me importar com eles’, diz Jeová.” “‘Pois, este é o pacto que celebrarei com a casa de Israel depois daqueles dias’, diz Jeová. ‘Porei as minhas leis na sua mente e as escreverei nos seus corações. E eu me tornarei seu Deus e eles é que se tornarão meu povo. […] Ao dizer “um novo [pacto]”, tornou obsoleto o anterior. Ora, aquilo que se torna obsoleto e fica velho está prestes a desaparecer.”

    Se Jeová concluiu um novo pacto(o pacto através do Cristo), o velho(a lei de Moisés) está prestes a desaparecer. Isto significa que os cristãos podem fazer o querem? Não, por dois motivos, primeiro que o nosso amor a Jeová jamais vai permitir que o magoemos deliberadamente e segundo veja o que o apóstolo Paulo disse em Hebreus 10: 26,28-31:

    “Pois, se praticarmos o pecado deliberadamente, depois de termos recebido o conhecimento exato da verdade, não há mais nenhum sacrifício pelos pecados,”
    Qualquer homem que tiver desconsiderado a lei de Moisés morre sem compaixão, pelo testemunho de dois ou três. De quanto mais severa punição, achais, será contado digno aquele que tiver pisado o Filho de Deus e que tiver considerado de pouco valor o sangue do pacto com que foi santificado, e que tiver ultrajado com desdém o espírito de benignidade imerecida? Pois, conhecemos aquele que disse: “Minha é a vingança; eu recompensarei”; e, novamente: “Jeová julgará o seu povo.” Coisa terrível é cair nas mãos do Deus vivente.

    Veja que Paulo fez uma diferenciação do transgressor da lei de Moisés e do transgressor da lei do Cristo. Mostrando que a lei de Moisés foi abolida e agora a lei que está ‘escrita em nossos corações’ é que está valendo, e quem desobedecer esta lei, está sujeito a morte.

    Curtir

  • Vinicius Monteiro  On 13 de fevereiro de 2014 at 10:30

    Complementando o seu raciocínio deixo o texto de Ezequiel 20: 11,12.

    ““‘“E passei a dar-lhes os meus estatutos; e dei-lhes a conhecer as minhas decisões judiciais, para que o homem que continuar a cumpri-las também continue a viver por meio delas. E também lhes dei os meus sábados, para se tornarem um sinal entre mim e eles, para que soubessem que sou eu, Jeová, quem os santifica.”

    O sábado fazia parte do pacto de Israel, se Jesus aboliu o pacto como já foi explicado, a guarda de um único dia foi abolido. O sábado servia de sinal para os que guardavam o pacto, como já explicado, para que se lembrassem de Jeová e aumentassem o seu amor por ele. Se os israelitas tivessem cumprido isso de forma correta, com certeza eles não teriam sido rejeitados por Jeová. A guarda do sábado não é requisito para servir a Deus, os fariseus o guardavam e foram reprovados por Deus, os discípulos de Jesus descumpriam o sábado e se tornaram os primeiros a receber o segundo pacto.

    Curtir

  • Angelo Gabriel da Silva Silva  On 13 de fevereiro de 2014 at 10:42

    Oi Marcelo e quem disse que não guardamos? A lei moral observamos em nossa vida pela obediência aos dez mandamentos e a cerimonial nos a temos observado em Jesus Cristo pois como nosso cordeiro Ele a cumpriu, Ele era prefigurado pelo cordeiro morto diariamente e como Deus, ao morrer ele era também o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Portanto se por nossa humanidade pecaminosa desobedecemos um mandamento moral nós vamos a Deus e a ele apresentamos em nosso lugar Jesus Cristo o cordeiro por Ele provido para nós e em seu nome recebemos perdão. O pecado contra o mandamento requer o sangue da expiação a este reclamo da lei de Deus apresentamos o sangue do Senhor Jesus Cristo, Senhor nosso e Deus nosso. e Nele obtemos o perdão. Esta é hoje a mais exata prática e obediência a lei Cerimonial e nesse aspecto nós a praticamos com certeza.
    Agora por favor não continue a molestar a inteligencia de quem te le afirmando que o sábado é lei cerimonial, por favor.

    Curtir

  • Marcelo  On 13 de fevereiro de 2014 at 11:45

    Saga

    É exatamente isto que eu queria dizer, só não de modo tão simples e claro, como a tua explicação 🙂

    Curtir

  • Queruvim  On 13 de fevereiro de 2014 at 12:17

    Diminua seu post para postar colega. O outro está enorme.Me refiro a objetividade dele não tanto o tamanho.

    Curtir

  • Queruvim  On 13 de fevereiro de 2014 at 12:21

    Meus posts fora do assunto em pauta nesta página FORAM UMA RESPOSTA ao Sr Azenilto que começou ele mesmo a desviar, enviando comments sobre pedofilia,ESCATOLOGIA ETC etc. Portanto, lamento por ter entendido desta forma. Atacar a gente e a Organização de Jeová, não vai ajudar em mostrar algo inexistente na palavra de Deus, a saber, que devemos guardar o sábado.

    Olha só seu post Angelo Gabriel da Silva…eu o moderei, visto que um dos procedimentos que tenho seguido aqui nesta página é evitar comments de OPOSITORES. Não estou me referindo a críticos não! Mas pessoas cujo espírito é o de OPOR-SE independentemente da verdade. Observe seu primeiro post:

    ” Realmente não consigo entender em que eles poderiam ser beneficiados se suas crenças estão tão distante das escrituras quanto o polo norte o está do polo sul.”

    Antes mesmo de considerar algum assunto, tu postastes isso! Essa é a CONCLUSÃO a que os leitores devem chegar e não você ! Seu comentário TINHA QUE SER REMOVIDO. Você se refere as crenças das TJ de modo generalizado, o que indica seu espírito de contenda. INÁCEITÁVEL AQUI nesta página.

    Curtir

  • Queruvim  On 13 de fevereiro de 2014 at 12:36

    A palavra moderna é “pacto” as outras são escolhas de traduções da Bíblia de 500 anos atras. Arcaísmos dos preguiçosos. Esta é uma das evidências de que não traduzem a Bíblia palavra por palavra numa linguagem moderna. O significado é o mesmo. Mas pelo amor de Deus, é muito melhor você falar “soldado” do que dizer “centurião”. Esta é uma das muitas diferenças entre a TNM e o restante das versões da Bíblia feitas pelos da Cristandade.

    Curtir

  • Queruvim  On 13 de fevereiro de 2014 at 12:38

    Anota isso aí. Suas ultimas postagens tem sido iluminadas.Vamos escrever um artigo sobre isso. Junta esta pergunta com aquela que fez sobre Adão e me envia assim que puder.

    Curtir

  • SERGIO  On 13 de fevereiro de 2014 at 12:51

    Seu Marcelo:

    O santuário e os seus sacrificios foi construido por causa da nova aliança (novo pacto). E ele tem duas fases:

    PRIMEIRA ALIANÇA: Santuário terrestre e sangue de animais.
    HEBREUS 9:1 e 9:7.

    SEGUNDA ALIANÇA: Sangue de Jesus e santuário celestial.
    HEBREUS 9:12 e 9:24.

    A preocupação de Paulo era para que os hebreus é para que eles nao continuassem com os sacrificios do santuário que acabaram na cruz.

    Heb 8:13 – 9
    “Ao dizer “um novo [pacto]”, tornou obsoleto* o anterior.+ Ora, aquilo que se torna obsoleto e fica velho está prestes a desaparecer.”

    Ao dizer “um novo pacto” com a MORTE DE JESUS, tornou-se absoleto o anterior (PRIMEIRA ALIANÇA: Santuário terrestre e sangue de animais.
    HEBREUS 9:1 e 9:7).ora, aquilo que se torne obsoleto e fica velho esta prestes a envelhecer.

    “O PACTO não era o “sangue de animais” mas sim, o costume que acompanhava o PACTO.”

    o Novo pacto era acompanhado pelos sangue de animais, PARA NOS DAR UMA SEGUNDA chance.

    “Fala-se também das TÁBUAS DO PACTO, ou seja, o mesmo pacto que abraçava como costume os sacrifícios . Não são dois pactos. E o que aconteceria com o PACTO?

    TABUAS DO PACTO, não há sangue de animais e nem de Jesus, somente o sangue do pecador nao arrependido reservado para o juizo,

    O antigo pacto aparece ainda jundo com o novo pacto ate o final dos tempos, esperando a decisão de cada um. Ou voçe continua coma ela escritas em tabuas de pedra, que quer dizer condenação para os transgressores, ou coloca ela nas tabuas do coração, obediencia pela fé, por isso as duas aparecem juntas nas cenas do julgamento. APOC. 11:18-19.

    Curtir

  • I am Jw  On 13 de fevereiro de 2014 at 12:55

    Deveria ser recomendado ao Azenilto verificar no endereço http://www.jw.org/pt/noticias/casos-juridicos/por-regiao/mundo/testemunhas-de-jeova-na-prisao/ o que irmãos TJ em alguns países tem sofrido devido a esta posição de neutralidade. A posição neutra das TJ em relação à participação em guerras é amplamente reconhecida, inclusive resultando em seguidas vitórias jurídicas nos tribunais de alto escalão no mundo, gerando benefícios não só para elas, mas para todos os cidadãos em geral. Isso mostra que o entendimento das TJ sobre a neutralidade está bem esclarecido.

    Em contrapartida, os adventistas caíram na armadilha de apoiar o Terceiro Reich justamente pelo fato de não entenderem naquela época o que significa neutralidade. E hoje continuam não entendendo, pois seus membros podem participar livremente na política deste mundo, recebendo até mesmo respaldo do alto escalão da igreja, que se agarra na interpretação errônea de passagens bíblicas para justificar sua participação na política. É por isso que estão propensos a cair na mesma armadilha.

    Outra coisa: Azenilto posta suas críticas com tanta empolgação, como se isso fosse novidade pra nós. Ele não é o primeiro a dizer isso; também não será o último. Isso não nos surpreende e nem nos abala.

    Curtir

  • I am Jw  On 13 de fevereiro de 2014 at 12:57

    Bom sinal! Isso mostra que querem aprender com a gente!

    Curtir

  • Marcelo  On 13 de fevereiro de 2014 at 13:05

    Angelo

    Agora por favor não continue a molestar a inteligencia de quem te le afirmando que o sábado é lei cerimonial, por favor.

    Angelo

    Não sou eu que digo isto. Nós não fazemos distinção da lei, vocẽs fazem.

    Oi Marcelo e quem disse que não guardamos?

    Eu digo. Não dá pra resumir aqueles 600 e poucos mandamentos “cerimoniais” em exercer fé no sacrifício de Jesus. É o que o a segunda linha de argumentos de vocês (Azenilton) diz!

    Ou suas mulheres saem se isolam no dia da menstruação?

    Curtir

  • Marcelo  On 13 de fevereiro de 2014 at 13:06

    Angelo, quanto ao tamanho do post.

    É verdade, eu copiei ele na metade para ler/responder depois, pois está muito extenso. No entanto agradeço o tempo tirado na tentativa de elucidar a questão. Voltamos ao ponto assim que eu tiver tido o tempo de analisá-lo.

    Curtir

  • Marcelo  On 13 de fevereiro de 2014 at 13:13

    Vinícios

    agora fomos exonerados da Lei, porque morremos para com aquilo que nos

    Parece inútil argumentar. Infelizmente eles entendem que existem duas leis, e sem pre que fala em obedecer lei, ou mandamento eles entendem que é moral. E sempre que diz que acabou, morreu, eliminado, exonerado, eles entendem que é a lei cerimonial. Mesmo que faça menção a mandamentos da “moral” no contexto, ou “tábuas”…

    É correr em círculos. Eu estou sendo vencido pelo cansaço.

    Curtir

  • I am Jw  On 13 de fevereiro de 2014 at 13:15

    Ângelo, me diga uma coisa: a lei cerimonial acabou ou não acabou? Pergunto porque outros adventistas aqui comentaram que a lei cerimonial acabou, e você está dizendo que praticam a obediência à lei cerimonial. Não há consenso entre vocês não?

    Repetindo: a lei cerimonial foi abolida ou não?

    Curtir

  • I am Jw  On 13 de fevereiro de 2014 at 13:30

    Com prazer, Queruvin, manda pra seu e-mail. Se sim, poderia me informar teu e-mail?

    Curtir

  • I am Jw  On 13 de fevereiro de 2014 at 13:42

    Acho que não entendi a segunda razão que o Azenilto apresentou. Deixa ver se eu entendi: os cristãos devem guardar o sábado porque tem tudo a ver com o amor a Deus e ao próximo. (Mateus 22:37-39) É isso que ele quis dizer?

    Curtir

  • I am Jw  On 13 de fevereiro de 2014 at 13:43

    Não é querendo criticar não, mas que argumento fraquinho o 2º do Azenilto hein?!

    Curtir

  • Bossanova  On 13 de fevereiro de 2014 at 14:10

    Gilcimar, é muito bom ter pessoas como você aqui nesse espaço. Espero que vocẽ continue a visitar esse site após o termino desse debate. Vale lembrar, que o objetivo aqui não é mostrar quem sabe mais ou mesmo atacar um ao outro, embora por um ou outro comentário as pessoas se sintam atacadas…

    Sendo muito franco, o único objetivo deve ser encontrar a verdade não importando para onde ela nos conduza.

    Ninguém deveria julgar outra pessoa porque ela quer dedicar o sábado à deidade que adora, ou mesmo porque ela se nega a comer alguns tipos de alimentos ou se ela quer fazer jejum ou mesmo circuncidar-se… que pecado há nisso?

    E o contrário?

    Eu deveria julgar uma pessoa que não quer guardar o sábado, ou que não se importa em comer qualquer tipo de alimento, bem como não quer jejuar ou circuncidar-se? Que pecado há nisso?

    Algo assim aconteceu lá no primeiro século.. veja Atos 15… todo o capitulo. Havia uma discussão se os cristão gentios deveriam cumprir alguns aspectos da Lei mosaica… esse assunto foi levado ao corpo governante em Jerusalém que tomou uma decisão conclusiva sobre esse assunto. Eles reconheceram que Jeová não exigia que os crentes gentios realizassem obras em obediência à Lei. De modo que não se impôs aos cristãos gentios a responsabilidade de se harmonizarem com a Lei mosaica ou com parte dela, mas, antes, confirmaram-se as normas reconhecidas já antes de Moiśes – Atos 15:28,29; Gên 9:3,4; 34:2-7; 35:2-5

    Então, embora não seja errado em si tirar o dia de sábado para adorar a Deus, rejeitar certos tipos de alimento, jejuar, circuncidar-se…. é errado afirmar que esses requisitos ou alguns desses são obrigatórios para se achegar a Deus ou mesmo ter o favor de Deus.

    Curtir

  • nicinho  On 13 de fevereiro de 2014 at 14:45

    Clébio,

    Então só pra deixar bem claro, segundo o conceito dos adventistas todas as leis com exceção dos 10 mandamentos deixou de vigorar com a morte de Cristo. Ou seja, podemos comer carne de porco, pelo menos foi o que você me deu a entender!
    Por que será que meu vizinho pastor da adventista disse que essa lei ainda vigora?
    Acho que ele se apega muito aos ESCRITOS da “profetisa” (1 Tim 4:1;1 Jo 4:1) e deixa a bíblia de lado… vou dar seu conselho a ele

    Curtir

  • Bruno  On 13 de fevereiro de 2014 at 14:57

    Meus parabéns ao Apologista! ótima explicação. Outro fator é o uso cabal da Bíblia, realmente é assim que deve ser.

    Curtir

  • I am Jw  On 13 de fevereiro de 2014 at 15:03

    Que explicação clara! Parabéns Apologista! Que Jeová, o Todo-Poderoso, te ilumine e te guarde do iníquo!

    Curtir

  • I am Jw  On 13 de fevereiro de 2014 at 15:17

    Queruvin, palmas para você. Fiz uma pesquisa num forum sobre serviço militar. Achei este endereço:

    http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20120308182012AATOz8P

    O que achei interessante é o comentário do pauloromeno. Dá uma olhada lá. Até ri!!!

    Curtir

  • Freitas  On 13 de fevereiro de 2014 at 15:50

    Queruvim não quer que distraiamos o convidado ao debate, mas como ele desceu do olimpo e veio ter conosco, meros mortais, dirigi-lhe essas perguntinhas aí acima.

    Falta-me tempo, como tinha outrora, para as pesquisas de doutrinas.. confesso que hoje minhas pesquisas se voltam mais para um outro tipo de ajuda, para mim e outros.

    Mas uma coisa eu posso dizer:

    Qualquer morcego. mesmo sem sonar, perceberia pelos textos já expostos pelos irmãos e o apologista o caminho a seguir.

    Quanto ao texto “predileto” do professor que diz esclarecer esse ponto do sábado gostaria de tecer alguns comentários indiretos.

    1: Semelhante à auto proclamada profetisa do advento, nosso profeta Saga foi iluminado por uma profecia algumas linhas lá pra cima.
    Disse-me ele que o prof, ao sair do nada, falando sobre um tal de “argumento do silêncio” para justificar que “Ausência de evidência não quer dizer evidência de ausência”, já bateu nessa tecla para provar que o novo testamento apoia a ideia da guarda do sábado.

    2- Já tivemos acima um prelúdio de que Saga, em seu papel de profeta, está corretíssimo, pois note que maravilhoso “argumento do silêncio” foi usado pelo convidado,( apesar de Creinha ter usado o pc do prof o estudo é dele):

    ” Quanto a Atos 15 esse capítulo pode ser considerado como um tiro que sai pela culatra”

    Notei que esse jargão foi repetido com respeito à minha pergunta sobre 2 coríntios 7 que ele confundiu com 2 coríntios 3:

    Disse: ” Pode até surpreender-se mas lhe garanto que utilizar esse capítulo contra o sábado é UM TIRO INTERPRETATIVO QUE SAI PELA CULATRA”

    Não me surpreenderei se vier mais um argumento do silêncio pois, com respeito a atos cap.15 o argumento principal foi:

    ” As quatro regras definidas (em Atos 15:28-29) são das coisas que os cristãos não deviam praticar e não das práticas recomendadas. E se o sábado está ausente dessas regras alistadas é porque não pairavam dúvidas a respeito de sua validade para todos”

    Este enganoso argumento significa mais ou menos assim: Se uma pessoa não estava na cena do crime então sem dúvida alguma ela é inocente.
    (aqui caberiam tantos textos bíblicos).

    Este tipo de argumentos é altamente especulativo, usado como uma alavanca para forçar a barra e direcionar a mente ingênua a “aceitar” nada mais nada menos aquilo que estava “ausente”.

    Se for usar este tipo silencioso de tática nas cartas de Paulo vai quebrar a cara. Seria melhor usá-los na igreja adventista.

    A propósito disse ao Apologista que não usa de argumento do silêncio.

    Curtir

  • SonnyZ  On 13 de fevereiro de 2014 at 16:34

    Ao contrário do Adventista, o Sr. Apologista desdo início vem dando evidências bíblicas do que acredita.

    Curtir

  • I am Jw  On 13 de fevereiro de 2014 at 16:35

    Olá Creinha, tudo bem? Disseste:

    “As condenações da lei não estão no Decálogo, assim como a Lei Fundamental do país, a Constituição, não traz penalidades para tantos crimes, o que será do Código Penal, Código Civil, etc.”

    Ok, as condenações não estão no Decálogo. Mas estão onde? Na Constituição não estão as condenações para crimes; estão no Código Penal. No Decálogo não estão as condenações pela violação do sábado; estão onde então?

    Curtir

  • Queruvim  On 13 de fevereiro de 2014 at 17:06

    Viu só a prova de que estão sem orientação?

    Curtir

  • Marcelo  On 13 de fevereiro de 2014 at 17:08

    O que achei interessante é o comentário do pauloromeno. Dá uma olhada lá. Até ri!!!

    Abraão disse que a esposa dele era irmã dele, para que ele não fosse morto no país em que estava. Acho que não tem problema adventista dizer que é TJ para receber a dispensa…

    Curtir

  • Marcelo  On 13 de fevereiro de 2014 at 17:25

    Angelo

    Os sábados cerimoniais estavam incluídos entre instituições que eram “sombras das coisas futuras” – prefigurações de fatos que ainda estavam por vir. O sábado do Decálogo é comemorativo de um fato passado: a Criação.

    Que o sábado foi instituido acom o objetivo de comemorar a criação já foi refutado nesta página. O objetivo é bem destacado em Deut 5:15.

    Levítico 23:38 expressamente distingue o ‘sábado do Senhor’ dos outros sábados

    Fala em sabadoS (plural), então não existe esta diferença.

    sim que não deviam permitir que esses heréticos proferissem julgamento quanto à sua observância do dia

    Concordo com esta parte.

    Cristãos que davam a entender no seu ensino que era necessário se abster de certas comidas

    Então, os adventistas fazem isto, não? Veja, não quero fazer uma acusação, apenas uma elucidação da diferença entre o erro dos cristãos citados e a postura adventista neste respeito.

    […] uma expressão que era perfeitamente compreendida numa época e cujo significado se perdeu através dos tempos[…]
    Em outras palavras, quando uma pessoa familiarizada com as Escrituras do Antigo Testamento ou com os costumes do povo judeu ouvia a expressão “dia de festa, lua nova e sábados”, logo lhe vinha à mente a idéia dos sacrifícios especiais oferecidos nesses dias, mesmo que a palavra “sacrifícios” não fosse mencionada.

    Angelo, por favor… Se perdeu no tempo mas tu sabe o significado?

    Lei: 5 livros de Moisés.
    Profetas: […]

    Então… a lei segundo este conceito engloba os 5 livros de Moisés, que inclue o que mesmo, que está sendo debatido aqui nesta página?

    Marcelo antes que vc me acuse de ter usado material derivado de autores da babilônia[…]

    Não vou acusar de nada Angelo. Não vejo problemas de consultar fontes externas, contato que esteja de acordo com a bíblia. O próprio Rodrigo Silva, do programa evidências consulta material TJ. Se o material é bíblico, verdadeiro… abuse e use.

    Mas sinceramente, Angelo, foi um comentário bem cansativo e pouco objetivo. Acho que todas estas coisas que tu viu no texto em questão (colossenses) foi mais um desejo de enxergar. Mas enfim… o debate está bem cansativo e tenso =/.

    Curtir

  • Marcelo  On 13 de fevereiro de 2014 at 17:37

    Sergio

    A preocupação de Paulo era para que os hebreus é para que eles nao continuassem com os sacrificios do santuário

    o Novo pacto era acompanhado pelos sangue de animais, PARA NOS DAR UMA SEGUNDA chance.

