PNEUMATOLOGIA


Pneumatologia

 

O Erudito Evangélico Daniel Wallace em seu artigo falando sobre a “Gramática Grega e a Personalidade do Espírito Santo” reconhece que as escrituras não contêm a doutrina da trindade! De fato admitir isso não é o mesmo que evidenciar uma preferencia religiosa como pensam alguns, mas encarar os fatos dum ponto de vista imparcial.

No parágrafo final de seu artigo ele diz:

“Em geral eu concordaria com Alister MacGrath (que escreveu Teologia Cristâ – Uma Introdução [2d ed.; Oxford: Blackwell, 1997], 294)) onde  ele afirmou o seguinte sobre como construir uma doutrina trinitária:

“A doutrina da trindade pode ser considerada como o final de um processo sustentado de reflexão e crítica no padrão de atividade divina revelado nas escrituras e continuada na experiência cristã. Isto não significa dizer que as escrituras contenham uma doutrina da trindade, antes, as escrituras são o testemunho de um Deus que exige ser compreendido de uma maneira trinitária.”

Observaram Daniel Wallace afirmar que concorda com as declarações de que “As escrituras não contém uma doutrina da trindade”?

Neste mesmo artigo escrito pelo Erudito Daniel Wallace, ele cita vários Eruditos Evangélicos conhecidos e respeitados no mundo inteiro.E diz que estes, fizeram uso errado de textos a fim de provar que o espirito santo é alguém. Por exemplo, nos textos onde Jesus chama o espírito santo de PARACLETOS, em grego, vemos o pronome masculino sendo citado pelos Eruditos como prova de que o espírito santo é alguém.

Daniel Wallace mostra que eles estão errados e estão deturpando a pneumatologia a partir de argumentos fracos.Ele mesmo diz:

“Não há nenhum texto no N.T que claramente ou até provavelmente afirme a personalidade do espírito santo através da rota da gramática grega. A base desta doutrina deve estar em outros fundamentos.”

em seguida após declarar este fato, Daniel Wallace diz segundo sua opinião que não acredita que o espírito santo seja algo. Muito embora os fatos por ele apresentados demonstrem a seguinte conclusão:

“Em suma, tenho procurado demonstrar neste jornal que falta a base gramatical para a personalidade do espírito santo no N.T, contudo esta é frequentemente, senão normalmente, a primeira linha de defesa de muitos escritores Evangélicos..”

“Mas se a gramática não pode ser usada para apoiar a personalidade do espírito santo, talvez precisamos reavaliar o resto de nossa base para tal compromisso teológico.Não estou negando a doutrina da trindade, claro, mas estou argumentando que precisamos  basear nossas crenças num fundamento mais sólido.”

Ele afirma:

“Defesas evangélicas para várias doutrinas são, ocasionalmente pobremente fundamentadas. As vezes afirmamos que certas coisas sejam verdade só porque desejamos que estas sejam verdade, sem fazermos o trabalho exaustivo necessário para apoiar nossas conclusões.”

“Podemos citar vários teólogos e Eruditos que usaram as escrituras de modo equivocado a fim de pregar gramaticalmente o que supunham serem “provas” da personalidade do espírito santo.”

Há muito tempo o Teólogo Charles Hodge escreveu:

O primeiro argumento para a personalidade do espírito santo é derivado do uso dos pronomes pessoais em relação a ele… Nosso Senhor diz (João 15:26) : “Quando o consolador (HO PARACLETOS) vier e a quem enviarei da parte do Pai, até mesmo o espírito do Pai, (TÓ PNEUMA THES ALETHEIAS )o qual (HO) procede do Pai, Ele (EKEINOS) testificará de mim.” O Uso do pronome masculino ELE ao invés de ele (neutro) mostra que o espírito é uma pessoa.” 

Em 1980 Curt Steven Mayes, em sua Tese apresentada no Seminário Teológico de Dallas foi outro a cometer o mesmo erro. Alguns chegam a discordar de Dan Wallace por serem incapazes de entender o assunto devido à mente limitada. ( infelizmente uma maioria no Brasil) Como sabemos algumas pessoas são naturalmente limitadas e não conseguem entender o básico. Não vou citar nomes visto que não pretendo ofender ninguém. Contudo, outros não concordariam com Daniel Wallace e tentariam argumentar usando até mesmo gramática aplicada, conhecimentos gramaticais e analise sintática avançada a fim de tentar provar gramaticalmente a personalidade do espírito santo. Por que isso acontece?Observem a lista de Eruditos/Teólogos que escreveram centenas de livros e publicações equivocadas sobre o assunto conforme destacou o respeitado Erudito Daniel Wallace:

Dabney, Smeaton, Kim, Conner, Berkhof, Chafer, Thiessen, Pache,Pentecost, Ryrie, Green, Williams, Packer, Sproul, Grudem, Ferguson,Reymond, e Congar.Cita Eruditos como Lange, Godet,Mortimer, Westcott, Bernard, Lenski, Hendricksen, Barrett, Behler,Sanders e Mastin, Brown, Morris, Lindars, Newman e   Nida,Carson, e Beasley-Murray.

