As Testemunhas de Jeová e o Nazismo


Testemunhas de Jeová: Vítimas da Era Nazista 

As Testemunhas de Jeová enfrentaram perseguição intensa sob o regime nazista. Ações contra o grupo religioso e seus membros individuais duraram entre os anos nazistas de 1933 a 1945.

Diferentemente dos judeus e dos ciganos, perseguidos e mortos em virtude de seu nascimento, as Testemunhas de Jeová tiveram a oportunidade de escapar da perseguição e dano pessoal renunciando às suas crenças religiosas. A coragem da vasta maioria, mostrada ao se recusarem a fazer isso, apesar da tortura, maus tratos em campos de concentração, e às vezes execução, ganhou o respeito de muitos contemporâneos.

Fundada nos Estados Unidos na década de 1870, a organização das Testemunhas de Jeová enviou missionários à Alemanha à procura de convertidos na década de 1890. No início dos anos 30, somente 20.000 alemães (de uma população total de 65 milhões) eram testemunhas de Jeová, normalmente conhecidos à época como “Estudantes Internacionais da Bíblia”.

Mesmo antes de 1933, apesar de seu pequeno número, a pregação de porta em porta e a identificação das testemunhas de Jeová como hereges pelas igrejas dominantes protestantes e católica renderam-lhes poucos amigos. Estados alemães e autoridades locais com freqüência procuraram limitar as atividades de proselitismo do grupo com acusações de comércio ilegal. Havia também proibições totais à literatura religiosa das testemunhas de Jeová, que incluíam as revistas A Sentinela e “The Golden Age” (A Idade de Ouro). Os tribunais, em contraste, muitas vezes decidiam em favor da minoria religiosa. Enquanto isso, no início dos anos 30, tropas de assalto camisas-marrons nazistas, agindo fora da lei, terminavam encontros de estudos bíblicos e espancavam as próprias Testemunhas.

Depois que os Nazistas chegaram ao poder, a perseguição às testemunhas de Jeová intensificou-se. O movimento, pequeno como era, oferecia uma “ideologia rival” e um “centro rival de lealdade” ao movimento nazista, nas palavras da estudiosa Christine King. Embora honestos e obedientes à lei tanto quanto suas crenças religiosas permitiam, as Testemunhas de Jeová viam a si mesmos como cidadãos do Reino de Jeová; eles recusaram-se a jurar fidelidade a qualquer governo temporal. Eles não eram pacifistas, mas como soldados do exército de Jeová, eles não lutariam por nenhuma nação.

Heinrich Heine, um caixeiro de Neuss, Alemanha. Ele foi preso por participar em atividades ilegais como uma testemunha de Jeová. Dusseldorf, Alemanha, 8 de janeiro de 1937. Nordrhein-Westfälische Hauptstaatsarchiv Düsseldorf RW 58-66519

Heinrich Heine, caixeiro de Neuss, Alemanha, preso por participar em atividades ilegais como Testemunha de Jeová. Dusseldorf, Alemanha, 8 de janeiro de 1937.

As Testemunhas de Jeová, tanto na Alemanha quanto nos Estados Unidos, recusaram-se a lutar na Primeira Guerra Mundial. Esta posição contribuiu para a hostilidade contra eles numa Alemanha ainda ferida pela derrota naquela guerra e fervorosamente nacionalista, tentando reclamar seu status mundial anterior. Na Alemanha nazista, as testemunhas de Jeová recusaram-se a erguer seus braços na saudação “Heil, Hitler!”; eles não votaram nas eleições; eles não entrariam no exército ou na Frente de Trabalho Alemã (uma afiliada nazista, na qual todos os empregados assalariados deveriam entrar depois de 1934).