    Acho que aqui tu quis dizer o ANTIGO pacto, que era acompanhado… mas então, o antigo pacto era ACOMPANHADO do rito sangue de animais… E o que foi que acabou? (Heb 8:13)

    APOC. 11:18-19

    Amigo. Este texto já foi refutado. Bem refutado. Se ele te convence que os 10 mandamentos ainda vigoram, OK. Mas não perca o seu tempo usando o MESMO argumento que já o foi rejeitado. Tente de uma perspectiva diferente.

    Curtir

  • oTESTEMUNHAdeJAH  On 13 de fevereiro de 2014 at 17:48

    Olá Angelo Gabriel, apenas gostaria de esclarecer alguns pontos sobre seu comentário referente a minhas observações ao debate e da introdução do sr Azenilto:

    Você disse:
    “O comentário do amigo testemunha de jah não respeita a exposição do autor a quem ele critica Azenilto não está embasando sua teologia na tradição ao citar o testemunho da história de que os diversos grupos de pessoas observavam o sábado ao longo dos séculos.”

    Agora usando a resposta do Azenilto:
    “Sobre a pergunta levantada, eu recordaria que o pensamento clássico, histórico e ainda oficial dos cristãos ao longo dos séculos sempre foi de que os 10 Mandamentos seguem sendo normativos aos cristãos em TODOS os seus preceitos. Luteranos, presbiterianos, batistas, metodistas, congregacionais, anglicanos (e antes deles, católicos e ortodoxos) sempre ensinaram isso, como se vê em seus documentos confessionais (catecismos, confissões de fé, declarações doutrinárias), nenhum deles desqualificado, desautorizado, descartado.(…)Esse ensino se acha também em declarações dos pioneiros denominacionais, como Lutero, Calvino, Wesley, mas em determinada altura da história houve estranhas influências que mudaram tal panorama.”

    Veja que quando Azenilto usa na introdução a expressão “Sobre a pergunta levantada” e dá sequencia a sua resposta usando a tradição, é lógico concluir que ele usou isso, e não a Bíblia, como “argumento” para “embasar” sua resposta. Se ele não quisesse atribuir a tradição uma argumentação ele usaria textos bíblicos e não a denominações religiosas posteriores, as quais ele mesmo discorda em diversos aspectos. depois pára apoiar sua teoria ele usa ainda uma obra do autor assembleiano Orlando S. Boyer (e não a bíblia) para argumentar sobre a guarda do sábado antes da Lei.

    Ele não se limitou a sua primeira investida, fazendo isso também na sua segunda introdução argumentativa como lemos:
    “como sempre foi a posição consensual dos cristãos ao longo dos séculos até surgirem novidades interpretativas”

    Por que Azenilto usaria um argumento se não quisesse fazer dele uma base para sua resposta?
    Ainda mais peso se torna quando ele contrasta esse pensamento tradicional com “estranhas influências” que se introduziram em “determinada altura da história” ou ainda a como ele diz “até surgirem novidades interpretativas”, Quando ele usa esses argumentos em contraste com aqueles na verdade ele está dizendo sim que a própria história da cristandade está em apoio a suas idéias sabatistas, e ao usar esse argumento e afirma com clareza que essa é uma evidência clara de que era consenso entre os “cristãos” que guardar o sétimo dia, mas ele esquece que os “cristãos” que ele cita, são exatamente religiões que tem outras diversas crenças em comum e que estão em oposição ao que ele prega por isso eu disse que se esse argumento vale pra questão do sábado, também teria que valer para as outras crenças tradicionais presentes nessas religiões mas contrárias as idéias religiosas do Azenilto…

    Alem do mais eu não falei que Azenilto “baseava sua teologia na tradição” e sim disse que “ele defende que a “Tradição” seguida por incontáveis séculos é um guia seguro para endossar um ensino e fundamenta-lo”. Ou seja, eu falei que ele via na tradição uma espécie de BASE para raciocinar e apoiar sua idéia de que o sétimo dia deva ser um dia guardado pelos cristãos.

    Assim como é desonestidade atribuir peso a uma afirmação, também é desonestidade amenizar informações por meio de interpretações.

    Somente mais uma coisa, oTESTEMUNHAdeJAH não é um título e sim um Nick.

    Por favor leia com mais atenção os comentários e os argumentos antes de se afobar para rebater críticas de modo desnecessário e sem argumentos plausíveis. Talvez fosse interessante, que, antes de ler as postagens e de comentar, que você fizesse uma breve oração pedindo para ter um entendimento mais pleno da questão.

    Fique com JEOVÁ e com seu Filho e Nosso Rei Jesus Cristo.
    phmmn@hotmail.com

    Curtir

  • SERGIO  On 13 de fevereiro de 2014 at 20:06

    Marcelo:

    Acho que aqui tu quis dizer o ANTIGO pacto, que era acompanhado… mas então, o antigo pacto era ACOMPANHADO do rito sangue de animais… E o que foi que acabou? (Heb 8:13)

    Não Marcelo, o antigo pacto nao tinha tinha sacrificios, os sacrificios foram providenciados por causa do novo pacto, porque no novo pacto é que havia a morte em nosso lugar.

    sacrificios de animais, circunsição, morte de Jesus etc, tudo isso foi um requisito da nova aliança.

    “…e o que foi que acabou? (Hebreus 8:13)

    Dizendo Nova aliança, envelheceu a primeira. Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece, perto está de acabar.
    Hebreus 8:13.

    Ora, também a PRIMEIRA tinha ordenanças de culto divino, e um santuário terrestre.
    Hebreus 9:1

    Porque, se aquela primeira fora irrepreensível, nunca se teria buscado lugar para a segunda.
    Hebreus 8:7

    PRIMEIRA ALIANÇA: Santuário terrestre e sangue de animais.
    HEBREUS 9:1 e 9:7.

    SEGUNDA ALIANÇA: Sangue de Jesus e santuário celestial.
    HEBREUS 9:12 e 9:24.

    O que acabou foi a primeira aliança, O santuario na sua fase terrestre, com sacrificios de animais.

    A antiga aliança nao ha sacrificios de animais e nem de Jesus. Jesus so morreu para as pessoas que aderirem a nova aliança.

    A antiga aliança e a nova aliança estao em vigor, depende de cada em qual aliança ela vai optar.

    Curtir

  • Maílson  On 13 de fevereiro de 2014 at 21:08

    Gostaria de saber se Jesus cometeu pecado ao deixar seus discípulos apanharem espigas – Mateus 12: 1-8.

    Acredito que não, pois a bíblia diz ele não cometeu pecado – 1 Pedro 2:22.

    Curtir

  • foxhound  On 13 de fevereiro de 2014 at 21:52

    Estive este tempo todo somente lendo, e li todos os comentários, e me deliciando com o debate. queria dizer que todos estão de parabéns por seus post e isso serve para todos tjs e advent. , justamente por causa do respeito demonstrado até aqui, as vezes uma pequena exagerada mais nada que não possa ser relevada.

    mas agora quero entender um ponto e para isso gostaria que qualquer adventista me respondesse algo.

    a pergunta é: O que significa guardar o sábado para um adventista?
    quero mesmo saber essa resposta.

    penso o que seria guardar um sábado para um adv.
    será que é não fazer exatamente nada no dia especifico?
    Como não varrer a casa, lavar louça,cozinhar para poder comer,dirigir, ir ao um restaurante almoçar ou jantar enfim tantas coisas deste tipo.

    Porque se guardar o sábado for isso, fico seriamente pensando que isso é muito sem sentido na minha opinião.

    penso por ex. que o que haveria de mais em uma família adv. levantar num sábado de manhã fazer seu café da manhã ,depois disso como família fazer um estudo bíblico, depois ir pregar a algumas pessoas , depois fazer seu almoço saudável como sabemos que eles realmente entendem deste assunto (e tenho uma grande divida com eles por isso, justamente por que sou vegetariano ) mais tarde ir a igreja louvar a Deus com cânticos e ensinos bíblicos. sinceramente não vejo pecado grave nenhum nisto.

    Outro ponto, será que o apego a questão guardar o sábado leva em consideração os calendários que são diferentes.( um baseado na lua o outro no sol. )

    Enfim não vejo Deus levando em consideração a idéia exagerada a um especifico dia. sinceramente não vejo diferença entre uma pessoa guardar o sábado ou qualquer outro dia, posso imaginar um adv. fazendo aquelas coisas que citei em uma sexta , ou terça. acho que o ponto de se apegar exageradamente a um dia faz as pessoas deixarem de ver o exemplo maior de cristo.

    Jesus disse que não veio destruir a lei , mas ele não cumpriu a lei do sábado como tanto esperavam e ensinavam os fariseus.
    o que Jesus quis ensinar por fazer uma cura no sábado?
    o que Jesus queria ensinar ao mandar o paralítico ao pegar sua maca e andar?

    Fica uma lacuna muito grande ao apego restrito de se guardar um dia para não se fazer nada.( se eu estiver certo quanto a respostas que eu mesmo citei.)

    Para terminar minha opinião pessoal, é que não vejo problema algum alguém guardar o sábado ou segunda, terça, quarta, quinta, sexta ou domingo, se levarmos ao pé da letra o significado da palavra sábado ( descanso ) isso poderia ser feito em qualquer data sem que Deus se irasse.

    sem me alongar de mais quero dizer que um irmão disse que este tema daria muito pano pra manga ele tinha razão.

    há, ainda espero a resposta por um adventista.

    um abraço a todos.

    Curtir

  • Marcelo  On 13 de fevereiro de 2014 at 22:15

    O que acabou foi a primeira aliança, O santuario na sua fase terrestre, com sacrificios de animais.

    A antiga aliança nao ha sacrificios de animais e nem de Jesus. Jesus so morreu para as pessoas que aderirem a nova aliança.

    A antiga aliança e a nova aliança estao em vigor, depende de cada em qual aliança ela vai optar.

    Acabou… Não acabou… Dá pra entender a nossa dificuldade em entender esta doutrina, não?

    Curtir

  • Bruno  On 13 de fevereiro de 2014 at 22:37

    Resposta ao atual argumento de Azenilto.

    Sim, é verdade que Jesus guardava o sábado. A seu respeito, lemos: “Quando chegou o pleno limite do tempo, Deus enviou o seu Filho, que veio a proceder duma mulher e que veio a estar debaixo de lei.” (Gálatas 4:4) Jesus nasceu como israelita e por isso estava debaixo da Lei, o que incluía a lei do sábado. Foi só depois da sua morte que o pacto da Lei foi abolido. (Colossenses 2:13, 14)

    É verdade que Jesus disse: “Não penseis que vim destruir a Lei ou os Profetas. Não vim destruir, mas cumprir.” (Mateus 5:17) Mas o que essa expressão “cumprir” significa? Para ilustrar: Um construtor cumpre um contrato para fazer um edifício, não por rasgar o contrato, mas por terminar a construção. No entanto, depois que o cliente fica satisfeito com o resultado do trabalho, o contrato termina e o construtor deixa de estar sob a obrigação de cumpri-lo. Da mesma forma, Jesus não quebrou, ou rasgou, a Lei; em vez disso, ele a cumpriu por segui-la perfeitamente. Depois de aquele “contrato” da Lei ter sido cumprido, o povo de Deus já não estava mais sujeito a ele.

    Curtir

  • burt walker  On 13 de fevereiro de 2014 at 23:08

    As Testemunhas de Jeová e os Adventista do Sétimo Dia cumprem uma profecia que teria seu cumprimento no tempo do fim, Malaquias 4:5 ,diz que nesse tempo cada povo andaria no nome de seu Deus. Vejam no nome de quem esses grupos andam, vejam que religião leva no nome , o nome pessoal de Deus. Alias depois de fazer dezenas de debates com adventistas do sétimo dia notei que a grande maioria incluindo professores do curso de Apocalipse não sabia os outros mandamentos (7,8,e assim por diante) a não ser o 4 (sábado). Os adventista violam praticamente quase todos os mandamentos da lei , já começa no 1º adoram um deus trino, colocando mais dois deuses junto ao Deus verdadeiro .2º são idolatras colocam a cruz nas suas igrejas, (em uma cidade do interior de S P vi três cruzes na frente de uma igreja, provavelmente fazendo uma alusão a trindade),.Voltando ao assunto sábado os adventista costumam dizer,se o cristão não pode matar, não pode roubar e assim por diante, então não pode violar o sabado.
    Perguntamos, :os sacerdotes no templo podiam matar, roubar,adulterar ?Não.
    Más podiam violar o sábado? SIM. , Mateus 12:5

    Curtir

  • Paulo  On 13 de fevereiro de 2014 at 23:10

    Vejamos uma comparação, talvez ajude no raciocínio:

    “Porque o homem não procede da mulher, mas a mulher do homem;  e, ainda mais, o homem NÃO FOI CRIADO POR CAUSA da mulher, mas a mulher POR CAUSA do homem. ” – 1 Cor. 11:8, 9.

    Meus caros adventistas sabatistas, será que com essas palavras o apóstolo Paulo queria dizer que a mulher foi criada por causa da humanidade ou por causa de Adão?

    Vejamos Marcos 2:27, 28:

    “Prosseguiu assim a dizer-lhes: “O sábado veio à existência POR CAUSA DO HOMEM, e não o homem POR CAUSA DO sábado; portanto, o Filho do homem é Senhor até mesmo do sábado.”

    O que Cristo quis dizer aqui? Que o sábado veio a existência por causa da humanidade, ou que veio a existência por causa do povo pactuado de Deus? Desde quando toda humanidade passou a guardar o sábado? Se Cristo é Senhor, ou seja, Dono do Sábado, não pode fazer com ele o que quiser? Poderia até aboli-lo das leis cristãs, como de fato o fez.

    A guarda escrupulosa do sábado é um fardo que ninguém consegue suportar. Vocês adventistas talvez achem que guardam o sábado como deviam. Mas com certeza estão longe de fazê-lo. Essa guarda do sábado, no mundo moderno em que vivemos, só complicaria demais a vida do cristão. Não produziria descanso, e sim uma vida cheia de preocupações em não violar a lei sabática.

    Algum adventista sincero, poderia me dizer o que está envolvido em se guardar um sábado semanal, isto é, o que pode e não se pode fazer nesse dia específico?

    Curtir

  • Gibe  On 13 de fevereiro de 2014 at 23:23

    Queruvim, eu acho que o Azenilto deve ser russelita, pois o Russel não sai da boca dele.Ele morreu há 98 anos, e ainda assim não deixam o nome dele em paz !! Isto para mim é um pretexto para fugir do tema. Afinal, quem não sabe responder adequadamente apela, como é o caso em questão. Ou fala mal do Russel, oi vai consultar apóstata. No segundo caso, acredito que é porque não sabe responder á nossas questões.

    Curtir

  • Saga  On 13 de fevereiro de 2014 at 23:51

    I am JW, a doutrina da chamada IASD gosta de pescar as coisas de toda a Escritura sem fazer divisões de época, deve ser por isso que Azenilton abomina tanto as tais das “dispensações”, veja que eles dão dízimos, são vegetarianos, etc etc.

    As justificativas para certos ensinos podem vir tanto da Lei (não comer porco) como de antes da Lei (come apenas vegetais como Adão no Eden). Então a “base bíblica” deles para certas coisas é olhar para a Bíblia e ver alguém fazendo algo e querer aplicar tal coisa nos dias de hoje, como no caso que você disse do Jacó, essa obra dele é tomada como um modelo de “boa obra que devo fazer também”, então façamos -literalmente0 o mesmo que fulano (do Antigo Testamento) fez,

    As TJs gostam mais de ver as proibições e afirmações diretas. Se não houver um mandamento, conselho ou instrução clara, aí elas se guiam por princípios, o principio por trás dos dízimos na Antiga Aliança mostra a importância de contribuir para a obra de Deus, mas as TJs não aplicam o dízimo literalmente como um mandamento de que todo cristão deve dizimar 10 % de tudo que tem, inclusive julgam que isso seria seguir a Lei Pré-Cristã como norma para os cristãos de hoje (prática chamada de legalismo)

    Curtir

  • Saga  On 14 de fevereiro de 2014 at 0:30

    Pergunta,

    Os cristãos devem seguir só os dez mandamentos? Toda a Lei de Moises ou também coisas que não estão na Lei de Moisés? Desculpem se ficou confuso, é que os adventistas não guardam apenas 10 Mandamentos, mas guardam leis de alimentação, guardam dízimos e até a abstenção de alcool, café, refrigerante e muitos outros itens que não apenas NÃO ESTÂO NOS 10 MANDAMENTOS, mas também não estão na Lei e até mesmo não estão em parte alguma da Bíblia inteira. Então afinal de contas, o que os cristão são obrigados a guardar e o que não são.

    Se a obrigação com a Lei Moral de Deus for guardar os 10 mandamentos, então se supõe que o resto não seja parte dessa lei moral, tudo o mais teria sido abolido junto com a lei cerimonial.

    Curtir

  • SERGIO  On 14 de fevereiro de 2014 at 0:46

    O que acabou foi a Lei cerimonial que era a PRIMEIRA ALIANÇA, a primeira fase do santuario da nova aliança:

    PRIMEIRA ALIANÇA: Santuário terrestre e sangue de animais.
    HEBREUS 9:1 e 9:7.

    que foi substituida pela:

    SEGUNDA ALIANÇA: morte de Jesus e santuário celestial.
    HEBREUS 9:12 e 9:24.

    Estas duas fases acima são requisitos da nova aliança.

    não confundir:

    ANTIGA ALIANÇA (LEI EM TABUAS DE PEDRA), COM A PRIMEIRA ALIANÇA (serviços do SANTUÁRIO TERRESTRE)

    E

    NOVA ALIANÇA (LEI EM TABUAS DO CORAÇÃO) COM A SEGUNDA ALIANÇA (SANTUARIO CELESTIAL)

    Quando é que a antiga aliança acaba?

    ANTIGA ALIANÇA: Dez mandamento escritos em tabuas de pedra.
    DEUTERONÔMIO 4:13.

    Quando a pessoa passa a aceitar os dez mandamentos e tambem a aceitar e guardar o sabado, ai ela perde a sua função condenatoria enquanto a pessoa permanecer fiel. Isso é nova aliança, a Lei escritas em tabuas do coração.

    Curtir

  • Freitas  On 14 de fevereiro de 2014 at 5:34

    queruvim,

    Referente ao debate, após a excelente explanação do Apologista mais uma vez apoiada em muitos textos bíblicos e a resposta cheia de blábláblá do Azenilto gostaria que me explicasse uma dúvida.

    Ele, o Az, na única questão em que tentou replicar um texto, o de Marcos 2: 27, a única base bíblica usada até agora por ele, disse que não fazia sentido o “homem” referente ser o “homem judeu” pois a frase ficaria ´ridícula’ se rezasse:
    ” O sábado foi feito para o homem judeu e não o homem judeu para o sábado”

    Embora não houvesse necessidade alguma de Jesus acrescentar o “judeu’ no texto, pois o judeu já sabia que o sábado era guardado somente por eles e não teria sentido ele se referir à humanidade pois não existe um único indício que Jeová tenha em algum momento transmitido “essa” lei a qualquer outra nação e nem um indício sequer também de que adão, Noé e seus filhos, de quem procedem as diversas raças, ou quaisquer outro patriarca(antes de surgir Israel)tenha ensinado aos seus filhos. Logo, que sentido teria Jesus se referido ali à humanidade ?

    Mas minha dúvida é a seguinte:

    Com respeito à frase que ele disse não fazer sentido.

    Em Zacarias 8:23 a tradução do novo mundo reza:

    “..Naqueles dias dez homens dentre todas as línguas das nações.. agarrarão a aba das vestes de UM HOMEM JUDEU..”

    Algumas bíblias não usam “homem’ aqui mas apenas um “judeu”

    É apenas mais uma escolha do tradutor ?

    Um abraço, irmão.

    Curtir

  • Clébio  On 14 de fevereiro de 2014 at 8:25

    burt walker

    Uma coisa é a sua lógica, sua maneira de encarar os textos bíblicos, outra coisa é deixar seguir pelas orientações do ASSIM DIZ O SENHOR! Como citou aqui da profetisa, só para teu conhecimento, ela mesma disse que a nossa única regra de fé seria a bíblia, não um CORPO GOVERNANTE para manipular nossas crenças e textos bíblicos, veja o que Daniel disse no cap. 7:25, lembrando ainda a exortação de Apoc.22:19. Leia a Bíblia!!!

    Você disse que que nós adventistas violam praticamente quase todos os mandamentos da Lei. Diante disso, faço-te a seguinte pergunta: Você cumpre todos os mandamentos de Deus? Você não peca?

    Note bem, não somos salvos pela obediência à lei, mas porque somos salvos, obedecemos à lei.

    A lei moral cobra compromisso pessoal com o Criador e Libertador e não com uma instituição jurídica. A lei é essencialmente relacional. Ela produz vida, alegria e justiça (familiar e civil).

    A perpetuidade da lei é confirmada pelos ensinos, vida e morte de Jesus.

    Ao Jesus atestar a igualdade entre os mandamentos (Mt 22:35ss), Ele estava descaracterizando a compreensão rabínica que estabelecia uma hierarquia entre os mandamentos. Os fariseus pensavam que, caso um se opusesse ao outro a observância do maior dava liberdade de desobediência a um menor. Para Jesus, todos os mandamentos são importantes e devem ser observados.

    Jesus exemplificou a lei. Para Ele, a lei era essencialmente amor.

    A perpetuidade da lei é claramente defendida por Jesus, como em Mateus 5:18.

    Na história do jovem rico, Jesus expôs a maneira legalista de guardar a lei em contraste com a forma relacional. O jovem não se recusou a guardar os mandamentos; ele se recusou a seguir o Legislador (Mc 10:21).

    No relato da mulher pega em adultério, Jesus novamente ratificou a autoridade da lei quando disse a ela “vai e não peques mais” (Jo 8:11).

    No mais, a cruz ou o madeiro como diz vocês, é a maior prova da perpetuidade da lei. Aquele que aceita o Legislador como seu Salvador pessoal, passou da morte para a vida.

    Paulo não apenas guardou a lei, mas mostrou o propósito da lei. A lei não salva e não torna ninguém pecador. A lei traz o conhecimento do pecado e faz o pecador saber que está vivendo em pecado. Assim, o que cria a culpa não é a lei, mas o pecado. Como a lei é “santa, justa e boa” ela mostra o que o pecador não é: nem santo, nem justo, nem bom.

    A lei permanecerá em vigência enquanto o caráter de Deus estiver inalterado. Como Deus é sempre o mesmo (Sl 102:25-27) e Cristo é sempre o mesmo (Hb 13:8), a lei Deus sempre será a mesma.