Todos usam argumentos gramaticais em uma ou mais dentre várias passagens a fim de tentarem apoiar a doutrina da trindade com base equivocada.

*16. J. P. Lange, Commentary on the Holy Scriptures—Critical, Doctrinal and Homiletical:John (Grand Rapids: Zondervan, [1950] [translation of 1871 German work]), 469;

L. Godet, Commentary on the Gospel of John (New York: Funk & Wagnalls, 1893), 2.287;A. G. Mortimer, The Last Discourses of Our Lord (New York: Thomas Whittaker, 1905),226; B. E Westcott, The Gospel according to St. John (London: John Murray, 1908), 2.183;J. H. Bernard, A Critical and Exegetical Commentary on the Gospel according to St. John(ICC; Edinburgh: T. & T. Clark, 1928), 2.500; R. C. H. Lenski, The Interpretation of St.John’s Gospel (Columbus, Ohio: Lutheran Book Concern, 1942), 1013-14, 1090; W. Hendricksen,Exposition of the Gospel according to John (Grand Rapids: Baker, 1954), 2.328;C. K. Barrett, The Gospel according to St John: An Introduction with Commentary and Note son the Greek Text (London; SPCK, 1955), 402; G.-M. Behler, The Last Discourse of Jesus(Baltimore: Helicon, 1965), 118-19; J. N. Sanders and B. A. Mastin, A Commentary on theGospel according to St. John (New York: Harper & Row, 1968), 329, 345; R. E. Brown, The Gospel according to John XIII—XXI (AB 29a; New York: Doubleday, 1970), 639, 650, 689;L. Morris, The Gospel according to John (NICNT; Grand Rapids: Eerdmans, 1971), 656 n. 70, 683-84 n. 63, 699 n. 26; B. Lindars, The Gospel of John (Greenwood, S.C.: Attic,1972), 504; B. M. Newman e E. A.Nida, A Translator’s Handbook on the Gospel of John (New York: United Bible Societies,1980), 497; D. A. Carson, The Gospel according to John (PNTC; Grand Rapids: Eerdmans,1991), 510; G. R. Beasley-Murray, John (2d ed.; WBC 36; Nashville: Nelson, 1999), 261. 

Imaginem que este erudito respeitado está falando de outros eruditos que se dedicam ao assunto. Quer dizer então do povo que segue estes instrutores religiosos?

Nós concordamos com o Sr Daniel Wallace, a Bíblia não apoia gramaticalmente a idéia de que o espírito santo seja alguem.Nem apoia de forma alguma! Nossa opinião não se dá devido a tendencia religiosa ou preferencia por doutrinas particulares de alguma religião, não, mas chegamos a essa conclusão depois de um estudo objetivo do texto da Bíblia Sagrada, estudo este feito com o interesse na verdade e imparcialidade.

Voltando ao assunto sobre a gramática grega e a doutrina de que o espírito santo é alguém…

Quase sempre se usa um artigo neutro antes da palavra grega “espírito santo”. Sabemos que convenções gramaticais são irrelevantes para determinar este assunto. Até mesmo a palavra hebraica espírito RUÁHH é feminina e nem por isso dizemos que o espírito é uma pessoa do sexo feminino. O artigo neutro em grego é usado com referencia a PAIDION que se refere a uma criança, contudo sabemos que uma criança não é algo, mas alguém.

Contudo, de modo amplo e frequente, a forma articular neutra que antecede a palavra grega espírito (pneuma) sugere claramente que este, seja algo e não alguém.  Por meio da gramática grega podemos provar que Jesus é alguém, por meio da gramatica do Novo Testamento em grego, podemos provar que Jeová, o Pai é alguém.

πνεῦμα

Mas em parte alguma, poderíamos provar por meio de gramática ou outro meio, que o espírito santo é alguém. Por quê? Por que a Bíblia ensina que o espírito santo é a poderosa força ativa de Deus ou seu poder irresistível em operação. Tanto é que lemos que Deus tirou um pouco deste espírito de Moisés e o distribuiu sobre outros 70 homens no antigo Israel. A Bíblia diz que Deus derramou este espírito sobre 120 discípulos de Jesus Cristo reunidos numa sala de sobrado.