As testemunhas de Jeová foram denunciadas por seus laços internacionais e com os Estados Unidos, pelo tom aparentemente revolucionário de seu mileniarismo (crença no governo celestial pacífico de 1000 anos de Cristo sobre a Terra, precedido pela batalha do Armageddon), e suas supostas conexões com o judaísmo, além de uma dependência em partes da Bíblia que compreendiam as escrituras hebraicas (o “Velho Testamento” cristão). Muitas dessas acusações foram feitas contra mais de 40 outros grupos religiosos, mas nenhum desses foi perseguido na mesma intensidade. A diferença crucial era a intensidade que as testemunhas demonstravam em recusar a dar lealdade ou obediência final ao estado.

Em abril de 1933, quatro meses depois de Hitler se tornar chanceler, as testemunhas de Jeová foram banidas na Bavária e, no verão, na maior parte da Alemanha. Por duas vezes em 1933, os policiais ocuparam os escritórios das testemunhas e sua gráfica em Magdeburg, e confiscaram literatura religiosa. Testemunhas desafiaram as proibições nazistas, continuando a se encontrar e distribuir sua literatura, muitas vezes às escondidas. Foram feitas cópias de folhetos, trazidos clandestinamente, principal-mente da Suíça.

Inicialmente, as Testemunhas de Jeová tentaram defender-se dos ataques nazistas emitindo uma carta ao governo em outubro de 1934, explicando suas crenças religiosas e neutralidade política. Esta declaração não conseguiu convencer o regime nazista quanto ao caráter inofensivo do grupo. Por desafiar a proibição às suas atividades, muitas testemunhas foram presas e enviadas para prisões e campos de concentração. Eles perderam seus empregos como funcionários públicos ou empregados em indústrias particulares, e seus benefícios contra desemprego, bem-estar social e pensão.

De 1935 em diante, as Testemunhas de Jeová enfrentaram uma campanha de quase total perseguição. Em 1º de abril de 1935, o grupo foi banido nacionalmente por lei. Naquele mesmo ano, a Alemanha reintroduziu o serviço militar compulsório. Por se recusarem a se alistar ou realizar trabalho relativo à guerra, e por continuarem a se encontrar, as testemunhas de Jeová eram presas e encarceradas em prisões e campos de concentração. Em 1936, cerca de 400 testemunhas de Jeová foram presas no campo de concentração de Sachsenhausen.

Helene Gotthold com suas duas filhas, Gerd e Gisela, em 1936. Detida várias vezes por desafiar a proibição dos nazistas e participar nas atividades das Testemunhas de Jeová. Helene foi condenada à morte e decapitada em 8 de dezembro de 1944, em Berlim. Gerd e Gisla sobreviveram.

Em 1936, uma unidade especial da Gestapo (Polícia Secreta do Estado) começou a compilar um registro de todas as pessoas que se acreditava serem testemunhas de Jeová, e agentes infiltraram-se nos encontros de estudos bíblicos. Em 1939, aproximadamente 6.000 testemunhas (incluindo os da Áustria e Tchecoslováqua incorporadas) foram detidas em prisões ou campos. Algumas testemunhas foram torturadas pela polícia na tentativa de fazê-las assinar uma declaração renunciando à sua fé, mas poucas se renderam.

Em resposta aos esforços nazistas para destruí-los, a organização mundial das testemunhas de Jeová tornou-se um centro de resistência espiritual contra os nazistas. Uma convenção internacional de testemunhas, ocorrida em Lucerna, Suíça, em setembro de 1936, emitiu uma resolução condenando todo o regime nazista. Nesse texto e em outra literatura trazida para a Alemanha, escritores acusavam amplamente o Terceiro Reich. Artigos denunciavam com veemência a perseguição dos judeus alemães, a “selvageria” nazista com relação aos comunistas, a remilitarização da Alemanha, a nazificação das escolas e universidades, a propaganda nazista, e o assalto do regime às igrejas dominantes.