    No Apocalipse, a lei ganha ainda um caráter escatológico:
    Satanás faz guerra contra os que guardam a lei (Ap 12:17). Já meditou nisso?

    Curtir

  • Clébio  On 14 de fevereiro de 2014 at 8:41

    Apenas uma correção: A parte inicial (1º parágrafo) é um revide ao irmão “nicinho”. A continuação, espero que o irmão “burt walker” possa meditar!

    Curtir

  • I am Jw  On 14 de fevereiro de 2014 at 9:20

    Sabe porque eles não usam o nome Jeová? Porque só tem um povo na terra que defende este nome: as Testemunhas de Jeová. Se eles usarem este nome estarão fazendo propaganda para nós. Esse é o motivo de não pronunciarem, não colocarem em suas Bíblias; quando se sentem de alguma forma na necessidade de usá-lo, escolhem outras variantes, como Javé, Yanweh, etc. Temos muito orgulho de ser o único povo que realmente santifica o nome de Deus, conforme Mateus 6:9, 10.

    Curtir

  • I am Jw  On 14 de fevereiro de 2014 at 9:25

    Concordo, irmão Saga. Esse tipo de mandamento só faz criar hipócritas, pois são obrigados, querendo ou não, a dar 10% de sua renda, algo totalmente contrário ao princípio delineado em 2 Coríntios 9:7.

    Curtir

  • I am Jw  On 14 de fevereiro de 2014 at 9:28

    Isso mesmo!!! Azenilto tá disparando chumbinho pra tudo quanto é lado!!!

    Curtir

  • I am Jw  On 14 de fevereiro de 2014 at 9:35

    Clébio, se Deus tem fiéis em todas as religiões, o que então quer dizer o texto de 1 Coríntios 1:10? É possível que os fiéis de diferentes denominações, com doutrinas conflitantes entre si e com diferentes normas de conduta, estejam unidos a tal ponto como o texto explicita?

    Curtir

  • I am Jw  On 14 de fevereiro de 2014 at 9:41

    Caro Marcelo, Abraão disse que era Sara era irmã dele. Certo. Mas veja o detalhe em Gênesis 20:12. Dizer que é TJ pra receber dispensa não é legal. E também não é o suficiente.

    Curtir

  • juca  On 14 de fevereiro de 2014 at 10:55

    Esse assunto é muito polêmico! Há argumentos a favor e contra. Há textos favoráveis e outros não. Não convence que está dentro ou fora. É igual ao assunto Trindade!

    Curtir

  • Paulo  On 14 de fevereiro de 2014 at 11:22

    O debate tem sido muito proveitoso. Realmente os comentários e os comentaristas estão de parabéns. Quero também elogiar a conduta nesse debate, dos adventistas, apesar de não concordar com eles em sua visão sabatista.

    Pra mim, tem fortalecido a fé ver que realmente não há defesa bíblica para continuação da guarda de um sábado semanal, e tem sido um aprendizado verificar como as posições a favor da guarda do sétimo dia são frágeis e sem embasamento bíblico.

    Gostaria de persistir na pergunta: No que consiste a guarda do sábado semanal atualmente, na visão adventista? O que se pode ou não fazer num sábado? Algum adventista sincero poderia me responder?

    Curtir

  • SERGIO  On 14 de fevereiro de 2014 at 11:25

    Romanos 10:4:

    “Porque o fim da lei (FIM DA CONDENAÇÃO DA LEI) é Cristo para justiça (RECOMPENSA) de todo aquele que crê.”

    O pecador transgride a lei. Ele se arrepende. Então vai ate Jesus para receber o perdão. Jesus o perdoa. O pecador passa a aceitar e cumprir a lei. Assim, a lei perde a função condenatória enquanto ele permanecer fiel.

    Curtir

  • SERGIO  On 14 de fevereiro de 2014 at 11:32

    Tudo bem, mas que a antiga antiga aliança, tabuas da lei foi citada nas cenas do julgamento, ela foi, isso nimguem pode negar.

    Curtir

  • SERGIO  On 14 de fevereiro de 2014 at 11:38

    Sem rodeios,

    GÁLATAS 2:16:
    “Sabendo, contudo, que o homem não é justificado por obras da lei (CIRCUNCISÃO) e sim mediante a fé em Jesus Cristo, também temos crido em Jesus Cristo, para que fôssemos justificados pela fé em Cristo, e não por obras da lei (CIRCUNCISÃO), pois, por obras da lei (CIRCUNCISÃO), ninguém será justificado.”

    Circuncisão: Requisito da Nova Aliança no antigo testamento.

    GÁLATAS 3:10:
    “Todos aqueles, pois, que são das obras da lei (CIRCUNCISÃO – APÓS A CRUZ) estão debaixo da maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as cousas escritas no livro da lei (LEI CERIMONIAL), para praticá-las (SOMENTE ATÉ A CRUZ) .”

    Lei cerimonial: Requisito da Nova Aliança no antigo testamento.

    Curtir

  • SERGIO  On 14 de fevereiro de 2014 at 11:46

    Sem rodeios,

    O que quer dizer a expressão “e era grande aquele sábado”, mencionada em João 19:31?

    Esta expressão não se refere ao tamanho cronométrico do dia.

    No ano (31 d.C.), no contexto de João 19:31, coincidiram o sábado semanal e o sábado da festa dos pães asmos. Quando um sábado cerimonial coincidia com um sábado semanal, dizia-se que “era grande aquele dia de sábado”.

    Tal esclarecimento obtemos a partir de um conhecimento da cultura judaica, somado a um estudo aprofundado de Levíticos 23 e dos ensinamentos bíblicos sobre as festas (sábados) cerimoniais.

    Portanto, essa expressão “e era grande aquele dia de sábado” é a tradução, para o português de uma expressão idiomática hebraica que queria dizer que aquele dia tinha um significado sabático religioso duplo, pois nele estavam coincidindo duas observâncias.

    Curtir

  • I am Jw  On 14 de fevereiro de 2014 at 12:05

    No seu último post Azenilto mencionou apenas dois textos bíblicos, e ainda por cima mal aplicados. Está muito claro quem tem respaldo bíblico.

    Curtir

  • Paulo  On 14 de fevereiro de 2014 at 12:07

    Saudações a todos com o amor cristão; “irmãos”(Mt 12:50),analisando os comentários dos “irmãos” não pude deixar de perceber que o “debate” tem tomado outros rumos, e percebo eu que isto talvez se deva ao fato de os “irmãos”(ambos os lados) deixarem de aplicar princípios bíblicos como:
    Tito 3:9-11, Filipenses 2:2-4, 2 Timóteo 2:23-26, 1Timoteo 6:3,4. vejo que os “irmãos” são bem versados nas escrituras, por isso poderiam estar se perguntando: estou sendo sábio?(provérbios 27:11, 1 João 5:3) vale apena ignorar princípios bíblicos?(Tiago 1:19-26)
    sobre o “debate” fica o principio bíblico Romanos 14:1-14
    o que A Bíblia Diz sobre julgamento? “Parai de julgar, para que não sejais julgados;” Mat 7:1 só enxerguei um perigo e dei um alerta; vale lembrar que não podemos dar margens ao diabo – Efésios 4:26,27 – “Persisti em examinar se estais na fé, persisti em provar o que vós mesmos sois.” — 2 COR 13:5 – Não devemos desconsiderar os conselhos daqueles que têm qualificações espirituais A respeito deles, a Bíblia diz: “Irmãos, mesmo que um homem dê um passo em falso antes de se aperceber disso, vós, os que tendes qualificações espirituais, tentai reajustar tal homem num espírito de brandura, ao passo que cada um olha para si mesmo, para que tu não sejas também tentado.” Gálatas 6:1 – devemos nos perguntar: “Será que isso tem a ver comigo? Faço realmente essas coisas? Estou seguindo os ensinamentos cristãos? – A prova do que nós mesmos somos também está nas demonstrações de apreço pela verdade Usando uma poderosa ilustração para descrever esse aspecto da autoanálise, o discípulo Tiago disse: “Tornai-vos cumpridores da palavra e não apenas ouvintes, enganando-vos com falsos raciocínios. Porque, se alguém for ouvinte da palavra e não cumpridor, este é igual a um homem que olha para o seu rosto natural num espelho. Pois, ele olha para si mesmo e vai embora, e esquece imediatamente que sorte de homem ele é. Mas aquele que olha de perto para a lei perfeita que pertence à liberdade e que persiste nisso, este, porque se tornou, não ouvinte esquecediço, mas fazedor da obra, será feliz em fazê-la.” — Tiago 1:22-25.
    Provamos o que somos por praticar as coisas que aprendemos, aceitamos, ouvimos e vimos — tudo o que está envolvido na nossa dedicação e discipulado cristão. “Este é o caminho. Andai nele”, instrui Jeová por meio do profeta Isaías. — Isaías 30:21. abraços a todos os “irmãos” fiquem com JEOVÁ DEUS, NOSSO AMOROSO PAI – 1 João 4:6-8

    Curtir

  • DREJAH  On 14 de fevereiro de 2014 at 12:51

    Saga, você tem toda razão !!! É birrinha infantil mesmo !!! Vejam as provas:

    PEQUENO DICIONÁRIO HEBRAICO- PORTUGUÊS DO VELHO TESTAMENTO
    S. J. SCHWANTES, PH.D. Seminário Adventista Latino-Americano
    1ª Edição 1983

    Na página 48 o TETRAGRAMA é vertido como primeira opção JEOVÁ
    e como segunda opção JAHWEH que não é nem a opção feita pelo Sr.
    Azenilton . Mas o PRÓPRIO DICIONÁRIO DELES deixa BEM CLARO a forma CORRETA DE TRADUZIR.

    O interessante a observar também é que ele nos acusa de copiar dos Católicos nesta questão, mas na verdade SÃO ELES QUE COPIARAM DOS CATÓLICOS
    A Bíblia de Jerusalém, Tradução Católica traz a forma do NOME DIVINO como IAHWEH que é muito parecida com a expressão do Sr. Azenilton YAHWEH.
    Portanto, diante dos FATOS, quem está copiando quem ???
    Abraços ___ DREJAH.

    Curtir

  • Queruvim  On 14 de fevereiro de 2014 at 12:55

    Agradecemos pela orientação segundo as escrituras e veremos como podemos melhorar. Contudo, é evidente que os defensores do sábado que aqui vistiam, (nem todos) apenas um ou dois juntamente com o debatedor se desviou do tema logo em seu primeiro post. Fazendo ataques contra as TJ de acordo com todo o farto material Anti Testemunha de Jeová presente na internet. Poderá observar que logo em seu primeiro post já procurou desviar-se do tema e semear dúvidas na mente dos fracos por fazer acusações contra Russell (coisa que não nos atinge em nada, visto que Russell não é nosso exemplo e sim Cristo, Russell era falho e estava começando a entender as coisas em comparação com o entendimento que possuimos hoje.) De forma que depois de vários e-mails com este tipo de desvio a coisa foi ficando ruim e tive que deletar minhas respostas a este tipo de argumentos normalmente usados por “opositores cheios de ódio”. Deletei as acusações fora do assunto debatido aqui, que é sobre o sábado e deletei vários e vários posts que escrevi em respostas às acusações.

    Curtir

  • Queruvim  On 14 de fevereiro de 2014 at 12:56

    Sim , mas procure mostrar o porque pensa assim querido Iam Jw. 🙂

    Abraços!

    Curtir

  • Queruvim  On 14 de fevereiro de 2014 at 13:10

    Sabe, as pessoas que são críticas do povo de Jeová ou discordam, não me incomoda. Mas os que são OPOSITORES, (Satan e Hebraico), eu confesso que após ver alguns até publicarem livros garimpando atras de qualquer coisa ou informação que possa denegrir ou ridicularizar as Testemunhas de Jeová, (como se a Igreja deles fosse um modelo de comportamento) desejo a estes que odeiam as TJ que alcancem o arrependimento.Claro que nós temos que se desviar e evitar estas pessoas. (Rom 16:17) É um mandamento bíblico.

    Curtir

  • Queruvim  On 14 de fevereiro de 2014 at 13:19

    QUERIDO Juca, Não é bem assim não! O fato de muitos não mudarem de opinião não quer dizer que isso não tenha acontecido! Tem havido muitos evangélicos que estão abandonando as Igrejas e estudando a Bíblia com as Testemunhas de Jeová devido a tanta coisa errada que observam e Jesus disse em João 13:34,35 que “o amor entre os verdeiros” cristãos iria identificar a forma correta de adoração. Também tenha em mente que Deus não é Deus de confusão. Ele não permitiria que a bíblia tivesse um entendimento ambíguo e confuso. São as pessoas que fazem a confusão. Quando Jesus percebeu que alguns estavam meio sem vontade de seguí-lo, ele disse que “a menos que bebais o meu sangue não tende vida em vós mesmos”. Para os judeus, comer sangue era pecado de culpa de sangue e pena de morte durante milênios desde os dias de Moisés. De forma que aquela declaração de Jesus foi uma peneira que resultou em uma carrada de gente abandonando a ele. Somente os que indagaram o que ele queria dizer ou suspeitaram fortemente que tais declarações não eram literais, passaram a segui-lo. O mesmo ocorre hoje. Somente os que estudam com dedicação e amor, conseguem entender a verdade sobre Deus. Quem tem dúvidas precisa de ajuda, e Jeová Deus tem fornecido ajuda para todos, por meio da pregação de casa em casa e em praças, etc, realizada pelas suas Testemunhas. De fato Isaías 43:10-12 diz “Vós sois as minhas Testemunhas é a pronunciação de Jeová, sim, MEU SERVO A QUEM ESCOLHI.” Em harmonia com isso, o Salmo 33:12 diz: Feliz a nação cujo Deus é Jeová, O POVO QUE ELE ESCOLHEU COMO SUA POSSESSÃO”.

    Curtir

  • Marcelo  On 14 de fevereiro de 2014 at 13:21

    Pelo que eu saiba, da boca de um grande amgo adventista, E.W. usava “Jeová”.

    Curtir

  • Saga  On 14 de fevereiro de 2014 at 13:30

    Só pra deixar constado que, isso aconteceu em 33 EC

    Curtir

  • Marcelo  On 14 de fevereiro de 2014 at 14:16

    I am jw

    Me refiro a Isaque mesmo. Mas estava sendo irônico, não estava tentando justificar “se fazer de louco”.

    Gen 26:7

    Curtir

  • Marcelo  On 14 de fevereiro de 2014 at 15:02

    Sérgio

    Concorda que se chegarmos a conclusão de que não existia a separação de lei cerimonial e lei moral, os 10 mandamentos estariam assim terminados?

    Pergunto isto, pois parte-se do proposto que existe tal divisão. Acredito que entrará em algum dos argumentos do Azenilto. No interim, pesquise, e compare textos que indicam tal diferança (Moral vs Cerimonial) contra argumentos daqueles que defendem a idéia de que a Lei é uma só.

    Uma vez feito isto, meditado bastante (procure se manter neutro e tentar defender mesmo o ponto que tu a princípio discorda), volte aqui e explique de maneira simples a diferença.

    Seria legal que para mostrar que tu pesquisou os dois lados da moeda, tu já viesse replicando as refutações que faríamos. Procure provar dentro da bíblia esta divisão. Procure textos onde as pessoas (inclusive Jesus) faziam tal distinção.

    Sugiro que dê uma olhada nos artigos do apologista da verdade, no blog dele.

    Peço isto, fica bem claro que o argumento adventista está fortemente baseado na premissa que existe tal difereça na lei. Mas isto não foi sequer tentado explicar aqui, e nós não acreditamos nesta divisão. Por isto, convença-nos por favor.

    Curtir

  • DREJAH  On 14 de fevereiro de 2014 at 15:04

    Portanto, nenhum homem vos julgue pelo comer ou pelo beber, ou com respeito a uma festividade ou à observância da lua nova ou dum SÁBADO; pois estas coisas são SOMBRA das coisas vindouras, mas A REALIDADE PERTENCE AO CRISTO.

    TEMOS QUE DEFINIR O QUE É SOMBRA DO QUE É REALIDADE

    SOMBRA—————————————REALIDADE

    CORDEIRO————————————JESUS

    LEI DE MOISÉS——————————-LEI DO CRISTO

    TUTOR—————————————CRISTO

    VELHO PACTO——————————–NOVO PACTO

    JERUSALÉM TERRESTRE————————-JERUSALÉM CELESTIAL

    PÁSCOA————————————-CEIA DO SENHOR

    SÁBADO————————————-REINADO MILENAR

    ………… ………………………………..

    ………….. ……………………………….

    A REALIDADE PERTENCE AO CRISTO

    VOCÊ VAI FICAR NA SOMBRA OU NA REALIDADE ???

    Curtir

  • I am Jw  On 14 de fevereiro de 2014 at 15:07

    Marcelo, perdoe-me, achei que você se tratava de um adventista. Queira me perdoar.

    Curtir

  • Bossanova  On 14 de fevereiro de 2014 at 15:14

    Clébio…

    Seu comentário foi bom. Só não leve as coisas para o lado pessoal. O ataque feito foi desnecessário. Tirando isso, seu comentário foi realmente bom.

    Eu concordo com o seu argumento de que a Lei foi dada a Israel “para tornar manifestas as transgressões”. (Gálatas 3:19) A Lei conscientizava os judeus sinceros da necessidade premente que tinham de um Redentor.

    Esse era o propósito da Lei… seus argumentos estão corretíssimos! Isso é fato… isso é a VERDADE!

    Paulo entendia que a Lei teve esse propósito…. ele a descreveu como “tutor, conduzindo a Cristo”. (Gálatas 3:24).

    Conhece a função de um tutor? Na antiguidade, o tutor acompanhava as crianças na ida e na volta à escola. Normalmente ele não era o instrutor; apenas levava as crianças ao instrutor.

    De modo similar, o objetivo especial da Lei era proteger e guiar a nação de Israel, de modo que estivesse pronta para aceitar a Cristo quando ele viesse.

    . Jesus prometeu estar com os seus seguidores “todos os dias, até à terminação do sistema de coisas”. (Mateus 28:20) Assim, depois da formação da congregação cristã, o “tutor” — a Lei — não tinha mais finalidade. (Romanos 10:4; Gálatas 3:25)

    O capitulo 7 de Romanos que você citou é fantástico.. um texto vigoroso e emocionante… ali o apostolo argumentou que uma mulher não podia estar casada com dois homens ao mesmo tempo. Mas, se seu marido falecesse, estaria livre para se casar de novo. Paulo aplicou então esta ilustração, mostrando que os cristãos ungidos não podiam estar sujeitos à Lei mosaica e ao mesmo tempo pertencer a Cristo. Tinham de estar “mortos para com a Lei”, para poder estar em união com Cristo. — Romanos 7:1-5.

    Talvez, a grande confusão está em confundir Leis e Princípios… As leis não são eternas, já os princípios sim.. Isso fica bem evidente no que o mesmo apostolo Paulo disse em Hebreus 8:6,13.

    Não é nenhum pecado jejuar, circuncidar-se, evitar alguns alimentos, tirar o sábado para dedicar a deidade que a pessoa adora… Todavia, dizer que essas praticas ou algumas delas ainda são essenciais e necessárias para se obter o favor de Deus é ir contra tudo que a bíblia ensina em especial o que o apostolo Paulo labutou tanto em dizer.

    Curtir

  • juca  On 14 de fevereiro de 2014 at 15:47

    É uma discussão inócua. Aprender a Palavra é aprender a verdade. Jesus disse que Ele é a Verdade. Jesus não nos deu ensinamentos a respeito da guarda ou não dos sábados. Portanto, perda de tempo.

    Curtir

  • Saga  On 14 de fevereiro de 2014 at 15:50

    A expressão “assim diz o Senhor” não existe na Bíblia e cada vez que uma pessoa ou denominação usa esta expressão está testemunhando contra si mesma.

    E também se supõe que uma profetisa infalível soubesse disso, ou mesmo inspirada e ouvindo as coisas diretamente do céu ela ainda tinha de ouvir, recitar e escrever tudo conforme a KJV? É interessante que não se usava assim disse Yah.weh como o Azenilton faz, teria ela deixado escapar?

    “Como citou aqui da profetisa, só para teu conhecimento, ela mesma disse que a nossa única regra de fé seria a bíblia, não um CORPO GOVERNANTE para manipular nossas crenças e textos bíblicos”

    A senhora White manipula as crenças e textos bíblicos da IASD que todos devem ser entendidos conforme os ensinos dela a mais de 100 anos atrás. São os adventistas que estão presos e comprometidos a interpretações de homens, no caso de uma mulher. O termo corpo governante envolve uma liderança mundial para as congregações das TJs em 238 países, e a IASD ao contrários das seitas protestantes tem a seu favor que também tem uma liderança que supervisiona sua obra internacional em 208 países.

    Ou seja, podemos dizer que a IASD também tem um “corpo governante” – pessoas que supervisionam a obra adventista a nível mundial- , e ela até mesmo impõe elementos adicionais aos ensinos de White e dos adventistas pioneiros, como o dogma da Trindade.

    “No relato da mulher pega em adultério, Jesus novamente ratificou a autoridade da lei quando disse a ela “vai e não peques mais” (Jo 8:11)”
    Segundo a Lei a mulher não devia ter sido apedrejada?

    “No mais, a cruz ou o madeiro como diz vocês, é a maior prova da perpetuidade da lei. Aquele que aceita o Legislador como seu Salvador pessoal, passou da morte para a vida”

    Mas ein?

    “A lei permanecerá em vigência enquanto o caráter de Deus estiver inalterado. Como Deus é sempre o mesmo (Sl 102:25-27) e Cristo é sempre o mesmo (Hb 13:8), a lei Deus sempre será a mesma”

    A Lei mosaica sempre vale e está em vigência até agora?

    “No Apocalipse, a lei ganha ainda um caráter escatológico: Satanás faz guerra contra os que guardam a lei (Ap 12:17). Já meditou nisso?”

    Satanás não faz guerra contra os que guardam a Lei de Moisés, não é isso que está escrito aí.

    Curtir

  • Marcelo  On 14 de fevereiro de 2014 at 16:31

    Não sei, não. Vou pensar no teu caso (ainda irônico) 😛

    Curtir

  • I am Jw  On 14 de fevereiro de 2014 at 16:34

    Olá Queruvim, boa tarde. Pra mim o debate já está finalizado. Já foram mostradas numerosas provas de que O SÁBADO NÃO É REQUISITO PARA OS CRISTÃOS. Se formos cavar na Bíblia encontraremos uma profusão de provas. E todas elas se encaixam como uma luva; não há contradição.

