O mormonismo: restauração de todas as coisas?


O TEMPLO mórmon de Salt Lake City, Utah, é, para os Santos dos Últimos Dias, um símbolo de sua fé do qual muito se orgulham. Diligência, valores familiares e auto-suficiência financeira são lemas do mormonismo. Os missionários mórmons, com crachás, são uma vista comum ao redor do globo. Mas alguns assuntos internos, sagrados para os mórmons, não são revelados às pessoas de fora da igreja. De modo que a igreja continua a ser alvo de boatos sensacionalistas. Um exame justo, porém, deve basear-se, não em histórias injuriosas e maldosas, mas nos fatos. O que podemos aprender a respeito dessa religião tão difamada?

 

A igreja de Joseph Smith hoje

Os mórmons acreditam que sua religião é a restauração da verdadeira igreja, com seu sacerdócio e suas ordenanças. Daí o seu nome oficial: Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Na Igreja Mórmon não há distinção entre clero e leigos. Em vez disso, a partir dos 12 anos, todo adepto do sexo masculino, digno, pode ajudar a cuidar dos vários deveres da igreja, alcançando o sacerdócio aos 16 anos.
A maioria dos cargos na igreja não são remunerados, e as famílias dos Santos dos Últimos Dias participam nos muitos programas patrocinados pela congregação em sua localidade, ou ala. Em nível congregacional, os élderes, os bispos e os presidentes das estacas (distritos) supervisionam os bem-organizados assuntos da igreja. Um conselho de 12 apóstolos, em Salt Lake City, tem jurisdição mundial. Por fim, o presidente da igreja — reverenciado como profeta, vidente e revelador — e dois conselheiros compõem o corpo que preside a igreja, chamado de Quorum da Presidência, ou Primeira Presidência.
Várias ordenanças afetam a vida dos mórmons devotos. O batismo, que significa arrependimento e obediência, pode ocorrer depois que o crente completa oito anos de idade. O lavamento e a unção o purifica e consagra. A cerimônia do endowment (investidura) no templo envolve uma série de convênios, ou promessas, e uma veste de baixo especial, do templo, a ser usada sempre daí em diante, como proteção contra o mal e como lembrete dos votos de segredo assumidos. Também, um casal de mórmons pode selar seu casamento num templo “pelo tempo e pela eternidade”, para que sua família não seja desfeita no céu, onde o casal pode continuar a ter filhos.
O mormonismo tem ganhado aceitação graças a seu programa social, estabelecido para que “a maldição da ociosidade fosse eliminada”. É financiado pelos adeptos da localidade, que renunciam a duas refeições por mês e doam o valor delas à igreja. Além disso, exige-se que os fiéis paguem o dízimo. A família e os amigos suprem os fundos para sustentar os missionários mórmons, em geral jovens que dedicam cerca de dois anos ao serviço.
Abnegação, famílias unidas e responsabilidade cívica são características da vida dos mórmons. Mas quais são as suas crenças?