Else Woieziek, uma testemunha de Jeová condenados à morte e executado em 1944. Dusseldorf, Alemanha, 1937-38

Else Woieziek, uma Testemunha de Jeová condenada à morte e executada em 1944. Dusseldorf, Alemanha, 1937-38

Os filhos das Testemunhas de Jeová também sofreram. Em salas de aula, professores ridicularizavam crianças que se recusavam a fazer a saudação “Heil, Hilter!” ou cantar canções patrióticas. Colegas de classe evitavam e batiam em jovens Testemunhas de Jeová. Diretores os expulsavam das escolas. Famílias foram destruídas quando as autoridades tomavam filhos de seus pais e os enviavam para reformatórios, orfanatos, ou casas particulares, para que crescessem como nazistas.

Depois de 1939, a maioria das Testemunhas de Jeová ativas foram encarceradas em prisões ou campos de concentração. Alguns haviam fugido da Alemanha. Nos campos, todos os prisioneiros usavam marcações de vários formatos e cores, para que os guardas e oficiais dos campos pudessem identificá-los por categoria. As testemunhas de Jeová eram marcadas por distintivos triângulos roxos. Mesmo nos campos, eles continuavam a se encontrar, orar, e fazer conversões. No campo de concentração de Buchenwald, eles criaram uma gráfica clandestina e distribuíram panfletos religiosos.

As condições nos campos nazistas eram geralmente duras para todos os prisioneiros, muitos dos quais morriam de fome, doença, exaustão, exposição ao frio, e tratamento brutal. Mas, como o psicanalista Bruno Bettelheim e outros, notaram que as testemunhas de Jeová foram sustentadas singularmente nos campos pelo apoio que davam uns aos outros e pela sua crença de que seu sofrimento era parte de seu trabalho para Deus. Testemunhas individuais surpreendiam seus guardas com sua recusa em obedecer às rotinas do tipo militar, como chamadas ou enrolar bandagens para soldados do front. Ao mesmo tempo, as Testemunhas, de maneira incomum, eram consideradas confiáveis, porque elas se recusavam a escapar dos campos ou resistir aos seus guardas. Por esta razão, as Testemunhas de Jeová eram muitas vezes usadas como trabalhadores domésticos por oficiais e guardas nazistas.

De acordo com Rudolf Höss, comandante de Auschwitz, o chefe da SS, Heinrich Himmler, freqüentemente usava a “fé fanática” das Testemunhas de Jeová como um exemplo para suas próprias tropas SS. Em sua visão, os homens da SS tinham que ter a mesma “fé inabalável” no ideal nacional-socialista e em Adolf Hitler que as Testemunhas tinham em Jeová. Somente quando todos os homens da SS acreditassem tão fanaticamente em sua própria filosofia é que o estado de Adolf Hitler estaria permanentemente assegurado.

Nos anos do nazismo, cerca de 10.000 Testemunhas de Jeová, a maioria delas de nacionalidade alemã, forma aprisionados em campos de concentração. Depois de 1939, pequenos números de Testemunhas da Áustria, Bélgica, Tchecoslováquia, Países Baixos, Noruega e Polônia (alguns dos quais refugiados da Alemanha) foram presos e deportados para Dachau, Bergen-Belsen, Buchenwald, Sachsenhausen, Ravensbrück, Auschwitz, Mauthausen, e outros campos de concentração.

Cerca de 2.500 a 5.000 testemunhas morreram em campos ou prisões. Mais de 200 homens foram julgados pelo Tribunal de Guerra Alemão e executados por renegarem o serviço militar.

FONTES:

Fonte:http://www.ushmm.org/education/resource/jehovahs/jehovahsw.php?menu=/export/home/www/doc_root/education/foreducators/include/menu.txt&bgcolor=CD9544 

http://holocausto-doc.blogspot.com/search/label/Testemunhas%20de%20Jeov%C3%A1

http://br.groups.yahoo.com/group/Holocausto-Doc/message/6288

Anúncios
Both comments and trackbacks are currently closed.