    Em contraste, qualquer pessoa pode ver nos posts do debatedor adventista como a argumentação utilizada é carente de embasamento bíblico; veja quão poucos textos bíblicos ele utilizou, e mal explicados, diga-se de passagem.

    Também, fizemos nos comentários muitas perguntas aos adventistas que não foram devidamente respondidas, como por exemplo: de que forma Adão tomou ciência do requisito da guarda do sábado? Onde consta na Bíblia a divisão de lei moral e lei cerimonial defendida pelos adventistas? Se a suposta lei cerimonial foi abolida, porque o procedimento de cobrança do dizimo, que consta da lei cerimonial, continua sendo seguido pela denominação? Como Adão poderia ter herdado de Deus a ideia de guardar um sábado semanal, sendo que o sábado só veio à existência após a criação do homem? E etc…

    Enfim, cada um acredita no que quer. De qualquer forma, ler a argumentação do debatedor adventista a respeito da guarda do sábado até certo ponto foi proveitoso; nos ajuda a entender como os adventistas pensam. Também, ler e comentar sobre este assunto serviu muito pra mim; aprendi muito com você e com os outros comentaristas!!! Nunca aprendi tanto sobre o sábado quanto por meio deste debate.

    De uma coisa tenho certeza: O SÁBADO NÃO É REQUISITO PARA OS CRISTÃOS!

    Curtir

  • Queruvim  On 14 de fevereiro de 2014 at 16:40

    Nas cartas de Paulo há informações suficientes sobre este assunto Juca. Se disser de modo dogmático que “só o que Jesus falou é a verdade” então tudo o que o Apóstolo Pedro escreveu é mentira? E o que Paulo escreveu? E o que o idoso Apóstolo João escreveu em suas cartas e em Apocalipse está fora de cogitação e não devem ser consultados???

    Juca, Jesus falou sobre Paulo que ele é “um vaso escolhido para levar meu nome às nações” Atos 9:15

    Em vista disso, Juca, temos que consultar as cartas de Paulo e o restante da palavra de Deus a fim de ver o que ela tem a dizer sobre estes assuntos. Que Jesus é a verdade nós sabemos disso e este não é o assunto desta discussão.

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 14 de fevereiro de 2014 at 17:29

    Vamos lá o debate aqui embaixo tá ficando muito enrolado,com comentários muito extensos e até repetitivos ,peço desculpas porque eu mesmo cai nesse erro.
    Então vamos ver se perguntas breves ajuda nossos irmãos adventistas a raciocinar:
    1-Em 2 Cor.3:6 Paulo declara que a letra “mata’,certo.O que ele tinha em mente quando falou isso? O que era essa letra? E porque ela mata?
    2-No versículo 7 Paulo fala de um ministério gravados com letras letras em pedras..O que é isso? O que é esse ministério?
    3-no versículo 8 ele fala de algo mais grandioso e sublime,mais glorioso que esse código gravados com letras e pedras.O que é esse código mais elevado,superior ao gravados com letras em pedras?
    4-no verso 9 esse gravado em com letras em pedras é chamado de código da condenação,como poderia ser ele a a Lei perfeita que pertence a liberdade,ou conforme diz Paulo:
    “a lei desse espírito que dá vida em união com Cristo Jesus”. — Ro 8:2, 4.?
    Amigos adventistas primeiro responda a essas perguntas,depois continuamos com base nesse mesmo texto de 2 Cor 3.

    Curtir

  • Nilson Rocha.  On 14 de fevereiro de 2014 at 21:15

    Queruvim na sua opinião o que determina quem vence “um debate?”
    Outra coisa: Não é melhor postar os comentários que foram feitos por ultimo em baixo?

    Curtir

  • Queruvim  On 14 de fevereiro de 2014 at 21:31

    Aquele que cumpre o que propôs demonstrar é o que vence o debate. Sempre foi assim e sempre será. Fica evidente a todos mas apenas alguns reconhecem. Com respeito aos comentários, o procedimento aqui é para que o ultimo comentário fique no final da fila, la embaixo. Mas parece que depois de mais de 50 comentários tive que rever agora isto, visto que o software estava colocando o comentário automaticamente em outro lugar. Reconfigurei para ver se muda. Ou seja, o último comment ficando no fim dos comentários.

    Curtir

  • Queruvim  On 14 de fevereiro de 2014 at 21:49

    O texto da Bíblia Hebraica BHS apresenta a frase “ish IeHudi ” ou “homem judeu”. A forma mais literal de verter o texto portanto apresenta o substantivo “homem” (Hebraico ish).

    Curtir

  • burt walker  On 14 de fevereiro de 2014 at 22:31

    Clébio, você se esforçou mas não respondeu o ponto em pauta,pois alem da maioria dos adventistas não conhecerem os mandamentos da lei a não ser o quarto, desconhecem também os textos espúrios que foram acrescentados nas versões Almeida ,pois se você conhecesse não citaria João 8:11 (a mulher adultera ), assista ao vídeo Tradução do Novo Mundo Erudita e Confiável e você terá a prova do que estou lhe dizendo. Em tempo o que identifica a verdadeira religião não é a guarda de um determinado dia mas ,sim o amor, veja o vídeo Igreja Adventista e o Massacre em Ruanda .

    Curtir

  • Marcelo  On 14 de fevereiro de 2014 at 22:46

    <

    blockquote>veja o vídeo Igreja Adventista…

    Burt, meu maninho. Veja que o Queruvim removeu os ataques que fizemos uns aos outros. Vamos discutir de forma pacífica por favor 🙂

    Veja a excelente colocação de “Paulo Em 14 de fevereiro de 2014 às 12:07”

    Curtir

  • Saga  On 14 de fevereiro de 2014 at 23:23

    “Clébio Em 12 de fevereiro de 2014 às 15:58 […] Será que o texto de Colossenses 2.16-17 aboliu o Sábado? Eis o texto: “Ninguém, pois, vos julgue por causa de comida e bebida, ou dia de festa, ou lua nova, ou sábados, porque tudo isso tem sido sombra das coisas que haviam de vir; porém, o corpo é de Cristo.” Esta é uma pergunta muito comum, porém devemos nos lembrar de que, no Sinai, além dos Dez Mandamentos, (eternos, como já vimos) Deus deu a seu povo uma série de Leis […] Todas as festas e cerimônias judaicas eram apenas uma “sombra”, uma imagem do que seria o sacrifício de Cristo por nós. […] Leia o capitulo(Colossenses 2) todo com atenção e você verá que Paulo esta falando de tradições e leis cerimoniais judaicas, não dos dez mandamentos nem tampouco do Sábado semanal”

    Em outras passagens Paulo fala, das leis inteiras, com as Dez Palavras inclusas.

    “Como já vimos, o Sábado […] e, segundo a Bíblia, terá validade até o final dos tempos. “Porque, como os novos céus e a nova terra, que hei de fazer, estarão diante de mim, diz o Senhor, assim há de estar a vossa posteridade e o vosso nome. E será que, de uma Festa da Lua Nova à outra e de um sábado a outro, virá toda carne a adorar perante mim, diz o Senhor.” Isaías 66.22-23″

    Deixa eu ver se entendi, então a lua nova será celebrada até o final dos tempos? Afinal deve-se julgar o cristão pela lua nova ou não, os adventistas guardam as festas de lua nova?

    “Não penseis que vim revogar a Lei ou os profetas; não vim para revogar, vim para cumprir. Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra.” Mateus 5.17-18”

    Sim, e de fato tudo se cumpriu, tudo na Lei é certo de ter cumprimento, e em Cristo ela se cumpre com maior força. Esse texto tem que ver com as palavras da Torá se cumprirem em todos seus detalhes e não que devem ser seguidos todos seus estatutos eternamente. Inclusive nessa passagem deve-se ler assim:

    “Não penseis que vim revogar a BÍBLIA; não vim para revogar, vim para cumprir. Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da BÍBLIA, até que tudo se cumpra.” Mateus 5.17-18.

    Pois Jesus estava falando das Escrituras Sagradas e de que ele não veio contradize-las mas leva-las aos seus devidos cumprimentos.

    “Se, durante toda a história do mundo, o Sábado, ou sétimo dia, foi separado para honra, louvor e adoração a Deus, por que, de uma hora para outra, Deus iria mudá-lo, em um único versículo, que tem interpretação duvidosa?”

    Não, o Sábado foi instituído após o Êxodo para o povo de Israel e apenas para eles, que é como está escrito nos textos referentes a este tema. Mesmo que o Sábado continuasse válido como mandamento, ainda assim não seria normativo para os gentios, pois estes não estavam compromissados com ele desde o Sinai assim como os judeus.

    “Lembre-se: O sábado faz parte de uma Lei maior”

    Sim, Lei que era dada a Israel e não aos gentios.
    E que se cumpriu em Cristo, que é o seu fim.

    Curtir

  • SERGIO  On 15 de fevereiro de 2014 at 3:48

    MARCELO.

    OUTRA DIVISÃO DA LEI MORAL E CERIMONIAL:

    O que quer dizer a expressão “e era grande aquele sábado”, mencionada em João 19:31?

    Esta expressão não se refere ao tamanho cronométrico do dia.

    No contexto de João 19:31, coincidiram o sábado semanal e o sábado da festa dos pães asmos. Quando um sábado cerimonial coincidia com um sábado semanal, dizia-se que “era grande aquele dia de sábado”.

    Tal esclarecimento obtemos a partir de um conhecimento da cultura judaica, somado a um estudo aprofundado de Levíticos 23 e dos ensinamentos bíblicos sobre as festas (sábados) cerimoniais.

    Portanto, essa expressão “e era grande aquele dia de sábado” é a tradução, para o português de uma expressão idiomática hebraica que queria dizer que aquele dia tinha um significado sabático religioso duplo, pois nele estavam coincidindo duas observâncias.

    Curtir

  • SERGIO  On 15 de fevereiro de 2014 at 3:52

    I am JW

    OUTRA DIVISÃO DA LEI MORAL E CEREMONIAL:

    O que quer dizer a expressão “e era grande aquele sábado”, mencionada em João 19:31?

    Esta expressão não se refere ao tamanho cronométrico do dia.

    No contexto de João 19:31, coincidiram o sábado semanal e o sábado da festa dos pães asmos. Quando um sábado cerimonial coincidia com um sábado semanal, dizia-se que “era grande aquele dia de sábado”.

    Tal esclarecimento obtemos a partir de um conhecimento da cultura judaica, somado a um estudo aprofundado de Levíticos 23 e dos ensinamentos bíblicos sobre as festas (sábados) cerimoniais.

    Portanto, essa expressão “e era grande aquele dia de sábado” é a tradução, para o português de uma expressão idiomática hebraica que queria dizer que aquele dia tinha um significado sabático religioso duplo, pois nele estavam coincidindo duas observâncias.

    Curtir

  • Maílson  On 15 de fevereiro de 2014 at 12:00

    Então podemos comer carne de porco?

    Curtir

  • Joao Machado Machado  On 15 de fevereiro de 2014 at 14:54

    Puxa, está muito bom esse debate. Tenho acompanhado e fiz leitura desde o início das postagens.

    Espero que continuem a debater sobre esse tema tão importante para o direcionamento da igreja.
    

    Meu objetivo aqui é aprender o correto, segundo as escrituras e sobretudo não me apaixonar por denominação alguma.

    Curtir

  • Joao Machado Machado  On 15 de fevereiro de 2014 at 15:09

    Olha, pesquisei em diversas traduções de romanos 10.4, e percebi que a palavra FIM, de o fim da lei é cristo, não se refere a término, mas sim, a finalidade ou ainda alvo, objetivo, foco ou propósito…

    Então esse verso ao invés de terminar algo, na verdade, apresenta para onde aponta a lei…

    Então o verso de romanos 10.4, fica assim.  Porque a finalidade da lei é Cristo, ou ainda.  A lei aponta para cristo...
    

    Curtir

  • Joao Machado Machado  On 15 de fevereiro de 2014 at 15:52

    Eu, particularmente não sou TJ, nem adventista, mas aprecio as orientações da duas doutrinas. Penso também que o Moderador deva ser imparcial, para que possa ser um mediador mais justo com os dois debatedores e principalmente com os que leem as postagens…

    Seria interessante que o moderador possuísse um mecanismo que não desse vazão para a fuga de tema e principalmente este mesmo, não desse prosseguimento a postagens que não fazem parte do contexto discutido…

    Curtir

  • Freitas  On 15 de fevereiro de 2014 at 16:05

    Que isso, amigo Sergio, “fim da condenação” e “Recompensa” não estão no texto.

    O restante do que disse foi baseado no que está ausente do texto.

    Romanos 3:20 “PORTANTO, NINGUEM SERÁ DECLARADO JUSTO DIANTE DELE BASEANDO-SE NA OBEDIÊNCIA À LEI..”

    Filho, mestre Azenilto estuda baseando-se apenas em especulações, nada mais!

    Seguir este padrão ausente de estudo é uma ingenuidade e tremenda imaturidade espiritual.

    Curtir

  • Joao Machado Machado  On 15 de fevereiro de 2014 at 16:16

    Cristo é o fim da lei. Cristo é a finalidade da lei.

    “Porque o fim da lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê”. (Romanos 10:4).

    Devido a falta de um estudo mais atento da Bíblia, muitos acham que este verso refere-se à abolição da Lei de Deus.

    A palavra “fim” neste texto vem do grego “Telos” e significa “alvo, objetivo”. Esta é a mesma que aparece em I Pedro 1:9:

    “Obtendo o fim (Telos) da vossa fé: a salvação da vossa alma”.

    Será que a Bíblia está dizendo aqui que a fé teve um fim; ou que não precisamos mais ter fé para sermos salvos? Claro que não! Seria absurdo supormos isso! De acordo com o original grego, a tradução correta deste texto é:

    “Obtendo o alvo (ou objetivo) da vossa fé: a salvação da vossa alma”.

    Portanto, a tradução correta de Romanos 10:4 é : “Porque o alvo (objetivo) da Lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê”. O objetivo da Lei não é nos salvar, mas nos aproximar de Cristo, através da obediência por amor (João 14:15).

    Curtir

  • Jeosadá  On 15 de fevereiro de 2014 at 19:36

    Antes de mais nada gostaria de informar o objetivo de meu comentário:

    “Fazer um réplica justa a acusações desonestas.”

    Desde o quando essa página foi criada, o Sr. Azenildo tem se desviado do tema com acusações contra Russell, do tipo:

    “Só isso já mostra a falácia da teologia novidadeira do neo-antinomismo dispensacionalista e dianenhumista, acatado por tantos crentes desde meados do séc. XIX, e que muito influenciou C. T. Russell.”

    O Sr. Azenildo usa de linguagem disfêmica para causar um desconforto com relação a nossa posição bíblica com relação ao sábado.
    Isso é claramente uma tentativa de revide desonesto, ou seja, ele não pode se limitar a dizer:

    “Olha, a Bíblia deixa claro que os cristãos devem guardar o Sábado. A atitude das TJ’s de não guardar o Sábado é Anti-bíblica.”

    Isso seria um comentário imparcial, sem nenhuma tentativa de criar um sensacionalismo linguístico.

    Imagine que um jovem, na tentativa de fazer um amigo desobedecer os pais dissesse:
    “Você é livre. Não obedeça seus pais, você não é escravo deles.”

    Esse tipo de argumento só desvirtua o principio da obediência aos pais, invocando assim o orgulho pessoal do jovem.

    Assim também, o objetivo do Sr. Azenildo em relacionar as crenças de Russell com a das TJ’s hoje é apenas uma maneira indireta dele dizer:
    “Não acredite que a guarda do Sábado foi algo abolido para os cristãos. Russell pregava isso, e se vocês crerem nisso se tornaram seguidores dele.”

    Ele quer nos fazer acreditar que nossas crenças são ensinamentos de um homem, contrariando assim o que o próprio Russell publicou numa edição de A Sentinela:
    “Nem desejamos que os nossos escritos sejam reverenciados ou considerados infalíveis.” (15 de dezembro de 1896, página 306)

    Assim, como os argumentos da guarda do sábado por parte dos cristãos se mostram cada fez mais refutados, refutação essa feita pelo Apologista, ele tem que revidar de maneira mais energética.

    Note que em parte alguma o apologista condena a posição da guarda do Sábado por parte da IASD como uma influencia de Ellen White ou de outros fundadores do Adventismo. Ele apresenta argumentos bíblicos e nada mais.

    Muitas das coisas em que Russell acreditava não influencia as crenças das TJ’s hoje. A influencia que nos temos dele é a de que nós devemos ser Fervorosos Estudantes da Bíblia, e basear nossas crenças nelas.

    Agora, sobre as TJ’s e a primeira gurra mundial, veja o que diz o Anuário de 1975, sob o subtitulo:

    NEUTRALIDADE

    “O irrompimento da Primeira Guerra Mundial ofereceu ao Diabo uma oportunidade de criar incerteza entre os irmãos quanto à questão da neutralidade, incerteza que até mesmo se manifestou em Barmen, na Casa da Bíblia, em que os irmãos Dwenger, Basan e Hess tinham todos a idade de ser convocados. Ao passo que os irmãos Dwenger e Basan determinaram não fazer o juramento de lealdade nem pegar em armas, o irmão Hess estava indeciso. Lá se foi ele para a frente da Bélgica, companheiro dos que não punham sua esperança no reino de Deus. Jamais retornou. Uma posterior convocação resultou na chamada dos irmãos Dwenger e Basan. O irmão Basan logo conseguiu voltar para casa, ao passo que o irmão Dwenger não foi liberado, mas, antes, viu-se obrigado a arquivar registros num escritório militar. Ele se dispôs a fazer isso sendo compatível com seu entendimento do assunto naquele tempo. O irmão Balzereit, peregrino, discordou do irmão Dwenger, contudo, quando este lhe disse que, no caso de emergência, ele recusaria a incorporação e tomar armas. O irmão Balzereit expressou seu desacordo por dizer: “Compreende os resultados que advirão à obra se tomar tal posição?”
    Devido à incerteza que prevalecia entre eles, nem todos os irmãos seguiram o proceder de estrita neutralidade cristã para com os assuntos das nações. Considerável número de irmãos fizeram o serviço militar e lutaram na frente. Outros se recusaram a fazer o serviço militar como combatentes, mas dispunham-se a servir nos corpos médicos do exército. Alguns, contudo, tomando firme posição, recusaram participar de qualquer modo, e foram sentenciados à prisão. Em resultado da posição que tomou, Hans Hölterhoff foi submetido a cruel decepção quando foi levado a um local sob o pretexto de que iria enfrentar um pelotão de fuzilamento. Por fim, foi sentenciado a dois anos de prisão pelo tribunal militar.
    Em vista da incerteza que reinava entre o povo de Deus sobre tão importante assunto como a neutralidade cristã, podemos certamente agradecer a Jeová por ele ter continuado a lidar com misericórdia com eles.”

    As TJ’s não escondem estes fatos. Eles foram publicados em livros que tiveram a tiragem de milhões de cópias.

    Porém é interessante que nesta época houve Estudantes da Bíblia que não transigiram:

    http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/2013369

    Porém, os Estudantes da Bíblia se arrependeram sinceramente por não terem mantido a neutralidade absoluta durante a Primeira Guerra (apesar de ter existido exceções de objetores de consciência).

    Isso ficou provado pela maneira como elas acataram o principio da neutralidade cristã durante a Segunda Guerra Mundial. – Mateus 26:52

    Veja o que diz o livro “Salvação do Homem” (1976) diz:
    No entanto, em 1939, ano em que irrompeu a Segunda Guerra Mundial, todos os do restante do Israel espiritual e também os da “grande multidão” de companheiros semelhantes a ovelhas declararam-se a favor da absoluta neutralidade para com os conflitos mundiais, sem consideração de nacionalidade. A publicação do artigo sobre “Neutralidade”, no número inglês de 1.° de novembro de 1939 de A Sentinela (fevereiro de 1940, em português), esclareceu sua atitude. Não se afastaram desta atitude em nenhum tempo desde então. Coerentes com isso, nunca se meteram tampouco na política de qualquer nação, nem participaram nela, na qual há tanta vituperação e incitação a muitas hostilidades e ódios divisórios.

    A Sentinela de 15 de Junho de 1972:
    “Apenas dois meses depois de os exércitos nazistas de Hitler terem invadido a Polônia, precipitando a Segunda Guerra Mundial, os do restante ungido de Jeová deram um devido aviso ao mundo em guerra. Como? Pela publicação do artigo principal intitulado “Neutralidade” no número inglês de 19 de novembro de 1939 de A Sentinela Anunciando o Reino de Jeová. (A Torre de Vigia Anunciando o Reino de Jeová, de fevereiro de 1940) Salientando bem qual era a guerra teocrática nos dias do antigo Israel, este artigo declarava “‘A Cristandade’ não Teocrática”. Nós somos neutros para com as guerras dela.”

    A Sentinela de 1º de Julho de 2008:
    “Qualquer pessoa que tenha perdido alguém querido nos campos de batalha da Segunda Guerra Mundial — ou em qualquer outra guerra posterior — pode ter certeza de que nem uma única Testemunha de Jeová foi responsável por essas mortes.”

    Ao contrário da atitude da IASD:
    “Após a Primeira Guerra Mundial, dizia-se que a a Igreja Adventista do Sétimo Dia não repetiria o erro cometido em 1914-1918. Contudo as evidências revelaram, para o nosso grande desapontamento, que ainda seguiam o mesmo modo de proceder. Finalmente, irrompe outra guerra mundial, e nossos irmãos adventistas tiveram nova oportunidade de provar que se colocavam ou a favor ou contra a lei de Deus. Se realmente lamentassem o que fizeram durante e após a Primeira Guerra Mundial, tiveram agora excelente oportunidade de se redimirem de sua passada falta.”
    (http://www.adventistas.com/janeiro2003/hitler_iasd.htm)

    A ausência da preocupação de corrigir os erros cometidos no passado demonstra falta do verdadeiro arrependimento. — Veja Ez 33:14, 15

    Nós também queremos hoje reconhecer que a melhor das evidências do arrependimento não são apenas palavras, formalmente declaradas, mas sim ações. (Veja 1 João 3:18.)

    E essa falta de ‘mudança’ é evidenciada até nos ensinos da IASD, como no caso da Doutrina do Juizo investivo, sendo tal ensino questionado até por eruditos IASD.

    Veja o que diz A Sentinela de 15 de Julho de 1997, p. 25-29:
    O “Juízo Investigativo”: é uma doutrina baseada na Bíblia?