Os mórmons e a Bíblia

“Cremos ser a Bíblia a palavra de Deus, o quanto seja correta sua tradução”, declara o artigo oitavo das Regras de Fé do mormonismo. Mas acrescenta: “Cremos também ser o Livro de Mórmon a palavra de Deus.” Muitos se perguntam, porém, que necessidade há de outras Escrituras?
O elder Bruce R. McConkie afirmou: “Não há ninguém na Terra que tenha a Bíblia em tão alta conta quanto os [mórmons]. . . . Mas nós não cremos que . . . a Bíblia contenha todas as coisas necessárias para a salvação.” No panfleto Quem São os Mórmons?, o presidente Gordon B. Hinckley escreveu que as inúmeras seitas e religiões “prestam testemunho da insuficiência da Bíblia”.
Os escritores mórmons expressam dúvidas profundas sobre a veracidade da Bíblia por causa de alegadas supressões e erros de tradução. O apóstolo mórmon James E. Talmage, no livro Um Estudo das Regras de Fé, insta: “Leia-se, pois, a Bíblia reverentemente e com cuidado e oração, buscando o leitor a luz do Espírito para poder sempre distinguir entre a verdade e os erros dos homens.” Orson Pratt, um dos primeiros apóstolos do mormonismo, foi ainda mais longe: “Quem garante que um versículo sequer da Bíblia inteira tenha escapado de deturpação?”
Neste respeito, parece que os mórmons não estão a par de todos os fatos. É verdade que o texto bíblico foi copiado e traduzido muitas vezes ao longo dos anos. Todavia, a evidência de que ele, em essência, não foi alterado é esmagadora. Milhares de manuscritos hebraicos e gregos antigos foram escrutinados lado a lado com cópias mais recentes da Bíblia. Por exemplo, o Rolo do Mar Morto de Isaías, datado do segundo século AEC, foi comparado com um manuscrito datado de mais de mil anos depois. Havia sérias adulterações? Ao contrário, certo erudito que analisou os manuscritos declarou que as poucas diferenças encontradas “consistiam principalmente em lapsos óbvios da pena e variações de grafia”.
Depois de uma vida inteira dedicada a estudos intensos, o ex-diretor do Museu Britânico, Sir Frederic Kenyon, atestou: “O cristão pode segurar a Bíblia inteira na mão e dizer sem receio nem hesitação que segura a verdadeira Palavra de Deus, passada sem perda significativa de geração a geração através dos séculos.” De modo que as palavras do salmista ainda são verazes hoje: “As palavras do Senhor são palavras puras: como a prata refinada num forno de barro, purificada sete vezes.” (Salmo 12:6, King James Version) Será que realmente precisamos de mais do que isto?
“Tu, tolo”, censura O Livro de Mórmon, em 2 Nefi 29:6, “dirás: Uma Bíblia, temos uma Bíblia, e não necessitamos mais de Bíblia!” Muitos mórmons, porém, ponderaram nas palavras severas do apóstolo Paulo, na Bíblia, em Gálatas 1:8 (KJ): “Mesmo que nós, ou um anjo do céu, pregássemos qualquer outro evangelho a vós além do que pregamos a vós, que seja amaldiçoado.”
Os eruditos dos Santos dos Últimos Dias explicam que a nova escritura não vai além do que é declarado na Bíblia; é apenas um esclarecimento e uma complementação dela. “Não há divergência entre os dois”, escreve Rex E. Lee, presidente da Universidade Brigham Young. “Tanto a Bíblia como o Livro de Mórmon ensinam o mesmo plano de salvação.” Não divergem mesmo? Considere o plano de salvação do mormonismo.

“Como Deus é, o homem pode vir a ser”

“Embora não nos lembremos disso”, explica Lee, “nós existimos como espíritos na vida anterior”. De acordo com essa crença de progressividade eterna dos Santos dos Últimos Dias, pela obediência estrita o homem pode se tornar um deus — um criador como Deus. “O próprio Deus já foi como somos agora — ele é um homem exaltado, entronizado em céus distantes!”, declarou Joseph Smith. “Tereis de aprender como tornar-vos deuses vós mesmos, . . . da mesma forma como todos os deuses fizeram antes de vós.” Lorenzo Snow, profeta mórmon, disse: “Como o homem é, Deus já foi; como Deus é, o homem pode vir a ser.”
Será que esse futuro é apresentado nas páginas da Bíblia? A única oferta de divindade registrada nela foi a promessa sem fundamento de Satanás, o Diabo, no jardim do Éden. (Gênesis 3:5) A Bíblia revela que Deus criou Adão e Eva para viver na Terra e ordenou-lhes que gerassem uma família humana perfeita que viveria aqui em felicidade eterna. (Gênesis 1:28; 3:22; Salmo 37:29; Isaías 65:21-25) A desobediência proposital de Adão deu início ao pecado e à morte no mundo. — Romanos 5:12.
O Livro de Mórmon diz que se Adão e Eva — anteriormente espíritos — não tivessem pecado, não teriam tido filhos nem alegria e teriam permanecido sozinhos no Paraíso. Assim, sua versão do pecado do primeiro casal envolve relação sexual e gerar filhos. “Adão caiu, para que os homens existissem; e os homens existem, para que tenham alegria.” (2 Nefi 2:22, 23, 25) Segundo os mórmons, os espíritos no céu aguardam uma oportunidade de viver na Terra pecaminosa — passo necessário rumo à perfeição e à divindade. Diz a revista Ensign, dos Santos dos Últimos Dias: “Olhamos para o que Adão e Eva fizeram com grande apreço em vez de com desdém.”
“Esta doutrina [a de que o homem existiu no domínio espiritual]”, diz Joseph Fielding Smith, sobrinho-neto de Joseph Smith, “na Bíblia é apenas discernida através de uma neblina ou névoa . . . porque muitas coisas claras e preciosas foram tiradas da Bíblia”. Ele declara ainda: “Essa crença baseia-se numa revelação dada à Igreja em 6 de maio de 1833.” Portanto, embora aceitem a inspiração da Bíblia, em caso de desacordo, a doutrina dos Santos dos Últimos Dias necessariamente confere maior peso às palavras de seus profetas.