Lemos também que Deus prometeu fazer este mesmo espírito “borbulhar” para seus servos fiéis. Provérbios 1:23. Hebreus 2:4 diz que Deus dá “distribuições de espírito santo”.

João batista disse que os cristãos seriam “batizados” (que significa mergulhados) em espírito santo. Assim como a água mergulha ou batiza, e sabemos que a água não é alguém, o espírito também mergulha ou envolve pessoas.Em pentecostes os cristãos ficaram “cheios de espírito santo”. Como poderia este ser alguém se eles ficaram “cheios” dele? Portanto, este jamais teria o apoio gramatical de que é alguém.

Alguém não pode ser derramado nem distribuido.

Alguns argumentam que o espírito santo é alguém visto que podemos “mentir contra ele”. Contudo a Bíblia também diz que não devemos mentir “contra a verdade” (Tiago 3:14), e sabemos que a verdade não é uma pessoa, tampouco o espírito santo é uma pessoa. Os poucos textos que personificam o espírito santo precisam ser confrontados não com a tradição trinitária, mas com os demais textos que, em sua grande maioria, mostram que este mesmíssimo espírito é algo.

Concordamos com o Erudito Daniel Wallace, quando sugere claramente que não existe na Bíblia a doutrina da trindade. Concordamos com ele quando diz que Eruditos Evangelicos estão usando textos de uma maneira equivocada a fim de promoverem doutrinas tradicionais. Ao passo que teólogos da Cristandade deduzem um ensino da trindade nas escrituras, observamos, porém, que tal doutrina não é explicitada em parte alguma das escrituras.

Aquilo que muitos “querem acreditar” é na verdade ensinado como algo bíblico, quando na verdade a Bíblia diz na sua simplicidade que Jesus é outro personagem distinto e subordinado a Deus.

Os fatos apresentados por estudiosos de alto calibre teológico são colocados em descrédito a favor de suposições e especulações sem apoio das Escrituras Sagradas. Daniel Wallace crê que não há uma explícita trindade na Bíblia e crê também que a gramática não apoia a personalidade do espírito santo, contudo, ele mesmo prega que o espírito santo é uma pessoa e que Deus é uma tríade de pessoas. Conclui isso a partir do que considera um entendimento progressivo da natureza de Deus. Todavia, ignora que este entendimento acaba por fim em contradizer textos bíblicos claros, que apresentam Jesus como sendo distinto de seu Pai e Deus. (João 20:17 1 Cor. 15:27)

As Testemunhas de Jeová apreciam muito as conclusões de Eruditos dedicados que ajudam as pessoas a tirarem suas conclusões de uma forma mais abalizada. Principalmente quando estes estudiosos contribuem para abrir os olhos dos outros concernente a verdade sobre a natureza de Deus. Lamentamos, porém que casos como o de Daniel Wallace, que fala sobre fatos linguísticos relevantes, são raros no meio acadêmico, dominado pelo ser citado em 1 João 5:19 como sendo, o maligno.

Ou alguém ousa dizer que a verdade está com a maioria dos líderes religiosos deste mundo? Não foi o que Jesus sugeriu quando disse na oração na noite anterior a sua morte que o “mundo não veio a conhecer a Deus”. (João 17:25)

Disse também que “poucos são os que acham” o caminho estreito da verdade que conduz a vida. (Leia Mateus 7:13,14 onde lemos que a verdade está com uma minoria) Temos aqui no Brasil muitos que se aventuram a entrar no campo da crítica textual e hermenêutica, mas que não passam de bonecos da Cristandade. Estes só estão se preparando para perpetuar os mesmos equívocos teológicos de seus mestres apóstatas, que são hoje a maioria. 1 João 5:19 diz que “O mundo inteiro jaz no poder do maligno” e isto inclue claramente o sistema religioso com seus teólogos. Claro que nem todos os teólogos ou Eruditos ensinam mentiras sutis e enganos, mas estes são a grande e vasta maioria.

Quando percebem algo diferente da linha teológica que defendem, passam a atacar e criticar como sendo antibíblico. Quando na verdade o que eles mesmos pregam é que é antibíblico.

Observem o que dicionários dizem sobre a palavra hebraica RUÁHH traduzida “espírito” em nossas bíblias. 