    TRECHO:
    “No entanto, alguns eruditos respeitados da Igreja dos Adventistas do Sétimo Dia (ASD) têm-se perguntado se o “juízo investigativo” é uma doutrina baseada na Bíblia.”

    “A Associação Geral designou uma “Comissão de Problemas no Livro de Daniel”. Destinava-se a preparar um relatório sobre como resolver as dificuldades em torno de Daniel 8:14. Os 14 membros da comissão estudaram a questão por cinco anos, mas deixaram de propor uma solução unânime. Em 1980, Cottrell, membro da comissão, disse que a maioria dos membros da comissão achava que a interpretação adventista de Daniel 8:14 podia ser “confirmada satisfatoriamente” por uma série de “suposições” e que os problemas “deviam ser esquecidos”. Ele acrescentou: “Lembre-se de que o nome da comissão era Comissão de Problemas no Livro de Daniel, e que a maioria sugeria que esquecêssemos os problemas e não disséssemos nada sobre eles.” Isto seria equivalente a uma “admissão de que não temos respostas”. De modo que a minoria negou-se a apoiar o ponto de vista da maioria, e não houve nenhum relatório formal. Os problemas doutrinais continuaram sem solução.
    Comentando este impasse, o Dr. Cottrell diz: “A questão de Daniel 8:14 ainda continua, porque não estivemos até agora dispostos a encarar o fato de que existe um problema exegético bem real. Esta questão não se resolverá enquanto continuarmos fazendo de conta que não há problema, enquanto insistirmos em manter nossas cabeças, individual e coletivamente, enterradas na areia de nossas opiniões preconcebidas.” — Spectrum, um periódico publicado pela Association of Adventist Forums.
    O Dr. Cottrell exorta os Adventistas a fazer “um reexame cuidadoso das suposições básicas e dos princípios de exegese em que temos baseado nossa interpretação desta — para o adventismo — indispensável passagem das Escrituras”.”

    Até hoje, os Advenstistas do Sétimo dia se envolvem com a política e com o exército.
    (pedroblog-geral.blogspot.com.br/2011/05/um-adventista-no-servico-militar.html?=1)
    (coad.jusbrasil.com.br/noticias/2288373/formacao-de-militares-adventista-devera-realizar-curso-aos-sabados)

    Ao contrário das TJ’s que em alguns países, como a Coréia do Sul, estão presas por se recusar a prestar serviço militar.
    Isso é uma evidencia do firme apego as normas de neutralidade cristã (por parte das TJ’s) desde 1919.
    (www.jw.org/pt/noticias/casos-juridicos/por-regiao/coreia-do-sul/prisao-injusta-objetores-consciencia/)

    Att.: Jeosadá

    P.S.:
    Sr. Azenildo, não se ofenda, quando você começou com seus ataques a nós e a Russell, você deu margem para um réplica devido aos seus desvios de tema.

    Curtir

  • SERGIO  On 15 de fevereiro de 2014 at 20:07

    DREJAH:

    VELHO PACTO———————————-NOVO PACTO

    Sempre confundindo:

    Antigo pacto com primeiro pacto (santuário terrestre)

    Novo pacto com segundo pacto (santuario celestial)

    Mais uma vez:

    ANTIGA ALIANÇA: Dez mandamento escritos em tabuas de pedra.
    DEUTERONÔMIO 4:13.

    NOVA ALIANÇA: Dez mandamentos escritos no coração.
    JEREMIAS 31: 31-34, HEBREUS 8: 8-1 e 2º CORÍNTIOS 3:2-3.

    Não confundir com:

    PRIMEIRA ALIANÇA: Santuário terrestre e sangue de animais.
    HEBREUS 9:1 e 9:7.

    SEGUNDA ALIANÇA: Sangue de Jesus e santuário celestial.
    HEBREUS 9:12 e 9:24.

    Curtir

  • SERGIO  On 15 de fevereiro de 2014 at 20:16

    Terminou o debate?

    Curtir

  • Queruvim  On 15 de fevereiro de 2014 at 22:24

    Ainda que optemos por esta tradução, que está dentro da gama de significado de “télos”, o fato de Paulo dizer que Jesus é o “objetivo da lei” nos mostra que, PRIMEIRO, a lei é mencionada como um todos sem se fazer distinção entre “lei moral” e “lei cerimonial”. Paulo se referia a inteira Lei dada ao antigo Israel como sendo finalizada ou tendo seu propósito cumprido em Cristo. O que indica que somente ele poderia cumpri perfeitamente as exigências justas da Lei. Isto porque Cristo foi o único homem sem pecado. A Lei demonstrava que nenhum outro homem pode ser declarado justo por meio de um código de lei. A salvação só seria alcançada não por méritos de obras provenientes de um código de lei, mas pela “graça” concedida por meio de Cristo. É neste sentido, que os que aderem a qualquer texto da lei de Moisés e se apegam a ele, estão demonstrando que invalidam o sacrifício de Cristo.

    Curtir

  • SERGIO  On 15 de fevereiro de 2014 at 23:33

    Amigo Freitas, claro que, “fim da condenação” e “recompensa”, fui eu que coloquei.

    E o restante foi para informar o pensamento correto de Paulo.

    Curtir

  • Marcelo  On 15 de fevereiro de 2014 at 23:41

    Sérgio

    Antigo pacto com primeiro pacto (santuário terrestre)

    Novo pacto com segundo pacto (santuario celestial)

    O ANTIGO pacto não é o PRIMEIRO? E o SEGUNDO o novo? Mostre o texto por favor, onde se fala em mais de um pacto.

    Curtir

  • Marcelo  On 15 de fevereiro de 2014 at 23:57

    João Machado

    “Finalidade” é uma das possíveis traduções ou é a única? Pois todas as traduções que me lembro traduzem por fim, levando a idéia de término. Seria muito simples que elas usasem “finalidade”, não? Por que não usaram então?

    Curtir

  • Saga  On 16 de fevereiro de 2014 at 0:23

    Queruvim,

    Ao fim do debate pode ser feitas “perguntas ao sabatistas” IGUAL a série de perguntas aos trinitários. É mais uma forma deles terem a oportunidade de tentar se explicar.

    E digo mais (IDEIA NOVA) :quem quiser pode fazer o seguinte, se o blog fez 10 perguntas (baseadas em textos bíblicos) aos sabatistas sobre a questão da observância cristã do sábado, eles podem fazer um igual número de 10 perguntas (com base nos textos bíblicos que acharem melhor) que visem demonstrar que as Testemunhas Cristãs de Jeová ainda deveriam ser obrigadas guardar o Sábado hoje (Assim botamos os leitores TJs deste blog pra trabalhar respondendo as dúvidas dos adventistas)

    Assim poderá se testar como cada cada se sai diante de questionários bíblicos que desafiem o entendimento bíblico da sua afiliação religiosa.

    Curtir

  • Saga  On 16 de fevereiro de 2014 at 0:50

    “terá que nos provar que O SÁBADO NÃO TEM NADA A VER COM AMOR, o que Jesus declarou em Mat. 22:36-40”

    Isso parece um apelo a emoção .

    Apelo a emoção é muito usado por ativistas, sejam GLBT ou feministas para citar dois exemplos. No caso dos ativistas gays é muito comum ficar martelando a palavra amor: “como você pode ser contra o amor entre duas pessoas que se amam?”. No caso das feministas, quem for contra as baixarias das militantes do FEMEN mostrando os peitos na rua ou das propagandas pró-aborto elas logo te rotularão de “inimigo das mulheres”, um óbvio apelo a emoção, pois ninguém quer se dizer um inimigo das mulheres, assim como ninguém são se dirá contra o amor.

    Como Jesus fala de”TODA A LEI”, o tal argumento em questão serviria para qualquer dos 613 mandamentos da Lei. Ou seja ficaria assim:

    “terá que nos provar que O [MANDAMENTO.QUALQUER] NÃO TEM NADA A VER COM AMOR, o que Jesus declarou em Mat. 22:36-40”

                           (Mateus 22:36-40) 
    

    36 “Instrutor, qual é o maior mandamento NA LEI?”
    37 Disse-lhe: “‘Tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua mente.’
    38 Este é o maior e primeiro mandamento.
    39 O segundo, semelhante a este, é: ‘Tens de amar o teu próximo como a ti mesmo.’
    40 Destes dois mandamentos dependem TODA A LEI E OS PROFETAS.”

    O texto não diz: “destes dois….dependem todos os dez mandamentos”, Sendo assim, a badalada aplicação do Amor proposta pelo adventista pode ser aplicada não apenas ao Sábado mas a qualquer outro dos mais de 600 mandamentos contidos na Torá. Se isso representar que os cristãos gentios tem obrigação de guardar tal regra, então igualmente deverá guardar “TODA A LEI E OS PROFETAS” , pois a passagem não se delimita as Dez Palavras nas Tábuas. (Na verdade Jesus nunca fez essa distinção de isolar as 10 Palavras como especiais, mas era defensor do cumprimento da INTEIRA Lei, Salmos e Profetas)

    Curtir

  • DREJAH  On 16 de fevereiro de 2014 at 7:20

    SERGIO disse:

    COLOSSENSES 2:16-17:
    “Portanto, ninguém vos julgue………(CERIMONIAS).”

    GÁLATAS 3:19:
    “Qual, pois, a razão de ser da lei? Foi adicionada por causa da transgressão…..LEI ADICIONADA? A lei CERIMONIAL. PRIMEIRA ALIANÇA:

    Sergio, meu jovem , todo teu argumento está alicerçado em que a Lei está dividida em Lei Cerimonial e Lei Moral. E ISSO NÃO EXISTE NAS ESCRITURAS!

    Portanto seu argumento é falho não tem sustentação Bíblica.

    Curtir

  • DREJAH  On 16 de fevereiro de 2014 at 12:15

    SERGIO disse : Antes do pecado os 10 mandamentos eram representados pela arvore do fruto proibido.

    Esta é pra mim a “melhor pérola” que eu ouvi dos comentaristas adventistas até agora!!!
    Sérgio, faça-nos o favor, abra a sua Bíblia e PROVE esse seu argumento pra nós usando apenas as Escrituras.

    Curtir

  • Marcelo  On 16 de fevereiro de 2014 at 12:42

    Já vimos como ATJ admite que incluem o equivalente aos 10 preceitos do Decálogo, muito bem.

    Esta frase é verdadeira e falsa ao mesmo tempo. É verdadeira, por que ele (o Apologista) justificou haver “princípios” que incutiam um censo do que é certo errado, refutando o TEU ARGUMENTO (Azenilto) argumento que Jeová não poderia culpar sodomoa por seus atos se não haviam mandamentos.

    É falso, porque de maneira nenhuma se “admite” que DÉCALOGO foi dado, apenas se demonstra que os princípios existiam. Mas não só princípios que estavam por tráz do décalo, mas também por tráz de toda a Lei [dita cerimonial], como já demonstrado.

    Então, se pelos atos de condenação de Sodoma, Gomorra, Caim, ou seja quem for, antes da lei, justificarem os dez mandamentos, estes estariam justificando também a dita Lei cerimonial.

    Não pediu Jeová sacrifícios da parte de Abraão? Isto prova que a lei cerimonial havia sido dada?

    Azenilto, tu tem TORTURADO as escrituras para que elas CONFESSEM a idéia que tu está tentando defender, e isto é bem claro, quando vemos que os mesmos argumentos para justificar o décalo na criação poderiam muito bem ser usadas para justificar o restante da Lei. Mas tu não acredita que o restante da lei tenha sido dado na criação, ou acredita?

    Dois pesos, duas medidas?

    Curtir

  • SERGIO  On 16 de fevereiro de 2014 at 12:43

    Onde ele diz que não se deveria guardar?

    Curtir

  • Karmo  On 16 de fevereiro de 2014 at 12:56

    Dessa vez o professor Azenilto usou vários textos bíblicos para tentar validar a guarda do sábado pelos não-judeus.

    A pergunta do debate é: “São os cristãos orientados por Deus a guardar o sétimo dia?”

    Vejamos:

    ” Pois em seis dias fez Jeová os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há, e no sétimo dia passou a descansar. É por isso que Jeová abençoou o dia de sábado e passou a fazê-lo sagrado. (Ex. 20:11)” Aqui nada indica que os cristãos devem guardar o sétimo dia. É apenas uma declaração da importância para Deus do sétimo “dia”, que como foi comentado extensamente, não se trata de um dia literal de 24 horas.

    ” Ele fez uma recordação para as suas obras maravilhosas.” (Salmos 111:4) Aqui também, nenhuma ordem para os cristãos guardarem o sétimo dia, ou sábado semanal.

    “Prosseguiu assim a dizer-lhes: “O sábado veio à existência por causa do homem, e não o homem por causa do sábado.” (Marcos 2:27) A mulher também veio a existência por causa do homem, não da humanidade em geral. “Porque o homem não procede da mulher, mas a mulher do homem; e, ainda mais, o homem NÃO FOI CRIADO POR CAUSA da mulher, mas a mulher POR CAUSA do homem. ” – 1 Cor. 11:8, 9. De novo aqui nada indica que os cristãos devem guardar o sábado.

    ““Instrutor, qual é o maior mandamento na Lei?” Disse-lhe: “‘Tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua mente.’ Este é o maior e primeiro mandamento. O segundo, semelhante a este, é: ‘Tens de amar o teu próximo como a ti mesmo.’ Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.”” (Mateus 22:36-40) Jesus poderia ter dito que o segundo maior mandamento era guardar o sábado, mas não fez. Outra vez, não vemos nenhum ordem para os cristãos guardar o sétimo dia.

    “E ao sétimo dia Deus havia acabado sua obra que fizera e passou a repousar no sétimo dia de toda a sua obra que fizera. E Deus passou a abençoar o sétimo dia e a fazê-lo sagrado, porque nele tem repousado de toda a sua obra que Deus criara com o objetivo de [a] fazer.” (Gênesis 2:2, 3) Nesses versículos também não são encontradas ordens diretas para os cristãos guardarem o sábado.

    “É um sinal entre mim e os filhos de Israel por tempo indefinido, porque em seis dias Jeová fez os céus e a terra, e no sétimo dia repousou e passou a tomar fôlego.’”” (Exodo 31:17) Aqui se vê claramente que a guarda do sábado era um sinal entre Jeová Deus e os filhos de Israel, não era um sinal entre Jeová Deus e a humanidade em geral. Não vemos a ordem para os cristãos guardarem o sétimo dia.

    ‘Porque num lugar ele disse do sétimo dia o seguinte: “E Deus descansou no sétimo dia de todas as suas obras”,…” Porque o homem que entrou no descanso [de Deus] descansou também das suas próprias obras, assim como Deus das suas.” (Hebreus 4:4, 10) Como poderia o homem entrar no descanso de Deus, se supostamente o descanso de Deus acabou no sétimo dia de 24 horas, de acordo com nossos amigos adventistas do sétimo dia? Não é possível entrar num descanso que já acabou. De novo, nada sobre os cristãos guardarem o sétimo dia.

    “A fé é a expectativa certa de coisas esperadas, a demonstração evidente de realidades, embora não observadas. Porque, por meio desta, os antigos receberam testemunho.” (Hebreus 11:1) Aqui vemos o começo de uma lista de várias testemunhas de Jeová, nada sobre guardar o sábado semanal.

    Portanto,há ausência de evidências bíblicas para a guarda do sábado semanal pelos cristãos, sendo a observância desse dia pelos adventistas, simplesmente uma questão de apego a tradição e a leis pré-cristãs, abolidas evidentemente pelo advento do Messias e sua morte sacrificial.

    Junta-se a isso o fato de criarem uma distinção entre lei moral e cerimonial que evidentemente não havia nos tempos bíblicos.

    Curtir

  • DREJAH  On 16 de fevereiro de 2014 at 13:08

    SERGIO disse: COLOSSENSES 2:16-17

    “Portanto, ninguém vos julgue ……..dos sábados(CERIMONIAS).”

    ( Notaram que ele tenta provar seus argumentos ACRESCENTANDO o que está realmente na Bíblia ??? ).
    Deixa de seguir a regra bíblica : “NÃO VADES ALÉM DAS COISAS QUE ESTÃO ESCRITAS “. 1 Co 4: 6
    Ora, se UM ANO SABÁTICO que era comemorado de 7 em 7 anos era SOMBRA da REALIDADE . O sábado semanal muito mais ainda!!!

    Curtir

  • Marcelo  On 16 de fevereiro de 2014 at 13:31

    terá que nos provar que O SÁBADO NÃO TEM NADA A VER COM AMOR, o que Jesus declarou em Mat. 22:36-40.

    Será que este texto, deve ser lido assim?:

    “Instrutor, qual é o maior mandamento na LEI CERIMONIAL?” Disse-lhe: “‘Tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua mente.’ Este é o maior e primeiro mandamento. O segundo, semelhante a este, é: ‘Tens de amar o teu próximo como a ti mesmo.’ Destes dois mandamentos dependem toda a LEI MORAL PONTO.”

    Parece que sim, pois ele tem sido usado para justificar a continuidade dos Dez mandamentos por aqueles que rejeitam [parte d]a lei Cerimonial.

    Quanto a declaração:

    Prove que o sábado não tem nada a ver com o amor

    Como assim?
    Quem é que disse que não tem nada a ver com o amor?
    Qual é o ponto deste argumento?

    Por favor respondam, amigos adventistas:

    Por que Paulo falaria que foi 430 anos DEPOIS da promessa a Abraão? Gál 3:17

    Minha sugestão é que passem para outros argumentos (3°, 4°, 5°, 6° e talvéz 7°), pois esta linha de raciocínio, a saber, que (1º) Lei foi dada no Éden, e que (2°) o amor a Deus e ao próximo justificam a obediencia ao décalo mas não a lei cerimonial não vai convencer ninguém que já não seja adventista.

    Curtir

  • Queruvim  On 16 de fevereiro de 2014 at 14:31

    Mas realmente está dentro da gama de significado. No entanto, a primeira acepção é de fim mesmo. Ou sejá Télos=fim, finalidade, resultado final, término.

    Curtir

  • DREJAH  On 16 de fevereiro de 2014 at 14:32

    Deus mudou seus padrões?

    Será que essa mudança da Lei de Moisés para a lei do Cristo significa que Deus mudou seus padrões? Não. Assim como um pai ajusta as regras que estabelece para seus filhos, levando em conta a idade e as circunstâncias deles, Jeová tem ajustado as leis que seu povo precisa cumprir. O apóstolo Paulo explica o assunto da seguinte forma: “Antes de chegar a fé, estávamos sendo guardados debaixo de lei, entregues juntos à detenção, aguardando a fé que estava destinada a ser revelada. A Lei, por conseguinte, tornou-se o nosso tutor, conduzindo a Cristo, para que fôssemos declarados justos devido à fé. Mas agora que chegou a fé, não estamos mais debaixo dum tutor.” — Gálatas 3:23-25.

    Como a linha de raciocínio de Paulo se aplica ao sábado? Considere esta ilustração: Na escola, um aluno talvez tenha de estudar determinada matéria como, por exemplo, engenharia, num dia específico da semana. No entanto, depois de entrar no mercado de trabalho, ele precisará aplicar o que aprendeu não apenas naquele dia específico, mas todos os dias da semana. Da mesma forma, sob a Lei, os israelitas precisavam reservar um dia por semana para descanso e adoração. Por outro lado, Deus requer que os cristãos o adorem não apenas um dia por semana, mas todos os dias!!!

    Então quer dizer que é errado reservar um dia da semana para descanso e adoração? Não. A Palavra de Deus mostra que cabe a cada um tomar sua decisão, dizendo: “Há quem faça diferença entre um dia e outro, enquanto outro acha que todos os dias são iguais. Cada qual siga a sua convicção.” (Romanos 14:5, Pastoral) Ao passo que alguns encaram um dia como mais sagrado do que outros, a Bíblia indica claramente que outros não precisam necessariamente ter a mesma forma de pensamento. Portanto torna-se um assunto de decisão pessoal sobre o dia que a pessoa escolhe descansar. Deus não espera que os cristãos guardem um sábado semanal e nem vai proibir quem deseja fazê-lo.

    Curtir

  • DREJAH  On 16 de fevereiro de 2014 at 14:52

    …………..MÚSICA PARA ACALMAR OS ÂNIMOS E TRAZER PAZ………………..

    ………….. ESCUTE , OBEDEÇA E SEJA ABENÇOADO ___ CÂNTICO 120 ……

    http://download.jw.org/files/media_music/d7/iasnv3_T_07.mp3.

    Curtir

  • Joao Machado Machado  On 16 de fevereiro de 2014 at 15:21

    Marcelo, meu amigo, não faça isso, pois sou iniciante e preciso pegar confiança nas pessoas que já possuem mais tempo de evangelho.
    Quando você diz que a palavra fim, dá ideia de término, é muito tendencioso. Preciso compreender de onde você tirou essa conclusão…

    Olha porque compreendo diferente de você. Posso utilizar tranquilamente a palavra fim no sentido de finalidade, penso inclusive que fica mais culto, veja.

    Comprei este sapato com o fim de ir à festa…
    Estudo a palavra de Deus, com o fim de compreendê-la…
    Troco mensagens contigo com o fim de aprender…

    Entende agora, que a ideia de término você já trouxe contigo e para isso necessita fazer com que o texto te acompanhe?…

    Curtir

  • Nilson Rocha  On 16 de fevereiro de 2014 at 15:29

    A que pena que terminou….

    Curtir

  • Joao Machado Machado  On 16 de fevereiro de 2014 at 15:30

    Kd o adventista responsável pelo debate?…

    Queruvim...Porque adotar o entendimento de fim?, preciso compreender o porque de se adotar esta linha de raciocínio...?
    

    Olha o que eu achei por aqui…usando a mesma palavra fim…

    Cristo é o fim da lei. Cristo é a finalidade da lei. 
    

    “Porque o fim da lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê”. (Romanos 10:4).

    Devido a falta de um estudo mais atento da Bíblia, muitos acham que este verso refere-se à abolição da Lei de Deus.

    A palavra “fim” neste texto vem do grego “Telos” e significa “alvo, objetivo”. Esta é a mesma que aparece em I Pedro 1:9:

    “Obtendo o fim (Telos) da vossa fé: a salvação da vossa alma”.

    Será que a Bíblia está dizendo aqui que a fé teve um fim; ou que não precisamos mais ter fé para sermos salvos? Claro que não! Seria absurdo supormos isso!

    “Obtendo o alvo (ou objetivo) da vossa fé: a salvação da vossa alma”.

    Portanto, a tradução correta de Romanos 10:4 é : “Porque o alvo (objetivo) da Lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê”. O objetivo da Lei não é nos salvar, mas nos aproximar de Cristo, através da obediência por amor (João 14:15).