O Livro de Mórmon, pedra fundamental da fé

Joseph Smith exaltou O Livro de Mórmon como “o livro mais correto da terra e a pedra fundamental de nossa religião”. Uma coleção de placas de ouro seria alegadamente a fonte de seus escritos. Onze mórmons testificaram ter visto as placas. Após concluir a tradução do documento, porém, Smith disse que as placas foram levadas para o céu. Assim, não se acham à disposição para análise textual.
A Pérola de Grande Valor (veja o quadro na página 20) fala de um professor de nome Charles Anthon, a quem teria sido mostrada uma cópia de algumas das inscrições, e que ele as declarou autênticas, e a tradução, correta. Mas ao saber a origem das placas, o relato diz que ele retratou seu parecer. Essa história soa incoerente com a afirmação de Smith de que só ele tinha o dom de traduzir o idioma das placas, “o conhecimento do qual foi perdido pelo mundo”. Poderia o professor Anthon verificar a exatidão de um texto que ele não sabia ler e, portanto, não poderia traduzir?
O Livro de Mórmon cita extensivamente da versão King James da Bíblia, cujo inglês shakespeariano já era considerado arcaico nos dias de Joseph Smith. Incomoda alguns de seus leitores o fato de que O Livro de Mórmon, o “mais correto” dos livros, plagia pelo menos 27.000 palavras de uma versão da Bíblia que está, segundo ele dá a entender, repleta de erros e que Smith mais tarde empreendeu revisar. — Veja o quadro na página 24.
A comparação da primeira edição de O Livro de Mórmon com as edições atuais revela a muitos mórmons um fato surpreendente — que o livro supostamente “traduzido . . . pelo dom e poder de Deus” teve sua gramática, grafia e substância várias vezes alteradas. Há, por exemplo, uma confusão patente sobre a identidade do “Pai Eterno”. Segundo a primeira edição de 1 Nefi 13:40, “o Cordeiro de Deus é o Pai Eterno”. Mas, edições posteriores dizem que “o Cordeiro de Deus é o Filho do Pai Eterno”. (O grifo é nosso.) Os dois manuscritos originais de O Livro de Mórmon, escritos em 1830, ainda existem. Um deles, de posse da Igreja Reorganizada de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, tem as palavras “o Filho” acrescentadas entre as linhas.
Quanto a Doutrina e Convênios, livro sagrado para os mórmons, o erudito dos Santos dos Últimos Dias, Lyndon W. Cook, explica no prefácio do livro The Revelations of the Prophet Joseph Smith: “Tendo em vista que algumas revelações foram revisadas pelas comissões incumbidas de organizá-las para publicação, nota-se que houve acréscimos e supressões textuais significativas.” Uma dessas alterações encontra-se em Livro de Mandamentos 4:2 que disse a respeito de Smith: “Ele tem o dom de traduzir o livro . . . Não lhe concederei nenhum outro dom.” Mas quando a revelação foi reimpressa no ano de 1835 em Doutrina e Convênios, ela passou a rezar: “Pois não te concederei nenhum outro dom, até que a tradução esteja completa.” — 5:4.

