O Didaquê e a trindade


Ficheiro:Didache Colofon.jpg

O Didaquê (Διδαχń, “ensino”, “doutrina”, “instrução” em grego)  também chamado pelos escritores que viveram antes do Concilio de Nicéia , como “Instrução dos Doze Apóstolos” (do grego Didache kyriou dia ton dodeka apostolon ethesin) são escritos considerados por um número cada vez maior de eruditos, anteriores a destruição do templo de Jerusalém, entre os anos 60 e 70 d.C.

O texto foi mencionado por escritores antigos, inclusive por Eusébio de Cesaréia que viveu no século III, em seu livro “História Eclesiástica”, mas a descoberta desse manuscrito, na íntegra, em grego, num códice do século XI ( ano 1056 ) ocorreu somente em 1873 num mosteiro em Constantinopla.

Outros estimam que foi escrito entre os anos 70 e 90 d.C., contudo são coesos quanto a origem sendo na Palestina ou Síria. Segundo Willy Rordorf, a Didachê é uma “compilação anônima de diversas fontes derivadas da tradição viva, de comunidades eclesiais bem definidas”, portanto a questão da datação equivale à questão das datas das tradições ali registradas, que indubitavelmente remontariam ao século I d. C., derrubando as teses de datação tardia.

Impostores e outros devem ter tentado explorar a bondade dos cristãos verdadeiros. O Didaquê, ou A Instrução dos Doze Apóstolos, recomenda que um pregador itinerante seja hospedado por “um dia ou, se necessário, mais outro”. Depois disso, quando ele vai embora, “não deve levar nada a não ser o pão necessário . . . Se pedir dinheiro, é um falso profeta”. O documento continua, dizendo: “Se quiser se estabelecer e tiver uma profissão, então que trabalhe para se sustentar. Porém, se ele não tiver profissão, proceda de acordo com a prudência, para que um cristão não viva ociosamente em seu meio. Se ele não aceitar isso, trata-se de um comerciante de Cristo. Tenha cuidado com essa gente!”

Em vez de seguir a prática instituída por Jesus na Refeição Noturna do Senhor, conhecida também como a Santa Ceia, o autor de O Didaquê sugeria que o vinho fosse passado antes do pão. (Mateus 26:26, 27) Esse escritor também dizia que, se não houvesse um lugar com água suficiente para realizar um batismo por imersão, bastaria aspergir água sobre a cabeça da pessoa. (Marcos 1:9, 10; Atos 8:36, 38)

Claramente não inspirado nem parte dos Evangelhos em vista destes pequenos desvios, o Didaquê, contudo apresenta muita informação que lhe dá uma importância de documento e referencia interessante para os estudiosos do primitivo cristianismo. Além disso o Didaquê incentiva a pesquisa do Evangelho de Cristo. No Didaquê,  Jesus jamais é mencionado como o é atualmente na maioria das Igrejas chamadas cristãs. Jesus não é igualado a seu Pai por ser chamado de Deus ou de “Deus Pai”. Nem mesmo é considerado como parte de uma trindade ou “Deus em forma humana” como é atualmente divulgado nas Igrejas Evangélicas.

Jesus é mencionado sempre no Didaquê como sendo “o Filho de Deus” e o “Servo de Deus”. Assim como nos Evangelhos não se vê claramente nem por inferência a doutrina da trindade. SE este fosse um ensino claro e proveniente de Cristo deveria ser mencionado, o que não ocorre no Didaquê.

Atanásio (367) e Rufino (380) mencionam o Didaquê como estando entre os “apócrifos”. A ausência da doutrina trinitária deve fazer os “cristãos” de hoje avaliarem as seguintes perguntas:

Por que não se fala neste escritos de Jesus como sendo o próprio Deus ?

Por que se repete vez após vez a frase “Jesus o servo do Pai” ?

Anúncios
Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comments in english allowed! Não serão permitidos comentários de opositores ou pessoas que querem debates sem fim. EVITE FUGIR DO TEMA DA PÁGINA OU FAZER flooding de informações. Isso é coisa de gente desonesta e que quer confundir. Discordar não é problema, mas fazer oposição com zombaria desrespeito e trollagem não são aceitos nesta página. Ao postar nesta página você estará concordando com isso! Não é permitido a participação de APÓSTATAS nos comentários desta página. Em outras palavras, críticas e discordâncias são aceitas e até mesmo postadas, mas não “espírito de oposição”. Isto se dá em vista do claro mandamento bíblico para que “os eviteis” Romanos 16:17. Outra coisa...tenho recebido comentários feitos com erros graves em quase toda linha e frase. NÃO POSTAREI. Tenha respeito por assuntos bíblicos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s