    Curtir

  • Queruvim  On 16 de fevereiro de 2014 at 16:40

    VEJAMOS QUAIS AS DEFINIÇÕES OU SIGNIFICADOS DESTA PALAVRA de acordo com Enciclopedistas ou eruditos que trabalharam anos, somente na pesquisa deste e outros termos grego:

    STRONGS NT 5056:

    τέλος:

    fim, i. e.

    a. terminação, o limite no qual uma coisa cessa de ser, (nos escritos gregos sempre refere-se ao fim de algum ato ou estado, mas não do fim de um período de tempo , o qual chamam de τελευτή; nas escrituras também de um fim temporal;

    DEFINIÇÃO DE OUTRO DICIONÁRIO GREGO-INGLÊS
    HELPS Word-studies
    5056 télos (um substantivo neutro) – apropriadamente, consumação (o fim-alvo, objetivo), tal como um fechamento com todos os seus resultados.

    [Esta raiz (tel-) significa “alcançando o fim (objetivo).” É bem ilustrada no telescópio do velho pirata, se abrindo(estendendo-se) um estágio a cada tempo para funcionar a plena força(capacidade de efetividade).]

    PORTANTO, TRADUZIR “TÉLOS” por “fim é plenamente aceitável não somente no significado, como também no entendimento desta palavra. Pode significar também “objetivo”, mas no sentido de “terminado” ou “cumprido” algo. Em vista disso, é obvio que quando Paulo diz que Cristo “é o fim da lei” Paulo estava se referindo a esta como tendo alcançado seu objetivo e que não mais é para os cristãos. Lógico que ele não se referia a lei como princípio. Senão isto significaria que podemos fazer o que é contra a lei. Paulo se referia especificamente a Lei de Moises, sem fazer nenhuma diferenciação entre “leio moral” ou “lei cerimonial” como defendem os seguidores de uma profetiza com problemas mentais, chamada Ellen G. White.

    Curtir

  • Karmo  On 16 de fevereiro de 2014 at 16:53

    Caro, João, se essa sua interpretação é a mais correta de Romanos 10:4, então todas as leis mosaicas ainda permanecem em vigor, de modo que temos de obedecer os mais de 600 requisitos dessa lei.

    Vamos ter de sacrificar animais para obtermos a aprovação de Deus, seguir as restrições dietéticas e nos atentar a uma grande quantidade de detalhes cerimoniais exigidos pela lei. De nada nos adiantaria o sacrifício de Cristo se sua interpretação estivesse correta.

    Ademais, se você “comprou um sapato com a finalidade de ir a festa”, e foi com o sapato a festa, o tal par de sapatos já não cumpriu sua finalidade?

    SE através do estudo da palavra de Deus, você chega a compreende-la, o estudo já não cumpriu sua finalidade?

    SE trocas mensagens conosco, com o objetivo ou finalidade de aprender, e aprendes, não alcançaste teu objetivo?

    Da mesma forma, Cristo cumpriu a Lei, sendo o único capaz de obedecê-la perfeitamente, pois a Lei tinha a finalidade de conscientizar os israelitas da necessidade de um Salvador, protegendo-os sua identidade como nação da onde surgiria o Messias.

    A Lei, portanto, cumpriu sua finalidade, teve fim com o advento do Messias.

    Curtir

  • Wander  On 16 de fevereiro de 2014 at 17:02

    Olá! Pode apostar que sim… Entro as vezes em blogs pra discutir sobre doutrinas como a trindade, e as pessoas nem mesmo sabem se você é testemunha de Jeová, mas geralmente basta falar que a trindade não é bíblica, que pronto, não argumentam mais com educação, e muito menos com base bíblica, eles defendem as crenças deles com um festival de acusações anti-tj, e agressões onde ofendem nossa integridade pessoal até… Mas eu entendo o desespero deles, fica difícil discutir a altura, quando mostro minha crença antitrindade claramente e literalmente desenhada na bíblia (Deut. 6:4 > Marcos 12:29), e peço a eles pra mostrarem o conceito de deus triúno na bíblia (Um só texto que diga que Deus é um ser formado por 3 pessoas), e eles não tem nada pra mostrar… Só resta xingar e acusar a religião alheia mesmo.

    Adventista é quem menos pode tacar pedra nas Tjs… Mas nem vou entrar em detalhes…

    Parabéns, ficou muito bom o artigo.

    Curtir

  • Karmo  On 16 de fevereiro de 2014 at 17:04

    REalmente, depois de sermos salvos, não precisaremos mais da fé. A fé já terá atingindo seu objetivo. (1 Pedro 1:9)

    A Bíblia está dizendo exatamente isso, pois todos os que forem salvos “verão a Deus” (Mateus 5:8), de forma que não precisarão mais exercer fé, pois por acaso se precisa de fé quando se vê algo? Todas as promessas estarão cumpridas, e outra vez o homem terá livre acesso ao Criador, como Adão tinha no princípio. Jesus terá seu papel de mediador também terminado, no futuro, depois do milênio.

    Sim, meu caro, a fé também terá cumprida sua finalidade. Foi uma ótima referência que usastes para a palavra “TELOS”, ou fim.

    Curtir

  • SERGIO  On 16 de fevereiro de 2014 at 17:11

    Sérgio
    Antigo pacto com primeiro pacto (santuário terrestre)
    Novo pacto com segundo pacto (santuario celestial)
    O ANTIGO pacto não é o PRIMEIRO? E o SEGUNDO o novo? Mostre o texto por favor, onde se fala em mais de um pacto.

    Vou repetir e lhe mostar mais uma vez, leia com atenção e pesquise profundamente:

    PRIMEIRA ALIANÇA: Santuário terrestre e sangue de animais.
    HEBREUS 9:1-2:

    Ora, também a primeira (PRIMEIRA ALIANÇA) tinha ordenanças de culto divino, e um santuário terrestre.
    Porque um tabernáculo estava preparado, o primeiro, em que havia o candeeiro, e a mesa, e os pães da proposição; ao que se chama o santuário.

    HEBREUS 9:18:
    “Por isso também o primeiro (PRIMEIRA ALIANÇA: santuário terrestre e sangue de animais) não foi consagrado sem sangue”.

    o santuário com suas cerimonias nao Foi construido para o ANTIGO PACTO. que é a Lei em tabuas de pedra. Sangue de animais e de Jesus so foi um requisito para o novo pacto.

    SEGUNDA ALIANÇA: Sangue de Jesus e santuário celestial.
    HEBREUS 9:12 e 9:24.

    Nem por sangue de bodes e bezerros, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez no santuário, havendo efetuado uma eterna redenção.
    Hebreus 9:12

    Porque Cristo não entrou num santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para agora comparecer por nós perante a face de Deus;
    Hebreus 9:24

    HEBREUS 10:9:
    “Então disse: Eis aqui venho, para fazer, ó Deus, a tua vontade. Tira o PRIMEIRO (PRIMEIRA ALIANÇA: Santuário terrestre e sangue de animais), para estabelecer o SEGUNDO (SEGUNDA ALIANÇA: Sangue de Jesus e santuário celestial)”.

    ANTIGO PACTO: lei em tabuas de pedra.

    NOVO PACTO: LeI tabuas do coração.

    ANTIGA ALIANÇA: Dez mandamento escritos em tabuas de pedra.
    DEUTERONÔMIO 4:13.

    NOVA ALIANÇA: Dez mandamentos escritos no coração.
    JEREMIAS 31: 31-34, HEBREUS 8: 8-1 e 2º CORÍNTIOS 3:2-3.

    estas duas alianças sao ratificados com sangue:

    ANTIGO PACTO:

    -Ratificado com o sangue do pecador não arrependido reservado para o dia do juizo. Apocalipse 20:5, 20:9, 20:14 e 21:8

    NOVO PACTO:

    -Ratificado pelo sangue de Jesus, simbolizado pela:

    PRIMEIRA ALIANÇA, acima com sangue de animais

    e confirmada pela SEGUNDA ALIANÇA, acima com o sangue de Jesus.

    E O QUE FOI ABOLIDO POR JESUS FOI SOMENTE A PRIMEIRA ALIANÇA:

    PRIMEIRA ALIANÇA: Santuário terrestre e sangue de animais.

    que foi substituida pela:

    SEGUNDA ALIANÇA: Sangue de Jesus e santuário celestial.

    ASSIM O ANTIGO E O NOVO PACTO ESTAO EM VIGOR, CADA UM DEVE FAZER SUA ESCOLHA. DEIXAR O ANTIGO PACTO ESCRITOS EM TABUAS DE PEDRA, QUE SIGNIFICA CONDENAÇÃO PARA O TRANSGRESSOR, OU COLOCAR O ANTIGO PACTO EM TABUAS NO CORAÇÃO, QUE PASSA SER O NOVO PACTO, QUE QUER DIZER OBEDIENÇIA, PELA FÉ, LIVRE DA CONDENAÇÃO

    Curtir

  • Marcelo  On 16 de fevereiro de 2014 at 18:17

    João Machado

    Não estou dizendo que fim neste texto é taxativamente Término. Só estou dizendo que não parece que qualquer tradutor tivesse esta definição em mente, pois não tentaram resolver uma ambiguidade. Entende?

    Veja que nos exemplos que tu usou a palavra fim não existe tal ambiguidade.

    Entende agora, que a ideia de término você já trouxe contigo e para isso necessita fazer com que o texto te acompanhe?

    Claro que sim, é isto mesmo. Mas esta idéia não vem de um único texto, mas sim de vários textos que precisam se harmonizar com Ro 10:4:

    Efésios 2:15
    Ro 14:5, 10
    Gá 4:9-11
    Col 2:16,17
    2 Cor 3:11

    Tem mais textos, que já foram postados aqui.

    O próprio contexto de romanos 10 fala dos judeus que tinham zelo, segundo a Lei e não segundo o conhecimento exato. Será não ter o “conhecimento exato” significa que eles não entenderam algum daqueles 10 simples mandamentos?

    Veja João, que eu não estou tentando extrair do texto aquilo que eu quero acreditar que ele diga (até porque de que proveito me seria isto?), mas apenas entender ele na maneira que outros textos parecem apontar.

    E por favor não leve para o lado pessoal =)

    Se possível compartilhe suas conclusões ao final de seu estudo.

    Curtir

  • Marco Antonio Felicio  On 16 de fevereiro de 2014 at 18:42

    “O sábado foi feito para o homem, e não o homem para o sábado; de modo que o Filho do Homem é senhor até do sábado” (Marcos 2, 27).

    “Portanto,
    ninguém vos julgue por questões de comida e de bebida, ou a respeito de
    festas anuais ou de sábados, que são apenas sombra de coisas que haviam
    de vir, mas a realidade é o Corpo de Cristo” (Colossenses 2, 16).

    O que prova que o sábado não é intocável, pois existem coisas superiores ao sábado. Alguns
    adventistas procuram impugnar esse trecho do Apóstolo Paulo argumentando que
    “sabados” se refere aos ‘descansos’, como a páscoa, pentecostes, etc.
    Todavia, o “Sábado”, dia de guarda, fazia parte dos “sábados”. O
    apóstolo apenas reforça o que foi ensinado por Nosso Senhor Jesus
    Cristo, tornando sem efeito o argumento adventista.

    A
    ordem de observar o sábado era rigorosamente cumprida pelos Judeus.
    Aliás, foi no sábado que eles saíram do Egito rumo à Terra prometida. O
    primeiro dia da semana judaica, posterior ao sábado, quando Cristo
    ressuscitou, tornou-se o dia de culto dos cristãos ou o dia do Senhor.
    No ano de 57/58, por exemplo, em Trôade, na Ásia Menor, os cristãos se
    reuniam no primeiro dia da semana, conforme At 20, 7, para celebrar a
    Eucaristia. Em 1Cor 16, 2, S. Paulo recomenda aos fiéis a coleta em
    favor dos pobres no primeiro dia da semana – o que supõe uma assembléia
    religiosa realizada naquele dia.

    O
    Domingo é o dia dedicado à glorificação do Senhor vitorioso sobre a
    morte, tomou adequadamente o nome de “Kyriaké heméra”, dia do Senhor
    (ou, propriamente, dia imperial), como se depreende de Ap 1, 10: “Fui arrebatado em espírito no dia do Senhor”. O grego “Kyriaké heméra” deu em latim “Dominica dies”, donde, em português, domiga ou domingo.

    Pode-se
    crer que a celebração do domingo tenha tido origem na própria
    Igreja-mãe de Jerusalém, pois os apóstolos estavam reunidos no 50º dia
    (Pentecostes), que era domingo, quando receberam o Espírito Santo (At 2,
    1-3). Este quis se comunicar não num sábado, como Cristo também não
    quis ressuscitar num sábado, mas no dia seguinte, domingo. O dia da
    ‘santificação’ de sua Igreja foi o domingo e não o sábado.

    Agora,
    um outro problema. Qual é o sétimo dia? A palavra ‘sábado’ não exprime o
    dia determinado da semana, mas, em hebraico, quer dizer: cessação,
    repouso (shabath). Quando deve ser este dia de repouso? Deus nunca
    determinou. O que ele quer é que, após seis dias, o sétimo lhe seja
    consagrado.Da lei antiga, distinguem-se quatro espécies de preceitos: o dogma, a moral, as cerimônias e as leis nacionais.

    Destes
    preceitos, só permanecem, com o advento do Novo Testamento, o dogma,
    completado por Nosso Senhor Jesus Cristo, e a moral, aperfeiçoada por
    ele. Quanto
    as cerimônias, elas eram figurativas, e as figuras desaparecem diante
    da realidade. As cerimônias da Igreja substituem suas pré-figuras (ver
    Hb 4, 3-11). As leis nacionais também já não mais se aplicam. Outro
    argumento de alguns estudiosos: na semana judaica, a contagem dos dias
    começa na primeira-feira e não na segunda-feira, sendo o sétimo dia a
    nossa sexta-feira e o sábado, o nosso domingo. Mas,
    ainda que fosse o sábado o sétimo dia, a Igreja teria o poder de
    alterá-lo, não sendo ele, como demonstrado, superior ao “Corpo Místico
    de Cristo” (colossenses 2, 16). O próprio Deus encarnado concedeu este
    poder à sua Igreja: “Tudo o que ligares na terra, será ligado no Céu e tudo o que desligares na terra, será desligado no Céu”. São palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo aos seus discípulos.

    Examinemos
    agora um pouco a história: desde o século II, há depoimentos que
    atestam a celebração do domingo tal como foi instituída pelos apóstolos,
    conscientes do significado da ressurreição de Cristo. Assim Santo
    Inácio de Antioquia (+110, aproximadamente) escrevia aos Magnésios: “Aqueles
    que viviam na antiga ordem de coisas, chegaram à nova esperança, não
    observando mais o sábado, mas vivendo segundo o dia do Senhor, dia em
    que nossa vida se levantou mediante Cristo e sua morte” (9, 1) O Catecismo dos Apóstolos, chamado de ‘Didaqué’, escrito no primeiro século de nossa era, também prescreve, em seu artigo XIV: “Reúnam-se
    no dia do Senhor para partir o pão e agradecer, depois de ter
    confessado os pecados, para que o sacrifício de vocês seja puro.”

    Em meados do século II, encontra-se o famoso depoimento de S. Jusitino, escrito entre 153 e 155: “No
    dia dito do sol, todos aqueles dos nossos que habitam as cidades ou os
    campos, se reunam num mesmo lugar. Lêem-se as memórias dos apóstolos e
    os escritos dos profetas… Quando a oração está terminada, são trazidos
    e vinho e água… Nós nos reunimos todos no dia do sol, porque é o
    primeiro dia, aquele em que Deus transformou as trevas e a matéria para
    criar o mundo, e também porque Jesus Cristo Salvador, ressuscitou dos
    mortos nesse dia mesmo” (I Apologia 67, 3. 7).

    Nessa
    passagem, S. Justino atesta a celebração da Eucaristia no domingo.
    Chama-o “dia do sol” porque se dirige a pagãos; faz questão, porém, de
    lembrar que tal designação é de origem alheia, não cristã: “no dia dito do sol”.

    O
    fato do Imperador Constantino ter preceituado, em 321, certo repouso
    “no venerável dia do sol” não quer dizer que ele tenha introduzido a
    observância do dia do Senhor entre os Cristãos; esta, como vimos, data
    da época dos apóstolos, tendo sido apenas patrocinada por Constantino,
    desde que se tornou cristão.

    Curtir

  • Marcelo  On 16 de fevereiro de 2014 at 18:42

    Amigos, vocês entendem que o sábado é tão importante que ele até mesmo seria o Selo de Deus, identificando os verdadeiros adoradores. Justificam isto, na premissa de que um selo precisa ter os seguintes elementos:

    Antes de identificarmos o selo de Deus nos mandamentos, precisamos definir as características de um selo:

    Nome – Identifica a quem pertence.
    Cargo – Qual é a autoridade.
    Domínio – Território de domínio.

    Sábado, o selo de Deus:

    Nome – O quarto mandamento é o único que mostra Deus como sendo único. (Nome)
    Cargo – O quarto mandamento é o único que mostra também que Ele é o Criador. (Cargo)
    Domínio – O quarto mandamento é o único que diz que Ele domina céus, terra e mar e tudo o que neles há. (Território de Domínio)

    Pergunto:

    Foi feito um estudo para se chegara esta conclusão?
    É assim que “selo” se revela na bíblia?
    Ou será que chegou-se a esta conclusão porque existe uma necessidade de se concluir que o sábado é o selo de Deus?

    Vejam por favor as ocorrências de “selo” nas escrituras e tentem por favor Atribuir um nome, cargo e domínio a cada um deles, já que estes tres elementos “caracterizam um selo”.

    De 32:34;
    Neemias 9:38; 10:1;
    Jó 9:7; 33:16; 37:7; 38:14; 41:15;
    Cântico de Salomão 8:6;
    Isaías 8:16;
    Jer 33:10;
    Dan 9:24;
    Jo 3:33; 6:27;
    Ro 4:11;
    1 Cor 9:2;
    2 Cor 1:22;
    2 Ti 2:19;
    Re 6:3,5,7,9,12; 7:2; 8:1; 9:4;

    Curtir

  • Saga  On 16 de fevereiro de 2014 at 19:29

    “Porque o fim da lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê”. (Romanos 10:4).

    Questão de ver o contexto, não é uma passagem isolada, o inteiro livro de Romanos explica muito bem a questão da Lei

    Curtir

  • Jeosadá  On 16 de fevereiro de 2014 at 20:36

    “Que o criador DESCANSOU no 7º. dia (cf. Gên. 2:2, 3) a própria TNM confirma em Êxo. 31:17 (consta o termo “repousou”)”
    Ele não entende que o 7º dia criativo não era um dia literal de 24 horas.
    Genesis 2:4 se refere aos dias criativos como “o dia em que Jeová Deus fez a terra e o céu terra e o céu”.
    ‘Dias’ aqui se refere a um ‘período’ não especificado.
    Hebreus 4:11 diz:
    “Façamos, portanto, o máximo para entrar naquele descanso, para que ninguém caia no mesmo exemplo de desobediência.”

    Esse texto foi escrito uns 4 mil anos depois do inicio do 7º dia criativo, mas Paulo nos exorta a ‘entrar’ nele. Como pode tal descanso se referir ao Sábado de 24 horas?

    “Logo, mesmo que o sábado fosse uma “sombra”, continua vigente pois sombras só cessam quando se dá a realidade a que apontam.”
    Que argumento mais falacioso esse!
    Já pensou nas implicações dessa premissa?

    Hebreus 8:4,5 mostra que o tabernáculo e o templo eram “sombra das coisas celestiais”. Segunda a premissa das “sombras” do Sr. Azenildo nós, atualmente, deveríamos fazer sacrifícios em templos ou tabernáculos, pois apesar de que estes lugares sejam apenas ‘sombras’, suas ‘realidades’, as coisas celestiais como o ‘trono’ e a ‘morada’ de Deus, não cessaram.

    “É confundir DESCANSO ESPIRITUAL com DESCANSO MATERIAL, como obtido pelo sábado.”
    Leia com atenção os textos abaixo. Verá que o DESCANSO MATERIAL (guarda do sábado) foi sim ‘Abolido’ para os cristãos. Não há como ser mais claro que estes textos:
    Romanos 14:5,6:
    “Um homem julga UM DIA COMO SUPERIOR AO OUTRO; outro homem julga UM DIA COMO TODOS OS OUTROS; esteja cada homem plenamente convencido na sua própria mente. Quem observa o dia, observa-o para com Jeová.”
    Colocensses 2:16,17:
    “Nenhum homem vos julgue pelo comer ou pelo beber, ou com respeito a uma festividade ou à observância da lua nova ou dum SÁBADO; pois estas coisas são sombra das coisas vindouras, mas a realidade pertence ao Cristo.” (É obvio que o ‘Sábado mencionado aqui é o 7º dia da Semana e não o referente a festividades, pois os dois termos foram explicitados no texto).
    Gálatás 4:9-11:

    “Como é que retornais novamente às coisas elementares, fracas e mesquinhas, e quereis novamente trabalhar como escravos para elas? Observais escrupulosamente DIAS, e meses, e épocas, e anos. Temo por vós, que de algum modo eu tenha labutado em vão com respeito a vós.”

    “(…) nosso amigo ATJ terá que nos provar que O SÁBADO NÃO TEM NADA A VER COM AMOR, o que Jesus declarou em Mat. 22:36-40.”
    Bem, em Mateus 22:36-40 Jesus resume todos os Mandamentos em Dois:
    1 -“Tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua mente.”
    2 – “Tens de amar o teu próximo como a ti mesmo.”
    Dai o Sr. Azenildo desvirtua o texto nos fazendo crer inversamente que para demonstrarmos Amor devemos guardar o Sábado.
    Mas nós não vamos cair nessa pegadinha Sr. Azenildo.
    A resposta pra essa questão se encontra em Galatás 5:13,14:
    “Fostes, naturalmente, chamados à liberdade, irmãos; apenas não useis esta liberdade como induzimento para a carne, mas, por intermédio do amor, trabalhai como escravos uns para os outros. Pois A LEI INTEIRA ESTÁ CUMPRIDA NUMA SÓ EXPRESSÃO, a saber: “Tens de amar o teu próximo como a ti mesmo.””
    Romanos 13:8-10 deixa ainda mais claro:
    “A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, exceto que vos ameis uns aos outros; pois, QUEM AMA SEU PRÓXIMO TEM CUMPRIDO A LEI.  Pois o [código da lei]: “Não deves cometer adultério, não deves assassinar, não deves furtar, não deves cobiçar”, e qualquer outro mandamento que haja, está englobado nesta palavra, a saber: “Tens de amar o teu próximo como a ti mesmo.”  O amor não obra o mal para com o próximo; portanto, O AMOR É O CUMPRIMENTO DA LEI.”