Enigmas históricos

Alguns acham difícil conciliar a idéia de que cerca de 20 judeus teriam partido de Jerusalém para a América do Norte, em 600 AEC, com a de que, em menos de 30 anos, eles se tivessem multiplicado e se dividido em duas nações! (2 Nefi 5:28) Dentro de 19 anos após a sua chegada, esse grupo pequeno supostamente construiu um templo “segundo o modelo do templo de Salomão . . ., e sua obra, portanto, era consideravelmente formosa” — deveras, uma tarefa colossal! A construção do templo de Salomão, em Jerusalém, levou sete anos e ocupou cerca de 200.000 trabalhadores, artífices e capatazes. — 2 Nefi 5:16; compare com 1 Reis 5, 6.
Os que lêem com cuidado O Livro de Mórmon ficam perplexos com certos eventos que parecem fora da ordem cronológica correta. Por exemplo, Atos 11:26 diz: “Os discípulos foram chamados cristãos pela primeira vez em Antioquia.” (KJ) Mas Alma 46:15, segundo dá a entender ao descrever eventos em 73 AEC, fala de cristãos na América antes de Cristo vir à Terra.
O Livro de Mórmon apresenta-se mais como narrativa histórica do que como tratado de doutrinas. As frases “e aconteceu que” e “e sucedeu que” ocorrem cerca de 1.200 vezes na edição atual — cerca de 2.000 vezes na edição de 1830. Muitos dos lugares mencionados na Bíblia ainda existem, mas a localização de a bem dizer todos os locais citados em O Livro de Mórmon, como, por exemplo, Gimgimno e Zeezrom, é desconhecida.
A história dos mórmons fala de vastos povoamentos no continente norte-americano. Helamã 3:8 reza: “E sucedeu que se multiplicaram e se espalharam . . . de forma tal que começou a ser povoada toda a face da terra.” De acordo com Mórmon 1:7, a terra “se achava coberta com edifícios”. Muitos se perguntam onde estão os vestígios dessas civilizações florescentes. Onde estão os artefatos dos nefitas, suas moedas de ouro, espadas, escudos ou armaduras? — Alma 11:4; 43:18-20.
Ao considerar essas perguntas, os adeptos do mormonismo fazem bem em refletir seriamente nas palavras do mórmon Rex E. Lee: “A autenticidade do mormonismo fica de pé ou cai junto com o livro do qual a Igreja deriva seu nome.” Uma fé fundamentada em conhecimento bíblico sólido, em vez de numa mera oração carregada de emoção, representa um desafio para os mórmons sinceros — bem como para todos os que professam ser cristãos.

Base da restauração

Foi o caos espiritual à sua volta que levou Joseph Smith a desdenhar das seitas antagônicas de seus dias. Outros homens reverentes antes, durante e desde aquela época procuraram retornar à fé verdadeira.
Qual é o modelo para o verdadeiro cristianismo? Não é Cristo, que deixou “um exemplo, para seguirdes os seus passos”? (1 Pedro 2:21, KJ) O contraste entre a vida de Jesus Cristo e a teologia dos Santos dos Últimos Dias é berrante. Embora Jesus não fosse asceta, sua vida simples era destituída de qualquer ambição de riqueza, glória ou poder político. Ele foi perseguido porque ‘não era do mundo’. (João 17:16, KJ) O principal objetivo do ministério de Cristo era glorificar seu Pai, Jeová, e santificar Seu nome. Esse também é o objetivo dos verdadeiros discípulos de Jesus. Consideram sua própria salvação como de importância secundária.
Jesus ensinou a Palavra de Deus, citando-a sem reservas e vivendo-a. Brigham Young disse a respeito da Bíblia: “Temos esse livro como nosso guia, como regra de conduta; nós o temos como o alicerce de nossa fé. Ele aponta o caminho para a salvação.” (Journal of Discourses, Volume XIII, página 236) Ele instou, portanto: “Peguem a Bíblia, comparem a religião dos Santos dos Últimos Dias com ela, e vejam se passa na prova.” (Discourses of Brigham Young) Não somente o mormonismo, mas todas as religiões que professam ser cristãs, têm de submeter-se a essa prova, pois Jesus disse: “Os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade.” — João 4:23, KJ.
[Nota(s) de rodapé]
Para mais informações, veja A Bíblia — Palavra de Deus ou de Homem?, publicado pela Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados.
[Quadro na página 20]