“Perceptível todavia não perceptível , invisível , contudo, poderoso, real como o ar carregado de energia, o vento, a tempestade, tão importante a vida como o ar que respiramos: esta é a maneira como as pessoas nos tempos antigos frequentemente imaginavam o “Espirito” e a operação invisível de Deus. De acordo com o principio do relato da criação, “espirito” (Hebraico, ruah; Grego, pneuma) é o “rugir ,” a “tempestade” de Deus sobre as águas. “Espirito” não se refere no sentido idealístico a uma capacidade de conhecimento ou um poder psicológico, muito menos um principio ético , intelectual ou imaterial, e certamente não espiritual ou uma realidade mental no sentido moderno oposto a natureza ou realidade corporal  sensível. “Espirito” como entendido na Biblia significa   a força ou poder procedendo de Deus, que é oposto a “carne,” e a realidade criada e perecível: Aquela força invisível de Deus e o poder de Deus que é efetivo criativamente ou destrutivamente, quer para a vida ou julgamento, na criação ou na história, em Israel ou na Igreja. Isto (Literalmente IT) vem sobre o homem poderosamente ou de modo gentil, levando indivíduos ou grupos a êxtase, frequentemente com efeito de fenômenos extraordinários, em grandes homens e mulheres, em Moisés e nos  “juízes” em guerreiros e cantores, Reis , Profetas e Profetizas.” Hans Kung, On Being a Christian (Sendo um cristão) (1997), pags. 468/469.

Observe que  Kung escreveu: que ” o Espirito  como entendido na Biblia siginifica a força ou poder procedendo de Deus,”   Usando Genesis 1:2; Jo 33:4 e o Salmo 33:6 como sua base , Swete escreve sobre o  “Espirito” no Velho Testamento:

“O Espírito de Deus é o poder vital que pertence ao Ser Divino, e é visto em operação no mundo e nos homens. É a energia Divina que é a origem de toda vida criada, especialmente da existencia humana e as faculdades da natureza humana.” Swete, The Holy Spirit in the New Testament (O Espírito Santo no Novo Testamento)(1909), pag. 2.

O comentarista vê claramente  o “espirito” Hebraico RUAHH, como uma força, não como uma pessoa nestes versos.  

Referente a tradução de  Genesis 1:2:

“Existe base para se recomendar “um poderoso vento” (NEB, Speiser, von Rad); nas relativamente poucas passagens onde “Deus” é usado como um superlativo, o contexto normalmente torna isto claro, O sentido é perfeitamente transmitido por “o poder de Deus” (GNB).” A Bible Commentary for Today, General Editor G. C. D. Howley (1973), página 135.

Observe que este comentário declara que ” O sentido é perfeitamente transmitido por “o poder de Deus ” (GNB).”  

“Há de modo aparente um desenvolvimento  na direção da hipostatização do espírito, não no sentido de que seja concebido como uma pessoa mas como uma fonte substancial de força e atividade. É a força criativa de Javé (Gn. 1:2; Jb 33:5)” Dictionary of the Bible, McKenzie (1965), pag. 841.

Este Dicionário da Biblia concorda com a  TNM que em Genesis 1:2, o Espírito é a “força criativa de Javé.”  

“O Espírito pairava sobre as águas primitivas (Gn. 1:2) e cria o homem (Gn. 2:7), o Espírito que embeleza o céu (Jb 26:13), sustenta a vida animal e renova a superfície da terra (Ps. 54:30), é o ruahh (‘folego,’ ‘vento’) de Deus, o poder e energia divina que se desloca a todo lugar.” The New Bible Dictionary, J. D. Douglas (1962), pag. 531.

O ruahh não é uma pessoa, o significado básico em  Gen 1:2 (e nas outras escrituras citadas) demonstra que este é ” o poder e energia divina que se desloca a todo lugar .”

“Conotações comuns são “energia” e “invisibilidade”…. Falando de uma maneira ampla, o ruah de Deus  é representado como 1: como o poder de Deus na criação do cosmo (Gn. 1:2; Salmo. 33:6 etc.).” The New Dictionary of Biblical Theology, Edited by T. D. Alexander (2000), pag. 551.

Este dicionário da Biblia define  ruah em Gen. 1:2  como sendo  ” o poder de Deus na criação do cosmo.” Após uma consideração destas definições lembre-se do que afirmou Daniell Wallace quando disse que “falta a base gramatical  para a personalidade do espírito santo no N.T.”

Podemos afirmar que o mesmo ocorre no A.T , sim , falta a base gramatical também no  chamado Velho Testamento que apoie a idéia de que RUÁHH ou o “espírito” de Deus seja alguém!

