Por que evitar o espiritismo


SE LHE ensinaram que certas formas de espiritismo são meios de contatar espíritos bons, talvez se surpreenda em saber o que a Bíblia diz sobre o espiritismo. Por exemplo, ela declara: “Não vos vireis para médiuns espíritas e não consulteis prognosticadores profissionais de eventos, de modo a vos tornardes impuros por eles.” — Levítico 19:31; 20:6, 27.

De fato, a Bíblia diz que o praticante do espiritismo é “algo detestável para Jeová”. (Deuteronômio 18:11, 12) Por quê? Um exame do que a Bíblia diz sobre um dos principais aspectos do espiritismo — a alegada comunicação com os mortos — responderá a essa pergunta.

Estão vivos os mortos?

Contrário ao que muitos pensam, a Palavra de Deus, a Bíblia, ensina que não é possível que humanos se comuniquem com parentes falecidos. Por que não? Ora, para que alguém fale com um morto, o morto na verdade tem de estar vivo. Tem de haver uma parte dele que sobreviva à morte. Muitos afirmam que a alma sobrevive à morte do corpo. É verdade isso?

O relato bíblico da criação do homem reza: “Jeová Deus passou a formar o homem do pó do solo e a soprar nas suas narinas o fôlego de vida, e o homem veio a ser uma alma vivente.” (Gênesis 2:7) Não revela isso que a pessoa é uma alma e não que tem uma alma imortal que sobrevive à morte do corpo? De fato, as Escrituras dizem: “A alma que pecar — ela é que morrerá.” (Ezequiel 18:4) “Os viventes estão cônscios de que morrerão; os mortos, porém, não estão cônscios de absolutamente nada . . . Não há trabalho, nem planejamento, nem conhecimento, nem sabedoria no Seol”, a sepultura comum da humanidade. — Eclesiastes 9:5, 10.

Portanto, segundo a Bíblia, a alma não é algo que sobrevive à morte do corpo, com a qual os humanos vivos podem depois se comunicar. Veja dois exemplos de eruditos bíblicos conceituados que chegaram à conclusão de que a alma morre. O teólogo canadense Clark H. Pinnock observou: “Esse conceito [de que a alma humana é imortal] tem influenciado a teologia há muito, muito tempo, mas não é bíblico. A Bíblia não ensina a imortalidade inerente da alma.” E o erudito britânico John R. W. Stott declarou: “A imortalidade — e, por conseguinte, a indestrutibilidade — da alma é um conceito grego, não bíblico.”

Não obstante, há pessoas que realmente recebem mensagens e ouvem vozes, aparentemente de mortos. Mas quem está por trás disso?

Com quem se comunicam?

A Bíblia conta que uma criatura espiritual invisível usou uma serpente, mais ou menos como os ventríloquos usam um boneco, para falar com a primeira mulher, Eva, e induzi-la a rebelar-se contra Deus. (Gênesis 3:1-5) A Bíblia chama essa pessoa espiritual, ou anjo, de “serpente original, o chamado Diabo e Satanás, que está desencaminhando toda a terra habitada”. (Revelação [Apocalipse] 12:9) Essa criatura, Satanás, incitou outros anjos à rebelião. (Judas 6) Esses anjos maus são chamados de demônios, e são inimigos de Deus.

A Bíblia mostra que os demônios têm o poder de influenciar os humanos. (Lucas 8:26-34) Assim, não é de admirar que a Lei de Deus diga: “Não se deve achar em ti alguém que  . . . vá consultar um médium espírita, ou um prognosticador profissional de eventos, ou alguém que consulte os mortos. Pois, todo aquele que faz tais coisas é algo detestável para Jeová.” (Deuteronômio 18:10-12) Quais são os riscos de violar essa lei?

Um incidente na vida do Rei Saul, do Israel antigo, responde a essa pergunta. Temendo seus inimigos, Saul procurou uma médium espírita e pediu a ela que falasse com o falecido profeta Samuel. Ao ouvir da médium espírita a descrição de um homem idoso, o rei presumiu que essa aparição fosse de Samuel. E que mensagem recebeu Saul? Israel cairia nas mãos de inimigos e Saul e seus filhos passariam a estar com “Samuel”, indicando que morreriam. (1 Samuel 28:4-19) Como Deus reagiu à decisão de Saul de consultar uma médium espírita? As Escrituras dizem: ‘Saul morreu por sua infidelidade, e também por pedir a uma médium espírita que fizesse uma consulta.’ (1 Crônicas 10:13) Que preço elevado ele pagou!

Também hoje, os que se envolvem no espiritismo correm grave risco. A Bíblia alerta que os “que praticam o espiritismo” sofrerão “a segunda [ou, definitiva] morte”. (Revelação 21:8; 22:15) Portanto, é óbvio que o proceder sábio e que leva à salvação é evitar o espiritismo em todas as suas formas.

Como resistir aos espíritos maus

E se você já estiver envolvido no espiritismo? Nesse caso, fará bem em tomar medidas imediatas para proteger você e sua família contra os espíritos maus. Que medidas? Para ilustrar: como é que uma pessoa protege sua casa contra insetos e animais nocivos? Bem, depois de expulsar os insetos e os animais, a pessoa livra a casa das coisas que os atraem. Ela tapa as frestas e reforça as paredes para impedir a invasão dos insetos e animais, e, se a praga persistir, talvez recorra a autoridades locais.

Um procedimento similar pode ajudá-lo a resistir a espíritos maus e a livrar-se deles. Veja o exemplo dos cristãos de Éfeso, no primeiro século, que praticavam o espiritismo antes de se tornarem cristãos. Tendo decidido livrar-se do espiritismo, eles tomaram três medidas protetoras contra os ataques dos espíritos maus, comparáveis a ataques de insetos ou de animais nocivos. O que fizeram?