Escritos sacros dos mórmons

ALÉM da Bíblia e de O Livro de Mórmon, os Santos dos Últimos Dias têm como inspirados diversos outros escritos.
Doutrina e Convênios: Basicamente uma coletânea do que Joseph Smith chamou de revelações de Deus. Estas foram ocasionalmente revisadas conforme os ditames dos desenvolvimentos históricos e doutrinais.
A Pérola de Grande Valor: Livro que contém revisões, feitas por Joseph Smith, do livro bíblico de Gênesis e do capítulo 24 de Mateus, além da biografia do próprio Smith. Traz também a tradução de Smith de um papiro que ele comprou em 1835. Ele asseverou que o papiro fora escrito pelo próprio Abraão e que contava como um anjo o salvara quando um sacerdote tentara sacrificá-lo num altar. O papiro foi reencontrado em 1967 e examinado por diversos egiptólogos. Eles constataram, segundo certa reportagem, que “nem sequer uma palavra da alegada tradução de Joseph Smith guardava qualquer semelhança com o conteúdo deste documento”. Tratava-se do Livro das Expirações, um documento fúnebre egípcio que era sepultado junto com o morto. O manuscrito original de Smith mostra que ele usou 136 palavras diferentes, do inglês, ao traduzir o hieróglifo egípcio para “lago”.
Tradução da Bíblia de Joseph Smith: Em 1830, Smith começou a revisar a versão King James da Bíblia, obra que não chegou a concluir. Revisou uns 3.400 versículos e acrescentou muita matéria, inclusive uma profecia no fim de Gênesis sobre sua própria vinda como “vidente eleito”. Visto que o manuscrito permaneceu em poder da viúva de Smith, a qual não seguiu Brigham Young, a igreja de Salt Lake raramente o cita, embora seja tido como correto.
Outras doutrinas “inspiradas”: Podem ser transmitidas pelo profeta vivo da igreja a qualquer hora e possuem peso igual ao da Bíblia Sagrada. O discurso em prol de King Follett, em 1844, é um exemplo. Smith proferiu esse sermão fúnebre a favor do elder King Follett, e nele explicou a doutrina do homem deificado e do Deus humanizado. Foi publicado no Journal of Discourses, uma coletânea dos discursos de Smith, Young e outras autoridades mórmons do século 19.
[Quadro na página 21]
A família de deuses do mormonismo
Deus: Pai de todos os Deuses; possui corpo de carne e osso. — Doutrina e Convênios 130:22.
Elohim: Às vezes é mencionado como uma pessoa. Também é descrito como um conselho de Deuses que organizou a Terra. — Doutrina e Convênios 121:32; A Pérola de Grande Valor, Abraão 4:1; Journal of Discourses, Volume I, página 51.
Jesus: Deus e Criador de toda a Terra, o Salvador. — 3 Nefi 9:15; 11:14.
Jeová: Nome de Jesus no Velho Testamento. — Note Mórmon 3:22; Moroni 10:34; e referências do Livro de Mórmon.
Trindade: Ente Supremo, composto de três pessoas espirituais separadas, distintas: Pai e Filho, de carne e osso, e o Espírito Santo. — Alma 11:44; 3 Nefi 11:27.
Adão: Ajudante de Jesus na criação. Brigham Young declarou: “Nosso pai Adão entrou no jardim do Éden . . . e trouxe Eva, uma de suas esposas. . . . Ele é nosso Pai e nosso Deus.” (Journal of Discourses, Volume I, página 50, Edição de 1854) Depois de pecar, Adão tornou-se o primeiro cristão da Terra. (A Pérola de Grande Valor, Moisés 6:64-66; Ensign, janeiro de 1994, página 11) Ele é “o Ancião de Dias” (Doutrina e Convênios 116) e é o Pai literal, biológico, de Jesus. — Journal of Discourses, Volume I, página 51.
Miguel: Outro nome de Adão, o arcanjo. — Doutrina e Convênios 107:54.
[Quadro na página 23]
Os mórmons, o nacionalismo e a política
JOSEPH SMITH — profeta, vidente e revelador, segundo a crença mórmon — também foi prefeito, tesoureiro, general-de-divisão, e candidato a presidente dos EUA. Seguindo seu exemplo, muitos mórmons são ativistas políticos fervorosos. A igreja orgulha-se de sua tradição americana e assevera que Deus dirigiu a escrita da constituição norte-americana. Brigham Young disse: “Quando . . . o Reino de Deus passar a reger, a bandeira dos Estados Unidos será orgulhosamente desfraldada imaculada no mastro da Liberdade e igualdade de direitos.”
O artigo 12 das Regras de Fé declara: “Cremos na submissão aos reis, presidentes, governadores e magistrados, como também na obediência, honra e manutenção da lei.” Até que ponto vai essa submissão? Quando os Estados Unidos entraram na Primeira Guerra Mundial, o elder Stephen L. Richards afirmou: “Não há pessoas mais leais ao governo dos Estados Unidos do que a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.” “Quando lutamos, vencemos pelo poder de Deus”, disse outro elder.