Isso explica por que algumas versões da Bíblia verteram Gênesis 1:2 da seguinte maneira:

New Revised Standard Version Gen 1:2 “enquanto um vento de Deus movia-se sobre…”

Good News Bible: ” e o poder de Deus movia-se sobre as águas.”

New Jerusalem Bible: “com um vento divino locomovendo-se sobre as aguas.”

Knox: “e sobre as aguas movimentava-se o fôlego de Deus.”

Jewish Publication Society: “e um vento de Deus movimentava-se sobre as aguas”

Podemos deduzir destas traduções que a palavra RUACH traduzida por  “espirito” em muitas versões  não é de forma alguma consenso entre tradutores. De fato isto é prontamente reconhecido no  The Anchor Bible, Genesis, A New Translation with Introduction and Commentary produzido por F.A.Speiser que observa sobre RUACH aqui em  Genesis 1:2 : “um fantástico vento. Heb[raico] ruahh significa primeiramente “vento, briza,” e de modo secundário  “fôlego,” e por fim “espirito.”

Portanto, ao compararmos as palavras de Daniell Wallace com definições de outros dicionários respeitados com suas citações diretas da Bíblia e sem opiniões humanas, mas analise objetiva embasados na exatidão lexicográfica, podemos concluir que o espírito santo não é o que prega a maioria das escolas teológicas deste mundo apartado de Deus e que “não veio a conhecer a Deus”.

VEJA TAMBÉM este artigo referente ao “Espírito Santo”:

Personificação prova personalidade ?

Anúncios
Both comments and trackbacks are currently closed.

Comentários

  • Rivo  On 10 de fevereiro de 2011 at 2:22

    Continue com esse excelente trabalho de elevado nivel. Seus artigos está sendo de extrema ajuda.

    Curtir

  • Julio  On 11 de junho de 2012 at 15:41

    O que eu não entendo é o seguinte Deus com seu amor e seu poder e sua glória e que sempre teve como objetivo a salvação da humanidade deixaria no meio de 60 verões só a tradução Novo Mundo Contradiz que o Espírito Santo é Deus em nós? Pq nas 59 versõe afirmam que o Espírito Santo é uma pessoa e não uma influencia como vcs pregam por aí pois ele pensa guia ajuda consola ensina da dons isso é ato de uma pessoa e não de uma força vc naum acha? E Ele é Deus pq possui atributos que só Deus tem onipresença , onisciência . Antes de ficar metndo o pau nos teólogos examine as outras versões bíblicas primeiro.

    Curtir

  • queruvim  On 11 de junho de 2012 at 22:46

    Julio, obrigado pelos comentários sinceros e sua franqueza. Estou certo de que acredita de verdade no que fala. Apesar de sua franqueza, não ví desrespeito em suas palavras. Se estudarmos a Bíblia com todo o nosso esforço e nos livrar de qualquer pensamento tradicional, entenderemos que as Escrituras não articulam a frase “espírito santo” de forma que não deve ser vertida com letras maiúsculas, como fazem de modo enganoso a maioria das versões. Isso é especialmente assim em vista da consideração de todos os textos. Provérbios 1:23 fala de Deus como abençoando seus servos e dizendo: “farei então borbulhar meu espírito para vós” Como sabemos este e muitos outros textos estão sendo ignorados pelos religiosos. Note Julio que João batizava (ou seja “mergulhava” ) com água, mas Jesus, batizaria ( ou mergulharia) em espírito santo (literalmente em espírito). Assim como a água não é alguém e “mergulha” os cristãos, da mesma forma o espírito de Deus também não é alguém, e neste podem ser “mergulhados” os servos de Deus. Os cristãos ficaram “cheios de espírito santo”. Como pode o espirito santo ser alguem se este foi “derramado” (eshpoke em hebraico) sobre 120 discípulos? (Atos 2) Hebreus 2:4 diz que Deus deu “distribuições de espírito santo” o que indica que este não é alguém. Sansão foi envolvido com este espírito e matou 1000 homens, inimigos da adoração verdadeira. Não foi o espirito santo, ou alguém perto de Sansão que fez isso, mas o espírito nele! Ignorar estes textos não é correto Julio. Temos que confrontar a Bíblia para que ela se harmonize. A maioria dos textos apresentam o espírito de Deus como sendo “algo” e não “alguém” como ensina a maioria das Igrejas da Cristandade. Tenha em mente que 1 João 5:19 diz que “o mundo jaz no poder do maligno” portanto, Julio , não é de se admirar por que a maioria das versões da palavra de Deus articulam a frase “espírito santo”, algo que não se deve fazer, e muitos fazem a fim de plantar teologia posterior nas Escrituras Sagradas.É verdade que alguns textos personificam o espírito santo de Deus, mas quando estudamos com detida atenção observamos que a Bíblia personifica coisas sem que estas sejam “pessoas”. “O pecado reinou” escreveu Paulo. Moisés escreveu que o “pecado está agachado a entrada”, Cristo disse que “a sabedoria tem filhos” e muitos outros exemplos de personificação nas Escrituras. Todavia, a palavra de Deus não apresenta o espírito santo como sendo uma pessoa. Poderá notar que em parte alguma lemos que o espírito santo falou por sí. E se isto é dito, sempre foi “pela boca do profeta” ou um meio. Não se deve concluir teologia a partir de alguns versos. Isso é o que os Evangélicos fazem. E entendemos que a confusão e hipocrisia cada dia mais evidente é uma resposta clara a respeito deste assunto. Julio, não sei se sabe, mas a vasta maioria de protestantes foram os que elegeram Hitler em 1933 e a Igreja evangélica o elegeu com voto majoritário. Por que o “Espírito Santo” não orientou a tais de que Hitler mataria milhares de pessoas apenas por causa de sua cor ou raça? dos 21 julgados no tribunal de Nuremberg por crimes contra a humanidade, após o término da guerra, 16 eram evangélicos!
    Pense nisso.