Primeira medida

A Bíblia explica: “Um número considerável dos que haviam praticado artes mágicas trouxeram os seus livros e os queimaram diante de todos.” (Atos 19:19) Por destruírem seus livros de adivinhação, aqueles novos cristãos deram um exemplo para todos os que hoje desejam resistir aos espíritos maus. Livre-se de todos os objetos relacionados com o espiritismo. Isso incluiria todos os livros, revistas, histórias em quadrinhos, vídeos, pôsteres, matérias de fontes eletrônicas e gravações musicais que tenham implicações espíritas, bem como amuletos ou outros itens usados como “proteção”. — Deuteronômio 7:25, 26; 1 Coríntios 10:21.

Um homem sul-americano, que por décadas estava atolado no espiritismo, acatou esse conselho bíblico. “Certo dia”, ele conta, “juntei todos os meus pertences espíritas diante da minha casa, peguei num machado e os retalhei”. Daí, ele queimou tudo. Fez bom progresso espiritual e logo se tornou ministro zeloso numa congregação das Testemunhas de Jeová.

Mas essa primeira medida só não basta. Por que não? Bem, alguns anos depois que aqueles cristãos em Éfeso destruíram seus livros de magia, o apóstolo Paulo escreveu: “Temos uma pugna  . . . contra as forças espirituais iníquas.” (Efésios 6:12) Os demônios não haviam desistido. Ainda buscavam vantagem. O que mais tinham de fazer aqueles cristãos?

Segunda medida

Paulo exortou os efésios do primeiro século: “Revesti-vos da armadura completa de Deus, para que vos possais manter firmes contra as maquinações do Diabo.” (Efésios 6:11) Esse conselho ainda vale hoje. Assim como a pessoa que tenta impedir a invasão de insetos ou de animais na sua casa, o cristão precisa fortalecer suas “paredes” de defesa para ficar fora do alcance dos espíritos maus. O que inclui essa segunda medida?

“Acima de tudo”, acentua Paulo, “tomai o grande escudo da fé, com que podereis apagar todos os projéteis ardentes do iníquo”. (Efésios 6:16) Esse escudo é indispensável. Quanto mais firme for a sua fé, maior será a sua resistência às forças espirituais do mal. — Mateus 17:20.

Mas como fortalecer as defesas? Por continuar a estudar a Bíblia. Em que sentido estudar a Bíblia se relaciona com a fé? Bem, assim como a solidez duma parede depende muito do alicerce, a solidez da fé depende muito da base. Que base?

O conhecimento exato da Palavra de Deus. O apóstolo Paulo explica: “A fé segue à coisa ouvida. Por sua vez, a coisa ouvida vem por intermédio da palavra acerca de Cristo.” (Romanos 10:17) Incentivamo-lo a solicitar às Testemunhas de Jeová um estudo bíblico gratuito, numa hora e local convenientes para você. Esse estudo fortalecerá a sua fé. (Romanos 1:11, 12; Colossenses 2:6, 7) O resultado? Em pouco tempo, a sua fé se tornará um baluarte que servirá de escudo contra a influência dos espíritos maus. — Salmo 91:4; 1 João 5:5.

Que terceira medida os cristãos em Éfeso tinham de tomar?

Terceira medida

Lá em Éfeso aqueles novos cristãos haviam tomado medidas para resistir aos espíritos maus, mas eles ainda viviam numa cidade infestada de demonismo. Precisavam de mais proteção. Assim, ao escrever a concrentes, o apóstolo Paulo lhes disse o que fazer: “Com toda forma de oração e súplica, em todas as ocasiões, [fazei] orações em espírito. E, para este fim, mantende-vos despertos com toda a constância e com súplica a favor de todos os santos.” — Efésios 6:18.

Certamente, orar intensa e constantemente pela proteção de Jeová era, e ainda é, uma decisiva e necessária medida de defesa contra os espíritos maus. E é consolador saber que Jeová ouvirá suas fervorosas súplicas, dando-lhe Sua proteção, que inclui o apoio de anjos. (Salmo 34:7; 91:2, 3, 11, 14; 145:19) Assim, é muito importante persistir em orar a Deus, pedindo: “Livra-nos do iníquo.” — Mateus 6:13; 1 João 5:18, 19.

Antônio, ex-médium espírita no Brasil, veio a apreciar o valor da oração. Depois de ter aceitado um estudo bíblico e aprendido o nome de Deus, Jeová, ele passou a orar intensamente a Jeová pedindo ajuda para romper com o espiritismo. Recordando, ele diz: “Orar a Jeová tem sido um refúgio para mim e para muitos outros que estavam enlaçados por espíritos maus no passado.” — Provérbios 18:10.

Você pode vencer

Depois de conhecer a Jeová é vital que confie plenamente nele, que se submeta à sua autoridade e obedeça aos seus mandamentos. Se fizer isso, ao invocar a ajuda de Deus, usando o seu nome, Jeová, ele o protegerá. Antônio recebeu tal proteção. Hoje ele é ancião numa congregação das Testemunhas de Jeová em São Paulo, grato de ter encontrado a verdade que o libertou. — João 8:32.

Como Antônio e milhares de outros ex-espíritas que agora servem a Jeová, você também pode libertar-se do espiritismo. Para tanto, livre-se de objetos ligados ao espiritismo, fortaleça sua fé pelo estudo da Bíblia e ore pela proteção de Jeová. Tome essas medidas — sua vida depende disso!

Anúncios
Both comments and trackbacks are currently closed.