O artigo 12 também foi praticado no outro lado do campo de batalha. A professora Christine E. King, da Universidade de Staffordshire, escreveu: “Os mórmons alemães foram incentivados a pegar em armas pelo seu país e a rezar pela sua vitória.” A igreja dizia que eles lutavam, não contra seus irmãos mórmons britânicos e americanos, mas contra representantes de governos. “Essa distinção, ainda que transparentemente absurda, serviu para mitigar as dúvidas de natureza moral e religiosa dos mórmons alemães.”
Quando Hitler assumiu o poder, a política mórmon de apoio irrestrito continuou. “Os nazistas não encontraram resistência ou evidência de censura da igreja mórmon”, escreveu a Dra. King. A ênfase do mormonismo à pureza racial e ao patriotismo foi muito conveniente à igreja, e para muitos mórmons, “os vínculos entre sua fé e a política do Terceiro Reich eram claros”. Quando vários mórmons ousaram desafiar Hitler, não receberam nenhum apoio dos líderes mórmons. “A igreja era patriota e leal e desaprovava qualquer ataque contra o governo nazista.” A igreja até excomungou um dissidente postumamente depois que os nazistas o executaram.
Que diferença daqueles louvados em O Livro de Mórmon em Alma 26:32: “Preferiram sacrificar suas vidas a matar mesmo seus inimigos; e enterraram suas armas de guerra profundamente no solo, por causa de seu amor para com seus irmãos.”
Jesus raciocinou com Pilatos: “Se meu reino fosse deste mundo, então meus servos lutariam para que eu não fosse entregue aos judeus.” (João 18:36, King James Version) Seus discípulos não deveriam pegar em armas nem para defender o próprio Filho de Deus, sem falar em guerra entre governos. Deveriam amar até seus inimigos. — Mateus 5:44; 2 Coríntios 10:3, 4.
Há cristãos de verdade hoje em dia que conservaram estrita neutralidade, tanto individual como coletivamente. Disse o livro Mothers in the Fatherland (Mães na Pátria): “As Testemunhas de Jeová haviam, desde a sua fundação, permanecido resolutamente separadas de qualquer estado.” Por conseguinte, durante o reinado de terror de Hitler, elas, “praticamente sem exceção, recusaram-se inequivocamente a prestar qualquer forma de obediência ao estado nazista”.
Embora fossem martirizadas aos milhares, as Testemunhas de Jeová levaram a sério as palavras de Jesus: “Por isso saberão todos os homens que vós sois meus discípulos, se tiverdes amor uns pelos outros.” — João 13:35, KJ.
[Nota(s) de rodapé]
Helmut Hübener foi readmitido em 1948.
[Quadro na página 24]
A Bíblia e os escritos dos mórmons — contrastes evidentes
Bíblia: Embora sua localização exata seja desconhecida, o jardim do Éden provavelmente situava-se na região mesopotâmica, perto do rio Eufrates. — Gênesis 2:11-14.
Doutrina e Convênios: O jardim do Éden localizava-se no Condado de Jackson, Missouri, EUA. — Doutrina e Convênios 57, conforme explicado pelo presidente J. F. Smith.
Bíblia: A alma morre. — Ezequiel 18:4; Atos 3:23.
O Livro de Mórmon: “A alma nunca poderia morrer.” — Alma 42:9.
Bíblia: Jesus nasceu em Belém. — Mateus 2:1-6.
O Livro de Mórmon: Jesus nasceu em Jerusalém. — Alma 7:10.
Bíblia: Jesus foi gerado pelo espírito santo. — Mateus 1:20.
Journal of Discourses: Jesus não foi gerado pelo espírito santo. Foi gerado na carne, fruto de relação sexual de Adão com Maria. — Journal of Discourses, Volume I, páginas 50-1.
Bíblia: A Nova Jerusalém será no céu. — Revelação (Apocalipse) 21:2.
O Livro de Mórmon: A Nova Jerusalém é terrestre, será construída por homens em Missouri, EUA. — 3 Nefi 21:23, 24; Doutrina e Convênios 84:3, 4.
Bíblia: Os escritores da Bíblia foram inspirados a escrever os pensamentos de Deus. — 2 Pedro 1:20, 21.
O Livro de Mórmon: Diz que seus profetas escreveram de seu próprio conhecimento. — 1 Nefi 1:2, 3; Jacó 7:26.
Bíblia: A Lei mosaica, inclusive o dízimo, findou por ocasião da morte de Jesus. As contribuições devem ser dadas de livre e espontânea vontade, não sob compulsão. — 2 Coríntios 9:7; Gálatas 3:10-13, 24, 25; Efésios 2:15.
Doutrina e Convênios: “Na verdade este é . . . um dia para o dízimo do Meu povo; pois aquele que paga o seu dízimo não será queimado por ocasião da vinda [do Senhor].” — Doutrina e Convênios 64:23.