    Att.

    Rubens

    Curtir

  • Queruvim  On 8 de outubro de 2013 at 10:53

    Some interesting comments about the “Holy Spirit” and grammar
    Pronouns and the ‘holy spirit’?

    September 4, 2009 by letusreason

    Touching on the subject of the ‘holy spirit’!

    Lay Trinitarians

    Many lay Trinitarians are constantly misled by Trinitarian scholars who mistranslate Greek pronouns into the wrong English pronouns, as is seen in texts like John 14:16, 17, and 26 where they translate the Greek ‘holy spirit’ by the English pronouns ‘he, him and whom’! This is rather misleading, wrong and smacks of theological bias! Each noun in Greek is given a specific ‘gender’, which in itself doesn’t suggest gender or being a person…!

    The term ‘holy spirit’ occurs about 87 times in the Greek NT

    Nouns & Prepositions

    The term ‘holy spirit’ occurs about 87 times in the Greek NT and is to be seen with the definite article [42] and indefinite article [45] just over 40+. And just as a reminder, that in Greek, if a noun does not carry the article, it is normally assumed to be indefinite. If a noun carries the article, it is assumed to be definite. If a noun is used in association with a preposition, i.e. the preposition (prepositional expression) occurs before the noun, the definite article is not always necessary and it is common in Greek to have it dropped, when the noun is used with a preposition. So, technically (Literally) we would have “a holy spirit” or “the holy spirit” and with a preposition [dropping the article “the”] we would have “holy spirit”.

    The prepositional expression “holy spirit”

    Some research will reveal that the prepositional expression “holy spirit” crops up some 21 time in the Greek NT and it will be seen that the definite article is not used, but there are one or two exceptions, but Greek grammar and syntax clarifies, as to why! When we come across an expression that uses the terms “holy spirit”, we must look at the grammar to determine, if such an expression is definite or indefinite, we just cannot assume and take it for granted!

    Hamartia

    Hamartia is the ‘feminine’ Greek noun for ‘sin’, but ‘sin’ is neither ‘male ‘nor ‘female’.

    Hamartolos

    Harmartolos is the ‘masculine’ Greek noun for ‘sinner’, but we know a sinner can be either sex gender i.e. male or female.

    The Greek word ‘parakletos’ [Helper, Comforter]

    We all know that the Greek word ‘parakletos’ [Helper, Comforter] for example is a Greek ‘masculine’ noun. From this point on, this is where the Trinitarians bring in confusion! When a pronoun in the Greek text is referring back to it associated [antecedent] Greek noun ‘parakletos’ it [the pronoun] will look back to the gender of its antecedent noun, and in our case it is the Greek noun ‘parakletos’ and ‘parakletos’ is ‘masculine’! When we come to the Greek noun ‘spirit’ [pneuma] we find that ‘it’ is in the neuter. So likewise, as with ‘parakletos’, the Greek pronoun associated with its [antecedent] noun ‘pneuma’ will be ‘neuter’ and will not be ‘male’ or ‘female’. It will be an ‘it’, and not a ‘he…’ or ‘she…’! It will not take long to find out, that certain of the Greek pronouns in the Greek NT associated with the term ‘[holy] spirit’ [pneuma [hagion]] texts are in the ‘neuter’, and as noted previously, the pronoun associated with the noun [antecedent] looks to the gender of its associated parent noun and that is ‘pneuma’, which is neuter, hence the gender of the pronoun will respond accordingly, because of the gender of the noun [antecedent]!!