    Curtir

  • foxhound  On 16 de fevereiro de 2014 at 20:51

    queruvim eu acho que esse deve ter sido o debate ou o assunto com mais comentarios até o inicio de sua pagina, não?

    foi muito instrutivo, achei, não só porque sou tj mais que o apologista deu um esclarecimento que qualquer sincero interessado vai poder tirar conclusões do que realmente deve ser a verdade.

    gostei muito dos comentários, foi realmente muito bom, proveitoso mesmo.

    Curtir

  • Nilson Rocha.  On 16 de fevereiro de 2014 at 21:55

    O professor disse:Apenas quero dizer ao Freitas que 2a. Coríntios cap. 3 é um dos meus PREDILETOS para esclarecer esse ponto do sábado sob o Novo Pacto. Pode até surpreender-se, mas lhe garanto que utilizar este capítulo contra o sábado é um ‘TIRO’ INTERPRETATIVO QUE SAI PELA CULATRA.
    Eu procurei aqui mas não achei,mas confesso que gostaria de ver o que ele tem a dizer sobre esse texto.Aqui na minha localidade um adventistas me disse: ” O que haveria(ou foi) de ser eliminado era a “gloria do rosto de Moisés”.

    Curtir

  • Marcelo  On 16 de fevereiro de 2014 at 23:06

    Sérgio

    Vou repetir e lhe mostar mais uma vez, leia com atenção e pesquise profundamente

    Leia você os textos com mais atenção. Em nenhum lugar se fala de QUATRO pactos, apenas DOIS.

    O “primeiro” é o “antigo”. E o “segundo” é o “novo”.

    Curtir

  • Joao Machado Machado  On 16 de fevereiro de 2014 at 23:47

    Amigo Karmo, faça isso não. Tenho boas referências dos jeovaístas…tenho um amigo que vende salada de frutas onde trabalho e que o tenho na mais alta estima. Gosto da forma polida e com propriedade que discorrem sobre os temas em geral, mas fazer esse tipo de interpretação de este verso de 1pedro, não ajuda em nada….veja

    Vc diz… REalmente, depois de sermos salvos, não precisaremos mais da fé. A fé já terá atingindo seu objetivo. (1 Pedro 1:9)

    Como fica a ligação da primeira parte do verso com a segunda parte?. Percebe que a segunda parte fica sem sentido…( a salvação da vossa alma)

    Releia o verso… primeiro leia-o utilizando a palavra término, depois faça o mesmo utilizando a palavra objetivo ou a finalidade e verá o quanto você está longe do alvo…

    Curtir

  • Joao Machado Machado  On 16 de fevereiro de 2014 at 23:55

    Olá caríssimo marcelo…como compreendo…

    Efésios trata de forma específica dos mandamentos em forma de ordenanças. Ou seja, não abrange um todo, mas, parte deste todo. mandamentos em gorma de ordenanças, são práticas predeterminadas, com o objetivo de identificar certo seguimento…

    Romanos 14, trata sobre dias de jejuns…Fiz um estudo aprofundado no intuito de identificar este capítulo como uma base contra a guarda de um dia ao criador, mas não percebi muita coerência…

    Olha, mas estou muito feliz por está aprendendo com vocês. acreditem, tenho boas referências tanto da doutrina como dos membros…

    Curtir

  • Saga  On 17 de fevereiro de 2014 at 4:00

    Gostaria de agradecer aos adventistas por sua postura em geral educada e respeitosa. Ao menos dos comentários que li -não posso falar dos moderados e deletados- a conduta foi dentro do aceitável, tirando umas pequenas rusgas aqui e ali. O Azenilton começou querendo ir por outro caminho que falasse de não quem, Russel e não sei quem, mas no fim conseguiu-se evitar que se seguisse o caminho da difamação barata. Vi um comentário onde Azenilto queria por as garrinhas de fora para falar de outro assunto não relevante ao tema daqui, mas também acabou contido e não insistiu.

    Eu faço elogio porque acontecem supostos debates que nem conseguem ter sequência tamanho as ofensas, ad hominens, ad ridiculum, acusações e tudo mais de tática vexaminosa que possa impedir o andamento racional e ordeiro de um debate. Pois o comum quando fica nessa situação é se parar o assunto e se perder a linha de raciocínio para se ficar respondendo acusações e mais acusações ou para a retaliação onde os dois lados fiquem se ofendendo mutuamente. Aí além de ngm chegar a lugar nenhum, ainda não se aprende nada, nem os debatentes e nem a plateia, o que deveria ter algum proveitao se torna mera baixaria religiosa.

    A conduta adventista foi muito superior a dos evangélicos que vem aqui (também poderia citar católicos, ateus e outros) que logo partem para as bravatas e baixarias.

    Curtir

  • Saga  On 17 de fevereiro de 2014 at 4:08

    Grandes frases essas do Wander:

     "Entro as vezes em blogs ... e as pessoas nem mesmo sabem se você é testemunha de Jeová, mas geralmente basta falar que a trindade não é bíblica, que pronto, não argumentam mais com educação, e muito menos com base bíblica" 
    

    “eles defendem as crenças deles com um festival de acusações anti-tj, e agressões onde ofendem nossa integridade pessoal até…”

      "Mas... entendo o desespero...fica difícil discutir a altura, quando mostro minha crença ...clara...e literalmente desenhada na bíblia (Deut. 6:4 > Marcos 12:29), e peço a eles pra mostrarem o conceito de deus triúno na bíblia (Um só texto....), e eles não tem nada pra mostrar… "
    
         "Só resta xingar e acusar a religião alheia"
    

    Curtir

  • Marcelo  On 17 de fevereiro de 2014 at 7:52

    Os textos acima incluem a palavra “selo”. Mais alguns textos relacionados:

    selos
    Re 5:1,2,5,9; 6:1;

    selado
    Es 3:12;
    Isaías 29:11;
    Re 5:1; 7:3;

    selados
    Ef 1:13; 4:30;
    Re 7:4, 5, 8;

    selada
    Jó 14:17;
    Je 32:11, 14;

    seladas
    San 12:9;

    Curtir

  • I am Jw  On 17 de fevereiro de 2014 at 9:03

    No dia que me provarem que 1 + 1 + 1 = 1 eu começo a acreditar na Trindade.

    Curtir

  • I am Jw  On 17 de fevereiro de 2014 at 9:20

    Simples Queruvin: as passagens bíblicas parecem indicar a necessidade de guardar o sábado. Parecem, mas não é o caso.

    Quer ver uma coisa? Se alguém perguntar a qualquer TJ se precisamos guardar o sábado, com apenas um texto bíblico já conseguimos fazer isso: Romanos 10:4 (juntando o texto com a ilustração mencionada pelo Apologista, sobre um contrato, já é suficiente para convencer qualquer pessoa sincera). Não importa se o significado da palavra “fim” neste texto é “termino” ou “objetivo”, conseguimos explicar satisfatoriamente o assunto apenas com esta passagem. Mas note que os adventistas, ao tentar provar que a guarda do sábado é requisito para os cristãos, fazem um esforço tão grande pra reunir passagens bíblicas que nem de longe indicam o requisito da guarda do sábado semanal. A maioria dos textos que eles utilizam, constam das Escrituras Hebraicas; são passagens que tiveram aplicação para os judeus, povo pactuado de Deus.

    Veja também que esta suposta divisão que eles pregam, de lei moral e lei cerimonial, não passa de um artifício que eles encontraram para tentar resolver os conflitos existentes na doutrina da guarda do sábado, o que não foi suficiente. Fazem menção de uma certa profetisa, e tem que recorrer até à ciência para provar seus argumentos, pois para eles a Bíblia não é suficiente. Meu irmão, é um assunto tão simples isso!

    Curtir

  • Queruvim  On 17 de fevereiro de 2014 at 11:57

    O problema em sua comparação entre 1 Pedro 1:9 e Rom 10:4 é que são textos com assuntos totalmente diferentes. Ai é onde se aplica o famoso princípio texto fora do contexto. Não há relação alguma entre os dois textos. Precisa avaliar Romanos 10:4 relacionando-o com o mesmo assunto. Não acha? E o Sr tem que admitir que a palavra TÉLOS foi vertida “objetivo” em 1 Pedro 1:9 e não “fim”, bem como em diversas versões inclusive na Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas. Pouco antes de dizer que “Cristo é o fim da lei” Paulo fala sobre quem… nos versículos anteriores? RESPOSTA: Os judeus legalistas que defendiam que certos aspectos da lei deveriam continuar, inclusive defendiam que a guarda do sétimo dia ainda deveria permanecer. Paulo estava dizendo o oposto! Este foi um dos motivos de uma turba de Judeus somando centenas e centenas de pessoas tentarem matar Paulo ao ponto dele ter sido escoltado por soldados Romanos. Quando Paulo fala em Romanos 10:12 que “não há distinção entre judeu e grego” ele estava falando que a lei já era. Todos estavam livres para seguir “princípios” tais como a justiça e o amor. Vcs adventistas não entendem isso e acabam, repito, invalidando o sacrifício de Cristo. Pois todos os que defendem aspectos da lei de Moisés, que não foi reiterado ou ratificado no N.T decaem da graça e repudiam ao sangue preciosos de Cristo. Paulo disse em Gal. 3:21: “Porque, se tivesse sido dada uma lei que fosse capaz de dar vida, a justiça teria sido realmente por meio da lei”. Este texto dissipa qualquer teimosia. Um adventista jamais diria isso. Um adventista chamaria de heresia estas palavras de Paulo. Poucos se atrevem a falar deste verso. Faço nossas as palavras de Paulo em Gálatas capítulo 5:

    “Para tal liberdade* [é que] Cristo nos libertou.+ Portanto, ficai firmes e não vos deixeis restringir novamente num jugo de escravidão.
    2 Eis que eu, Paulo, vos digo que, se fordes circuncidados, Cristo não será de nenhum proveito para vós. 3 Além disso, dou novamente testemunho a todo homem que se deixa circuncidar, que ele está sob a obrigação de cumprir toda a Lei. 4 Estais apartados de Cristo, quem quer que sejais que tenteis ser declarados justos por meio de lei; decaístes da sua benignidade imerecida.”

    Curtir

  • Freitas  On 17 de fevereiro de 2014 at 12:23

    Você, Sergio, EM MOMENTO ALGUM nos informou o pensamento de Paulo. O que você fez foi inserir palavras (entre parêntesis) às escrituras para construir seu pensamento e não de Paulo. Vejamos:

    Pensamento de Paulo: ” NINGUÉM SERÁ DECLARADO JUSTO DIANTE DELE BASEANDO-SE NA OBEDIÊNCIA À LEI” (Romanos 3:20)

    Pensamento de Sergio: O cristão é recompensado com a “justiça” por continuar cumprindo o decálogo.

    Pensamento de Paulo: ” Por esta benignidade imerecida é que fostes salvos por intermédio da fé, e isto não se deve a vós, é dádiva de Deus. Não, não se deve a obras, a fim de que nenhum homem tenha base para jactância”. (Ef. 2:8)

    Pensamento de Sergio: ” A lei perde a função condenatória se ele(o cristão)permanecer fiel” (À lei, o decálogo)

    Pensamento de Paulo: ” Ora, ao homem que trabalha se conta a remuneração, não como benignidade imerecida mas como dívida” (Romanos 4:4)

    Pensamento de Sergio: “Cristo é o fim da lei ( PARA A RECOMPENSA) de todo aquele que crê”

    Um trabalhador tem direito por àquilo ao qual trabalhou, seu pagamento, sua recompensa

    Nenhuma fidelidade torna alguém digno ou merecedor senão não se diria que a “graça” é imerecida!

    Um trabalhador, tem direito por àquilo ao qual trabalhou, seu pagamento . Sendo assim se o cristão “cumpre” a lei a “recompensa” lhe seria uma dívida, NÃO SERIA IMERECIDA.

    De modo que a justiça computada aos cristãos não virá de obras que se praticam no sábado, sejam elas: missionárias, sociais/assistenciais ,ou quaisquer obras morais mais.

    “Somos escravos imprestáveis. O que temos feito é o que devíamos fazer”.(Lucas 17:10)

    Para os cristãos TODOS OS DIAS deve ser um sábado

    Curtir

  • Queruvim  On 17 de fevereiro de 2014 at 12:34

    Assistam:

    Curtir

  • karmo2010  On 16 de agosto de 2014 at 10:42

    O professor Azenilton usou do argumento da falta de evidências para apoiar o costume da guarda do sábado. Não pode ser provado que Adão não guardava o sábado, pois não está escrito isso…não pode ser provado que os cristãos gentios não guardavam o sábado porque Atos 15:28, 29 não menciona isso… e por aí vai…
    Eu estava pensando nos hebreus escravizados no Egito, antes de Deus libertá-los. O Faraó, com certeza, os oprimiu com dura escravidão. Quem acharia que o Faraó permitiria aos hebreus ter um dia especial de descanso, um sábado semanal? Eu não acredito nisso, haja visto a crueldade dos egípcios, que mataram milhares de crianças afogando-as no rio Nilo.
    Então, se assim for, os hebreus estavam, sem querer, violando supostamente o mais sagrado de todos os mandamentos na visão adventista – a guarda do sábado semanal. Estavam sob a maldição de Deus e não eram dignos de serem salvos por Ele. Isso na visão adventista dos sabatistas.
    Mas não é nada disso que a Bíblia nos conta, Deus livrou amorosamente o seu oprimido povo, com maravilhas e milagres e grande poder.
    Queruvim, gostaria de ver outros debates como aqueles por aqui. Creio que eles têm um caráter muito edificante, principalmente quando são moderados por pessoas comprometidas com a verdade das palavras de Jeová.

    Curtir

  • Rosangela Aguiar  On 21 de maio de 2016 at 11:21

    Parabens… acima de tudo que o Criador dos céus, da terra, dador da vida, abençoe a todos que buscam a VERDADE de sua palavra!!! Afinal nosso vida depende da verdade. João 4:24 – 1 Timóteo 2:3,4 – Apocalipse?Revelação 22:18,19

    Curtir

  • Rosangela Aguiar  On 21 de maio de 2016 at 14:37

    Achei uma relíquia… continuem assim… busquem e aceitem a verdade! Pois o justo busca a Deus em veracidade e certamente o encontrará! João 4:24 – Provérbios 4:18

    Curtir

  • Lucas  On 9 de novembro de 2016 at 19:27

    irmãos gostei muito do debate, eu sou guardador do sábado, vou deixar um texto que mostra que jeová se agrada dos gentios que guardam o sábado.
    Isaías 56

    1 Assim diz Jeová: Guardai o juízo, e fazei justiça, porque a minha salvação está prestes a vir, e a minha justiça, para se manifestar.
    2 Bem-aventurado o homem que fizer isto, e o filho do homem que lançar mão disto; que se guarda de profanar o sábado, e guarda a sua mão de fazer algum mal.
    3 E não fale o filho do estrangeiro, que se houver unido ao Senhor, dizendo: Certamente o Senhor me separará do seu povo; nem tampouco diga o eunuco: Eis que sou uma árvore seca.
    4 Porque assim diz o Senhor a respeito dos eunucos, que guardam os meus sábados, e escolhem aquilo em que eu me agrado, e abraçam a minha aliança:
    5 Também lhes darei na minha casa e dentro dos meus muros um lugar e um nome, melhor do que o de filhos e filhas; um nome eterno darei a cada um deles, que nunca se apagará.
    6 E aos filhos dos estrangeiros, que se unirem ao Senhor, para o servirem, e para amarem o nome do Senhor, e para serem seus servos, todos os que guardarem o sábado, não o profanando, e os que abraçarem a minha aliança,
    7 Também os levarei ao meu santo monte, e os alegrarei na minha casa de oração; os seus holocaustos e os seus sacrifícios serão aceitos no meu altar; porque a minha casa será chamada casa de oração para todos os povos.

    repare que esta é uma promessa atual, esta falando da nova aliança e dos gentios que se chegariam a Jeová, ou seja, todos os cristãos.

    Curtir

  • Lucas  On 9 de novembro de 2016 at 19:33

    A GUARDA DO MANDAMENTO DO SÁBADO ATRAVÉS DOS SÉCULOS

    Muito evangélico ignorante, inclusive muitos da minha própria igreja, a Congregação Cristã no Brasil, (CCB) pensam que a guarda do mandamento do sábado foi “só para os judeus”.

    E mais, quando se fala na guarda do mandamento do sábado, existe outro grupo de evangélicos ignorantes que imediatamente relacionam a guarda do sábado com a Igreja Adventista do Sétimo Dia, esquecendo-se que, a nível mundial, existem centenas de denominações que guardam este mandamento, isso sem falar nas milhares de pessoas que são guardadoras do sábado mas que, ou estão em denominações que não guardam este mandamento, ou então estão nas suas casas, desligados de toda e qualquer denominação.

    Eu sou uma dessas pessoas, há mais de dez anos guardo o sábado e creio na validade deste mandamento e de toda a Santa Lei de Deus, porém ainda estou ligado a uma denominação que oficialmente não guarda este mandamento, que é a Congregação Cristã no Brasil (CCB).

    E já conheci evangélicos guardadores do sábado que também ainda permanecem em suas denominações, como foi o caso de um conhecido meu, que entendeu acerca do mandamento e continuou na sua denominação, a Igreja Batista.

    Alguém poderia dizer:

    “Saia da CCB e vá para uma igreja sabatista, aí você ficaria mais coerente !”

    Aos que assim afirmam, pergunto:

    Denominação salva?

    Adianta você trocar seis por meia dúzia?

    Existem igrejas sabatistas por aí que, de correto, só tem a guarda do sábado. O resto das suas doutrinas são pura heresia.

    O fim do verdadeiro povo de Deus REMANESCENTE não é enaltecer denominações e, no futuro, ao que tudo indica, irá se tornar insuportável para um cristão verdadeiro permanecer dentro de uma denominação qualquer.

    É, pessoal, é a apostasia, que vêm vindo a passos largos e está fazendo muito estrago no meio evangélico.

    Mas esse não é o nosso assunto de hoje.

    Hoje o nosso assunto é:

    A GUARDA DO MANDAMENTO DO SÁBADO ATRAVÉS DOS SÉCULOS

    A seguir, através de um estudo detalhado, que extraímos da Internet, você irá comprovar o que acima afirmamos, ou seja, que o sábado tem sido guardado através dos séculos nas mais diferentes partes da terra e, este estudo vêm corroborar o que dizem as Sagradas Escrituras, que o mandamento do sábado é também “aos filhos dos estrangeiros que se chegam ao Senhor”
    (Por gentileza, leia Isaías 56:1-7).

    O mandamento do sábado NÃO foi, NÃO é e nem NUNCA SERÁ uma exclusividade dos judeus e/ou dos adventistas do sétimo dia, conforme veremos abaixo.

    Acompanhe agora o estudo:

    SÉCULO I     

    Flávio Josefo, o célebre historiador judaico do primeiro século, afirma em sua obra “Against Apion”:

    “Não há cidade alguma dos gregos, nem dos bárbaros, nem de qualquer outra nação, onde o nosso costume de repousar no sétimo dia não haja chegado.” [Liv. 2, parte 40, de “Works os Flavius Josephus” (ed. de Winston), pág. 899.]    

    O puritano William Prynne confessa francamente: “O sábado do sétimo dia foi observado por Cristo, pelos apóstolos e pelos primeiros cristãos até que o Concílio de Laodicéia a certos respeitos como que aboliu a sua observância. O Concilio de Laodicéia decidiu em primeiro lugar a observância do dia do Senhor (domingo) e em seguida proibiu sob anátema a observância do sábado judaico.” [Em “História dos Concílios”, par. 38, pág. 163.]

    Eusébio de Cesaréia, célebre bispo da Igreja Católica, considerado o pai da história eclesiástica, participou do Concílio de Nicéia, bajulador e biógrafo de Constantino, sobre a destruição de Jerusalém, afirma:

    “Então a semente espiritual de Abraão (os cristãos) fugiu para Pela, do outro lado do rio Jordão, onde encontraram um lugar de refúgio seguro, e assim puderam servir a seu Mestre e guardar o sábado.” [Em “De Vita Constantini”, Antuérpia 1696. Uma versão mais recente é: “Eusebiu’s Ecclesiastical History”. Citado por Robert Cox em “The Literature of the Sabbath Question”, vol. 1, pág. 361. Ver também “Commentary on the Psalms”.]

    Filo, filósofo e historiador do primeiro século, afirma que o sábado era comemorado no sétimo dia de cada semana.

    SÉCULO II     

    O Rev. Thomas H. Morer, erudito clérigo e historiador, declara:

    “Os cristãos primitivos professavam uma grande reverência pelo sábado, celebrando esse dia com oração e reuniões de pregação. É fora de dúvida que eles derivaram este costume dos próprios apóstolos, como aparece de outras passagens das Escrituras a ele referentes…” [Em “Six Dialogues on the Lord’s Day” (1701), pág. 189.]     

    Escócia e Irlanda: “nas igrejas célticas primitivas, era costume, tanto na Irlanda quanto na Escócia, guardar o sábado… como um dia de descanso. Eles obedeciam literalmente ao quarto mandamento no sétimo dia da semana.” [Jas. C. Moffatt, em “The Church in Scotland”.]

    Afirma o Dr. Peter Heylyn no seu livro “History of the Sabbath”: “Diz Tertuliano, que costumavam dedicar parte do domingo ao divertimento e à recreação, e não totalmente ao culto religioso, pois ainda séculos depois de Tertuliano nenhuma lei ou constituição havia na igreja cristã que vedasse aos homens o trabalho nesse dia.” [Ed. de 1636, parte 2, cap. 8, par. 13, págs. 66 e 67.]

    SÉCULO III     

    O professor de História Eclesiástica Edward Brerewood, do Gresham College, Londres, afirma:   

    “O sábado foi religiosamente observado na Igreja do Oriente, durante mais de trezentos anos depois da paixão do Salvador.” [Em “Learned Treatise of the Sabbath”, pág. 77.]

    “Pelo ano 225 d.C., havia várias dioceses ou associações da Igreja Oriental, que guardavam o sábado, desde a Palestina até a Índia.” [Mingana Early, “Spread of Christianity”.]     