Foto: Estátua de Moroni sobre o Templo Mórmon em Salt Lake City

FONTE WATCHTOWER G 08/11/1995

Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

  • Alvaro Adonias  On 14 de junho de 2016 at 1:19

    O ensinamento mormon sobre a exaltaçao do homem como deus, viola o primeiro preceito da lei de Jeova Deus que decretou:”Nao teras outros deuses diante de mim” (Exodo 20.3).
    A afirmaçao mormon de que Deus o Pai possui um corpo fisico de carne e ossos nao condiz com o testemunho de Jesus que disse que Deus é Espirito e que um espirito nao tem carne e ossos (Joao 4.24 e Lc. 24.39). Joseph Smith afirmou no sermao King Follett que Deus é um “homem exaltado”, mas Jeova Deus disse: “Eu sou Deus e nao homem” (Oseias 11.9).
    Os Mormons, como também as Testemunhas de Jeova, ensinam que Jesus teve um principio; ao passo que a Biblia testifica que Jesus é tao eterno quanto o Pai (compare Salmo 90.2 com Isaias 9.6 e Miqueias 5.2). Eles estao pregando um deus e um Jesus diferente (2Co.11.4 e Rm.1.23)

    Curtir

Comments in english allowed! Não serão permitidos comentários de opositores ou pessoas que querem debates sem fim. EVITE FUGIR DO TEMA DA PÁGINA OU FAZER flooding de informações. Isso é coisa de gente desonesta e que quer confundir. Discordar não é problema, mas fazer oposição com zombaria desrespeito e trollagem não são aceitos nesta página. Ao postar nesta página você estará concordando com isso! Não é permitido a participação de APÓSTATAS nos comentários desta página. Em outras palavras, críticas e discordâncias são aceitas e até mesmo postadas, mas não “espírito de oposição”. Isto se dá em vista do claro mandamento bíblico para que “os eviteis” Romanos 16:17. Outra coisa...tenho recebido comentários feitos com erros graves em quase toda linha e frase. NÃO POSTAREI. Tenha respeito por assuntos bíblicos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s