    English pronouns; ‘whom/who, which and that’

    In English we have three pronouns; ‘whom/who, which and that’. The pronoun ‘who or whom’ is used with reference to individuals, it is termed a ‘relative’, because this particular pronoun refers to, or relates/relative to people! The pronoun ‘which’, is impersonal, because it is relative/relates to inanimate objects, things, animals, the abstract, forces i.e. energy, strength, power, weakness etc! The last pronoun “that” is used in a special sense, as with separate kinds of terms, phrases etc The pronoun ‘that’ is again a relative pronoun in that it relates to either ‘who/whom’ in that the neutral relative pronoun can take the place of ‘who/whom’ at certain times and it being neutral does not point to the ‘personal’ or the ‘impersonal’!

    Greek pronouns

    There are the three English pronouns, but what about Greek pronouns? As in English, Greek has three pronouns, but they are not an exact match for the three English pronouns! Greek nouns have ‘gender’. There are in Greek masculine, feminine and neutral nouns to be considered. It will be seen that Greek has three precise pronouns to work in association with Greek nouns, which are at times, seen as, ‘masculine, feminine and neutral’. These Greek pronouns are, ‘hos’, ‘he’, and ‘ho’. The pronoun ‘hos’ is used in relation to ‘things and individuals’, which refer to that which is a masculine noun. The pronoun ‘he’ is again linked to ‘things and individuals’…feminine noun. The pronoun ‘ho’ is used with reference to that which is neutral i.e. it corresponds with a neutral noun!

    Greek, nouns both masculine and feminine

    As is seen in Greek, nouns both masculine and feminine are used at times for things ‘impersonal’, as well as for individuals [in English we have “she” for ‘ship’ or ‘car’ etc]! The thing about the Greek neuter nouns is that they are only ever used for things that are impersonal as above i.e. “inanimate objects, things, animals, the abstract, forces i.e. energy, strength, power, weakness etc” and the same goes for the Greek pronouns, whether they be ‘masculine, feminine or neuter’! There is a way to handle the equivalent of the Greek and English pronouns, but I would like to pass over to the neuter noun in Greek, as this is how the ‘holy spirit’ is referred to! It must be pointed out at the outset, that the ‘holy spirit’ is never, ever spoken of with the Greek personal pronouns, thus Greek refers to the ‘holy spirit’ as a “which” and never a “who”; it is always an “it” and never a “he”!

    What Trinitarians are good at, is changing the impersonal pronoun such as, “which” or “that” with reference to the ‘holy spirit’ and changing it to a pronoun that is a “who” or a “whom”, thus forcing the neuter pronoun to become a personal pronoun, thus forcing the neuter ‘holy spirit’ to be ‘personal’ instead of being ‘impersonal’ and this is clearly wrong grammatically, thus showing that Trinitarians have an agenda, which is biased Trinitarian theology! The linguistic change by Trinitarians is not proper and is uncalled for and breaks the simple rules of Greek grammar!

    The Hebrew term ‘ruach’

    Just a small, but a very important point here, is the Hebrew term ‘ruach’ “spirit” at Gen 1:2. The interesting thing about this Hebrew term for ‘spirit’ is that it is ‘feminine’! What I just cannot understand, is why Trinitarians will readily point to this ‘female’ term, as a Trinity proof text in regard to the third part of their Trinity, which by the way they insist on saying is a ‘male’ i.e. “he” and this is observed in many English translations and supported by biased OT and NT commentaries and again, is wrong!

    Examples to show how pronouns work along with their [antecedent] nouns!

    In John 16:5-15 NIV it will be seen that the [masculine] pronoun is used in association several times with the [masculine] noun ‘parakletos’ and this is to be expected [what else] since the pronoun’s antecedent [noun – parakletos] is itself masculine, therefore, obeying the rules of Greek grammar, the pronoun must be ‘masculine’. If the antecedent was feminine, then the pronoun follows it and would have to be feminine etc!
    I just want to briefly mention, that the Greek ‘nominative’ and ‘accusative’ cases are sensitive to the presence of the article to make the noun definite, especially the nominative case and the genitive case does not necessarily require the article to make the noun definite i.e. verbal phrases that contain genitive elements in them, e.g. Luke 1:35, Acts 4:31.