    O bispo Jeremiah Taylor, em seu “Ductor Dubitantium” (A Regra da Consciência), escreve:   

    “O dia do Senhor (domingo) não foi colocado em lugar do sábado… O dia do Senhor (domingo) era uma instituição meramente eclesiástica. Ele não foi introduzido em virtude do quarto mandamento, pois os cristãos guardaram por mais de trezentos anos o dia que estava neste mandamento.” [Liv. 2, (ed. de 1850), cap. 2, parte 1, reg. 6, vol. 9, pág. 458, par. 51.]

    “Os cristãos primitivos faziam toda espécie de trabalho no dia do Senhor (domingo), mesmo nos tempos de perseguição, nos quais eles eram os observadores mais estritos de todos os mandamentos divinos; mas nisto eles sabiam que não havia mandamento.” [Idem, pág. 464, par. 59] 

    “Desde o tempo dos apóstolos até o Concílio de Laodicéia (364 AD), a sagrada observância do sábado dos judeus persistiu, como pode ser comprovado por muitos autores, não obstante o voto contrário do concílio.” [John Ley, “Sunday a Sabbath”, Londres, 1640.]   

    “Por isso os cristãos primitivos não renunciavam às suas ocupações ordinárias no dia do Senhor (domingo), mas, excetuadas as horas destinadas ao culto, entregavam-se durante o resto do dia aos seus afazeres como nos demais dias da semana, e, se acontecia descansarem nesse dia, negavam que o seu repouso fizesse parte da observância do dia do Senhor ou que ele contribuisse para a exaltação deste. (…)

    Que os primitivos cristãos se houvessem jamais apartado desse costume antes da lei promulgada por Constantino atinente ao repouso dominical, não me consta estar relatado em parte
    alguma.” [E. L. Frankie, “De Diei Dominici”, pág. 48 e 49.]

    SÉCULO IV     

    Em 372, Gregório, bispo de Nissa, repreendia assim a alguns que no sábado haviam promovido distúrbios na igreja: “Como atentareis para o domingo vós que profanais o sábado? Acaso não sabeis que esses dias são irmãos? O que a um desrespeita a outro despreza.” [Gregório de Nissa, “Opera”, tomo III, pág. 312.]

    “Temos certamente de admitir que os escritores cristãos mais primitivos não identificam o dia do Senhor (domingo) com o sábado; por nenhum dos Pais antes do quarto século é ele (o primeiro dia da semana) identificado como sendo o sábado cristão; nem o dever de observá-lo se alicerça quer no quarto mandamento quer em preceito ou exemplo de Cristo ou de Seus apóstolos ou sobre a lei ante-mosaica promulgada na criação. (…)

    Não foi senão no ano 538 A. D. que, por autoridade eclesiástica (3º Concílio de Orleans) se recomendou a abstenção dos trabalhos do campo, em vez de permiti-los, e isso foi feito expressamente no sentido de o povo dispor de mais folga para ir à igreja e fazer suas orações.” [Extraído de “Chamber’s Encyclopedia” (ed. de 1882), vol. 3, pág. 402, art. “Sabbath”.]

    Não era tão fácil destruir o sábado, uma instituição tão velha quanto o mundo, e que vinha sendo observada religiosamente pela igreja cristã a mais de três séculos.

    Sobre a proibição da observância do sábado, afirma o historiador John Ley:

    “Desde os tempos dos apóstolos até o Concílio de Laodicéia, cerca do ano 364, a piedosa observância do sábado judaico foi continuada, como pode ser demonstrado por grande número de escritores; e até mesmo depois, malgrado o decreto daquele Concilio.” [Em “Sunday a Sabbath” (1641), págs. 163 e 164.]     

    Diz o Dr. Peter Heylyn no seu livro “History of the Sabbath”:

    “Na igreja de Milano (Itália), o sábado era tido em alta consideração. Não que as igrejas do Oriente ou qualquer outra das restantes que observavam esse dia, fossem inclinadas ao judaísmo, mas elas se reuniam no sábado para adorar a Jesus, o Senhor do sábado.   

    Ambrósio, famoso bispo de Milano, disse que quando ele estava em Milano, guardou o sábado, mas quando passou a morar em Roma, observou o domingo. Isso deu origem ao provérbio: ‘Quando você está em Roma, faça como Roma faz.’” [Ed. de 1636, parte 11, cap. 1, par. 10, pág. 28.]     

    Pérsia 335-375 AD:

    “Eles (os cristãos) desprezam nosso deus do Sol. Zoroastro, o venerado fundador de nossas crenças divinas, não instituiu o domingo mil anos antes em honra ao Sol cancelando o sábado do Antigo Testamento?

    Os cristãos, contudo, realizam suas cerimônias religiosas no sábado.” [O’Leary, “The Syriac Church and Fathers”.]     

    Tratando do tempo de João Crisóstomo, diz Jonh Kitto em sua “Cyclopaedia of Biblical Literature”:

    “Posto que mais tarde se encontrem freqüentes alusões a uma espécie de santidade atribuída a esse dia (o domingo), parece todavia que em tempo algum da igreja primitiva a sua observância houvesse assumido uma tal forma (caráter de descanso).

    Nem esses escritos se propõem citar em seu apoio algum preceito divino ou sequer um exemplo dos apóstolos. (…)

    Crisóstomo (em 380 AD) encerra as suas homilias (no domingo), despedindo o seu auditório para que possa continuar os seus afazeres.” [Art. “O dia do Senhor”.]

    SÉCULO V      

    O Dr. Lyman Coleman, teólogo e historiador criterioso e imparcial, afirma:

    “Durante longo tempo, depois de destruído o templo e cessado nele o culto divino, o sétimo dia foi rigorosamente observado ao lado do primeiro dia da semana. Retrocedendo mesmo até o quinto século, foi contínua a observância do sábado judaico na igreja cristã, mas com rigor e solenidade gradualmente decrescentes, até ser de todo abolida.” [Em “Ancient Christianity Exemplified”, cap. 24, sec. 2, págs. 526 e 527.]   

    “Agostinho (cujo testemunho é mais incisivo pelo fato de ter sido um devotado observador do domingo) mostra… que o sábado era observado em seus dias ‘na maior parte do mundo cristão’.” [Em “A Select Library of Nicene and Post-Nicene Fathers”, série 1, vol. 1, págs. 353 e 354.]     

    Socrates Scholasticus, historiador da igreja grega do século V, cuja obra foi uma continuação da realizada por Eusébio, nos afirma quão generalizada ainda estava a observância do sábado em pleno século quinto:

    “Quase todas as igrejas do mundo celebram os sagrados mistérios no sábado de cada semana; não obstante os cristãos de Alexandria e de Roma, em vista de alguma antiga tradição, recusarem-se a fazê-lo.” [Em “Ecclesiastical History”, liv. 5, cap. 22. Também em “A Select Library of Nicene and Post-Nicene Fathers”, série 2, vol. 2, pág. 132.]

    Sozomen, historiador do século V em Constantinopla, afirma:

    “O povo de Constantinopla e de quase todas as partes, congregam-se tanto no sábado como no dia imediato; costume esse que nunca é observado em Roma ou em Alexandria.” [Em “Ecclesiastical History”, liv. 7, cap. 19. Também em “A Select Library of Nicene and Post-Nicene Fathers”, série 2, vol. 2, pág. 390.]

    SÉCULO VI     

    Escócia: “Neste último exemplo, eles (a Igreja da Escócia) parecem ter seguido o costume do qual encontramos vestígios na primitiva igreja monástica da Irlanda, ou seja, afirmavam que o sábado era o sétimo dia no qual descansavam de todas as atividades.” [W. T. Skene, “Adamnan’s Life of St. Columba”, ed. de 1874, pág. 96.]     

    Sobre Columba de Iona:

    “Tendo trabalhado na Escócia por trinta e quatro anos, ele predisse clara e abertamente sua morte, e no dia 9 de junho, um sábado, disse a seu discípulo Diermit: ‘Este é o dia chamado sábado, isto é, o dia de descanso, e como tal será para mim, pois ele colocará um fim aos meus labores’.” [Em “Butler’s Lives of the Saints”, art. “St. Columba”.]  

    James T. Ringgold, descrevendo alguns dos passos dados por autoridades da igreja e do Estado para impor o domingo como dia santo, afirma:

    “Cerca do ano 590 AD, o Papa Gregório, em carta ao povo romano, qualificou como profetas do anticristo os que mantivessem que se não devia trabalhar no sétimo dia.” [Em “Law of Sunday”, págs. 265 a 267.]

    Disse o Papa Gregório I:

    “Cidadãos romanos: Chegou a meu conhecimento que certos homens de espírito perverso têm disseminado entre vós coisas depravadas e contrárias à fé cristã, proibindo que nada seja feito no dia de sábado. Como eu deveria chamá-los, senão de pregadores do anticristo?”

    SÉCULO VII    

    Índia, China, Pérsia, Abissínia, Armênia:

    “Abrangente e persistente foi a observância do sábado entre os crentes da Igreja Oriental e dos Cristãos de São Tomás da Índia, que jamais estiveram ligados a Roma.

    O mesmo costume foi mantido entre as congregações que se separaram de Roma após o Concílio de Calcedônia, como por exemplo, os abissínios, jacobitas, marionitas e armênios.” [Na “New Achaff-Herzog Encyclopedia of Religious Knowledge”, art. “Nestorians”.]

    SÉCULO VIII     

    O sábado também foi observado pelos valdenses: “Eles guardavam o dia de sábado, observavam a ordenança do batismo (por imersão) conforme a igreja primitiva, instruíam os filhos nos pontos da fé cristã e nos mandamentos de Deus.” [Em “Church History”, de Jones, vol. 2, cap. 5, sec. 4.] 
    (OBS: A Congregação Cristã no Brasil (CCB) tem um parentesco remoto com os valdenses, mas a cúpula da CCB, infelizmente não entendeu sobre a obrigatoriedade do mandamento do sábado para a igreja).

    SÉCULO IX     

    Bulgária:

    “O papa Nicolau I, no nono século, enviou ao príncipe governante da Bulgária um extenso documento dizendo que se devia cessar o trabalho no domingo, mas não no sábado. O líder da Igreja Grega, ofendido pela interferência do papado, declarou o papa excomungado.” [Dr. B. G. Wilkinson, Ph.D., “The Truth Triumphant”, pág. 232.]

    SÉCULO X   

    “Os seguidores de Nestor não comem porco e guardam o sábado. Não crêem em confissão auricular nem no purgatório.” [Na “New Achaff-Herzog Encyclopedia of Religious Knowledge”, art. “Nestorians”.]

    SÉCULO XI     

    Escócia: “Margaret da Escócia, em 1060, tentou arruinar os descendentes espirituais de Columba, opondo-se aos que observavam o sábado do sétimo dia em vez de o domingo.” [Relatado por T. R. Barnett, “Margaret of Scotland, Queen and Saint”, pág. 97.]

    SÉCULO XII     

    Itália:

    “Há vestígios de observadores do sábado no século doze, na Lombárdia.” [Na “Strong’s Encyclopedia”.]     

    França:

    “Por vinte anos Pedro de Bruys agitou o sul da França. Ele enfatizava especialmente um dia de adoração reconhecido na época entre as igrejas celtas das ilhas britânicas, entre os seguidores de Paulo, e na Igreja Oriental, isto é, o sábado do quarto mandamento.” [Extraído de “Coltheart”, pág. 18.]     

    Os valdenses, em 1120:

    “A observância do sábado… é uma fonte de alegria.” [Blair, “History of the Waldenses”, vol.1, pág. 220.]

    SÉCULO XIII   

    “Contra os observadores do sábado, Concílio de Toulouse, 1229: Canon 3: ‘Os senhores dos diversos distritos devem procurar diligentemente as vilas, casas e matas, para destruir os lugares que servem de refúgio.’ Canon 4: ‘Aos leigos não é permitido adquirir os livros tanto do Antigo quanto do Novo Testamentos’.” [Charles Joseph Hefele, “History of the Councils of the Church”.]

    SÉCULO XIV     

    Alemanha:

    “Em 1310, duzentos anos antes das teses de Lutero, os irmãos boêmios constituíam um quarto da população da Boêmia, e estavam em contato com os valdenses, que havia em grande número na Áustria, Lombárdia, Boêmia, norte da Alemanha, Turíngia, Brandenburgo e Morávia.

    Erasmo enfatizava que os valdenses da Boêmia guardavam o sétimo dia (sábado) de uma maneira estrita.” [Robert Cox, “The Literature of the Sabbath Question”, vol. 2, págs. 201 e 202.]

    SÉCULO XV     

    Concílio católico romano realizado em Bergen, Noruega, em 1435: “Estamos cientes de que algumas pessoas em diferentes partes de nosso reino adotam e observam o sábado. A todos é terminantemente proibido – no cânon da santa igreja – observar dias santos, exceto os que o papa, arcebispos e bispos ordenam.

    A observância do sábado não deve ser permitida, sob nenhuma circunstância, de agora em diante, além do que o cânon da igreja ordena. Assim, aconselhamos a todos os amigos de Deus na Noruega que desejam ser obedientes à santa igreja, a deixar de lado a observância do sábado; e os demais proibimos sob pena de severo castigo da igreja por guardarem o sábado como dia santo.” [Em “Dip. Norveg.”, cap. 7, pág. 397.]

    Alemanha:

    “Erasmo dá testemunho de que por volta do ano 1500 os boêmios não apenas guardavam estritamente o sábado, mas eram também chamados de sabatistas.” [Robert Cox, “The Literature of the Sabbath Question”, vol. 2, págs. 201 e 202.]     

    A observância do sábado entre os valdenses, segundo o que sabe, seguiu até o século XV. Um relatório de uma inquisição, diante da qual foram trazidos alguns valdenses da Moravia, declara:   

    “… entre os valdenses não poucos efetivamente celebram o sábado como os judeus.” [Johann Joseph Ignaz von Döllinger, “Beitrage zur Sektengeschichte des Mittelalters” (Contribuições à História das Seitas da Idade Média), Munique, 1890, parte 2, pág. 661.]

    SÉCULO XVI     

    Abissínia:

    “Não é pela imitação dos judeus, mas em obediência a Cristo e Seus apóstolos, que observamos este dia (o sábado).” [De um legado abissínio na corte de Lisboa, em 1534, citado na “História da Igreja da Etiópia”, de Geddes, págs. 87 e 88.]     

    Noruega, 1544: “Alguns de vocês, em oposição à advertência, guardam o sábado. Vocês devem ser severamente punidos. Quem for visto guardando o sábado, pagará uma multa de dez marcos.” [Krag e Stephanius, “History of King Christian III”.]     

    Liechtenstein, 1590: “Os sabatistas ensinam que o dia de repouso, o sábado, ainda deve ser guardado. Dizem que o domingo [como dia semanal de descanso] é uma invenção do papa.” [Wolfgang Capito, “Refutation of the Sabbath” (1590).]     

    Índia: “Francisco Xavier, famoso jesuíta, chamado para a inquisição que foi preparada em Goa, Índia, em 1560, para verificar a maldade judaica, a observância do sábado’.” [Adeney, “The Greek and Eastern Churches”, págs. 527 e 528.]

    Carlstadt, um dos primeiros reformadores, tentou trazer a reforma do sábado na época de Lutero:

    “Carlstadt defendeu a divina autoridade do sábado do Velho Testamento.” [Dr. Barnes Sears, “Life of Luther”, pág. 147.]     

    O grande pai da reforma, Martinho Lutero, em seu “Against the Celestial Prophets”, declara:   

    “Em verdade, se Carlstadt escrevesse mais acerca do sábado, o domingo logo teria que lhe ceder o lugar, e o sábado ser santificado.” [Citado em “Life of Martin Luther in Pictures”, pág. 147.]

    SÉCULO XVII   

    “Por mais de 17 séculos a Igreja da Abissínia continuou a santificar o sábado como o dia sagrado do quarto mandamento.” [Ambrósio de Morbius.]   

    “Cerca de 100 igrejas guardadoras do sábado, a maioria independentes, prosperaram na Inglaterra nos séculos dezessete e dezoito.” [Dr. Brian W. Ball, “The Seventh-Day Men, Sabbatarians and Sabbatarianism in England and Wales”, 1600-1800, Clarendon Press, Oxford University, 1994.]

    SÉCULO XVIII     

    Alemanha:   

    “Tennhardt de Nuremberg adere estritamente à doutrina do sábado, por ser um dos dez mandamentos.” [J. A. Bengel, “Leben und Wirken”, pág. 579.]   

    “Antes que Zinzendorf e os morávios de Belém [Pennsylvania] iniciassem a observância do sábado e prosperassem, havia um pequeno grupo de alemães observadores do sábado na Pennsylvania.” [Rupp, “History of the Religious Denominations in the United States”.]   

    “Os abissínios e muitos do continente europeu, especialmente na Romênia, Boêmia, Morávia, Holanda e Alemanha, continuaram a guardar o sábado. Onde quer que a igreja de Roma predominasse, esses sabatistas eram penalizados com o confisco de suas propriedades, multas, encarceramento e execução.” [Extraído de “Coltheart”, pág. 26.]     

    O Dr. Johann August Wilhelm Neander, grande teólogo e historiador alemão de Heidelberg, em cuja obra de tal mérito que lhe valeu o título de “príncipe dos historiadores da Igreja”, pergunta:   

    “Não podemos supor que dos próprios tempos antigos um grupo de cristãos judaizantes tivesse sobrevivido, dos quais esta seita [os pasaginianos, classificados como valdenses por algumas autoridades] devesse ser considerada como uma ramificação?” [Em “Church History”, per. 5, vol. 6, pág. 591.] –>

    SÉCULO XIX     

    Foi encontrada uma comunidade cristã no interior da China, isolada pelo tempo e distância, um lugar onde a comunidade parou no tempo:  

    “Os taiping, quando interrogados sobre a observância do sábado, responderam que, em primeiro lugar, porque a Bíblia o ensina, e, em segundo, porque seus ancestrais o guardavam como dia de culto.” [Extraído de “A Critical History of Sabbath and Sunday”.]

    SÉCULOS XX – XXI     

    Hoje o sábado do sétimo dia é observado por milhões de pessoas no mundo todo, espalhadas por mais de 25 diferentes denominações e centenas de congregações independentes. A maior delas, com quase 15 milhões de pessoas, é a Igreja Adventista do Sétimo Dia.”

    FONTE: http://sabadonoseculos.blogspot.com/2008/01/o-sbado-na-histria.html

    Curtir

  • Queruvim  On 9 de novembro de 2016 at 21:19

    Lucas, SOBRE A GUARDA DO SÉTIMO dia …onde é que Jesus ou os Apóstolos reiteram ou repetem a importância de não fazer nenhuma obra no sétimo dia? Para mim e muitos outros, guardar esta lei é invalidar o sacrifício de Cristo por seguir obras da lei de Moisés.

    Curtir

  • Queruvim  On 9 de novembro de 2016 at 21:27

    Os antigos israelitas estavam sob a lei Moisaica quando Isaías escreveu estas palavras, 700 anos antes de nosso Senhor e Salvador, Cristo Jesus. Após a destruição predita por Isaías, Jerusalém foi reconstruída e então se cumpriram muitas das profecias de restauração. Seu estudo não prevê isso e confunde, afirmando algo sobre promessas que já tiveram um cumprimento no antigo Israel após retornarem do cativeiro de 70 anos em Babilônia. E parte das promessas no texto por ti referido tem seu cumprimento no Israel espiritual (A igreja cristã restaurada e que adora a Jeová atualmente). Judeus para Jeová, não são os que são descendentes carnais de Abraão.(Gal. 3:29) Antes, os que seguem a Cristo e recebem o espírito santo e são como “marcados” ou selados, com a esperança de vida celestial e arrebatamento destes, são o “Israel”… e sobre muitos destes se cumprem diversas profecias de restauração. Por não estudar cronologia nem a Bíblia, muitos escrevem que as palavras de Isaías e outros profetas maiores, se cumprem literalmente no Israel carnal, (Ao falar Israel carnal me refiro ao moderno estado de Israel ou outros convertidos ao judaísmo moderno com suas seitas confusas).

    Curtir

  • Queruvim  On 9 de novembro de 2016 at 21:32

    EVITEM POSTS ou mensagens muito LONGAS.

    MODERAÇÃO

    Curtir

  • DinoSouza  On 14 de dezembro de 2016 at 22:42

    Sou Adventista e li muito dos comentários aqui, creio que em nada me abalei pois creio que Sábado não nos salva, quem nos Salva é Cristo. Porem apesar de ver muitos comentários que Invalidam a Santa Lei de DEUS confundindo-as com a Lei de Moises.. Sigo pela fé cumprindo a vontade de Nosso Deus Criador dos céus e da terra, vontade esta sistematizada nos dez mandamentos, mandamentos este que não nos salva mas que nos torna por amor obedientes a Santa Lei do Altissímo! I Joao 5:3-4 “Pois o amor de DEUS, signica o seguinte: que observemos os seus mandamentos; contudo, os seus mandamentos não são pesados, 4 porque tudo o que nasceu de Deus vence o mundo. E a vitoria que venceu o mundo é esta: a nossa fé.”

    Curtir

  • Marcelo  On 15 de dezembro de 2016 at 17:07

    DinoSouza

    Os próprios evangelistas “Confundiam” a lei de Deus com a Lei de Moisés, pois trata-se da mesma lei, e portanto “Lei de Deus” e “Lei de Moisés” são expressões intercambiáveis:

    http://wol.jw.org/pt/wol/l/r5/lp-t?q=Mat+15%3A4%3B+Mar+7%3A10

    Mateus 15:4

    4 Por exemplo, DEUS disse: ‘Honre seu pai e sua mãe’+ e ‘Quem amaldiçoar* seu pai ou sua mãe seja morto’.+

    Marcos 7:10

    10 Por exemplo, Moisés disse: ‘Honre seu pai e sua mãe’+ e ‘Quem amaldiçoar* seu pai ou sua mãe seja morto’.+

    Curtir

Comments in english allowed! Não serão permitidos comentários de opositores ou pessoas que querem debates sem fim. EVITE FUGIR DO TEMA DA PÁGINA OU FAZER flooding de informações. Isso é coisa de gente desonesta e que quer confundir. Discordar não é problema, mas fazer oposição com zombaria desrespeito e trollagem não são aceitos nesta página. Ao postar nesta página você estará concordando com isso! Não é permitido a participação de APÓSTATAS nos comentários desta página. Em outras palavras, críticas e discordâncias são aceitas e até mesmo postadas, mas não “espírito de oposição”. Isto se dá em vista do claro mandamento bíblico para que “os eviteis” Romanos 16:17. Outra coisa...tenho recebido comentários feitos com erros graves em quase toda linha e frase. NÃO POSTAREI. Tenha respeito por assuntos bíblicos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s