    The expression “holy spirit”

    In the 87 occurrences where the expression “holy spirit” occurs, there are at least seven NT texts, where the expression “holy spirit” is ‘indefinite’ and these are as follows:

    Luke 2:25; 11:3; John 20:22, Acts 8:15, 17-19; 10:38; 19:2.

    Let’s look at some of these.

    Luke 2:25

    ‘and a holy spirit was upon him’.

    Acts 10:38

    ‘Jesus of Nazareth, how God anointed him with [or by] a holy spirit’.

    John 20:22

    ‘and when he had said this, he breathed on them and said to them, ‘receive a holy spirit’’

    How some Trinitarian translations translate the Greek into English.

    Luke 2:25 NASB

    “And there was a man in Jerusalem whose name was Simeon; and this man was righteous and devout, looking for the consolation of Israel; and the Holy Spirit was upon him.”

    “…and *the* Holy Spirit was upon him.”

    Greek “kai pneuma en hagion ep auton”

    Lit “and spirit was holy upon him” [and holy spirit was upon him].

    The term ‘spirit’ is the verb’s subject

    The term ‘spirit’ is the verb’s subject and we would think that it would have the definite article “the”, but it doesn’t and is therefore ‘indefinite’, “a/an”! If Luke had wanted the noun [the subject] to be definite, he would have employed the definite article “the”, but he didn’t, so why do Trinitarian translators employ the definite article, with an indefinite phrase “and spirit was holy upon him”, not “and *the* spirit was holy upon him”?

    Ignoring Greek the Grammar

    Trinitarian translators ignore the Greek grammar in preference to their pre-conceived biased Trinitarian theology; they turn an “it” into a “whom/who”, thereby changing the “impersonal” into the “personal”, the ‘non living’, into the ‘living’…now the “holy spirit” is a ‘person’!

    Acts 10:38 CEV

    “God gave the Holy Spirit and power to Jesus from Nazareth. He was with Jesus, as he went around doing good and healing everyone who was under the power of the devil.”

    “…the Holy Spirit…”

    Greek “exristen auton ho theos pneumatic agiw kai dunamei”

    Literally:

    “anointed him the God to spirit holy and to power” [God anointed him with holy spirit and power”

    The ‘indefinite “a” ‘holy spirit’?

    It will be noticed, that not only is “holy spirit” ‘indefinite’, but also “power” is indefinite! The term “holy spirit” is harmonised/coordinated with “power”, they are both indefinite, and again, Trinitarian translators completely ignore the Greek grammar in preference to their pre-conceived biased Trinitarian theology; they turn an “it” into a “whom/who”, thereby changing the “impersonal” into the “personal”, the ‘non living’, into the ‘living’…now the “holy spirit” is a ‘person’, but leave the coordinated indefinite “power” isolated from its coordinated “a” “holy spirit”!

    John 20:22 NIV

    “And with that he breathed on them and said, “Receive *the* Holy Spirit.”

    Greek

    “kai touto eipwn evephusesen kai legei autois labete pneuma hagion”

    Literally:

    “and this having said he blew in and he is saying to them receive you spirit holy”

    Grammar Dictates

    Some might be surprised not to see that here the “holy spirit” does not have the definite article “the”, but the grammar again, informs us that the phrase is ‘indefinite’ and therefore “holy spirit” warrants indefiniteness technically “a holy spirit”!

    Trinitarian translators ignore the Greek grammar

    And again, Trinitarian translators ignore the Greek grammar in preference to their pre-conceived biased Trinitarian theology; they turn an “it” into a “whom/who”, thereby changing the “impersonal” into the “personal”, the ‘non living’, into the ‘living’…now the “holy spirit” is a ‘person’!

    Tricks of the Trade

    These are just some of the tricky examples that Trinitarian translators get up to, in order to force a ‘definite’ sense onto an ‘indefinite’ ‘a’ ‘holy spirit’, what they are actually doing is injecting their own theology and bias into the texts…!

    No – “a” ‘holy spirit’ in English!

    Obviously, we would not have in English “a holy spirit”, but “holy spirit”, as it makes English sense, but we must not loose sight of the indefinite sense of “holy spirit” as it adheres to the rules of Greek grammar, and just as we do not say [Gen 1:1 LXX and John 1:1] ‘en arche…’ i.e. in *a* beginning, but in proper English, “in *the* beginning” – ‘arche being *indefinite* in Greek; English makes certain demands, so as to make itself comprehensible, so it would be wrong to try and make an exact match of Greek and English in this sense…!

    Trinitarian translators have consistently shown their collective Trinitarian bias, when they flagrantly flout the grammar behind the Greek and it is clearly wrong!”

    letusreason Sept 4-2009

    Curtir